PALAVRAS

Ilistração: ruralwillys.tripod.com


Há algumas coisas para as quais eu gostaria de ter explicação. Determinadas palavras, por exemplo. Tenho visto por aqui alguns textos automobilísticos nos quais, em vez de escrever motor, o autor escreve bloco, como se fossem sinônimos. A expressão bloco do motor já diz que não são. Bloco é a maior peça do desenho acima. Não é motor, mas parte dele.

Mas ontem me encaminharam um link de notícia sobre o Porsche GT3 que tem câmbio de dupla embreagem PDK, mas que pode ser comprado também com caixa manual de seis marchas, ou seja, o tradicionalismo fala alto na Porsche - ao contrário da Ferrari, que além de não ter mais câmbio manual nos modelos mais recentes, como o 458 Italia, ainda acabou com a alavanca seletora.

Acontece que a notícia estava no excelente site Motorlegend.com, que ao falar do GT3, fisse ter "bloc atmospherique" entre suas características principais. Bloco de aspiração atmosférica! Fique pasmo. Veja na matéria.

Comentei com o amigo que enviou o link, jornalista automobilístico dos bons, que me disse tratar-se de "licença poética", que não tem nada demais. Fique pasmo de novo, num intervalo de minutos.

Afinal, o que está acontecendo com a cabeça das pessoas? Tudo bem que a língua é dinâmica, mas, pera lá, bloco agora é a mesma coisa que motor? Muito esquisito.

Há tempos venho notando que a TAM trocou a palavra passageiro por cliente. "Lembramos que os pertences de mão são de responsabilidade do cliente" ou "Sabemos que a escolha da companhia aérea é uma decisão do cliente", soa pelos alto-falantes depois o avião deixa a pista e se dirige para a rampa de estacionamento. Cliente? Todo passageiro é cliente, mas a recíproca nem sempre é verdadeira. Uma empresa que custeia a viagem de um funcionário é cliente, mas a pessoa que viajou por conta da empresa é passageiro, nao cliente. Muito estranho.

O Comandante Rolim, que nos seus aviões acabou com o termo comissária e voltou a usar aeromoça, deve estar rolando no túmulo com essa de "cliente".

Outra que acho curioso é nos quadros de previsão do tempo na tevê:

Um exemplo de moça do tempo (yidio.com)

De uns tempo para cá as moças do tempo, independente da emissora, se esmeram em fornecer a previsão meteorológica e é até agradável assistir aos quadros, em especial os efeitos visuais cada vez melhores. Entretanto, surgiu uma condição de tempo nesses noticiários especializados que, ou não aprendi, ou faltei à aula de meteorologia para pilotos quando estava tirando o brevê: o tempo abafado.

O que será tempo abafado? Para mim, fora chover ou não, tempo sempre foi temperatura e sensação térmica (que aqui raramente se usa, ao contrário, por exemplo, da Argentina), que é influenciada pelo vento e pela umidade relativa do ar. Tempo abafado não me diz absolutamente nada.

Por fim, o ca'eme. Como é esquisito ouvir num noticiário de tráfego nas estradas que há na estrada tal há congestionamento do ca'eme x ao ca'eme y. Será preguiça de dizer quilômetro ou  ensinaram à jornalista  na faculdade que símbolo se pronuncia? "Por favor, me dê 1 ka'gê de batata e 1 e'le de leite".

Apenas palavras..

BS

91 comentários :

  1. Essa de ouvir "ká eme" é de doer...

    Eu sou da opinião de que dizer que há congestionamento entre os quilômetros tal e tal acaba sendo uma informação meio inútil. Afinal quem de nós sabe exatamente de cabeça a qual trecho tais e tais quilômetros se referem? Muito poucos tenho certeza. Seria muito mais útil se dissessem uma referência como por exemplo: "transito parado entre o trevo de acesso à Santa Luzia e o inicio da subida da Serra de Caeté" ou então "transito lento na BR-381 entre o entroncamento com a BR-262 e o trevo de Juatuba". As pessoas não se referenciam por numero de quilômetro, mas por pontos como esses.

    ResponderExcluir
  2. Concordo contigo!

    Quem se presta a dar a notícia tem a obrigação de falar e escrever corretamente TODA a história.

    Um erro crasso é achar que os sinônimos tem exatamente o mesmo significado num texto. A partir disso vale colocar a primeira coisa que vem à cabeça...

    ResponderExcluir
  3. As emissoras de tv tinha assasssinado a expressão "fulano não corre risco de vida" pelo "fulano não corre risco de morrer." Parece que o fulano se recuperou, e as emissoras voltaram a falar "fulano não corre risco de vida." Que significa que a vida de fulano não está em risco - que tinha a clareza das coisas simples. Aí beltrano dentro da emissora houve por bem achar que era simples demais. Daí falou com sicrano que adotou o "risco de morrer." E agora desadotou. Só pra ficar na categoria telenotícia, antes dessa confusão toda no mundo árabe, Kadhafi era o presidente da Libia. Depois que o povo reclamou, o mesmo beltrano recuou e agora só falam "o ditador da Libia." É como dizem: a língua é dinâmica. Mas também é como não dizem: a burrice é dinâmica.Abraços, Fred.

    ResponderExcluir
  4. Bob,
    Esse é o progresso.
    Acabou a cortesia, o tratamento individual... Hoje impera o modo mecânico de tratar os problemas, as pessoas, por ora denominado "atendimento personalizado", tudo papo furado.
    Nós que acompanhamos diversas transições de diversos gêneros, olhamos isso e nos perguntamos exatamente o que você comentou acima: "o que está acontecendo com a cabeça das pessoas?"
    Infelizmente o mundo é outro.

    ResponderExcluir
  5. Para escrever corretamente é preciso pensar no significado das coisas e no mundo moderno o tempo para isso é cada vez menor, então é mais fácil sair repetindo que se ouve. Dá nisso. Sou a favor do dinamismo do idioma, assim como acontece no inglês, mas desde que seja preservado o bom senso.

    ResponderExcluir
  6. Bob, mas você já percebeu as perdas linguísticas que estamos presenciando? A mídia, especialmente o jornalismo, está fraca, carente do bom e velho manual de escrita - basta abrir qualquer sítio de notícias na Internet.

    O povo então, me perdoe, mas cada vez mais alienado e diria até burro, pois não é possível que alguém que frequente pelo menos o primário escreva de forma tão precária como tenho visto diversas vezes.

    ResponderExcluir
  7. Fernando Müller22/02/11 10:21

    Bob, esta aí do "bloco" é realmente um absurdo. Alguns jornalistas "especializados" de um grande site cuja seção de carros é coligada a uma revista "especializada" de grande circulação só se referem a motor como bloco. Aí fica aquele negócio estranho, tipo "o Punto agora vem com um novo bloco 1.8 que tem 132 cv de potência". Ora, se só o bloco é novo posso entender que todo o resto é do motor antigo, certo? Simplesmente ridículo. Há ainda um famoso blog (e esse até que é um bom blog) que só se refere a potência como "potência bruta", mesmo quando está tratando de um valor de potência líquida, como nos carros mais recentes. Por estas e por muitas outras eu tenho procurado selecionar melhor o que leio.

    ResponderExcluir
  8. Ninfomaníaco22/02/11 10:24

    é legal ver a previsão do tempo pq a maior parte das 'moças do tempo' são gatas gostosas.....

    flávia freire, ticiana villas bôas, michele loretto... só filé!!!

    vamos fzr uma lista aí, galera!!!

    ResponderExcluir
  9. Ultimamente tenho ouvido e lido com frequência "massivo", que me parece o mesmo que usar "printar" ao invés de imprimir. :-)

    ResponderExcluir
  10. Ao anônimo das 09:41

    Quanto a expressão "risco de morte", tenho por mais correta que "risco de vida".

    Afinal, não se corre risco de viver, pois que já se está vivo, o risco é de morrer.

    Neste ponto, acredito que as emissoras corrigiram um vício de linguagem.

    ResponderExcluir
  11. A expressão "Risco de vida" está correta porque está implícito que o risco ali é o de "perder" a vida.

    ResponderExcluir
  12. Fora o pessoal que se refere à quantidade de cilindros como CC nos foruns por aí. Essa sigla define cilindrada cúbica e não "canecos"!

    ResponderExcluir
  13. A questão de chamar "motor" de "bloco", talvez tenha origens em uma interpretação ou tradução errada das expressões "big block" e "small block" que o pessoal usa nos EUA para certos motores V-8.

    Essa do "ka eme" é de doer mesmo... e para piorar, é comum os reporteres falarem "velocidade de 50 quilômetros"... erro feio! Se é para falar curto e errado, que falassem "50 por hora", pelo menos não dói tanto nos ouvidos.

    E essa do fulano "corre risco de vida" é clássica... Não sem quem inventou que isso era errado. Essa expressão significa que fulano "está com a vida em risco", e pronto. Qual o problema? Por causa do curto raciocinio de algum redator, temos agora que ficar ouvindo que fulano "corre risco de morte", e outros remendos.

    ResponderExcluir
  14. Bob
    O símbolo da potência deve ser pronunciado cavalo-vapor, sempre?

    150 cavalos-vapor de potência?

    É curioso falarem cá-eme e não usarem rpm, e sim "giros".

    Outra coisa: costumo escrever "o bloco de três litros", o "bloco de alumínio", "o conjunto usa um bloco com 3000 cm³ de deslocamento". Não vejo nada equivocado nesse sentido.

    ResponderExcluir
  15. Bob, conhece os peixes pokemóns?
    O Estadão fez uma reportagem sobre eles:

    http://img442.imageshack.us/img442/470/nivelsdoestadao.jpg

    Será que são Magikarps virando Gyarados?

    ResponderExcluir
  16. Sou seguidor fiel do Dicionário de Questões Vernáculas do prof. Napoleão Mendes de Almeida. Risco de vida, voo doméstico, versão brasileira, são termos altamente questionáveis.

    Outra mania que temos é usar o doloroso "no aguardo". Primeiro que no é em+o. Segundo que não existe aguardo. Existe aguarda. Então seria na (em+a) aguarda. Mas para estar "na" aguarda, seria preciso ser integrante, estar sobre ela, ou dentro dela. Se o espadachim está em guarda, o remetente do email está em aguarda. Assim como o vigilante está em vigília, e o paciente está em espera.

    ResponderExcluir
  17. Como diria meu filho .. sinistro ... com relação ao "tempo abafado", se trata de uma linguagem popular ... nós do interior, sempre falamos que o tempo está abafado, quando está muito quente e não tem vento ou brisa para refrescar ... lembre-se de como é preparada a "costela no bafo" ... muito calor e nada de vento ... só que é uma linguagem popular, usada no dia-a-dia ... e não fica bem uma emissora usar esta linguagem para prestar informações ...

    Geraldo

    ResponderExcluir
  18. Zé da Silva22/02/11 11:44

    ninfomaníaco, desculpas antecipadas ,mas vc está em blog errado, deveria frequentar o blog dos retardados sexuais, não acha ?

    ResponderExcluir
  19. A palavra K'eme já ouvi até em eventos legais como "k'eme de arrancada". Ué? Não são 1/4 de milha ou 402 metros?

    Algumas coisas que muitas vezes passam batidas e nem percebemos.

    GiovanniF

    ResponderExcluir
  20. César Tralli22/02/11 11:57

    Ninfomaníaco,

    Você esqueceu da Rosana Jatobá!

    Ahhh Rosana! Mas que Jatobá!

    Assim o tempo fica mais abafado ainda!

    Agora não fala da Flavinha, que eu não mexi na tua gaveta!

    http://megatv1.blogspot.com/2009/08/cesar-tralli-perde-oportunidade-na.html

    ResponderExcluir
  21. GiovanniF
    Existe tanto o quarto de milha quanto o quilômetro de aceleração, este mais na Europa.

    ResponderExcluir
  22. Jota,
    Perfeito, a referência só pelas "ca-emes" é insuficiente.

    ResponderExcluir
  23. Perneta,
    Exato! É como a palavra design, usada amplamente hoje, como se estilo não servisse mais.

    ResponderExcluir
  24. Fred
    Gostei do "a burrice é dinâmica"!

    ResponderExcluir
  25. Anônimo 22/2 10:17
    Tudo isso é preocupante, e a tendência é piorar. Escreve-se cada vez pior.

    ResponderExcluir
  26. Fernando Müller
    E o que dizer de potência em cv e torque em Nm? Até a informação das fábricas saem assim e outro dia um assessor de imprensa me disse ser imposição do marketing, já 150 Nm é uma grandeza maior que 15,3 mkgf...

    ResponderExcluir
  27. O que eu gosto das moças do tempo é que a maioria delas é uma beleza, gostosas mesmo.

    ResponderExcluir
  28. Bob,

    150 Nm não seria 150 * 0,10197 = 15,2955 Kgfm???

    Abs

    ResponderExcluir
  29. É verdade, o português por si só já é bem complexo e me contorço qdo escuto os canais por assinatura com documentários falando sobre os Xº CENTÍGRADOS!!!! Caramba,que escala é essa?????
    Bem, mas como a "GRANDE MAIORIA" nem se dá conta, passa batido... fico pensando se faço parte da "PEQUENA MAIORIA" então!


    Márcio Santos.

    ResponderExcluir
  30. Fabio
    No SI a unidade de torque ou momento torsor é N.m. O kg é massa e transformaram o kg em força adotando o f depois visando facilitar, pois temos uma melhor noção de massa do que de peso (força peso F=m*a). Para obternos kgf a partir de N é só dividir pela aceleração gravitacional (9,81m/s2). Ou multiplicar por 1/9,81=0,1019 que você citou.

    ResponderExcluir
  31. Leonardo Andrade
    Lnguagem escrita e linguagem coloquial são diferentes. No caso de potência o correto é dizer cavalos-vapor, mas coloquialmente vale cavalos. Como quilos, prefixo que indica 1000, mas numa conversa pode-se usar quilos em vez de quilogramas. 'Giros' também é coloquial, são giros por minuto. Note que o medidor de rotação é o conta-giros ou tacômetro, que particularmente não uso apenas por achar feio. 'Giro'é rotação, volta, em espanhol dizem conta-vueltas, com em inglês há o termo revolution counter, abreviadamente rev counter. Quanto ao bloco, o que você escreve é totalmente errado, desculpe. A cilindrada é função do diâmetro dos cilindros - no bloco - e do curso dos pistões, que não nada a ver com o bloco.

    ResponderExcluir
  32. Ao Perneta: "Risco de Vida" todos os seres vivos correm, não é mesmo?

    Afinal, como diz meu avô: "Para morrer basta estar vivo."

    ResponderExcluir
  33. Pois é Bob! Pior do que ouvir os "cá emes" é ouvir o famoso bordão do motivo da lentidão: o famigerado "EXCESSO DE VEÍCULOS".

    Será que os hospitais estão cheios por EXCESSO DE DOENTES?

    Será que as escolas estão lotadas por EXCESSO DE ALUNOS?

    Hotéis estariam lotados por EXCESSO DE HÓSPEDES?

    Será que um veículo modelo tal tem fila de espera nas lojas porque há um EXCESSO DE COMPRADORES?

    ResponderExcluir
  34. Motoyuki: O uso de "CC" para "cilindros" vem do uso de letras duplas para abreviar plurais. Isso é comum em espanhol, onde eles abreviam "Estados Unidos" como "EEUU", por exemplo. Não sei se em português isso é válido tambem, talvez sim.

    ResponderExcluir
  35. Jackie Chan22/02/11 15:01

    "Cilindradas" é de doer.. Prefiro ouvir "canecos". Errado por errado, este último é mais simpático.

    ResponderExcluir
  36. Bob;

    Excelente post sobre as palavras. Trouxe a mente algumas profissões: Consultor em telefonia móvel (=vendedor de linhas de celular), Consultor técnico (=chefe de oficina mecanica), Consultor de vendas (=vendedor).

    E na FGV onde eu me formei, no café, tinha o caixa e os auxiliares de caixa (que eram os balconistas).

    Saliento que não tenho preonceito algum a quaisquer uma das profissões acima citadas. Muito pelo contrário, sou um profundo admirador dos vendedores, mas sair dando nomes bonitos as profissões como forma de status...é meio ridiculo.

    A reenhenharia das palavras chegou ao nome das profissões!

    Um grande Abraço

    ResponderExcluir
  37. BS,

    Me preocupa a falta de cuidado em escrever, presente na imprensa em geral. Estão nivelando tudo por baixo, em busca de um tom mais popular, e até mesmo vulgar. Hoje as pessoas tem preguiça em compreender um texto, e se for um pouco mais extenso, criticam pela complexidade, pois simplesmente não entendem. Sei que não tem nada a ver com o tema, mas este exemplo cai como uma luva: A Rede Globo tirou o Casseta e Planeta do ar pois descobriram que muitas pessoas não entendiam as piadas. Não entendo como que uma pessoa não consiga rir de algo tão simples quanto uma piada. Mas fazer o que, as pessoas perderam o senso crítico de um tempo pra cá, pois é mais simples "googar" algo na internet e tomar qualquer asneira como verdade absoluta, só pq está na net... Triste.

    ResponderExcluir
  38. ouvir q um carro tem mil cilindradas é d doer os 'timpo'*.

    dá vtd d perguntar: 'mas tem quantas potências?!?' rsrsrs

    *timpo é aquele negóço q fica no zovido, drento da zoreia....

    ResponderExcluir
  39. E nos programinhas policiais, como dói ouvir que "...fulano acabou de chegar ao 72 (em número cardinal) DP..."

    ResponderExcluir
  40. Ei, por falar nas "cilindradas", uma vez antes de uma excursão da escola uma professora nos mandou comprar para as fotos um filme de 36 poses e "400 asas".

    ResponderExcluir
  41. O que me dói são aquelas pessoas que enchem a boca para falar " cátchup " pois são brasileiras e não americanas, mas falam " beicon " e " chéddar " e tantas outras .

    Por favor, sejam coerentes e peçam um hamburguer com toucinho fatiado e queijo, ou então um " X hamburguer bácon com chêddar " ...

    ptz ... q fome .... ;)

    ResponderExcluir
  42. O que me dói são aquelas pessoas que enchem a boca para falar " cátchup " pois são brasileiras e não americanas, mas falam " beicon " e " chéddar " e tantas outras .

    Por favor, sejam coerentes e peçam um hamburguer com toucinho fatiado e queijo, ou então um " X hamburguer bácon com chêddar " ...

    ptz ... q fome .... ;)

    ResponderExcluir
  43. Bob
    Não há por que você pedir desculpas por me corrigir! Assim aprendo e agradeço.

    ResponderExcluir
  44. Quem usa "bloco" quando o correto seria "motor" quer demonstrar uma intimidade com o assunto que de fato não tem.

    ResponderExcluir
  45. Bob
    Abuso línguístico.
    Excelente.Pior que a moda esta pegando neste paíz, em que a Presidente exige que seja chamada de presidenta.So falta expandir o tratamento às pacientas e estudantas. Se a nossa presidente viajasse de Tam as aeromoças iriam tratá-la como clienta.Também em nosso mundo automotivo a moda existe. As Astras,Vectras,Elbas e etc. Embora não seja fato novo dar nomes femininos aos carros italianos.Será que a nossa presidenta vai comprar uma Fiat ou uma Masserati?

    ResponderExcluir
  46. Bob,
    Post pertinente.

    Mas discordo completamente do seu comentário quanto à palavra design. Design não é estilo. Estilo é uma das atribuições de um designer.

    Na área automotiva há muito trabalho de estilo na atividade do designer, talvez mais que em outras áreas (produtos, embalagens, mobiliário, etc.), mas um estilista nem sempre é designer. Um designer via de regra também é estilista.

    Parece que há uma tendência de reduzir o repertório de palavras e generalização de conceitos.

    ResponderExcluir
  47. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  48. Bob,

    Usando sua comparação, estilo está para bloco, assim como design está para motor.

    Não há na língua portuguesa uma palavra que traduza fielmente "design". A atividade de design engloba desenho (técnica), estilo (estética), ergonomia, projeto, materiais, acabamentos, protótipos e modelos, mercado, etc.

    Um designer repensa o objeto em função do homem em diferentes níveis. Um estilista refaz a "casca", que é umas das atividades apenas.

    ResponderExcluir
  49. O pior é ter que ouvir de minha mana, médica, que o paciente " fez uma pneumonia" ou " fez um AVC "

    ResponderExcluir
  50. O Rodrigo Ciossani só não informou que a profissão de designer está no congresso para ser reconhecida como tal, e permitir o registro no Crea, a mais de 20 anos... Para que serviu 4 anos de desenho industrial em uma "facú"? Enrolar o canudo e.... bem, deixa pra lá...
    Melhor ir mexer no motor pois o bloco é muito pesado e raramente precisa de algum ajuste.

    ResponderExcluir
  51. A pouco tempo, deixei no sitio eletrônico CARSALE, a dúvida se a VM MOTORI era um mero fabricante de "blocos" ou fabricava "motores". Dêem uma olhada nas respostas ao meu comentário, lamentável.

    http://carsale.uol.com.br/Novosite/revista/noticias/materia.asp?idnoticia=6883

    ResponderExcluir
  52. Regi Nat Rock,
    De fato. Quem acaba reconhecendo é o mercado. Mas o processo ainda é lento... e não tenho muita esperança que isso ocorra, na verdade.

    Países onde o processo industrial é mais antigo a profissão de designer já é "estabelecida", assim como engenharias.

    A palavra "estilo" ainda é muito usada pelos italianos, principalmente em moda e automotivo, mas foram os próprios norte-americanos que fundaram o "styling" e acabaram reconhecendo a profissão como sendo "design" mesmo, seguindo os moldes germânicos.

    O nome pouco importa na verdade, mas como a profissão ainda é "nova" no Brasil, serve para se entenda as fronteiras de cada atividade.

    ResponderExcluir
  53. Uniblab
    Essa da falta do ordinal é outra antológica. Ou então "foi produzido o carro de número 100.000".

    ResponderExcluir
  54. Rodrigo Ciossani
    Dependendo do contexto,design pode ser estilo, como não? "A new front end design". Nos livros mais antigos lia-se stylist. Mos novos, designer. O que não é possível é se ler, por exemplo, "o design do painel". Essa mudança de sentido é a mesma de carnavalesco. Antes era quem brincava Carnaval. Hoje é chefe, diretor ou coisa que o valha de escola de samba. Nos meus textos não uso designer ou design jamais.

    ResponderExcluir
  55. O termo "ABAFADO" para adjetivar tempo, estação, não é excesso de imaginação ou de criatividade. Pode consultar o Houaiss: está lá.

    ResponderExcluir
  56. Paulo Levi
    Boa! Isso mesmo.

    ResponderExcluir
  57. regi nat rock
    Vamos então lutar para a regulamentação da profissão de expert...

    ResponderExcluir
  58. Guilherme M.22/02/11 21:59

    Olhem, aqui no RS tem um programa muito bom que da na rádio Atlântida bem nos horários de Pico, o Pretinho Básico. É um programa basicamente de humor para falar a verdade, mas os caras são muito inteligentes, enfim, é um humor que te faz pensar. Seja por uma piada, seja por uma informação. E no meio do programa vão citando algumas notícias do dia, e informações sobre o transito.

    E justamente pelo formato mais descontraido do programa, eles não costumam falar que há lentidão entre o "ca-eme" 18 e o "ca-eme" 26 da BR-116, ou que ocorreu um acidente no "ca-eme" 35 da BR290. Eles costumam falar que há um engarrafamento entre o quilômetro X e Y, bem entre o Canoas Shopping e o acesso á avenida Boqueirão, por exemplo. Ou que ocorreu um acidente na entrada de Santo Antônio no sentido Porto-Alegre Litoral da BR 290.

    Quanto á termos imprecisos, infelizmente o "esperto" quer se fazer de inteligente e usa termos totalmente errados. Estou trabalhando no setor financeiro de uma loja de departamentos aqui no RS, e geralmente os clientes vem fazer um cartão da loja comigo. E na hora de encontrar a profissão do coitado no nosso sistema.

    O que ja apareceram de operadores de televendas, colaborador de relações com o cliente, que entram no nosso sistema simplesmente como "atendente". Isso tirando vários que eu não consigo lembrar, simplesmente por terem nomes muito complicados para funções simples como caixa, atendente, secretária.

    E Bob, no caso do passageiro que virou cliente. É que muitas empresas entendem que a partir do momento em que os funcionários trabalham uns para os outros, como as peças de um relógio, então o funcionário é chamado de Cliente Interno, e os consumidores, de Cliente Externo. Pessoalmente, acho desnecessária tal definição.

    Ja quanto ao Desinger eu não vejo problema, ja que é uma palavra usada internacionalmente. Errado, são os verbos teclar, blogar, tuitar, geralmente derivados de palavras em inglês.

    ResponderExcluir
  59. GuilhermeM
    Perfeito, nada de ca'eme no programa.
    Sobre designer, o que me preocupa é o uso do termo, pois segundo o contexto pode ser projetista, desenhista ou estilista. Não há motivo para empregar designer.

    ResponderExcluir
  60. Felix
    Não é excesso de imaginação ou de criatividade, é falta de precisão, é usar o termo no lugar errado. Ali é um quadro de previsão do tempo e não comentário de elevador. Repare no quadro de informação meteorológica que aparece na tela instantes antes da largada de um GP de F-1 e que não é gerado pela Globo: temperatura, velocidade do vento e umidade relativa do ar.

    ResponderExcluir
  61. Alexandre - BH23/02/11 04:08

    Bob, quanto ao exemplo do motor, acho que é mais ou menos aquela história da parte valendo pelo todo. Vejamos alguns casos atuais. O contribuinte paga uma cacetada de impostos (o TODO) pra legalizar seu carro, mas só uma PARTE da estrada superfaturada será concluída. Outro: O sujeito contrata um plano de saúde (o TODO), mas só uma PARTE vai funcionar. Ex: O plano autoriza a consulta (que ultimamente demora meses), mas não vai autorizar o exame, por considerá-lo supérfluo. Outro: Tá na moda as fábricas reduzirem a quantidade do produto. Ex: O cara compra um rolo de papel higiênico. A fábrica reduziu a metragem, mas não o preço. Pagou pelo TODO, mas só levou PARTE. E ainda vai faltar na hora H...

    ResponderExcluir
  62. Por Asgard!!!!Os deuses da linguística ( sem a trema, não me corrijam! )baixaram em peso no blog!!!
    Aliás, o peso é a massa multiplicada pela aceleração. Um objeto que apresenta grande massa é denominado um objeto massivo...portanto, massivo é uma palavra tecnicamente correta, e usualmente utilizada em astronomia e cosmologia para tratar de objetos de alta densidade, como estrelas de nêutrons, por exemplo.
    Outra coisa, tenho uma pergunta: Quantos de vocês param para olhar a lição de seus filhos e fiscalizar sua caligrafia e seu aprendizado? Os maus escritores, ignorantes e destruidores da língua portuguesa e do conhecimento específico de hoje, são frutos desta negligência dos pais e responsáveis, sabiam?
    Talvez "perder" um "tiquinho" de tempo com esta tarefa tão "árdua" possa corrigir as falhas descritas aqui num futuro não muito distante.

    ResponderExcluir
  63. Sei não, Anômimo das 8:47, pra mim massivo ainda é má tradução de massive, de quem esqueceu que maciço já existia, mas aceito o argumento, tal qual o Paulinho da Viola. :-)

    ResponderExcluir
  64. Sobre noticiário com previsões e informação do tempo. O que me dizem de "sensação térmica"?
    Sensações são mensuráveis e expressas numericamente? Como se MEDE isso? Qual a unidade?
    Ainda não consegui explicação razoável, no entanto são apresentadas como afirmação categórica até por reporteres de rua.

    ResponderExcluir
  65. A presidenta se comporta como uma adolescenta pouco pacienta que imagina ter virado eleganta para ser nomeada representanta.
    Esperamos vê-la algum dia sorridenta numa capela ardenta, pois esta dirigenta, dentre tantas outras suas atitudes barbarizantas, não tem o direito de violentar a tão empobrecida Língua Portuguesa, só para ficar contenta.

    ResponderExcluir
  66. Prof. Pasquale23/02/11 10:47

    Anônimo sabichão é mato no AE também!!!

    Massivo? Não seria simplesmente denso?

    Melhor definição que encontrei...
    kkkkkkkkkk

    A palavra "massivo" deriva do adjetivo "massa" usado para caracterizar algo que é MUITO legal, bom ou interessante. Algo muito mais forte que "massa", daí "massivo".

    Nossa, o show ontem foi massivo demais!

    ResponderExcluir
  67. Ah ah ah...este blog tá ficando cada vez melhor!!!
    assinado: Anônimo das 8:47

    ResponderExcluir
  68. Ciossani,

    Você parece o personagem Julius do seriado "Everybody hates Chris" com tantos exemplos... hahaha

    "E quando o designer X...?"

    ok ok... Nós concordamos com você!

    http://kamywinehouse.blogspot.com/2010/08/todo-mundo-odeia-rochelle-rock-rsrsrs.html

    ResponderExcluir
  69. Conversa Fiada!
    Sabidão fala:Ho! Bob me empresta 500 pratas?
    Bob reponde; Sim ! vou emprestar , aguarde ai e some.

    OU
    Sabidão fala: Bob ! me empreta a chave de fenda?
    Bob responde : pois Não vou pegar.

    ResponderExcluir
  70. Ainda sobre "abafado": sempre tenho receio de tentar aplicar a tecnicidade em tudo. Tudo bem, não é questão de se utilizar a palavra errada (tipo bloco X motor), mas deve se ter mente quem vai receber a mensagem, um técnico ou leigo. Se a intenção é comunicação de massa, logo a linguagem deve se manter precisa mas coloquial. Simples, direto e comunicativo. Senão fica como um médico que me disse que tomou 1 grama de ácido acetilsalicílico porque estava com dor-de-cabeça...

    ResponderExcluir
  71. complementando meu comentário acima, "1 grama de ácido acetilsalicílico" é um termo PRECISO, mas PEDANTE.

    ResponderExcluir
  72. Juvenal Antena23/02/11 14:15

    Justameeeeeente!

    ResponderExcluir
  73. Dilma Rousscoff23/02/11 14:18

    Olhe, Sr. Félix! Eu já disse, não é pedante! É PEDANTA!

    ResponderExcluir
  74. Caro Bob Sharp, adoro Opala e estou cansado de ler "opaleiros" pé-de-chinelo escreverem que o nosso mito possui motores de 4cc e de 6cc. Isso seria o mesmo que dizer que um motor tem "2500 cilindros" ou "3800 cilindros" ou "4100 cilindros". Ou seja, é simplesmente ridículo. Seria bom esclarecer aos "sabidões" que centímetro cúbico refere-se à cilindrada (espero ter usado a palavra "cilindrada" corretamente!).
    Ah, e ainda em tempo... Está duro de ouvir os meus professores na faculdade de administração que faço falarem de "montadoras" pra cá, "montadoras" pra lá... Assim esse país vai longe, muito longe...

    ResponderExcluir
  75. Anônimo 15:19
    O leitor Alexandre, em comentário ontem às 14:35, explicou a origem de "4cc" que me parece plausível. Em espanhol e aqui faz muitos anos usava-se a letra repetida para indicar plural. Até hoje nos países de língua hispânica se escreve EEUU em vez de EUA, significando Estados Unidos. Alguém deve ter usado a mesma regra para cilidros, daí o 4cc, 6cc. Sim, você uso cilindrada corretamente. Já montadora, não dá mais. Piora cada vez mais.

    ResponderExcluir
  76. Félix
    Pode-se até comentar "Como está abafado hoje!", mas jamais dar tal informação na previsão do tempo. Não devemos perpetuar a ignorância, mas combatê-la. Quem mora num região de temperatura média 28 °C sabe que 38 °C é um calor infernal.

    ResponderExcluir
  77. Dilma Rouscouff: LOL foi engraçado, mas aí vamos entrar em assunto polêmico demais... hehe

    ResponderExcluir
  78. Olá Bob Sharp, sou o mesmo que postou o comentário às 15:19 de 23/02 e quero agradecê-lo pelo exclarecimento tão coerente que ajudou a ampliar os meus conhecimentos. Essa foi mais uma que aprendi na vida. Mas também preciso dizer que se aceitarmos a influência esponhola em nossa língua, nós teríamos de aceitar também a influência italiana que se refere a carro tratando-o no feminino. Agora eu lhe faço uma pergunta: Tem coisa mais irritante do que ouvir alguém falando, por exemplo, "uma Puma" ao invés de UM PUMA? Já pensou em alguém falando "uma Maverick" ou "uma Camaro"? Fazer uma defesa parcial do nosso idioma não é o caminho. Ele deve ser defendido em sua totalidade. Porém, particularmente eu detesto chamar picape no masculino, como prega o (ótimo) site Best Cars Web Site. É o melhor órgão da imprensa automotiva brasileira! Mas dizer "o Saveiro" ou "o Dakota" não dá.

    ResponderExcluir
  79. Fabio JMD Maldonado24/02/11 01:14

    Na citação feita por Uniblab em 22/02 às 16:54 (sobre numeração cardinal/ordinal) há mais um equívoco,que passou despercebido: "...fulano acabou de chegar...". O certo, s.m.j., seria "acaba de chegar", no presente.
    Fabio J.M. Drummond Maldonado.

    ResponderExcluir
  80. Anônimo 23/2 23:36
    Picape é caminhonete, conforme definição do Código de Trânsito Brasileiro. É um substantivo feminino. Portanto, a picape.

    ResponderExcluir
  81. s.m.j.?

    shiiiiiii...

    ResponderExcluir
  82. exclarecimento?
    aiaiaiuiui!!!

    Faz parte do carioquês?

    ResponderExcluir
  83. "...
    A vida não me chegava pelos jornais nem pelos livros
    Vinha da boca do povo na língua errada do povo
    Língua certa do povo
    Porque ele é que fala gostoso o português do Brasil
    Ao passo que nós
    O que fazemos
    É macaquear
    A sintaxe lusíada
    ..."

    Qualquer um com mínimo de estudo sabe de onde tirei a passagem acima. Na formalidade cabe a precisão da palavra, mas no dia-a-dia é muito chato!

    ResponderExcluir
  84. Fabio JMD Maldonado24/02/11 16:33

    Anônimo de 24/02, 10:19: s.m.j. é "salvo melhor juízo" (quem sabe, o seu, que achou tanta graça na expressão).
    Félix, concordo - em parte, para não irmos do M. Bandeira para o outro extremo, que vimos aguentando (sem trema) há muito tempo.
    Fabio J.M. Drummond Maldonado.

    ResponderExcluir
  85. onde está a graça no termo "shiii", dotô?

    ResponderExcluir
  86. Bob, isso me lembrou um anexo do Livro 1984, do Orwell, que se chama Novilíngua. O exercício do Grande Irmão era o seguinte: elimina-se toda polissemia das palavras e com ela todos os sinônimos. Cria-se uma linguagem sem gradações, sem variações. Ele tentava matar a palavra? Não! Tentava mesmo matar o pensamento...

    ResponderExcluir
  87. Fabio, "smj" é "salvo MAIOR juízo", smj.

    ResponderExcluir
  88. Fabio JMD Maldonado26/02/11 15:01

    Sacco, Ricardo : digite s.m.j no Google (para ficar no mais simples), e verá que tenho razão, s.m.j.,.....rs.
    Fabio JMD Maldonado.

    ResponderExcluir
  89. Bob, "tempo abafado" virou sinônimo de calor e umidade relativa alta. Acontece muito aqui no nosso litoral catarinense. Em 2009 ou 2010, não lembro ao certo, a temperatura do ar chegou a 37, 38 Celsius e a sensação térmica foi a 55 Celsius.

    ResponderExcluir
  90. Gustavo
    Isso de "virou" é que está errado. Que se informe temperatura, umidade relativa do ar e sensação térmica, o seu exemplo é perfeito. Abafado só serve para conversa fiada de elevador. A missão dos veículos de comunicação é informar e formar.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.