FERGUSON R4


Há alguns meses destilei mais um pouco de minha admiração pelo Audi Quattro, nesse post aqui. Falei sobre a empresa Ferguson, de onde tudo começou.

Ao se pesquisar um pouco sobre as origens da tração nas quatro rodas para carros modernos, com diferenciais viscosos, e sem os pesados diferenciais de pares cônicos coroa-pinhão dentro de uma caixa de transferência, sempre se chega ao sistema de nome Ferguson Formula.
Interessante saber que os tratores Massey-Ferguson, bem conhecidos no interior de todo Brasil, tem a mesma empresa como origem.

O primeiro carro com o sistema foi batizado de Ferguson R4 e foi mostrado ao mundo em 1954, pela empresa que se chamava na época Massey-Harris-Ferguson.

Harry Ferguson era um industrial escocês fabricante de tratores, que não era de brincadeira. Em 1952 ele venceu a Ford Motor Company nos tribunais, com ações sobre os direitos de algumas patentes de sistemas de tomada de força e de reboque de implementos agrícolas para tratores, que inclusive se chamavan Ford-Ferguson, em um negócio que durou de 1938 a 1946. Como a Ford finalizou a associação e continuou usando os sistemas, Harry teve a grande sorte de ganhar a causa. O valor que ele embolsou foi de US$ 9,25 milhões, uma tremenda fortuna naquele tempo.

No ano seguinte, aproveitou esse caixa recheado para fundir sua empresa com o concorrente canadense Massey Harris, formando a empresa que desenvolveu o carro com tração nas quatro rodas.

Essa fusão deu a Harry US$ 16 milhões em ações, que ele, mesmo na idade de 66 anos, não utilizou para financiar sua aposentadoria. Através de uma nova divisão de sua empresa, que batizou de Harry Ferguson Research (pesquisas), colocou seus conhecimentos e de seus engenheiros para trabalhar, além de contratar o piloto de corridas Tony Rolt e os ex-projetista da Aston Martin, Claude Hill.

Pouco mais de um ano depois, mostrou um carro que, mesmo sendo totalmente sem graça em termos de estilo, era o mais tecnicamente avançado em existência.

Nascia o sistema Ferguson Formula, que foi sendo desenvolvido em sucessivos protótipos e modelos que pode-se considerar feitos sob encomenda, mas que só chegou à produção normal, ainda que em pequeno número, no  Jensen FF, um dos mais belos carros de todos os tempos e, dizem, inspirado no Brasinca  4200 GT/Uirapuru.

Como se não bastasse a tração em todas as rodas, que evitava problemas por mais que o motorista abusasse, Harry Ferguson foi mais além, e junto com a Dunlop, adicionou o primeiro sistema ABS para eliminar o travamento de rodas em frenagens. O nome dessa maravilha da tecnologia britânica: Maxaret.

Assim, esse rombudo sedã sem graça, com um simplório motor de quatro cilindros de 2,2 litros, é hoje um dos carros mais importantes da história, um vovô que merece respeito e admiração de todos os Subarus, Audis, Mitsubishi Evos, Porsches Turbo e dezenas de outras máquinas fabulosas que só conseguem colocar boa parte de sua potência no solo porque um fabricante de tratores não quis pegar seus milhões e ir pescar.

Não há mesmo evolução com sossego.

JJ

12 comentários :

  1. Que coisa, heim?
    Por esta eu não esperava!
    Aqui no interior, na área rural,os tratores da Massey Fergunson são tão admirados e queridos como os fuscas e gols da vida, vendem que nem pãozinho quente ( o modelo 275 de 75cv é o mais vendido da História no Brasil ) e tem um fã clube de admiradores ferozes!!
    Falar mal da Massey Fergunson é como comprar briga com meio mundo, e agora, depois deste post, eles terão mais alguns bons argumentos pra exaltar a marca!

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante!

    Ontem mesmo postei em outro tópico que quando vc consegue distribuir adequadamente a energia disponível, tracionar todas as rodas vai ser sempre melhor.

    Outra coisa que me chama a atenção é que quando se pesquisa, se tem competência as inovações técnicas acontecem com grandes melhoras na performance; mas não desenvolvendo conceitos centenários; mas sim abordando o "problema" de maneira completamente diferente.

    Ler esse tipo de post me anima cada vez mais a seguir pesquisando de forma independente... Ainda não tenho os milhões para colocar em prática... Mas eu chego lá...

    Abraços e parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
  3. A foto está invertida ou o carro tinha mesmo direção do lado direito?
    Você tem mais fotos deste carro?

    ResponderExcluir
  4. Poxa, não achei nada sem graça! Lindo esse carro. Não conhecia nada a respeito do que foi postado.
    Muito bom!
    Lindo e ainda melhor que a diferença está no drvetrain Sensacional!

    ResponderExcluir
  5. A Paris

    O carro é britânico, portanto, está certo.

    Eu só conhecia a história do Jensen, muito legal mesmo.

    ResponderExcluir
  6. A Paris,
    as fotos são escassas. Há mais algumas mas no Flickr, e tem direitos autorais.

    ResponderExcluir
  7. Antonio Filho -

    Que historia hein pessoal ?!

    Mais uma para meu deleite.

    Parabéns Jorge pela informações valiosas.

    ResponderExcluir
  8. JJ,

    Sensacional, aprendi mais uma!

    MAO

    ResponderExcluir
  9. antonio ferreira15/02/11 22:41

    como funciona o diferencial viscoso . como ele é ?

    ResponderExcluir
  10. Antonio Ferreira

    Veja:
    http://autoentusiastas.blogspot.com/2009/08/audi-quattro-tecnica.html

    ResponderExcluir
  11. Parabéns JJ!!! Baita post!

    Boa Antonio Ferreira! Eu também gostaria de saber mais sobre este diferencial...

    JJ, vc citou o Brasinca 4200 GT, um post atrás, o MB falou sobre Rigoberto Soler. Olha! Fiquei entusiasmado para conhecer este carro, alguém aqui conhece um proprietário desta raridade?

    Abs

    ResponderExcluir
  12. ops! não tinha visto Joel, valeu!

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.