DO BAÚ DO AC: JORNADA




Apenas mais um fora-de-série feito sobre o chassi do Fusca, como dezenas que tivemos aqui no Brasil. Mas me lembro bem de ter visto as primeiras fotos em revistas e de ter ficado curioso, pois omitiam (ou eu não prestei atenção) o uso da mecânica VW arrefecida a ar.

Usava alguns componentes do Chevette e isso dava um ar mais moderninho ao carro, fazendo supor algo bem diferente do que estávamos acostumados a ver. Fiquei com essa impressão ao ver as primeiras fotos.

O carro foi exposto no Salão do Automóvel de 1984, e me lembro que o estande dele estava bem movimentado, mas ao chegar perto, a decepção, aquele aspecto meio desconjuntado que a maioria dos carros feitos sobre o chassi do Fusca apresentam. Tinha mais jeitão de bugue quadradinho do que de um conversível moderno.

O Miura, de 1977, um dos mais belos modelos sobre a mecânica VW arrefecida a ar
De tudo que foi feito em plástico reforçado com fibra de vidro usando essa mecânica, acho que nada foi tão feliz como o Puma. O Bianco também é legal, os primeiros Miuras até tinham um visual interessante. Lembram de mais algum digno de nota?

AC

51 comentários :

  1. O melhor mesmo era o Bianco, visto de perto era sensacional. Em seguida e bem de perto, vinha o Miura, lindo demais.

    O Puma é muito comum, mas também tem um lugar no meu coração, pode ser conversível ou não.

    Talles

    ResponderExcluir
  2. Lembrei!

    Eles escondiam que tinham o motor da Brasília, porque já tava demais... cada bagulho remendado e mal feito...

    Tinha um que era o Dardo, um fiat X19 feito com esparadrapos e o Ventura, um SP2 cheio de laquê e silicone...

    Talles

    ResponderExcluir
  3. AC

    Tem uma réplica muito bem feita que usa a mecânica do Fusca: o Chamonix 356.

    Abraço.

    V. Medardo

    ResponderExcluir
  4. Claro! Os MP Lafer, as réplicas de porsche, principalmente as do 550, e mais uma meia dúzia. Se puder ser de qualquer lugar, nos EUA existiram os cam-cars, uns carros que pareciam enormes larinhas de refrigerante.

    ResponderExcluir
  5. Art Emis era bem bacana também hein. E Tinha um beeeem bravo na arrancada no RJ.

    Umberto.

    ResponderExcluir
  6. Com mecânica de fusca não houve nada mais feliz que um simples baja.

    ResponderExcluir
  7. Saindo pela tangente: o Fingers era um belo e esguio Corvette 80 com motor 250S. Tudo bem, não era motor de Fusca... mas vale o registro pela competência técnica.

    ResponderExcluir
  8. Francisco V.G.25/02/11 17:16

    Glaspac Cobra.

    ResponderExcluir
  9. Lembro do Adamo, copia do ferrari,que só saia na cor vermelha. O buggy Terral era bacana tb. O Bianco aqui em Santos tinha o apelido de "chove no colo" em razão da porta ir até o meio da capota e ter problemas de vedação. Mas nada chegava aos pés da Puma, certo?

    ResponderExcluir
  10. Eu gosto dos Adamo, alguém lembra? Não tinham um acabamento primoroso, mas a carroceria era interessante.

    ResponderExcluir
  11. Com tempo quero arrumar um especíem desses: puma, miura, Mp lafer... se desse talvez o 356 de fibra da envemo, elogiado pela propria porsche pela perfeição da réplica.

    ResponderExcluir
  12. Nadio Lesley25/02/11 18:25

    Sou da época de quando estes carros estavam saindo ou ja haviam saido de linha, porem sempre fui apaixonado por esses carrinhos... Aqui em Manaus proximo a casa da minha namorada tem um Bianco na garagem, porem serve apenas de cama p/ o cachorro e de casa para os ratos. Porem o dono não vende por nada por ser de erança, mas tambem não arruma... acho um pecado principalmente aqui no norte, pumas, miuras sempre podemos ver por ai, porém o Bianco até hoje vi apenas este que ainda por cima ainda esta abandonado... Mas um dia eu consigo desdobrar esse "caboco" e compro esse carrinho para dar o que ele merece... rsrs
    Abraço!

    ResponderExcluir
  13. Falando apenas nos modelos com motor de Fusca, creio que os Miúra e Bianco eram os mais bem feitos e bonitos, mas o Bianco tinha um agravante, era mais bonito parado do que andando, já que a traseira muito larga balançava demais quando em movimento causando uma certa estranheza.
    Mas, na minha modesta opinião, até hoje nada se comparou aos Envemo Super 90. Puxa vida! Que acabamento bem feito, bancos, revestimentos, painel, tudo. A fibra parecia lata de tão lisa e bem feita. Queria (e anda quero) ter um desses, em que pese o preço proibitivo, mesmo dos modelos bem rodados.

    ResponderExcluir
  14. Com mecânica Volks refrigerada a ar, creio que os Puma até 1975 ou, sendo ainda mais criterioso, até 1973, quando os fárois ainda eram cobertos, foram os mais bonitos já fabricados. Mas claro que um monte de modelos foram esquecidos, o melhor mesmo seria ver algum acervo da Quatro Rodas e Auto Esporte dos anos 70 para observar o que se tinha mais naquela época.
    E fugindo dos boxer da Volks, lembro também do Squalo, que era bem diferente e tinha motor de Passat TS montado entre-eixos. Infelismente só vi o carro em reportagens e anúncios de época, mas parecia bem interessante.

    ResponderExcluir
  15. MP Lafer, a cópia do MG TD. Não era esportivo, mas sim um carro p/ "chamar a atenção" o que consegue até hoje...

    ResponderExcluir
  16. Uma réplica de Alfa Romeo P1938, se não me falha a memória, feito em Barra do Piraí - RJ, explêndida com seus estepes presos à carroceria com cintas de couro!

    MH

    ResponderExcluir
  17. Marco Antonio26/02/11 03:35

    Puxa vida, agora vocês mexeram profundamente com a minha memória. Trabalhei com dois carros aqui citados: o Jornada, a estrela do post, para o qual fiz apenas alguns desenhos,os catálogos de peças e manuais de montagem como também de desmontagem da Brasília, que serviria para a montagem do kit, o qual se esperava vender para que cada um montasse o seu, facilmente.
    A execução do modelo foi muito rápida, sem tempo para se pensar em perfeição. A idéia era baratear o produto usando-se o máximo de componentes originais do carro doador, ( era quase tudo da Brasília, sem cortes ou adaptações, com o mínimo de peças especiais ) além de ter a capacidade de carregar 5 passageiros, porta malas e o sabor de um conversível com um custo o mais próximo possível de um buggy.
    Foi então um carro projetado para se conseguir produção e preço, coisa difícil de se atingir com o Squalo na empresa anterior, onde aí trabalhei mais tempo e participei do seu desenvolvimento e de algumas dezenas de carros produzidos. Foi um bom carro; mecânica TS 0km, motor central, bom acabamento e performance mas muito complicado e artesanal, cheio de peças especiais, itens caros como estofamento de couro, ar condicionado, painel completo, som, além de impostos altíssimos pelo fato de ser um carro 0km, o que inviabilizou sua comercialização.
    Partiu-se então para o Julia, um monobloco de fibra combinado com chapas novas, originais do Passat, que era o doador de grande parte dos seus itens a fim de baratear o custo da transformação, esta sim, com uma tributação bem inferior ao de um carro zero. Para quem tivesse um Passat começando a enferrujar, batido ou precisando de uma reforma, era uma boa pedida.
    Mas ainda era um carro trabalhoso de se produzir e com um custo relativamente alto. Foram produzidos uns cento e tantos carros. Bons tempos, foi aí a minha escola de fibra de vidro.
    Começamos ainda um protótipo que não chegou à ser moldado, uma evolução do Squalo, muito bonito, parecia a Maserati Merak, a qual tive o prazer de dirigir.( que carrão..) Uma pena, ia ser um belo carro, mas começou aí a história do Júlia e este ficou só no modelo.

    ResponderExcluir
  18. Alexandre - BH26/02/11 03:44

    Xará Cruvinel,
    Teve muito carro interessante produzido em fibra (alguns muito raros), sem a manjadíssima mecânica VW/Fusca: IBAP Democrata, Onça/FNM, Fúria GT/FNM, GT Malzoni/DKW, Puma GT/DKW, Puma GTB/Chevrolet, Santa Matilde/Chevrolet, Tarpan/VW a água, Farus/ VW a água, Willys Capeta, Willys Interlagos e... o caminhãozinho Agrale do seu sogro!

    ResponderExcluir
  19. Os que mais me agradam são: bianco, dacon 828, puma tubarão (todos), puma/chevrolet, primeiros miúra e o buggy kadron.

    ResponderExcluir
  20. Lembrei de um legal, Dimo GT, uma replica bem feita do Dino. Usava VW a agua 1,8-litro.

    ResponderExcluir
  21. Lembrei de um legal, Dimo GT, uma replica bem feita do Dino. Usava VW a agua 1,8-litro.

    ResponderExcluir
  22. Marco Antonio, muito legal seu relato. Dentro da proposta de ser barato e facil de montar, ate que o carrinho era legal.

    ResponderExcluir
  23. Como dono de um MP Lafer, preciso defender meu carrinho por aqui.

    Vejamos:

    - 4300 unidades produzidas entre 1974 e 1990.

    - 1000 unidades exportadas para mercados importantes, de público consumidor rigoroso, como Estados Unidos, Canadá, Itália, Alemanha, Espanha, França, Japão. Existem MPs rodando no Oriente Médio e na África.

    - O acabamento do MP Lafer foi elogiado, pessoalmente, por representante da TD 2000, uma empresa com origem na Austrália migrada para a Malásia, que também produz um conversível inspirado no MG TD, mas com motor Toyota 2000 na dianteira.

    - O MP Lafer tem clubes no Brasil e nos Estados Unidos.

    - O carro foi escolhido por produtores da série de 007 para ser usado por uma espiã brasileira em filme rodado em 1978. Em função disso o modelo ganhou uma miniatura vendida no mundo inteiro.

    - O MP Lafer tem tração traseira. Seu para brisas pode ser reclinado. Com a capota abaixada, é muito divertido para guiar.

    - Sim, o MP Lafer tem mecânica VW refrigerada a ar. Ainda bem. O carro não me deixa na mão desde 1997.

    O brasileiro é muito criativo. Ele consegue fazer as coisas com recursos diminutos, além de extrair das limitações o máximo de suas potencialidades. Miura, Bianco, Puma e Chamonix são a prova disso. Esses carros não foram feitos para tarefas corriqueiras, mas eles preenchem lacunas que as grandes empresas não conseguem preencher.

    É muito fácil criticar ou mesmo fazer chacota de modelos em fibra de vidro sobre chassis da VW. Gente que não consegue montar uma pipa para o filho, sequer imagina o trabalho que dá para construir moldes curvados para carrocerias de fibra, determinar sua espessura e posicionar os pontos de encaixe com partes metálicas, cujo coeficiente de dilatação térmica é diferente.

    Deixo o convite para que conheçam um pouco mais do MP Lafer em www.mplafer.net

    ResponderExcluir
  24. Só acho o estilo do MP Lafer um pouco g.a.y. demais pro meu gosto...

    Linhas muito delicadas, sei lá....
    Mas era bem feito sim, pelo menos os primeiros. Clodovil e Jô Soares adoravam esses carrinhos.

    ResponderExcluir
  25. Esqueci de comentar sobre os passeios anuais do MP Lafer, que reúnem cerca de 90 a 100 "felizes" proprietários, muitos deles acompanhados de esposas ou filhos. A cada ano o destino é diferente, mas sempre a partir de São Paulo. São três quilômetros de fila indiana de MP na pista.
    Infelizmente não da para convidar todo mundo para a festa pois o MP só leva duas pessoas. Sequer banco para a sogra (e para os chatos) ele tem.

    ResponderExcluir
  26. O MP Lafer é um poco gay? O que dizer então do Bugato, da Gurgel???
    Votando aos carro com mecânica diferente da tradicional VW a ar, dois carros muito legais e "mucho machos": Brasinca 4200 GT e o Hoffstetter... ambos muito legais.

    ResponderExcluir
  27. Denis L. Sayer26/02/11 15:24

    The number of the beast deve andar de Hummer, que é o carro que os machões gostam...

    JT, gostei do comentário sobre os camaradas que não sabem nem construir uma pipa e ficam malhando nossos carrinhos fora de série. Porra, vai andar de Ferrari então e não enche o saco!

    ResponderExcluir
  28. Eu de novo... acabo de atualizar o site do MP Lafer, com fotos que recebi do chassi número 1 de 1974, ano em que a Lafer colocou o modelo no mercado. Na festa de inauguração da fábrica, este carro foi entregue ao Emerson Fittipaldi.

    Depois de quase dez anos editando o site do MP, a gente vai acumulando o privilégio de conhecer as pessoas que trabalharam de perto com o modelo. Pessoas que vararam noites para concluir o primeiro protótipo, em tempo de apresenta-lo no Salão do Automóvel de São Paulo em 1972.

    Gente que trabalhou mais de 15 anos no chão da fábrica, colocando as mãos em cada unidade entregue, e que hoje vive de restaurar os carros, tão cobiçados por gente comum, que esperou 20, 30 anos para comprar uma unidade usada.

    Enfim, tem muita história bacana cercando este "monte de fibra sobre chassis de VW". As vezes eu saio do meu cantinho para defender este carro apaixonante, me perdoem se passo do ponto fazendo isso. Quando elogio o MP Lafer, penso em todo mundo que engraxou as mãos trabalhando nele.

    Que legal que o MP Lafer caiu no gosto de gente como Clodovil, Jô Soares, Elis Regina e Marília Gabi Gabriela. A gente complementa este rol com donos atuais, como Raul Gil (que também tem um Jaguar) e Oscar Roberto Godói, aquele mesmo que levou três tiros num assalto e sobreviveu para contar a história. Na verdade conheço centenas de anônimos que tratam seu MP Lafer a pão de ló e tenho a satisfação de ser amigo de boa parte deles!

    Bom, deixem eu encerrar por aqui. Preciso apertar uns parafusos no meu carro. Sabem como é: fibra de vidro...

    ResponderExcluir
  29. Alexandre - BH26/02/11 19:17

    JT, não entendi sua indignação. Em momento algum eu critiquei os carros de fibra, pelo contrário, citei modelos feitos desse material que considero muito legais, mas que não usam mecânica VW a ar, da qual não sou apreciador. Admiro os que perderam noites de sono debruçados sobre a prancheta, com o intuito de criar alguma coisa diferente em nosso provinciano mercado dos anos 60, 70 e 80. Quantos ‘Fuscas com roupa diferente’ (alguns muito bons) tivemos nesse tempo? Reconheço que VW era a alternativa mecânica mais viável em termos econômicos, mas não a sonhada pelos projetistas. Quanto à fibra, era a ‘roupa Black Tie’ até de pesadas e barulhentas picapes produzidas em série. F-1000 e D-20 transformadas eram as Hilux e Triton do passado. De fibra era também um brasileiro pelo qual tenho grande respeito: João Augusto Conrado do Amaral Gurgel, um dos maiores aplicadores da mecânica VW a ar, o que não significa que eu tenha a mesma admiração pelos Gurgel/Fusca. Finalizando, há algum tempo andei procurando um MP Lafer para meu cunhado, carro que considero muito bem acabado e exclusivo para mecânica tão simplória.

    ResponderExcluir
  30. Caro Alexandre, acompanho ao AUTOentusiastas com frequência, embora escreva poucos comentários. Aliás, parece que hoje tirei o dia para isso: comentar.
    Não fiquei indignado com suas afirmações. Apenas li nas entrelinhas de certos comentários aquele "arzinho sarcástico" com sorriso de canto de boca que certas pessoas tem ao se referir aos carros de fibra sobre chassis VW, como se bólidos de corrida nos anos 60 e 70 não usassem uma fórmula parecida, que ajudou a forjar grandes campeões - ou o Piquet, por exemplo, nunca correu de motor aspirado à ar?
    Também não quero aqui cantar aos quatro ventos que o MP Lafer é o melhor carro do mundo. É claro que não é, e está bem longe disso.
    Hoje, o Inmetro não aprova mais os protótipos construídos sobre o conjunto mecânico VW.
    Conheço um senhor em minha cidade que está transformando um BR 800 em BR 1800, com alongamento do entre-eixos. Ele está elaborando um chassis tubular e disse que só decidiu se aventurar neste projeto em função da facilidade de se trabalhar com a fibra de vidro, cujos reparos podem ser providenciados com uma simples ida a um depósito de materiais de construção. Logicamente lhe sobra experiência para tanto.

    ResponderExcluir
  31. Carro da macho mesmo era o Puma GTB. MP Lafer sempre foi carro de mulherzinha. Nada contra. Mas o Avallone era melhor.

    http://quatrorodas.abril.com.br/classicos/brasileiros/avallone-tf-1978-473746.shtml

    ResponderExcluir
  32. A verdade é que o unico carro fora de série dos anos 70, que se mantem até hoje em evidencia, com uma boa quantidade de exemplares impecaveis, muito bem conservados, restaurados e que por isso mesmo ainda mantem um valor comercial acima da média, é o MP Lafer.
    Muito charmoso, proporciona muito prazer para quem curte um ensolarado dia, á bordo de um conversivel.
    No próximo dia 9 de Abril, o Clube MP Lafer - Brasil vai promover o seu 15º passeio anual, que desta vez vai para Campos do Jordão.
    Como disse o JT, 90/100 MPs enfileirados na estrada, não tem preço.
    Porsche 356 Super 90 e Sta. Matilde foram outros carros muito bem feitos e com otimo acabamento.
    Sendo que o Porsche teve tres fabricantes importantes, Evemo, CBP e Chamonix, que utilizaram a mesma matriz, por isso mantiveram a qualidade.
    Os Miuras, apesar de bonitos e com varias "modernidades" para a época, traziam uma mistura grande de componentes de diversas marcas e modelos de carros, tornando o fora de série desequilibrado e de dificil manutenção.
    Alguns carros tiveram produção ínfima, caso dos Alfa Romeo 31 e Bugatti, feitos pela L'Automobile/L'Autocraft.
    Mas todos os fora de série tiveram a sua importancia na nossa industria automobilistica em uma época em que eram proibidas as importações de automoveis e motos.
    Romeu

    ResponderExcluir
  33. Alexandre - BH26/02/11 23:09

    Prezado 666 (capeta?), também não gosto do MP Lafer, mas se o visual for determinante para enquadrá-lo na categoria 'carro de mulherzinha', então o Avallone também não seria extamente um 'carro de macho', não acha?

    ResponderExcluir
  34. Alexandre, quando disse que o Avallone era melhor, não me referi ao visual dele e sim à mecanica, de Chevette e Opala em vez de Fusca. Ambos são muito semelhantes, já que são réplicas de MG. Quanto a ser carro de macho ou não, melhor abafar o caso!! Ou logo um fã desse modelo vai subir nas tamancas!! hehehe

    ResponderExcluir
  35. BOX666
    Não existe o rótulo de carro disso, carro daquilo. Quem faz o carro é quem o dirige, não o contrário.

    ResponderExcluir
  36. Concordo em parte, Bob. Mas eu não me vejo dirigindo certos tipos de carro, como um modelo atual "xunado e rebaixado" cheio de acessórios inúteis, por exemplo, eu me sentiria envergonhado de ser visto numa coisa dessas na rua. Um MP Lafer é outro que nunca tive desejo de possuir nem dirigir. Prefiro um Landau.

    Mas carro é questão de gosto, acima de tudo. Cada um tem o seu.

    ResponderExcluir
  37. Pois é BOX666 ("Caixa Bestial" em português lusitano) a matéria da Quatro Rodas sobre o Avallone é bacana mesmo. Tive o prazer de contribuir para ela, mesmo sem ter o crédito citado, pois o repórter na ocasião me procurou para conseguir o contato com a família, através deste artigo que escrevi:

    http://www.mplafer.net/2007/06/mg-tf-avallone.html

    Agora, sobre o MP Lafer ser carro de "mulherzinha" vou ter que discordar do termo pejorativo. Você não precisa gostar delas, mas pelo menos seja educado com as mulheres. Indico outra leitura, desta vez uma entrevista com uma proprietária de MP Lafer desde 0 km. Detalhe: ela tem por volta de 80 anos de idade, o que significa que tem mais quilometragem do que qualquer um de nós, em qualquer assunto:

    http://www.mplafer.net/2008/06/jane-locke-ela-te-ama.html

    Isto sim é que é uma digna AUTOentusiasta.

    ResponderExcluir
  38. Valeu. Vou ler a reportagem.

    Mas o termo 'mulherzinha' não foi pejorativo, e sim se referindo a coisas "delicadas". Outros carros "femininos" Smart, Ford Ka, e New Beetle, com todas as suas qualidades, não passam a imagem de "machão" de um Dodge Challenger ou Camaro.

    Não imagino um Clint Eastwood ou Rambo andando num Smart, a não ser que fosse o carro da filha/neta dele!!

    ResponderExcluir
  39. Alexandre - BH27/02/11 04:37

    Vixe, The Number of the Beast, agora danou tudo. O talentoso Jean Reno aparece dirigindo um Smart ‘delicado’ na comédia ‘A Pantera Cor-de-Rosa’. Em ‘Ronin’, o mesmo Jean Reno aparece numa ‘cena de macho’ em que ele e o ‘cabra’ Robert De Niro apavoram de Mercedes em perseguição eletrizante. Será que esse Jean Reno ‘corta pros dois lados’?

    A Pantera Cor-de-Rosa: http://www.youtube.com/watch?v=7HNAem4YqWA&feature=rec-LGOUT-exp_fresh+div-1r-9-HM

    Ronin:
    http://www.youtube.com/watch?v=HPI5-TSdC9w

    ResponderExcluir
  40. "E ele veio para semear a discórdia..."

    Está nas escrituras!

    ResponderExcluir
  41. Alexandre- BH
    Legal, mas "A Pantera Cor-de-Rosa" é como vc disse COMÉDIA. Aí vale tudo!! hahaha Até Jean Reno num GaySmart.

    E as Mercedez usasdas em Ronin são dos modelos mais "serios" da marca.

    ResponderExcluir
  42. Caramba, é Jean Reno para cá, Clint Eastwood para lá... Rambo! Sei não hein! Se for para citar gente do cinema, prefiro mesmo é ver uma Famke Janssen numa Ferrari, descendo a serra de Monte Carlo. Serve até uma Sophia Loren de Lambretta, nos áureos tempos.

    ResponderExcluir
  43. Maçaranduba27/02/11 14:43

    Macho que é macho gosta só de ficar perto de macho manooooo...

    ResponderExcluir
  44. Nada a ver. Comentar sobre os carros que os "heróis"do cinema usam, nos faz (pessoas comuns) desejar esses mesmos carros p/ ter algo em comum com eles. Aston Martin deve muito da sua fama apenas por ser o carro do 007. Bond, James Bond.

    Mas uma Lara Croft numa supermaáquina é sempre bem vinda!!

    ResponderExcluir
  45. Alexandre - BH27/02/11 16:44

    Ok, JT. Se o negócio é carro e mulher, duvido que você faça o que essa gata faz aqui:
    http://www.youtube.com/watch?v=3YqR76WG7rA

    ResponderExcluir
  46. Alexandre, pode apostar que eu não faço o que a gata do Golf fez: vender um carro na porta de casa. Eu prefiro entregar na agência - é mais seguro e menos complicado.

    Boa semana para todos!

    ResponderExcluir
  47. E essa é para passar a régua e fechar a conta:

    Alguém aí falou de 007? Vejam fotos de James Bond junto do MP LAFER no Rio de Janeiro:

    http://www.mplafer.net/2008/11/um-mp-na-pista-de-007.html

    Arrivederci!

    ResponderExcluir
  48. EXCALIBUR - RÉPLICA DA BUGATTI


    MEDONHO !!

    ResponderExcluir
  49. O Excalibur (americano)-o primeiro-pretendia ser a réplica dos Mercedes SSK e SSKL
    Com o tempo, foram apresentados modelos derivados e diferenciados-chegaram até a um double phaeton e, se não me falha, até um sedan fechado, ambos gigantescos, que já não tinham nada a ver com a proposta inicial- em suma, virou o samba do crioulo doido. Mas, a bem da verdade, a qualidade , tanto dos materiais e compomentes, como da execução, eram de babar...
    Agora, com relação aos Excalibur e Bugatti nacionais (L´Automobile? L´Autocraft?), eram mesmo constrangedores- apesar de sabermos do esforço empregado na tentativa de produzi-los
    Falando especificamente de réplicas, devo registrar a admiração pelo Bola XK-120, Avallone TF e os Porsche da Envemo/cbp/Chamonix. E, apesar de ser um 'mimick" e não réplica,o MP Lafer leva a taça

    ResponderExcluir
  50. Gosto muito do Santa Matilde feito por uma fábrica de vagões no R.J. Impecável procurem por SM 4.1

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.