No uso: JAC T8

Fotos: autor



Gosto de carros transportadores de gente. O motivo principal é a versatilidade. Capacidade de levar pessoas e converter uma parte dessa capacidade para levar carga se for necessário é sempre um atrativo. É a tranqüilidade de atender necessidades variadas, sejam as nossas, da família ou de amigos. No caso de furgões ou vans grandes, esse atendimento pode ser feito também comercialmente.

Carros radicais também me atraem, lógico, e nesse ponto, uma perua monovolume como a T8 também pode ser enquadrado como radical. Radicalmente versátil. O preço do veículo para este mês é R$ 94.990.

De cara, grande e atraente. Bem desenhado por fora e por dentro, não há nada que possa ser considerado ruim. Gostei até da grade gigante que o Josias comentou quando da apresentação da T8. Grades grandes me passam informação de boa área de entrada de ar, de bom aproveitamento de radiador do motor e condensador do ar-condicionado.

No texto do tio Josias há mais dados técnicos, que não repetirei, me concentrando no que senti em alguns dias de uso.

Carroceria bem alinhada

Maçanetas práticas e de bom gosto

Dobradiças e maçanetas funcionam bem

Painel de acabamento de porta prático

Portas corrediças tem dois batentes localizadores, além da trava



Antes de embarcar no carro, já dá para saber alguma coisa importante. Um bom sinal de qualidade estrutural de projeto e de construção é o funcionamento das portas. Todas no T8 abrem e fecham perfeitamente, sem ruídos de dobradiças ou de regulagens erradas de engates das fechaduras. Não há nenhum "pulinho" quando se abre qualquer uma das portas, o que mostraria que ela estaria forçada no engate da carroceria. Todas são suaves e fecham com som abafado, sem ruído de chapa de metal vibrando, ponto muito positivo.

No funcionamento, o T8 também atrai quem gosta de conhecer todo tipo de veículo, mas só depois que se pega o jeito certo de trocar de marcha, principalmente primeira para segunda e segunda para terceira. Se a mudança for muito rápida, precisa-se de rotação elevada para evitar uma segurada, reflexo da pouca potência em rotações abaixo de 2.000 rpm. Com pouco peso, andar pouco acima dessa rotação já é suficiente para se desvencilhar do trânsito mais pesado.






Eu esperava mesmo que o carro fosse lento, que atrapalhasse a circulação dos carros menores e mais leves, mas me vi empurrando (no bom sentido) vários deles, conduzidos de forma cada vez mais letárgica, algo que não consigo entender. Deve ser problema das cabeças mesmo. O que acontece é que depois de 60 km/h, a sexta marcha pode ser mantida com facilidade desde que não hajam subidas muito fortes à frente. Até mesmo em quinta marcha com cerca de 350 kg a bordo o desempenho não é irritante, sem ser esportivo, claro, já que a finalidade de um carro desse tamanho nunca vai ser essa.

A alavanca de mudanças é bem leve e precisa, embora se requeira costume com a distância um pouco grande que ela está em relação ao braço do motorista. Se fosse um pouco mais longa, uns 50 mm, esse problema seria menor. Pessoalmente não estou acostumado com a sexta marcha, e isso requereu algumas horas para memorizar e passar e não engatar marchas erradas. Para quem está acostumado com cinco, precisa lembrar que tem mais uma.



Comandos de ventilação ao lado da alavanca, som acima

O sopro do compressor é lindo, delicioso, e mostra facilmente quanto você está acelerando. Poderia ser complementado por um manômetro de pressão de ar de admissão. Mesmo com potência razoável para o peso, me vi muitas vezes com o pé no fundo, para evitar contratempos. Logo após o ponteiro marcar 2.000 rpm começa-se a escutar o compressor soprando ar para dentro do motor, um som muito agradável para mim. Tem gente que não gosta nem mesmo do simples ruído de aspiração de um motor sem compressor, a esse é um dos motivos pelos quais existem os ressonadores, aquelas caixas grotescas no caminho do ar de entrada, quase sempre próximas ao filtro de ar. No T8, esse som, inclusive, ajuda a conectar o carro ao motorista, uma ligação mais informativa entre pedal de acelerador e o cérebro.

Freios bons, disco nas quatro rodas, com os já normais ABS e distribuição eletrônica de força de frenagem em cada roda (EBD). Ao menos no Exterior, os freios a tambor parecem estar quase extintos. Torço muito para que isso aconteça em breve no Brasil também. Manutenção dificil e eficiência sempre duvidosa, está na hora de ser extinto. Mas desse mal o grande JAC não padece, ainda bem. A assistência está bem dimensionada, sem ter pedal sensível demais ou pesado ao extremo.  



Roda simples e bonita, discos nas quatro rodas, bons pneus

Na quinta e sexta, com compressor empurrando, deve-se focar na frenagem, pois o momentum ou quantidade de movimento é grande. Afinal, 2.100 kg em ordem de marcha é bastante coisa. Qualquer três pessoas e alguma bagagem são duas toneladas e meia, e não se pode esquecer disso. Assim como não se pode imaginar que estamos em um carro de passeio ao fazer curvas. Não que o T8 seja ruim, longe disso. Ele se enquadra apenas numa classe de carros que precisam ser dirigidos com atenção extra, no trânsito e nele. O que mais atrapalha, é claro, são os pisos ruins, que fazem o carro balançar em torno do eixo longitudinal (de um lado para o outro). Mas em curvas em bom piso a inclinação é pequena, muito contida para tanta altura de carro e massa sendo deslocada. Gostei muito disso, e foi possível andar junto com carros menores normais em estrada cheia de curvas. O T8 não é um estorvo nesse tipo de trajeto, podendo até mesmo empurrar facilmente os mais lerdos, o que é um serviço de utilidade pública.

Os bancos revestidos em um ótimo couro são firmes, com conforto bem aceitável, e as regulagens são amplas, exceto no banco inteiriço da terceira fila. Há ajuste de altura e inclinação de assento, inclinação de encosto, ambos elétricos para motorista e passageiro. Há ajuste lombar nos encostos por alavanca, bastante útil em longos trajetos. Quando as costas começam a cansar, a alteração da posição desse ajuste ajuda no relaxamento da área mais cansada, e passa o ponto de maior tensão para outra parte das costas.  Atrás, muito bom, espaçoso, com comando de teto solar e ar-condicionado entre as seis saídas reguláveis, até um certo exagero, mas nesses tempos de economia em tudo, muito bem-vindo.

Seis saídas reguláveis no teto é algo elogiável

Tampão no teto solar evita insolação

Regula-se a quantidade de luz interna por essa cobertura

Também a iluminação do teto com LEDs ajuda muito na mensagem de boa fabricação e cuidado com detalhes. O carro é realmente claro no breu da noite, algo muito bom quando várias pessoas precisam se deslocar e movimentar seus pertences.

As luzes de teto são LEDs

O teto solar sobre a segunda fila de bancos abre totalmente, e tem defletor de vento para evitar turbulência e baixa pressão que provoca ruídos desagradáveis. Essas duas poltronas são de mesmo desenho das dianteiras, e tem dois apóia-braços. Correm com grande curso para frente e para trás, para ajudar o acesso à terceira fila, e giram 360° para ambos os lados para um bate-papo cara a cara com quem está atrás. Infelizmente os cintos não estão presos nelas, então, fazer isso em movimento não é recomendável.

Local muito agradável para viajar

Dá para passar correndo de um lado a outro por essas portas


Porta-copos escamoteável

Sala de reuniões!

Espaço é o que não falta 

Bater a cabeça só para quem tem mais de 1,90 m

Porta-malas de 3.350 litros basculando o terceiro banco 

Vidros dianteiros elétricos não tem abertura e fechamento com um toque. Na segunda fila não abre nenhum vidro, algo natural em portas corrediças, que são ótimas, algo perfeito em um carro grande, permitindo acesso tranqüilo e espaçoso por qualquer um dos dois lados do carro. Os vidros da terceira fila basculam, permitindo uma ventilação ótima, com o ar saindo bem no final da cabine.

O painel de instrumentos não tem porta-objetos em uma posição e altura que evite tirar os olhos da estrada; sem lugar prático para um controle remoto de garagem, por exemplo. A parte superior tem espaço para isso, era só fazer um desenho mais utilitário e menos imitação de carro. Não é carro, é transportador de gente. Isso fez a JAC optar por um luxo que é agradável, mas a meu ver, desnecessário. O acabamento de painel de instrumentos, principalmente, está muito similar a um bom carro caro, diferente do restante, que é mais simples. Os apliques imitação de madeira por exemplo, tem cor e textura ótimos, passando imagem de algo custoso e bem trabalhado. Esse tipo de filosofia gera coisas bonitas, mas pouco práticas, como peças de cor muito clara em locais não lógicos, como os ótimos degraus de acesso ao interior.

Parece carro de passeio, não van


Muito bom acabamento no painel


Iluminação ótima, acesso seguro

Cor clara aqui é obstáculo à boa conservação

Um degrau para entrar com aplique cromado onde se coloca o pé não é algo verdadeiramente desejável. Muito mais lógico seria uma peça plástica ou de borracha (melhor) bastante robusta e que possa ser facilmente lavada. No carro de avaliação todas estavam irremediavelmente riscadas. Isso precisa ser alterado o mais rápido possível, já que o carro aparenta ser bem robusto e durável, e uma peça que se estraga prematuramente mancha essa imagem.

Cromado em degrau precisa ser revisto pela fábrica

Manobrar é fácil. Sentado alto, com pára-brisa enorme e espelhos perfeitos, nota-se que o carro não é tão largo quanto parece. Ao se andar em avenidas e estradas, nota-se que o carro cabe com folga nas faixas de largura normal, essas que são cada vez mais raras, em prol de ônibus, bicicletas e motos.

Na marcha à ré, aciona-se automaticamente a câmera, com imagem na tela central do painel.

Os patos e marrecos agradeceram à câmera

Gostei do JAC T8. Imaginei que fosse razoavelmente bem feito, mas me surpreendi de verdade. Com boa assistência técnica, A empresa tem tudo para vender bem e manter o valor de revenda, algo sempre preocupante em muitas marcas de carros, e que as fábricas e importadores deveriam ter muito mais atenção, pois é o que garante o futuro.

JJ

Mais fotos; ficha técnica e lista de equipamentos estão no final.









Tanque e temperatura têm mostradores digitais, as duas barras superiores

Extintor, aberração legislativa nacional

Reservatório do lavador de vidro traseiro

Macaco hidráulico compacto

Ferramentas decentes e bolsa em carpete azul


Espaço enorme para as pernas



Porta-objetos do console é bem grande


Cinzeiro aberto


FICHA TÉCNICA JAC T8

MOTOR
Tipo
Quatro cilindros em linha, longitudinal, DOHC 16V, turbo com interresfriador, gasolina
Diâmetro x curso
85 x 88 mm
Cilindrada
1.997 cm³
Formação de mistura
Injeção eletrônica no duto
Potência
175 cv a 5.400 rpm
Torque
26,5 m·kgf de 2.000 a 4.000 rpm
Taxa de compressão
8,5:1
TRANSMISSÃO
Câmbio
Manual de seis marchas, tração traseira
SUSPENSÃO
Dianteira
Independente, triângulos superpostos, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira
Eixo rígido, duplo balancim, mola helicoidal progressiva, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
DIREÇÃO
Assistência, tipo
Hidráulica
FREIOS
Dianteiros
A disco ventilado
Traseiros
A disco
Controle
ABS e EBD
RODAS E PNEUS
Rodas
Alumínio, 6,5Jx17
Pneus
225/60R17
CONSTRUÇÃO
Tipo
Monobloco em aço, furgão de passageiros, 4 portas, 7 lugares
DIMENSÕES
Comprimento
5.100 mm
Largura sem espelhos
1.840 mm
Altura
1.970 mm
Distância entre eixos
3.080 mm
PESO
Em ordem de marcha
2.100 kg
DESEMPENHO
Velocidade máxima
175 km/h
CAPACIDADES
Tanque de combustível
80 litros
Volume para bagagem com a 3ª fileira
1.310 litros
Volume para bagagem sem a 3ª fileira
3.550 litros
Volume para bagagem sem a 3ª e 2ª fileiras
4.800 litros



EQUIPAMENTOS JAC T8

Abertura interna da portinhola do bocal do tanque de combustível
S
Acendedor de cigarros
S
Acionamento elétrico dos espelhos retrovisores e desembaçador
S
Acionamento elétrico dos vidros dianteiros e traseiros
S
Ajuste de altura do volante de direção
S
Ajuste de altura dos bancos dianteiros
S
Ajuste elétrico da altura do facho dos faróis
S
Alarme antifurto
S
Alças de teto dianteiras e traseiras
S
Antena de rádio impressa no pára-brisa
S
Ar-condicionado automático
S
Bancos da 2ª fileira ajustáveis em 360°
S
Bancos da 3ª fileira dobráveis
S
Bancos revestidos em tecido
S
Bancos traseiros rebatíveis e removíveis
O
Barras longitudinais no teto
O
Bolsas infláveis frontais
S
Chave com destravamento remoto das portas
S
Cintos laterais traseiros de três pontos
S
Desembaçador traseiro
S
Disposição dos bancos 2-2-3
S
DVD player com entrada USB
O
Faróis de neblina
S
Iluminação azul do quadro de instrumentos
O
Iluminação do compartimento de bagagem
O
Lâmpadas de farol halógenas
S
Limpador traseiro com temporizador
O
Luz traseira de neblina
S
Luzes de leitura
S
Luzes de segurança nas portas
S
Pára-sóis com espelho de cortesia para o passageiro
S
Pára-sóis com iluminação para o passageiro
O
Porta-copos
S
Porta-revistas no encosto dos bancos dianteiros
S
Portas com barras antiinvasivas
S
Protetor de cárter
O
Rádio MP3, iPod e USB
S
Retrovisor interno antiofuscante
S
Retrovisores externos com repetidoras dos indic. de direção
O
Seis alto-falantes
S
Sensor de estacionamento traseiro
O
Terceira luz de freio
S
Tomada extra de energia 12 V
O
Travamento automático de portas a 15 km/h
S
Travamento central
S
Volante multifuncional
O
Volante revestido em couro
O


S - de série  O - opcional



66 comentários :

  1. E quem comprou no lançamento por R$ 114.990 o que achou desta promoção? Fazendo isso a JAC vai longe...com estaá pratica de preços "Se colar, colou"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernando18/06/14 12:10 Mas Fernando ,ninguém precisa comprar no lançamento .

      Excluir
    2. Quem pode comprar um carro com Preco de apartamento nao deve estar muito preocupado com isso
      Esse pessoal nao se preocupa também com o conso de combustível enco a exagerada desvalorização dos chineses
      Mas quem pode , pode !

      Excluir
    3. A ideia de que o preço de um produto é o seu custo de produção acrescido da margem de lucro está em muito superada. Hoje o preço se compõe de um único fator: aquilo que o mercado aceita pagar. Se este valor está abaixo ou muito próximo do custo de produção, então simplesmente não se têm um produto viável, no entanto, se o produto permite uma margem de lucro maior, suicida a empresa que o vende por menos.
      Como esta van é um produto que não encontra concorrentes efetivamente diretos (já que vans maiores como Sprinter, Ducato, Master e afins estão em uma categoria mais utilitária e de maior capacidade), além de se tratar de marca nova no mercado, nada mais justo de que a JAC a lance com um preço estimado com boa margem de erro. Fora um tiro no escuro muito justificável testar um valor hipotético e adaptá-lo conforme a demanda do mercado.
      Isto não apenas é comum no mercado de automóveis nacional, como é regra em todas as indústrias relevantes e de grande porte ao redor do globo, seja ela de automóveis ou não.
      Por fim, cito o caso bastante conhecido de uma indústria nacional (O Boticário), para fazer prova de que o preço também é fator de como o consumidor vê a imagem do produto: dispunham de linha de perfume cujo o preço era bastante acessível, porém não deslanchava (em que pese a qualidade do mesmo ser elevada). Dentre as medidas adotadas para alavancar vendas, se tentou uma muito pouco usual: aumentar o preço. Ao contrário do que se poderia prever em um primeiro momento, o preço mais alto fez o consumidor ver aquele produto como algo efetivamente superior, e o mesmo passou a ser muito mais cobiçado pelo público, o que incrementou as vendas e o lucro oriundo do produto.

      Excluir
    4. Ué, mas tem gente que paga ágio para ter o "lançamento" na frente dos outros !
      Claro que não é a melhor das políticas, mas isso é universal, vide os lançamentos como o do Iphone onde um monte de doido fica dias na fila, e paga uma nota preta, quando é público e notório que daqui a dois ou três meses o preço irá cair (pelo menos lá fora).

      Excluir
    5. Filipe W
      Isso me lembra Rio de Janeiro, início dos anos 1970. A Souza Cruz lançou o cigarro Du Maurier, versão brasileira do americano More, que era o cigarro do detetive Kojak. Um sucesso tal que foi o único caso de cigarro ser vendido com ágio. Depois de uns três meses os preços se normalizaram e alguns anos depois o cigarro saiu de produção, ninguém o queria mais. Foi apenas o sabor da novidade, moda, eco do sucesso do seriado de tevê na época.

      Excluir
  2. A versatilidade desse carro é incrível, me parece ser uma melhor opção para transporte executivo do que a já antiga Ducato e Sprinter (sei que lançaram uma nova recentemente mas ainda não li muito sobre ela). Um detalhe me chamou a atenção, talvez seja até frescura minha. O que se sucedeu com a sapata do pedal de embreagem e que mancha amarela é aquela no apoio de pé?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Davi Reis,
      a sapata não sei onde está. A mancha é sujeira de terra mesmo, meu tênis, desculpe.

      Excluir
  3. Fernando
    É claro que ninguém gosta de comprar algo e depois ver o preço diminuir, ou será que há alguma dúvida disso? Como você colocou, parece ato pioneiro praticado pela JAC, quando na verdade é prática mundial em qualquer tipo de comércio. Só deixei passar porque você assinou; se anônimo teria sido excluído.

    ResponderExcluir
  4. Ainda estou tentando entender o porque da JAC lançar um carro desses, muito provável que não venda bem com grandes chances de se tornar um "mico", um carro de proporções extremamente grandes e de design de gosto duvidoso. Sendo praticamente um "cross", não se encaixa no padrão brasileiro de carro de passeio e tão pouco convence como utilitário para empresas de transporte executivo e/ou fretado, preferindo essas, vans como Sprinter e Ducato, já que acomodam quase o dobro de passageiros. E além disso, não consigo ver a JAC como uma empresa consolidada, já que a mesma possui pouco mais de 4 anos de mercado no Brasil, a ponto de tomar uma estratégia de vendas tão diferente assim, digo isso pois nenhum carro da JAC conseguiu números expressivos de vendas até hoje, mesmo com modelos mais comuns ao gosto brasileiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo. Pode ser um produto bem feito, mas sem um propósito definido: ficou um meio termo entre Citroen C4 Picasso/ Grand Picasso e Sprinter, Ducato e outras vans, sem a sofisticação da Citroen e sem a capacidade de carga e a resistência e economia dos motores a diesel das vans "de serviço".
      Antônio do Sul

      Excluir
    2. Jean Delfino
      Oportunidade de negócio, apenas isso. Esse mercado está em crescimento e a fábrica tinha o produto. Nada mais normal.

      Excluir
    3. Bob Sharp
      Pode até ser oportunidade de negócio, não sei se sou eu quem estou desatualizado, mas até agora não vi nada parecido sendo lançado no mercado pela concorrência. E isso me faz lembrar da época em que teve aquele "boom" de minivans, época de Zafira/Xsara Picasso/Scénic, que manteve seu auge durante 7 anos, logo após caindo em decadência. Desta vez vejo com descrença e não acredito que se repita o sucesso de antes, até porque desta vez não é nenhuma grande montadora que está "puxando" o mercado.

      Excluir
  5. Fico realmente contente que os chineses estejam "se encontrando" e fazendo veículos com qualidade. Concorrência sempre é bom em qualquer ramo e, quando falamos no setor automotivo, com suas práticas um tanto questionáveis com relação a preço e afins, é ainda mais importante.

    Realmente, a julgar pelas fotos, comparar o interior desta van com Ducato, Sprinter e afins é como comparar um popular com um sedã médio. Esta não tem nada do acabamento rústico (apesar de resistente) daquelas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que venham os caminhoes e tratores chineses tambem. Não que eu queira compra-los, mas a concorrência fará bem ao mercado.

      Excluir
  6. Eu adoro vans, justamente pelo motivo de serem veículos versáteis.
    No caso da T8 o desenho é funcional, mas algo feio na minha opinião. Porém, eu compraria uma dessas se pudesse, pois as qualidades superam em muito os defeitos. E como tenho família grande, cairia como uma luva!!

    ResponderExcluir
  7. As "janelinhas" das colunas A ajudam - de fato - na condução do veículo, especialmente em manobras?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,
      ajudam pouco, mas é melhor do que ser totalmente fechadas.

      Excluir
    2. Porém a "duplicação" das "colunas Ases" dificultam a visão (como na maioria das vanses).

      Excluir
  8. Essa política do barro mole, joga pra cima e se colar, colou, em minha opinião só prejudica a imagem desses fabricantes. O bom é que no final, o mercado regula.

    Só penso que os maiores injustiçados por essas falha da JAC são o J5 e o J6: são bonitos e bem avaliados, mas pouco vendidos!

    ResponderExcluir
  9. Muito bom !, muitos detalhes do carro e um belo lugar ,mas cuidado para não atropelar os patos rsrsssss...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Pato pateta ,Pintou o caneco, Surrou a galinha, Bateu no marreco, Pulou do poleiro,No pé do cavalo, Levou um coice,Criou um galo...
      Saudoso Vinicius de Morais...
      Jorjão

      Excluir
  10. Fiquei impressionado com as fotos; que acabamento e visual bacana de interior.

    DNA Ford nesse console central...(alavanca, botões)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas aquele extinor de incêndio descoberto abaixo do console.....
      Simplesmente patético num carro dessa faixa de preco

      Excluir
    2. Tem que ser assim mesmo!
      Fica bem aparente e ao alcance se necessário usar.
      Todo carro deveria ser assim...

      Excluir
  11. "A empresa tem tudo para vender bem e manter o valor de revenda, algo sempre preocupante em muitas marcas de carros, e que as fábricas e importadores deveriam ter muito mais atenção, pois é o que garante o futuro."

    Falou tudo! Manter valor de revenda é o que garante o futuro no nosso mercado.

    ResponderExcluir
  12. A manopla de câmbio é bem semelhante a da Xsara Picasso 2006 em diante... não fosse o desenho das seis marchas e o detalhe cromado adornando diria que é a mesma.

    ResponderExcluir
  13. Gostei muito dos pequenos detalhes, tais como a bolsinha de ferramentas, os porta-copos, nicho para o macaco, poltronas girantes, etc.
    Parece que deixaram de lado aquela generalizada e terrível política do setor, de "economia a todo custo", para oferecer uma melhor atenção aos clientes.
    Nada a ver com o teste, mas muito bem observado por JJ, parece que a moda de topar com carros sendo conduzidos de forma cada vez mais letárgica está se generalizando por aí.
    E o trânsito sofre com isto.
    Porque será?
    Motoristas medrosos, medo de radares capciosos, filosofia Zen?
    Sei lá...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ser tudo que voce citou.
      Mas eu nao gosto nada desses afobadinhos que andam cortando os outros, que andam colados na sua traseira e que esmirilham seus carros ( sem do ) na buraqueira de nossas ruas...

      Excluir
  14. Essa taxa de compressão tá baixa (8,5:1), o motor do Jetta turbo tem taxa de 9,6:1, dá para aumentar essa taxa e extrair mais cavalos desse motor assim dá pra oferecer motores turbo nos J3 (1.3 e 1.5) e J5 (1.5) e ainda oferecer algum carro com esse motor 2.0 turbo.

    Lucas Sant'Ana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nao bobeia nao ....que eu vou montar um canhãozinho...
      JAC J2 com esse motorzao 2.0 turbo !
      Vou detonar nos track-days

      Excluir
    2. Ah vá !
      Conta outra ....

      Excluir
    3. Jetta Turbo tem injeção direta, e isso permite taxa de compressão mais alta mesmo com sobrealimentação. 8.5:1 para um motor de injeção indireta esta bem adequado.

      Excluir
  15. Juvenal não reclamou dos sacos de lixo nos vidros.... vai chover

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele nao reclamou no blog , mas por dentro deve estar se corroendo com esse absurdo

      Excluir
  16. Radson Santos18/06/14 17:08

    Bob, ao final da leitura foi quase que impossível não comparar com o Freemont (que já foi avaliado aqui em outro post). Mesmo sendo de categorias diferentes, tem preços quase parecidos e podem ser utilizados para o perfil de família grande. De um lado temos um projeto já maduro que a Fiat "adotou" e do outro a JAC iniciando. Qual seria a melhor escolha para este perfil em específico?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Radson
      Foge à ética fazer recomendações ou expressar preferências. Da leitura dos posts vem a escolha pelo leitor.

      Excluir
    2. O Freemont não tem 1300l de portamalas ao levar 7 pax. Nem a Pajero Full tem isso.

      Excluir
    3. Os 1300l não são com 7 pessoas, e sim com a 3 fileira rebatida. Legenda da foto: "Porta-malas de 1.310 litros basculando o terceiro banco ".

      P500<<

      Excluir
    4. Anônimo 19/06/14 04:04
      A legenda é que estava errada, não a informação. Veja os volumes tanto na ficha técnica quanto no site de JAC (http://www.jacmotorsbrasil.com.br/modelo-t8). A legenda já foi corrigida, agradeço o alerta.

      Excluir
  17. Pois é, na verdade fiquei na dúvida: havia película nos vidros? Olhando algumas fotos de "dentro pra fora" me pareceu que não, mas por fora estão bem escuros...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o perigosíssimo "saco de lixo" nos vidros, sim. Para você ver como a película não interfere significativamente na capacidade de condução do motorista.. se você não tivesse perguntado sobre ela, eu nem teria me tocado.

      Seria bom se o Bob visse esse post. Os apedrejados "sacos de lixo" só intereferem se usados com transparência muito abaixo da permitida e/ou se utilizados no párabrisa.
      Fora desses casos, é quase que completamente inofensivo, chegando ao ponto de passar despercebido, como no caso da van avaliada.

      Excluir
    2. Bruno Hoelz
      Há película nos vidros laterais dianteiros; pára-brisa, não.. A JAC explicou que antes de passá-lo para nós o veículo estava engajado numa ação de marketing e se esqueceram de remover as películas dos dois vidros dianteiros, uma vez que sabem da nossa posição em relação a esse assunto. É mesmo incrível a que ponto chegaram as cabeças brasileiras, associar marketing a vidros com escurecimento ilegal.

      Excluir
    3. Acho que ja vem assim escuro de fabrica.
      Melhor para o cliente: nao precisa se preocupar em por pelicula...

      Excluir
    4. Anônimo 18/06/14 18:31
      É um grande engano achar que só vidros laterais escurecidos não atrapalham. Se estes são escuros e o pára-brisa não, a alternância de visão através deles e do pára-brisa, que se processa continuamente, fica prejudicada, uma vez que a resposta da pupila não é imediata. É por isso que os vidros da condução têm que ser iguais. Quanto a ver o post, vejo todos antes de serem publicados, é parte da minha rotina de trabalho no Ae.

      Excluir
    5. Lucas dos Santos19/06/14 00:36

      "Não tem problema algum escurecer os vidros laterais. Quando for necessário olhar para os lados, basta abri-los"!

      Sim, eu já vi gente fazendo isso e fiquei perplexo!

      Excluir
  18. Essa categoria de minivans mais voltada a família,como é o caso da T8 é a que mais cresce aqui no Japão,carros grandes,com cinco metros,mas com espaço bem aproveitado internamente é de uso realmente muito prático,um ótimo carro para viagens e passeios de fim de semana,sem pressa é claro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E a JAC copiou essa frente da mazda Biante.

      Excluir
  19. Esse carro pode ser dirigido com CNH categoria B? Se sim, esse já é um diferencial em relação às Sprinter, Ducato, etc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também tenho essa dúvida.

      Excluir
    2. Alexandre e Eduardo Alvim
      Sim, carteira categoria B, possível para veículos de até 9 lugares, motorista incluído, e de peso bruto total até 3.500 kg. Esse peso na T8 está por volta de 3.100 kg (7 ocupantes = 490 kg mais 500 kg de carga).

      Excluir
    3. Mesmo não tendo família grande sou doido por veículos que possam levar 6 ou mais adultos com conforto, dentro da categoria B! Gosto especialmente dos VW europeus que não temos. VW Multivan com motores Tsi e Tdi, câmbio manual ou DSG, e VW Sharan monovolume top que os hermanos argentinos têm disponível. Com o fim da kombi bem que poderíamos ter algo novo como a Multivan.
      Roberto Mazza

      Excluir
  20. João Carlos18/06/14 20:55

    Saberia dizer se esse motor é da JAC ou da AVL?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João Carlos
      Da "casa", JAC mesmo.

      Excluir
    2. João Carlos19/06/14 00:22

      Maravilha! Fico feliz por eles e triste por nós não termos uma grande fábrica nacional.

      Excluir
    3. Capacidade não falta, temos fábrica de Aviões (Embraer) e fábrica de motos (Dafra, que vem montando para BMW, Ducati e KTM além de ínumeras parceirias para adquirir teconologia, coisa que os coreanos fizeram). Falta quebrar o cartel. Gurgel? Era um sonhador, infelizmente muito passional.

      Excluir
  21. O Jacão de volta a Ae com novo preço. Pois é, o que dirá quem comprou com o preço antigo?
    Outra pergunta a qual o post me instiga: qual a reação do mestre Josias Silveira diante de "No texto do tio Josias..."? kkkkk

    ResponderExcluir
  22. Anônimo 18/06/14 21:11
    Quem garante que quem já comprou pagou o preço cheio antigo? E desde quando um varejista não pode reduzir preço? É a coisa mais normal do mundo no comércio, de automóveis inclusive. Tio Josias? Nada mais carinhoso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Bob, é louvável que tenham reduzido o preço. Nós talvez é que não estejamos acostumados com isso. E quem sabe também eles não resolvam ressarcir os primeiros compradores. Lembro que Henry Ford chegou a devolver valores a alguns compradores do Ford T, só não lembro detalhes.
      Outra coisa que me passou pela cabeça. A Mercedes-Benz lançou recentemente uma versão top da Sprinter. Será que não foi uma resposta ao T8. Pode não ter ligação, mas, a JAC saiu na frente. Não tenho dúvidas quanto a boa visão de mercado da JAC. Quanto ao tratamento carinho, havia entendido como uma brincadeira. Valeu!

      Excluir
  23. Ah. se não me engano, a devolução feita por Henry Ford foi feita com base no lucro da Ford em determinado período. E ainda como consequência os preços do Model T baixaram. Eram outros tempos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo 18/06/14 22:49
      E quem comprou um televisor de 42 pol. por R$ 2.000 e hoje está pouco acima de R$ 1 mil, não é o mesmo caso? O Ford modelo T só veio caindo de preço em todos os seus 19 anos de produção, coisa de 850 para 300 dólares.

      Excluir
  24. Vi há pouco, na Web, que o episódio da devolução aos compradores do T, foi bem específico. O Sr. Ford havia prometido o reembolso caso a produção ultrapassasse os 300 mil veículos. Numero batido, promessa cumprida. Cinquenta dólares de volta ao bolso de cada comprador da safra Record. Coisas do gênio Henry Ford.
    A analogia das TVs é pertinente, mas, como falei, não estamos acostumados a reposicionamentos tão breves. De toda forma, acho mesmo louvável a... digamos "quebra de paradigmas da JAC".

    ResponderExcluir
  25. Moisés.SP19/06/14 00:38

    Quem pagou mais caro no lançamento, paciência. Quem tem pressa come crú. É o mesmo caso do ágio, paga quem quer. O New March está com ágio em algumas concessionárias, é só aguardar a euforia do lançamento passar que vendem a preço de tabela e quiça com desconto.

    ResponderExcluir
  26. Já me vem a cabeça montar um motorhome...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha só, não tinha pensado no motorhome mas é uma ótima idéia.
      Geralmente são montados em reboques ou em Iveco Daily.
      Essa arranca todos os bancos atrás e monta os móveis planejado, não fica tão espaçoso e não tem banheiro, mas já da para fazer uma viagem longa em duas pessoas.

      Excluir
  27. Adorei esta jaca.
    Pra mim que tenho banda e toco bateria, com filho pequeno e com idéia no meu pequeno negócio, quero visitar uma CSS para ver de perto.
    Pena que as jac da região fecharam, mesmo grupo que vendia subaru e agora Peugeot Strasbourg

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.