NOITE DE HOMENAGENS

Fotos: Autor

A Terceira Noite Renault, ontem (30/11/2010)  no sambódromo de São Paulo, teve como objetivo homenagear os 11 pilotos que, de 27 de outubro a 17 de novembro de 1964, pilotaram um Gordini escolhido aleatoriamente da linha de produção e levaram a marca a estabelecer 25 recordes entre distância e duração, tudo sob controle da Federação Internacional do Automóvel (FIA).

A iniciativa da fabricante francesa estabelecida com subsidiária em São José dos Pinhais, PR desde 1998 merece todo o aplauso deste blog e da comunidade automobilística.

O presidentte da Renault do Brasil, Jean-Michel Jalinier, acompanhado de sua esposa Marie, o vice-presidente da empresa, Alain Tissier, o diretor de Assuntos Institucionais, Antônio Calcagnotto.e a diretora de Comunicação, Marinete Veloso, estavam lá prestigiando o momento.

Mas uma presença especial foi marcante e emocionante: Mauro Salles, o publicitário que com sua agência de publicidade e que foi um verdadeiro conselheiro do presidente da Willys-Overland do Brasil,  o americano William Max Pearce. A fabricante americana produziu a gama Renault Dauphine de 1959 a 1968, inclusive os grã-turismo Interlagos. Mauro, já em idade avançada estava  bem doente há dois anos, mas esteve no evento caminhando e proferiu um longo e tocante discurso, mostrando boa recuperação. Foi ideia do Mauro estabelecer o recorde do Gordini, maneira que ele viu para mostrar que a linha Dauphine não era pouco resistente como ficou tachada.

Jornalistas da época do recorde entregaram troféus oferecidos pela Renault aos 11 pilotos ou  seus descendentes que pilotaram o Gordini: Bird Clemente, Luiz Antônio Greco, Chico Lameirão,  Carol Figueiredo, Danilo de Lemos, Geraldo Meirelles, José Carlos Pace, Luiz Pereira Bueno, Vittorio Andreatta, Wilson Fittipaldi Jr e Wladimiir Costa. Embora eu na época ainda não fosse jornalista automobilístico - tinha apenas 19 anos - fui convidado a fazer uma entrega de troféu, dando-o a Carol Figueiredo, o que fiz com enorme prazer.
Da esq. para a dir.: jornalita Livio Oricchio, piloto Geraldo Meirelles, Paulo Salles, Mauro Salles, Carol Figueiredo, Chico Lameirão, Jean-Micheal Jalinier, (representante do Luiz Pereira Buena, que está enfermo), Bird Clemente, jornalista Castilho de Andrade, filha do piloto Danilo de Lemos, jornalista Claudio Carsughi, Bob Sharp, Luiz Carlos Secco, Reginaldo Leme, Wagner Gonzalez e Candido Reynaldo Mesanelli (foto: Divulação Renault, foto de Oswaldo Palermo)

O evento serviu também para uma mostra de carros Renault do passado e do presente, como o novo Fluence que chega ao mercado em mais alguns dias. Lá estava o Renault Torpedo de 1924, que já mostrava preocupação com  a aerodinâmica ao não ter grade do radiador, mas posicionando-o atrás do motor.

Renault Torpedo, 1924

Outro carro antigo foi o Renault Juvaquatre 1947, o primeiro da marca após a Segunda Guerra Mundial, projetado ainda antes do conflito (o primeiro Renault desenhado depois da guerra foi o Dauphine, de 1957; o 4CV também era anterior).Vi muitos no Rio quando adolescente.

Renault Juvaquatre, 1947

No recorde, realizado pela anel de Interlagos, Bird Clemente capotou com o Gordini na Curva 3. Mas depois de várias voltas o carro parou sobre as quatro rodas e pôde continuar mesmo bem amassado (o regulamento de recordes não permite desvirar um carro).

O Gordini, após capotar, continuou  (foto: minhapaixaogordini.blogspot.com)
A perspicácia de Mauro Salles levou-o a aproveitar aquele momento e dar o nome de "Teimoso" à série  popular do Gordini, uma medida do governo de incrementar produção e vendas estagnadas por meio de carros simples e despojados de tudo o que não fosse essencial, com forte esquema de financiamento pela Caixa Econômica Federal. O Gordini do recorde foi mesmo um teimoso. Rodou 51.233 quilômetros em 22 dias com média global, sem descontar paradas, de 97,15 km/h. Para um carro com motor de 845 cm³ e 32  cv (potência líquida), de 116 km/h de velocidade máxima, foi um feito notável. Coisa de teimoso.

BS

(Atualizado em 2/12 às 00:40 para inclusão de foto)

18 comentários :

  1. Uma justíssima homenagem a esses heróis (você incluido)!

    Quando pensamos que não existe memória automotiva/esportiva no Brasil, sugem essas belas surpresas!

    Salute!

    GM

    p.s: lindo o Torpedo!

    ResponderExcluir
  2. Eurico Jr.01/12/10 09:29

    De fato, justíssima e louvável homenagem da Renault. E fiquei muito feliz em saber da recuperação do Mauro.

    ResponderExcluir
  3. E pra variar. Nada de divulgação.
    Qto ao recorde, eu estive 2 dias no Templo e vi o bichinho dando suas voltinhas.
    Legal a homenagem.
    Nota zero pra Renô.
    Não é a primeira vez...

    ResponderExcluir
  4. Lá no Jalop saiu:
    http://www.jalopnik.com.br/conteudo/facanha-dos-133-recordes-de-um-gordini

    ResponderExcluir
  5. Talles Wang01/12/10 11:33

    Bob,

    Será que os Logans ou até mesmo os Clios de hoje repetem essa façanha?

    Espero que sim... também gostaria de ver uma prova dessas hoje!

    Um Abração,
    Talles

    ResponderExcluir
  6. Talles Wang01/12/10 11:33

    Bob,

    Será que os Logans ou até mesmo os Clios de hoje repetem essa façanha?

    Espero que sim... também gostaria de ver uma prova dessas hoje!

    Um Abração,
    Talles

    ResponderExcluir
  7. Pelos comentários que vejo em vários sites de automóveis, ainda existe muito preconceito contra a Renault (e as francesas em geral), ao menos por parte daqueles que nunca tiveram um. Já a avaliação dos donos, mostra o contrário: o Logan, por exemplo, tem um altíssimo índice de proprietários se dizendo muito satisfeitos, um índice de aprovação maior até que o de muito carro queridinho do mercado. E eu estou entre estes donos: o "Dacia Logan" (muitos o chamam assim em tom de escárnio) me surpreendeu muito positivamente.

    Mr. Car.

    PS: Não sei se um Logan repetiria a façanha de resistência do chamado "Leite Glória", mas uma característica sempre elogiada nas avaliações dos proprietários que tenho visto, é justamente a robustez.

    ResponderExcluir
  8. Muito boa a iniciativa da Renault em RESGATAR este fato...sou em ex-funcionário Willys, me sentí muito feliz pelo reconhecimento daqueles que participaram da empreitada. Fabricante de automóveis se envolver com estes assuntos é muito dificil....PARABÉNS À RENAULT, GANHOU NO MEU CONCEITO.

    ResponderExcluir
  9. Mais um pitaco: QUINTA FEIRA PASSADA DIA 25/11 SE REUNIRAM NO RESTAURANTE SÃO JUDAS, EM SÃO BERNARDO DO CAMPO, PELA QUADRAGÉSIMA VEZ OS EX-FUNCIONÁRIOS DA WILLYS OVERLAND DO BRASIL.....PARABÉNS A TODOS...

    ResponderExcluir
  10. Talles,
    Devem repetir, como qualquer carro do nosso tempo. O único problema é a eletrônica de bordo, como escreveu o André Dantas ontem no post "O inferno da obsolescência eletrônica".

    ResponderExcluir
  11. Mr. Car
    Concordo, esse preconceito existe. Tive um 1093 e meu irmão um Gordini, e jamais tivemos problemas associados a falta de robustez.

    ResponderExcluir
  12. Aléssio Marinho01/12/10 18:58

    Talles Wang;

    Se você quiser, mostro as fotos a minha antiga Scenic 2000 na Usina Hidrelétrica Salto do Curuá (depois da base aérea da serra do cachimbo).
    Foi uma agradável viagem de 10000 km percorridos em 2 semanas, em fevereiro de 2009, entre Belém, Brasília, Cuiabá e a Serra do Cachimbo.
    O único contratempo que tive nessa viagem foi na volta, com a queima de uma das bobinas perto de Imperatriz. Ah, e essa bobina não era original Renault, instalada pelo proprietário anterior.
    Hoje tenho um Logan 2009/2010 que comprei em set/2009 e atualmente está com 29500 km. Nem alinhamento precisou fazer ainda.
    E depois tem gente que ainda duvida da resistência de Renault.

    ResponderExcluir
  13. Pedro Navalha01/12/10 19:24

    O motorista também é peça vital nessa história de resistência. Se o condutor for o que chamam de "Cupim de Ferro", até com aqueles blindados do exército o camarada consegue destruir.

    E são esses geralmente o que mais malham o carro depois, falando que é uma droga e tal...

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. BS
    Nem todos sabem que o Mauro, junto com sua consagrada agencia, fez a imagem da Ford no país por anos, que foi o responsável pelo "batismo" de ícones nacionais, entre eles o do willys "interlagos", do "itamaraty", do "corcel", entre muitos outros...
    Sem falar nos MG's!
    Como nao bastasse, tenho a honra de ser, mesmo que indiretamente, primo de Mauro...
    Quem sabe BS, ele nao mereça um breve capítulo aqui no AE?

    abs

    ResponderExcluir
  16. Temos que parabenizar a Renault por ter bancado a idéia de homenagear os pilotos que participaram do teste de resistencia e recorde do Gordini.
    Foi realmente um bela festa ontem no Sambódromo.
    A presença do grande Mauro Salles, comoveu a todos que lá estavam.
    Foi tambem homenageado e lembrado como o grande responsavel pelo sucesso da Willys e do seu Departamento de competição.
    E uma reunião entre pilotos, velhos e novos jornalistas transformou o evento em uma grande confraternização.
    Uma noite paa ficar na história.
    Romeu

    ResponderExcluir
  17. Muito bacana essa iniciativa da Renault. E merecidíssimas as homenagens ao Mauro Salles e a todos os que participaram daquele histórico evento.

    ResponderExcluir
  18. Toda iniciativa dessa natureza tem que ser elogiada,o Brasil é um país muito ruim em preservar a sua memória,principalmente a do automobilismo .....

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.