MUITO O QUE MELHORAR

Foto: Autor
"Pista alagada", ao fundo  torres de transmissão de energia elétrica da inversora de Ibiúna

Interior distante? Local remoto? Nada disso. Esse  insólito aviso encontra-se na SP-250 rodovia Bunjiro Nakao, que sai da SP-270 rodovia Raposo Tavares no km 45 - distância do ponto à praça da Sé, o marco zero das rodovias paulistas a apenas 45 quilômetros do centro da cidade de São Paulo! Uns cinco quilômetros SP-250 a dentro em direção a Ibiúna, a placa que fotografei. Uma rodovia estadual praticamente dentro de São Paulo com problema crônico de alagamento certamente.

O que será que a turma do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de São de Paulo fica fazendo durante o expediente? Será que fica jogando Paciência no computador em vez de trabalhar, de cuidar das rodovias sob sua responsabilidade? É o que parece. Afinal, é bem mais fácil fincar uma placa de aviso do que resolver um problema que parece bem antigo.

Isso me lembra placas onde se lia "Trecho com buracos nos próximos 30 km" na BR-116 rodovia Régis Bittencourt São Paulo-Curitiba, não faz muito tempo. Fim da picada.

Nesse dia em que fotografei a tal placa, sábado dia 11, fui a um almoço de fim de ano de um grupo de velhos amigos, na região. Ao sair de casa, em Moema, com o C3 automático (em breve, avaliação), o nível de combustível (etanol) estava baixo, dois traços. Fui a um posto Esso no bairro onde sempre abasteço, mas parece que todo mundo teve a mesma ideia, posto congestionado. Como não gosto de filas, desisti  e fui em frente.

Abasteceria num posto Shell no início da Raposo Tavares, mas a tabela de preços mostrava preços extorsivos e continuei. Daí a pouco, um traço, autonomia 80 km no computador. Deve ter posto adiante, pensei. Passou a entrada da Granja Viana (tinha um conhecido BR logo antes, mas o dono deve pensar que dinheiro cai do céu) e nos 20 quilômetros restantes (ia até o km 45, lembre-se) haveria de ter um posto.

Fiquei preocupado, pois a estrada estava completamente congestionada, anda e para, e nessa o consumo aumenta. Mas, civilização à vista, Cotia chegando. Vi uma pequena placa indicando acesso ao comércio local mas não dei bola. Eu não queria comprar nada. Aí comecei a ver postos em sucessão, só que há uma mureta em todo o trecho impedindo o acesso ao que placa indicara antes, e isso incluía postos. Brilhante, pensei, quem está na estrada nunca precisa reabastecer.

Nessa a automonia havia caído para 45 km e acendeu a luzinha amarela ao lado do primeiro traço.

Tudo bem, dali à casa do amigo seriam sete e poucos quilômetros, daria para, na volta, pegar a pista lateral além-mureta e chegar a um posto. Mas, ao entrar na SP-250, aleluia, um posto Shell, - só que estava por inaugurar, bombas ainda envoltas em plástico. Mas até essa estrada estava bem congestionada. Deu mesmo a macaca naquele sábado. A "Rádio Sulamérica Trânsito" falava sem parar que a cidade e a Raposo Tavares estavam travadas. O consumo, elevado nessa condição. Autonomia 35 km.

Ao chegar à portaria do condomínio onde o amigo tem casa, o computador parou de indicar autonomia, só traços em lugar de número agora. Para piorar, o condomínio é enorme e até à casa, mais três ou quatro quilômetros, e muita subida. Ferrou, disse para mim mesmo.

O amigo tinha algumas garrafas de etanol em casa, mas era o diluído, de limpeza, metade água, 46° GL em vez do 93° GL, que os ocupantes da "ilha da fantasia", bonzinhos, inventaram para evitar queimaduras. Achei que seria errado alimentar o motor com esse etanol num carro que não era meu.

Hora de vir embora, resolvi ser o primeiro a voltar e disse-lhes que qualquer coisa eu avisaria pedindo socorro.

Iniciei o trajeto de volta desligando motor na descida, aproveitando ao máximo a inércia (atenção: o freio perde o auxílio após duas ou três freadas e a direção, instantaneamente; só motoristas com muita prática devem fazer isso numa emergência). De volta à estrada, congestionamento igual (dia da macaca mesmo) e consumo alto. Usei inércia onde pude e a cada parada no congestionamento desligava o motor . Claro, ar-condicionaodo desligado.

Felizmente deu para chegar à Raposo Tavares, acessar o "comércio local" e reabastecer. Devo ter chegado  com o tanque praticamente seco.

Há mesmo muito o que melhorar na nossa malha rodoviária. Alagamentos não podem existir e postos jamais devem ficar inacessíveis.

54 comentários :

  1. Pedro Navalha19/12/10 17:07

    Bob, você transformou essa viagem numa verdadeira aventura! É tenso esse negócio de ficar sem combustível na estrada.

    Já fiz isso com meu Escort CHT algumas vezes, protelando o abastecimento, cismado ou com o posto, ou com o preço, sabe como é, dá para chegar... E acabei ficando a pé. Aliás, as 2 únicas vezes que meu carro me deixou na mão, foi por descuido meu, que não abasteceu quando devia.

    Agora se o ponteiro chega na reserva eu encho o tanque o mais rápido que puder. Pane seca nunca mais!

    Aliás, o preço do álcool está pela hora da morte. Ontem enchi o tanque e o litro já estava a R$1,59. Absurdo dos absurdos...

    ResponderExcluir
  2. Pedro Navalha
    Se o C3 não tivesse computador de bordo eu teria enchido antes de qualquer maneira. Agora, quando vi todos aqueles postos sem poder entrar em um, fiquei indignado. Considero computador de bordo item essencial. Quando eu trabalha na Embraer,em S. José dos Campos, cansei de sair de lá rumo a São Paulo com o indicador de combustível no vermelho, autonomia 100 km para 114 km até minha casa em Moema. À medida que os quilômetros iam avançando o consumo diminuía e autonomia aumentava. Nunca fiquei sem combustível em um ano meio indo e vindo de SJC. Preço do etanol? Ridículo, com o dólar a F$ 1,70.

    ResponderExcluir
  3. Bob, você tinha como pedir ajuda aos amigos. Vivi um momento muito mais tenso!

    Em 2004 combinei com a então namorada que sairíamos do Salão do Automóvel numa sexta-feira e de lá iríamos para Piracicaba.

    Na saída do Anhembi, pouco menos de meio tanque.

    "Dá pra chegar no Road Shopping", pensei eu, me referindo ao posto da Castelo Branco onde sempre paro para tomar café, bater papo com um amigo comerciante e observar os animais silvestres do famoso pet shop local. Como gosto deste lugar, sempre escolho esse caminho (ao invés de ir pela Bandeirantes).

    Pois bem, cheguei ao Road Shopping depois das 22:00, estava tudo fechado. Tanque marcando menos de 1/4 e a saída da SP-308 logo mais à fente, sendo que esta rodovia é praticamente deserta.

    Namorada cochilando, nem toquei no assunto para não levar bronca. Quinta marcha engatada, velocidade de 60 a 70 Km/h. O trânsito de caminhões ajudava a manter a velocidade baixa, quem diria!

    O ponteiro descendo e nada de Piracicaba chegar. Eis que no meio do breu se destaca uma luzinha, duas luzinhas... Era um posto de gasolina que ignorei durante a vida toda (e cuja existência nunca foi digna de recordação), desses bem escuros e fétidos, repletos de caminhoneiros, com as meretrizes entrando, saindo e transitando entre os caminhões...

    Tomado por uma felicidade ímpar, entreguei a chave do carro ao frentista. Não me lembro de ter falado com tanta alegria o tradicional COMPLETA!

    Desse dia em diante, só pego estrada de tanque cheio. Ainda mais agora com os Rodoanéis da vida.

    FB

    ResponderExcluir
  4. Bitu
    Igualmente absurdo, um posto desses fechar. Que doideira, só imagino o seu sufoco.

    ResponderExcluir
  5. Marcelo Augusto19/12/10 19:43

    Essa caixa AL4 tem de ser testada somente em longa duração, raramente não dá uma pane ou não tem algum item danificado antes de 30 mil km. E resolver problema de garantia na PSA é chá de cadeira. Por mais incrível que parece, as próprias concessionárias não fazem reparo na caixa, mandam pra Pat Paulicéia. E da-lhe meses sem carro.

    Por isso eu acho que só a vida prática num automóvel é que vai dizer qeum ele é. Numa avaliação da imprensa, não se sabe destes detalhes.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Pane seca é foda mesmo Bob,eu e meus amigos já passamos por algumas dessas.

    Uma vez a Saveiro álcoolatra (literalmente,fazia 4km/l escapamento rachado no meio,frente quebrada,daquele jeito,mas vamos que vamos kkk) do meu primo chegou no embalo no posto literalmente,sorte que era um bela descida UHSAUSHA

    Detalhe estamos a uns 100km de casa,e numa bela quebrada de São João.Tivemos sorte

    ResponderExcluir
  8. De todos os lugares por onde já viajei de automóvel, a França é de longe o pior em matéria de escassez de postos de combustível e/ou de postos fora de serviço.

    São pouquíssimos os postos nas autoroutes, e a distâncias enormes um do outro. E nas cidades francesas, os poucos postos existentes sempre ficam em regiões muito afastadas do centro.

    Outra coisa: quando dá sete e meia, oito da noite, muitos postos simplesmente fecham as portas. Precisa ir ao banheiro? O jeito é achar algum matinho por perto e rezar pra não ser denunciado por atentado violento ao pudor.

    Em tempo: nas estradas francesas, também há muitos trechos de pista com defeito. As autoridades colocam uma placa informando "chaussée déformée", e fica por isso mesmo.

    ResponderExcluir
  9. Bob,

    Minha última pane seca foi numa perua Peugeot 207, mesmo fabricante, por sinal, usei esse carro por dez dias, no início deste ano, ao acender a luz reserva, imaginei tivesse autonomia de '10litros', quase uma praxe aqui no Brasil, estimei 6km/l etanol urbano, mas o bicho parou antes de completar 50km de luz reserva. Felizmente foi na Av. Indianópolis, 10min de caminhada até um posto de abastecimento.
    Pensando de forma mais abrangente sobre o seu reporte, creio caberia uma sugestão ao fabricante para aumentar a reserva para 8 a 10 litros. Não estamos pedindo tanque maior, só um 'reset' eletrônico.

    ResponderExcluir
  10. Normalmente visito o blog, mas não posto nada.

    1. Quanto às placas: costumo reparar nesses absurdos também. Pior são aquelas "alto indice de acidentes". Nada fazem para melhorar a situação.

    2. Pane seca. Bobeira sua. Deveria ter abastecido o carro. Como dito acima, na Europa a quantidade de postos são bem menores e não se vê pane seca. Não se pode contar com a sorte. Mas com esses flex beberroes, os tanques de combustíveis deveriam ser maior. PS. Nada pior que indicador de combustivel digital. Bom é ponteirinho aliado ao computador de bordo.

    3. De SJC a SP. Voce teve um Escort Zetec, não? Aquilo sim que é bom na estrada. 62 litros e faz fácil fácil 17km/l na estrada, sem precisar se arrastar. Quando abastecia o meu e pegava estrada, a autonomia no computador de bordo chegava próximo de 1000km.

    4. Dirigi pela frança e não vi nennhuma placa indicando falhas na pista. Aliás, não vi falhas na pista. Vi pouquissimos buracos na belgica. Mas em relação aos postos, é comum uma placa "posto de combustível a 45km" (!!).

    Nas cidades, muitos postos são subterraneos.

    5. Bitu, Por isso se deve abastecer antes e não cair num posto furreca desses que não se sabe o solvente que o cara irá colocar no tanque.

    Marco

    ResponderExcluir
  11. Daniel Shimomoto19/12/10 20:54

    Bob;

    Pane seca é um treco que dificilmente eu terei pois sou meio traumatizado com isso, coisa de infancia, sabe como é...

    Minha avó (mãe da minha mãe), quando meu pai viajava com o meu avô (pai dele) tinha o (mal) costume de ir visitar a gente de final de semana. Pegava o Fusquinha 75 dela e ia. E saia da casa de meus pais lá pela meia noite, uma hora da manhâ. E depois, quando achavamos que ela já estava dormindo, tocava o telefone e era ela de algum orelhão, falando que estava sem gasolina. O pior é que não foi uma vez...eu me lembro de ter acontecido pelo menos umas 4 vezes...

    O problema é que só tinhamos carros a álcool e onde arrumar gasolina numa época de postos fechados a noite? Certa vez, descobrimos um pouco de gasolina com óleo 2 tempos que meu pai tinha guardado em casa, proveniente de uma motoserra. Depois, descobrimos que na Rua Teodoro Sampaio esquina com a Henrique Schaumann havia um posto onde ficava uma moçada reunida bebendo cerveja e o dono mantinha um frentista por lá como "guarda". oficialmente o posto era fechado mas se pedisse, vendia gasolina.

    Enfim, com um passado desses fica dificil nao ter "comichão" quando o tanque começa a se esgotar.

    ResponderExcluir
  12. Marco,
    Nunca parei por pane seca em 50 anos de habilitado e alguns antes de ter carteira. Eu quis compartilhar esse caso, primeiro para dividir experiência, segundo para alertar para o problema de falta de acesso a posto naquele trecho da rodovia Raposo Tavares. Em momento algum deixei de ter noção exata do risco de pane seca. Se o carro não tivesse computador de bordo, como o Escort tinha, minha atitude seria diferente. Nesse caso relatado o computador orientou com precisão, independente do tipo de medidor de combustível. Quando parou de indicar a autonomia era 30 km. Da portaria à casa ida e volta, 8 km. Sete quilômetros de volta, total 15 km. Mais 2 km até chegar ao posto, 17 km. Teoricamente ainda tinha 13 km para rodar, coisa de 1,5 litro no tanque. Sem o computador jamais se tem essa segurança.

    ResponderExcluir
  13. Marcelo Augusto
    Em qualquer carro a avaliação de longa duração revela eventuais problemas de qualidade. Na VW o reparo dos câmbios automáticos de Santana eram realizados na fábrica, na Ala 0. Na GM, na oficina da fábrica em S.Caetano do Sul. Testemunhei ambas sistemáticas de reparação quando trabalhei nessas duas empresas.

    ResponderExcluir
  14. Paulo Mopar
    Tiveram sorte mesmo. Chegar ao posto no embalo não é sempre que acontece.

    ResponderExcluir
  15. Se vocês estão reclamando de álcool a R$ 1,59 imaginem se tivessem que pagar R$1,89 como eu tenho que pagar aqui em Fortaleza-Ceará. Bob, queria aproveitar o assunto e lhe perguntar se os computadores de bordo de nossos carros são, pelo menos, um pouco confiáveis, tenho um Corolla XEi, 2008/2009 e viajei essa semana observando a média de consumo que ele dava, achei os números dentro do esperado, por isso minha pergunta.

    ResponderExcluir
  16. Paulo Levi
    Quando se sabe que não há posto num determinado trecho, tudo bem, até aqui temos isso na Rodovia dos Bandeirantes depois de Campinas sentido interior. O que eu não contava é com estar numa rodovia, ver os postos mas não ter como chegar a eles senão pelo "comércio local". Duvido que na França colocassem aviso de trecho com buracos. Pista deformada até que é admissível.

    ResponderExcluir
  17. Zilveti,
    Em geral a autonomia da reserva nos carros a gasolina é de 50 km. Com etanol realmente complica. Vou ver com a Peugeot de quanto é exatamente e, se for o caso, sugerir aumentar.

    ResponderExcluir
  18. BDF
    Já fez a conta para ver qual combustível resulta gastar menos centavos de real por quilômetro? É dividir preço do litro do álcool por 0,7, que dá R$ 2,70 com álcool a R$ 1,89. Com a gasolina a R$ 2,70 é indiferente um ou outro combustível. Se a gasolina custar mais do que isso, use álcool, senão compensa usar gasolina. Sim, os computadores de bordo são confiáveis.

    ResponderExcluir
  19. 2,05 o litro do álcool no DF.

    No meu carro, a indicação de consumo é 6,5% maior no computador de bordo em relação a bomba. Diferença bem pequena.

    ResponderExcluir
  20. Bob,

    Meu pai abastecia o Chevette quase sempre em um posto da ESSO próximo de casa. Com o roubo do meu Corsa, passei a utilizar o Chevette e quando parei para a primeira manutenção para fazer isto, percebi o carburador todo manchado de vermelho, por causa do corante usado na gasolina da ESSO eu suponho.

    Depois de ver isto, nunca mais abasteci nos postos da rede.

    ResponderExcluir
  21. Marcelo Augusto20/12/10 01:05

    Teve um 307 que deu problema no Loga Duração da 4Rodas. Infelizmente na PSA é assim Bob, a fábrica nem concessionária entra em cena para reparos em caixa automática.

    Certa vez ajudei um amigo que deram um orçamento de reparo de mais de 7 mil reais na caixa de seu 307, carro de 4 anos de uso. Fiz uma breve pesquisa e vi que esse era o exato valor da caixa na época, sem a mão de obra de instação, que iriam dar de cortesia. Nem eles arrumam o que projetaram, é melhor comprar da Aisin então.

    ResponderExcluir
  22. Arriscado dar uma de hypermiler e andar com o carro desligado, não? Até mesmo pra um experiente autoentusiasta!

    ResponderExcluir
  23. Bob, muito bom seu texto. Uma grande aventura construída pela péssima estruturação de nossas estradas. Imagine se tivesse chuva, então.

    Amigos,
    O álcool aqui na serra gaúcha chega a R$2,30 em muitos postos e a gasolina gira em torno de R$2,75 à R$2,90. Aqui sim o álcool é extorsão.

    Um abraço,
    GiovanniF

    ResponderExcluir
  24. Bob, muito bom seu texto. Uma grande aventura construída pela péssima estruturação de nossas estradas. Imagine se tivesse chuva, então.

    Amigos,
    O álcool aqui na serra gaúcha chega a R$2,30 em muitos postos e a gasolina gira em torno de R$2,75 à R$2,90. Aqui sim o álcool é extorsão.

    Um abraço,
    GiovanniF

    ResponderExcluir
  25. Raphael Hagi
    Não creio que as manchas sejam do corante, que é colocado na refinaria, não na distribuidora. São depósitos da própria gasolina, razão para se usar gasolina aditivada, que será obrigatória em 2014, acabando a não aditivada. Com aditivada isso não acontece.

    ResponderExcluir
  26. Marcelo Augusto
    Esse é um quadro que precisa mudar realmente. Até o final dos anos 1980, quando caixa automática era raro, admiite-se, mas não hoje. Posso mandar sua mensagem para a PSA?

    ResponderExcluir
  27. Anônimo 20/12 01:20
    Claro que é arriscado, mas não para quem domina o dirigir. Por isso avisei no texto.

    ResponderExcluir
  28. GiovanniF
    E olhe que eu estava na região da Grande São Paulo. Que preço maluco, o do álcool aí! Só vale a pena usar gasolina mesmo.

    ResponderExcluir
  29. Bob,

    Achei estranho esse "vermelhão" no carburador e fiquei cismado com isso. Não tenho como saber se a gasolina utilizada pelo meu pai era a aditivada.

    Há algum motivo, fora o marketing, para a ESSO deixar a gasolina nessa cor? Eu só consigo imaginar que seja algum corante que de alguma forma tenha alguma reação com solventes e etc utilizados para diluir a gasolina. Sob esse aspecto, aquela espia na mangueira serve mesmo como referência sobre a qualidade do combustível.

    ResponderExcluir
  30. Caio Cavalcante20/12/10 11:41

    Caro Bob,
    Economizar combustível em situação de emergência é uma arte. Uma vez ia pra Curitiba com minha namorada pela Régis e o carro entrou na reserva. Estava amanhecendo e era um trecho bastante deserto. Como era a primeira vez que pegava essa estrada, estava preoucupado, pois não sabia quanto faltava até o próximo posto. Reduzi a velocidade e passei a aproveitar até o caimento das curvas p/ ganhar velocidade. 50, 60, 70 km depois e nada de posto. Estava suando frio já. Só fui encontrar um, precário, com bombas analógicas, uns 120 km depois. Nessa hora, minha namorada que estava dormindo acordou, e eu então contei o que acabara de acontecer. Ela arregalou os olhos e soltou um "nossa, tudo isso?" Nunca na história daquele carro, um Ford Focus 2.0 excelente na estrada, ele teve tanta autonomia.

    Mudando de assunto. Meu sogro quer um carro antigo e eu fui designado para procura. Vendo anúncios na internet, achei um que me lembrou você, Bob: um Corvette Sting Ray 1976 Targa branco com interior marrom! Lindo o carro. Aqui está o link: http://www.webmotors.com.br/webmotors/carro/usado/chevrolet-corvette-5.7-sting-ray-targa-v8-gasolina-2p-automatico/6721973/detalhe.wm
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  31. Caio Cavalcante
    Você agiu certo na situação e felizmente deu para chegar a um posto. Obrigado pela lembrança da cor e pelo link do anúncio do Corvette, belo carro mesmo!

    ResponderExcluir
  32. A Raposo Tavares, como muitas rodovias brasileiras, sofre de um mal crônico: as rodovias são usadas como VIAS URBANAS, graças ao fato da cidade ter crescido ao longo da rodovia ... basta pegar qualquer BR e sentir este problema ... Não sei de quem foi a idéia, mas na Rodovia Anhanguera, próxima a Jundiaí, o que fica "isolada" da rodovia, é a própria saída para a cidade ... a separação da via rápida, com a via "local", em Cotia, provavelmente serviu para diminuir os acidentes, já que os moradores de Cotia, usavam a rodovia como via urbana ... próximo a Florianópolis, na BR 101, temos o mesmo problema, em que os postos de gasolina ficam na via secundária e vc precisa ficar atento para não perder a saída ... aliás, não precisa ir muito longe: na Marginal Tietê, os postos ficam somente na "via local", sem acesso pela "expressa" ou "central" ....

    Geraldo

    ResponderExcluir
  33. Nunca tive pane seca, mas já passei por apuros por causa do descaso de administradoras de rodovias que fecham ou dificultam acesso aos postos... você precisando da gasolina e os postos lá, mas não há como chegar. Complicado.

    ResponderExcluir
  34. Bob,
    Já passei por uma ou outra situação onde tive que trabalhar o consumo do carro para chegar no próximo posto. No final das contas nós nos sentimos orgulhosos da proeza, não é verdade? hehehe

    Com este assunto me recordei de dois temas...
    O primeiro é sobre completar o tanque até a boca. Obviamente o respiro tem sua função e já li que até o consumo é prejudicado com o tanque tão cheio. Ontem indaguei o frentista a respeito, após ter feito a solicitação de interromper o abastecimento após o primeiro travamento da bomba, mas como já previa, ele só soube me dizer que "tem cliente que gosta de encher até a boca". Se tiver mais informações sobre o funcionamento do respiro, creio que seja importante.

    E o segundo tema é a respeito do rendimento entre os dois combustíveis. Esta regra de 70% é para carros flex, ou é uma regra de rendimento, onde são comparados carros a gasolina e carros a álcool? Acredito que esta proporção varie entre os fabricantes, principalmente pelo fato de ser notável um rendimento fraco na gasolina para alguns carros flex. Percebi que a utilização da gasolina é mais válida quando a tocada visa conseguir autonomia maior, no português bem claro, carro frex abastecido com gasolina e pé no assoalho, igual a pior redimento (Km/R$).

    Ahhh... Em 2014 só aditivada então?
    Se eu tiver com carro a gasolina, irei abastecer só com premium, posso estar errado, mas a minha percepção com gasolina aditivada era que deixava o carro mais chocho. Salvo a gasolina V-Power, mas não confio muito no controle de qualidade da Shell.

    Sds

    ResponderExcluir
  35. Encher o tanque de combustível até o tanque pode prejudicar até o canister, o filtro de gases, caso o combustível em estado líquido chegue até ele.

    O correto mesmo é abastecer em postos de plataforma plana até o destravamento automático. Aliás, uma coisa que não consigo entender é como permitem postos com a plataforma inclinada.

    O Chevette adorava a gasolina aditivada da Texaco com o tal Techron. Uma pena que aqui no Sudeste não existam mais postos da bandeira depois do negócio com a Ipiranga.

    ResponderExcluir
  36. Uma vez em viagem no interior do estado da Bahia quanse ficamos em etanol...nenhum posto tinha e alguns somente bombas de Diesel. Chegamos em Vitória da Conquista só com o cheiro dele no tanque.

    Sobre o estado das estradas é desanimador: é mais fácil colocar uma placa avisando dos buracos do que fazer um serviço decente e fechá-los.

    ResponderExcluir
  37. A regra do "x 0,7" para saber se o alcool compensa é muito relativo.

    Com meu carro, faço 6,5km/l, no máximo, com alcool. Na gasolina, faço 7,5km/l, além de o carro ficar manco manco com este último.

    ResponderExcluir
  38. Raphael,
    Abasteci durante muito tempo em postos Esso e somenta a gasolina comum deixava o carburador vermelho, acho que é o corante que eles usam. Depois do meu primeiro carro com injeção eletônica só abasteci com aditivada.

    ResponderExcluir
  39. Como não abasteço em postos ESSO há anos, fica a pergunta: A aditivada deles também é vermelha ou tem cor natural?

    ResponderExcluir
  40. No meu carro, consegui um bom rendimento com a gasolina na estrada, mas sem forçar... Via de regra, o carro anda com álcool puro. Gasolina em carro flex para uso urbano nem pensar.

    ResponderExcluir
  41. Bob,

    O único problema que vejo em andar na "reserva" está nas subidas íngrimes e não planas.

    Aqui onde moro por exemplo, não posso vacilar. Mesmo com 3 a 4 litros no tanque.

    Já estive algumas vezes parado por isso.

    Seria interessante se o computador de bordo fizesse a leitura de consumo também pela inclinação do carro não?

    Um abraço,

    Rafael Aun

    ResponderExcluir
  42. Raphael,

    Se não me engano é verde.

    ResponderExcluir
  43. E será que o carburador fica esverdeado? hehehe.

    Nem vou me arriscar, foi um PARTO conseguir um Weber 460 zerado pra colocar no Chevettinho. :-)

    ResponderExcluir
  44. Na época que abastecia coma Esso comum tinha uma Variant 72...pelo menos uma vez por mês tinha que limpar os carburadores e fazer a equalização. Com a aditivada fica tudo limpinho.

    ResponderExcluir
  45. Geraldo
    Só que as marginais estão dentro da cidade, é diferente.

    ResponderExcluir
  46. Anônimo 20/12 12:55
    Como eu disse, o negócio desses caras é infernizar a vida do cidadão.

    ResponderExcluir
  47. Fabio,
    Com a introdução, em 1989, do filtro de carvão ativado dentro de uma lata, daí o nome mais conhecido, cânister, para onde vai o respiro do tanque, tem que haver um volume de ar entre o nível do combustível e a parte superior do tanque, para que não haja possibilidade de combustível extravasar para o cânister, estragando-o e também levando o motor a aspirar combustível que haja nele. Esse filtro é para reduzir as emissões evaporativas, a de lançar hidrocarbonetos na atmosfera. Só para dar um exemplo que me lembro, o tanque do Corsa de 46 litros pode receber até 52 litros se o enchimento após o primeiro desarme do bico da bomba continuar. A regra de 70% é média, ela pode variar 5% para cima ou para baixo, depende do carro. Mas para fins de escolha de combustível essa autonomia relativa atende perfeitamente. Não nenhuma razão para o carro ficar mais chocho com gasolina aditivada. É a mesma gasolina, só que com aditivos detergentes-dispersantes.

    ResponderExcluir
  48. Junior Antonini20/12/10 17:59

    Quando eu tinha um Peugeot 206 passei algumas vezes por apuros. Mesmo antes de ele entrar na reserva, conforme o angulo que o carro ficava, o carro morria, provavelmente por culpa da posição da bomba em relação ao tanque. Passei 2 vezes por esse aperto e depois disso nunca mais deixei ele chegar na reserva. Gostaria de saber se resolveram isso no "207" :)

    ResponderExcluir
  49. Anônimo 20/12 13:44
    Deve haver alguma coisa errada com o seu carro. Mas se você tem certeza que não, que o carro está em ordem e que suas medições de consumo estão certas, então o jeito é ficar mesmo no álcool. Todos os consumos informados pelos fabricanes, obtidos dentro de normas, apontam essa autonomia relativa de 70%. Tem a ver com o poder calorífico dos dois combustíveis.

    ResponderExcluir
  50. Rafael Aun,
    Até poderia, mas seria muito complexo um sistema desse. Se o carro tiver sensor de inclinação, como alguns têm no sistema antifurto, que detecta carro sendo guinchado, poderia ser aproveitado, sem dúvida.

    ResponderExcluir
  51. Junior Antonini
    Eu nunca soube desse problema no 206. Chegou a reclamar na concessionária ou no SAC da fábrica?

    ResponderExcluir
  52. Marcelo Augusto20/12/10 19:43

    Pode mandar pra PSA.

    ResponderExcluir
  53. pelo menos tem a placa de aviso , se não tivesse ia ser ainda pior

    ResponderExcluir
  54. e verdade , imagina se não tivesse

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.