SUICIDAS


Dia desses estava observando o comportamento dos motoboys, embora houvesse outros motociclistas no pedaço. Foge à compreensão de qualquer pessoa normal o comportamento desses usuários de veículos de duas rodas no trânsito, especialmente da cidade onde resido, São Paulo.

A impressão que dá é que a maioria é suicida, ainda que inconsciente. A maneira como passam entre os carros parados ou andando, a velocidade relativa entre as motos e os carros absurdamente alta corrobora o que acho. Não é possível tanta burrice.

Fui motociclista durante muitos anos e de vez em quando dou umas voltas para avaliação. Sempre passei entre carros usando a agilidade da motocicleta pela sua parca largura, mas sem nunca fazê-lo a não ser com extrema cautela, com diferença de velocidade de no máximo 20 km/h entre eu e os carros. É o que o bom senso manda.

Será que não pensam que alguém pode estar atravessando a rua, mesmo que seja uma via de trânsito rápido? Será que não imaginam que alguém pode abrir uma porta de repente?

O pior é que é um quadro no qual não vejo volta. Termos 1,3 morto e 25 feridos por dia, com remoção. E carnificina inequívoca. Tem que ser posto um freio nela.

BS

Foto: pitstopbrasil@wordlpress.com

33 comentários :

  1. João Carlos de Oliveira20/08/09 02:23

    O que era raro - um motociclista atropelar um pedestre - virou coisa comum e as autoridades nem dão mais bola. Parece que não adianta melhor formação, parece questão de educação mesmo, de família, eles não estão nem aí para nada. Parece que a nossa juventude esta sem base.

    ResponderExcluir
  2. João Carlos,
    Exato, falta a educação desde o berço.

    ResponderExcluir
  3. Bob, parabéns pelo post.
    Ouço muito blá blá blá de autoridades mas ninguém vem com conhecimento de causa ou dados concretos sobre comportamento no trânsito. Não se estuda a fundo pra atacar a causa primária do problema, ou não se quer...

    Fora o quadro dos motoboys, o que você acha sobre o quadro dos pedestres, que temos em São Paulo média que ultrapassa 2 mortes/dia?

    Gostaria que comentasse a respeito.
    Parabéns novamente, sou seu fã desde os tempos de BestCars.

    ResponderExcluir
  4. Perdidos nos confins deste Brasil, ainda temos problemas mais graves: a total desobediência nos semáforos, motoqueiros subindo em calçadas, desrespeito total às normas de segurança. O que vem do despreparo do piloto. Aqui onde moro, o exame para se tirar a carteira de moto é feita em um circuito de uns 100 metros. Se a pessoa consegue controlar a moto neste curto espaço, está apta a enfrentar um transito que tem uma enormidade de imprevistos e acontecimentos. Um absurdo!
    Acredito na praticidade, velocidade e eficiência da moto. Falta preparar o motoqueiro.

    ResponderExcluir
  5. Caro Bob,

    Há algum tempo me recomendaram um programa humoristico de rádio, onde o sujeito se identificava como "motorboy". Porque? Porque não havia sido aprovado na construção civil.
    Infelizmente é isso que temos nas ruas.
    A solução? A de sempre: fiscalização (que não existe).

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Em 2006 conclui minha faculdade de Design Industrial em SP com um projeto de motocicleta para os motoboys. Como cabia à nossa atividade profissional, procuramos oferecer soluções para o veículo se adequar ao trabalho deles, reprojetando a ferramenta usada no dia-a-dia.

    Mas junto na pesquisa e desenvolvimento do projeto, percebemos e comprovamos que a motocicleta é 10% do problema.

    Existe um buraco negro no que tange legislação, formação de condutores, fiscalização, sinalização, educação que vem de berço, educação que vem da escola, desemprego, e emprego precário.

    Se vc soma falta de fiscalização, com falta de formação, com falta de condição de trabalho adequada dá no que dá.

    Vejo muito motorista de carro que reclama veementemente de motoboys. Mas a maioria não considera as motos no trânsito, na hora de fazer uma simples mudança de faixa... ou seja, como dizia o próprio Bob Sharp em algumas colunas, existe um caos total, não tem santo nessa estória.

    ResponderExcluir
  8. Ficam discutindo se a lei proibe ou não andar no corredor, mas andar no corredor como andam, é direção perigosa e tem multa para direção perigosa. E não adianta fazer leis e mais leis se não há fiscalização. O mano vida loka, anda em sua CG sem carta de motorista, sem iluminação, com placa ilegível, escapamento soltando nuvens de fumaça, ruído superior ao de um Boeing em decolagem, para acima da faixa de pedestre (quando para) isso tudo na frente dos PMs que ficam nas esquinas e os mesmos fingem que não veem nada, isto é Brasil.

    ResponderExcluir
  9. Bob, falei isso com o meu cunhado semana passada. Eu estava trafegando no "minhocão" e quando o transito parou, os motoboys passavam a 60km/h por nós, como se a pista estivesse livre.
    Eu pensaria o seguinte: O transito de carros já está parado. Eu, trafegando a 20km/h entre eles já tenho uma vantagem absurda.
    Comentei que, noutro dia, eu estava na gastão vidigal e uma moto se acidentou junto a um ônibus, que arrastou o motoboy, cujo capacete de despedaçou, por alguns metros. Apesar do corpo estar coberto, era possível ver a pista manchada de pele e diversas partes de carne humana pela pista. Um show de horror.
    Minha namorada, ao meu lado, começou a passar muito mal.
    Depois que o susto passou, perguntei a ela: Depois do acidente feito, adianta procurar culpados? Valeu a pena tentar andar rápido? Provavelmente o motorista do ônibus perderá o emprego, mas agora já foi. Uma vida foi perdida independente de quem seja a culpa. E os motoboys não percebem que, num acidente, seja lá de quem for a culpa, eles que sairão perdendo. SEMPRE. Podem chutar retrovisor, podem buzinar... uma vez tocado no carro, quem vai para o chão é o rapaz da moto. Isso já é motivo o suficiente para eles dirigirem defensivamente o tempo todo ao invés de segurar o dedo na buzina e esperar com que os carros desviem.
    Meu cunhado concorda comigo, e disse que quando vai trabalhar em sua moto, com os carros parados, ele anda no corredor a 30km/h no máximo. Advinhe? Ele disse que é xingado o tempo todo por motoboys. Que chegam a dizer: Se não está com pressa, anda de carro!.
    Como você disse, são suicidas.
    Bob, meu caro, nosso trânsito é apenas um reflexo da (falta de) educação brasileira.

    ResponderExcluir
  10. Rodrigo Laranjo20/08/09 09:42

    Isso não é um problema de trânsito. Nenhuma lei de trânsito resolve isso.

    Eu já falei: A solução é juntar todo mundo que tem 3º grau e mudar para o CHILE!!! Deixa o Lula e os motoboys aqui em paz que nós, seres pensantes, somos minoria. Não dá pra brigar.

    ResponderExcluir
  11. Carlos Galto20/08/09 09:46

    O Ciossani foi no ponto certo.

    Não adianta culpar as leis esdrúxulas que nossos governantes nos inventam se NÓS não cumprimos as premissas básicas da boa educação.
    Além disso temos as dificuldades inerentes aos sub-empregos, onde infelizmente incluo o moto-frete pois suas condições são precaríssimas. Mas mesmo se tudo isso melhorasse, de nada adiantaria se continuássemos com a péssima educação que temos. E nem digo educação de trânsito ou decorrente das escolas, digo a de berço mesmo, passada de pai pra filho!!
    Não respeitamos outros carros, que dirá motociclistas ou pedestres, que também são mal educados.


    Em vista desse colorido quadro, até acho que a quantidade de acidentes é relativamente baixa.

    E vamos levando...

    ResponderExcluir
  12. Arnaldo Keller20/08/09 10:06

    Boa, Bob!

    Há um ano, amarrando minha bike numa árvore perto de onde param motoboys, numa travessa da Av faria Lima, SP, senti um baita cheiro de maconha. Era de manhã. Olhei pro lado e vi três motoboys fumando a mardita.
    Não pude me controlar e dei o toque:
    -- Vocês estão loucos? Fumar maconha e andar de moto nesse trânsito é maluquice! Vc perde a noção de tempo, e dirigir é basicamente calcular tempo.
    Tranquilamente me responderam:
    -- O baguio é loco mesmo, tio. Pra trampar nisso só doidão mesmo! A maioria que vc tá vendo aí tá chapadão.
    Bom, acabei de amarrar minha bike e saí dali convicto que o baguio é loco mesmo.
    Deveriam proibir motoboys e ponto final. A sociedade não deveria permitir essa matança, fora a montanha de aposentados por invalidez.
    Como? Não sei. Não me candidatei a prefeito. Póbrema dele.
    O Lula Paz e Amor ter aprovado a Moto-Taxi foi pra arrematar matando.

    ResponderExcluir
  13. O AK falou o que penso. Acabem com essa profissão que está trazendo matança de pessoas jovens.
    Não importa o impacto econômico, o humano é muito maior.

    ResponderExcluir
  14. "E antes que alguém perca tempo escrevendo que isso é uma “generalização”, aqui vai o aviso: generalização é o que faz a rádio CBN e autoridades públicas, que tratam todos os motociclistas como se fossem motoboys. Eu não generalizo, eu observo, estudo, analiso e interpreto segurança de trânsito há 20 anos e por isso posso declarar sem qualquer medo de exagero que a MAIORIA ABSOLUTA dos motoboys que circula em SP beira a criminalidade. E olha que o comportamento sociopata deles contamina os outros motociclistas que usam motos utilitárias para transporte pessoal. Tanto faz se o motociclista usa um casaco da SPS Logística ou apenas um casaco da CR, eles adquirem o arquétipo do motoboy irado. Neste caso o “irado” não tem duplo sentido: é relativo à raiva mesmo!..."

    Geraldo Tite Simões....www.motite.com.br

    ResponderExcluir
  15. Generalizar que todo motociclista é motoboy é absurdo, assim como generalizar que todo motoboy é kamikaze...

    Conheci muitos, muitos motoboys pais de família. Kamikaze vai pela "emoção do risco", um imbecil. Já o pai de família motoboy tem os mesmos problemas que qq motorista (como escrevi antes falta de formação, educação, fiscalização...).

    Mas isso não exclui nenhum da responsabilidade. Motoboy pai de família que voa entre os carros tem a mesma irresponsabilidade do pai que leva os filhos na caçamba da pick-up ou da mãe que sai correndo com as crianças atravessando a 23 de maio fora da faixa (e em geral debaixo de viaduto ou passarela).

    ResponderExcluir
  16. Também acho errado generalizar.
    Eu nunca tive problemas com motoboy.
    Acho que muito pior que os motoboys são os motoristas de lotação, se os motoboys são suicidas os motoristas de lotação são assassinos. Esses sim não respeitam nada e se aproveitam do fato de serem maiores, param em qualquer lugar, cortam a frente dos outros carros, andam a uma velocidade absurda até pra um automóvel.

    ResponderExcluir
  17. Mano da periferia20/08/09 11:54

    Decretar o fim da profissão não é a solução.

    O problema é que "o baguio é muito doido tá ligado mano? é nóis na fita e no dvd, podi crê, se deus vier que venha armado, tá ligado truta? muita coletividade na quebrada. É loco o baguio arrepia na hora, Dymas primeiro vida loca da história. A vida é loka e nela eu tô de passagem"

    Esse é o problema.

    ResponderExcluir
  18. Nico fora da lei20/08/09 12:05

    E lá vem o Rodrigo Laranja com as idéias dele. Só porque tem "facurdade" se acha superior...

    Toma jeito rapá! Te dou um pé do ouvido e tu já vai te endireitar o moleque!

    ResponderExcluir
  19. (In) Felizmente, cá estou para dar meu depoimento:

    Não sou motoboy, mas utilizo minha moto para me locomover até meu serviço, e para minha faculdade. Costumo pegar sempre uma via movimentada (Corredor ABCD) para pegar a Via Anchieta. Sempre vou pelo corredor, apesar de morrer de medo.

    Por ironia do destino, segunda-feira agora, estava na faixa do meio, ocupando a vaga de um carro, e dando seta para passar à faixa da direita, quando tomei uma fechada de uma Kombi. Minha moto é freio a disco na frente (apesar de ser uma 125 cc). Freei o máximo, mas peguei um buraco e a moto virou. Estava a cerca de 55 km/h, e devo ter caído a cerca de 30 km/h.

    A moto, não sofreu nenhum arranhão na carenagem, mas empenou a roda dianteira e o disco de freio, além de entortar o estribo e moer o painel.

    Meu corpo, Graças a Deus sofreu apenas arranhões na perna (ocasionado pela "superproteção" de uma calça social). Na parte superior do corpo, nenhum arranhão - agradeço à Jaqueta e às luvas de couro. Apenas uma pancada no ombro. Dolorida, por sinal.

    Agora, pergunto à todos: Se estivesse no corredor, teria sofrido essa fechada da Kombi? Justamente por estar ocupando o espaço a que teria direito na faixa, foi suficiente ao Animal da Kombi não ter me visto?

    ResponderExcluir
  20. Santos, infelizmente temos que dirigir por nós e pelos outros, sempre. Pessoas que andam de moto, sejam motoboys, motocilcistas ou seja lá o diabo de nome que queiram dar, tem que tomar mais cuidado ainda. Pois você é prova viva (ainda bem!) de que, numa moto, você é o lado mais fraco.
    É imprevisível saber se no corredor você teria sofrido essa fechada. Acidentes são acidentes e, segundo os manuais de direção defensiva, todos são evitáveis.

    ResponderExcluir
  21. Carlos Galto20/08/09 14:02

    Ainda bato na tecla de que o motorista DO CARRO é o maior problema do motociclista. MOTOQUEIRO não devia andar de moto...
    Uma vez, indo para Cabo Frio na minha antiga XLX 250, chovia pouco e eu estava pegando a ponte Rio-Niterói. Eram 2hs da manhã, pista bem vazia, eu estava na pista da esquerda a uns 80km/h e na pista ao lado e um pouco mais à frente, um Corsa sedan deu seta para a esquerda e eu dei uma segurada. Deu pra ver que a mulher me viu no retrovisor e não passou para a minha faixa. Achei que ela me esperaria passar... Doce ilusão. Olhando para ela emparelhei para passar e ela simplesmente entrou...
    Estava a uns 70km/h e a pista molhada junto com o encontrão que tomei do corsa me mandou pro chão... Como estava bem vazio, o carro que vinha atrás segurou o fraco fluxo e eu pude escorregar sem me machucar. Calça jeans molhada, jaqueta de couro meio ralada, moto com a manete torta e a lateral meio ralada tb... E PUTO DA VIDA!!!! A VADIA (só falando assim) me viu e simplesmente ignorou!! Provavelmente nem soube que me derrubou!!
    Enquanto a educação, em sua mais primal forma, não for naturalmente do carioca ou do brasileiro em geral, NENHUM transporte é seguro, principalmente a motocicleta.

    ResponderExcluir
  22. Falta de vontade/interesse político pra implementar fiscalização (ação imediata) e a formação (que leva tempo e no Brasil só se pensa durante os próximos 4 anos no máximo) é o centro da discussão.

    Eu moro atualmente na Alemanha, estou estudando aqui. Não gosto muito de comparação mas sou obrigado a fazê-la.

    Aqui um condutor demora cerca de 8 meses para tirar habilitação. Provas práticas em chuva, autobahn e direção defensiva são obrigatórias e extensivas. Um carro de auto-escola não tem um aviso gigante na porta e nem anda como uma lesma no trânsito.

    Tem muito menos radares nas ruas, mas tem muito mais carros de polícia circulando.

    Enfim, o resultado disso é que meu meio de transporte aqui é a bicicleta (distância e topografia me permitem isso) e ando junto com os carros, quando entro em uma rotatória no centro, as 3h da madrugada, todos os veículos que estão chegando me dão a preferência...

    O Brasil também pode. É só querer controlar hoje e formar a médio/longo prazo.

    ResponderExcluir
  23. Tem o problema social, na qual adotar medidas mais duras contra os motoboys seria prejudicar os mais necessitados. Deveriam se preocupar menos com o trânsito e mais com as condições de trabalho deles, já que ganham por entrega e são obrigados a cortar a cidade de fora a fora, o que é humanamente impossível. Uma legislação que obrigue o motoboy a ganhar fixo, corredores compartilhados com ônibus, inclusive elevados os fariam ganhar tempo. Sim, transporte coletivo decente, incentivo aos fretados, bolsões de estacionamento com linhas especiais de ônibus para os centros comerciais e financeiros e um pouco de planejamento decente de trânsito com inteligência e sem o viés socialista talvez melhorassem essa situação calamitosa. E talvez 50 motoboys sejam substituídos por uma fiorino se o trânsito fluísse...

    ResponderExcluir
  24. No interior, cidade pequena para média, Motoboys não representam um número de acidentes superlativo.

    Inclusive, a terceirização ilegal é bem restrita e os Motoboys são em grande parte funcionários, pilotam motos das firmas contratantes.

    A rapidez que é julgado um processo trabalhista é enorme e talvez por isso há grande cuidado na escolha de funcionários para atividade de tal perigo( pilotar uma moto em qualquer condição de tempo).

    Aí na Capital é o caos mesmo. SS Sem Solução.

    Portanto, o negócio é fugir para o interior ,arrumar uma roça na beira de uma cachoeirinha , plantar / vender feno nobre ..... rs

    ResponderExcluir
  25. Laranjo,

    me desculpe, mas seu conceito de educação tá muito, mas muito deformado mesmo. Escolaridade não mede o caráter das pessoas, a índole e nem mesmo a inteligência. Todos nós conhecemos pessoas que muitas vezes nem tem o segundo grau e são show de bola. O contrário também vale: a maioria de nossos parlamentares tem terceiro grau...e aí? Você os considera educados?
    Educação, meu amigo, essa que está sendo questionada nesse post, não se adquire em escolas, não é comprada. É baseada em princípios, em valores. Coisas hoje fora de moda.

    Abraço

    Lucas

    ResponderExcluir
  26. Concordo plenamente que o cerne da questão é justamente a educação básica, aquela em que se aprende valores de boa convivência e respeito aos demais. Ou seja, molda a pessoa para viver em sociedade, com consciência de que há muito mais além do próprio umbigo. E essa educação de berço está cada vez pior, onde impera a "Lei de Gérson" e "Eu-posso-tudo-os-outros-que-se-danem!"

    Nível de escolaridade não tem nenhuma ligação com boa conduta. Hoje em dia é que baixa instrução virou sinônimo de ignorância. Meus avós, tanto paternos quanto maternos, não tinham sequer o que hoje chamamos de ensino fundamental completo. Porém, a sabedoria com que viam a vida era de surpreender qualquer "dotô" moderno.

    ResponderExcluir
  27. André Andrews20/08/09 21:07

    Não sei o que esse Rodrigo Laranja tem dentro da cabeça .

    Pra ser inteligente, ter educação ou respeitar os outros tem que ter Faculdade agora?

    Visão torta do mundo é pouco...

    ResponderExcluir
  28. Marlos Dantas22/08/09 00:00

    Sr. Laranjo,

    Respeito seu ponto de vista, mas às vezes o senhor diz cita umas “teorias” inconcebíveis.

    Há algum tempo venho observando que o senhor sempre posta comentários um tanto quanto preconceituosos quanto às pessoas pobres e/ou de pouco escolaridade. Sempre que há um post tratando de temas político-sociais, o senhor trata o nível cultural e econômico do brasileiro “comum” de maneira depreciativa e debochada.
    Não sei se o senhor já notou, mas, o Brasil é um país em desenvolvimento (outrora chamado “pais de terceiro mundo”) e aqui a maior parte da população é de baixa renda e, apesar desse quadro estar mudando ao poucos, o nível superior de escolaridade ainda é inalcançável a muitos. Infelizmente...
    Como alguns colegas já citaram, escolaridade não torna ninguém melhor, mais digno ou, ainda, mais inteligente. Tenho pós-graduação e nem por isso me julgo melhor ou superior a ninguém. Pelo contrário, uma pessoa que não tenha galgado muitos “graus” de escolaridade tende a ser mais articulada em determinados aspectos por ter o conhecimento prático das coisas, a vivência e sabedoria, coisas que não se aprende no ensino secular. Além disso, escolaridade não é sinônimo de retidão moral, vide a turma da “Ilha da Fantasia”, como diria o Bob...
    Apesar de não ser petista ou fã do Presidente Lula, tenho que admitir que a última coisa que ele pode ser é “burro”, apesar de cometer algumas gafes de vez em quando. De fato, ele tem um vocabulário limitado, o que corrobora a fama de burro, mas ficar 8 anos governando um país continental como o Brasil e ter alto índice de aceitação não é para qualquer um.

    Portanto, sugiro ao senhor que reflita melhor sobre o seu ponto de vista e, já que gosta tanto do Chile, considere esse comentário como sendo uma “Carta Chilena”, só faltaram os versos decassílabos...

    Abraço.

    ResponderExcluir
  29. Crazy Orange

    ResponderExcluir
  30. Rodrigo Ciossani
    O pedestre é muito indiscplinado, mas considero o maior culpado o motociclista (ou o motorista). É preciso respeitar a vida sempre, andar na defensiva do pedestre. Há coisa de 40 anos atropelei uma pessoa, felizmente sem lesão maior que uma clavícula quebrada. O sujeito saiu de trás de um ônibus quando eu o estava ultrapassando legalmente. Tanto que o processo foi arquivado por absoluta falta de culpa minha. Mas hoje esse atropelamento não ocorreria, pois conto com a possibilidade de uma pessoa atravessar a rua nessas condições. É a defensiva do pedestre de que falei. E desculpe a demora em responder.

    ResponderExcluir
  31. Guilherme,
    Perfeito. O despreparo do motociclista é absoluto. O governo federal, pelo Ministério das Cidades e Denatran têm a obrigação de mudar esse quadro, reformulando totalmente a aprendizagem.

    ResponderExcluir
  32. Sergio,
    Próprio de humorismo mesmo, uma piada.

    ResponderExcluir
  33. Marcus,
    É isso aí, falta o básico. A fiscalização só existe para autuar por excesso de velocidade. Todo o escopo do Código é simplesmente ignorado. Não pode dar em outra coisa.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.