HILLCLIMBING

Subida de montanha, como conhecemos aqui. Trepada, ao sul do Rio Grande. Hillclimbing na ilha. Um esporte que fala de definir e vencer limites, e um dos mais antigos entre os esporte-motor. Não farei aqui um tratado sobre o tema, ou contarei sua história, ou a história de inúmeros specials construídos por inúmeros entusiastas para este propósito.

CLIMB ATTACK from Will Roegge on Vimeo.


Esse post é sobre algo mais. Sobre algo que nos move como entusiastas. Sobre algo que não sabemos explicar ao certo, mas está lá. Algo que um dia nos motivará a jogar as cartas do modo certo, para que um dia sejamos ao menos um espectador lá.

Climb dance from Mistnarwhal on Vimeo.


Esse post é na verdade para inspirar alguém, como um texto uma vez me inspirou, em juntar um dinheirinho e um dia ir conhecer um lago de sal. Não um lago de sal qualquer, mas sim, Bonneville Salt Flats. Esse post vai ao ar enquanto eu, o Milton Belli e mais um amigo estamos chegando em Wendover, Utah, a cidade mais próxima do trecho onde as tomadas de tempo e velocidade são feitas. Mas esse post não é sobre minha viagem atual. É sobre a próxima. E a próxima será para Pikes Peak. Or bust.

12 comentários :

  1. Bill e Belli,
    uma tremenda viagem para vocês. E nos municiem de fotos e aquele saquinho de sal.
    Abraço do JJ.

    ResponderExcluir
  2. Lucky you Dude. Have fun!

    ResponderExcluir
  3. Pikes Peak é o capeta comendo mariola,hehehe, coisa de doido, na Europa tb tem as subidas de montanha mas no asfalto, tb é muito interessante, sobe de tudo, de Le Mans Series a BMW 320 com motor Judd V8 , Fórmulas 2 e Ford, no emule tem dúzias de vídeos.....

    ResponderExcluir
  4. Egan old friend,

    Se inveja matasse...

    Não se esqueça do meu saquinho do sal sagrado!

    Faça uma prece para São Munro e São Campbell, e todos os outros Deuses da velocidade.

    E godspeed, old friend!

    MAO

    ResponderExcluir
  5. Primeiro, boa viagem em muitos sentidos e sem apologias e aproveitem.

    Segundo, como tenho opinião parcial, o video do peugeot para mim é mais entusiasta, pois mostra muito mais velocidade que o do Hyunday, que não conhecia. Veja como são as coisas, a Red Bull pega um carro coreano e bate o recorde de subida de montanha, na categoria e no ano dele, está certo. Ai resta a pergunta, o que é ser entusiasta, é ver o passado, o futuro do automóvel com outros olhos, com certeza. Eu posso dizer que sou um entusiasta jovem e romantico, que queria ter vivido os anos do automobilismo romantico. Mas penso, meu filho talvez goste do que achamos moderno hoje pelo fato de parecer mais antigo. Uma salva de palmas ao saudosismo.

    Abs,

    Cristiano.

    ResponderExcluir
  6. Até esqueci de escrever sobre o vídeo do peugeot. Você pode se sentir o carro, vê como ele apanha mas é conduzido com maestria e entsiasmo, de vez enquando entra um cisco na câmera, voam as pedras, sente-se até uma caterpilar com um D50, mas continua com valentia nas mãos do Vantanen.

    Agora, a partir dos 3:00 de vídeo se consegue ver o que é concentração, a série de cutuvelos sem um guard-rail seuqer, e se fazem as curvas no limite da pista , parece que literalmente se quer levantar vôo, e isso irá ocorrer se ocorrer um erro de pilotagem (agora lembrei dos F1, será que ele poderia voar de cabeça para baixo?), mas parece que homem e máquina se unem e pisam dentro dos limites de cada um sem se lembrar do perigo, somente concentração de dedicação (lembre do animado cars, o relampago se concentrando, velocidade, chegar na frente, é isso). Resumindo, não consigo ver isso no vídeo da Red Bull, apesar de ser excelente também, inclusive, ele coloca batidas de coração e entra com o ronco do veículo para dar sintonia de emoção. Meu filho até se assustou quando entrou o ronco do veículo com a turbina. Mas o da peugeot é somente o carro e o som e nada mais, isso basta para passar toda a emoção do vídeo, de estar ali, na pele do carro e do piloto, ou melhor, na pele deste ciborg que é um homem controlando sua máquina.

    Abs entusiastas,

    Cristiano.

    ResponderExcluir
  7. O vídeo do Vatanem é um clássico..me remete a minha infância, pois eu me lembro de ter assistido pela primeira vez, em um fita de VHS que aluguei em uma locadora na saudosa Mooca. Dentre as inúmeras VHS da série Havoc, Camel Trophy e Paris Dakar que devorava na época, tinha este vídeo do Vatanen, e pqp, como me marcou.

    Sinceramente, a simbiose homem-máquina visto nesse documento, na minha humilde opinião, dificilmente foi demonstrada com tamanha emoção posteriormente.
    É de uma sensação quase pálpavel, dá quase para se sentir o cheiro da terra de Pikes Peak.
    É a junção homem-máquina perfeita, onde ambos são levados ao limite,a máquina permite que o homem extraia 100% de si e vice versa. Algo como Ayrton Senna nas Qualifying laps em Mônaco com sua Mclaren.

    ResponderExcluir
  8. Caros,

    Wendover fica em Nevada, nao em Utah. Bem na fronteira. Por isso os cassinos que sao totalmente proibidos em Utah.

    Alias tem uma faixa na estrada que marca Utah e Nevada como devem ter observado.

    Um abraco.

    ResponderExcluir
  9. Esse vídeo do Vatanem eu conheci porque veio num CD de algum jogo de rally. Cheguei a gravar em VCD na época.
    O que tinha que voltar é o Grupo B, já que hoje emdia é muito mais fácil controlar a potência.

    ResponderExcluir
  10. Boa viagem... ve se arruma alguma coisa pra acelerar por lá.

    Abs

    ResponderExcluir
  11. Espero algum dia poder visitar ao menos Boneville Salt Flats. O lugar fala por si só...

    O vídeo Climb Dance é excelente. Impressiona a concentração do Ari Vatanen, dirigindo no limte do limite, pra lá de onde o bom senso sequer imaginaria em chegar...

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.