CONVIDADO: CARLOS FERNANDO SCHEIDECKER ANTUNES

CORVETTE C6 ZO6, O LEGADO DE DUNTOV AINDA VIVE
Por Carlos Fernando Scheidecker Antunes

O Corvette C6 Z06 é talvez um dos esportivos mais desejados da atualidade, simples, eficiente, extremamente rápido e de um design que incorpora tudo de clássico que a série Corvette apresentou até hoje. Porém é impossível entender o Z06, bem como a atual sexta geração do Corvette, sem falar sobre Zora Arkus-Duntov.

Zora Arkus-Duntov é uma daquelas figuras míticas. Engenheiro, piloto, entusiasta e gearhead nato, Zora é tambem o pai do Corvette. Ou melhor, talvez o padastro do Corvette.

A vida de Zora mais parece uma grande produção de Hollywood, porém seu início nao foi fácil. Nascido na Bélgica em 1909, seu nome de batismo era Zachary Arkus. Seus pais eram imigrantes Judeus Russos. O pai de Zora era um engenheiro de minas e sua mãe, estudante de medicina em Bruxelas, daí o local de seu nascimento.

Após conclusão dos estudos de sua mãe, os Arkus voltam à cidade natal, Leningrado e logo em seguida se divorciam. A mãe de Zora casa-se novamente com outro engenheiro de minas, Josef Duntov e então Zora e seu irmão adotam o sobrenome Arkus-Duntov em respeito ao pai e ao padastro. Estranhamente, tanto o pai de Zora, como sua mãe e seu padrasto, moram juntos na mesma casa.

Zora Arkus-Duntov (1909-1995)

No final da década de 20, a familia muda-se para a Alemanha em busca de uma vida melhor. Desde adolescente, Duntov tem como paixão a velocidade. O seu primeiro veículo é uma moto de 350 cm³ (um absurdo para a época) a qual ele usa para corridas locais, bem como corridas nas ruas de Berlim.

Seus pais, temendo os perigos oferecidos pelas corridas de motocicleta, insistem que Zora se livre dela e corra com algo de quatro rodas. Então ele adquire um carro de corrida. O primeiro carro de Zora é um Bob, marca artesanal alemã voltada às competições e de curta existência. O Bob era fabricado para corridas em ovais e, como consequência, não tinha freios na frente e os de trás eram insuficientes para frear o bólido.


Zora e sua moto


Zora e o seu primeiro carro: o Bob

Zora estuda engenharia e se forma em 1934 pouco antes da ascensão nazista ao poder. Com um diploma da Universidade Técnica de Berlim, Zora ingressa numa carreira jornalística escrevendo papers técnicos para a Auto Motor und Sport, tradicional publicação alemã que existe até hoje. Porém, quando o Partido Nazista assume o poder, ser um imigrante judeu morando em Berlim não era um grande negócio e, então, Zora e seu irmão se alistam na Força Aérea Francesa e se mudam para Paris. Zora então conhece sua esposa de toda vida, Elfi, com quem se casa em 1939 pouco antes da Segunda Guerra Mundial.

Zora conhece Elfi num Café em Berlin, ela bailarina e modelo mas ainda adolescente, se apaixona pelo jovem engenheiro russo de olhos azuis. Um detalhe interessante da admiração de Elfi por Zora é que ela recortava pedacos de pano com o nome Zora escrito em russo e os enrolava pelo corpo antes de tomar sol, bronzeando a sua pela com o nome do namorado para mostrar a todos que ela já tinha "dono", como costumava a dizer. Não deixava de ser uma técnica de tatuagem natural um tanto criativa. O casal e normalmente visto pelas ruas de Berlim à bordo de um Bugatti Tipo 30. Ninguém nunca pôde acusar Duntov de ser um homem com falta de gosto refinado.

Elfi

Elfi e Zora a bordo com Bugatti tipo 30 com placa alemã, notem como se sentam no carro

Zora e Elfi



Como se tudo isso não fosse suficiente, a sorte de Zora estava para mudar. Quando a França se rende às forças nazistas, Zora não tem outra opcão a não ser fugir rápido. Por sorte e um pouco de relacionamento, Zora consegue vistos de saída através do consulado espanhol em Marselha não apenas para si e sua esposa Elfi, mas também para seu irmão Yura e seus pais. Como em todo filme da época, não poderia faltar a fuga de carro de alta velocidade. Elfi, ainda em Paris, consegue fugir dos nazistas a bordo do MG do casal de forma dramática, enquanto Zora e Yura se escondem dos nazistas dentro de um bordel.

Na verdade, Elfi teve que escapar no MG sem nenhum documento, dinheiro e apenas com algumas roupas que conseguiu ajeitar no interior do MG conversível. Teve que apelar para a bondade das pessoas, além do charme natural, para pedir dinheiro e conseguir gasolina. Um detalhe, no momento que deu a arrancada com o MG os tanques nazistas estavam a poucos metros atrás. Mesmo assim, ela conseguiu chegar à Toulouse quatro dias depois. Como que por milagre, a família consegue se reunir após cinco dias. Deixam a Europa via Portugal com destino à Nova York a bordo de um navio de refugiados chamado Nyassa em dezembro de 1940. Nada mau para o primeiro ano de casados!

Yura, Elfi e Zora em Berlim, 1939

Nos Estados Unidos, Zora e seu irmão logo comecam a trabalhar vendendo peças de reposição para o Exército e também modificando motores Ford para fornecimento militar. Apesar de a empresa dos irmãos Duntov estar a todo vapor e já contar com 300funcionarios, Zora não resiste a um convite da Allard inglesa para voltar à Europa e trabalhar com os carros esporte da marca.

Uma vez de volta à Europa e envolvido com a Allard, Zora participa como piloto das 24Horas de Le Mans em 1952 e 1953. Repete a participação em 1954 e 1955, movido pela paixão à velocidade, a bordo de um Porsche 550 RS Spyder com motor de 1.100 cm³, onde consegue vitórias consecutivas na classe. Aliás, sua pilotagem no Porsche Spyder chama a atenção de um jovem ator chamado James Dean, que compra uma máquina dessas e a leva para os Estados Unidos para competir em provas locais.

Entre as participações nas 24 Horas de Le Mans, Zora volta a Nova York e encontra num dos Motoramas da GM o grande amor automobilístico de sua vida: o primeiro Corvette fabricado em 1953, designado XP-122 internamente . E então começa o seu envolvimento pelo carro que marcaria sua carreira.

O Corvette que Duntov viu no Motorama da GM, o XP-122

Duntov encanta-se com as linhas do Corvette mas fica igualmente decepcionado com o que está por debaixo da carroceria: motor de 6 cilindros, câmbio primitivo e eixo traseiro rígido. Duntov resolve escrever para o engenheiro-chefe da Chevrolet na época, Ed Cole. Na carta, Duntov diz a Cole que seria uma grande honra trabalhar num carro tão belo como o Corvette. Por questões de credibilidade e para tentar impressionar a Chevrolet com seus conhecimentos, Duntov inclui um paper técnico de sua autoria cujo tema era como determinar analíticamente a velocidade máxima de um automóvel.

Esse paper impressiona a Chevrolet, que resolve trazer Duntov como engenheiro-assistente. A primeira atitude de Duntov como empregado foi enviar um memorando aos seus chefes intitulado "Pensamentos pertinentes à juventude, aos hot rodders e à Chevrolet". A intenção de Duntov era tornar a Chevrolet uma marca que fosse sinônimo de competição e alto desempenho.


Duntov (à direita) e o Corvette SS de 1957



Com isso Duntov se torna diretor do departamento de Alto Desempenho da Chevrolet. No processo, Duntov altera o Corvette, que era um mero e normal conversível, para um esportivo nervoso e com personalidade para competir de igual para igual com marcas como Porsche, Maserati, Mercedes-Benz e Ferrari. Foi de Zora a ideia de introduzir o motor V-8 no Corvette em 1955. E como era de sua índole, Zora resolve demonstrar pessoalmente o carro com o novo motor subindo o traiçoeiro Pikes Peak, no Colorado, e batendo o recorde para um carro de série.

Duntov ainda iria pegar um Corvette em 1956 e estabelecer o novo recorde na praia de Daytona chegando a 150 mph, ou 242 km/h. Essa era a personalidade e a marca registrada de Duntov. Em 1963, com o lançamento do Sting Ray com suspensão independente e carroceria estilo berlineta, Duntov cria o programa Grand Sport. O objetivo era capturar a atenção dos fãs do Corvette e criar novos admiradores para o carro. No processo, Duntov cria uma versão especial do Corvette que pesa apenas 815 kg e equipada com uma versao de bloco pequeno do motor V-8 todo em alumínio e com cilindrada de 6 litros.

As novas políticas da GM, bem como o acordo de cavalheiros entre os fabricantes americanos de não entrar em competições, corta as ambições de Duntov, mas isso depois de ele conseguir construir cinco Grand Sport, que acabaram na mão de Roger Penske e destruíram os Cobras em competições nacionais e internacionais. Aliás, uma curiosidade é a empresa Mongoose Motorsports, que fabrica uma réplica do Grand Sport usando mecânica do C5. O nome Mongoose se refere ao animal predador natural de cobras; não poderia ser melhor escolhido. O nome Grand Sport seria usado novamente em 1996 para uma série limitada de despedida do Corvette de quarta geração (C4) e em 2009 também para descrever uma opção de acabamento especial para o carro de sexta geração (C6), tanto conversível quanto cupê.


Mongoose Corvette réplica, acima Grand Sport

O Corvette Z06 original veio de um desejo de Duntov de fornecer aos clientes da marca um pacote que pudesse viabilizar a utilização do Corvette em competições, uma vez que os fabricantes não queriam se envolver nelas diretamente. Na década de 60 era possível comprar um carro na GM quase que fabricado sob encomenda. O nome utilizado para isso era RPO que é a sigla em inglês de Regular Production Option ou Opção de Produção Normal. Cada pacote era representado por um código de RPO, nesse caso RPO Z06.

O primeiro pacote Z06 para o novissímo Corvette de segunda geração (C2) era composto por: uma barra estabilizadora dianteira com diâmetro 20% maior, um servofreio a vácuo mais potente (detalhe: freios a disco no Corvette foram introduzidos apenas em 1965), entradas de ar para resfriar melhor os freios, um motor de 5,2 litros com sistema de injeção da Rochester que produzia 360 hp/365 cv e o tão característico super-tanque de combustível com capacidade para 139 litros versus os 76 litros do tanque convencional. Por causa do maior tanque, os Z06 originais são também conhecidos como Big Tanks. Os Corvette Z06s se tornaram lendários em vários tipos de competições por todo o território americano e Duntov conseguia seu objetivo de tornar a Chevrolet uma marca jovem e esportiva.


O Z06 original de 1963 e Duntov


Corvette Grand Sport de 1996


Duntov se aposentou em 1975 mas sempre esteve ligado ao Corvette enquanto viveu, participando de eventos especiais como a construção do Corvette Museum, e era extremamente opinativo sobre o "seu" carro nas novas encarnações. Duntov faleceu em 1995, aos 86 anos, no último ano do ZR-1 e por isso foi criada a série Grand Sport em 1996 para marcar o último ano do C4.

Zora e Elfi participando da cerimônia do Corvette Museum com o milésimo Corvette, 1992.

Em 1999, o departamento de desenvolvimento do Corvette resolveu fabricar um terceiro tipo de carroceria, hardtop, que era praticamente um conversível C5 com uma capota dura e simples para vender o carro por um preço mais acessível. Na minha opinião, o carro era feio, mas para tentar aumentar as vendas em 2000 resolveram batizar o carro de Z06 e aumentar em 40 hp/40,5 cv a potência do motor que chegaria a 385 hp/390 cv. Em 2002 o motor do carro foi modificado para produzir 405 hp/410 cv e sua produção terminou em 2004 junto com o Corvette de quinta geração.

Corvette cupê, conversível e Z06 de quinta geração

Com o Corvette C5, a GM tem a intenção de conquistar o mercado europeu e de exportação e para isso resolve investir num programa de competições usando o modelo. A Corvette Racing entra o modelo C5-R nas 24 horas de Le Mans em 1999 sem muito sucesso e consegue fazer a temporada inteira da American Le Mans Series (ALMS). Em 2001 o C5-R consegue sua primeira vitória na prova francesa. Uma das curiosidades é que Dale Earnhardt Sr e Jr competem com o Corvette também em 2001 terminando em quarto na geral. No total o C5-R ganhou 31 corridas na ALMS, 3 vitórias na classe em Le Mans e uma vitória absoluta em Daytona. Novamente, o Corvette estava voltando às origens e fiel ao legado de Duntov no melhor estilo.


Em 2005, o carro de sexta geração foi oferecido ao público, bem como o departamento de competições da Chevrolet começou a projetar o novo C6.R que iria suceder o C5 em Le Mans e na ALMS.

Corvette C6.R em Road Atlanta. Notem o difusor.

O C6.R venceu Le Mans na classe GT1 em 2006, chegando em quarto na geral. O C6.R fica em segundo em 2007 e 2008 porém vence Le Mans em 2009, Sebring e SPA, na Bélgica. A Corvette Racing anuncia que em 2010 irá mudar de classe indo da GT1 para a GT2 de forma a competir diretamente com Ferrari, Porsche etc. O C6.R GT1 era baseado no Z06 de série com o motor LS7 de 7 litros reduzido para 6. Já o C6.R GT2 será baseado no ZR1 com o motor LS9 reduzido de 6,2 litros para 5,5 litros, sempre usando E85 como combustível assim como no GT1 anterior.

Uma curiosidade é o mascote da Corvette Racing, a caveira Jake que está no capô do carro, bem como dentro do cofre do motor do atual ZR1.

Jake, mascote da Corvette Racing. Observem os olhos no formato do logo do C6.

O Corvette C6.R GT2 para 2010, entre eles um ZR1

Paralelamente ao C6.R foi também desenvolvido pelo mesmo departamento de competições a versão Z06 para o C6. O Z06, aliás, foi desenvolvido para ser vendido ao público e poder ser usado em pistas regionais dentro do mesmo espírito do Z06 original idealizado por Duntov.

O novo Corvette Z06 foi oferecido ao público em 2006 e criou uma sensação junto a todos os jornalistas especializados. Os números do novo Z06 humilharam carros como o Ferrari F430, Porsche 911 Turbo e Aston Martin DBS. O Z06, custando bem menos que seus rivais diretos, empregava vários materiais leves e nobres em sua carroceria e mecânica, de forma a alterar o design do C6 original apenas sutilmente, mas de modo agressivo.

O Motor do Z06 cujo codinome é LS7, é todo feito de alumínio e produz 505 hp (512 cv),. limite de 7.100 rpm (recorde para um motor OHV de produção) e 67 mkgf de torque. Fabricado à mão, o motor tem a assinatura e o nome do técnico responsável embaixo da cobertura de plástico direita do cabeçote. Aliás, existem páginas do Corvette Forum que mantém um ranking dos técnicos que montaram a maior quantidade de unidades LS7 com maior potência. Antes de comprar um Z06, visite o Forum.

A instalação do motor é mais recuada em relação ao C6 comum e sob estrutura de magnésio. O carro também conta com para-lamas, caixas de roda e teto de fibra de carbono. Curiosidade é o custo do verniz especial usado nesses painéis que é de US$ 60.000,00 o galão (3,8 litros). O verniz foi desenvolvido para não amarelar os painéis que ficam expostos ao sol. Atenção especial também foi dedicada aos freios, com pinças de 6 pistões no freio dianteiro e de 4 pistões no traseiro. Os discos são perfurados e de maior diâmetro que nos Corvette C6 convencionais. Há sistemas de resfriamento para o fluido da direção e óleo do motor e transmissão. O escapamento tem válvulas-borboleta acionadas por solenóides que se abrem acima de 3.500 rpm com o objetivo de economizar combustível e com isso evitar o imposto extra para carros gastadores. Isso permite que a sexta marcha do Z06 seja de velocidade e não overdrive (sobre-marcha) como nos Corvette anteriores.

Raio-x do motor LS7 usado no C6 Z06; note o comando de válvulas no bloco

O assoalho é feito de painéis de madeira balsa. O carro ainda conta com 3 opções para o controle de tração: ligado, desligado e modo de pista. Pneus Goodyear run-flat, 275 na frente e 325 atrás (tala de 12 polegadas!) são usados no bólido. Em termos de design, os para-lamas e carroceria traseira são mais largos que no Corvette C6 convencional para abrigar os pneus e entradas de ar laterais Há uma entrada de ar frontal para o motor estilo Ram Air, indução dinâmica. Na parte de suspensão o Z06 é 15% mais firme que a suspensão opcional de alto desempenho Z51 opcional nos Corvettes convencionais.

O desempenho do Z06 não deixa a desejar: sua aceleração de 0 a 100 km/h é feita em 3,7 segundos e velocidade máxima é de 320 km/h. O carro é capaz de gerar uma aceleração lateral de 1,04 g e há um g-meter incluído no mostrador projetado no para-brisa (Heads-Up Display) que fica à frente do motorista. Aliás, o Heads Up Display, ou simplesmente HUD, foi introduzido no Corvette C5 de série em 1999. O sistema conta com uma película inserida entre as lâminas do para-brisa e um projetor acima do painel. É opcional no C5 e C6 mas de série no Z06 e ZR1. O sistema foi copiado pela BMW há pouco tempo e é opcional em carros como o série 6. O HUD do Z06 conta com três diferentes modos e gráficos para representar o conta-giros e o velocímetro, pressão de óleo, temperatura da água etc., que variam em dois modos para uso em pistas e um modo para uso na rua.

HUD nos modos 1 de rua, 2 e 3 para uso em pista



O Z06 é um carro é fantástico de ser dirigido e tem uma característica de carro exótico misturado com máquina de pista, porém sem deixar de ser dócil e descomplicado de dirigir na cidade se for o caso. O carro impressionou jornalistas especializados no mundo todo como o inglês Tiff Needell, engenheiro civil e ex-piloto de F-1 e que também é um dos apresentadores do programa Fifth-Gear e escreve para a revista Top Gear. Jeremy Clarkson, o cômico apresentador do Top Gear e eterno inimigo do Corvette, teve que se redimir com o Z06 e o ZR1. Alías, Clarkson elegeu o Corvette ZR1 o Carro do Ano de 2009. Recentemente, Clarkson teve a oportunidade de testar um ZR1 no lago salgado de Bonneville, em Utah, nos Estados Unidos, além de ter dirigido o carro por vários estados americanos.

Recentemente, o Z06 perdeu o título de super-Corvette para a nova versão ZR1 (no C6 ZR1 não tem hífen como no C4) com motor LS9 de 6,2 litros e compressor Eaton. Porém o Z06 ainda é único entre os C6 por ter o maior motor aspirado.

O Corvette Z06 baseado no carro de sexta geração é fiel ao seu idealizador original em 1963. Com certeza Duntov iria aprovar a filosofia e o novo "pacote" Z06 para a nova geração.

Sobre o autor

Carlos, brasileiro radicado nos Estados Unidos, é engenheiro sênior e trabalha atualmente na Avocent Corporation, divisão LANDesk, em South Jordan, Utah. Possui mestrado e bachalerado em Engenharia de Computação pela Universidade de Utah, além de diplomas em inglês pelas Universidades de Cambridge e de Chicago. Cursou também Engenharia Mecânica na FEI, em São Bernardo do Campo. Entusiasta, ávido motociclista e connoiseur de Corvettes, já foi proprietário de quatro exemplares e é também membro da National Corvette Restorers Society, NCRS. Em seu estábulo há um BMW X5, um Corvette cupê 1992 todo original e um Z06 de última geração, além de uma Star Roadliner de 1. 900 cm³. Carlos é regularmente visto trafegando a bordo de um Corvette por Utah.


37 comentários :

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Texto brilhante.

    A história do Zora daria um bom filme. O tal memorando foi algo bem interessante e mostra como o ZAD era um legítimo entusiasta e bom profissional.

    Carlos, que beleza porder ter 2 Vettes em casa!

    ResponderExcluir
  3. Excelente ! Belo resumo da vida do Zora e do Corvette. Considero o 63 split window o mais belo deles, mas morro de vontade de andar num mais moderno, com small blocks apimentados.

    ResponderExcluir
  4. Excelente texto!

    Brilhante, renovou minha vontade de adquirir um Vette

    ResponderExcluir
  5. HUD é uma coisa maravilhosa, devia ser obrigatório em qualquer carro que passe dos 250 km/h!

    ResponderExcluir
  6. Carlos,

    Excelente texto. Um detalhe a parte que eu caho que vale lembrar é do envolvimento do Zora com os motores Ford cabeça chata, ele fez os famosos cabeçotes ArDun, tanto para os menores de 60 hp quanto para os maiores, de 90. Um arranjo sensacional, que aumentava em muito o potencial do arcaico porem simpatico e popularíssimo motor.
    Tempos depois, durante uma entrevista, peguntaram a ele como ele se sentia por ter sido plagiado pela Chrysler com os Hemis, que são o mesmo tipo de arranjo e formato de camara de combustão que os ArDun e ele, como sempre cordial e cavalheiro, alheio as bisbilhotices e picuinhas menores respondeu que em absoluto, não julgava que tivesse havido plagio algum e que ainda se sentia muito honrado em ver um fabricante de tal renome e capacidade tecnica usar uma solução tecnica igual a que ele tinha feito anos antes.

    ResponderExcluir
  7. Corvette pra mim é qualquer coisa de expetacular. Um carro sem tanto glamour quanto os europeus e que faz o mesmo serviço... Queria Deus que um dia possa ao menos dirigir um, novo ou antigo. Enquanto isso me contento com meus 7 Corvettes em miniatura. Entre eles o Sting Ray 65 e o Mako Shark 61.

    ResponderExcluir
  8. Alexandre,

    De fato, Duntov comecou a modificar os motores Ford quando trabalhava com seu irmao fornecendo pecas ao Governo, entre elas um motor Ford de maior potencia alem de durabilidade.

    Um abraco.

    ResponderExcluir
  9. Jarbas,

    Engracado que quando estou dirigindo um dos carros em Park City, um lugar onde Ferrari F430 Scuderia e Lamborghini Murcielago sao tao comuns quanto fusca. Sempre um dos seus motoristas vira o pescoco para olhar o Corvette quando estamos parados num farol. O Sting Ray 65 foi o primeiro Corvette com freios a disco, marcou epoca. Ja o Mako Shark 61 teve uma peculiaridade. O Tubarao que ficava na sala de Bill Mitchel foi o que ele requisitou como fonte de inspiracao para as cores do novo carro. Depois de repintar o carro umas 3 vezes e nao deixar Mitchel satisfeito, os engenheiros resolveram roubar o tubarao e pintar o mesmo para ficar igual ao carro.

    Tenho uma colecao de varios Corvette de 1:18 que comecei a fazer no dia que descobri que seria pai de um menino.

    E realmente um carro diferente.

    Fico impressionado em saber que existem otimos exemplares no Brasil inclusive aquele Stinger que o Keller pilotou em Interlagos.

    Um abraco.

    ResponderExcluir
  10. Marv74br,

    Concordo que o HUD e legal. Mas confesso que sempre usei muito pouco nos dois carros que tive o equipamento: Um Corvette Z51 2001 e esse Z06.

    Ainda gosto mesmo do painel e dos ponteiros.

    Um abraco.

    ResponderExcluir
  11. Joel,

    O melhor de ter os 2 Vettes em casa e que passo mais tempo dirigindo eles do que consertando como e o caso dos Ferrari e Porsche. Alias, apenas Mobil 1 a cada 3 meses ja que nao consigo rodar 3000 milhas e sempre Chevron Premium no tanque. Nunca tive nenhum defeito em algum mesmo no 1992 que tem agora 17 anos.

    No inverno, quando eles nao saem os ligo sempre religiosamente toda a semana. Sempre dao partida na primeira. Uma coisa impressionante mesmo.

    Um abraco.

    ResponderExcluir
  12. Cruvinel,

    O 63 e um exemplar raro com a janela traseira unica tambem, porem descontinuado devido a reclamacao que fizeram em relacao a visibilidade. Um 63 bem conservado vale bem, mas se for um Z06 entao nem se diga.

    Ainda meu preferido e o ultimo ano, 1967 se tiver 4spd e motor 427. Um dos meus vizinhos tem um 1966 4spd 427. Espetaculo!

    Um abraco.

    ResponderExcluir
  13. Ótimo texto Carlos, ficou muito bom mesmo!!
    Parabéns e obrigado por colaborar conosco!

    grande abraço
    Milton

    ResponderExcluir
  14. Junior VAMODOIDO31/08/09 00:09

    A uns 10 anos atras, quando criança, tive umas miniaturas. Mas sem critério, sem um foco. Vão desde Countach a SLK 230 Kompressor. Cheguei a ter um Corvette Pace car 1995 das 500 milhas de Indianapolis, mas hoje ja foi pra casa do chapéu...
    Agora estou voltando e me fixei nos Corvettes e GM. Todos 1:18. Ai nos EUA tem cada um mais raro que o outro. Aqui fico refém dos catálogos pra não pagar quantia absurdas.

    PS. Meu nome saiu errado no post anterior (como Jarbas Passarynho do meu email).

    ResponderExcluir
  15. Mister Fórmula Finesse31/08/09 09:10

    Eu gosto particularmente do ZR-1 montado com a colaboração da Lotus, lembro dos testes dele com outros super carros como F40, BMW Alpine, Diablo, RUF Porsche e devo dizer que o carro se saiu tremendamente bem apesar do descrédito geral (o que irá quebrar no corvette hoje?) antes das provas de desempenho.

    Eu gostaria de sentir a força dessa legenda americana um dia, deve ser um carro em tanto...

    p.S: tenho em 1:18 o pace car de 95 , o GS de 1996 e o original de 1957.

    ResponderExcluir
  16. Pra mim a verdadeira barganha em carros de alto desempenho, eh o Corvette. Simplicidade mecanica, eficiencia de chassi, motor superlativo.
    Muitos falam do Nissan GT-R, mas pra mim, eh muita eletronica envolvida, mascara as eficiencias do chassi, e nao desenvolve as habilidades do motorista.

    Thanks, Zora. Longa vida ao Corvette

    ResponderExcluir
  17. E mais uma vez um europeu ensinou americanos a fazer carros rápidos de verdade.

    Mas poxa vida, como deve ser bom - em termos automotivos - morar nos EUA...

    Sorte de quem pode!

    ResponderExcluir
  18. Mr Finesse,

    O ZR-1 foi o unico motor DOHC que o Corvette teve. Um motor bem complicado e dificil de deixar no ponto. Quase comprei um, mas desisti devido a complexidade. Esse motor do ZR-1 o LT5 foi desenvolvido pela Lotus como voce disse mas construido pela Mercury Mariner, na ultima encarnacao teve 405 hp. Na mesma epoca do LT5 a Lotus tambem desenvolveu o LT1 com 300 hp que e o motor que saiu no Corvette 92 como o que temos em casa. Esse motor tem uma bomba invertida de agua que faz o arrefecimento do motor primeiro pelo cabecote e depois pelo bloco. Isso e o oposto o que tinha antes onde passava pelo bloco e depois, com a agua ja quente ia para o cabecote. A Lotus enxergou que fazendo o contrario iria ganhar potencia. O LT1 veio com 300 hp em 1992 quando o LT5 na epoca fornecia 385 hp, consumidores acham muito pouco ganha pelo custo do ZR-1 que era o dobro do carro comum. Para combater o Viper com 400 hp e tambem justificar o investimento, os ultimos 500 motores montados pela Mercury Mariner foram ajustados para gerar 405 hp.

    Voce escreveu muito bem, ZR-1 era o basado no C4 enquanto que ZR1 e o novo baseado no C6.

    Um abraco.

    ResponderExcluir
  19. Adalberto,

    Talvez o episodio mais interessante sobre o GT-R da Nissan foi o fato da Car em Driver ter descoberto que o carro que a Nissan deu para testes tinha turbo ajustado para cima de forma a produzir muito mais potencia. Como mentira tem perna curta, os jornalistas especializados pegaram um carro de concessionaria e descobriram que, na verdade, o carro era 1,5 segundos mais lento de 0-100 e tinha muito menos performance nos outros quesitos.

    Logo, aqui a brincadeira que temos e que alem de muito feio o Nissan e uma mentira.

    Gordon Murray, escrevendo para a Road and Track, teve que ter muito tato para dizer a verdade: que o design do carro era feio.

    Uma pena, porque e muito bom carro e merecia uma carroceria definitivamente de melhor gosto. Se o trabalho fosse dado a um Italiano, o GT-R seria um carro muito mais comercial.

    Um amigo comprou um GT-R ano passado, depois de ser humilhado por um Z06 aqui no Larry H Miller Park, ele resolveu trocar por um Z06 vermelho. Agora e fan de Corvette...

    ResponderExcluir
  20. Maravilhoso!

    Um amigo que mora nos EUA possui um Vette 88, que comprou por pouco, mas ele não se desfaz nunca mais segundo ele.

    Eu acho o Grand Sport 1996 lindo demais.

    Obrigado por compartilhar conosco suas experiências Carlos.


    Forte Abraço

    ResponderExcluir
  21. Sensacional!

    E o melhor de tudo...é que o Carlos é formado pela FEI!!!

    Ainda chego lá... lol

    ResponderExcluir
  22. Sensacional!

    E o melhor de tudo...é que o Carlos é formado pela FEI!!!

    Ainda chego lá... lol

    ResponderExcluir
  23. Junior VAMODOIDO31/08/09 17:01

    Boa sorte Santos.. Eu ja fui degolado...rs
    Agora é UFABC na veia...

    Mister Formula Finesse, os que voce tem é da Maisto? Ta caindo minha ficha que vou tr que comprar eles usado mesmo....

    ResponderExcluir
  24. Belíssima a história de Zora Arkus-Duntov. Foi repleta de paixão pelo automóvel e muita superação de adversidades, um homem de garra mesmo!

    O Corvette dispensa comentários, é um verdadeiro esportivo "raçudo", sem frescuras e direto ao ponto: potência e desempenho acima da média, a preços muito competitivos. Um motor aspirado, de comando no bloco e que tem mais de 500 hp?! Algo melhor como cartão de visitas?

    Corvettes antigos, em especial o Stingray 1963 e os maravilhosamente anabolizados com o chevy 454, são de apaixonar!

    O primeiro Corvette moderno que me chamou a atenção foi justamente o ZR-1 (com hífen...) O que mais me impressionou foi a 6a. marcha overdrive e sua relação de 0,50:1, caso único à época do lançamento. A cada 1 volta do virabrequim, o câmbio dava 2 voltas na saída...

    E, como todo bom autoentusiasta, tenho uma miniatura de Corvette, claro... Modelo 1958, já com as lanternas redondas na traseira.

    ResponderExcluir
  25. Scheidecker, tem a fonte desse furo da Car and Driver?
    Isso muito me interessa...

    Grande abraco.

    ResponderExcluir
  26. Adalberto :

    Aqui um video, politicamente correto, sobre a grande variacao de desempenho dos GT-R testados.

    Cortesia dos amigos da Car & Driver.

    http://www.youtube.com/watch?v=Q83ZWfuikwk

    As afirmacoes deles criaram, digamos, indigestoes de comida Japonesa.

    Um carro que depende MUITO das condicoes para andar bem e, no minimo, bem frescoso.

    Mas o fato mesmo e o seguinte: There is no substitute for cubic inches.

    Isso quer dizer, motorzao aspirado e motorzao aspirado. Ponto final.


    Santos:

    Verdade, olha estudei muitos anos no exterior e somente fiz 4 anos de FEI transferindo para ca. A FEI e uma tremenda escola, eu estudei la de 1991 a 1995. Na epoca, eu tinha colegas ex Poli e ex ITA estudando la e me dizendo que as provas eram muito mais nervosas na FEI que em outros lugares. Bem as provas na MAUA e o ensino parecia ser tambem de excelente qualidade na epoca.

    ROADRUNNER:

    Voce falou e disse, alem de ser o meu cartoon preferido!

    Nos tivemos a sorte de ter dois dos nossos carros no livro de aniversario sobre Corvette Owners que a Mid America Motors publicou agora em Setembro. Tenho o PDF do livro para quem se interessar. Mande um email.

    Um abraco a todos.

    ResponderExcluir
  27. Scheidecker,

    Por favor, mande uma cópia desse PDF:

    decarangopelanet@gmail.com

    Material sobre Corvette é sempre (muito) bem vindo.

    Abraços!

    RR

    ResponderExcluir
  28. RR,

    Te mandei o material e umas fotos extra dos nossos carros.

    ResponderExcluir
  29. Junior VAMODOIDO31/08/09 23:02

    Scheidecker, mande pra mim por favor.

    vamodoido@uol.com.br

    Obrigado

    ResponderExcluir
  30. Junior,

    Ja mandei so nao sei se passa no uol. Se nao passar porque tem muitos anexos informe uma conta de Gmail que nao tem erro.

    Um abraco!

    ResponderExcluir
  31. Junior,

    UOL nao teve jeito mesmo. Informe uma conta de Gmail.

    ResponderExcluir
  32. poxa, por favor, me mande um pdf do livro, ficarei imensamente agradecido:


    digogarcia@clubedounobrasil.com.br

    ResponderExcluir
  33. Diego,

    O email e grande, mandei a voce mas pode voltar. Sera que tem uma conta de Gmail? Se nao tem, crie uma.

    Nem todos servidores de email aguentam a pancada...

    ResponderExcluir
  34. Também gosto do painel tradicional, mas acho mais seguro o HUD em altas velocidades, sem precisar tirar os olhos da pista/estrada...

    ResponderExcluir
  35. Marv,

    O HUD e legal de noite, e tambem legal no Z06 devido ao acelerometro que instalaram que mede aceleracao em unidades g (9.8m/s/s) nas curvas. Os graficos dos novos HUD sao bem mais interessantes do que eram no C5.

    No BMW 6 series eles sao de mais de uma cor enquanto no Corvette e verde.

    No parabrisa laminado, tem uma pequena pelicula de uns 10cm por 20cm onde e projetado a imagem do HUD cujo projetor fica acima do painel. Pode-se ajustar a altura da imagem pelo painel e assim atender todos os motoristas.

    Em altas velocidades o HUD realmente faz-se muito util.

    E interessante ver como sempre no Corvette tem-se caracteristicas inspiradas pelos avioes cacas americanos, o HUD e uma delas.

    ResponderExcluir
  36. Impressionante a história do Corvette. Mas interessante mesmo é ver que por traz de grandes carros sempre se tem grandes pessoas, e entusiastas. Por isso, creio eu, é de se esperar que carros com entusiasmo sejam feitos por entuisastas e este intusiasmo esteja transparente nos carros. Após conhecer a história de Zora consigo ter todo o respeito que um Vette merece. Vida longa ao Corvette, mas, vw aircooled comanda ehehehehehhehe.

    Sds,

    Cristiano.

    ResponderExcluir
  37. Zora Arkus-Duntov... eu invejo a sua vida e desejo sua arte.

    História de vida tão impressionante quanto o legado que deixou.

    Os Entusiastas lhe serão eternamente gratos!

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.