CC POR QUÊ?



O recente texto do Bob Sharp sobre o Passat CC me aborreceu, não pelo texto em si, mas pelo objeto analisado, e tenho discutido um pouco sobre esse carro com amigos. A maioria considera o CC um belo carro, tanto em termos de aparência quanto nas habilidades mecânicas. Não questiono em nenhum momento o pacote de tecnologia, mais do que alinhado com o mercado, a categoria de preço e tamanho do carro. Minha tristeza é pelo design de carroceria, a meu ver apenas uma cópia descarada do Mercedes-Benz CLS, um carro que trouxe criatividade e inovação ao segmento de sedans grandes. Por si só, o CLS foi um impacto, e a VW seguiu muito de perto a Mercedes, perto demais, e resultou no CC. Talvez ele se chame CC devido ao campo "cc" dos e-mails, inclusive.

Aprendi hoje mesmo uma frase do jornalista inglês John Maddox, que escreveu em seu livro "What Remains to be Discovered" (O que falta ser descoberto):

"As descobertas que aprofundam a compreensão humana também aumentam as dúvidas. Temos de aprender a viver com isso".


Talvez a descoberta de como podia ser um sedan, ao ser lançado o CLS, tenha aumentado as dúvidas do que a Volkswagen deveria fazer, ao aprovarem um projeto de um Passat diferente, com apelo mais esportivo. A decisão pode ter sido apenas de copiar, pois o choque de ter o CLS no mercado embaçou a visão de quem trabalhava no projeto, e acharam mais fácil replicá-lo com os componentes VW. Os designers da VW não devem se sentir bem, pois o exercício da criação foi deixado de lado, mais parecendo um face-lift, um ajuste no CLS, para ficar com a aparência de Volkswagen.

Tudo isso me é muito caro, por gostar de estudar com calma o desenho de veículos de uma maneira de quem realmente gosta do assunto, e pela experiência de conhecer bem algumas pessoas que desenham automóveis, e saber que, apesar do glamour, é um trabalho também burocrático em muitas atividades. E disponibilidade de tempo é computada contra esses profissionais. Muitos detalhes simplesmente não ficam bons como deveriam, por absoluta falta de tempo.

O Passat CC merecia ter sido empacotado em uma carroceria melhor do que essa cópia.

Que aprendamos a fazer as coisas de forma mais humana, e menos desesperada.
JJ

23 comentários :

  1. Juvenal

    É o Lexus alemão.

    FB

    ResponderExcluir
  2. Rodrigo Laranjo04/08/09 15:06

    Olha, pior que a propaganda da VW ao lançar o Polo RELACIONANDO O CARRO DIRETAMENTE À MERCEDEZ, não é!

    ResponderExcluir
  3. JJ,
    Acho que não é por aí. Analisar é uma coisa, criticar é outra, principalmente quando se trata de conceito e estilo. Sinto que se perde muito tempo analisando desenho. Quatro Rodas exagera nisso e a revista para a qual trabalho hoje, a Carro, também (estou procurando corrigir isso). A menos que seja algo gritante, incoerente, como a traseira do Mégane hatch (não temos aqui), todos os carros têm hoje um quê da parecido e a Volkswagen não foi a primeira a se inspirar no desenho de outrem. Parece-se o CC com o M-B CLS? Sim, mas cada um tem a própria identidade. Olhando-se um e outro não se tem dúvida. Mas sob a ótica entusiasta, o entusiasmo não se afeta por linhas ou fatores subjetivos como popularidade de um modelo ou segmento social que o admira, mas o que o carro significa para quem o dirige e nele é transportado. Acho nisso está a resposta à pergunta-título. O Passat CC 3,6 V-6 é um grande automóvel, fala a todos os sentidos de um entusiasta que tem um volante e um para-brisa à sua frente. Criticar sem dirigir deve ser evitado.

    ResponderExcluir
  4. "Que aprendamos a fazer as coisas de forma mais humana, e menos desesperada."
    Difícil, JJ. Principalmente quando se tem um "big boss" no seu cangote te cobrando resultados e vendo a concorrência se dar bem.

    ResponderExcluir
  5. Clésio Luiz04/08/09 16:50

    Apesar do pessoal associar o Polo ao Classe E, pouca gente lembra que o primeiro modelo do Polo também tinha uma versão com 4 farois, sendo que dois deles menores, exatamente como o primeiro modelo lançado aqui.

    Mas eu concordo que a VW poderia ser mais criativa quando pensou num modelo esportivo do Passat.

    Uma empresa que tem chamado a minha atenção em lançar modelos diferentes e ainda assim interessantes é a Citroen. Ao contrário da Renault, seu modelos conseguem conciliar originalidade com beleza.

    ResponderExcluir
  6. "...sob a ótica entusiasta, o entusiasmo não se afeta por linhas ou fatores subjetivos como popularidade de um modelo ou segmento social que o admira, mas o que o carro significa para quem o dirige e nele é transportado."

    Perfeito Bob, é extamaente assim que eu penso. Vide o Ford Fiesta modelo antigo, Ford ka modelo antigo, e alguns outros carros considerados "feios" pela maioria

    ResponderExcluir
  7. o lexus e e que e o passat japones

    ResponderExcluir
  8. JJ,

    Eu concordo que imitar desta forma só depõe contra o carro, que como Bob nos diz, é um senhor carro.

    Bob,

    Concordo que estilo é secundário, mas daí não emitir uma opinião quando se acha válido...

    O JJ falou de imitação, o que o CC inevitavelmente é. Concordo com o que disse.

    E em momento algum ele disse que o carro é menos do que fantástico, esquecendo-se a aparência derivativa.

    MAO

    ResponderExcluir
  9. sinceramente não ligo se o carro tem um desempenho bom por um bom preço por que não?...
    e dai se ele é copia de outro?

    ResponderExcluir
  10. Bom, andei de navegador nesse Passat CC e não me importaria de maneira nenhuma em ter essa "cópia" em minha garagem.

    Anda muito, muito confortavel, faz muita curva e esse cambio é FENOMENAL, não se sente a troca mesmo !

    ResponderExcluir
  11. Descaradamente04/08/09 20:35

    Ao invés de Passat CC, deveria se chamar Passat MM

    ResponderExcluir
  12. No mesmo tema que o Bob disse, eu também acho o brasileiro exageradamente preocupado com o design dos automóveis. Tanto que nem sei se foi a mídia que contaminou os consumidores ou vice-versa. O pior é que serviu com perfeição aos fabricantes aqui instalados, pois eles não são bobos, visam lucro acima de tudo. Afinal, e se é possível colocar um design de Vectra europeu num Astra; nacionalizar um carro "primeiro mundista" mas usar técnica defasada; fazer um novo carro da terceira geração passada; óbvio que isto vai agradar aos olhos e ainda sairá muito mais barato.

    ResponderExcluir
  13. Continuarei emitindo minha opinião, buscando sempre ser ponderado. Esse carro não significa nada para mim, exceto ser uma cópia apressada do CLS, munido de uma mecânica muito boa no papel, e que o Bob reputa como sendo de excepcional funcionamento. Isso eu não contesto.

    ResponderExcluir
  14. Insignia, XF, Lexus GS, so pra citar alguns. Todos sedans com perfis de cupe. Eh a tendencia atual de estilo.
    Mas como aprendi na faculdade, nada se cria, tudo se copia.
    Mas nao concordo.
    E como falaram ai em cima, com um "boss" fungando no seu cangote, com prazos apertados e limites de custos, nao da pra fazer muita coisa.

    ResponderExcluir
  15. Mister Fórmula Finesse05/08/09 08:33

    É um carrão, repleto de qualidades mas claramente foi inspirado no maravilhoso CLS, talvez sirva na Alemanha como uma espécie de genérico do Mercedes...se brasileiro desse tanta importância ao design, carros como o Logan não venderiam tanto (que aliás, é um bom automóvel)!

    ResponderExcluir
  16. Carlos Galto05/08/09 11:01

    Sinceramente eu não acho o CC cópia do CLS. Inspirado sim, até porque o CLS é sucesso. Cópia, não. Aliás acho o CC mais bonito que o CLS... O Audi A5 sim, eu acho impessoal.
    E é uma lenda sem fundo dizer que a Mercedes CRIOU o desenho do coupé de 4 portas...
    Pra ficar dentro da própria VW, o que era o desenho do antigo Passat LSE 4 pts???
    Acho que o "inventor" desse tipo de desenho, guardadas as necessidades e limitações de sua época, foi a Tata com seus grandes coupés V8 a ar...

    ResponderExcluir
  17. Galto,

    Tata: fabricante indiano do genial e baratíssimo nano, e de 325 mil aberraçoes mecanicas antes dele

    TATRA: casa de Hans Ledvinka, criadora de geniais sedãs com V8 refrigerado a ar traseiros, que serviram de inspiração clara para o VW de Ferdinand Porsche.

    "Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa"- Rui Blanco

    MAO

    ResponderExcluir
  18. TANTRA: O Tantra preocupa-se com o ser humano com ele é, em sua totalidade, com a consciência da própria vida, levando - nos a desenvolver todo o nosso potencial através de nossa própria experiência, considerando toda e qualquer situação como uma oportunidade de auto conhecimento e expansão de nossas capacidades, propiciando assim uma maior integração entre todos os aspectos do nosso Ser.

    Tantra não é uma prática filosófica, mas uma prática da vida existencial real.

    Tantra é o caminho para você saber quem você realmente é.

    No Tantra você é o foco. (Focus)

    ResponderExcluir
  19. Professor Girafales06/08/09 01:31

    Tá... tá... tá... tá... TÁ!!! Não sou Professor e nem meu nome é Lingüiça! Sou Lingüiça e meu nome é Professor! É... digo... Sou professor e meu nome é Girafales!

    ResponderExcluir
  20. Na primeira vez em que vi uma foto do Passat CC, a primeira coisa que me veio à mente foi justamente o fato de ele parecer cópia descarada (ou, usando palavras bonitas, "a interpretação de Wolfsburg para o design do CLS").

    Mas o fato é que a cópia foi excelente e resultou num carro belíssimo, sem perder a identidade visual dos VW.

    Acho que isso faz parte do jogo de mercado. Com certeza, virão mais cópias do CLS no futuro.

    Entretanto, cópia por cópia, eu preferiria que a Volks tivesse copiado o 407 Coupé.

    ResponderExcluir
  21. Passando da cópia para o original, o CLS, a meu ver, foi criado para ocupar um segmento aberto pelo sucesso do Classe E.

    Nessa faixa de mercado, pode parecer um contra-senso uma fábrica manter dois modelos diferentes com as mesmas dimensões e que, em certas versões, igualam-se em motor e equipamentos. Mas o "E" é figura onipresente nas ruas europeias, muito usado como carro particular e também como táxi, o que deve afastar qualquer comprador potencial que deseja algo menos comum nas ruas (não chamo de "exclusivo" porque modelos como Jaguar S-Type e Audi A6 são vendidos em volumes expressivos por lá).

    É aqui que surge a razão de ser do CLS dentro da gama da marca. Um Mercedes médio para quem quer um carro diferente do Mercedes médio - e sem precisar abrir mão da estrela de três pontas na frente. Uma sacada genial, com resultado fabuloso.

    Em tempo: Qual a "razão de ser" do Passat CC dentro da linha VW? Ora, vender mais Passats a um preço maior, faturar uns trocados a mais e promover algumas cabeças dentro da empresa. Perfeitamente compreensível, não?

    ResponderExcluir
  22. Carlos Galto06/08/09 10:54

    Hahahaha!!!
    Pode crer, foi uma escorregada com os dois pés chamar a Tatra de Tata. Idade...

    Mas os geniais Tatra V8 a ar tinham um desenho mais pra coupé do que para sedan.

    ResponderExcluir
  23. Coupé de 4 portas, isso é uma piada sem graça.

    "No meu tempo" um coupé é um carro de duas ou três portas com perfil mais esportivo.

    CLS e cia são sedans com ar de coupé e não COUPÉS DE 4 PORTAS.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.