458 ITALIA


Ferraris sempre são veículos curiosos. Despertam o falso entusiasta, aquele que pouco conhece, mas que dispara a falar de carros como se fossem parte da vida dele, empolgam pessoas que só usam carros para ir ao trabalho ou supermercado, geram frases descabidas, como dizer que Ferrari é o melhor carro do mundo, e mais uma porção de reações interessantes.

Eu sempre tenho minhas restrições com Ferraris de motor central, cheios de eletrônica de bordo e, digamos, "de entrada". A mim parecem mais carros comprados pelos tais falsos entusiastas, pois Ferrari todo mundo conhece e eles não precisam ficar explicando o poder que estão incorporando às suas personalidades ao possuir um carro dessa marca. Mesmo porque a maioria dos compradores não conseguiria explicar nada mesmo, se fosse uma outra marca de supercarro não-popular. Já imaginaram alguém tentando explicar a origem, ou o propósito de um Ultimate Aero, ou de um Porsche Ruf para quem não se liga em carros?

Sei, a maioria não concordará com isso, e despejarão vários contra-argumentos, como os dados técnicos excepcionais, os números de desempenho, a equipe de Fórmula 1, a vida do Comendador Enzo. Mas não me emociona, não me deixa louco para ganhar na Mega-Sena e sair correndo para a loja, não está na minha wish-list, não são prodígios de engenharia automotiva no nível que deveriam, pela celebridade que a marca possui e, pior, pelo preço cobrado.

Desde os 348, depois os 355, 360, 430 e agora esse 458, sempre estiveram em planos inferiores no mundo dos supercarros de minha preferência. São por demais enfeitados e complicados para me atraírem, por demais comuns aqui no Brasil para terem uma imagem de raridade. Antes desses a situação era um pouco melhor, como o 328 do Magnum, aquele investigador que usava bermudinha com cinto. Era um carro mais honesto.

Muda completamente de ótica quando falamos de Ferraris cruas, F40 o maior exemplo. Feito com UM propósito: ser o mais veloz carro de produção do mundo, proporcionando ao piloto sensações de carro de corrida. Este é o maior expoente moderno da marca italiana mais famosa. Um monstro. Sem frescuras, como eu gosto. Bob Sharp dirigiu um, o único que veio ao Brasil, e pode explicar bem o que é conversar com essa máquina histórica.

Os de motor dianteiro, V-12, são ícones reais. Maior de todos: 250 GTO.

Vejam, são carros diversos dos Ferraris comerciais. Esses que são feitos para sustentar a marca, a equipe de Fórmula 1, atendendo os admiradores incondicionais de gadgets eletrônicos, de botõezinhos coloridos no volante, de escapamentos barulhentos para virar cabeças nas ruas da moda (argh !!!), mesmo andando devagar.

Não chegarei a extremos de críticas, nem direi que a marca morreu, longe disso. Mas que a maior parte do que a Ferrari fabrica hoje é passável, disso não tenho dúvida.

E esse novo Italia....bonitinho, deve ser uma bela arma. Vai mostrar acelerações dignas da Enterprise do Capitão Kirk, fará curvas de estirar músculos de pescoço dos mais enferrujados, freiará de maneira e extrair o almoço dos passageiros (e de alguns motoristas), e causará lentidões em ruas pelo mundo todo, que pararão para ficar apreciando-a.

Mas continuará sendo, para mim, apenas um esportivo com sobrepreço.

Vai melhor um Carrera básico e mais algum outro carro com o troco. Ou melhor ainda, Carrera e uma bela viagem.

JJ

35 comentários :

  1. Italianíssimo03/08/09 16:01

    Dizem que a Ferrari tem um técnico especialista em acústica pra garantir o formidável ronco dos carros de Maranello.
    Convenhamos, dos "sentidos" que uma Ferrari atiça, esse é o que ela manda bem faz tempo.

    Acho que o dedinho do Schumacher andou melhorando o resultado final, como em quase todos os projetos com corredores envolvidos.

    ResponderExcluir
  2. Eu não poderia concordar mais.

    ResponderExcluir
  3. Rodrigo Laranjo03/08/09 16:31

    Essa da Ferrari o melhor carro do mundo se escuta quase todo dia.

    ResponderExcluir
  4. Mister Fórmula Finesse03/08/09 16:39

    Post tão polêmico como apaixonante. É certo que muito das ressalvas em relação a Ferrari - bem destacado no texto - é o tipo de público que a atrai. Jogadores de futebol das milionárias ligas européias tornaram quase que vulgares as ferraris "comerciais", algum eventual pop star de segundo escalão ou mesmo senhores que pensam mais em exibir seu novo troféu do que a utilizar como se deve, também contribuem para essa imagem pejorativa que muito entusiastas alimentam em relação ao cavallino. Mas isso já acontecia com a Mercedes 300SL nos anos 50 por exemplo, em nível mais atenuado é claro pois não existiam essa contaminação dos sálarios bizzaros do mundo do futebol...mas os senhores abastados senpre existiram e tiveram muitos problemas com as velas (motor 3) desses modelos. Os modelos de entrada da Ferrari têm razão em existir, elas de certa forma "popularizam" desempenhos e técnicas inerentes a super carros de poucos anos atrás, todos os superlativos de desempenho muito bem descritos no post são frutos de muita engenharia e paixão entusiastíca...engenharia aplicada para fazer o carro andar muito sem precisar de um Gilles ou Michael ao volante. A Ferrari já viveu fases muito obscuras,a fiat alimentava uma criatura exausta que estava pronta para ir para os museus (parte de competição), e por isso é de se respeitar a ressureição que a mesma obteve em meados dos anos 90 em diante...havia muita paixão (sempre houve) e o profissionalismo típico de outras culturas foram essenciais para o surgimento de uma nova Ferrari. Não acho os carros de hoje passáveis, longe disso, elas simplesmente têm respaldo técnico suficiente para ir além da imagem de carro de milionário...claro que os preços praticados no Brasil são coisa além de qualquer compreensão humana mas é certo que custando talvez um terço de um Pagani Zonda ou Gumppert Apollo (esse quase destruíu um Quattro em Interlagos), a Ferrari "média" entregará um desempenho semelhante que não deixará nenhum entusiasta decepcionado. A eletrônica está ali para ajudar e para majorar o desempenho máximo, para salvar a vida dos desavisados e tornar o carro um brinquedo mais divertido nas mãos de quem entende do assunto. Nunca tive o privilégio sequer de tocar em uma Ferrari, mas isso não me faz um deslumbrado em relação a ela, existem sempre carros melhores e mais autênticos, mesmo que sejam muito poucos...na minha singela opinião, a Ferrari ainda continua a dominar a tecnologia dos esportivos de alto escalão seriados. Esquecendo um pouco os preços irreais brasileiros ou o tipo mais comum de público que ela atrai, ainda acho que a marca italiana se supera a cada esportivo projetado: tecnologia e precisão sem perder as origens...P.s: também acho a F40 o máximo!!!

    ResponderExcluir
  5. Junior VAMODOIDO03/08/09 16:44

    Nossa.. Falou tudo. Não é preciso muito pra encontrar um zé mané por ai que não saiba o que é um freio ABS mas que seja "apaixonado por Ferrari"...

    ResponderExcluir
  6. Ate parece que eu escrevi esse texto!

    Sempre pontuei isso! Não são as obras primas de engenharia que deveriam ser pelo seu preço e "fama", alias fama essa que vem dos falsos entusiastas!

    É por isso que um Porsche é, e sempre será melhor!

    Pra falar a verdade não há um modelo na linha da Ferrari hoje que me interesse...

    Se compra pelo preço de um 599 um 993GT2 fácil... e ainda sobra um troco!

    ResponderExcluir
  7. Beleza de comentário Juvenal, assino em baixo.
    Wilson

    ResponderExcluir
  8. Minhas favoritas são a 250 Lusso, a 456 GT (que tem 15 anos e ainda parece atual) e a atual 612 Scaglietti.

    Das "de entrada" só gosto da 355.


    Outro dia uma 430 apareceu atrás de mim na rua. Segurei um pouco a velocidade pro cara se irritar, tirar para o lado e pisar fundo, só pra ouvir o ronco (afinal, V8 é algo em extinçao nas ruas). Mesmo assim não gosto desses modelos 360, 430 e também não gostei desse nov 458.

    ResponderExcluir
  9. JJ,

    Concordo plenamente.

    Como pode termos o exato mesmo sentimento sobre os carros vermelhos?

    MAO

    ResponderExcluir
  10. Continuo Italianíssimo03/08/09 17:43

    MAO,

    mas este carro é amarelo, ora pois!!

    Acho tudo opinião de gente pobre e feio sobre a performance na cama da última beleza da novela das 8!

    Ninguém vai conseguir "dar uma volta" nelas mesmos, então ficam cheio de opiniões invejosas...

    Ferrari melhorou muito, cobra o que os otários pagam!!! Mas não é mais carro de exposição. Vejam Top Gears e Fifth Gears, oras!

    ResponderExcluir
  11. Por isso que entro no autoentusiastas diariamente. Normalmente concordo em número, gênero e grau com o que é escrito, como é o caso dessa opinião sobre Ferraris. Mas mesmo quando não compartilho a opinião, pelo menos me são apresentados bons argumentos.

    ResponderExcluir
  12. qualquer v8 varetado americano ronca mais bonito que essas caixas de marimbondo

    ResponderExcluir
  13. Paulo Keller03/08/09 19:19

    Juvenal,

    Eu acho que você acordou de mal humor.

    Não posso acreditar nisso que você está falando!!!

    É fato que a Ferrari tem uma aura sobre ela e que a grande massa é engolida por essa aura.

    Mas isso não é culpa da Ferrari. Ou melhor é culpa da competência da Ferrari em fazer carros vencedores. É a única escuderia na Formula 1 desde o início. A

    A competência da Ferrari veio muito antes dessa aura.

    Você deveria ficar irriatado com a massa dos que não conseguem olhar para outras marcas. Mas não com a Ferrari.

    A Ferrari não tem mais eletrônica que o Veyron, que os Lambos, que os Porsches e etc.

    Para mim existe a Ferrari e os outros.

    Se cobram caro por um Ferrari é porque tem que pague. Se quem paga é acha que vale o proble é só deles. Pois se a Ferrai reduzisse seus preços pela metade eu ainda assim não poderia ter uma.

    Sabe o que me veio a cabeça assim que a 548 foi apresentada? Eu disse pra mim mesmo que se eu fosse um multimilionário ligaria naquela hora mesmo, direto para Itália e faria minha encomenda, mesmo que fosse para recebê-la em dois anos. Ainda faria a retirada em Fiorano. E depois uma viagem de 30 dias pela Europa. Dirigindo por todas as estradinhas bacanas que o MM falou. De preferencia sozinho.

    Onde já se viu, rejeitar algo bom só porque a massa gosta!

    ResponderExcluir
  14. Paulo Keller03/08/09 19:28

    O Mister Formula rebateu o JJ de uma maneira bem ploida. Gostei muito.

    PK

    ResponderExcluir
  15. Sei lá. Nunca pude pilotar uma... Só entrei em uma "pé-de-boi" 355. Obviamente MUITO superior à uma Belina...

    Mas as ruivas de quatro rodas nunca me despertaram paixões também. Prefiro os Touros brabos de quatro rodas, ou os alemães primos ricos do carro do povo.

    Certa vez li um comentário, creio que de alguma revista européia, dizendo mais ou menos isso: "Ferrari é aquela mocinha linda, maravilhosa que vc se casa e vive feliz até seu último dia. Já a Lamborghini é aquela protituta que te leva ao delírio..."

    Posso estar cometendo injustiça com elas. Mas meu coração entusiasta bate mais forte pelas "Lambo" e por aquelas "tranqueiras" da década passada: Bugatti EB110, Jaguar XJ220 e o "Big Mac" (McLaren F1).

    Continuo Italianíssimo: Top e 5th Gear estão mais para show de auditório, do que uma publicação automotiva séria.

    ResponderExcluir
  16. Chiavolani disse tudo,nunca andei numa Ferrari,mas para min o ultimo modelo que despertou minha paixão foi a 575.
    Prefiro tanbem a Mclaren F1, na minha opinião esta é um estado de arte.

    ResponderExcluir
  17. Mister Fórmula Finesse03/08/09 20:24

    Valeu Paulo;

    Mas sim, a Ferrari embarca mais eletrônica que seus pares, e isso não é nescessariamente mau...aquela rede de proteção virtual toda não o impedirá de ser animalesco na pista se assim o decidir, pelos programas e matérias feitas com as rossas recentes (lembrando que que só andei em ferrari de videogame), é notável que você pode andar muito, mas muito depressa com uma delas e sentir-se seguro ao mesmo tempo, não é preciso a combinação bruta de reflexos e potência muscular para "pegar a bichinha no contra pé" como muito se falava das antigas BB (12 cilindros) ou a incrível 288 GTO. Mas se quiser sentir as sensações de antanhos, é só colocar no off o CT que a máquina esquiará na pista como as primas mais velhas, e o máximo que poderá reclamar (se lembrar é claro) é que não existe mais uma alavanca de câmbio no seu lado e uma embreagem para cutucar com o pé....diversão para gregos e troiano patrocinado pela eletrônica embarcada, a medida que o cabra evolui nos eventos de pista, ele pode escolher as suas opções de condução, pode moldar o carro ao seu modo de dirigir (software que muda comportamento de dianteiro para traseiro por exemplo é possível),...claro que os puristas preferem fazerem do modo deles os ajustes e isso também é maravilhoso, é outro tipo de interação que exige também conhecimento, mas o coração muitas vezes está acima do conhecimento, e quem tem coração, seja do modo que quiser aproveitar o carro, também merece a sua chance!

    ResponderExcluir
  18. JJ, para mim seu post mostra algo que eu já tinha pensado antes: A ferrari sofre o mal da fama. Todo carro, por melhor que seja, quando começa a ser desejado e/ou possuído por muitos, em especial os não entendidos, começam a gerar repúdias por quem entende. Aposto que se a Ferrari fosse alguma lanterninha dos esportivos, um carro que não trouxesse tanto status e não fosse tão reconhecido, pessoas como você o elogiariam mais.
    Em escala bem diferente, acontece a mesma coisa com o Civic, hoje.
    Há tempos atrás, quem comprava outro carro da categoria que não o referido japonês, era leigo ou não entendido. Hoje, quem compra o Civic não soube procurar direito.
    Acho isso saudável pois estimula a diversidade de carros.
    Assumo que antes eu achava a Ferrari o expoente dos superesportivos. Hoje, talvez pelo sentimento que expus acima, meu coração bate mais forte por um Corvette ZR1. Parafraseando com os patetas de brasília, esse é quem me desperta os sentidos mais primitivos.

    ResponderExcluir
  19. Concordo totalmente com o Mr. Finesse.

    Quanto ao último parágrafo do JJ, um Carrera simples não entrega metade do desempenho e das sensações de um Ferrari de entrada... Pra bater numa 430 vc tem que partir para os 911GT, seja o GT3 aspirado ou o GT2 turbo, sendo que nesse caso estamos falando de cifras muito altas também...

    ResponderExcluir
  20. Caros,
    não se trata de melhor, mais rápido ou menos "carro de mané". Trata-se de preferir um carro conceitualmente errado a um quase bólido de corrida, com o motor e transmissão no lugar mais fácil para que o carro tenha ótimo comportamento.
    Não há engenharia superior à da Porsche, mesmo que não ande como um Ferrari. Isso é o que me importa.

    ResponderExcluir
  21. Carro se conhece andando. Emitir opiniões baseado em revistas e programas ingleses no youtube é coisa de falso entusiasta.

    "Ah, mas somos brasileirinhos e não temos acesso a estes carros".

    Então vamos falar do que conhecemos.

    ResponderExcluir
  22. Arnaldo Keller03/08/09 23:03

    JJ

    Não concordo absolutamente com você e só vou te escutar a respeito do tema depois que você pegar um Ferrari qualquer, qualquer um, qualquer ano, e tirar o suco dele.
    Quero ser mico de circo se você não sair do carro beijando a lataria.

    ResponderExcluir
  23. Das Ferrari, a F40 é única, sem dúvida. Das de entrada, também prefiro a F355. Dos anos 90 pra cá, em matéria de Ferrari de entrada, ela é a #1 na minha lista.
    Outra que MUITO admiro, talvez até mais do que a F40 (talvez também por ter sido a "mãe" da F40): 288 GTO...numa época que as Ferraris tinham em média 240-250 cv, vem a 288 GTO e seus 400 cv do motor V8 biturbo (êê época boa dos caracóis...hehehe), fazendo de 0-100 em menos de 5 segundos, passando dos 300 km/h (e sem a mesma preocupação aerodinâmica da F40)...nada mal pra um carro original de fábrica de 1984 né ?
    Por mais que as Ferraris novas me chamem a atenção, elas não mexem tanto comigo como até mesmo um Porsche 924 Turbo, 944, 968, 959 (esse então, nem se fala...algo como "fora deste mundo de reles mortais") conseguiriam...Mas ainda continuo esperando o dia que poderei comprar meu 911 Turbo 1ª geração, ou o 993 do mesmo modelo...Air-cooled na veia, mas os "a água" também têm um lugar no meu coração hehehe

    ResponderExcluir
  24. JJ rules!!!!

    ResponderExcluir
  25. JJ,
    Tenho uma visão diferente sobre essa questão toda. Como você conhece das nossas conversas no grupo, acho que é o motorista que faz o carro e não o conrário. Digo isso na qualidade de autoentusiasta, claro. Se o carro virou carro de mauricinho ou de mano, ou de qualquer outro grupo social, não me diz absolutamente nada. Quanto ao carro em si, não vejo nada de negativo nele, pelo contrário. É um conjunto mecânico de primeira grandeza sobre o qual não cabe discussão ou dúvida. O F40 que dirigi, por exemplo, freou no teste 100 km/h-0 em 43 metros. O 458 Italia, 32 m. É uma evolução impressionante. Esse negócio de marca escolhida tem muito de passional. Como nossos avós e pais e era Ford x Chevrolet. Agora é Porsche x Ferrari, com a turma de Corvettes e Nissans se aproximando. Isso haverá sempre.

    ResponderExcluir
  26. Bob Sharp is sharp.

    ResponderExcluir
  27. E eu que me achava o único no mundo a não reverenciar cegamente um Ferrari...

    Como marca, é uma das mais poderosas e até fascinantes, mas os modelos não me chamam atenção. Apesar da técnica dita excepcional, acho que fica faltando algo.

    Em termos estéticos, acredito que os melhores exemplares surgiram até o fim dos anos 60.

    Desde que me entendo por gente, nunca houve um na minha "wish list".

    Ferraris me lembram a moda das canetas Mont Blanc -- que "precisavam" povoar os bolsos, de forma que sua logomarca ficasse bem à mostra...

    Sds,

    Der Wolff

    ResponderExcluir
  28. Concordo com o Bob Sharp, estou pouco me lixando se e carro da moda ou nao. Gosto de automoveis e vejo a machinna pela machinna.Nao gosto de ver um blog sobre automoveis falando que nao gosta deles, me soa como os carros citados de boys, apenas um modismo, falem mal ou melhor escrevam mal pois esta na moda. PS--Lambos sao carros distintos de Ferraris.

    ResponderExcluir
  29. Ontem passou no Discovery um programa sobre a produção do 599 Fiorano. Se vale o que custa, não sei. Se a produção do programa ajudou a 'vender o peixe' eu também não tenho como avaliar. Mas que me transmitiu a idéia de algo muito particular, exclusivo, não tenho como negar.

    Se um V8 Chevy vareteiro com compressor rende igual ou mais do que o V12 e custa uma fração, tudo bem. Mas o lance que mostraram, de fazer um molde para cada motor, acertar o molde a mão antes de fundir o bloco e os cabeçotes buscando a perfeição, é de impressionar.

    Relógios baratos mostram a hora com bastante precisão, e até duram bastante. Mas não tem quem admire e pague caro por exemplares de marcas reputadas ?

    ResponderExcluir
  30. Clésio Luiz04/08/09 13:00

    A Ferrari atual não é a Apple. Ela não pega componentes genéricos e vendo com preço nas alturas, como fazia antigamente. Ela hoje produz carros que ombreiam com qualquer carro de outras marcas e ainda assim são veículos bem construídos e confiáveis.

    Como o Alexandre Cruvinel disse, eles fazem esses carros com muito esmero, com muita tecnologia e muito orgulho. Virar o proferido do povão ou dos playboyzinhos (o que ela já é desde os tempos que minha vó era moça) em nada desmerece os carros. É como dizer que Juliana Paes não é mais gostosa só porque o povão adora ela.

    ResponderExcluir
  31. Caros, vejam aqui com quantos cilindros se faz um motor de ferrari:

    http://www.youtube.com/watch?v=AdcoVurVY30

    ResponderExcluir
  32. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  33. Concordo em gênero, número e grau.

    ResponderExcluir
  34. Não sou contra Ferraris comerciais, cada um tem o que merece ou o que pode comprar! Rsrs

    Achei a 458 Italia um belíssimo carro, senão um dos mais belos esportivos atuais... só que meu coração tem dois donos fixos, 911 Turbo e F40, respectivamente.

    ResponderExcluir
  35. Acho q nem todos q compram uma ferrari sao super-pilotos iguais aos q a criticam, acho tb q vale o "status" q ela oferece, assim cmo um jogador rico, andar nas ruas com uma ferrari ja acaba se tornando um pop star.... vi tb q tem mtos comentarios, q o pessoal nao pensam assim da marca ferrari.... sei la se deu pra entender oq qro dizer, mas deixei minha opiniao. abs

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.