NISSAN SKYLINE R34, O MITO JAPONÊS



Nos tempos modernos, a imagem de uma empresa, pessoa ou corporação, é tudo. Fortunas são feitas em cima de imagem. As pessoas lembram das marcas por seus maiores (ou piores) destaques.

Stanley Kubric é o homem do filme "Laranja Mecânica"; Ian Fleming é o pai do James Bond; a Porsche é o reflexo do 911; e a Nissan é a marca do Skyline.

Mas, o que é um Skyline? É o nome usado no Japão para as dinastias dos modelos anteriores do atual GT-R. Hoje pouco vemos o nome Skyline nos produtos correntes da marca, pois a sigla GT-R foi o destaque do carro criado sob o olhar cuidadoso de Carlos Ghosn, para trazer de volta o ícone japonês dos anos oitenta e noventa. E ainda mais, espalhar pelo mundo o poder do Godzilla.

O Nissan GT-R atual nasceu por ordem direta do presidente da empresa. A equipe de projetos deveria entregar um carro que fosse não apenas competitivo, mas referência no mercado. Leia-se “o GT-R tem que acabar com o 911 Turbo, e ser mais barato”.

Nissan GT-R da geração atual

O modelo atual foi o primeiro GT-R a ser vendido mundialmente. Escolheram manter apenas a sigla GT-R, mas a nomenclatura Skyline é forte no Japão, pois existe há anos e ainda pode ser vista referenciando o carro atual — não oficialmente, é claro.

Mas o que fez a Nissan ficar marcada por conta deste nome? O que esse tal de GT-R tem que um Sentra não tem? Simples, uma legião de adoradores que todos os dias acendem velas e rezam em idiomas antigos e estranhos para mostrar seu amor por um ícone da cultura japonesa.

Falando em cultura, isto é algo que os orientais têm e valorizam como uma religião. O mundo das corridas de rua, do drift e dos carros preparados é tão forte no Japão como o futebol no Brasil.

O nome Skyline existe desde os anos 1960

Como toda cultura tem figuras de destaque, o nome GT-R, ou Skyline, são dos maiores neste estranho mundo japonês. A linhagem existe desde os anos 1960, e sempre foi referência para carros rápidos da marca.

Talvez o modelo que mais ajudou a cravar na história todo o trabalho duro e bem-executado que a Nissan fez neste segmento de carros esportivos, foi o antecessor do modelo atual, o R34, que exisitu do final dos anos 1990 ao começo dos anos 2000.

Nissan R34, a geração que antecedeu o Godzilla atual

O Skyline R34 é um mito. Seu desempenho é respeitado por todos. Os preparadores adoram o R34 por conta de seu alto potencial de preparação. Não é raro no Japão achar carros deste tipo com mais de 700 cv. Tecnologia e desempenho estão no DNA do Skyline há gerações. Os últimos modelos foram destque nos campeonatos japoneses de carros de turismo, com diversos títulos nacionais e inúmeras vitórias.

O GT-R é um vencedor nas pistas do Japão há anos, este é um R32

O R34 veio de uma familia de carros esportivos desenvolvidos para o mercado local, e com as exigências locais. O japonês é muito ligado em tecnologia de áudio e vídeo, em geral, em equipamentos eletrônicos. O painel de LCD do Skyline disponibiliza informações em tempo real sobre o funcionamento do motor, da transmissão, temperaturas dos componentes, gráficos de aceleração, força lateral... enfim, tudo o que uma geração do tempo dos videogames gosta.

Para completar, é possível ligar um laptop a uma porta de conexão no carro e baixar todos os dados que o carro gravou. Hoje em dia, dizem que é um problema, pois a compatibilidade é baixa e apenas programas japoneses com sistemas japoneses da época conseguem fazer a leitura correta.

Chassi do R34, tração integral inteligente

O Skyline tem uma forte ligação com os videogames. O jogo Gran Turismo do Playstation, desde sua primeira versão, foca bastante nos models japoneses, e a cada novo lançamento, mais detalhado e realista o jogo ficava, e cada vez mais os modelos japoneses se destacam. A ligação entre o jogo e a Nissan foi tão grande que o GT-R atual teve seu painel multimídia desenvolvido pelos criadores do jogo.

O interior é relativamente simples, sem grandes frescuras nem modernismos. Só o painel LCD multifuncional se destaca em meio ao mundo comum que poderia se confundir com qualquer sedã da época.

O painel é simples, apenas o básico, e uma tela de LCD multifuncional

Não apenas o painel digitral do Skyline era moderno, seu chassi era muito sofisticado. O sistema de tração integral, chamado ATTESA E-TS Pro (Advanced Total Traction Engineering System for All-Terrain, ou Sistema Avançado de Tração Total para Todo-Terreno), é todo eletrônico e com capacidade adaptativa de alta velocidade de resposta.

Em condições normais, o torque é todo enviado para as rodas traseiras. Ao menor sinal de que algo vai dar errado, os computadores do carro gerenciam os conjuntos de embreagens multidisco imersos em óleo da caixa de transferência e passam a transmitir torque para as rodas dianteiras. Até 50% do torque pode ir para as rodas dianteiras.
 
Defletores e extrator de ar de compósito de fibra de carbono mostram que o carro é sério

Complicados diferenciais de deslizamento limitado ajustavam o torque entre as rodas direitas e esquerdas do carro, sempre com o ótimo desempenho e velocidade de curva como objetivos.

Em parceria com o sistema de tração inteligente, o R34 tem também um sistema de esterçamento das rodas traseiras. Chamado de SUPER HICAS (High Capacity Actively Controlled Steering, ou Esterçamento de Alta Capacidade com Controle Ativo), o sistema não foi novidade no R34, mas bem aprimorado para um resultado excepcional. Os primeiros sistemas HICAS tinham acionamento hidráulico, no R34 já era elétrico (daí o SUPER do nome).

O Skyline agarra o asfalto das curvas como poucos carros de rua conseguem. No limite de aderência, o carro é neutro. Os engenheiros conseguiram eliminar o subesterço característico dos carros de tração integral. Mesmo com mais de 1.550 kg, o carro é muito rápido em mudança de trajetória.

Era assim que o motor de um Skyline saía da linha de montagem

O motor do R34 é outro que acumula seguidores pelo mundo todo. Chamado de RB26DETT, é também uma evolução de seus modelos anteriores, que existem desde os anos 1980. Um belo seis-cilindros em linha de 2.568 cm³, duplo comando de válvulas e dois turbocompressores, com valores de potência desde 280 cv até quase 400 cv, de fábrica.

Muito trabalho foi feito para reduzir o efeito do lag das turbinas dos modelos anteriores,  e com o uso de materiais nobres como cerâmica, praticamente não havia mais este efeito. Corpos de aceleração individuais por cilindro gerenciados eletronicamente melhoram a admissão.

Pelo fato do motor não ser inteiramente novo, muitos kits de preparadores independentes já estavam disponíveis para instalar nos R34 e jogar a potência para estratosféricos 600, 700 e até 1.000 cv, capaz de transformar o carro rapidamente em uma enorme e flamejante bola de fogo em alta velocidade, pois quanto mais potência, mais habilidade para guiar é necessária e ac chance de algo dar errado aumenta. Inúmeros itens para aumentar a potência do seis-cilindros podem ser comprados no mercado japonês.

Assim como a Mercedes-Benz tem a AMG, a Nissan tem a Nismo (Nissan Motorsport International) como preparadora oficial de seus carros. A Nismo fez diversas versões do Skyline, com várias opções de potência para o RB26, como é chamado o motor do R34 para os íntimos.

Curiosamente, um brasileiro é há anos consultor técnico da Nismo, ultimamente para Europa: Ricardo Divila, o engenheiro que foi diretor técnico de Equipe Fittipaldi de F-1, atualmente vivendo na França.

R34 preparado pela Blitz, com 1.000 cv

Além da Nismo, muitas outras preparadoras independentes colocaram as mãos no R34 para criar verdadeiros monstros. A HKS e a Blitz são duas delas, com o seus modelos com mais de 1.000 cv de potência. Ambos ficaram tão conhecidos que aparecem também nos jogos da série Gran Turismo.

É possível encontrar no mercado praticamente tudo o que se pode imaginar para deixar um R34 mais potente, ou mais leve, ou mais resistente. Radiadores maiores, turbinas maiores, intercoolers especiais com arrefecimento a água, árvores de transmissão de compósito de fibra de carbono, centrais eletrônicas programáveis ou pré-programadas, sistemas de admissão e escapamento, rodas, peças de carroceria de compósito de  fibra de carbono, praticamente tudo o que se imaginar.

Amortecedores especiais para o carro podem ser comprados no mercado de acessórios

Por curiosidade, procurei alguns destes itens de performance para o R34 pela internet. Jogo de polias e escapamentos existem aos montes, variam de 200 dólares até mais de 5.000 dólares.

Kit de novas turbinas da HKS para aumentar a potência do Skyline

Kits de upgrade para o sistema do turbocompressor também existem inúmeras opções, chegando a custar até 12.000 dólares para um completo, com turbinas, tubulação, intercoolers e válvulas.
 

E assim que o motor fica após uma customização

Assim como temos por aqui encontros de proprietários de Fusca, Mustang e Dodge, no Japão há os encontros de Skyline. Centenas de Skylines de diversas gerações juntos em um só lugar, e muitas vezes os eventos são em autódromos para seus participantes colocarem seus carros na pista. Particularmente acho este tipo de evento bem mais interessante que apenas encontros “estáticos”, pois carros de alto desempenho devem ser vistos em movimento.

Encontro de Nissans

O filme "Velozes e Furiosos" também ajudou a difundir a cultura dos carros customizados e do drift. Um dos carros de destaque dos filmes foi um Skyline R34. Infelizmente no sábado passado um acidente de carro tirou a vida do ator Paul Walker, protagonista da série, o personagem Brian.

O GT-R atual deve muito de sua fama e reputação ao R34. Junto com o Skyline, talvez apenas o Toyota Supra e o Mazda RX-7 tenham alcançado este nível de cultuação pelos japoneses.

Paul Walker e o R34 no filme "Velozes e Furiosos"

O Slyline é um elemento vital na trajetória da Nissan, e até mesmo o atual presidente, com grande visão do mercado e que não é japonês, reconheceu que a marca não poderia ficar sem sua estrela. É mesmo um ícone oriental e que ainda viverá por muito tempo.



MB

Fotos: HKS, Nissan, SpeedHunters, turbo magazine







38 comentários :

  1. Corsário Viajante03/12/13 12:17

    Não adianta, a única japonesa que me agrada (no mundo dos carros, lógico) é a Subaru.
    As outras podem ser mais eficientes, mais rápidas, mais baratas, mais tudo, não vou com elas, não bate o santo.

    ResponderExcluir
  2. Mito. Ponto.

    ResponderExcluir
  3. Com todo o respeito, quero sugerir uma correção no seu belíssimo texto;

    - "pois a compatibilidade é baixa e apenas programas japoneses com sistemas japoneses da época fazer a leitura correta" (Acredito que falta a palavra 'Conseguem')

    obrigado e parabéns pelo trabalho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hanx
      Faltou mesmo a palavra, já foi acrescentada. Agradeço a colaboração.

      Excluir
  4. Fui trabalhar no Japão no fim de 1996 e quando cheguei la vi um Mazda RX7 o carro era lindo, e na frente do ape que morava tinha um Skyline GTR R33 branco o mais belo na minha opinião. Tive a oportunidade de guiar um Skyline GTS-T de um amigo, foi muito legal. tenho algumas fotos que tirei do novo GTR e o carro é top mesmo. Belo texto, me fez voltar no tempo... abraços

    ResponderExcluir
  5. Victor Gomes03/12/13 12:52

    Nissan Skyline no Autoentusiastas! Informação muito além do Playstation. Muita gente por aqui não conhece essas lendas japonesas. Daí o preconceito com elas.

    Li uma vez que uma dessas gerações do Skyline, R32 talvez, tinha andar com um lastro no campeonato japonês de turismo, visto que o carro ganhava todas as corridas.

    Neste video, ele não ganhou a corrida, mas chegou perto. E a Ferrari... Que Ferrari?
    http://www.youtube.com/watch?v=LNc-WK-zFsU

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O R32 ficou imortalizado no automobilismo do Japão por acumular 29 vitórias consecutivas nos seus primeiros 4 anos de participação no JTCC, de 1989 a 1992. Para 1993, mudaram para JGTC, incluindo a regra da penalização com lastros para os carros mais rápidos.
      O R32 já contava com o motorzão bi-turbo RB26DETT, ATTESA E-TS e Super-HICAS, tudo isso em 1989! Foi o primeiro esportivo japonês que oferecia não só custo-benefício, mas também desempenho absoluto melhor que os europeus equivalentes.

      Excluir
    2. Victor Gomes, esses vídeos do Best Motoring são muito bons, e detalhe: apesar do resultado final apretado, a melhor volta do R34 foi mais de 0.5 segundos mais rápida que a do Porsche.

      Mendes

      Excluir
    3. Best Motoring era sensacional, pena que acabou.

      Excluir
  6. Esqueceu de citar o Evolution e o WRX STI, ambos tem umas dúzias de versões especiais no mercado japonês, até com teto em carbono, para redução de massa e baixar o centro de massa.

    ResponderExcluir
  7. Anônimo da Silva03/12/13 13:14

    Apesar de o R34 ter feito fama no ocidente, principalmente por aparecer nos filmes "velozes e furiosos" e videogames, no Japão e sudeste asiático o mais representativo dos GT-R mesmo foi o R32, que protagonizou hegemonia sem igual nas corridas que disputou. O R34 melhorou muito o chassi, mas ficou mais pesado, os concorrentes evoluíram, ficou longe de conseguir repetir a supremacia do 32.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que o problema maior não foi nem o aumento de peso, mas sim a restrição de potencia pela legislação japonesa. Tanto o R32, de 1989, quanto os últimos R34 tinham supostamente 276hp e a diferença de peso passa dos 100kg.

      Mendes

      Excluir
    2. Você basicamente repetiu o que o Anônimo da Silva disse...

      Mas uma curiosidade dos games: no GT2 você tinha 2 potências nos carros: a dita pela montadora e a real. Por exemplo, o Skyline GT-R [qualquer das gerações desde que o ultimo modelo de cada uma] nas loja tem 280 cvs, após comprar essa potência salta para 323 cvs na sua garagem, mesmo ocorre com o Supra. O Impreza salta de 280 cvs na loja para 290 cvs na garagem.

      Há carros para mais e para menos, mas quase sempre há uma diferença, bem maior no caso dos carros turbo em relação aos aspirados naturalmente.

      Excluir
    3. Há informações que os carros eram vendidos como 280 cv mas na realidade tinham mais de 320 cv. Isto foi comum em diversos lugares do mundo onde limitações de potência foram impostas.

      Excluir
    4. Sim, todos os japoneses "aumentam" a potencia depois de comprados. Isso ocorre no GT4 também.

      No Supra e 3000GT VR4 eu até entendia, pois é aproximadamente a potencia de alguns modelos de exportação.

      Mendes

      Excluir
  8. A primeira vez que vi um ao vivo foi na Alemanha, curiosamente. Uma cor meio champagne, lindo demais. Quando vi o que era não acreditei. A aura em torno desses carros é gigantesca e nós aqui no Brasil não temos a mínima chance de tê-los. Em Nürburgring eu vi muitos R32 e R33, poucos R34, infelizmente. Um dia ainda dirijo um bicho desses...

    ResponderExcluir
  9. Podem idolatrar esse atual GT-R a vontade, mas para mim ele nunca terá a mesma aura do R34. E isso sem contar que ele tinha versões bem comportadas de quatro portas e muitos consideram a Stagea sua versão wagon.
    Sobre alguns no Brasil, recentemente vi um roxo de drift na etapa final do Centro Oeste de arrancada, em Brasília. O carro é grande, largo, com cara de mal e incrivelmente belo.

    E sobre os mitos acerca do Skyline, dizem que há um cabo colorido que vai para a central, responsável pela transmissão dos dados para funcionamento das assistências eletrônicas. E que ele seria colorido exatamente para ser bem fácil identificá-lo e desplugá-lo...

    ResponderExcluir
  10. Skyline é um icone da nissan e da preparação mundial...quem já assistiu o desenho japones Initial D sabe o quanto os personagens temiam quando o rival nas subidas de montanha seria um gt-R
    muito bom o artigo mas acho que faltou umas belas fotos das partes mecanicas como cambio, diferenciais, suspensoes... :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Giovane, justamente pela alta quantidade de carros preparados, é dificil de achar boas fotos dos conjuntos originais. Customizaram até as fotos! rs

      Excluir
  11. O autoentusiastas poderia contar a história da importação dos skylines para os estados unidos, é uma historia bem interessante...

    ResponderExcluir
  12. Pra mim foi o último dos legítimos GT-R. Reconheço os predicados do atual modelo, mas acho que perdeu algo no meio do caminho. Alma talvez.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo, o atual segue a mesma linha do anterior, se for pensar. É feito como um carro de série "comum", motor seis cilindros turbo, tração integral e muita eletrônica nos auxilios ao motorista. O novo apenas evoluiu junto com os demais carros do mercado.
      abs,

      Excluir
  13. Tem um desse (da geração anterior), deve ser ano 99 ou 2000, aqui no bairro onde moro.
    Pode ter um desempenho bacana, ser um mito e tudo o mais, mas em termos de estilo e design sinceramente prefiro meu Corsa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se for pra eu escolher entre estilo e design e desempenho dessa magnitude, que se dane a aparência!

      Excluir
  14. Bichão bruto e nervoso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nao acho que seja tudo isso. Talvez mais fama....
      So mais um supercarro como Ferrari , Lamborghini.!

      Excluir
    2. Mais "fama" que Ferrari, não sei não heim. Nada contra Ferraris, mas com 276hp, o GT-R fazia o que muitos carros muito mais potentes da época sequer sonhavam em fazer (imagino que a potencia limitada tenha sido o motivo para apelarem para a eletrônica embarcada) e custando muito menos.

      E isso que o texto fala de Skylines, se entrar o NSX na história então...

      Mendes

      Excluir
  15. Parabéns ao Brasileiro Carlos Gosh que alimenta os verdadeiros automóveis...........o que me faz pensar.........como é triste ver grandes marcas pensarem em carros desenhados para razão.....sem emoção!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O engraçado é que o Carlos Ghosn parece-me refletir somente razão em suas atitudes, seu modo de ser; um grande estrategista, quer sempre estar uns bons passos a frente, ser o primeiro, e na hora certa.
      De tão racional, decidiu que seria uma grande jogada mexer com este lado emocional das pessoas. Sabe quão importante é esta glória que envolve o produto e o que ele representa na cultura do país ao qual a marca representa. Estrategista, gerou grande "Buzz" para a marca reaparecer no mercado. Provocou mercados, símbolos (911), e fez com que o mundo tivesse o desejo de participar daquele sonho, e mais do que nunca, fez com que este sonho estivesse o mais disponível possível, em mercados jamais sonhados.

      Excluir
  16. Esse modelo (R34) era o meu sonho de consumo na adolescência. E ainda continuo admirando-o, muito, mesmo em face do atual e magnífico Nissan GT-R. O R34 tem a beleza que o R33 não conseguiu atingir, e curvas mais suaves e musculosas que o não menos mítico R32 (que gosto muito também). Ele é um dos poucos carros que não tenho nada a reclamar do jeito que ele é - ainda mais na versão GT-R. Acho-o perfeito do jeito que é. E ainda pode ser capaz de ficar ainda mais poderoso graças ao fantástico mercado de peças e preparação japonês. Baita inveja em relação ao nosso. Se posso citar um defeito do R34 é que ele não pode ser utilizado normalmente aqui no Brasil.

    Obrigado pelo post, Milton. Eu desconhecia os defletores e extratores do R34. Genial.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, você disse tudo, mas esse único defeito com certeza não é do R34 e sim da bosta do Brasil e suas leis fedidas.

      Excluir
  17. A propósito, excelente abordagem sobre um dos mitos japoneses. Fico no aguardo de mais matérias sobre outros ilustres esportivos japoneses noventistas e posteriores para fazerem companhia as do R34 e do S2000 (feita pelo Bob).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode aguardar, pois há muitos que merecem ser falados.

      Excluir
  18. Milton Belli, que pornográfico é esse!!! parabéns!
    Muitos perguntam porque tenho uma coleção do hotwheels só dos Skyline, bolha do meu RC do Skyline R34 em vez de superesportivos como Ferrari, Lambos e etc...Vou pedir para lerem esse post, resume a minha admiração por essa máquina.
    Então, tem gente que não gosta muito do design do R34. Mas eu acho ele mais lindo que carros atuais. Não é apenas desenho, mas o conjunto com toda a história envolvida... A ultima bolha que preparei foi do Toyota GT-86 (outro que adoro, mas não tão belo), mas minha esposa mesmo sem entender de carros ainda achou o R34 mais bonito. Acho que é a aura envolvida nele! O R34 tem pequenos detalhes como as linhas dos para-lamas, os faróis dianteiros e traseiros que vão conquistando a medida que admiramos. Não canso de achar beleza nele!

    ResponderExcluir
  19. Pra mim este é o verdadeiro GT-R, tem realmente áurea. O de hoje é tão e somente extremamente eficiente, porém com cara de espaçonave, coisa que de forma alguma gosto nos carros atuais.

    ResponderExcluir
  20. O R-34 sempre povoou os meus sonhos, desde moleque. Sempre procurei leitura sobre ele mais nunca achava nada, além das informações de jogadores de GT. O nome GT-R foi um mito nas pistas e o atual anda assustando alguns nomes consagrados em Nurburgring. A única coisa que não entendo: Como a Nissan pode fazer um carro tão bonito e tão mistico e e mesma marca produzir o Versa? Parabéns pelo blog e pelo post!

    Daniel Libardi

    ResponderExcluir
  21. Mito! Um geração de carros que anda junto de muitos e põe no bolso alguns superesportivos, custando uma fração do preço e pesado mais, só pode ser obra prima de engenharia

    Aguardem o GT-R R35 Nismo. Fizeram Nurburging Nordschleife em 7:08, apenas 11 segundos a mais que o 918 Spyder, um super carro de 800 mil dólares!

    ResponderExcluir
  22. onde compro um carro (nissan skiline gtr r34)desse no brasil ?nao importa o preço alguem sabe algun site que anuncie ??

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.