DEZ FERRARIS QUE NÃO GOSTO

Ferrari, uma marca que de vez em quando comete deslizes

Depois de deixar clara a minha admiração pela marca de carros mais conhecida no mundo, no texto sobre meus Ferraris preferidos, chega a hora de mostrar que tudo na vida tem o lado bom e o ruim.

Ferraris são como maridos. Por mais que façamos, as esposas sempre pedem algo mais. Se levantar uma parede, poderia ter feito mais plana. Se tiver feito o jantar, poderia ter feito o almoço também. O problema de ser marido é o nível de expectativa que geramos por termos sidos os escolhidos pela mulher amada. 

Ferraris sempre geram expectativa e, ao menos para mim, deveriam ser perfeitos em tudo, sempre, dada a fama e o valor da marca, sem contar a qualidade elevadíssima dos profissionais que os desenvolvem.

Mas maridos e Ferraris são obras humanas, e assim, sujeitos a imperfeições. Ninguém é perfeito em tudo, 100% do tempo. A fábrica de Maranello tem sido, nesse ponto, como qualquer outro fabricante de carros em produção seriada. Varia do sublime ao ridículo com freqüência mais ou menos constante. Como os maridos.

Não vou dizer que Ferraris são como esposas, porque senão logo alguém vai estar dizendo “a” Ferrari, e Ferraris são carros e carro é substantivos masculino na língua portuguesa.  Senão, estaríamos dizendo a Corvette, a Porsche, a Mustang, a Onix, a Golf, a Focus. Além disso, mulheres tendem a ter menos imperfeições do que homens, e não seria justo ligá-las a um carro, máquina imperfeita.

Vamos então à minha lista em ordem aleatória de carros “furados” da maravilhosa marca cujo brasão homenageia Francesco Baracca, o ás italiano da Primeira Guerra Mundial que abateu trinta e quatro aeronaves nesse conflito.

Francesco Baracca e seu Nieuport 11; note o cavalo empinado

1 – 458 Italia


Você está dirigindo numa avenida de trânsito lento dentro da cidade e escuta um berro de motor, procura rápido pelos espelhos, já que a coisa tem que estar vindo rápido. Rápido, rápido, onde? Onde? Aí você vê um carro baixo e vermelho, com dianteira que mais parece um modelo de filme de monstro japonês dos anos 1970 chegando bem devagar, misturado ao lento fluxo do trânsito atual das grandes cidades. Não mais de 5 km/h mais rápido que o fluxo. 

Percebe-se então que algo está bem errado. É um Ferrari, tem potência para rebocar um transatlântico em um pântano, deveria estar andando sem ruído a essa velocidade normal dos carros-condução. Mas não. Mesmo tão lento, grita como se estivesse andando a no mínimo uns 200 km/h. Um escândalo que só tem uma função: aparecer.

O atual Ferrari mais barato é isso. Juntou-se tudo que uma pessoa precisa para aparecer e colocou-se num carro apenas. Inclusive um pára-brisa que mais parece uma vitrine, para que o feliz motorista seja visto facilmente. Uma ferramenta de marketing pessoal. O triste é que se trata de uma tremenda máquina mecânica, hábil em todos os quesitos dinâmicos, mas emperequetado em um nível de excesso que adentra um padrão desagradável, principalmente no interior.  Mecânica campeã aprisionada em corpo de fantasia de carnaval.

Me faz lembrar uma fantasia de Clóvis Bornay

Com ele, um entusiasta dos automóveis pode ser confundido com o rei do camarote ou com o rapaz tatuado que o programa "Pânico na TV" vem promovendo. Uma pena.

Por orgulho de sua história e como homenagem a quem gosta de carros por sua essência,  a Ferrari deveria fazer uma versão completamente simplificada do 458 Italia, com três pedais, alavanca de câmbio e acabamento de carro esportivo de verdade,  para que seja lembrado que, um dia, ela fez o F40.

2 – 360 Modena



Depois do 348 e do 355 que já não eram nenhuma grande novidade nem primor de carro esportivo puro, a situação do modelo de entrada da Ferrari descambou. Além disso, motor central é coisa para conhecedores, e a maioria dos proprietários desse modelo não são do ramo do volante e pedais.

O Modena é o modelo mais barato pré-458, e como este, se destinava mais a quem precisava aparecer do que ao verdadeiro entusiasta da Ferrari. Mesmo caso aqui, esses últimos podem ser confundidos com os que compram a marca porque é a mais conhecida nas baladas e eventos sociais dos não-entusiastas, aqueles que falam de Ferrari como se soubessem tudo da marca, e que obviamente olhariam para um Koenigsegg sem saber do que se trata, conseqüentemente não colocando o motorista no mesmo patamar de status financeiro.

Requer atenção de quem se preocupa com segurança ao dirigir, pois a maioria (não todos, que fique claro) dos motoristas desse modelo não tem a habilidade nem a prática necessária para controlar toda a força do V-8, e não raro algum deles acaba gerando uma bola de fogo visível da estratosfera (Copyright Marco Antônio Oliveira, o nosso MAO). 

Melhor ficar longe.


O Corcel não ficou longe, se deu mal

3 – F430





Foi dito pelo sábio amigo Rafael Tedesco que o 430 parece um tênis modelo iate. Estou com ele. Ferramenta de marketing pessoal também,  é uma máquina tremenda, mas que não me agrada visualmente, como o 360.

Não há nada melhor para entender as capacidades do 430 do que a matéria da revista Autocar, que comentei nesse post, e que está inteira, escaneada aqui.

E aquelas tomadas de ar ovaladas na dianteira estão mais perdidas no desenho geral do carro do que barata em dia de mudança. Ao menos o tênis não tem esses buracos estranhos.


4 – 612 Scaglietti



Fiquei profundamente chocado quando o vi pela primeira vez. Olhei uma foto, outra, mais outra. Olhei dentro, fora, de frente, de traseira, de lado, de todas as posições que consegui. E não vi nada que me chamasse a atenção positivamente. Depois de um tempo, veio ao Salão do Automóvel, e me detive no modelo, olhando ao vivo para ter certeza que não estava sendo injusto, mas não teve jeito mesmo.

Claro que é V-12, que o motor está no lugar certo, mas...não. Não dá mesmo para engolir, nem com farinha.



5 – 275 GTB 



Já sei, é isso e aquilo e tal, teve versões de corrida, ganhou um monte delas, quando um deles vai a leilão acaba valendo mais que o bairro onde moro.  Um dos melhores Ferraris antigos para se dirigir, melhor ainda que o 250 GTO segundo os felizardos que andaram em ambos.  Pouco importa. Feio para mim.  

Não consigo gostar de algo que seja bom mas que não me agrade visualmente.  Me  lembra um ônibus, com aquelas laterais altas, planas e verticais. Talvez se tivesse faixas horizontais amarelas com a inscrição “ESCOLAR” ficaria melhor. 

Pior mesmo, só saber que existe versão sem teto.


6 – LaFerrari

Um carro sem nome

O LaFerrari — assim mesmo, colado, sem espaço entre o artigo e o nome próprio — é uma mescla de soluções de estilo de outros modelos anteriores da marca, somados aqui de forma a não haver nada que seja novidade, mas que apresente apenas os detalhes mais pedidos e apreciados. Novidade mesmo  está apenas na mecânica que faz uso do KERS (sistema recuperador de energia cinética) para elevar a potência a quase 1.000 cv. Um tremendo desperdício de talento e de tempo de parte dos estilistas que o fizeram. 

Poderiam ter enfatizado o KERS de alguma forma visual do lado externo do carro, ou feito algo chocante para marcá-lo como uma evolução mecânica. Mas foram pelo caminho fácil da soma de elementos conhecidos, o que não é de se estranhar quando descobrimos que o desenho é atribuído a Flavio Manzoni, ex-Lancia, Audi e Volkswagen, e responsável pela atual identidade visual da marca alemã, que agrada à maioria devido à falta de aventuras e arrojo estilístico.

A respeito do nome de batismo, comprar um carro da marca Chana ou com o nome Picasso é menos motivo de piada.



7 – Dino 206/246
O problema aqui é apenas a falta do nome Ferrari

Aqui existe uma ambigüidade em minha mente. Esse carro deveria estar na minha lista dos preferidos, pois é uma obra de arte do mais alto nível, mas fica aqui nos indesejados, apenas pelo motivo não se chamar Ferrari. Para que um Ferrari não se chamar Ferrari e nem ter emblema Ferrari?

Conhecemos a história de Alfredo Ferrari, apelidado de Alfredino ou abreviadamente Dino, o filho de Enzo com sua esposa Laura Dominica Gaurello, morto aos 24 anos de idade de complicações decorrentes de distrofia muscular. Uma provação a Enzo, que nunca mais foi o mesmo, demonstrando seu lado humano, pelo qual tenho um profundo respeito. Mas por que não homenagear o rapaz com o modelo, e batizá-lo Ferrari Dino? Seria a mais justa homenagem àquele que iria naturalmente suceder Enzo no comando, além do que o motor V-6 foi idéia de Dino, que não conseguiu completar seu curso de engenharia devido à doença.

Enfermo e já limitado ao leito, conversou muito sobre como gostaria que fosse o motor transversal de virabrequim plano (leia mais nesses textos, aqui e aqui) com Vittorio Jano. Não chegou a ver nenhum funcionando, pois faleceu antes do primeiro protótipo ser construído.

Uma violência com um carro magnífico, mas que tristemente, foi chamado pela própria fábrica de “quase Ferrari”. Muitos donos de Dinos colocaram emblemas Ferrari no carro, numa clara demonstração que a decisão da fábrica não foi aprovada por unanimidade.

Com pesar coloco o Dino nessa lista, e apenas como reprovação à decisão da fábrica, não como desgosto com o carro em si.



8 – F50



Dez anos depois do F40, os italianos tentaram fazer algo melhor para comemorar os 50 anos da marca, e não conseguiram. O F50 não tem 10% da dramaticidade e carronalidade (a personalidade dos carros) do F40, apesar de ser quase um Fórmula 1 com dois lugares que pode andar na rua.


O único deles que existe no Brasil certa vez entrou bem na minha frente, em um retorno à esquerda de uma avenida. No mesmo momento em que ele acelerou pelos 50 metros vazios à frente, o solo tremeu e liguei o rádio imediatamente para tentar escutar as notícias sobre o terremoto em São Paulo. Era o carro mesmo.

Mesmo com todo esse poder, trocaria-o fácil por outro modelo.

Se Ferraris  fossem  óperas, o F50 seria cantado por algum profissional do samba. Um típico caso de “nada a ver”. A dianteira aparenta uma largura de carro normal, mas a traseira ocupa o espaço utilizado por um caminhão em via pública.

Há momentos na história do estilo da indústria automobilística que podem ser esquecidos, e esse é um deles.


 9 – California (2011)



Não tem nada errado nos detalhes, nem no conceito de projeto, nem na mecânica, mas o conjunto visual não tem nada notável ou inesquecível.  Nada de bom para a imagem da marca. Um carro de aparência mediana, como se fosse dada a tarefa de desenhar um Ferrari para alguém que desenha geladeiras. Estilo burocrático, apenas para constar na lista de produção da fábrica. 

Ferraris não podem ser assim tratados, merecem muito mais.



10 - 575M Superamerica

Movimento do teto capta água de chuva

Um 550 Maranello,  incrementado com um superteto integrado ao vidro vigia, que não ocupa espaço no porta-malas e tem tecnologia fotocrômica, variando a transparência de acordo com a quantidade de luz que incide na superfície.  

Pivotado no topo da coluna B, o da coluna targa, ele permite uma facilidade incrível entre se andar fechado ou aberto. Tinha tudo para ser memorável, e provavelmente será, principalmente por quem precisar fechar o teto depois do início de uma chuva forte.

Vejam, o teto rígido sai de trás, gira para frente e cobre a cabine. Se estiver chovendo forte, a água que cai na parte de dentro do teto vai ajudar a molhar os ocupantes. É de morrer de rir. Só pode ser uma brincadeira de hora almoço de algum engenheiro ou estilista fanfarrão, transformada em carro.

JJ

Fotos: Wikipedia; NetCarShow; GTSpirit.com; hdWalpapers.com

127 comentários :

  1. Juvenal, concordo novamente com você nesta lista. Para falar a verdade, após o modelo F-40, gostei de no máximo 2 ou 3 modelos da Ferrari. Justamente o momento em que marca um período muito bem destacado no seu texto: quando a Ferrari vislumbrou que o número de pessoas que gostam de se aparecer com um carro é muito maior do que o número de entusiastas, que tratam o automóvel com o verdadeiro carinho que merece.
    Eu só tiraria desta lista o Dino, até porque o carro representa um momento de luto na vida de Enzo, e por isso talvez ele tenha homenageado o filho não colocando o nome Ferrari como uma maneira de destacar a importância do filho em sua vida.
    E quanto ao California, é uma Ferrari que eu respeito, por ter uma versão de 3 pedais. Isso para mim é uma bela credencial, em um mundo cada vez mais voltado para a facilidade, e não para a diversão e o aprimoramento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faço minhas as suas palavras. O Dino deve ser compreendido dessa forma, o "quase" Ferrari sendo uma homenagem, da mesma forma que o personagem, que morreu sem antes ter sido, sepultando todas as esperanças. Aqui falamos de cultura italiana, família acima de tudo, dramaticidade e paixão.
      Talvez o carro com maior personalidade e significado para o fundador. Acima de todos os outros, quase um Ferrari.
      AAM

      Excluir
  2. Dizer "a ferrari" não é errado não. Afinal de contas, Ferrari é umA montadora, umA empresa. Afinal de contas, não dizemos que "O Ford tornou o Mustang um carro mundial", ou "O Chevrolet vai o carro X pro Brasil"...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcelo Jardim
      "A" Ferrari só quando se tratar da marca, da fábrica, da equipe de F-1; "o" Ferrari quanto se referir ao carro. E a Ferrari não é montadora, é uma verdadeira fábrica.

      Excluir
    2. Bob Sharp,

      Eu tenho notado que muitas pessoas, inclusive jornalistas, feminilizam o nome de alguns carros e caminhões, como por exemplo: “A Scania”, “a Escort”, "a Porsche", entre outros.

      No caso da Mercedes, quando nos referimos à fábrica, é correto, mas acredito que quando se trata do carro, é "um" e não "uma". Ou seja, "um Mercedes-Benz classe E".

      Eu acredito que se fosse feito um post sobre o assunto, iria dirimir as dúvidas de muita gente, inclusive as minhas.

      Excluir
    3. CCN
      Foi curto, mas foi um dos meus primeiros posts no AE, 20 de outubro de 2008, leia em http://autoentusiastas.blogspot.com.br/2008/10/um-ou-uma.html

      Excluir
    4. O problema é que "carro", em italiano, se diz macchina. Por isso eles tratam os automóveis em geral - e principalmente os mais desejáveis - no feminino.
      Quanto às - digo, aos - Mercedes, além da óbvia desejabilidade, talvez o próprio fato de ser um nome feminino justifique o tratamento.

      Excluir
    5. Perdoem me intrometer na conversa, mas o assunto sempre me vem à mente e lembro que houve até editorial no BCWS a respeito do tema, acho que foi escrito por você mesmo Bob, há alguns anos, me corrige?

      Sendo bastante sincero, creio sua explicação ser simplista, Alexandre. Também os menos desejáveis são macchinas, em italiano. Há, de acordo com o idioma, alternância nos gêneros para a palavra carro/automóvel. Voltando ao nosso caso, o português, carro é masculino e o artigo concorda, mais especificamente, com o tipo de carroceria (o hatch, o coupê, a perua, etc etc etc).

      Paira a dúvida de onde/com quem começou esse erro, mas os grandes suspeitos são, para mim, a imprensa "especializada", que na maioria das publicações incorre nele; além de alguns comentaristas esportivos - quem não lembra de ouvir aos domingos referências ao saudodo Ayrton Senna do Brasil a bordo de "sua" McLaren ou Lotus, ou, no caso mais corriqueiro, "a Ferrari de Michael Schumacher" ou Fangio?
      Abraço!

      Excluir
    6. Enzo Ferrari10/12/13 17:26

      E a LA Ferrari, como fica? É um Ferrari gay?

      Excluir
    7. Bob & Cia,

      Li o post e o coloquei em meus favoritos.

      Excluir
  3. Excelente post, especialmente pelo último item da lista... fico imaginando um "rei do camarote" fechando esse teto na frente da balada em dia de chuva....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Rei do Camarote chega na balada de Ferrari, mas com motorista particular...
      O fim da picada e o maximo da breguice!
      É o famoso "novo rico" que nada em dinheiro, mas nao tem cultura nem elegancia para gasta-lo!
      E ainda tem mulher que paga pau para um cara desses.....

      Excluir
  4. "Se estiver chovendo forte, a água que cai na parte de dentro do teto vai ajudar a molhar os ocupantes. É de morrer de rir. Só pode ser uma brincadeira de hora almoço de algum engenheiro ou estilista fanfarrão, transformada em carro." kkkkkk Estou rindo aqui sozinho. Muito bom o texto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assino embaixo. Fiquei imaginando aquele cara da propaganda da Ipiranga com o cabelo todo lambido depois de um banho ao fechar o teto. KKKKKKKKKKKKK...

      Excluir
  5. "Ferraris não podem ser assim tratados, merecem muito mais."

    Não obstante o fato de achar que Ferrari é carro pra jogador de futebol e pagodeiro, eu discordo dessa sua frase.

    A Ferrari, apesar de toda a fama, não é tão mística quanto ela própria tenta se vender. Um design bonito e funcional é suficiente para qualquer carro, inclusive para Ferraris.

    ResponderExcluir
  6. Bem, os três primeiros carros da lista não foram avaliados, mas sim seus donos....Se não existissem essas Ferraris, os donos leigos/pavões/jogadoresdefutebol/celebritys estariam guiando Lambos...

    São todas belas e eficazes, uma 430 Scuderia é uma das máquinas mais belas e "racing" de todas;

    - A 612 é uma 456 GT mais atualizada, feia diante de uma GTB 599, mas ainda um gran turismo de respeito: de fato não é lá aquelas coisas;

    - 275 GTB: horrível, um puma onde colocaram um V8 na frente e tiveram que redesenhar tudo;

    - LaFerrari: nome horrível e carro lindo, faz muito mais sentido que aquela Ferrari 330P tunada ao extremo do tal milionário;

    - Dino: é linda!

    - F50: é um fórmula 1 de rua, e a traseira gorda é parte da quintessência dos exóticos italianos, vide Countach, Diablo...etc - para mim, uma das mais ardidas Ferraris de todas, ter um motor de F-1 atrás acoplado a uma caixa manual é o nirvana.

    - Califórnia, um dos poucos conversíveis que ficam mais bonitos com a capota, elegante e classuda...uma bela Ferrari para curtir o sol assim como a última colocada na lista.

    MFF

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MFF
      A 275 GTB é um dos modelos mais bonitos da Ferrari!
      Infeliz sua comparacao terceiro-mundista com o Puma.
      Procure se informar melhor , ler mais sobre carros italianos .. Essa Ferrari nunca utilizou um V8 , mas sempre um V12.
      Tenha dó!

      Excluir
    2. Anonimo,
      lindo ou horrivel é uma questão pessoal. Eu também acho o 275 GTB muito feio. O Puma é mais harmônico estilisticamente.

      Excluir
    3. Arrá anônimo!

      Eu disse V8 por dizer, era como termo de comparação, para visualizar o estrago visual...até as pedras lunares sabem que a 275 é V12, não subestime meu conhecimento.

      E é feia como batida de trem!

      MFF

      Excluir
    4. Anonimo que tentou passar um pito no MFF, bem se vê que você não o conhece.

      Excluir
    5. MFF
      Pois é .... as 275 GTB utilizavam V8 e os Pumas (brazucas) utilizavam os V12.
      Claro , tambem acho os Pumas muito mais bonitos que as 275.
      Voce tem toda a razao
      Um forte abraco!

      Excluir
  7. Anônimo09/12/13 13:25 Esse "rei" do camarote mas parece um bobo da corte,mais uma invenção da "midia" .

    ResponderExcluir
  8. Fazendo as devidas adaptações e interpretações, o segundo o autor só presta mesmo a F40 e as demais que usaram tal mecânica. LaFerrari não teve o que criticar e falou do visual do carro, 458 do ronco, 360 e 430 foi por conta dos donos, a Dino por não se chamar de Ferrari, a 575 foi para fechar a lista com um nome qualquer e a California pelo visual...

    Resumo do texto: quero chamar atenção e por isso vou atirar para todos os lados. É, porque deixar de gostar de um carro por causa dos donos seria o mesmo que não tomar sorvete porque sua sogra também toma, ou deixar de pegar o elevador do prédio pois o seu vizinho barulhento e insuportável também o usa.

    Já li textos melhores seus JJ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não consigo entender essas críticas! Ora, o acesso é gratuito. Ler é facultativo. E mais, o tema são carros. Existe dedicação dos editores para falar sobre o que nos empolga. Essa crítica é muito injusta e egoísta. O autor doa esse tempo para nós. Gratuitamente. Ele poderia estar ocupado com atividades pessoais, mas está contribuindo para a nossa cultura. Reflita um pouco, sob este prisma.

      Excluir
    2. Paulo Freire,
      desculpe se você não admite críticas aos modelos Ferrari, mas é o que eu penso e não foi para atirar para todos os lados.
      Obrigado pelo comentário honesto.

      Excluir
    3. JJ,
      não é uma questão tão trivial quanto não admitir criticas, e sim admitir críticas fundamentadas. Olha de novo o que você disse sobre a 575: "Vejam, o teto rígido sai de trás, gira para frente e cobre a cabine. Se estiver chovendo forte, a água que cai na parte de dentro do teto vai ajudar a molhar os ocupantes.". Ou seja, o cara vê que as nuvens estão carregadas, que os carros em sentido contrário estão vindo molhados, que obviamente à frente há uma tormenta e ainda sim só deixa para fechar o teto quando tiver CERTEZA que realmente está chovendo, quando estiver ensopado, aí sim ele vai "armar" o teto, afinal, está chovendo!

      E sobre o Dino: "Uma violência com um carro magnífico, mas que tristemente, foi chamado pela própria fábrica de “quase Ferrari”". Quer dizer se ele se chamasse "Ferrari lixo" não teria problema, desde que tenha o nome e símbolo da Ferrari na carroceria? Sério? Desgostar de um carro só porque ele foi adotado como uma sub-marca?!

      Que tal falar da Mondial, um lixo ridiculamente feio, com desempenho pífio que tinha como vazamentos um item de série? Ou dos primeiros cambio automatizados que precisavam de uma embreagem nova caso se arrancasse com força algumas vezes e tinham muitos trancos nas trocas? Aí sim seria um bom motivo para críticas, não condenar bons carros pelos seus donos...

      Excluir
    4. Perfeito Nicolas, os escritores desse blog são praticamente Deuses da literatura automotiva e nos escrevem de graça, assim como você e demais membros tenho profundo respeito e admiração por esses entusiastas.
      O bronco aqui tinha que ser eu que sou carreteiro e tenho pouco tempo para aprender.

      Excluir
    5. Nícolas,
      me diz onde está escrito que eu só posso falar bem do que escrevem? Eu não vi em lugar algum essa obrigação. E de fato não tenho. Se eles dedicam seu tempo a escrever aqui, fazem por livre e espontânea vontade. Se escrevem o que querem, tem de estar dispostos a ler o que não querem, não é só de elogios e tapinhas nas costas que o mundo gira, e se não entendeu meu comentário, procure por "crítica construtiva" no Google.

      Excluir
    6. Seu comentário foi desnecessário e indelicado. Não está escrito em lugar nenhum que se não se puder falar bem de alguém ou de alguma coisa, é melhor não falar nada, mas é assim que pessoas educadas agem. Esse foi foi seu último comentário no AUTOentusiatas.

      Excluir
    7. paulo freire, tua casa caiu.

      Excluir
    8. chora otaku

      Excluir
    9. Não manda o Paulo Freire embora, senão ele vai gastar todo o tempo dele lá no Jalopnik (em breve Flatout) enchendo o saco nos comentários... Gente mala é assim, todo mundo tem que compartilhar, senão fica impossível para um só aguentar!

      Excluir
    10. Sério Bob? Na boa, a fama de "querer chamar atenção" precede o JJ e o comentário do Paulo, na minha opinião não foi ofensivo.O texto começou bem, mas depois como dito acima "já vi textos melhores do próprio Juvenal" e concordo parcialmente com a visão dele sobre estes carros.

      Quanto à tréplica, é natural as pessoas não reagirem bem às críticas, o Paulo não parece ter perdido a linha a ponto de ser expulso do espaço.

      Não fiz este comentário para ser aprovado, somente para expor o que penso, pois acredito que você leve em consideração a opinião dos seus leitores.

      Excluir
  9. Vocês já sabem bem por quais tipos de carros eu trocaria cada um desses aí. Se não existisse a Ferrari, podem apostar que meu mundo não caia, como o da Maysa, he, he!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nao te entendo voce nao gostar de Ferrari ???
      Porque voce nao gosta de Porsche ? Lamborghini? Maserati ? Lotus?
      Viva os carros esportivos!

      Excluir
    2. De modo geral, gosto muito mais de Porsches, Maseratis, e Jaguares, mas realmente, decididamente, nenhum super-hiper-mega-ultra-baita esportivo faz minha cabeça, ou me faz perder a cabeça, he, he! E quanto mais metido a foguete, alcançando velocidades fora da realidade até para uma autobahn, menos eu gosto. Isso nem é feito para gente comum dirigir. Para voar, eu comprava um avião. Me deem um Veyron, um Veneno, ou coisa que o valha, para ver se eu não saio na hora (e nem saio nele) procurando quem tenha um "transatlântico" americano dos anos 50 "daqueles", em absoluto estado de conservação e originalidade, e queira trocar comigo. Ou então vou até uma concessionária Mercedes ou Audi, e dou em troca de um Classe S ou Audi A8 0km.

      Excluir
    3. Mr. Car
      Essa de citar a canção "Meu mundo caiu", da Maysa, foi demais! Perfeito!

      Excluir
    4. Pois é, Bob: ainda bem que não sou do tipo que cita funkeiros e rappers, he, he! Rapaz, quando penso que uma terra que já deu ao mundo um Cole Porter, um Jerome Kern, os irmãos Gershwin, Sammy Cahn, Johnny Mercer, Richard Rodgers, Irving Berlin, Oscar Hammerstein II, e tantos outros, hoje produz rappers e seus lixos... Tem uma frase (aliás, duas) do Paulo Francis que eu adoro: uma é "Uma das coisas chatas de se morrer, é não poder mais ouvir Cole Porter". A outra é "O mundo, de certa forma, acabou nos anos 50".
      Abraço.

      Excluir
    5. O mundo, de certa forma, já tinha acabado na Grécia Antiga, fato também conhecido como "a decadência do Ocidente".

      Excluir
    6. Eu digo que mesmo que tivesse dinheiro suficiente, não teria uma Ferrari. Exceção à essa minha regra é a FF, que parece um carro normal. Mesmo em relação às outras marcas de esportivos em geral: Entre Porsche, Lamborghini, Maserati, Bugatti, entre outras, só me sinto realmente atraído pela Maserati Quattroporte.

      Excluir
    7. Decididamente entusiasmo por carros e entusiasmo por velocidade são coisas paralelas. Talvez a minha por velocidade seja maior que por carros.

      Mr. Car, respeito sua opinião, mas cada um no seu tempo, existe Rap de excelente qualidade principalmente no Brasil, aliás respeitado no mundo todo.

      Quanto aos carros extremos, realmente não são pra qualquer um, exemplo tivemos com o ator do famigerado filme Velozes e Furiosos e seu amigo, que faleceram recentemente.

      Excluir
  10. O JJ falou tudo. Impecável. Não tenho e nunca tive vontade de ter uma Rossa. Apenas uma habita meu imaginário, de verdade, e das possíveis de compra.
    Uma 355, pretinha, com bege. Linda!!!

    ResponderExcluir
  11. Listas são sempre divertidas, e cada pensa como quiser.

    Mas Juvenal, pelo Amor de Deus, não tente ser MAO. Péssimo texto no início, tentando ser engraçado, irônico e não sei mais que figura de linguagem vc TENTOU (mas não conseguiu) usar.

    Volte aos textos simples, aos carros estranhos, patinhos feios, bizarros e/ou esquecidos que você tanto curte, pesquisa e escreve sobre. Mas sem arroubos literários, por favor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deixe ele escrever sobre o que quiser e da forma como entender ser a melhor.
      Eu gostei do texto, embora nao concorde com muitos os carros que estao na lista!
      Eu gosto do JJ

      Excluir
    2. Anônimo que critica meu texto,
      não tentei nada além de deixar meus pensamentos sobre carros que a maioria idolatra, a meu ver, pelos motivos errados.
      Se você não gostou do texto logo no início, poderia ter parado por ali mesmo.
      Grato por ler até o final.

      Excluir
    3. Para ver como são as coisas, eu já achei o texto bacana, com humor no ponto certo.

      Excluir
    4. Anônimo 09/12/13 14:18 quem é vc para dizer como ou o que o JJ deve escrever??? Se não gostou do texto diga em que aspectos, diga no que discorda, no que concorda mas não tente reprimir a liberdade ou mudar a ideia do autor.....

      Excluir
    5. JJ, também acho que você mandou bem na abertura do texto, aliás gostei mais do que a crítica sobre os modelos, pois concordo parcialmente com o que escreveu na maioria dos casos. Sds

      Excluir
  12. Nem de Ferrari eu gosto, mas devo comentar uma frase sua do início do texto: Esposas e Ferraris tem tudo a ver uma com a outra: Ambas tem um custo de manutenção extratosférico frente ao uso restrito e esporádico que se faz delas... O custo-benefício é ridículo de tão caro (em ambos os casos).
    Klaus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cliente de meretrizes17/12/13 15:03

      Detected! rs

      Excluir
  13. Acho a 612 totalmente sem graça e esse teto da 575M é uma daquelas coisas que a gente não sabe se ri ou chora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu choro , pois nao tenho dinheiro para comprar uma e muito menos mante-la !
      A realidade é dura....

      Excluir
  14. Seu eu tivesse pago mais de 1 milhão de Dilmas em qualquer um desses modelos, deixaria de acompanhar esse blog depois desse post. Mas como eu não tenho nenhuma delas, continuo por aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu se tivesse qualquer uma delas nao iria me importar com essa listagem nem com que os outros pensam....
      Iria curtir meu carrao

      Excluir
    2. Felipe, - Carros do Portuga,
      você precisa se ater às suas preferências, independente do que pessoas achem ou não achem.
      Grato pelo comentários.

      Excluir
    3. Caro Juvenal, meu comentário foi uma simples brincadeira, nem leve a sério. Só me imaginei com uma 458 na garagem e ler que parece uma fantasia do Clovis Bornay.
      Acho que seu post foi muito bem escrito, com o bom humor que sempre tem nesse blog e torna a leitura mais prazerosa.
      Seria interessante se continuassem essa série com outras marcas.

      Excluir
    4. Felipe,
      ok, sem problemas. Sim, o assunto é interessante. Pretendo escrever mais nessa linha.
      Obrigado.

      Excluir
    5. Rachei o bico com "a fantasia do Clovis Bornay" também... kkkkk

      Excluir
  15. JJ,

    Fiquei surpreso ao ver vários modelos que estão entre os meus favoritos na lista. Mas essa é a beleza da diversidade de pensamentos.
    Com relação ao modelo 575M Superamerica, ele é a versão aberta do 575 M Maranello. A versão conversível do 550 Maranello é o 550 Barcheta Pininfarina, que na minha humildo opinião é um dos mais belos desenhos já feitos pela Pininfarina

    ResponderExcluir
  16. Nunca pensei que leria um post assim neste blog. Condenar carros por aparência? Por serem barulhentos?
    Na boa, carro tem que me entusiasmar quando anda. Estilo é secundário. Cara, quanto recalque! Se tivesse sido postado em um site feminino, talvez fizesse sentido. Talvez.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depois desse post até o Papa vai excomungar o JJ !
      Sao Pedro e o Comendador Ferrari aguardam, esse colunista, na porta dos céus!

      Excluir
    2. Matuck,
      então me diga quantos clientes de Ferrari não compram por aparência para sabermos o quanto ela é ou não fator de escolha.

      Excluir
  17. Post desnecessário, superficial, chato de ler, papo de butequim bem ralé, vou rever meus conceitos, desde 2009 leio todos dias os posts nesse blog, a partir de hoje não sei.

    Leonardo Pastori

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leonardo Pastori
      Seria bom você resolver se continua a ler o blog ou não. A dúvida é atroz...

      Excluir
    2. Leonardo Pastori
      Texto bem humorado.... Esse tipo de lista é como língua: cada um tem a sua e fala o que quer.
      Eu nao concordo com alguns dos carros citados , mas cada um pensa de uma forma.
      Deixe de ser indeciso e defina-se por continuar prestigiando o blog.

      Excluir
    3. Leonardo Pastori,
      então seu problema não foi o texto, e sim a crítica aos Ferrari.
      Obrigado pelo comentário honesto.

      Excluir
    4. kkkkk... O Bob foi sarcástico quase na medida. Faltou só dizer que estamos aguardando ansiosamente a posição dele.

      O objetivo do texto é, está bem claro isso, entretenimento. Afinal de contas não é nem todo dia que estamos com vontade de saber qual é o pistão que dá pra adaptar no motor do Marea 24v. Por mim tá safo, JJ! Gostei do texto.

      Não sei se é porque talvez seja a única que eu possa pensar em fazer uma loucura de comprar (preparando os bolsos pra vender perdendo uma boa grana, e sem ter condições de manter), mas meu Ferrari favorito é a simples e magnificamente bela F355. Aquela berlineta me cativa!

      Falando nisso, vamos todos comprar a mega-sena da virada. Quem sabe um de nós ganha e coloca na garagem aquele sonho já que estava enchendo de teia de aranha nas prateleiras desejos?

      Augusto Sousa

      Excluir
    5. JJ e Bob, peço desculpas pelas palavras desrespeitosas. Continuarei lendo o blog pois é uma das poucas vezes que me decepciono com um texto do AE. Depois que mandei o comentário me arrependi, mas como foi um ato passional, peço que me dêem um desconto.

      O problema foram as comparações, eu senti uma acidez tipo Jeremy Clarkson que não soou natural. Não com o JJ, o cara que escreveu sobre simples pneus para uma peruinha Peugeot com tanto entusiasmo (
      http://www.autoentusiastas.blogspot.com.br/2013/10/a-felicidade-e-circular-preta-e-vazada.html )

      Ou então eu não entendi a moral do texto.

      Leonardo Pastori

      Excluir
    6. Bem vindo os textos que saem do óbvio e do lugar comum. Na minha opinião (tão criticada outrora pelos "anônimos"), este é, justamente, um dos grandes diferenciais neste blog.

      Leo-RJ.

      Excluir
    7. Leonardo Brito
      Sem problema, você continua bem-vindo ao AE. Às vezes nos excedemos mesmo ao escrever, mas sem dolo, seu caso.

      Excluir
  18. Lorenzo Frigerio09/12/13 16:45

    Nunca vi o JJ falar tanta bobagem... parece até o Lobão ligando a metralhadora giratória para falar de política... e já começa partindo do princípio que as pessoas só fecham a capota da Superamerica quando chove, e mesmo assim no momento exato depois que começou a chover. Está na cara que esse é um carro feito para ricaços da Califórnia, onde o tempo está sempre lindo. E fico por aqui para não gastar meu teclado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lorenzo
      Não exagere...[:-)

      Excluir
    2. Lorenzo
      Voce e o JJ sao muito ácidos!
      Dois bicudos nao se bicam...
      Deixe de ser azedo!

      Excluir
    3. Não sei... acho que em se tratando de Ferrari, pode-se gostar muito ou nem tanto, mas não dá pra dizer que são feias, exageradas, etc. Pra mim, basta ouvir o motor dentro do carro e nem lembrar de como é por fora! Acho que sou mais entusiasta da mecânica do que do estilo.

      Excluir
    4. Lorenzo Frigério,
      não parti de nenhum pressuposto, apenas me ocorreu a cena insólita.
      O Lobão é ótimo quando critica os políticos, afinal, não mente como eles.
      Grato pelo comentário.

      Excluir
  19. Achei interessante sua lista JJ ,existem Lambos e Porsches que não gosto numa visão geral dos carros .Vale a critica com coerência e inteligencia ,sempre .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Speedster,
      também há Porsche e Lamborghinis que não gosto. Exemplos: Boxster e Diablo.
      Toda marca tem seus problemas.
      Grato.

      Excluir
    2. Como você não gosta do Diablo, JJ?? Ela é "praticamente" a F40 das Lambos... rsrs

      Excelente texto, pra variar JJ. Parabens !!

      Excluir
    3. Não gostar da Lamborghini Diablo é um sacrilégio ao entusiasmo automotivo! rs

      Excluir
  20. Falando em 275, não é exponente em beleza, mas ouçam esse motor. Dá pra sentir que nasceu só pra girar, mesmo.

    http://www.youtube.com/watch?v=Xfty8MSPtiY

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcos Alvarenga,
      exato, o som é maravilhoso, como de quase todo Ferrari. Mecanicamente são ótimos, sempre.

      Excluir
  21. 612 Scaglietti é muito bonita!
    Especialmente se for azul mirabeau, mecânica, com interior claro e rodas estrela.
    Um verdadeiro grã-turismo: V12, sóbrio e confortável.


    http://www.carandclassic.co.uk/car/C450257#

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. EBG,
      como escrevi minha opiniões, entendo a sua, mas eu acho o 612 muito feio mesmo.
      Obrigado.

      Excluir
    2. Enzo Ferrari10/12/13 17:13

      A ferrari é tão feminina, que lançou a LA Ferrari, se fosse um carro "macho" seria EL Ferrarón, ou algo assim.....

      Excluir
    3. Enzo Ferrari10/12/13 17:21

      A 612 lembra muito o Ashton Martin do 007, então não tem como não ser um carro legal. Reveja seus conceitos, JJ!!!

      Excluir
  22. Se eu tivesse bala para tal, meus carros seriam um Porsche 911, um Mustang (Ou Boss 302 Laguna Seca ou Bullit) e uma Audi Avant RS6..... ah, gosto muito dos sedãs BMW, principalmente dos da divisão M....
    Lambo: não gosto do design, talvez muito agressivo para mim
    Bugatti: é uma jóia sobre rodas, um verdadeiro trabalho de engenharia, mas... chama mais a atenção pela mecânica do que pela beleza..
    Ferrari: têm um que eu gosto muito, é simplesmente lindo, puro e simples e a própria fábrica não o chamou de Ferrari.. Dino

    ResponderExcluir
  23. Senhor J.Jorge adorei sua postagem sobre defeitos e qualidades desses bólidos que só um entendido no assunto como vc e seu time de entusiastas pode detectar o que outros não veem. Tenho 530 revistas de literatura automotiva e digo com toda a autoridade que nunca aprendi tanto como agora depois que descobri esse blog de vocês. Por favor amigos comentaristas, tenhamos respeito e admiração a esse time de entusiastas que de graça nos escrevem essas maravilhas com tanto carinho. Estou profundamente chocado e triste, lamentável.

    Parabêns Sr J.Jorge e obrigado pelos detalhes técnicos que nos passou.

    ResponderExcluir
  24. O JJ levantou de mal humor e desceu a madeira em alguns modelos de Ferrari
    Mas a lista esta interessante e bem embasada dentro dos critérios pessoais do autor
    Doravante nao concordo com alguns modelos citados
    Mas acho ue em vez de criticar cada um poderia citar aqui sua lista de Ferraria mais e menos desejadas

    ResponderExcluir
  25. O que tem haver quem é dono do carro com o carro em si?

    Deixar de gostar de um carro por causa disso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que tem muito a ver. Há uns 15 anos atrás eu via os Rolls-Royces nas revistas e em filmes. Os Silver Spur e Silver Spirit totalmente pretos com aquele interior de couro claro carregando alguém de muito sucesso, que aparentava ser muito inteligente e sofisticado. Nos meus sonhos de adolescência eu queria ter um Rolls daqueles e ser como aqueles caras.

      Agora eu ligo a televisão e tá passando um clip de rap, o cara se vangloriando de ter muita grana e mostra aquela atrocidade, aquela coisa literalmente odiosa que é o Phantom, om rodas imensas e pintura preto-fosca. Eu não quero um desses, e muito menos, quero ser como esses rappers (também não quero ser como os jogadores de futebol, nem pagodeiros e nem reis do camarote)

      Excluir
    2. Danilo, cuidado com o preconceito! O Rap é compromisso, não é viagem! Se pá fica esquisito!

      Excluir
  26. Luciano carreteiro,
    obrigado pelas palavras. Continue por aqui, gostamos muito de ter muitos leitores e opiniões de todos. Não se preocupe com as críticas a mim ou a qualquer outro.
    Saudações.

    ResponderExcluir
  27. Nunca gostei de faróis escamoteáveis, mas eu gosto da F355.

    ResponderExcluir
  28. Engraçado...Quando vi esta lista, tinha certeza que ia aparecer a Mondial; um modelo que pelo que já li, pouca gente aprecia...

    ResponderExcluir
  29. Rodolfo Flesch10/12/13 01:16

    Não sou do tipo que comenta todos os posts, mas admito que gostei muito desse texto JJ! Tem que ter muito peito pra falar mal de um renomado fabricante de automóveis. No meu ponto de vista, os Ferrari são esplêndidos mecanicamente e tecnicamente falando, mas são mal vistos por mim: Apesar de estarem dinamicamente cada vez melhores, os Ferrari são cada vez menos usados com objetivos autoentusiastas. Hoje qualquer imbecil com muito dinheiro compra um carro desse pra causar e se auto-promover..Não que as outras marcas não tenham os imbecis de carteirinha, mas como Ferrari é Ferrari, as chances de ter um imbecil e não um legítimo autoentusiasta ao volante são sempre grandes num carro moderno (leia-se novo, afinal imbecil que se preze só quer aparecer com o carro recém lançado) da marca do cavalinho. Se eu tivesse bastante dinheiro para ter um esportivo de verdade, escolheria um Ferrari mais antigo, pelo menos uma geração anterior à que tem cambio automatizado; ou escolheria um esportivo de outra marca, "menos chamativa". Enfim, faria qualquer coisa para não ser confundido com um promotor de "Statts", que quer agregar, se tu me entende.
    Sobre os carros da lista, as opiniões são pessoais, mas confesso que ri muito com a história do conversível!
    Abraço,
    Rodolfo Flesch

    ResponderExcluir
  30. Juvenal, muito bom o texto, parabéns.
    As Ferraris (tá, OS Ferraris...) são carros pro rei do camarote ou o Tatuado ou uma viadagem dessas aí. Não é pra ser bonito. É pra ser exótico! Aparecer!
    Creio que eles, os reis do camarote, saibam dirigir com tanta potencia sim, afinal, os Ferraris ja estão cheios de eletrônica controladora (presumo, não leio muito sobre os Ferraris).
    Tens uma legião de críticos péssimo educados aqui hein! Créditos para quem defende seu ponto de vista, mas ataque gratuito não faz sentido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thiago, por mais escroto que o tatuado seja, ele é piloto de uma categoria X... Não é leigo. Só pra saber, cultura nenhuma, não chega nem a ser inútil.

      Excluir
  31. O 360 que bateu no Corcel pertence ao dono de uma empresa de carrocerias de Cascavel. Eu trabalhava na época e vi o carro chegando no guincho na empresa. E teve outro episódio de câmbio quebrado em Camboriú.
    Patético.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diz a lenda que o culpado da história com o Corcel foi o Ferrari, mas o dono do Ford já saiu berrando "cada um paga o seu! Cada um paga o seu!" kkkkk
      É aquele cidadão sem camisa que aparece na foto.

      Excluir
  32. JJ,
    De todos os Ferrari da lista, o único que realmente torço o nariz é o modelo LaFerrari. Como você mesmo disse, esse nome é piada pronta, além de não ser nem um pouco entusiástico...

    O que realmente me entristece é que atualmente são poucos os que admiram os esportivos puros, o que leva os fabricantes tradicionais (como a Ferrari) a adaptarem seus modelos à preferência daqueles que só querem mostrar aos demais que têm poder para comprar um puro sangue, sem nem ao menos se interessarem em tirar proveito da máquina fenomenal que têm em mãos.

    E me diverti muito ao imaginar a cena do sujeito tomando uma ducha ao fechar a capota do modelo 575M Superamerica! Improvável, sim, mas totalmente possível.

    ResponderExcluir
  33. Meu encanto pela marca veio diminuindo à medida em que os carro dessa marca começaram a aparecer em clips da MTV... E o ápice da broxada ocorreu quando vi numa reportagem o tal "Boninho" entrando em um monstrengo 458 Itália... Ou seja: deixou de ser carro de entusiasta para ser carro de celebridade. Nesse ponto, assino embaixo do que foi escrito acima!
    Foi aí que descobri que Ferraris não são mais o topo da cultura automotiva. Ter um não significa almejar desempenho, design instigante, etc, mas sim, a 1ª página de revistas de "gente".
    Bem, acho que os amantes do automóvel hoje em dia se encontram em clubes, fóruns, track days, toda e e qualquer reunião despida de holofotes, mas rica em paixão por carros. Seja no clube Volkswagen, Honda, ou no meu caso, Alfa Romeo. Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bobagem! Esqueceu da Ana Maria acabando com a embreagem do seu Porsche? Na minha opinião é tudo recalque. É só ver UMA Ferrari na rua, que vocês clicam no MUTE do som pra se derreter! VAI DIGA QUE EU ESTOU VIAJANDO! É só o dono dar uma aceleradinha na sua 458, que vocês abrem um sorriso que rasga as orelhas! rs... Entusiastas BOBOS! Que somos... rs

      Excluir
  34. Igor Bastos10/12/13 08:30

    Não concordo com algumas visões do JJ com relação ao texto mas as respeito. A Scaglietti realmente é sem sal. Já vi de perto uma prata e, sem exagero, que carro sem emoção.

    ResponderExcluir
  35. As pessoas confundem sucesso com dinheiro no banco e uma Ferrari na garagem. Sucesso é você poder comprar uma Ferrari e optar por outro carro, já que o número de cafonas e nó-cegos golpistas que compram Ferrari cresce a cada ano.

    Lembram do elemento que bateu uma Ferrari num evento promocional da marca no Rio de Janeiro? Era um suspeito de praticar estelionato, enviando boletos de cobranças de falsas associações para micro-empresas recém fundadas.

    Há alguns dias li sobre um empresário brasileiro, dono de uma construtora, que acaba de se tornar um bilionário na Forbes - nossa! O cara construiu pombais no Brasil inteiro e as pessoas dizem que ele é um sujeito de sucesso. Sucesso tem aquele cara que construiu uma casa decente, por mais anônimo que ele seja.

    Parabéns pelo teor do post. A Ferrari tem uma áurea de inatacabilidade que precisa ser quebrada, até para que os verdadeiros entusiastas possam curtir seus melhores carros sem o receio de serem confundidos com reizinhos de camarotes.

    ResponderExcluir
  36. O nome da LaFerrari realmente...mas na minha opinião ela vai se tornar um mito. A Califórnia é uma das poucas Ferraris que se eu tivesse bala na agulha eu teria por um simples motivo: O modelo é o único com três pedais!!!! O provável último câmbio manual da marca. Só por ai merece respeito rsrsrsrsrs

    ResponderExcluir
  37. Gostar é verbo transitivo indireto, portanto quem não gosta, não gosta de algo ou alguém. Este blog precisa contratar um revisor, pois muitas matérias têm abusado de nossa gramática.

    Soriedem Medeiros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Soridem Medeiros
      EU sou o revisor e me garanto muito bem. Contudo, erros são passíveis de ocorrer e se você encontrou algum, avise, que será prontamente corrigido — se eu concordar, obviamente.

      Excluir
  38. Enzo Ferrari10/12/13 17:17

    Acho que o estilo da F50 ficou datado, ficou muito anos 90....já da Scagletti eu gosto, lembra as Ferraris antigas e um pouco o Aston Martin.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corsário Viajante12/12/13 15:07

      Ia comentar justamente isso, a Scagletti tem um visual que me agrada muito por ser mais "carro" e menos "super", ou seja, não tem aquele visual "nave espacial" cada vez mais comum nos super-carros, vide LaFerrari.

      Excluir
    2. 612 e 575 são lindas! JJ está de sacanagem!

      Excluir
  39. Impressionante a quantidade de comentaristas aqui presentes que não aceitam opinião diversa. E ainda tentam fazer o autor mudar de opinião.
    Caramba, ele só expôs uma opinião dele, não uma verdade absoluta. O título do texto é "DEZ FERRARIS QUE NÃO GOSTO", assinado: JJ. É o que ELE pensa e porque assim pensa. Eu posso achar diferente, vc diferente de mim e dele, você quarto pode achar diferente do JJ de mim e do outro....
    Mas aí vem uns cabeçudos aqui dizendo que o autor não pode pensar assim e q tem q pensar como eles....
    francamente minha gente, vamos crescer.

    ResponderExcluir
  40. Anônimo,
    obrigado pela explicação simples e correta.

    ResponderExcluir
  41. Quem faz o carro é o dono. Deixar de ter ou de gostar de um carro por causa de alguns de seus supostos donos, não tem nada a ver.

    ResponderExcluir
  42. Lucas Freire11/12/13 10:44

    Eu NUNCA achei ferraris isso tudo, mesmo quando criança, quando todos tinham posters de ferraris eu tinha de lambos, bmw's etc. Ferrari é um carro que nem que fosse rico teria, não acho nem achei isso tudo.
    Tenho vontade de dirigir um Ferrari um dia, mas comprar acho q não, com a grana de uma alugava um aston ou algo parecido e ia pra Spa me acabar,rss

    ResponderExcluir
  43. Anônimo das 10:44,
    não sei para quem foi seu comentário, mas escrevi sobre os carros que não gosto. Os donos, não conheço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Citou sim o rei do camarote (estereótipo) ou mesmo o tatuado (ridículo, diga-se de passagem!)

      Não fuja da raia JJ! rs

      Excluir
  44. JJ, sei que você gosta da FXX e da Enzo (vi no post das Ferraris que você gosta) mas eu acho as duas horríveis e se tivesse que alterar a lista atual tiraria a Dino e colocaria a dupla Enzo/FXX. Outras que poderiam ser incluídas nessa lista é a Testarossa 1984 e a Mondial com seu estilo quadradão.

    ResponderExcluir
  45. Ganhei o dia! Me diverti muito lendo o texto e depois, mais ainda, lendo os comentários...

    ResponderExcluir
  46. Anonimo que tentou passar um pito no MFF, bem se vê que você não o conhece.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alguem que "entende de carros" e nao saber que os Ferrari 275 sempre utilizaram V12!
      É aquela história da propaganda: Todo brasileiro é apaixonado por carros!
      Temos ai mais um exemplo de brasileiro apaixonado por carros.

      Excluir
    2. Realmente, primeira saia justa do MFF que vejo aqui. O preço do chute...

      Excluir
  47. Como se sabe, este artigo do AutoEntusiastas é opinativo, sobre impressões pessoais. Liberdade de expressão.
    É sempre há opniões divergentes: uns elogiam, outros desgostam.

    "Ferrari 458 Italia, o som metálico de um V-8 de Maranello é algo divino."
    http://www.autoentusiastas.blogspot.com.br/2009/09/lista-com-nexo.html

    "Mas não me emociona, não me deixa louco para ganhar na Mega-Sena e sair correndo para a loja, não está na minha wish-list, não são prodígios de engenharia automotiva no nível que deveriam, pela celebridade que a marca possui e, pior, pelo preço cobrado."
    http://www.autoentusiastas.blogspot.com.br/2009/08/458-italia.html

    "Of course, any observations about the Ferrari 458 Italia’s styling are entirely subjective but, in our office, the consensus is that it marks a return to sensational-looking Ferraris."
    http://www.autocar.co.uk/car-review/ferrari/458/design

    "If you sit in the F430 and then step into the 458 Italia, it feels as though you have skipped two generations of Ferrari, rather than one. Everything in the 458 feels modern and exudes a sense of handcrafted workmanship that was missing from its predecessor."
    http://www.autocar.co.uk/car-review/ferrari/458/interior

    "The all-new 458 Italia — the replacement that goes on sale in the U.S. in June — isn't available with a conventional manual transmission. Sacrilege? To some, yes. But to Ferrari, it's only natural. After all, less than 1 percent of F430s were sold with a manual gearbox.
    More important, Maranello insists on employing whatever standard equipment is necessary to keep this Ferrari at the top of the performance heap. That's why carbon-ceramic brakes are now standard. And yes, it's why the 458 is fitted with the new twin-clutch 7-speed manual transmission, whose lightning-fast and error-free paddle shifts greatly reduce lap times around the Fiorano test track."
    http://www.roadandtrack.com/car-reviews/first-drives/2010-ferrari-458-italia?click=main_sr


    Também todos sabemos que qualquer carro moderno é construído racionalmente, inclusive sobre o ponto de vista contábil.
    Não há mais espaço para "o artista", o talento inspirado.
    No caso da 458, o desenho externo é repleto de funcionalidades (não se inspiraram no Caddy 1959!!!).
    Dirigir uma 458 em cidades como SP? Só para quem quer e pode se mostrar, não se importando em aproveitar os detalhes do carro. E cercado de carros escolta!

    Não tenho muito apreço por Ferraris (nem dinheiro para comprar nada, desta marca, maior que uma miniatura na escala 1:24!), mas respeito a tradição que eles carregam (consciente de que eles não estão nem aí para o que eu acho!).
    Mas em termos de inspiração e ousadia, em terras italianas, sou mais a Lamborghini. Na minha infância, o Miura era O carro esporte.

    No final, alguns comentários aqui sempre nos divertem!

    ResponderExcluir
  48. Discordo quanto à chamar as Ferrari como se fosse no feminino, pois elas são como damas italianas, assim como as Alfa Romeo, Lancia, Lamborghini...

    ResponderExcluir
  49. Marco Antonio
    Acho que você quis dizer 'como se fosse no masculino', certo? Tendo certeza de que sim, Ferrari e outros podem ser como damas italianas, mas não são, e sim automóveis, carros, gênero masculino em português. Você diria 'a automóvel, uma automóvel, uma carro? Estou certo de que não.

    ResponderExcluir
  50. LeandroL46101/01/14 19:21

    Quanto ao post: Eu poderia posar de entusiasta da marca e tecer uma crítica a cada modelo embasada em pesquisas no google, porém eu nunca me senti atraído por Ferraris, nunca tive interesse em pesquisar sobre elas e sinceramente não sei a diferença entre uma 458 Italia, uma 275 GTB e uma F40 (fora o visual, claro).

    Aproveitando que estou falando disso, quero falar sobre os comentários. É uma coisa que eu nunca entendi essa mania das pessoas de colocar algumas coisas em um pedestal ou atirar no lixo e por serem maioria não concordarem que os outros tenham opiniões divergentes, eu vejo esse tipo de comportamento quando leio comentários não só discordando das opiniões, mas rebaixando o texto e o autor por ter uma opinião divergente, não duvido que alguém pense que o JJ é "recalcado" e só fala porque não pode comprar (é outra coisa que me irrita, essa linguagem de meretriz em que recalque quer dizer inveja e não o seu significado correto).
    Enfim, eu acho que poderíamos ser mais tolerantes com as opiniões das pessoas e discordar sem atacar a pessoa ou a forma que ela se expressa (sim, se estiver errado deve-se corrigir e ensinar, mas sem ataques ou ofensas).

    No mais, quando eu tiver dinheiro sobrando tragam-me um sedan grande, potente e que tenha não uma montanha, mas uma cordilheira de torque que ficarei feliz.

    ResponderExcluir
  51. Ezequiel

    Concordo com todos, exceto no F-50. Pra mim o mais belo já feito até hoje. A traseira é linda, a frente parece uma víbora te encarando e de lado uma morenaça bem elegante... o ronco é um dos mais lindos. Só fico em dúvida entre ele e o do F-355 Berlinetta.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.