UM E-TYPE NO SPA

O série 1 que o autor "curtiu" no verão de 2009 em Midway, Utah durante os dias suíços.

Como alguns de vocês sabem, sou grande entusiasta e admirador da Jaguar. Quando novo, apreendi muitos sobre esses carros, e tive o privilégio de andar em todos, incluindo o primeiro carro que Sir Lyons fez o SS-1 (antes de se chamar Jaguar). Quando há a oportunidade de matar a saudade com um desses felinos não penso duas vezes. Além de tudo, o Jaguar XK120 foi a inspiração que resultou no Corvette.


O Jaguar E-Type é talvez um dos designs automobilísticos mais belos já criados. Inspirado nos carros de competição C-Type, D-Type e no raro e belíssimo sobrevivente XK-SS, o E-Type tinha como missão ser um grand tourer de dois lugares com versões conversível e cupê.

O XK-SS que foi de propriedade de Steve McQueen e hoje é cuidado pela Microsoft.

Para não deixar de mencionar uma curiosidade, ao ver o E-Type pela primeira vez, Enzo Ferrari disse à imprensa: "O carro mais belo já feito." Além de todo o pedigree da marca Jaguar e da aprovação de Ferrari, o carro em si tinha pontos bem positivos a seu favor: era belíssimo, preço acessível frente a seus concorrentes e tinha uma ótima performance. Uma receita que provou ser vitoriosa nos anos 60.

Houve 3 séries na produção do E-Type que foi de 1961 a 1975 antes de ser substituido pelo XJS. A primeira série, ou série 1 foi de 1961 a 1968. Inicialmente viam equipados com carburadores SU (digo pela experiência que são terríveis) e com motor de 3,8 litros 6-cilindros em linha herdado do XK 150. Uma coisa interessante nos primeiros 500 carros construídos foi que eles tinham travas no capô externas e esses carros hoje são os carros de série com maior valor de coleção.

Sir William Lyons e o primeiro E-Type de série em 1961. Notem a trava do capô externo.

Os primeiros carros, além do motor XK de 3,8 litros, vinham equipados suspensão traseira independente com molas helicoidais, freios a disco (poucos carros tinham essa invencão da Jaguar na época) e câmbio de 4 marchas sem sincronização na primeira.


O E-Type série I (1961 a 1968) pode ser facilmente indentificável por ter faróis com cobertura, escapamento duplo abaixo da placa, lanternas traseiras e sinalizadores de direção acima do para-choque e uma pequena abertura "boca" de radiador. Na minha opinião é a série mais bela e pura do E-Type. Como podem ver, na foto, esse E-Type drophead é um série I.


Na série II (de 1969 a 1971) o carro difere estéticamente por fárois abertos sem cobertura, para-choque traseiro envolvente, sinalizadores dianteiros e lanternas traseiras posicionados abaixo dos para-choque e uma boca de entrada de ar maior com um radiador com duas ventoinhas elétricas que foi uma lição apreendida com os clientes da ensolarada Califórnia. No série III (1971 a 1975) tivemos a triste introdução do motor V-12 que viria equipar o sucessor XJS, os chassis eram maiores para acomodar o layout 2+2 de bancos, rodas e pneus modernos e lanternas diferenciadas. As versões americanas tinham horrendos borrachões de proteção nos para-choques cromados.


Mas voltando ao carro tema desse texto, não há nada mais prazeiroso que guiar um série I com o ronco do motor XK em 6-em-linha, o cheiro de óleo misturado com o couro Jaguar. Na minha opinião a melhor versão do E-Type foi a drophead, os cupês me agradam apenas na série I e mesmo assim acho que o desenho mais harmônico é do conversível. O dono, descobrindo meu passado com Jaguar, pediu para que eu experimentasse o carro nas ruazinhas de montanha de Midway. Você diria não a um pedido desses? Eu certamente não. Poderia escrever páginas sobre o E-Type mas infelizmente o tempo não permite. Talvez no futuro visite o tema novamente, mas por equanto fica aqui a lembrança do passeio nesse belo série I.


O carro não estava perfeito, queimava um pouco de óleo, os freios não estavam devidamente balanceados, apesar de não estarem gastos, e também tinha alinhamento a fazer. Apesar das belas rodas raiadas knock-off, os pneus eram radiais. Mas o que isso importa, não é mesmo?



Mas que esse carro é belo é apenas pouco para ele.



Nada como brincar com um E-Type por Utah. Além de termos passado o final de semana nesse resort suíço belíssimo, equanto minha esposa curtia o spa, eu estava fora curtindo o tipo de exercício que faz bem para minha alma entusiasta: um belo E-Type como Sir William Lyons tinha planejado. God save the Queen and the Jags!

15 comentários :

  1. Assim tu me matas!!!

    Eu amo o XK-E. Tenho gana de transformar ou coupé séries I num Low Drag Coupé, pra mim o mais belo E-Type já produzido.

    ResponderExcluir
  2. Belíssimo Jag! Conte mais como foi esse passeio (com o carro, pq o Spa não me interessa! hehehe) e as reações do carro.

    Cria-se muita lenda sobre esse carro, queria saber se é isso tudo mesmo! ;)

    ResponderExcluir
  3. Gayeski,

    Um bom resto mod comeca com materias modernos, ie: carroceria de fibra, chassis tubular ou o que for para ser leve. Nao precisa de um original. Inclusive muitas replicas sao melhores que o original, caso da superformance. Com relacao ao outro assunto, um amigo meu aqui da NCRS esta me ajudando a fazer um blog sobre Corvettes. O que vamos fazer e colocar dados tecnicos (chatos) que nao interessam a maioria e nao vale colocar no AE. Ja tivemos criticas por escrever sobre Corvette. Mas o que vamos fazer e ser uma especie de biblioteca em Portugues sobre Corvettes. Tipo, como indenticar o carro pelo numero de chassis em cada ano: que motor tinha, etc. Ja temos todos os dadosdo C3 e logo dos outros. O Blog sera corvettebrasil.blogspot.com

    Artur,

    Entenda que nos anos 60s um carro com freios a disco, suspensao bem dimensionada, leve para a epoca, com um desenho imortal e o final do mundo.

    Se for comparar o XKE com um moderno que comeco bem tipo 911 e Corvette seria um carro ruim.

    Porem como sempre dirigi carros antigos, posso ao menos compara-lo com os carros da epoca. Nesse ponto diria a voce que: sim a lenda e justificavel. O carro era realmente o final do mundo para a epoca. Bem estavel para os padroes em especial fica muito melhor com pneus radias.

    ResponderExcluir
  4. Obrigado pelo depoimento! Vejo o pessoal muito emotivo quando o assunto é carro (alguns exageram muito na paixão), mas o relato foi bem preciso!

    Realmente o que era oferecido ao feliz comprador desses modelos nos anos 60 era o que de melhor tinha à disposição. Salvo engano, a Inglaterra detinha à época os melhores fornecedores de freios.

    Mesmo sendo um antigo meio cansadinho, as reações (e emoções) devem ser potencializadas pelo efeito visual e o teto abaixado.

    Acredito que deve ser uma tarefa ingrata fazer baliza com esse carro, não? hehehe Essa frente deve ficar enorme olhando-se de dentro.

    Abraços e que mais algum "antigo" cruze seu caminho para uma bela voltinha!

    ResponderExcluir
  5. CS

    No caso, gostaria de usar como base o E-type original por manter a aura dele, entende?
    Um dia eu chego lá, só falta $ hehe.

    Sobre o blog é uma baita iniciativa.
    Será referência nacional nem Vette.
    Saber sobre dados, números e códigos de chassi não é assim chato, é simplesmente frio, mesmo assim útil.

    ResponderExcluir
  6. CF,

    O mais legal de tudo é juntar o melhor de dois mundos, tirar essa linguiça estragada que não funciona e a parte eletrica Lucas e meter um small block chevy num carro desses, aí si a diversão será eterna e garantida!

    ResponderExcluir
  7. AG

    Lugar de small block é em GM, não em Jag.
    Se esse linguição fosse tão ruim, não teria vencido tantas corridas mundo afora. Assista Victory by Design.

    Claro, todos nós sabemos que é muuuuuuuito mais barato manter o SB rodando mas tira um pedaço o espírito do carro.

    ResponderExcluir
  8. Motor Chevrolet em um E type?!?!?!
    Isto sim é o fim do mundo...

    ResponderExcluir
  9. Scheidecker,

    Só sendo maluco para não aceitar o "sacrifício" de passar algum tempo com um E-Type série 1!

    Para o Enzo Ferrari elogiar algum carro esporte que ele não fabricasse, tinha mesmo que ser muito bonito.

    AG,

    Gosto muuuuuito do small block chevy, mas instalar num Jaguar E-Type, beira o sacrilégio!!! Os problemas de motor e parte elétrica dos Jaguar fazem parte da diversão... hehehehe!!!

    ResponderExcluir
  10. Carlos,

    Post muito gostoso de ler.

    Aos que não gostaram da ideia do AG, posso dizer que em algumas circunstâncias é o melhor a ser feito.

    Um dia, quando o AG terminar um trabalhinho que está fazendo em segredo, este blog testará um sacrilégio desses.

    PK

    ResponderExcluir
  11. PK et all,

    Obrigado PK. Aqui nos USA e muito facil deixar um motor XK desses redondo. Tem empresas especializadas para isso. Alias tem uma na Nova Zelandia que coloca mecanica de Jaguar moderno nos antigos de forma que fica um resto mod menos pecador. Um dia falo deles.

    ResponderExcluir
  12. Olha, voces que protestam são mesmo é chegados num masoquismo, não adianta ter um carro maravilhoso que não funciona. Alfas e Jaguares infelizmente são assim. Tipo algumas mulheres belas e frescas, que na hora do vamo que vamo estão com dor de cabeça e se trancam no banheiro ou vão para a casa da mamãe!
    Me aguardem, a hora da brutalidade está chegando e voces, leitores deste nosso blog altamente entusiastico serão os primeiros a ver! O espetacular caso do ogro do cerrado com a lourinha alemã bacaninha, aposto que muitos irão adorar!! hahahahahaha

    ResponderExcluir
  13. AG

    Tá falando daquele 944 com um SB?

    ResponderExcluir
  14. Isso, isso isso! Amanhã vou buscar ele e trazer eke oara casa, instalar alternador, bomba da hidraukica e cabo do acelerador e sair para um pequeno test drive.

    ResponderExcluir
  15. AG,mulher DVD,Deita,Vira e Dorme,hahahahahahahaha

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.