PLANO MACABRO DE ESCRAVIZAÇÃO

O André Dantas escreveu sobre a resolução do CONAMA, dos espertos fazedores de leis de nossa pobre Nação, que dá o pontapé final na absoluta inviabilização do uso do carro particular na cidade de São Paulo. O ótimo texto dele está aqui.
Essa inviabilização, entendam bem, é da liberdade de ir e vir em qualquer dia, hora e por qualquer caminho que o cidadão deseje, já aniquilada em parte pelo decreto do rodízio municipal de placas, uma pequena ditadura com a qual convivemos há muitos anos.
Há muito tempo venho observando tudo que me cerca, e as crescentes dificuldades em ser cidadão honesto e que faz tudo dentro dos ditos "conformes": condominio pago em dia, taxas e impostos sem problemas, carros com manutenção decente, filho em escola particular, compras pagas quase sempre à vista, limitando muito o que temos em casa, já que parcelas e financiamentos, além de discursos de gerentes de bancos, me dão arrepios.
Contra essa minha corrente, minoritária eu sei, está a maioria que troca seus bens a qualquer momento e por qualquer motivo. Carros mais novos, com novas cores e emblemas mais coloridos, a "vantagem" do motor flexível em combustível, a televisão de plasma, de LCD, de LED, o celular que fala, escuta, fotografa, filma, manda e-mail, faz o almoço, etc. e um sem número de etceteras.
Voltamos à inspeção veicular de emissões de poluentes.
Os números mostrados pelo André dizem muita coisa, e o advento do carro velho que anda de qualquer jeito já pode ser verificado há muitos anos na periferia da capital paulista. Há uma migração de carros usados que vão ficando baratos, para os bairros e cidades da Grande São Paulo. Um exemplo que tenho bem claro é Ferraz de Vasconcellos, local onde visitava frequentemente. Há cerca de 10 anos, contei num trecho de 8 km entre a casa de um familiar e a rodovia Ayrton Senna, mais de 60 Fuscas, carro que já era minoria em São Paulo. As lojas de usados eram um espetáculo a parte, com todos os modelos que usávamos na década de 80 e 90 à disposição, em vários estados de conservação.
O Plano Macabro.
Pela observação e conversa com pessoas de vários níveis econômicos e culturais, eu enxergo um plano dos governos (municipais, estaduais e federais), obviamente não divulgado, que tem os seguintes tópicos :
1- pão e circo ao povo, para que se alimente e se divirta o máximo possível, e não tenha vontade de se informar nem de estudar.
2- sem informação, permanece-se ignorante, e gera-se descendentes igualmente marginalizados na informação, e sem gosto para o estudo.
3- facilidade para financiamentos de qualquer produto, e temos os planos de dezenas de meses para se comprar um carro novo. Os governos lucram em todas as extremidades dessa cadeia de produção e vendas de carros, passando pelos licenciamentos, inspeções, seguros, multas e tudo mais. Sabe-se que o carro novo é o maior desejo imediato da mairoria das pessoas.
4- facilidade para se conseguir a Carteira Nacional de Habilitação sem saber dirigir, como todos aqui sabemos.
5- insegurança total para a população, através de polícias pequenas em tamanho e equipamento, o que gera mais lucros através de contratação de serviços de segurança para casa, para a rua em que se mora, para o local de trabalho, seguro para casa, para carros, para tudo que se imaginar. Mais lucros para os governos, já que todos esses serviços recolhem impostos.
6- falta de fiscalização completa de preços de serviços como estacionamento, oficinas e similares onde o dono do estabelecimento fatura o quanto quer, sem que ninguém controle ou limite o valor a ser pago.
7- propaganda massiva de aparência de carros, sem fundos de verdade ou explicações técnicas. Faz-se de tudo para despertar a ansiedade da compra baseada em botõezinhos e acessórios muitas vezes inúteis, além de posição de dirigir elevada, e nada é dito sobre qualidade de peças de desgaste, procedência de pneus, amortecedores, ou outros componentes que fazem a alma e a qualidade de um carro.
8- somado a todas essas desgraças, as já comentadas multas e impostos, além dos rastreadores obrigatórios por lei, que no futuro, deverão medir a sua velocidade média em trechos, acabando de vez com o gosto e necessidade de uma maior velocidade do que a imposta pela sinalização. Seja por prazer, ou por motivo de saúde.
O quadro que temos é de cidades grandes cada vez mais entulhadas de carros novos, que pouco poluem, dirigidos por pessoas que mal sabem andar a pé, de motos barulhentas e irresponsavelmente conduzidas, de caminhões fumacentos que não tem caminhos melhores do que cortar essas cidades, de ônibus que entram em espaços onde cabe apenas um carro, de corredores de ônibus que atravancam o deslocamento dos carros, e por aí vai o quadro de infelicidades.
E o povo, se diverte com o circo e come o pão, com seu carro novo na garagem para o vizinho invejar e seu carnezinho na gaveta para pagar.
O panorama do futuro é macabro para quem gosta de carro.
Ou você entra para o rebanho escravo, ou será pregado na cruz dos fiéis ao entusiasmo automotivo.
Que a luz se faça.
JJ

30 comentários :

  1. Juvenal, leu o jornal hoje?

    "Polícia Militar recomenda muro alto em casas na praia"
    http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u673446.shtml

    Coronel Sérgio Del Bel, indicado pelo comando da PM para falar sobre a Operação Verão: "Se for possível, construa um muro um pouco mais alto com grade de proteção, que impeça o acesso. Se houver terreno baldio ao lado, o muro deve ser ainda mais alto, além da tela de proteção, ou uma concertina (rede de arame farpado)."

    Apertando a tecla SAP, temos a seguinte declaração implícita: "o Estado não tem condições de garantir a segurança da população, então é cada um por si e salve-se quem puder".

    Vamos ter que pegar nas armas, não para derrubar o governo, mas sim para derrubar a bandidagem. A que ponto chegamos!

    FB

    ResponderExcluir
  2. Sobre o que o JJ comentou sobre os carros velhos e os "Chevelhos" do Dantas, é uma realidade bem cruel e que a sátira seria cômica se não fosse trágica no blog BIZARRICES AUTOMOTIVAS.
    O posto "Carros de Mano" cita os carro que vão desvalorizando e indo pra periferia, onde os donos não tem dinehiro pra cuidadr do carro mãs tem "rodonas", são "socados" e com "xenonzão".

    http://bizarricesautomotivas.blogspot.com/search/label/Carros%20que%20mais%20caem%20nas%20m%C3%A3os%20dos%20manos

    ResponderExcluir
  3. Francisco Neto01/01/10 14:54

    Vamos aproveitar enquanto podemos. Carro novo é para trabalhar. Finais de semana é para curtir o antigo que fica esperando as vezes 5 a 6 dias parado na garagem para dar umas voltas e respirar um ar no domingo tranquilo.

    ResponderExcluir
  4. 1- pão e circo ao povo, para que se alimente e se divirta o máximo possível, e não tenha vontade de se informar nem de estudar.

    Resumiu tudo aí! Cresci escutando meus pais afirmando isso.

    Sou de uma família pobre, filho de mão professora e pai operário, mas me orgulho de ter recebido uma excelente educação de meus pais, e tivesse um bom futuro.

    Faço Engenharia na FEI, e faço estágio. Comprei uma moto, nova, por extrema necessidade de locomoção. Ralo a semana intgeira, e de final de semana, ao invés de 'curtir', sou obrigado a rever a matéia da semana.

    É difícil vc realizar todo essse esforço, olhar pro lado, e ver um bando de moleuque da mesma idade, ganhando metade do que eu ganho, com carro semi-novo, sempre utilizando roupas de marcas.

    Infelizmente nessa merda de país, valoriza-se apenas o bem material, deixando para escanteio o enriquecimento cultural e profissional.

    ResponderExcluir
  5. Só um adendo: comentou-se aí o trabalho dos políticos e governo, a geração de receita para os mesmos.

    Vale lembrar do empresariado multinacional também, afinal, para que o governo trabalha?

    Um carro no Brasil não custa o que custa somente por conta de impostos. Tem uma geração de receita que sustenta o primeiro mundo enorme. Fabricantes de automóveis não tem ações na bovespa.

    Multiempresariado e governo trabalham juntos pra sustentar seus postos. Não esqueçam.

    ResponderExcluir
  6. Juvenal, o mais macabro é que cria-se um problema deliberadamente e depois diz-se com a cara mais cínica que é necessário "todo o esforço" para "resolvê-lo". Traduzindo: favorece a utilização desses paus-velhos (dificulta o transporte público, aumenta impostos, amarra a renda, etc.) e depois inventa rodízios, inspeções, etc. para retirá-los das ruas.
    JJ, não concordo com o seu tópico 6, contraria o livre mercado, vou explicar: Os preços altos são resolvidos por duas coisas: a livre escolha do consumidor e a livre concorrência. O problema é que o estado (letra minúscula nesse safado) dificulta todo e qualquer empreendimento, seja pela burocracia, impostos, regras, etc., daí fica difícil nova concorrência.

    ResponderExcluir
  7. Bera Silva01/01/10 16:58

    O cerne desta questão é a Liberdade, Nada mais.
    Bitu, se o porte de armas fosse realmente permitido e se o Direito permitisse ao cidadão para defender a sua propriedade atirar em quem a invadisse as coisas seriam bem diferentes (lembram-se do suposto massacre de Carajás?). O que ocorre hoje no mundo todo é uma inversão de valores, onde o bandido que invade a tua casa, te faz refém, te rouba, te bate é VÍTIMA e você cidadão indefeso é CULPADO (vide as ong de direitusomanu).
    Quanto as megacoorporações, não sou ingênuo a ponto de acreditar que elas sejam santas, porém elas ainda estão sujeitas a um pouco de liberdade de escolha do consumidor. A lei de mercado será tanto mais válida, quanto menor a interferência do estado. As escolhas de uma empresa tem conseqüências diretas no seu lucro ou falência (vide a GM), diferentemente de um político ou burocrata. Se as empresas vendem porcarias é porque tem um monte de gente que COMPRA e que DESEJA essas porcarias.

    ResponderExcluir
  8. Infeliz realidade, mas sempre foi assim e sempre será. O povo age como boiada, vão para onde os peões mandam... e eles estão levando para o abate, o que é o pior! O povo vai atrás, gasta horrores, financia horrores, disputa status = bens de consumo, compra mais do que pode, financia, rouba, ignora o sofrimento alheio, dá de ombros para os problemas sociais, esquece religião e desrespeita quem possui religiosidade, seja lá qual for. Isso tudo gera dinheiro para quem enxerga e sabe tirar proveito disso, não só o governo. E não é só no Brasil.

    ResponderExcluir
  9. Olha o descabimento no setor remédios:

    Hoje fui comprar paracetamol 750 mg, geralmente comprava remédios de conhecida fábrica nacional que investia no automobilismo. Era barato e genérico.

    Só que esse grupo nacional foi adquirido por um multinacional Europeu.

    Pois bem, na farmácia maior daqui só tinha o remédio deles ou outros de multinacionais, a absurdos 10 reais a caixa com 10 unidades. Ou seja, UM REAL o comprimido.

    Atravessei a rua e , numa farmácia de menor porte, encontrei rapidamente um tablete genérico do Paracetamol 750 mg, que pelo CRF e um dos telefones é de um fabricante nacional e do Paraná .

    Cupom fiscal emitido certificando que a escala de impostos deve estar paga, foi de cair o queixo o preço :

    12 unidades a 2 reais, ou seja , DEZESSEIS vírgula sessenta e sete CENTAVOS cada drágea de 750 mg.

    Exatos 83 centavos mais em conta que o da " nova multinacional "

    Alguém explica como permite-se isso?

    ResponderExcluir
  10. Vocês pegaram o ponto meus caros. Bom saber que há pessoas enxergando o absurdo em que vivemos.
    Torço por nós.

    ResponderExcluir
  11. JJ,

    No Brasil tem pelo menos 2 cidades em que não se tem mais condição de morar e viver normalmente: Rio de Janeiro e São Paulo. Em 2000 eu desisti do Rio. Juntei os trapos e vim para Brasilia, que em breve vai estar tão ruim quanto São Paulo ou Rio para os entusiastas automotivos.
    O desesperador em particular em São Paulo é que nem mesmo a troca dos politicos por outros de partidos de oposição resolve, já que vimos administrações petistas, psdbistas e pfllistas(demoniacas????) e tudo sempre termina do mesmo jeito, incompetencia e descaso total ao cidadão, sempre ficando claro que o contribuinte é um trouxa que deve ser explorado até o fim.
    Estou aqui ainda por mais um tempo, breve pico a mula e vou mais pro interior, aonde ainda de vive relativamente bem, sem rolos e sem muita cretinice antiautomotiva.
    Com relação a outros aspectos como violencia, nem tem o que se falar. A cretinice politicamente correta desarmamentista do cidadão de bem, patrocinada pela onu e adotada por todos os partidos politicos cretinos de nosso pais nos deixa cada vez mais a merce da bandidagem, e acomodoados como somos, em nossa grande maioria, vamos passivamente aceitando mais esse absurdo de se desarmar e ser cordeiros indo para o sacrificio, desarmados e sem defesa.

    ResponderExcluir
  12. @Alexandre,

    São Paulo não tem mais cidadãos. Tem consumidores.

    Sem contar os políticos estaduais a quase 20 anos o mesmo grupo no poder (não sei se outro grupo seria diferente também...) escondendo o jogo e tornando o custo de vida um absurdo. Fora as escolas que decretaram estado de lixo de vez (digo pois fui estudante público desde pouco antes do Covas... um terror).

    Há saída?

    ResponderExcluir
  13. Há saída? Sim... para outro país, so se for. Sou de São Bernardo do Campo (grande SP) e isso aqui está insuportável para andar de carro, já que é apenas uma miniaura mal feita de São Paulo (FB, corrija-me se eu estiver equivocado). Traablho há 2 km de casa, e vou estudar há 1 Km de casa, então decidi que vou fazer tudo a pé a partir de segunda-feira, para começar a mudar algumas coisas - carro agora, só aos finais de semana, ou se eu tiver mesmo que ir para outro lugar entre o trabalho e a faculdade. Meus colegas de trabalho falam (e muito) sobre carros novos, TVs de LED, celulares etc e tal, mas todos eles tem um carnezão bem grande para pagar, e vivem estressados pois sabem que se perderem o emprego, acabou-se! Isso fora o preço dos imóveis, que se tornou ridiculamente caro nos últimos 3 anos por conta de uma valorização imobiliária biônica (nada como permitir financiamentos de 20 anos com juros "módicos", que o pessoal cai feito um patinho). E o pior é ver que cidades como Ribeirão Pires, Cotia, Vargem Grande Paulista, Jundiaí e Arujá estão indo para o mesmo caminho.
    É por isso que eu quero ir morar em Floripa!

    ResponderExcluir
  14. Relaxa e goza!

    ResponderExcluir
  15. JJ,

    Muito obrigado pelo texto. Ele explica muito bem um sentimento de asfixia e revolta que eu não estava conseguindo expressar com a necessária articulação - e polidez.

    É certo que a renda e condições materiais de vida de uma parcela da população melhorou. O problema é que boa parte desta "prosperidade" é ilusória.

    Como você e outros bem disseram, o povo está na verdade sendo escravizado por governo, bancos e multinacionais, através de "carnês" e impostos asfixiantes.

    Se os governos federal, estadual e municipal realmente estivessem trabalhando para promover o tal "desenvolvimento sustentável" que tanto apregoam, estaríamos assistindo a um enorme investimento em EDUCAÇÃO, JUSTIÇA e CIDADANIA em todos os níveis.

    Ah, e INFRAESTRUTURA também cairia muito bem, obrigado.

    Do jeito que vai, estão é criando - ou deixando fermentar - um caldo indigesto e explosivo que mistura consumismo desenfreado, falta de educação e cidadania desde o berço e, em diversos casos, religiosismos picaretas.

    Enquanto isso, muitos "esclarecidos" reclamam, mas seguem aprisionados na rotina condomínio-trabalho-shopping center.

    Como o que vos escreve.

    O que devemos fazer?

    (Peço desculpas por me estender demais e ir além do assunto automóvel)

    Abraços,
    Fernando Silva

    ResponderExcluir
  16. Bitu,
    não é só que o Estado não tem condições de garantir a segurança. Não interessa garantir essa segurança, pois é menos promessa para a próxima eleição, sacou ?

    ResponderExcluir
  17. Vamodoido,
    nas periferias não são apenas carros de "mano". Há uma infinidade de gente que trabalha duro e precisa dos carros velhos, pois não tem como comprar os novos, nem financiados.

    ResponderExcluir
  18. Francisco Neto,
    em São Paulo, está difícil até aos domingos !

    ResponderExcluir
  19. Santos,
    sei bem o que é a FEI, me formei lá também. Torço por você camarada.

    ResponderExcluir
  20. Rodrigo,
    quero so ver quando não tiver mais jeito de se locomover de carro e cumprir horários, o que os fabricantes de carro irão vender.
    Eles deveriam ser os primeiros a usar a força econômica e surrar os políticos para melhorar as vias. E só querem vender mais e mais.
    Um absurdo.

    ResponderExcluir
  21. Alberoni,
    é o caso do criar dificuldade para vender facilidade. Pura maldade de pessoas muito macabras.

    ResponderExcluir
  22. Alexei,
    remédios é mais um exemplo de setor onde não há nenhuma fiscalização de preços, e deveria imperar o bom-senso.

    ResponderExcluir
  23. Bera,
    as porcarias vendem porque as pessoas são ansiosas na maioria das vezes. Basta pesquisar e ter calma, o produto melhor aparece.

    ResponderExcluir
  24. AG,
    perfeita colocação. Só não tenho saída no que se refere a mudar de cidade. Já fiz isso no passado recente, e foi muito ruim.
    Tenho que continuar por aqui e ir dando meus gritos pouco ou nada ouvidos. Triste mesmo é a Imprensa em geral, morta e enterrada no que se refere a reclamar direitos da população.

    ResponderExcluir
  25. Luciano,
    fico feliz em ver que você também não curte um carnezinho.
    Boa sorte para nós amigo.

    ResponderExcluir
  26. Tia Marta,
    é isso mesmo que os políticos safados querem de nós: relaxar e gozar. Para isso existe Carnaval, futebol e novelas na televisão, os 3 maiores males do Brasil. Acaba-se com isso, melhora muito, pode escrever.

    ResponderExcluir
  27. Fernando Silva,
    não tem porque se desculpar. Tudo que dissemos aqui mostra que há gente esclarecida e informada, mas somos uma minoria infelizmente.
    Um amigo me disse que quando começam as caixinhas de final de ano, ele diz para quem pede a ele ir falar com o Lula, que está resolvendo todos os problemas. Muito legal a estratégia dele !

    ResponderExcluir
  28. Ao ler este post, fui do alívio ao desespero. Por um lado, foi reconfortante ver que mais alguém enxerga todo esse caos que está se formando ao nosso redor e expôs a situação para os demais. Por outro, me preocupa ver que há um monstro poderoso crescento na nossa vizinhança e parece não haver nada que se possa fazer para contê-lo. E, pior ainda, a maioria das pessoas parece não se incomodar com a situação e até apoiar aqueles que a tornam cada vez pior.

    Os motoristas de automóveis se tornaram o alvo número 1 de todo tipo de explorador, do mendigo do semáforo ao governador do estado. Se a legislação criminal determina que todo cidadão é inocente até que se prove o contrário, a legislação de trânsito, o governo, os detrans e as autoridades de trânsito fazem parecer exatamente o oposto: nós somos tratados como se fôssemos culpados até que possamos provar nossa inocência. E qualquer um que já recebeu uma multa injusta sabe: provar inocência é muito difícil quando quem lhe julga é a mesma instituição que lhe acusa. É o tribunal de lobos julgando os cordeiros.

    Na cidade onde moro a atuação das autoridades de trânsito tornou-se bem opressiva nos últimos anos, porém completamente descompromissada com a segurança no trânsito. Ao longo de 2008, haviam blitzen quase diárias em várias ruas, basicamente para fiscalizar extintores e pagamento de IPVA. E, ao mesmo tempo, o trânsito foi se tornando desnecessariamente confuso e os acidentes fatais em zona urbana foram se tornando corriqueiros. Num momento de raiva, tive vontade até de vender o carro e andar de táxi. A sensação era de que o próprio poder público, cujo sustento nos custa tão caro, tentava me tirar um espaço e um direito que era meu. Após refletir um pouco, percebi que eu trocaria um incômodo por outro maior.

    No fim, continuei com o carro, mas continuei também com o sentimento de que, ao andar nele, eu sou uma barata no meio da rua, sendo perseguida por todos os lados sem saber por que razão.

    ResponderExcluir
  29. FCardoso,
    é isso mesmo, o carro é sonho de consumo da maioria das pessoas, mas quem o dirige é visto como inimigo público. E sabe porquê ? porque no carro estamos nos expondo ao mundo, ficamos à merc~e de tudo isso que você bem descreveu. Ou seja, somos alvo fácil dos tomadores de dinheiro. É só para isso que servimos na visão de quem está fora do carro, e mais ainda se estiver aquartelado em algum palácio de governo.

    ResponderExcluir
  30. Hoje fui licenciar a moto, e dar entrada na minha CNH Permanente (Palmas para mim hehehe).

    Quase chorei de desgosto:

    -IPVA e Licenciamento -> 359,00
    - Taxas de serviços do Despachante -> 220,00

    Maetrocinio caiu bem, até chegada do PLR.

    Lembrei de um episódio pitoresco, que ocorreu com um rapaz do meu serviço. O cara tinha uma moto igual a minha, financiada em 48 vezes, recem quitada. Vou dar a moto para o irmão menor "ostentar" para umas meninas, e a moto foi apreendida: IPVA's 2008 e 2007 atrasados, multas a pagar. LArgou a moto no pátio!

    Como falei, é duro você tentar ser um cidadão honesto, nesse país!

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.