MURO DAS LAMENTAÇÕES


Não é possível como a cada dia que passa, a falta de capacidade e bom senso parecem ser cada vez menores por parte das pessoas que deveriam justamente solucionar os problemas da cidade, ou pelo menos não agravá-los.
Todo dia passo pela Rodovia Raposo Tavares, que desde o começo do ano está em obras próximo à saída que eu utilizo. As obras estão levantando o muro central da pista, praticamente dobrando sua altura.


A justificativa para tal serviço é que em pontos específicos, mais exatamente perto das passarelas, os muros estão sendo erguidos para coibir a travessia de pedestres pela rodovia. Até aí, nada de mais, até uma ação válida em termos de tentar reduzir os atropelamentos, uma vez que as pessoas ignoram as passarelas por preguiça de andar até elas.
Só não pensaram em um pequeno detalhe. Ergueram o muro no meio da curva. No começo da rodovia, próximo a São Paulo (não conheço do km 50 para frente), o muro central é da altura do retrovisor de um carro comum, ou seja, é possível olhar por sobre ele e ver o que acontece do outro lado, e numa curva, é possível ver bem mais adiante no seu sentido. A foto abaixo mostra isso. (desculpem a qualidade péssima das fotos, foram tiradas com o celular).

Podemos ver por cima do muro (ignorem o poste...) bem o outro lado. Em diversas curvas, é essa a altura do muro, coerente com a necessidade do lugar.

A primeira tentativa de impedir a travessia de pedestres foi colocar uma grade tipo alambrado, mas o efeito é o mesmo do muro alto. A única diferença da grade é que em uma curta distância é possível ver o outro lado, como dá pra ver na foto acima pela Montana passando no outro sentido, e sem visibilidade atrás dela.


A foto acima mostra exatamente o problema: não dá para ver nada a alguns metros à sua frente, em um local onde é muito comum o trânsito parar repentinamente em todas as faixas. A velocidade máxima local é de 90 km/h (regularmente o trânsito flui a 100 km/h, rápido o suficiente para não permitir uma manobra rápida e frenagem segura em caso de emergência para a maioria dos motoristas comuns.
Resumo da ópera: talvez vão salvar a vida de alguns desmiolados que atravessam a rodovia a pé, mas vão causar diversos acidentes em um trecho que já não é dos mais seguros, provavelmente com mais vítimas fatais que nos atropelamentos.
Gostaria de saber quem é o imbecil que pensa nessas coisas... deve ser alguém que nunca passou pela estrada e não faz a menor ideia do que Situação de Risco e Área de Visibilidade significam. Só podia estar atrás de uma mesa assinando papel... E viva o Brasil.

27 comentários :

  1. Marcelo Augusto20/01/10 22:40

    Pelo nosso Código o pedestre só é obrigado a usar passarela se esta estiver até 50 metros dele. Bem que poderia ser até 250 metros no caso de rodovias, somando isso ao fato de aplicação de multa ao pedestre que descumprir a regra e construção de mais passarelas... mas isso é sonhar demais.

    Mais prático usar grades de contenção para impedir o acesso de pedestres à rodovia, conforme está no anexo II do nosso código.

    ResponderExcluir
  2. Todo o CTB e tudo quanto é legislação estabelece direitos e deveres para os cidadãos e usuários, mas nunca estabelece direitos e deveres para as "otoridades".

    Tinha que ser dever deles conhecer as vias, estudar detalhadamente as condições de tráfego, e prover as melhores condições de pavimentação, traçado e Engenharia de tráfego. Mas infelizmente sabemos que isso nunca vai acontecer.

    Afinal, nós usuários e proprietários de carros somos minoria (será que somos minoria mesmo)?

    ResponderExcluir
  3. Olha, vou te ser sincero. Como engenheiro tenho certeza que isto se chama: gerenciamento de mudanças insuficiente. Quando voce realiza qualquer proposta de mudança em um sistema voce deve analisar todos os impactos possíveis da sua mudança. Mais ainda: voce deve ter um plano de ação para cada ocorrencia que possibilite situações com perdas humanas ou materias.

    Nesse caso quero acreditar que se pensaram nas consequencias não foram felizes em perceber esta situação. Só após a obra encaminhada. E ai já viu... interesse público já é dificil fazer alguma coisa...

    ResponderExcluir
  4. Texto perfeito!
    MH

    ResponderExcluir
  5. Claudio Drummond21/01/10 04:49

    Milton

    Não existe maior ofensa para a classe dos engenheiros do que essa categoria "Engenheiros de Transito/Tráfego".
    Esses "foram a escola só para comer merenda", como dizia meu falecido pai.
    Destas cabeças só saem "Ms".
    Pelo país inteiro é possível encontrar as asneiras destes senhores; infelizmente.
    Sds.

    ResponderExcluir
  6. Mario, obrigado!

    Claudio, é a mais pura e triste realidade. Não é possível que ninguém enxergue essas coisas antes de fazer obras.

    abs,

    ResponderExcluir
  7. Ora, ora, ora, e qual a supresa de mais uma idiotice em termos te trânsito? A regra é a estupidez, ora bolas.

    Me solidarizo com os bons engenheiros, aqueles que conseguem ver as coisas como são... e como ficarão, mas eles são poucos e em se tratando de "coisa pública", outros interes$$e$ preponderam sobre a boa técnica e o bom senso, invariavelmente ignorado ou mesmo morto com tiros de 12!

    Aqui no RIO esse negócio de engenharia de transportes ou engenharia de tráfego é algo que "não existe".

    Quam anda de METRÔ aqui sabe que ar condicionado é algo que é "desnecessário", afinal os clientes não passam de animais.

    Quam anda de carro sabe bem como o trânsito é administrado, para gerar multas e arrecadação e que nós nos danemos.

    ResponderExcluir
  8. No Brasil seu único direito é pagar impostos.

    ResponderExcluir
  9. Acidentes acontecerão mesmo, pois o motorista-Gerson (99,9%), andando acima da velocidade máxima permitida (como mostra o texto), sem manter distância de segurança do veículo a frente, costurando entre as faixas não conhece as leis da física, afinal foi a escola só comer a merenda. Este é o nosso país.

    ResponderExcluir
  10. MB,
    o imbecil é do mesmo tipo que administra tudo que é público: um tipinho que não sabe nada de nada, menos inteligente que uma ameba.

    ResponderExcluir
  11. Eu sou mais radical um pouco. Para mim, o cara que morre atropelado na rodovia atravessando dessa maneira perigosa quando há passarela é apenas uma prova da teoria da evolução das espécies de Darwin.

    ResponderExcluir
  12. Leonardo, e cada vez mais...

    JJ, estamos perdidos, quem poderá nos defender?? Nem o Chapolin salva essa.

    abs,

    ResponderExcluir
  13. Milton,
    Eu e um amigo criamos um blog para falar da Raposo Tavares e cheguei a falar sobre os muros da Raposo, mas com um outro olhar, menos técnico. Se puder dar uma olhada: http://aceleraraposo.wordpress.com/2010/01/05/lugar-de-pedestre-e-na-passarela/

    Abraço

    ResponderExcluir
  14. Como sempre, o governo segue a filosofia de "tirar o sofá da sala"...

    ResponderExcluir
  15. Está corretíssimo, Milton. Oxalá não aconteçam esses acidentes, mas é difícil de acreditar, pois a Raposo Tavares é tratada pela maioria de seus usuários como uma avenida, não rodovia. Andam colados nos carros à frente, não sinalizam, mudam de faixa repentinamente. A polícia rodoviária não fiscaliza e os órgãos competentes não fazem um estudo para viabilizar e/ou melhorar o trânsito dessa importante (e ignorada) rodovia.
    Atenciosamente:
    Rodrigo Cozzato
    jornalista
    http://aceleraraposo.wordpress.com

    ResponderExcluir
  16. Não conheço a Raposo Tavares... mas acho que os colunistas do AE deveriam vir dar umas voltinhas nas rodovias do estado do Rio de Janeiro... BR-101 (privatiza, parcialmente duplicada e com previsão de duplicar em 2020), BR 040, RJ-106... As rodovias de São Paulo vão parecer com as estradas da europa.

    ResponderExcluir
  17. Marcelo Augusto21/01/10 15:17

    Mandei um e-mail para eles, com as soluções possíveis a esta e previstas no CTB, conforme relatei acima. Melhor do que ficar só chorando...

    ResponderExcluir
  18. Fernando Pedroso, bem interessante seu blog sobre a Raposo, e acabamos abordando o mesmo tema.

    Esses muros são uma piada.

    abs

    ResponderExcluir
  19. Rodrigo, sem falar nos carros sem a menor condição de rodagem e capacidade do motorista.

    Não raramente tenho que desviar, ou frear forte para não bater um "Chevelho" caindo aos pedaços que sai da faixa do meio para a esquerda, sem seta, a 40km/h, sem olhar pra trás.

    abs,

    ResponderExcluir
  20. Marcelo, nosso código requer uma revisão completa, isso sim.

    abs,

    ResponderExcluir
  21. Engenharia de tráfego no Brasil?! Tem também uma outra piada boa, a do papagaio...

    Os cabeças de vento que cuidam do tráfego no Brasil escolhem sempre a solução (se é que se pode chamar as presepadas de solução...) mais estúpidas, nem sempre as mais simples.

    Não seria mais prudente e barato educar os pedestres a usarem a passarela? Ou melhor, a que ponto chegamos, muitos não percebem, ou então se fazem de sonsos, que é muitíssimo mais seguro cruzar uma estrada pela passarela.

    É como meu pai diz, parece que as pessoas estão perdendo as noções básicas de sobrevivência...

    ResponderExcluir
  22. Marcelo Augusto21/01/10 20:04

    Nosso código não é ruim como o senso comum e parte da mídia alá Datane/Galvão Bueno nos faz crer. O problema é que poucos conhecem ele a fundo, como é o caso das autoridades.

    ResponderExcluir
  23. Esse muro da Raposo é mais uma obra do mesmo tipo de burocrata que determina que as placas de sinalização sejam colocadas onde já é tarde demais para que tenham um mínimo de utilidade para os motoristas. Zero e falta pra esses amebas, como diria o JJ.

    ResponderExcluir
  24. Milton

    Voce deveria vir a São Bernardo. Na Av. Lions, que flue de Santo André em direção à Mercedes e Via Anchieta, eles conseguiram fazer vários acessos e saídas em "Xis", com um volume de tráfego respeitável.

    Além de tudo, o trevo da Via Anchieta por si só já é uma aberração.

    Mas se voce criticar, eles batem no peito: Quem é o engenheiro aqui?

    ResponderExcluir
  25. Milton

    Voce deveria vir a São Bernardo. Na Av. Lions, que flue de Santo André em direção à Mercedes e Via Anchieta, eles conseguiram fazer vários acessos e saídas em "Xis", com um volume de tráfego respeitável.

    Além de tudo, o trevo da Via Anchieta por si só já é uma aberração.

    Mas se voce criticar, eles batem no peito: Quem é o engenheiro aqui?

    ResponderExcluir
  26. Sergio, conheço bem essa parte também. Outra piada de mau gosto.
    abs,

    ResponderExcluir
  27. E cada obra de construção deste muro super controlado e um primor da Engenharia leva de 2 a 3 meses para ser concluido.
    Deveria haver consulta pública para todas as ações nesta rodovia.
    Fazem sempre o que, quando e como querem.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.