MOTOR CITY


Como todo bom autoentusiasta, sempre tive vontade de conhecer vários destinos ao redor do mundo devido à sua importância na história do automóvel. A maioria deles na Europa. Núrburgring, Le Mans, Maranello e muitos outros. Também gostaria de visitar os Salões de Frankfurt, Paris, Genebra e Tóquio. Nos Estados Unidos o principal destino sempre foi Detroit, palco do principal salão americano, onde estive por duas vezes, em 1998 e em 2007.

Quem é leitor da Folha de S. Paulo pôde ler neste domingo uma matéria sobre Detroit, a (ex)capital do automóvel, na última página do caderno Mais. Estranhei o fato da matéria estar nesse caderno. Relembrei minha última visita em 2007 e concordei que não poderia estar no caderno de turismo. A matéria da Folha fala exatamente sobre a decadência de uma das maiores cidades americanas e mostra que existe possibilidade de um renascimento mais vigoroso, a exemplo de sua cidade irmã, Turim, na Itália. Turim, que um dia foi o berço do design italiano e europeu e onde está a sede da Fiat, também sucumbiu às crises nas décadas de 70 e 80, e hoje está se reerguendo.

Acredito que a grande maioria saiba o significado de Detroit para o automóvel, mas algumas informações são interessantes.

A cidade foi fundada em 1701 pelo oficial francês Antoine de la Mothe Cadillac e o seu nome original era Fort Ponchartrain du Detroit. Mais tarde, durante a década de 1760, houve conflitos com ingleses e indígenas do Canadá, que fica na outra margem do rio Detroit. Um tal de Chefe Pontiac fez uma rebelião e tentou tomar o Forte Detroit. Dái que vem o índio nos capôs dos Pontiacs antigos!

Foi em Detroit que Bill Durant, Henry Ford, irmãos Dodge e Walter Chrysler iniciaram as companhias que se tornariam as Big Three, as Três Grandes - não mais tão grandes - GM, Ford e Chrysler. Por isso Detroit também ficou conhecida como a Capital do Automóvel ou Motor City.

No auge de sua glória Detroit teve 1,85 milhões de habitantes, sendo que em 2007 sua população havia caído para pouco mais que 900 mil habitantes. Com as diversas crises no setor, a automatização de fábricas, a instalação de novas fábricas em outras regiões dos Estados Unidos para fugir dos custos e sindicatos são fatores que levaram a cidade à decadência.

Detroit já foi palco da Fórmula 1 por 7 anos, de 1982 a 1988, com vitórias de Nelson Piquet em 1984 e de Ayrton Senna de 1986 a 1988. E a Belle Isle, uma ilha no rio Detroit, também já foi palco de provas da CART, onde o Emerson venceu em 1989 e 1991, e IRL, entre outros campeonatos. Mas atualmente o circuito também não faz mais parte dos calendários mais importantes.

Dei uma olhada nas minhas fotos de 2007, quando visitei o Salão de Detroit, e achei que seria bacana dividi-las com os vocês. O Salão sempre acontece no começo de janeiro, muito frio e com neve algumas vezes. No ano em que estive lá não nevou. Em um dos dias que fui ao enorme salão consegui dar uma escapada e circular um pouco pelo centro e arredores, de carro e também num tipo de metrô elevado chamado People Mover, que percorre um circuito ao redor do centro numa única linha, num único sentido. Minha impressão foi de que realmente o brilho da cidade acabou. Quase não havia pessoas na rua, pouco movimento de carros, enfim, pouca vida. Em 2008, quando a crise imobiliária atingiu seu ápice, lembro de ter visto Detroit várias vezes no noticiário como um dos lugares com a maior quantidade de imóveis vagos. As pessoas simplesmente saíram da cidade e deixaram suas casas abandonadas.

Muito interessantes são os dizeres que estão na bandeira da cidade, em latim: Speramus Meliora; Resurget Cineribus - Nós Esperamos Por Coisas Melhores; Deverá Ascender das Chamas. O prédio sede da GM se chama Renaissance (renascimento) Center, também chamado de Ren Cen.

Espero voltar lá quando tudo já estiver renascido.

Passeio no People Mover - tudo vazio!

 


Rio Detroit, Ren Cen de um lado, Canadá de outro



Entrada do Cobo Hall, onde ocorre o Salão de Detroit

O Ren Cen, sede da GM. Os novos modelos da GM são exibidos no térreo. Repare na arquitetura externa e interna e na cafeteria com telhado de vidro e vista para o rio Detroit. Tomei uma chamada por fotografar a estrutura do teto de vidro. A dica é, na dúvida não pergunte se pode.



Duas Igrejas muito bonitas e a ponte Ambassador, que liga Detroit a Windsor no, Canadá. O final de tarde estava muito agradável. Na outra margem do rio está Windsor.


Reparando na arquitetura pode-se ver vários prédios no estilo Art Déco. A foto no estacionamento é no telhado do Cobo Hall. Lá também tem alguns alagamentos.

20 comentários :

  1. Muito legal Arnaldo! Última vez que estive lá foi em 1995. Mudou muito desde então.

    ResponderExcluir
  2. As fotos transmitem uma visão um pouco diferente do que foi relatado no texto, o lugar parece
    um pouco mais belo assim.

    Ótimas imagens!

    ResponderExcluir
  3. Rodrigo Laranjo11/01/10 23:58

    Belo mas morto. Estive em Pittsburgh em novembro e dezembro e é a mesma coisa. Tudo belo, tudo cuidado, mas MORTO.

    ResponderExcluir
  4. PK,

    Como diria o MAO, mórreu!
    Muito triste tudo isso.
    Numa Hot Rod a uns meses saiu sobre Detroit, as linhas de montagem desativadas, algumas historicas, outras menos.

    ResponderExcluir
  5. O caso de Detroit é bastante parecido com o de Manchester, na Inglaterra, uma cidade que entrou em decadência assim que passou o auge da revolução industrial. Manchester até que tem conseguido se reerguer, mas no caso de Detroit acho que não haverá conserto no curto prazo. A mistura entre o egocentrismo dos fabricantes, a intransigência dos sindicatos e a postura de "laissez faire" do poder público causou um dano grande demais à cidade.

    Um voto de louvor para o PK, que ainda conseguiu extrair um pouco de beleza desse cenário desolador.

    ResponderExcluir
  6. Juargenu Simbetlink12/01/10 01:21

    Arnaldo, bem que o aquecimento global poderia elevar o nível do Lake Michigan, para alagar tudo de uma vez. Seria um destino mais digno.

    ResponderExcluir
  7. Paulo,
    Belo e útil post, parabéns!

    ResponderExcluir
  8. a foto da Avenida Woodward me lembrou uma propaganda do Pontiac GTO 69. Nela, tinha um GTO próximo a placa da Woodward Ave em posição de "espera" para uma possível corrida de rua. Li numa revista Pontiac Performance de uns 10 anos atrás, tinha a reprodução da propaganda lá e comentava que tinha sido polêmica por incitar a corridas ilegais. Acho que essa cidade era bem agitada mesmo!

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. segue o link da referida propaganda, era 68 e não 69 o modelo. E diz que a propaganda foi lançada em Março de 67.

    http://www.blogcatalog.com/search.frame.php?term=pontiac+gto+woodward+advertisement&id=69033fef41bea5fdfe05f6d21a29fd0a

    ResponderExcluir
  11. Carlos Galto12/01/10 10:14

    Parece uma cidade fantasma...
    Lindo!

    ResponderExcluir
  12. Não é à toa que Robocop tinha aquela visão sinistra sobre o futuro da cidade.
    O que aconteceu lá já é consequência de anos de "planejamento". Há décadas que Detroit está indo para o buraco.
    Em todo caso, parabéns pelas fotos. O contraste do dia bonito com a cidade "resignada" foi muito legal, se o dia estivesse nublado acho que a sensação seria só de desolação mesmo...

    ResponderExcluir
  13. Nunca havia visto a cidade além de filmes antigos ou parte dela em programas de TV.
    Ela é realmente linda, mas as fotos demonstram o abandono da cidade. Esperamos que ela se consiga se reerguer após essa crise.
    Ainda sou curioso de conhecê-la. Pelo ponto de vista irônico ao menos não irei encarar engarrafamentos...

    ResponderExcluir
  14. Ola Paulo

    Voltei a ativa e a comentar....

    PArabens pelo post ! muito intesssante !

    Aproveite e confira no de gennaro a materia sobre Paris, ja que vc cita ela no neste post.

    abraço, Fernando

    ResponderExcluir
  15. Que fotos maravilhosas, Paulo !!!

    Sensacionais !!!

    O que voce quer dizer com : "Tomei uma chamada por fotografar a estrutura do teto de vidro" ??

    Seria por razões de Segurança ainda relacionado com o medo do terrorismo ? Ou foi o local onde voce teve que se deslocar pra poder pegar o angulo da foto ?

    ResponderExcluir
  16. Pessoal, obrigado pelos comentários.

    Vamos a algumas observações.

    Depois que o Artur disse que as fotos não refletem o que escrevi olhei de novo e concordo. De fato a cidade é bonita, já foi considerada a Paris dos Estados Unidos.

    Só que ela tem capacidade para 2 milhões de habitantes e tem 900 mil. Ou seja, está as moscas.

    A propaganda enviada pelo Fábio é muito bacana, e polêmica mesmo. Essa Woodward tem muitas histórias e foi palco de muitos rachas. É nela que acontece o Dream Cruise (www.woodwarddreamcruise.com)que até merece um post.

    A analogia do Paulo Levi com Manchester foi muito bem apontada. Ambas industriais e ambas berço de artistas e bandas que marcaram uma época. A Motor City também é conhecida como Motown, devido a época groriosa de artistas nos anos 60 e 70.

    Xracer, a chamada foi uma bronca de um segurança mal encarado que me proibiu de tirar fotos da estrutura do prédio. Certamente relacionando com possíveis tentativas de terrorismo. Aqui no Brasil temos uma série de outros medos, mas esse aí passa longe da gente.

    Abraço,

    PK

    ResponderExcluir
  17. Belo texto. Lendo-o e vendo as imagens, acho mesmo que concordo com quem diz que Gotham City, pelo menos a dos últimos Batmans, tem inspiração em Detroit. Uma pena, mesmo.

    ResponderExcluir
  18. Paulo,
    muito bacana seu post. Eu torço muito para que melhore, é uma cidade que gerou riquezas demais para o povo americano, e que merece estar em melhor situação.
    O Renaissance Center foi construído pela Ford, e depois de alguns anos de uso, foi comprado pela GM. Megalomania Generalense.

    ResponderExcluir
  19. Sandro Luiz Franco15/01/10 16:44

    Belíssimas fotos, parabéns. Só fiquei curioso pra saber, se possível, qual a máquina fotográfica que você utilizou. Grande abraço e obrigado pela oportunidade de ver isso tudo.

    ResponderExcluir
  20. Sandro Luiz,

    Usei uma Sony R1. Uma câmera fantástica, de lente fixa, que a Sony já não fabrica mais. Ela é simplesmente a prova de erros.

    Obrigado pelo comentário.

    Abraço.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.