LEYLAND, BREVE HISTÓRIA

Etiqueta de conformidade com a legislação americana de um Jaguar 1970

Para quem curte carros antigos e clássicos ingleses, a marca Leyland deve ser familiar. O que poucos sabem é que a Leyland foi uma espécie de GM britânica.

Formada em 1968, a British Leyland Motor Corporation foi a junção da Leyland Motor Corporation e da British Motor Holdings, formando naquela época a quinta maior corporação automobilística do mundo. A Leyland possuía então 8 empresas, 10 marcas, 48 fábricas e aproximadamente 200.000 funcionários. Tudo isso representava mais de 40% do mercado britânico.

As 10 marcas da Leyland eram: Austin, Daimler, Jaguar, Land Rover, Wolseley, Riley, Triumph, Rover, MG e Morris. Algumas delas se desmembraram em outras marcas.

Considerando a situação de todas essas marcas atualmente, dá para saber que essa junção foi desastrosa. A dificuldade no gerenciamento de todas as empresas do grupo, a concorrência interna entre produtos parecidos, problemas trabalhistas e crise do petróleo levaram o governo a nacionalizar parte da empresa.
Vejam que a história se repete nos dias de hoje.

Cada marca teve um caminho diferente, alguns bem tristes e a maioria foi parar nas mãos dos chineses. Com algumas passagens por outras mãos e a ligação comercial entre algumas das marcas, fica bem difícil explicar em poucas palavras o que aconteceu com cada uma delas.

A empresa Naijing Automobile, o fabricante de automóveis mais antigo da China, comprou o grupo MG Rover e sua divisão Powertrain. Com isso levou as marcas MG, Wolseley (fabricante mais antigo da Inglaterra), Austin e Morris. De quebra levou também a marca Van den Plas, um encarroçador belga que e fazia modelos/versões de luxo para marcas da Leyland entre outras.

A marca Daimler foi adquirida pela Jaguar em 1960 e hoje, assim como a Jaguar, pertence à indiana Tata. Os modelos Daimler que conheço são Jaguares XJ com uma grade dianteira muito feia. Como curiosidade, a marca Daimler se originou de uma licença vendida pelo próprio Gottlieb Daimler, o "pai do automóvel" e fundador da Daimler que mais tarde formaria a Daimler-Benz. No entanto a Daimler não tem relação com a Daimler AG (antiga Daimler-Benz e depois DaimlerChrysler) além do nome.

A marca Riley e a Triumph, assim como a Austin-Healey, foram parar nas mãos da BMW, onde estão até hoje, quando a BMW comprou a Rover, Land Rover e Mini.

A Rover durante um tempo teve uma forte parceria com a Honda. Quase morta, foi adquirida pela BMW que ainda tentou salvá-la antes de perceber que não passava de um ralo de dinheiro. Os direitos de produção dos modelos foram vendidos para a chinesa SIAC e os ativos (fábrica e maquinário) também para a Naijing.

A Land Rover, que nasceu como uma submarca da Rover, passou pelas mãos da BMW, que desenvolveu o primeiro Freelander, foi vendida para a Ford, e agora está com a indiana Tata. Espero que permaneça viva!

E por último a Jaguar, que a Ford vendeu para a Tata após sua inabilidade de fazer dinheiro com uma marca tão desejada. Também espero que não morra.


12 comentários :

  1. Os triumphs são carros legais, mas no geral o que a Leyland era crappy cars, sendo provavelmente o maior algoz das marcas o elenco do topger. Quando o TopGear fez o British Leyland Challenge deu muito bafafá na Inglaterra por causa do programa.

    http://www.youtube.com/watch?v=nlYmkK4NBFo
    http://www.youtube.com/watch?v=4ROu_OTTq5Q
    http://www.youtube.com/watch?v=iaiUbYfh4HM
    http://www.youtube.com/watch?v=muJos_oyu1E

    Depois passaram a pegar no pé do Morris Marina
    http://www.youtube.com/watch?v=6-shNHaJigM

    Top gear pode abusar, mas no fundo no fundo, eles tem até razão em alguns dos pontos que falam mal da Leyland, mas pra quem teve autolatina, não pode falar muita coisa não.

    ResponderExcluir
  2. A Leyland era uma espécie de GM britânica...hoje, a GM virou uma espécie de Leyland americana.

    De todas as marcas que um dia fizeram parte do portfolio da Leyland e que hoje estão dispersas por aí, acredito que Jaguar e Land Rover tenham maiores probabilidade de sobreviver e até mesmo de prosperar. Os indianos da Tata não são burros nem nada. Além disso, ninguém melhor que um indiano para realmente captar a essência de uma marca "pukka" britânica.

    ResponderExcluir
  3. Bruno e Paulo,

    Realmente tem muitos modelos bem estranhos e inexpressivos. Mas acho que todas essas marcas tiveram seu auge, algumas vezes antes da Leyland comprá-las. Vamos ver se consigo fazer mais alguns posts sobre elas.

    Abraço.

    PK

    ResponderExcluir
  4. Admito que nunca sequer tinha ouvido falar da Leyland até esse tópico. Conhecia, sim, a (Land)Rover, MG, Jaguar, Austin...
    Da Triunph pensei que apenas tivessem motos (não sei se possuem qualquer relação com os carros).

    Parece que, hoje em dia, só a Land Rover e a Jaguar realmente sobrevivem, e como disse o Paulo Keller, que continuem sobrevivendo!

    Seria bom saber mais sobre os carros da terra das Edições Especiais.

    ResponderExcluir
  5. A foto foi tirada usando algum retrovisor ou foi invertida no Photoshop? Ela ficaria linda do mesmo jeito se estivesse ao contrário, mas tudo bem... hehehehe

    ResponderExcluir
  6. Chico, a foto é o reflexo numa poça d'água. Achei que virando 180 graus os outros reflexos e o fundo da poça daria uma impressão bem diferente e causaria certa estranheza.

    ResponderExcluir
  7. Fico triste em ver marcas tradicionais caindo em mãos chinesas, uma vez que os caras despersonalizam e desapaixonam absolutamente tudo. Mais sorte tiveram Jag e Land Rover.
    Paulo, você é um fotógrafo danado de bom, viu? Uma poça d'água! Quisera eu ter esse feeling.

    ResponderExcluir
  8. Nossa, o Top Gear avacalha a torto e a direito com Leyland.
    Em casa devo ter um gif animado com os piaos que eles jogaram sobre vários Morris Marina.
    Como pode eles terem sido tão burros ao pontode fazer até Jaguar com componentes sofríveis?

    ResponderExcluir
  9. Nunca havia reparado que Jaguar e Land Rover fizeram parte da Leyland. Aliás, sequer sabia que a Leyland foi uma "salada" de marcas...

    A foto do Jaguar E-Type na poça d'água ficou demais. Antes da explicação, estava tentando imaginar de onde veio a inspiração para compor a imagem. São esses detalhes que fazem um bom fotógrafo se destacar dos demais. Isso é arte pura!

    ResponderExcluir
  10. eduardo azevedo20/01/10 14:55

    Paulo Keller tinha me esquecido dessa p. foto !
    Abs
    Eduardo Azevedo

    ResponderExcluir
  11. Eduardo,

    Eduardo, que bom que gostou. O dia em que fizemos essa foto foi o meu primeiro dia de trabalho para a Car and Driver. Foi um dia muito legal mesmo. Valeu!

    Abraço

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.