CORVETTE PARA QUATRO

O Corvette split window de 1963 foi uma bela obra tanto de design quanto de mecânica com a ajuda de Zora Arkus-Duntov e os aprendizados com o CERV I. Duntov desenvolveu um sistema de suspensão traseira com o CERV I que foi aplicado no Stingray racer de Mitchel e depois também utilizado no Stingray de série.

Duntov com o CERV I de 1960

Em 1963, o Corvette estava ficando cada vez mais europeu no sentido de carro esporte. Pela primeira vez uma versão berlineta, ou cupê, foi oferecida ao público. Larry Shinoda foi responsável pelo desenho do carro que tinha sido inspirado em uma de suas criações para Bill Mitchell, o lendário Stingray racer de 1959.

O Stingray racer de 1959

Mas além de criar a versão berlineta e conversível do Corvette 63, Shinoda recebeu a tarefa também de criar uma versão 4-lugares do Corvettes. Isso mesmo! Um Corvette para quatro.

O Ford Thunderbird de 1955, um sucesso de vendas.

Desde o início o Corvette e sua existência foi ameaçada por outro esportivo da Ford, o Thunderbird. Esportivo talvez seja o termo errado. O fato é que para o público americano a idéia de esportivo era algo completamente diferente do conceito na Europa e no resto do mundo. Na América, carro esporte tem dois lugares porém é grande, imponente, pesado, com suspensão macia e um grande motor V-8. Isso é o que era o Thunderbird.

O Jaguar XK120, carro que inspirou Harley Earl e o Corvette.

Já o Corvette era uma proposta basicamente europeia inspirada no Jaguar XK120 mas com origem no Glasspar G2, um pequeno esportivo de compósito de plástico e fibra de vidro feito para a esposa do Major Ken Brooks sobre um chassis Jeep Willys. O carro de Brooks teve uma história interessante. Ao presentear de forma frustrada sua esposa com um Jeep Willys, que se nega a usá-lo, Brooks altera o carro usando seu chassis, uma carroceria de plástico e um motor V-8. O G2 foi apresentado à GM devido ao seu conceito de carro de compóstio plástico-fibra de vidro e Harley Earl, designer-chefe da GM, achou-o muito interessante. Earl observava que os soldados voltando da guerra traziam MGs, Alfas e Jaguar esportes e achou que a América estaria mais bem servida com um pequeno e ágil carro esporte nos moldes europeus ao invés da típica banheira americana chamada de carro esporte.

Um dos poucos Glasspar G2 sobre chassis de Jeep Willys ainda em existência.

Porém nos dois primeiros anos, com apenas um motor 6-cilindros em linha de 150 e depois 155 hp, o Corvette vendeu pouco mais de 300 examplares. Em 1955 a Ford lança o Thunderbird, que vinha com motor V-8, um belo design e um tamanho e característica muito mais para o gosto americano. Foi um sucesso e vendeu muito mais que o Corvette, apesar que em 1955 o Corvette já contava com motor V-8 small block, cortesia de níguem menos que Zora Arkus-Duntov.

O Corvette 1953 com motor 6 em linha Blue Flame que produzia 150 hp e depois 155 hp em 1954.

A venda do Thunderbird foi muito superior à do Corvette, de forma que representava uma humilhação à GM. O Thunderbird 1957 é na minha opinião o mais belo dos T-birds, mas em 1958 a Ford resolveu colocar 4 lugares no Thunderbird e mudou o belo design original, como resultado dobram as vendas do carro. Na época não se entendia muito direito que o Corvette era outro nincho bem diferente do T-Bird. O fato é que dentro da GM, o Thunderbird sempre foi considerado o concorrente do Corvette e assim que os executivos de marketing mediam a performance de vendas do esportivo.

O mais belo dos T-Birds ano 1957. Parachoques restilizados e pequenas bartanas traseiras no estilo rabo-de-peixe.

Em 1963, com o novo Corvette, Ed Cole que era o gerente geral da GM, mandou fazer um estudo de um Corvette de 4 lugares para brigar diretamente com o Thunderbird. Dá para imaginar a reação de Arkus Zora -Duntov e dos puristas amantes do Corvette. Seria algo equivalente à reação do público ao atual Panamera da Porsche. Mesmo assim, Shinoda desenhou o carro, que ficou bem elegante. O interessante é que a Porsche também conhece o design do Corvette 4-lugares de Shinoda e é possível ver uma semelhança na linha do teto do Panamera com o protótipo de Shinoda. A idéia de Shinoda foi aumentar as portas e a distância entre eixos de forma a criar uma seção mais reta que acomodasse um banco traseiro. Conseguiu fazer isso sem alterar muito o desenho original. Resultado: ficou até muito bom.

O perfil do Corvette 1963 de 4 lugares de Shinoda, um desenho harmonioso. Notem o tamanho bem maior da porta.

O perfil do Porsche Panamera de 2010. Há ainda um novo cupê a ser lançado futuramente.

O futuro Panamera cupê, talvez chamado de Porsche 928.

Mas voltado ao Stingray 4-lugares de 1963. Quando Duntov o viu, torceu o nariz, bem como toda a equipe que se dedicava ao Corvette, Chuck Jordan (o diretor de design na época) e até Shinoda. Existia um ar de negatividade em torno do carro justamente por ir contra ao que o Corvette representava. Mas essa não foi a primeira vez que tentaram alterar o Corvette para mais de dois lugares. As primeiras tentativas vieram na época dos Motorama da GM sob o comando de Harley Earl. Foram feitos dois carros-conceitos, um cupê chamado de Corvair e uma station wagon batizada de Nomad.

O Corvette Corvair de 1954

O Corvette Corvair de 1954, o primeiro cupê Corvette que nunca seria produzido.
Corvette Nomad também de 1954

Com o conceito de Shinoda, havia uma parte da GM que torcia pelo projeto. Em 1954 as vendas do Corvette eram pouco representativas de forma que a GM cortou o Corvair e a Nomad. Naturalmente, usou ambos nomes em produtos diferentes e em metal, não em plástico e fibra de vidro.

O Corvette 4-lugares de 1963

Já para o 4-lugares de 1963, a produção chegou bem perto de ser uma realidade. Porém um episódio curioso envolvendo o alto escalão da GM iria mudar definitivamente os planos e alegrar os puritas. Foi construido um único protótipo do 4-lugares, que é o carro que está nas fotos. Nunca foi apresentado ao público, apenas dentro da GM. Em um determinado dia, Jack Gordon, o presidente da GM, foi convidado pelo departamento de estilo para conhecer o protótipo e o comparar lado a lado com a versão 4-lugares do Ford Thunderbird.

O '63 4-lugares e o Ford Thunderbird 4-lugares da época. Mundos totalmente diferentes.

Gordon quis conhecer o Thunderbird, entrou na carro, sentou atrás para ver a praticidade do 4-lugares feito pela Ford. Pode não parecer muito o ato de sentar atrás em um carro, mas para Gordon, que tinha estatura 1,87 m, o espaço traseiro de um carro como esses era importante.

A porta maior que, entre outras coisas, facilitava o acesso ao banco traseiro.

Logo a seguir, seria a vez do Corvette. Gordon fez a mesma coisa. Entrou no banco de trás, puxou o banco da frente de volta e o travou no lugar. Claro, num protótipo nem tudo é testado como deve e a alavança de mover o banco não era exceção. Momentos de angústica logo seguiram ao ritual de Gordon, uma vez que ele tentou sair do carro e a alavanca do banco da frente quebrou, deixando Gordon sem ação no banco traseiro. O chefe estava preso dentro do Corvette de 4 lugares! Gordon começou a sentir cãimbras e também decidiu recitar várias palavras do vocabulário inglês um tanto demasiadamente ameaçadoras.

Os bancos traseiros do carro que também podiam ser rebatidos para aumentar a capacidade de carga.

Eis que dois técnicos da GM tiveram que remover o banco direito para extrair o chefe, que sobreviveu para contar a história. Interessantemente, o protótipo foi destruído e nunca mais se falou no assunto. Porém, anos antes de sua morte, Shinoda revelou que o que realmente barrou o Corvette de 4 lugares foi aquela alavanca que prendeu o chefe. Após o episódio, Gordon ordenou o término do projeto segundo conta Larry Shinoda.

Qualquer entusiasta que conhece a história do Thunderbird e Corvette, já deve ter se perguntado por que a Ford mudou o belo roadster de 2 lugares para 4 e por que a Chevrolet nunca fez um Corvette de 4 lugares. A resposta está nessas fotos. Uma pena que a GM destruiu o protótipo dois anos depois. Porém os entusiastas agradecem que um Corvette com mais de dois lugares nunca aconteceu. A visão do salão de vendas de um conncessionário Chevrolet em 1963 seria algo bem diferente do que foi. Naquela época, como hoje, o Corvette sempre ocupou um lugar de destaque no salão, ajudando a atrair pessoas para dentro que acabavam comprando outros produtos da marca. Essa também é a utilizade de um ícone automobilístico para uma fabricante. E o Corvette sempre despertou os mais fortes desejos automobilísticos por várias gerações na sua história de quase 60 anos. Quem sabe a Porsche tenha encontrado a receita para um carro esporte de 4 portas que a Chevrolet não achou. Porém Porsche e Corvette não são um Maserati e assim suas versões 4-lugares baseadas nos ícones 911 e Corvette despertam um grande desprezo entusiástico por parte dos puristas.

O salão de vendas de um concessionário Chevrolet em 1963. Em destaque o Stingray split window.

14 comentários :

  1. Scheidecker,
    História interessantíssima, cheia de detalhes importantes. Muito legal!

    ResponderExcluir
  2. Mister Fórmula Finesse21/01/10 08:30

    História maravilhosa Scheidecker, eu não conhecia essa variante "bastarda" - mas não menos interessante - do Corvette.

    Adorei a versão Nomad também que ficou imortalizada nas raras Bel Air...

    ResponderExcluir
  3. Clésio Luiz21/01/10 09:22

    Nunca tantos deveram tanto a ... uma alavanca quebrada.

    ResponderExcluir
  4. Talvez o que fosse interessante seria a GM usar a plataforma do atual Corvette (motor na frente e transmissão atrás ligados por um tubo de torque) para fazer um sedã esportivo ou algo como o Mercedes CLS.
    A grosso modo, seria fazer um tubo de torque mais comprido e as devidas adequações no chassi, mas o uso de uma carroceria de metal (que poderia ser alumínio). Marca para isso? Cadillac está bom?

    ResponderExcluir
  5. Nobre Carlos, o equivalente espiritual desse projeto na Porsche não é o Panamera, mas o próprio 911, mostrado em Frankfurt no mesmo ano! Acho que a GM perdeu sim uma ótima chance com esse projeto, pois duvido muito que o Vette iria engordar como o T-bird.
    Confesso que não achei o desenho nem um pouco harmônico, Deus nos deu aquela traseira para ser usada só no 2 lugares, daí a sucessão de problemas ao se aplicar em um 2 + 2. Creio que a solução ideal seria uma traseira mais tradicional, como a do nosso SP2. Aliás, ficaria perfeito se utilizassem a mesma idéia geral aplicada no conceito Corvair.
    E falando no Corvair que nunca foi, que desenho legal esse! Eu conhecia a Nomad, mas esse elegante coupe pra mim é novidade.
    Descontando-se os exageros de um carro conceito dos anos 50, achei muito bonito mesmo. Bastava tirar os rabos de peixe que era só CTRL+C e CTRL+V no '63.
    Uma pena em todo caso terem destruído o incompreendido Vette 911. Sei que o Nomad ainda vive, sabe dizer se o Corvair compartilha da mesma sorte?

    ResponderExcluir
  6. Bob,

    Obrigado.

    Rafael, sim o 911 veio depois.

    O Corvette Corvair é um mistério. Dizem que está por ai escondido na mão de algum colecionador exêntrico. Dizem também que existe mais de 1. Todos os protótipos da GM nos anos 50 e 60 acabavam enfrentando o "crusher" na batalha final.

    Oficialmente: The Corvette Corvair was rumored to have survived the crusher, but no trace of it has shown up. Also rumored that there was actually more than one car built, but no paperwork has surfaced that can verify this.

    Quanto ao Corvette 4 lugares, Bob Lutz recentemente trouxe à tona a idéia disse: "Um Corvette como o Panamera" . Se fosse ele eu diria "Um Corvette como o que tentamos fazer em 1963".

    Os nomes Nomad e Corvair foram usados em outros carros bem diferentes depois.

    ResponderExcluir
  7. Carlos Galto21/01/10 14:26

    Sensacional essa história!! Muito obrigado!
    Agora, não achei tão feio não, essa carroceria Stingray split não fica feia de jeito nenhum!!
    O problema se a GM tivesse insistido em uma carroceria de 4 lugares seria de o Vette atual ter virado um Impala SS mais esguio...
    Já imaginaram a belíssima Nomad como um atual "super-SUV" a la Cayenne??? Misericórdia!!

    ResponderExcluir
  8. Carlos Galto21/01/10 14:34

    Aproveitando a deixa...
    Um eventual 928?? Sei não, apesar de o 911 não ser um carro de luxo acho que um "928" irá canibalizar as versões mais "calmas" do 911 Carrera. Os 911 iriam se transformar em super esportivos apenas, começando nos Turbo e indo para os GT3 e GT2...
    Por outro lado acho que o "928" seria interessante, dando uma exclusividade maior, se a Porsche só tivesse os cupés e conversíveis Boxter, Cayman e 911. Com esses mais o Cayenne e Panamera, juntando o "928", tá ficando meio generalista demais. Daqui a pouco lançam um Scirocco vitaminado e um Amarok V8!!!

    ResponderExcluir
  9. Acho que no quesito tamanho brasileir é igual americano: carro bom é carro grande. Entendo que espaço é bom e tudo mais. Mas numa disputa entre C4 Picasso x Mini Cooper, 8 em 10 não-entusiastas escolherias a minivan grandalhona. Até os solteirôes!!!

    ResponderExcluir
  10. O Corvette Nomad já tinha visto, mas o protótipo Corvair foi uma boa novidade. Uma pena que ambos não tenham passado de estudos. Para meu gosto pessoal, o desenho do Corvair como um todo ficou maravilhoso!

    Se não me engano, réplicas do modelo Nomad estão sendo fabricados por uma empresa nos EUA.

    Gostei também do modelo split window 2+2. Não tenho muito essa de purista, desde que o modelo original continue em produção. Assim, agrada-se os dois lados, sem estresse.

    ResponderExcluir
  11. Esse Corvette pode não ter vingado, mas a ideia sobreviveu em uma obra de arte chamada Buick Riviera 1971.
    Agora, cá entre nós, aquela foto do show room... já imaginaram entrar em uma concessionária e dar de cara com um split window zerinho?!

    ResponderExcluir
  12. E pensar que um 1963 Azul "dormia" na rua em 1990, em Campinas!
    MH

    ResponderExcluir
  13. CF
    Sensacional seu post! Interessantíssima a história do Corvette 4 lugares.

    CZ

    ResponderExcluir
  14. muito bom o post ! vi o thunderbird......me apaixonei !recentemente fiz uma materia com um t-bhird de 1956

    grande abraço

    Fernando Gennaro

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.