PONTIAC RAGEOUS: FALTOU CORAGEM ?







Rageous: gíria para outrageous, muito ofensivo, imoral, chocante, inconvencional.
Poucas vezes um nome de carro foi tão forte. E poucas vezes um carro conceito ficou tão perfeito ao traduzir o seu nome em linhas de estilo, por dentro e por fora.
O carro assusta. Coisa de tirar Hummer da frente só de aparecer no retrovisor.
Essa criação do SVE da General Motors (Special Vehicle Engineering), departamento devidamente extinto pelas crises da outrora maior empresa do mundo, foi finalizado em 1997, e surpreendeu positivamente aqueles que viam a Pontiac como a marca de maior ousadia da GM.
A mecânica era convencional, e já provada pela organização. Motor V-8 de 350 polegadas cúbicas (5,7 litros), o LT1, com 315 cv a 5.400 rpm, câmbio manual de 6 marchas, suspensão dianteira do Firebird e  traseira do Corvette, freios a disco nas 4 rodas também do Corvette.
Esse pacote mecânico foi vestido por uma das mais belas carrocerias já vistas em carros que não chegaram ao estágio de produção, com a interessante versatilidade da traseira se abrindo como uma tampa de caçamba de pick-up, fechada por uma porta como de um carro hatch. O alvo seria os jovens ou nem tanto, praticantes de esportes que necessitam de equipamentos grandes, ou até mesmo pessoas que gostam do estilo esportivo mas precisam de um carro com espaço para bagagem de fácil acesso. Acima das saídas dos escapamentos, duas luzes para auxiliar na carga e descarga no escuro.

Idéia ótima, estilo ousado, mecânica pronta.
O que fez a Pontiac não o aprovar como carro a ser desenvolvido e vendido?
Difícil imaginar melhor oportunidade para chacoalhar o mercado, mostrar que a marca estava viva, forte e criativa. Vender e faturar.
Mas não deu certo, e o resultado 12 anos depois, foi o fim da divisão de performance da General Motors.
Uma pena.
JJ

20 comentários :

  1. JJ,

    Parece que nada mesmo é novo no universo do automóvel. As linhas Traveller e Vagabond, produzidas pela Kaiser entre 1949 e 1953, já tinham carroceria três volumes (notchback) com abertura traseira tipo picape, similar à desse Pontiac.

    Mas, que o bicho impressiona, não há a menor dúvida.

    ResponderExcluir
  2. JJ,
    Desculpe, sei que gosto é quase uma questão pessoal, mas concordo quando disse que o carro assusta: até criancinha.
    Parece o primo do Aztek, que não veio.

    CZ

    ResponderExcluir
  3. Olha, de uns anos (mais de 10) pra cá, o pessoal de design deve ter contratado uns primos ruins do Chris Bangle.
    Tá louco! Nunca vi um carro tão bizarro. E essas rodas então? Parecem de brinquedo. Foi uma falta de noção tão grande que eu acho muito bom que nunca tenha sido produzido.
    Coloque lado a lado um Pontiac GTO e um Holden Monaro, do mesmo ano, e veja as alterações ridículas que a Pontiac fez no Monaro. O Monaro é um verdadeiro diamente, um carro sem igual, raras vezes na vida vi e dirigi carros melhores. Já o GTO, bem, não é ruim, mas esteticamente, bem, já diz o velho ditado: quem melhora o ótimo só consegue estragá-lo.
    Quer outro exemplo? Pontiac G6. Ótimo carro, mas dificilmente poderia ser mais feio!
    Tenho certeza de que um dos motivos dos baixos índices de vendas da Pontiac era o estilo altamente discutível.

    ResponderExcluir
  4. Não quero ser analista de coisa morta, mas se a GM nos EUA tinha várias divisões à época, porque não fazer da Pontiac a divisão de vanguarda? Usar a Pontiac como laboratório? Se esse carro fosse produzido, talvez a história do velho Chefe Índio fosse diferente. Porque não honrar a tradição do Tempest, GTO, Fiero, TransAm?
    A frente é controversa, mas faz parte do estilo do bicho, os vidros são rentes a carroceria, melhorando a aerodinâmica, o acesso ao porta-malas não poderia ser melhor, as duas portas traseiras ficam escondidas e as rodas de três raios eram moda à época. Rodas que não desmerecem em nada o carro. Ia esquecendo, olhem o painél, os dois mostradores pretos e os botões prateados em torno desses.

    ResponderExcluir
  5. Rubbish também é um termo adequado adequado a esse design horroroso.

    ResponderExcluir
  6. Ganhar dinheiro com isso?

    É ruim hein... Por melhor que fosse tecnicamente, ainda bem que não foi produzido.

    ResponderExcluir
  7. Alexandre, vi as fotos do Kaiser em: http://auto.howstuffworks.com/1949-1953-kaiser-traveler-vagabond.htm
    Debaixo do Sol não há nada de novo...

    Tem que levar em conta que o Rageous é de 1997, ou seja, 12 anos atrás.

    ResponderExcluir
  8. Seu Buce (cover)10/12/09 10:49

    Faltou mercado, não coragem. Além do Juvenal (que nem americano é), quem compraria essa coisa horrorosa?

    Juvenal, manda um email pro Lutz e pede pra ser assessor dele como consultor de Marketing da GM. O que você gostar, eles NÃO fazem. hahahahahahah!

    Pronto, em 2 anos a GM dará a volta por cima!

    Toma jeito, Juvenal!!!!

    ResponderExcluir
  9. Engraçado...olhando esse Pontiac de frente, o 1º carro que me veio à mente, por conta do estilo similar (frente pontuda com pára-lamas altos) foi o Mazda RX-8, especialmente o modelo 2010...
    Sem dúvidas um carro muito maneiro, pena que a Pontiac não o lançou (aliás, fez a mesma besteira com o GTO, em 1999...apresentou um ótimo conceito, mas o carro em si só veio em 2003/2004, nada mais do que a versão americana do australiano Holden Monaro Coupé)...=/

    ResponderExcluir
  10. JJ, é um HotWheels 1:1 que você pode andar nele! Perfeito!!
    abs,
    MB

    ResponderExcluir
  11. Apesar do JJ não gostar e falar mal do New Beetle, tenho que concordar que este carro seria uma excelente opção pra fugir da mesmice que existe no mercado automobilístico em termos de design, e mesmo uma década depois ele continua interessante e diferente.
    Essa foi mais uma das decisões erradas da GM ao não produzir o carro, e o reflexo de tantas c@gadas e isso que a empresa enfrenta hoje...

    ResponderExcluir
  12. O Carro é horrivel! Parece monstrinho de desenho japonês!

    ResponderExcluir
  13. Pior que tenho ele na versão HotWheels...

    ResponderExcluir
  14. Juargenu Simbetlink11/12/09 02:55

    Juvenal Jorge, parece nome de cabeleireiro. Tu escreve bem, mas o gosto pra carro é terrível

    ResponderExcluir
  15. Ele realmente fica bem dentro de uma caixinha que cabe na palma da mão...
    Mas gosto desse carros que parecem Hot Wheels, Ele também lembra os protótipos inventados para o jogo Burnout.
    Mas precisamos de esportivos assim, que deixem as crianças alucinadas e sejam divertidos.
    Hj os esportivos só querem bater o recorde no Green Hell. Até mataram os faróis retráteis por causa disso.

    ResponderExcluir
  16. Gosto nâo se discute. Lamenta-se.
    E um gosto automotivo que não entende o Rageous só pode dar mesmo nos mais vendidos e preferidos desse mercadinho ridículo do Brasil.

    ResponderExcluir
  17. Juvenal

    Quando foi lançado este conceito, gostei muito! Olhando-o hoje, ainda gosto bastante. Discordo totalmente das opiniões que dizem que o carro é horrível e compará-lo ao Aztek é injusto. O Aztek, eu acho horrível por ser realmente desproporcional e sem harmonia. O Rageous é agressivo e o Aztek é só feio mesmo.

    Gustavo

    ResponderExcluir
  18. Quanto mais olho esse carro, mais gosto dele. Só faria as rodas diferentes, pois não gosto de rodas cromadas em carros modernos.

    ResponderExcluir
  19. Esse carro parece um pesadelo coreano. Credo.

    ResponderExcluir
  20. JJ,

    Totalmente psicodélico...Mas original, pelo menos.

    MAO

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.