DE NORTE AO SUL DA AMÉRICA EM UM RADICAL

No começo de dezembro, um carro muito especial completou uma das mais duras viagens possíveis: cruzar a América partindo do Alasca, passando por 26.697 km até chegar no Ushuaia, Argentina, pela Panamerican Highway.

Sem pensar na distância total, o feito não é nenhum milagre, uma vez que este percurso é pavimentado e 26.000 km não é o fim do mundo. Mas o fato é que não era qualquer carro. O carro é totalmente elétrico. Bom, carros elétricos não são novidade. A novidade é que este carro elétrico é um Radical. E o que é um Radical? Um carro de corrida.



Exatamente, um carro de corrida elétrico veio lá do gelado Alasca até a Argentina, por vias públicas sem utilizar uma gota de combustível, apenas nos bons e velhos elétrons. Isso sim é uma façanha que merece destaque, tanto que virou documentário de televisão da rede BBC.

A Radical Cars, fabricante britânica de carros de corrida de alta qualidade e conhecida pelos carros de corrida equipados com motor de moto, desenvolveu o modelo SR-0 baseado no chassi do atual SR-8, o modelo V-8. O trabalho com a equipe Race Green Endurance transformou o SR-8 em um carro capaz de viajar por mais de 400 km com uma única carga de seis horas.

A viagem começou em junho, partindo de Fairbanks, passando por Vancouver no Canadá, descendo até a Califórnia e beirando a fronteira com o México até o estado do Texas, para entrar no México pela costa leste. Desde então, o caminho era sempre ao sul e acompanhando a costa oeste da América do Sul, até chegar no extremo mais distante do continente, literalmente no meio do nada.



O carro sofreu inúmeras modificações para lidar com todas as condições da viagem, e ainda por cima com quase o dobro do peso de um Radical original, por conta dos acumuladores de energia, inversores e o par de motores elétricos. A equipe encontrou diversas complicações ao longo caminho, especialmente com as polícias locais, pois como explicar para as autoridades que diabos aquele carro estava fazendo na rua?

Toda a viagem e trabalho foi documentado, e é transmitido pela BBC em forma de documentário, em capítulos, assim como está disponível para compra o DVD no site da equipe. Sem dúvida, uma grande viagem e um marco para os carros elétricos.

fotos: Radical Cars, Race Green Endurance

MB

15 comentários :

  1. MB,

    E como foram as soluções contra a polícia e toda a burocracia associada?

    Neste aspecto, fizeram bem em não passar pelo .br (como se isso fosse possível).

    ResponderExcluir
  2. MB,

    Tem certeza de que a panamericana mede 26000km (aproximadamene)? Não seriam 26000 milhas?

    ResponderExcluir
  3. MB, fico imaginando a falta do barulho do motor e do escape. Fora isso deve ser uma beleza!

    Show de bola, fico feliz em saber que hoje já podemos crer numa realidade elétrica não desmotivante, vide esse carro dito esportivo e que pode rodar até 400km com uma única carga.

    Abraço

    ResponderExcluir
  4. bussoranga, 26.000 km
    Acredito que antes de começarem a viagem, o time deve ter feito contato com as autoridades locais para explicar o plano.

    Como o Radical pode ser emplacado na Inglaterra (!) e este foi, legalmente já facilita bastante.
    O problema são os guardas mesmo, que olham pro carro sem entender nada, mesmo com placa. Ai vai muito da conversa, mesmo estando tudo de acordo com a lei. Já passei bastante por este tipo de situação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema é que as autoridades passam a autorização para rodar no pais e não passam aos Policiais cuja a missão e fiscalizar as rodovias ,resposta simples baseadas em fatos e sem ofender nimguem

      Excluir
  5. Zanetti, realmente acho que faz falta, ainda mais em um Radical, que o som do motor, tanto do quatro cilindros de moto como o V-8 são maravilhosos, mas é o caminho da evolução. Já existe um projeto de um categoria de carros monoposto elétricos.
    abs,

    ResponderExcluir
  6. A questão é:

    Fizeram esses 26.000km moendo ou na maciota?

    ResponderExcluir
  7. Esse carro passou por um grande desafio, mas não passou pelo VERDADEIRO desafio: queria ver ele enfrentar o asfalto (e os guardas) brasileiros... já pensou esse carro em Santo André, minha terra natal?

    ResponderExcluir
  8. Transeunte, com certeza a maior parte foi dentro dos limites da legislação local, mas algumas aceleradas sempre dão.
    abs

    ResponderExcluir
  9. Bianchini, nem jipe militar sobrevive por aqui...
    abs

    ResponderExcluir
  10. Lendo o texto, dá a impressão que basta pegar a rodovia Panamericana no Alaska e segui-la diretamente para chegar a Patagonia apenas dirigindo pela estrada. Entretanto, no Panamá a estrada acaba, e é preciso embarcar o carro em um navio ou um avião para poder chegar a Colombia, atravessando o Darien Gap, um trecho de aproximadamente 150 km onde a estrada não existe.

    ResponderExcluir
  11. Marcus, algo praticamente irrelevante perto do desafio que foram os outros 26 mil quilometros. É de se esperar que esta situação seja prevista em um percurso deste tamanho.

    ResponderExcluir
  12. Muito interessante. Teria mais dados do carro? Potência, desempenho?
    400 quilometros é uma boa autonomia.

    ResponderExcluir
  13. Essa é a viagem que sonho desde criança fazer, um dia chego lá

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.