CERV-1: O OUTRO FILHO DE ZORA


Zora Arkus-Duntov foi um dos grandes gênios da engenharia automobilística, e um dos mais avançados de sua época e local. Famoso pelo Corvette, Zora era quem comandava os desenvolvimentos de alto desempenho e sofisticação.

CERV-1 é o nome de um de seus conceitos mais interessantes, a sigla representava abreviadamente Chevrolet Engineering Research Vehicle, ou veículo Chevrolet de Pesquisa de Engenharia, e o "1" era devido a ser o primeiro da família, nascido em 1960.

Concebido para ser uma plataforma de pesquisa avançada de dinâmica veicular, o CERV-1 às vezes é chamado de Corvette monoposto. Muitos dos componentes que deram vida ao carro foram doados do Corvette SS, o antecessor do Sting Ray. Zora concebeu o carro para que permitisse o desenvolvimento de novos conceitos e componentes de chassi, suspensão e até motorização.

A ideia era maximizar os esforços e solicitações do carro, para entender melhor o comportamento dinâmico, muitas vezes pouco sensíveis em carros de passeio. No caso de um carro mais "radical", as reações seriam mais bruscas, e poderiam ser melhor observadas e estudadas.


O CERV-1 tinha apenas um lugar, central, com o motor central-traseiro acoplado a um transeixo de quatro marchas sincronizadas e com o diferencial ao final do conjunto (como no Porsche 908/3 10 anos depois), para distribuir o peso do carro da forma como Zora desejava. O motor era outra obra de arte, um V-8 de alumínio com 283 pol³ (4,6 litros) e saudáveis 357 cv, graças ao sistema de injeção especialmente criado para o carro, com longos dutos no coletor de admissão, ao estilo tunnel-ram. Para aproveitar o máximo do conjunto e reduzir peso, desde o motor de partida ao alternador eram especiais, menores e mais leves. A bateria era um modelo especial de uso aeronáutico.

Com o conjunto motriz de peso bem reduzido, o chassi também era muito leve, similar com a construção dos F-1 da época, com tubos de pequena seção circular. A carroceria desenhada para ter um bom coeficiente de penetração permitia que o piloto observasse o comportamento das quatro rodas, todas com suspensão independente, o que facilitava literalmente a visualização do comportamento da suspensão em qualquer situação. Os freios traseiros eram montados internamente no chassi, reduzindo o peso nas extremidades da suspensão, conceito bastante utilizado nas competições da época.

A suspensão traseira do CERV-1 tornou-se a base da próxima geração dos Corvette de rua, o modelo C-2 de 1963. Com pouco mais de 700 kg, o CERV-1 era muito rápido, e Zora pretendia provar isso na prova de Pikes Peak, a qual ele mesmo foi recordista em 1956 com um Corvette de pré-produção.

No começo dos anos 1960, Zora levou o carro até a mítica montanha do Colorado, onde ele mesmo fez algumas tentativas, mas o carro indicava estar muito abaixo das expectativas. Após retornarem para Detroit, descobriram que a aparelhagem usada para aferir o tempo do CERV-1 estava com problema, e o carro não era um fracasso, mas sim muito rápido e poderia até ter batido o recorde.

Após anos de uso, testes e inovações, o CERV-1 foi aposentado com sua missão cumprida, e anos depois deu lugar ao CERV-2. Hoje o carro se encontra inteiro e conservado, fazendo algumas aparições públicas, agora em mãos particulares. Sem dúvida, um dos maiores marcos da história do Corvette e do próprio Zora.


MB

4 comentários :

  1. MB, excelente post.
    Relativamente à suspensão traseira do CERV-1 ser a base da próxima geração, não seria a C2? Se foi mesmo em 1963, tal suspensão foi utilizada na "split window".
    Ricardo

    ResponderExcluir
  2. MB,
    nunca havia parado para ler sobre o CERV, e agora o fiz. Me interessei muito, principalmente agora nessa época "muderrna" de chatíssimas simulações por computador.
    Obrigado pelo texto direto ao ponto.

    ResponderExcluir
  3. Ricardo, obrigado! Quanto ao caso da geração do Corvette, o correto é C2 mesmo, erro de digitação. Já foi arrumado.
    abs

    ResponderExcluir
  4. Muito interessante, MB!
    Carro pra macho!
    Só a expectativa de quebra de record, ainda mais com um modelo experimental, deve ser algo difícil de adjetivar.
    Valeu!
    Abs

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.