LEI SECA, O BESTEIROL CONTINUA

Foto estadao.com.br
Acabou de dar no "Jornal Hoje", da TV Globo, duas matérias sobre assuntos de trânsito. Um, acidente com vítima, passageiro foi atirado para fora do carro que capotara, com imagem de uma câmera de segurança.  Os âncoras Evaristo Costa e Sandra Annenberg só falaram no motorista bêbado, sem se darem conta de que o infeliz só morreu por estar solto dentro do carro.
O bêbado nesse caso significava alcoolemia, medida pelo etilômetro, de 0,7 ml por litro de ar expelido. Sabem o que isso significa? Que pelo Código de Trânsito Brasileiro, antes dessa idiota "lei seca", o sujeito estava com 133,3% mais de álcool na bufunfa que o limite de 0,3 ml/L.
Em outra reportagem na sequência, um cara no Paraná ziguezagueva adoidado na pista e, parado pela polícia, estava com 1 ml/L, ou seja, 233,3% mais que os 0,3 ml/L do Código.
Como eu venho dizendo, a lei apenas coincidiu com o início de uma fiscalização jamais exercida. Bastaria que existisse desde 22 de janeiro de 1998, dia em que o novo código entrou em vigor, e possivelmente dezenas de milhares de vidas teriam sido salvas.
E, de novo: até 0,3 ml/L de ar alveolar todos podem dirigir com segurança. Na Alemanha, onde se pode andar a 300 km/h numa Autobahn, o limite é marginalmente inferior, 0,25 ml/L. Nos Estados Unidos e Canadá o limite é ainda mais alto, 0,4 ml/L.
Quem diz que a lei seca salvou vidas não sabe o que está dizendo. Portanto, é burro.
BS

(Atualizado em 8/2/10 às 16h50)

22 comentários :

  1. com certeza Bob... eu mesmo dirijo constantemente com 3ml/L na lata... e nunca deu nada!
    Brincadeira a parte... a minha percepção é que a fiscalização continua ridícula... estávamos num bar na sexta-feira, onde todos esperavam, tomando mais algumas, a blitz em frente ao bar, literalmente, se dispersar pra poder ir embora. Que coisa mais tosca!!!

    ResponderExcluir
  2. Concordo com voce. Mas o que fazer para mudar isso?
    Temos que lembrar que na Alemanha e Canadá não se vende CNH. Aqui o camarada sem beber nada já é uma ameaça.
    É triste...e desanimador!

    ResponderExcluir
  3. Sandoval Quaresma08/02/10 15:38

    fiscalização é a solução, quero ver a hora que aqueles super-bafômetros que já estão em teste na polícia do RJ, segundo o que eu soube, começarem a serem usados. Pegam de tudo, o que vai ter de filhinho de papai em cana, que gosta de dirigir "chapado" ou mesmo fumando seu baseadinho enquanto dirige, vai faltar lugar no xadrez pra essa cambada.

    ResponderExcluir
  4. Aqui em Blumenau-SC, no posto Bela Joia - onde a PM abastece suas viaturas, as pessoas bebem ao redor de seus carros. A cerveja é comprada na conveniência do posto e é consumida diante dos policiais. Bastaria uma fiscalização na saída do posto para evitar que esses débeis causassem tantos acidentes.

    Falta vontade. Eu não acredito em um país melhor por causa de coisas simples e "tolas" como essa.

    ResponderExcluir
  5. Essa lei tem um nome: "pirotecnia". Do que adianta fazer sem chamar atenção? Certamente os pais da criança estão sorrindo de orelha a orelha.
    Sou abstêmio por opção, mas creio que se a ciência diz que é seguro, pra quê esse exagero?

    ResponderExcluir
  6. Gostei muito da incisividade do BS: a maioria do povo é burro mesmo. Burro ao beber e sair dirigindo, e burro ao acreditar que canetadas resolvem.
    A verdade é que estamos cheios de leis para inglês ver. Essa é apenas mais uma.

    ResponderExcluir
  7. verdade Bob ! esses dias mesmo eu estava em um restaurante e avisa uma turma de pessoas bebendo um monte. E na frente do restaurante uma viatura da PM. Quando os jovens sairam do estabelecimento, os PMs não os pararam para fazer a averiguação.

    abraços

    Fernando Gennaro

    ResponderExcluir
  8. O problema é que, em geral, o brasileiro não toma qualquer ação pensando em sua própria segurança ou na segurança dos que ele transporta. O brasileiro só age por medo de ser multado. Como a indústria da multa só faz aumentar, este vício do brasileiro médio é realimentado, o que o deseduca ainda mais. Existem diversos exemplos diss. O brasileiro só usa o cinto de segurança por medo de ser multado - e só no banco da frente, pois no de trás a fiscalização é mais difícil. Isso gera situações absurdas que infelizmente testemunhamos todos os dias, como aqueles carros em que o papai e a mamãe vão na frente devidamente afivelados, e os filhos vão atrás completamente soltos - este é um indício claro de que os pais não usam o cinto pensando em segurança, mas apenas para não serem multados. Como este existem diversos outros exemplos, como as lombadas e os radares: deseducam o motorista, na medida em que criam uma consciência coletiva de que o único fator de segurança no trânsito é a velocidade.

    O fato é que o motorista brasileiro médio é muito mal educado e dirige muito mal. A tal "fiscalização" apenas realimenta este sistema. Onde iremos parar?

    ResponderExcluir
  9. Reynaldo, e aqui as pessoas tem o 'dereito' de ter um carro pra ser aceito socialmente, as vezes para não serem coitadinhos sem chance na vida, sem considerar se ele pode e tem condições de ter um carro e dirigir em meio a outras pessoas sem ser um risco.
    abs,

    ResponderExcluir
  10. Olha, a vantagem da tal Lei seca não foi só diminuir o limite de dosagem mas também aumentar as punições!Ou não foi? E para se criar o projeto de fiscalização mais forte fizeram o tal circo, para, antes de punir, consciêntizar a população. o problema do povo brasileiro é que não basta mostrar o que é ruim para sua vida, tem que também ferir seu bolso.

    ResponderExcluir
  11. O negócio é andar a cavalo :além de não ter cinto, nem capacete nem cintos, se o peão entorna todas estrada afora,

    , o possante( de mais de meia tonelada)tem um sistema de piloto automático-GPS meio que precário mas não dá xabu " gates-corolístico " ,desembestando no acelerador, exceptuando-se presença de cobras ou abelhas à beira-caminho.

    Eita nós. De Cavalo " pode " ...

    AK, encha os bolsos!

    Aqui por perto , numa estrada rural,domingo de tarde, um carro vazou uma pontezinha de concreto amarronzado pela terra, colocada estrategicamente na saída de uma curva, estrada com uns 5 cm de poeira fina. O Carro saiu pela tangente, bateu na defensa externa da entrada da ponte, quebrou-a virou uma cambota ao arrebentar a defensa de concreto e caiu na represa( rasa), mas de teto pra baixo. O fundo do carro ficou na linha d`água. Retirado, o carro mostrou afundamento do teto,parabrisas bem onde estavam motorista e passageiro.

    Pois bem,depois de ver tudo isso, a apresentadora do Jornal Regional da afiliada da emissora finalizou a notícia toda , decretando em afirmação : " as vítimas ficaram presas pelo cinto de segurança ".

    Animador !

    ResponderExcluir
  12. Klayton,
    Só o limite mudou, a punicão não. Quem fosse apanhado com mais de 0,3 ml/L de ar alveolar tinha o direito de dirigir suspenso e pagava os mesmos 957,20 de multa. Agora é 0,1 ml/L. O que mudou foi quem for flagrado com mais de 0,3 ml/L é preso por constituir crime -- absurdo total, pois acima de 0,3 ml/L é infração gravíssima e acima de 0,6 ml/L crime. Antes só era crime se a condução ameacasse a segurança e o patrimônio alheios, o que parece o mais correto. Com isso criaram a figura da mulher meio-grávida. Ou a pessoa está tecnicamente sóbria e pode dirigir, ou não está. Não existe meio-termo nisso.

    ResponderExcluir
  13. Bob,

    Impossível ser mais direto ao ponto, para se abordar essa idiotice de não permitir uma gota sequer de álcool no sangue. Gostei!

    Além do corpo humano tolerar um certo volume de álcool no sangue, existe ainda a capacidade analítica de cada um, ou seja, todos têm como avaliar os próprios limites e determinar se está em condições de dirigir ou não. Seria simples assim, não fosse o problema de muitos só usarem a cabeça para pôr boné e não pensarem em nada que não seja relacionado a futebol, BBB ou mulherada...

    É ridículo alguém ter que me dizer quando não estou mais em condições de dirigir após ingerir bebida alcoólíca. Eu prefiro dirigir sóbrio por opção pessoal, não porque algum energúmeno decidiu que "tolerância zero" de álcool é mais seguro. Se algum dia eu perder essa capacidade de autoavaliação, só ando de táxi, pois com certeza farei muitas outras idiotices no trânsito além de dirigir alcoolizado...

    ResponderExcluir
  14. Fernando,
    Isso aí, falta a consciência de segurança, intrínseca, não aquela para evitar multa. O cinto sem uso no banco traseiro fala por si só.

    ResponderExcluir
  15. Road Runner,
    Eu sou o primeiro a ser contra o dirigir alcoolizado -- sob influência, como se diz hoje -- mas é preciso olhar a coisa toda tecnicamente, procurar ver como resolvem esse tipo de coisa lá fora. O que fizeram aqui não tem nenhum cabimento. O pior é que a imprensa entrou nessa bonitinha. Muito triste. Como você bem lembrou, o BBB só poderia mesmo dar certo aqui. Receptividade e entendimento perfeitos...

    ResponderExcluir
  16. O problema é que o pessoal adora um drama. Mas na verdade o que acontece é nada. Quando alguém tem mais direitos que outros como por exemplo um consul francês que atropelou uma diarista, que nas reportagens foi confundida com uma indigente, só agora apreenderam o carro, todo amassado que não vale nada, mas vão leiloar assim mesmo.
    Outro exemplo é de um motorista de ônibus em Brasília, que foi demitido por direção perigosa fora os trocentos pontos na carteira. O sindicato entrou com uma ação e ganhou e reintegrou o indivíduo. Resultado: ele e uma passageira morreram em um acidente provocado pelo mesmo. Tem muitos casos em que um bêbado provoca um acidente grave e não há punição, mas quando é o dono do Corcel II, aplica-se todo o rigor da Lei.

    ResponderExcluir
  17. A fiscalização aumentou, mas ainda é deficiente, e tenho medo de pensar até quando ela irá durar. Mas os radares estão aí, sempre apontando os "criminosos" e claro, faturando alto pro governo.

    ResponderExcluir
  18. Bob,
    Não tenho o hábito de beber, mas concordo que o problema vai muito além de estabelecer um limite para a concentração sanguínea de etanol e, como já foi dito, a palavra é fiscalização. Porém, nem todos respeitam o limite do próprio corpo e acabam abusando ou achando que são capazes de manter os reflexos mesmo com alcolemia muito acima do aceitável: aí os problemas começam. Também há o porém de outras substâncias ou condições físicas não detectáveis pelo etilômetro, tais como psicotrópicos, antialérgicos, sonolência, cansaço, etc.
    Ano passado, adquiri a gripe A (vulgo “suína”) durante aquele período de epidemia. Por falta de alguém habilitado que pudesse dirigir pra mim, guiei até o hospital com 41°C de temperatura e apresentando tontura, vertigem, torpor e sonolência; fui parado pela blitz da Lei Seca que, obviamente, não constatou etanol em meu hálito. Porém, admito que naquele dia eu, apesar de estar tentando dirigir com o maior cuidado possível, representava um perigo em potencial, talvez semelhante a um motorista bêbado. Um exemplo de condição não detectável pelo “onisciente” bafômetro.
    Sobre os âncoras do JH, é triste vê-los fazendo piadinhas como se estivessem num programa humorístico. Não me esqueço da brincadeira de mau gosto (e até um ponto dúbia em sentido) feita certa vez pelo jornalista Evaristo Costa, em pleno JH, sobre uma cobra que entrou numa casa...

    ResponderExcluir
  19. Dirigir alcoolizado realmente é um problema! Muito melhor sair para beber de taxi, mais seguro pra ti e pros outros que estão no trânsito... Agora eu tenho um problema: Meu sogro, que tem ascendência italiana, sempre faz alguma comida mais caprichada no domingo, normalmente é churrasco, quando o Rio Grande fica tomado por uma nuvem de fumaça perto do meio dia, formada pelas churrasqueiras heheh... Bom, ele tem o costume de tomar vinho, quando eu estou visitando-o não posso sequer degustar um vinho junto com a comida, pois corro o risco de tomar uma multa besta, mesmo sem ter meu estado de consciência alterado em função da pequena quantia de alcool que um cálice ou dois de vinho podem trazer... É lamentável!
    Nesse nosso querido país, somente é punido aquele que não tem as "costas quentes", e a pessoa comum, que nao se encaixa em extremos de ou muito ricos ou muito pobres, paga o pato! Muito ricos normalmente não sofrem punição pq tem alguem para protegê-los, muito pobres, tem os programas sociais e toda aquela gente hipócrita que adora uma miséria... quem leva o sabugo é o homem médio, que paga suas contas e não faz nada para mudar a situação... triste... tomara que alguem tenha coragem pra rever isso


    Bob, como sempre, um ótimo texto!

    Abraço.

    ResponderExcluir
  20. O Bob está certo. Essa palhassada de dizer que não se pode dirigir depois de beber umas cervejinhas é só pra tirar dinheiro do povo. Eu mesmo constantemente guio meu caminhão em estradas perigosas depois de almoços com pinga a vontade e nunca me envolvi em acidentes. Pelo contrário, faço médias que os colegas ficam bobos com minha velocidade em trechos com muitas curvas e descidas. O Bob já é meu ídolo e de todos nós que não abrimos mão de uma pinga pra amenizar os sofrimentos do trabalho na estrada. Valeu, Bob amigão! Só um cara inteligente como ele pra se expressar nossa causa tão bem!

    ResponderExcluir
  21. Só não vale ficar elogiando retardado de internet pra não ficar sozinho, Bob. Tenha um pouco mais de dignidade, filho...

    ResponderExcluir
  22. Quem diz que retardado de internet teve "entendimento perfeito" só pra não ficar sozinho na cruzada "anti-fazeralgumacoisaqualquerquesejapratentarcomeçaramoralizaressabandalha" é porque não sabe o que está dizendo, Bob. E portanto, é burro.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.