PORSCHE 944 S2

Pessoal, finalmente consegui aprontar esse post. Além dos textos e das fotos, dessa vez fizemos uns filminhos conforme sugestão de alguns leitores. Foi meio no improviso uma vez que ainda não temos prática nisso. Mas tínhamos que começar. Aos poucos vamos melhorando. Esperamos que gostem.

Bob, Arnado, Fábio (o dono), o impecável 944 e o Paulo (do outro lado da lente)


Primeira vez com água
Por Paulo Keller

Semana passada encontrei o Fábio. Ele me falou sobre seu novo carro, um Porsche 944S2 1991 e logo combinamos de fazer um teste para o blog. Passei a semana inteira pensando nisso. Logo veio a idéia de fazer um teste a oito mãos, como fizemos com o Mini Cooper S. Agitei com os amigos Bob, Arnaldo e Juvenal, mas na última hora o Juvenal não pode participar. Uma pena.

A expectativa era alta, pois sempre tive vontade de experimentar algum Porsche dessa linhagem com motor a água 924/944/968. Que sorte eu tive, pois comecei logo com um dos melhores entre todos os modelos e variações. O Fábio escolheu criteriosamente esse carro uma vez que ele esteve em produção por menos de dois anos.

O que chamou a atenção logo de cara e fez minha expectativa aumentar foi o motor 3.0. Um V-6? Não, um L-4 bem grande. Um slant 4, devido à sua inclinação para se acomodar melhor no cofre e baixar o centro de gravidade. Esse motor é uma metade do V-8 do 928. Nasceu com 2,5 litros e 8-válvulas, depois ganhou cabeçote 16V e para equipar o 944S2, ganhou mais 500 cm³.

Olhando o carro por fora notamos o kit aerodinâmico do modelo Turbo. A carroceria é praticamente a mesma do 924. Porém seus para-lamas incorporaram os alargamentos do 924 Turbo. Sinceramente, acho o 924 até meio feinho de tão estreito que era. Com os para-lamas bojudos e a bitola aumentada em relação ao 924, o 944 tem um design muito mais equilibrado; é um carro que dá prazer em ficar olhando.

Os para-lamas alargados deixam o 944 mais robusto. As linhas do capô acompanham as linhas dos faróis escamoteáveis

Examinamos os pneus e vimos os 225/50 R16 na traseira com uma boa e apropriada altura de flanco para rodar em nossas ruas e estradas. As rodas são bonitas e combinam com o carro, mas lembra as usadas no 928, que a Dacon fazia aqui e era usada em muitos carros VW. Chegamos no consenso que, apesar da recordação, a roda do carro do Fábio é a nossa preferida.

Entrar no carro é uma tarefa um pouco difícil para que tem quase 1,90 m como eu. Entrei e saí algumas vezes, mas não encontrei um jeito fácil de entrar. Em carros assim, antigos e com donos (imagino) ciumentos, tento fazer tudo funcionar com o mínimo esforço. Apoiar meus 100 kg no encosto do banco para deslizar e me acomodar não era uma opção. Para sair, sem problemas. Apesar da boa altura do solo o banco fica numa posição bem baixa.

Logo notei amenidades feitas para americanos, como ajuste elétrico dos bancos e controlador automático de velocidade (não sei pra quê). Ainda bem que o Fábio é esperto e encontrou um carro com câmbio manual. A pequena alavanca me fez pensar num curso muito curto e rápido. Não vi a hora de sair acelerando.

Dei a vez para o Bob e em seguida para o Arnaldo considerando o meu modo de fazer as coisas; primeiro a obrigação e depois a diversão, e é claro a escala hierárquica. Enquanto eles se divertiam eu trabalhava fazendo algumas fotos para ilustrar esse post. Enquanto eu fazia as fotos acompanhando o 944 de outro carro eu via as estilingadas que ele dava e não via a hora de chegar minha vez.

Chegou. Estávamos na Bandeirantes. Peguei um bom trecho de reta. Logo de cara notei duas coisas: embreagem alta e uma bela aspereza, do asfalto, não do motor. Com relação à embreagem pensei que teria que me concentrar um pouco mais nas trocas rápidas. Quanto à aspereza, lembrei que estava num carro esporte, muito bem plantado no chão, e então passei a ignorá-la. Mais tarde o Arnaldo me disse sentir algo parecido e que provavelmente os pneus deviam estar com pressão um pouco acima do recomendado.

Bem acomodado no banco dei uma checada no posicionamento de todos os espelhos me preparando para acelerar um pouco mais. Pelos retrovisores externos vemos os largos para-lamas traseiros. Um vista bonita de se ver – pensei em fotografar, mas acabei esquecendo.



Quinta a 120 km/h. Vamos começar devagar. Alivio pé direito, trabalho com o pé esquerdo e já desloco a mão direita para trás. O pé esquerdo trabalhou mal. Patinei a embreagem. Mas isso não foi suficiente para impedir que o motor enchesse progressivamente e rápido. Uma boa esticada. Olho pro Fábio ao meu lado. Não vejo um olhar de reprovação. Retrovisor limpo, pé no freio. Sempre faço isso. Só me sinto a vontade sabendo como o bicho para. Pedal pesado – comparado com o meu people mover. Pensei que se precisasse parar mesmo teria que colocar mais força na perna. Os freios agarraram bem e o carro manteve a trajetória sem puxar e sem levantar muito a traseira. Como deveria ser. Afinal, além do visual os freios e suspensões também são do modelo Turbo. Isso torna o S2 realmente interessante.

Mais seguro de mim, parti para o estágio 2. Quinta a 120 km/h, redução para quarta deixando baixar a velocidade para 100 km/h. Concentração no pé esquerdo - curso longo. Passei terceira e atolei o pé direito. Sorriso no rosto. Rapidamente ganhamos 80 km/h a mais. Olhei pro Fábio de novo. Não reprovou. Ganhei mais 20. Aí senti que ele começou a reprovar. Se tem uma coisa que faço é respeitar os donos dessas máquinas. Mas nesse ponto eu já tinha sentido o que eu queria. Em termos de retomada o 3.0 diverte qualquer um. Deve dar canseira em muitos V-6 apesar dos mais de 1.300 kg do S2.

Mais ainda faltava o estágio 3. A alça de acesso para o retorno se aproxima. Pergunto para o Fábio se o carro sai de frente ou traseira. Ele ainda não se arriscou a encontrar esse limite uma vez que comprou o carro há pouco tempo. Hum, e agora, o que faço? Entrei na alça na maciota e fui acelerando, ao mesmo tempo sentindo a reação do Fábio. Deu pra perceber que se trata de um esportivo. Na segunda perna do retorno ganhei mais confiança pois o passageiro ainda não se manifestara. Mas foi aí que veio um “manera aí”. Sem problemas, pois já deu pra ver que o limite estava bem além de onde estávamos e eu já estava me divertindo. O carro é muito bom de curva.


Resumo da história: O 944 é um autêntico esportivo. Acelera muito, freia muito bem e faz curvas com segurança total. Além disso, tem uma suspensão firme, mas que não incomoda. Um carro muito sério e competente. Valeu o dia!

Agradeço ao Fábio pela confiança e pela diversão.


Dezoito anos que nem parecem
Por Bob Sharp


Já escrevi em outros meios e meus amigos sabem que tenho reservas com carros antigos. Nada contra o movimento de preservação ou restauração de máquinas maravilhosas de outras épocas, que a tantos empolgaram. E nada contra também os que se dedicam a essa atividade, seja por gosto ou por fazerem disso um negócio como outro qualquer.

Dito isso, não foi com aquela empolgação que recebi a notícia de que no dia 7 de setembro, um segunda-feira feriado nacional, iríamos andar num Porsche 944 S2. Mas quando o carro apareceu saindo da garagem subterrânea do prédio do Fábio, me emocionei. E tive logo imensa vontade de dirigi-lo.


Isso por saber que se tratava de um GT de estirpe, cuja característica de arquitetura e transmissão me é, em princípio, muito atraente: motor dianteiro com tração traseira por meio de um transeixo, ou seja, câmbio e diferencial juntos, atrás. Isso significa, claro, distribuição de peso 50-50% ou algo bem perto disso.

Tinha curiosidade também de, pela primeira vez na vida, dirigir um carro com motor 3-litros (104 x 88 mm) de... 4-cilindros! Cada cilindro desloca 0,75 litros, medida que não me ocorre ter existido nos tempos modernos. Por outro lado, sabia que o motor conta com a ajuda de duas árvores contra-rotativas no bloco para eliminar ou reduzir os efeitos das grandes massas em movimento recíproco representadas pelos pistões.

Iniciamos a ida para local onde faríamos as fotos, um ponto da Rodovia dos Bandeirantes não muito longe da capital. Fui o primeiro da equipe do AUTOentusiastas pegar o volante. De cara, uma sensação ótima. Tudo visual e fisicamente onde se espera que esteja. Gostei. Sensação de nada tão antigo como 18 anos de vida sugere. Chave de ignição e partida no lugar que tem que ser, nada da estranheza do 911, à esquerda do volante ou de outros lugares e sistemas que temos visto ultimamente.

Um painel com instrumentos de grafia típica da marca, mas sem o conta-giros rigorosamente diante do motorista, que acho dispensável num carro de rua. Os basicões conta-giros e velocímetros, bem juntos, permitem consultas sem a menor dificuldade. Eu só gostaria que o conta-giros estivesse à esquerda, preferência pessoal. Mas há manômetro de óleo e voltímetro, instrumentos que parecem pertencer ao passado. Há termômetro da água também.


Primeiro choque: a carga do pedal de embreagem. Como é alta! Acostumado com as embreagens peso-pluma dos carros atuais, o contraste é realmente grande. Me lembrou a embreagem do Ferrari F40, embora não tão pesada. A alavanca de câmbio, no alto e curta, predispõe trocas agradáveis. Seu toque também revela a idade, ainda a varão – para trás, lembre-se – mostra certa vagueza e não pode ter o curso pequeno que se desejaria num carro esporte. Mas nada que impeça um dirigir realmente prazeroso. Até pela imaculada posição de dirigir, mesmo sem ajuste do tipicamente Porsche volante de quatro raios e diâmetro de 360 mm. E não tem ajuste de altura dos cintos. Não precisa.

O cupê 2+2 tem 2.400 mm de entre-eixos (Fusca!!!) e 4.191 mm de comprimento, 1.270 mm de altura. Nada do idiota commanding view of the road, a visão de comando da estrada que leigos apreciam nos SUVs, os utilitários esporte que infestam cada vez mais nossas ruas e estradas.


Mas duas agradáveis surpresas logo apareceriam: motor e comportamento. Que usina fantástica de 211 hp/214 cv! É exatamente a potência do Opel Omega de mesma cilindrada, 6 cilindros, duplo comando e 24 válvulas, que infelizmente não chegou ao Brasil (o nosso era de 12 válvulas, um comando, 165 cv). Cada cv se encarregando de puxar apenas 6,3 kg já impõe respeito. E satisfação.

O caráter do motor lembra muito o dos motores Honda com tecnologia VTEC, sem ter comando variável. Até 4.000~4.500 rpm é um, acima disso, outro. Na hora que o ponteiro do conta-giros atinge esse ponto o motor dá uma acordada de empolgar. Mas que fique claro: abaixo dessa rotação o motor de bobo não tem nada, como geralmente (e erroneamente) se imagina quando o assunto é quatro válvulas por cilindro.

E a aspereza pelo fato de ser 3-litros, 4-cilindros? Realmente a invenção dos japoneses da Mitsubishi funciona sem repreensão. Parece que há um 6-cilindros lá na frente. Já experimentei sensação igual num BMW 120i 2-litros, que também em nada lembra que são quatro cilindros apenas. Mas aí se vão mais de 10 anos de evolução tecnológica.

A potência máxima ocorre a 5.800 rpm e usei no máximo 6.000 nas puxadas, o suficiente para constatar como vai bem esse “velhinho”. O torque máximo de 28,7 m·kgf aparece a 4.000 rpm, mas abaixo disso não some, o que explica a elasticidade notada e que faz do 944 S2 um carro para o dia a dia, na melhor tradição Porsche. O câmbio tem escalonamento de gente grande, aliás visto no manual do proprietário, que como é próprio da marca traz o diagrama das marchas em rotação x velocidade. O “grande-prêmio 0-100 km/h”, pela fábrica, é feito em coisa de 6,5 s (0-60 mph em 6 s). Dá para assustar muita coisa mais nova e mais cara que anda por aí à nossa volta.

E o motor com taxa de compressão 10,9:1 foi feito para gasolina de 95 octanas RON, a nossa comum/comum aditivada. O Fábio usa a Podium apenas por questão de maior resistência ao envelhecimento, um ano contra três meses das outras.

Agora, a segunda surpresa. O que faz de curva esse 944 é coisa muito séria. Pude fazer curvas de alta, onde se pode realmente avaliar o comportamento de um veículo, que não deixa nada a desejar para os carros atuais. Pregado no chão, sem deixar a entender que algum eixo reluta a fazer o que se quer e sem balanços indesejáveis. E veja-se que o hodômetro de seis dígitos indicava 102.000 km. Precisão de tocada absoluta.


Na frente, McPherson, na traseira, braço semi-arrastado. Borracha, 205 mm em perfil 55 e 225 mm perfil 50, frente/atrás, em aros de 16 polegadas, talas 7 e 8 pol., respectivamente. Confirma-se o que tenho dito, de que os carros de hoje estão o excesso de borracha no chão. Coisa de designer misturada com desejo de dono de carro que quer o carro “lindão” com patas vigorosas.

O 944 para bem: quatro discos ventilados e ótima potência de freios. Para quem tem dificuldade em modular a frenagem, há ABS para quebrar o galho.

Como comentou o Fábio, é um carro para se pegar e sair por aí viajando. Certo ele. A 120 km/h o conta-giros indica 3.000 rpm. Isso quer dizer que a 240 km/h, sua velocidade máxima, que o Cx 0,33 garante, está a 6.000 rpm. Vá acertar câmbio assim lá na casa do chapéu...

Que bela compra fez o amigo Fábio! São mesmo 18 anos que parecem três.

video




Funcionalidade
por Arnaldo Keller

Dureza é eu ter que escrever minhas impressões depois de ler a do Paulo e a do Bob, pois parece que não há nada a acrescentar. Mas vamos lá. O que mais me atraiu no 944 S2 é a sua ótima funcionabilidade como bom estradeiro.


Um carro perfeito para longas viagens em boas estradas, sejam elas com tremendas retas ou cheias de curvas, tanto de alta quanto de baixa velocidade. Sempre equilibrado, sempre inspirando total confiança. É daqueles em que podemos mandar a lenha sem nos preocuparmos com reações abruptas e indesejadas. Seu comportamento é irrepreensível.Sua suspensão é macia e o motor é silencioso. Nada de estardalhaço desnecessário; tudo eficiência.

Ergonomia perfeita. Tudo no lugar certo, desde os pedais à alavanca de câmbio. Alavanca de câmbio é um pouco pesada, assim como o pedal de embreagem, mas acho isso irrelevante quando num esportivo, pois quando estamos num estamos de sangue quente e a gente nem sente. Até gosto, porque gosto de carro de macho, daqueles que a nossa mulher não fica pedindo emprestado pra ir pro supermercado.


Os bancos, ambos, têm regulagens de acionamento elétrico, coisa que não gosto num esportivo, pois isso, apesar de pouco, pesa. É o cúmulo da preguiça. Se não o temos o sofá da sala com regulagem elétrica, pra que enfiar uma coisa dessas num carro esporte?

Mas esse é o tipo do carro bom de comprar, pois é um verdadeiro Porsche, que, assim como o 914, tem sempre uns puristas empolados os defenestrando, o que lhes atribui valor menor do que deveriam ter.

Eu cá prefiro esse 944 S2 a muito 911 anterior ao 993. Faço isso porque pra mim pouco importa a conversa vã de gente metida a entendida ou o tal etéreo prestígio que dizem que os carros dão. A mim só interessa o carro em si. Na verdade, o 944 S2 é muito mais equilibrado em curvas e bom de guiar que os 911 anteriores ao 993. Com o 944 S2, não é necessário ter os truques do carro, como é necessário ter os do 911, para fazer o carro andar forte sem que nos estouremos. Essa é que é a diferença básica entre ambos, e não é que eu não goste do 911, eu o adoro.

Só achei que ele não tem lá muito glamour, mas isso é característica da maioria dos carros alemães. Apesar de eu não ligar pra isso, não sou cego pra isso. O seu design é só eficiente. A traseira é muito banal e poderia ser de qualquer carro. A Porsche deveria ter se preocupado mais com isso e talvez essa seja a razão dele não ter perdurado apesar de ser tão bom.

Se uma mulher quer ser a Rainha da Bateria, ela não precisa só sambar pracaramba, ela também tem que ser bonita pracaramba, tem que nos tirar o fôlego.

video

Nota: O leitor e participante da edição de primeiro aniversário do AUTOentusiastas, Carlos Fernando Sheidecker Antunes, chamou a atenção para o fato de que só o Porsche 924 tinha motor Audi. O 944 (e o 968) já tinha motor Porsche, que consistia de "meio-V-8" do 928. Primeiro 2,5 litros e em seguida 3 litros, como o deste 944 S2 avaliado "a seis mãos". Atentem para essa observação ao assistirem ao vídeo da minha parte e considerem o que está dito aqui (Atualização feita em 9/9/2009 às 10h00).

24 comentários :

  1. Putz, gostei pacas. Belo carro, post bacana, depoimentos de pessoas diferentes, com expectativas diferentes que são unanimes em apontar as qualidades do veiculo testado. Estou com um 944 aqui e visualmente é tudo o que voces comentam mesmo, um belo carro. Os paralamas são o ponto alto e fazem o carro parecer rápido e agil mesmo parado. E esse motor 3 litros usa medidas que se pode por em um motor chevy, 4.125" de furo por 3.480" de curso, 1/2 motor 377, um 400 polegadas bloco pequeno com eixo de 350, que era bem comum em drag race, fica bem elástico, bom de giro, prazeiroso de se usar e o grande diametro permite valvulas generosas que ajudam muito o motor a respirar bem.

    ResponderExcluir
  2. Bob,

    Voce mesmo deveria ter um Corvette porque o conta-giros e sempre do lado esquerdo. Ainda prefiro o conta-giros do lado direito como nos BMWs e Porsche.

    Mas esse carro tem motor Porsche, nao Audi? O motor 2.0l do Audi foi para o 924 mas esse veio do V8 do 928 logo e um Porsche. Certo isso?

    De todos dessa serie o que mais gosto e o 968. Alias e possivel comprar aqui alguns em boa condicao por uns $9K o que nao e mal. Quase tive um 944 Turbo mas depois de falar com amigos que tinha o carro, se queixavam de alguns problemas entre eles o do cambio traseiro. Rescentemente achei um 968 a venda com cambio novo atras mais alguns malwares resolvidos nesses carros.

    Particularmente acho o 944 e o 968 carros muito bonitos e ainda atuais.

    Excelente post! Todos voces de parabens!

    ResponderExcluir
  3. Muito bom, avaliação de exóticos / antigos / diferentes. É isso que faz desse blog o melhor do Brasil.
    Parabéns ao Fabio pelo carro e a equipe pelo trabalho.

    ResponderExcluir
  4. Paulo Keller09/09/09 09:58

    Carlos, de fato o motor do 944 é Porsche.
    Não consegui editar o vídeo.

    Abraço

    ResponderExcluir
  5. Mister Fórmula Finesse09/09/09 09:58

    Excelente teste, várias perspectivas, respeito a máquina alheia, um monte de informações apesar da impossibilidade se puxar mas a sério a máquina, texto com ritmo e peculiar de cada um dos testadores...etc, etc.

    Dever ser um tanto intimidador mesmo ter uma máquina dessas na mão e com o rabo do olho ficar atento as reações do dono do carro, até que ponto dirigir forte sem ser inconveniente apesar da vontade de explorar mais e mais...

    Ótimo trabalho mesmo, acho que até outros colunistas do blog podem fazer o mesmo em relação a qualquer carro interessante.

    ResponderExcluir
  6. Scheidecker,
    Você certo, eu errado. Dei uma nota no fim da matéria confirmando. O motor do 944 é Porsche, não Audi.

    ResponderExcluir
  7. Rodrigo Laranjo09/09/09 10:28

    Só faltou uma coisa aí: A minha voltinha no carro! :D

    ResponderExcluir
  8. Matéria fantástica! as impressões do carro, os comentários técnicos feitos por aqueles que realmente entendem do assunto e transmitidos de uma maneira muito clara e objetiva. São nessas matérias que descobrimos oque são, e oque faz um AUTOentusiasta! Parabéns ao trio!!!

    ResponderExcluir
  9. Muito bom, o texto dá a sensação de terem entrevistado o carro e traduzido para nós as respostas dadas por esse belo 944.

    ResponderExcluir
  10. ótima matéria, lindo carro. Apenas uma correçãozinha na conta do Bob: cada cilindro tem 0,75 litro, e não 1,33. Abs!
    (a) Ricardo Montero

    ResponderExcluir
  11. Bob & Paulo,

    O carro do Fabio esta em exceptional condicao. Dos 944 que puder ver por aqui nos ultimos 8 ou 9 anos nenhum tinha uma aparencia de novo como esse S2 do Fabio. Imagino que um carro desses custe bem caro no Brasil. Lembro que em 1991 estava no showroom da Dacon em SP onde havia um 944 Cabrio preto a venda 0km. Aqui o melhor exemplar que encontrei foi um 944 Turbo Burgundy mas que estava com o couro ruim (muito seco) e um 968 que estava legal. Em geral couro preto/escuro dura mais que os mais claros. Pelo menos aqui.

    Acho que no Brasil e mais facil deixar o couro como novo do que aqui. Tenho que passar produtos nos meus carros para nunca ter problema com os assentos. Os bancos de couro desse carro, como da para ver nos videos do Paulo, estao com linda aparencia. Existe tambem o fato de que no Brasil as pessoas cuidam e gostam mais de carros que aqui nos USA.

    Um grande abraco.

    PS: A ultima vez que eu vi o Bob deve ter sido ha uns 20 anos atras. Vejo que o Bob nao mudou nada, exceto pela cor dos cabelos. Bob is also in great shape!

    ResponderExcluir
  12. Alan Lopez09/09/09 14:12

    http://www.flickr.com/photos/davidguimaraes/3317040005/sizes/o/in/pool-91233997@N00/

    Entrando passado...

    ResponderExcluir
  13. Belíssimo exemplar de veículo! Acho muito bacana mesmo estes teste/impressões de veículos já fora de linha ou antigos. Principalmente quando os avaliadores entendem do que estão dizendo.

    Enche os olhos ver um veículo destes em excelente estado de conservação. Parabéns ao feliz proprietário!

    Só acredito que Mr Sharp equivocou-se com os números do Chevrolet Omega. 12 válvulas ou 2 válvulas por cilindro, como queiram.

    ResponderExcluir
  14. Para mim o Porsche mais belo entre os que não seguem o formato clássico dos 356 e 911.

    A avaliação com vídeos é uma excelente idéia.

    ResponderExcluir
  15. Excelente avaliação.

    Melhor que qualquer coisa que tenha visto ultimamente.

    Essa fórmula em que juntarem os melhores textos do Brasil com vídeos ficou espetacular.

    Nos vídeos,destaque para o momento que Bob, usando de cuidado extremoso,fecha o capô do 944 e limpa a marca do suor....

    .... e o momento que Arnaldo , para puro deleite dos mais fominhas, entra no carro e , como que armando uma Winchester 44 modelo 1882, alavanca o câmbio rumos às marchas, num clac-clac que o PK,filmando, deve ter ter identificado como " agora o 944 está descascado de acordo... "

    Parabéns ao Trio,

    ResponderExcluir
  16. Seria ousadia demais corrigir mestre Bob ou sou eu que fiz conta errada? 3 litro por 4 cil dá 0,75L por cilindro.

    ResponderExcluir
  17. Que beleza de narrativa ! Tb acho muito legal ver os mitos sendo acelerados hoje em dia e demonstram que fazem muitos pseudo esportivos ficarem no cantinho da sala chorando,hahahahaha...Bob, tem um Omega V6 24v escondido lá em Amparo , era da frota da GM, é do dono da concessionária GM de lá , andei nele em 2007 qdo visitei a cidade, carro maravilhoso, cambio mecanico,urra legal a usina .........

    ResponderExcluir
  18. O post ficou muito bom mesmo, valeu pela espera! Os vídeos ficaram bastante interessantes, deram um "quê" de (ótima) reportagem.

    O desenho da carroceria do 944 me agrada muito, justamente pela simplicidade e quilíbrio das linhas. Não sou do tipo que se sente atraído por arroubos em estilo, um conjunto honesto já é mais que suficiente.

    Interessante o fato do motor ser suave, sempre imaginei que haveria uma certa aspereza de funcionamento, mesmo havendo as árvores contra-rotativas. Afinal, 3 litros distribuídos por apenas 4 cilindros resultam em pistões de massa considerável...

    ResponderExcluir
  19. Jonas Torres09/09/09 23:02

    Aprecio muito a honestidade do Bob ao falar de carros antigos ou mais velhos. Tem muita gente que doura demais a pílula dado o fato de determinado modelo ter sido imagem de desempenho, comportamento e outros detalhes que fizeram a diferença. Não é bem por aí.

    Abraço a todos.

    ResponderExcluir
  20. Homem-baile, Anonimo e todos:
    Desculpem a mancada, e' mesmo 0,75 L por cilindro. Fiz a conta inversa, 4 litros em 3 cilindros. Nao e' desculpa e nao se justifica, mas eu andava realmente exausto mentalmente por conta de um enorme trabalho de revisao e edicao de um livro sobre Porsche a sair em breve. Cheguei hoje aqui na Polonia e espero descansar um pouco a cabeca (os erros de acentuacao sao por causa do computador do hotel nao estar configfurado para portugues).

    ResponderExcluir
  21. Chiavaloni e Homem-Baile,

    Obrigado pelas observações. Era pra ver se "estavam prestando atenção". Pelo visto sim! :)

    O Bob está viajando e eu fiz os acertos.

    Um abraço,

    PK

    ResponderExcluir
  22. A materia ficou otima, apenas uma pequena correção: A embreagem deste modelo normalmente é bastante suave, talvez pela kilometragem deste que foi testado ela já esteja com algum desgaste.
    Tenho um semelhante,é um cabriolet quase zero km e é um dos veiculos mais tranquilos e prazeirosos de guiar no dia a dia.
    Abs a todos

    ResponderExcluir
  23. Arthur Jacon21/11/09 22:35

    Como só agora fui descobrir este blog?!

    Bob Sharp rules!

    Vou começar a juntar dinheiro para ter o meu 944-968. Este é legítimo puro-sangue, infelizmente (felizmente, para mim, porque o preço é bem menor) rejeitado por puristas arrogantes.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.