CINTO DE TRÊS PONTOS: BODAS DE OURO


Cinquenta anos! Em agosto de 1959 o primeiro Volvo, um PV 544, era vendido com o primeiro cinto de segurança de três pontos como conhecemos agora. Havia cintos de segurança antes, mas nada que pudesse proteger os pasageiros como o novo cinto de três pontos de Volvo. O engenheiro Nils Bohlin tinha trabalhado com bancos ejetáveis de aviões antes de trabalhar para a Volvo e conhecia muito bem as forças que acontecem em um acidente, e como se poderia proteger o corpo. E até agora todos cintos são do mesmo sistema, mas com mais sofisticação, como carretel de enrolamento e pré-tensionadores para manter o corpo bem seguro junto ao banco antes do impacto.

Isso é interesante porque até hoje tem muita gente que ainda não quer entender a importância do cinto. Em eventos aqui na Suécia há um equipamento de teste no qual qualquer pessoa pode se sentar, colocar o cinto, mover-se a até 7 km/h e o banco parar repentinamente. A força é grande e dá um bom susto. Se você não tem acesso a esse teste faça o seguinte: fique em pé, normalmente, solte o corpo como se fosse cair para a frente sem movimento dos pés ou joelhos. E quando a cabeça chegar perto do chão, se salve com os mãos... nesse teste, a cabeça se aproxima do chão a uns 10 km/h. Fácil, não?

Sabendo de tudo isso, fui à praia no litoral ao sul de Natal, Rio Grande do Norte. Com esposa, criança e bagagem e um Chevrolet Celta. Na locadora perguntara se havia banco para criança de 2 anos. Não havia. Como tinha muita bagagem, reclinei o encosto do banco de trás para colocar as malas, e na frente minha esposa com a menina no colo segurando-a bem e eu dirigindo com muito cuidado, pensando que não era tão longe do apartamento onde íamos ficar. Depois iria levar tudo para dentro do quarto e colocaria a família no jeito mais normal e seguro, pelo menos com a menina por cima de um colchão lá atrás usando o cinto normal (na Suécia, todas as crianças, todas, ficam no carro viradas para trás, em um banco especial, tudo bem preso e seguro.)

Saí dirigindo e, numa rua, cheguei a um controle policial!
- Bom dia.
- Bom dia, senhor.
- Posso ver a carteira?
- Aqui, favor, é tudo em sueco mas lá atrás pode ver que classe B é carro normal e a data de validade está ok.
- Ok, muito bom. Mas por que a criança está na frente? Não pode, não.
- Sei que não é bom, mas com muita bagagem pensei que seria melhor deitar o banco e colocar tudo lá atrás.
- Mas não pode, não, isso dá multa de...cento e trinta e sete reais.

Que sorte que não é mais caro, mas mostrando uma cara bem infeliz.


- A menina na frente, é esse é o problema?
- Certo, criança tem que ficar no banco de trás.
- Com cadeira apropriada, com cintos e tudo?
- Não, não, só lá atrás.
- Solta?
- Sem problema.

O solução foi eu colocar bastante bagagem na frente, no banco direito, deixando a esposa com a menina, ainda no colo, atrás. E, para minha grande surpresa, o policial falou que tudo bem, que eu não seria multado. "Não queremos estragar as férias de vocês."

Momentos antes pensei em educar o policial sobre segurança de passageiros de carro, mas, pesando melhor, achei que devia ser melhor só falar "sim, sim" e explicar que não sou daqui...

16 comentários :

  1. Rodrigo Laranjo17/09/09 09:13

    Bem-vindo ao Brasil. Aqui ABS e airbag não tem nem como opcional, mas se quiser tem DVD, retrovisores pintados e engate traseiro inútil, que são mais importantes!

    ResponderExcluir
  2. Pedro Bergamaschi17/09/09 10:40

    O cara acima leu minha mente: "Bem vindo ao Brasil".

    ResponderExcluir
  3. Estou envergonhado, Hans. E depois, uma certa turma de Brasília-DF, com um código de trânsito em que nada, absolutamente nada contribui para com a educação e prevenção de acidentes, falam as maiores bobagens na televisão. E a imprensa e grande parte da sociedade compram a idéia e tudo fica na mesma. Poderia eu aqui falar de um monte de mazelas que nos são presenteadas por essa gente boçal que cuida de nosso trânsito, mas tem gente muito mais preparada e conhecedora do assunto do que eu aqui neste blog que o pode fazer. Com relação às cadeiras infantis posso dizer o seguinte: Nem sistema isofix temos por aqui. Há pouco tempo, o Inmetro passou a cuidar da normatização desse ítem, criando um selo de aprovação. Isofix? Passou longe. Então, para quê? Ainda estou tentando entender. Tenho uma cadeira para minha filha de dois anos, que foi adquirida semanas antes da entrada em vigor do certifidado de aprovação. Minha cunhada, que tem um filho um ano mais novo, também comprou uma, mesma marca e modelo da minha, só que com o tal certificado. A diferença é mínima, posso assegurar. A criança fica, em ambas, acomodada e retida da mesma maneira, e a cadeira, também, da mesma forma, presa ao assento do carro. E isso aí, Hans. Seja bem-vindo ao nosso país. Me desculpe, você e os companheiros, autores e leitores desse blog, mas, quando se fala nos assuntos de trânsito aqui no Brasil, meus instintos mais selvagens se afloram.

    ResponderExcluir
  4. Carlos Galto17/09/09 13:22

    Antes da obrigatoriedade eu usava cinto de segurança. O meu pai era o primeiro a me esculhambar falando que isso era pra quem dirigia mal...
    O meu filho anda atrás com uma almofada e com o cinto de 3 pontos.
    Na Scènic ele tem uma cadeira própria, tipo Isofix européia.
    E tem 6 anos.

    ResponderExcluir
  5. So existe um grave erro nesse design:

    Sem encosto de cabeca, apos uma colisao a cabeca ricocheteia e ai voce pode quebrar o pescoco. Game over.

    Por isso, cinto de 3 pontas so funciona corretamente em conjunto com o encosto de cabeca que deve estar devidamente posicionado para a pessoa em questao.

    Bem legal o post!

    ResponderExcluir
  6. A lesão cervical por hiper-extensão ocorre quando o carro sofre um violento golpe por trás, fazendo com que o carro avance. Por inércia os bancos são levados junto com o carro, empurrando o corpo. Sem o encosto de cabeça, também por conta da inércia, não é nada empurrando a cabeça e por isso ocorre esse tipo de lesão.

    No caso de batidas de frente o mecanismo é inverso. O cinto de três pontos evita ou minimiza o contato da cabeça e principalmente do tórax com o painel do veículo. O "ricochete" vai acontecer independente do tipo de cinto. A diferença é que com o cinto abdominal você pode ricochetear já morto ou gravemente ferido. Com o cinto de 3 pontos sua chance de sobrevivência é muito maior.

    Porém, sem dúvida, o encosto de cabeça é fundamental assim como a inexistência de peças metálicas e/ou pontiagudas no painel, peças fixas com cantos vivos como o retrovisor central, para-sol indeformável e/ou de estrutura metálica, etc etc etc.

    ResponderExcluir
  7. O Brasil é péssimo.

    Se fosse na Europa vc passaria uma noite na cadeia pra aprender a não colocar menor de idade em risco.

    ResponderExcluir
  8. break light deveria ser um item obrigatório, afinal de contas custa barato e é útil.

    ResponderExcluir
  9. Ué!!!!!????

    Cadê aquela foto do parto da Romiseta????

    Censura????

    Talles

    ResponderExcluir
  10. Pois é, mudou muito em termos de segurança a criança continuar no colo da mãe, mas sentada no banco traseiro...

    O problema não foi nem o fato do policial ter preterido a multa, pois já fui parado em alta velocidade por um policial e, no lugar da multa, recebi um belo sermão de 15 minutos que foi muito mais educativo e pertinente que uma simples multa. O ruim no ocorrido com o Hans foi a postura extremamente simplista do policial. A lei não permite que crianças menores de 10 anos trafeguem no banco da frente e ponto!

    A sorte é que, neste caso, o motorista era uma pessoa consciente, caso contrário estaria aberta a possibilidade para um possível acidente grave...

    ResponderExcluir
  11. Um amigo define bem o Brasil, amainando os termos , "aqui é uma casa de mulheres da vida comandadas por travestis",hehehehehe, as leis são mal feitas e confusas ........

    ResponderExcluir
  12. Hans,
    ainda bem que você conhece bem o Brasil. A solução chegou bem rápido para o problema com o guarda.

    ResponderExcluir
  13. 50 anos de cinto de três pontos e boa parte dos carros nacionais ainda conta com cinto de dois pontos para o passageiro central do banco traseiro. Sem contar que, quando fora de uso, aquela tira “pelancuda” fica exposta em cima do banco. Ao invés de tornar obrigatório o airbag, deveriam ter feito isso pelo cinto de três pontos e encosto de cabeça para todos ocupantes...

    Absurdo uma locadora não oferecer nenhum carro com cadeira infantil!

    Hans,
    Você teve sorte do ocorrido não ter sido no Rio de Janeiro. As “otoridades” daqui não teriam sido tão boazinhas...

    ResponderExcluir
  14. Jonas Torres18/09/09 00:28

    Sou completamente a favor do uso dos cintos, inclusive sou um dos raros que obriga seu uso também no banco traseiro. Mas certas bobagens me fazem crer que o ser humano não raciocina mais e perdeu o bom senso: 1) Alerta de aviso de cinto não atado nos veículos; nada mais chato, mas sempre vai existir aqueles que vão dizer "até a padaria da esquina também pode ocorrer um acidente". 2) Obrigatoriedade do uso dos cintos; isso só vem a provar uma velha constatação, de que quando mais regrar é necessária para disciplinar uma certa sociedade, mais primitiva ela demonstra ser.

    ResponderExcluir
  15. Ivo Junior18/09/09 07:08

    Cinto deve ser utilizado em todos os assentos, pois numa colisão frontal, as pessoas "soltas" atrás "voam" sobre os bancos dianteiros, esmagando motorista e carona contra os cintos deles (agravado pela fraca resistência estrutural dos assentos dianteiros).

    Mesmo sabendo disso, em 2007 dei carona para uma amiga numa viagem a noite e ela, no assento traseiro, inventou de soltar o cinto para dar uma soneca. Como ela estava quieta, nem tinha percebido, pois tudo foi em menos de 5 min, o suficiente para ser parado numa blitz da Polícia Rodoviária. Isso depois de 400 km de viagem. Fui multado com razão. Eu sou responsável por todos que estão comigo, nada mais justo.

    O Sr. Hans foi escolher logo um Celta, que não tem regulagem do encosto do assento dianteiro (soldado na estrutura do banco).

    O Sr. Jonas comentou do alerta do cinto e me lembrei do Mitsubishi Eclipse que meu tio teve: avisava o motorista quando o cinto não estava preso, e o "esperto" resolveu isso com um pedaço de metal, onde podia desfilar por aí sem amassar a camisa de playboy... Cada uma!

    Abraço pessoal!

    ResponderExcluir
  16. Bando de maricas...maioria enrustidos!!

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.