VOLVO V40, SEM AS MÃOS NO VOLANTE

Bastante chamativo para um Volvo

O desenvolvimento na área de sistemas elétricos para auxílio e segurança ao condutor de um carro moderno fica maior a cada ano, até em carros meio comuns, não apenas em um Mercedes Classe S.

Eu tive a oportunidade de dirigir o novo Volvo V40 por alguns dias, e como o carro está sendo lançado no mundo inteiro agora, eu gostaria de entender mais sobre ele, principalmente por que ele é cheio desse tipo de equipamento. 

Veja a lista abaixo, com certeza muito maior do que os equipamentos que se pode ter num Fiat Mille agora em 2013. Daqui a alguns anos, eu acho que vamos ter mais e mais coisas assim nos carros comuns.

Por aqui já dá para perceber que o carro tem muita eletrônica
Veja a lista.

- Entrada e saída do carro e partida do motor com a chave no bolso.
- Motor com stop-start, desligando e ligando automaticamente nos semáforos.
- Pára-brisa com desembaçador elétrico.
- Troca automática entre farol baixo e alto.
- Câmera de ré.
- Radar de estacionamento para frente e para trás.
- Direção automática para estacionamento na rua.
- Bolsa inflável para pedestres.
- Instrumentos principais TFT – tecnologia thin film transistor, um cristal líquido com melhor contraste.
- Câmera que capta a velocidade nas placas de trânsito e mostra no velocímetro.
- Câmera e radar para evitar bater no carro à sua frente.
- Controle automático de velocidade com controle de distância do carro à frente.
- Alarme de ponto cego de visibilidade.
- Auxílio para não mudar de faixas de rolamento sem querer.
- Aquecimento interno no estacionamento operado pelo celular.
- Aplicativo para  iPhone e Android para localização e imobilização com o celular.

Esmalte amarelo, para fazer as cores da Suécia
Como todos os produtos neste mundo agora, um carro se transforma  mais e mais em um computador com rodas. No meu bolso tenho a chave do Volvo V40 T5, com motor de 5 cilindros, turbo e 250 cv, meio bacana para ser um Volvo, nessa cor  “azul rebelde”. Com rodas com 18 polegadas, o carro chama um pouco de atenção, até na Suécia aonde há treze Volvos a cada dúzia de carros.  

Estilo não muito comum em alguns detalhes


A vida moderna começa já na entrada. A chave pode ficar no bolso, e na hora que se toca a maçaneta o carro acorda, faz uma varredura  e sente que a chave está com a pessoa, destranca o carro e eu posso abrir a porta. Tudo isso acontece em menos de um segundo e não se pensa muito nisso, é só abrir o carro quando se escuta as portas destravando. Dentro do carro a chave pode ficar no bolso e é só apertar o botão de partida com o pé no freio (neste caso foi um carro com câmbio automático) e o motor liga.

O botão para ligar e desligar o motor

Na hora de sair do carro é só desligar o motor com o mesmo botão, sair, apertar num lugar na  maçaneta (ou fechar com o controle remoto) e o carro está travado de novo. O que poderia acontecer se você deixasse o seu amigo dirigir e no posto você fosse ao banheiro sem pensar na chave e o carro fica sem chave, é uma outra história…

A maçaneta sensível ao toque

Na hora de lavar o carro em casa,  conforme a água  tocava a maçaneta,  as portas ficavam  travando e destravando, os espelhos retrovisores dobrando e desdobrando, pois eles tem o “power fold” (dobramento elétrico) conectado com o travamento. Melhor deixar a chave dentro do carro na hora de lavar.

Mas em geral eu gostei desse sistema de “keyless go”, só que se tem que pensar onde está a chave. 

O painel avisa que a chave está por perto

Se estamos em uma manhã com temperaturas baixas, abaixo de zero, podemos usar o aquecimento auxiliar. Isso é bastante comum aqui no norte da Europa, mas poucos carros a  gasolina tem. Neste Volvo tinha e eu gostei também. Chegar num carro todo congelado é chato mesmo, a temperatura dentro do carro fica quase como fora, só que sem o vento. Nesses dias que fiquei com o V40 estava -7 °C ou -8 °C dentro do carro pela manhã.

Entrar num carro já quente é muito gostoso. No instrumento principal se entra num menu e coloca a hora que você quer que o carro comece a  esquentar. Se a pessoa quiser, tem um aplicativo para celular em que se pode ligar o aquecimento com o telefone.

Aquecimento interno antes de sair com o carro, muito importante por aqui
Com esse sistema eu só me confundi um pouco sobre o relógio, ou relógios. Na primeira manhã eu coloquei o horário que eu queria que o sistema funcionasse. Mas no dia seguinte, uma hora antes do que eu queria, escutei o barulho do carro, e eu estava dentro da casa. Pensei, o que é isso? O carro tem uma APU (auxilar power unit) para dar energia elétrica como nos aviões? Agora? Eu saí para ver o que que era. A-há!, estamos em horário de verão na Suécia agora, mas os relógios no carro não sabem.  

Numa manhã eu queria testar uma outra opção que tem na lista, o pára-brisa com descongelador e desembaçador elétrico. Na manhã tinha um pouco de gelo e pensei, que bom, agora tenho esse pára-brisa, e  não preciso sair do carro com aquela espátula de plástico na mão para tirar o gelo. O motor pegou e eu apertei o botão de descongelamento e desembaçamento do pára-brisa. Fique olhando, e olhando, esperando, cadê o calor? Demorou pelo menos uns dois ou três minutos sem acontecer nada, que chato. Por que ter um pára-brisa elétrico se o gelo não sai na hora? Assim é bem melhor usar o plástico de que ficar ai no carro esperando uns 15 ou 20 kg de vidro chegar à temperatura acima de 0 °C.

Outra coisa com esse pára-brisa é que os fios condutores de eletricidade são bem fininhos, mas mesmo assim eles dão alguns efeitos visíveis. Contra o sol dá para ver alguns efeitos óticos que ficam um pouco feios. Eu poderia viver com isso se o descongelamento fosse bom, mas escolhendo entre o aquecimento interno auxiliar ou o  pára-brisa elétrico, eu ia escolher o sistema de esquentar dentro do carro todos os dias na semana. Melhor ainda é que dá para operar o aquecimento com o celular.

Volvo tem um aplicativo para smart phone que tem mais alguns sistemas como:

- Alerta de roubo, toca um alarme no celular se acontece algo assim com o carro.
- Localização, com informação de GPS mostrado no celular. Se o carro foi roubado mesmo pode-se desligar o motor  com o telefone,  um imobilizador remoto.
- Também tem serviço de procura de lugares como comércio  e assistência mecânica 24-horas.

No espelho sem moldura, bússola, aqui de frente para oLeste (East). Botão SOS é para acionar socorro em caso
de acidente
Emissor de laser, sensor para o city safety, sensor dechuva e câmera para ler as placas e controlar os faróis
Na estrada o V40 T5 é bom, o motor é forte, o câmbio é bastante bom,  mas dá para sentir que é um automático convencional. Tão bom como um câmbio de  duas embreagens não é. O chassis neste carro foi para o lado esportivo, bastante firme mas para mim não firme demais, eu achei o compromisso entre dureza e conforto bom.

Cinco cilindros , 250 cv e tração dianteira

Desenho bastante moderno

Rodas de 18 polegadas de diâmetro. Pneus direcionais, com pregos (cravos) para gelo. A palavra  Hakkapeliitta
 gravada  no pneu é finlandesa, e se traduz mais ou menos como " Bata com eles na cabeça"

O sistema de direção é bom também. Mas às vezes acontecem coisas esquisitas. Nas autoestradas, ultrapassando alguém e voltando para a faixa da direita, o volante faz uns movimentos como que não querendo ir para lá, e tenho que brigar um pouco, sem muita força.  É uma coisa leve mas dá para sentir. 

Isso é normal, pois é o sistema para ajudar você não sair da faixa sem querer. Se eu tivesse usado o pisca para a direita, o volante ficaria sem esses movimentos contrários.  Na vez seguinte soltei o volante. Vamos ver o que acontece. O carro se aproximou da linha da faixa da direita. E, ah!, sim, o carro não cruzou a linha, o volante virou um pouco, sozinho,  para manter o carro na faixa.  Ainda sem as mãos no volante senti que o carro ia cruzar a linha para esquerda, vamos ver… chegando perto da linha, ainda nada, em cima da linha, nada, e, ops! O carro não sentiu que cruzou a linha a eu fiquei bem perto do guard-rail separando as pistas. Perfeito o sistema não é. 

Luzes de aviso de funcionamento: ajuda de faixas, distância entre veículos,  sensor  de estacionamento e abaixo, a tecla para desligar o ligar o stop-start do motor
No instrumento principal tem uma tela, na verdade o instrumento inteiro é uma tela (só tem nos V40 mais caros) de cristal líquido. Tem várias línguas, português também, claro. Lá mostra o que acontece com o sistema de ajuda das faixas. Quando tudo é normal a linha aparece em branco. Se o sistema não conseguiu ver a linha na rodovia, a linha no instrumento fica cinza. E quando a sistema ajuda o carro a não cruzar a linha, o instrumento mostra a linha na cor vermelha. Você acha muita informação? Então espere aí, vem mais, muito mais. 

Que mais? Sim, você pode ver a velocidade do carro na sua frente. Isso faz parte do controlador de velocidade de cruzeiro, velocidade fixa. Na grade há um radar que faz parte do controle de cruzeiro adaptativo. No volante há sete botões no raio da esquerda. O primeiro acima e esquerda comanda a velocidade máxima permitida, você tem que usar o acelerador com o seu pé,  só que o carro não vai mais rápido de que você colocou como velocidade máxima com os botões + e – . Só no caso de acelerar até o fundo é que o carro começa a  acelerar  acima da velocidade permitida. Esse sistema achei totalmente sem utilidade, para mim seria melhor ter um controle de cruzeiro normal.  Por que?

É assim que o sistema alterna, no botão da direita, controle de cruzeiro adaptativo, é bastante bom, bastante. A coisa é isso: com os + e – você coloca a velocidade que você quer e isso é bem fácil e intuitivo. Dirigindo na estrada você vai chegando no carro da frente, fica a uma distância e o V40 começa baixar a velocidade, bem discreto, até o ponto que se pensa:
– Por que não chegou mais perto? Ah! Sim, o controle de cruzeiro.

Radar na grade dianteira para evitar colisões com outros veículos e pedestres

Comandos de velocidade no raio esquerdo do volante

Controle de som, navegação e telefone Os dois últimos
 podem ser controlado por voz
O assistente de posicionamento dentro da faixa de rolamento

O desenho da última placa de velocidade vista pelo carro, à direita, dentro do instrumento maior, aqui trabalhando como velocímetro

O instrumento funcionando como conta-giros, e a velocidade  de forma digital

Aí liga o  pisca para esquerda, vai para a outra faixa, e aí o carro começa a acelerar. Isso foi uma coisa que nunca me acostumei. E eu sou, como a maioria da população, programado com uma distância mais perto entre os carros, mais perto do que a programação da Volvo. Dá para mudar essa distância só com botão no volante,  mas não dá para chegar numa distância que para mim dê  harmonia na estrada. Uma pena, porque em geral eu acho esse tipo de controle de velocidade de cruzeiro uma boa idéia.

As vezes acontece outra coisa. Se fica dirigindo com o controle adaptativo ligado, na faixa esquerda com uma distância do carro a frente que eu posso chamar “normal”. Mas, às vezes chega alguém que quer entrar no meio desta distância entre os carros. O que acontece? O V40 freia, freia mesmo, e quanto de intensidade é aplicada pelos computadores depende da distância ao carro que entrou na sua frente.

Ah, sim, lembrei, como se pode ver a velocidade do outro carro na sua frente?  No velocímetro do V40 há muita informação. Ver sua velocidade é fácil. A velocidade escrita na última placa, sim, isso tem também. A velocidade no controle de cruzeiro está mostrada com uma marca pequena na escala, em verde nas fotos. 

Mas também dá para ver a velocidade do veículo na sua frente (se é menor de que sua). Aproximando do carro na sua frente que esteja andando um pouco mais devagar, uma outra marca na escala acende e entre as marcas fica um arco branco na escala, a diferença de velocidade entre você e o outro carro. Bem informativo. 

Agora sabemos que esse V40 é cheio de radares e câmeras, e eu escrevi um pouco sobre e sistema dos freios que pode frear sem tocar o pedal. No trânsito da cidade isso pode ajudar bastante se você faz algum erro. Os sistemas sempre ficam medindo a distância para o  carro na sua frente. E,  caso o carro na sua frente parar e você por algum motivo não ver na hora certa, o V40 para também, sem bater. Sozinho. Antes disso acontecer umas luzes vermelhas começam a piscar,  projetadas no pára-brisa.  E um pouquinho antes da hora do carro começar a frear neste trânsito na cidade, sai um sinal ou alarme para você  acordar.

Luzes de alarme de colisão no para-brisas

O V40 avisa que está na hora de tomar um café se você não dirigir dentro das faixas
Eu nunca fiz o carro frear desse modo, mas eu vi as luzes acenderem  uma vez quando um carro, de surpresa e sem usar o pisca, freou e dobrou à direita bem rápido. Parece um sistema bom mesmo e todos V40 tem esse sistema. Se o carro tem o radar opcional, ele também vai tentar evitar acidentes com pedestres e bicicletas, Caso isso aconteça, um impacto  inevitável, aciona-se uma bolsa inflável para pedestres. Não, hoje não é o dia 1º de abril não. Abrindo o capô está escrito num painel de plástico preto na frente do para-brisa “Pedestrian protection airbag”.  

Daqui sai um airbag para proteger principalmente a cabeça dos pedestres de bater no vidro
Na cidade, parando nos semáforos, o carro desliga o motor. Isso eu não senti nada estranho. O carro tinha transmissão automática e na hora que se solta o freio, o motor liga de novo. Se por acaso você não gostar disso tem um botão para desligar o sistema. Também o carro mede temperatura e nível de carga na bateria. Se o sistema considerar inseguro parar porque o motor pode não pegar fácil de novo, o motor fica funcionando  no semáforo.

Na cidade e na hora de estacionar tem mais sistemas de ajuda. Radar da distância para o  carro atrás de você  é bastante comum nos carros novos, até radares na frente também e isso o V40 tem. E como o Volvo tem o sistema de auxílio para não mudar de  faixa de rolamento, se pode juntar esses sistemas e se fica com um sistema que ajuda você estacionar automaticamente. Quando você vê um espaço entre dois carros parados, você aperta o botão marcado com “P” e o desenho de um volante. Agora o carro faz escaneamento para medir as distâncias entre os carros estacionados ao seu lado. Quando você passa numa distância suficiente, acende uma placa “STOP” (pare) no instrumento principal. Então você para, engata a marcha à ré, solta o volante, acelera bem devagar e o carro começa a  manobrar, entra na distância entre os carros e. . . perfeito. Você entrou no lugar muito fácil e numa posição perfeita mesmo. Legal.

Para dar ré em outras situações tem a câmera, e no display aparecem umas linhas virtuais que permitem  ver aonde você vai ficar/chegar quando der a ré com o volante no posição aonde está no momento. Isso ajuda bastante também, as louras na Suécia parecem meio caras, melhor não bater nelas.

A câmera, logo abaixo da segunda letra "V"

Ops ! melhor não dar ré por cima das louras !
Que mais tem neste computador móvel ?  Sim, para minimizar o risco de entrar em contato com alguém nos ângulos cegos de visibilidade há radares olhando para trás que informam quando tem alguém ali através de uma luz que acende no painel perto do retrovisor. A Volvo chama isso de “BLIS” (Blind spot information systema). Este sistema já existia há alguns anos no mercado nos Volvos, mas agora o sistema funciona com radar e não com câmera. Esse sistema pode ser bom sim, mas eu tenho dificuldade em confiar nele,  e o espelho com ângulo grande ou asférico já ajuda bastante, bem melhor de que um espelho plano que eu acho muito perigoso. Quando você está acostumado com um espelho asférico assim, nunca mais você quer um espelho plano. 

Na peça triangular, a luz que pisca para complementar os espelhos

Os vários controles de auxílio de tráfego

Quando termino essa avaliação do novo Volvo V40 está ficando escuro. Os faróis também são modernos. Estão seguindo as curvas,  e no modo “auto” eles  acendem automaticamente  quando fica escuro. Quando a rodovia fica sem ninguém na sua frente, os faróis altos também ligam sozinhos. Quando vem alguém na sua frente de novo, o sistema muda para faróis baixos. Gostei desse sistema. Eu estou só pensando em uma coisa,  caso se queira colocar mais faróis, como nos ralis (bastante comum no norte da Suécia) o sistema ainda funciona?  Preciso perguntar à Volvo isso na próxima vez.

O Volvo foi gostoso de dirigir e bastante interessante experimentar o funcionamento de todos esses sistemas modernos. E dá para entender que um dia, num futuro não tão distante, os carros vão andar  totalmente sozinhos nas rodovias, tenho certeza disso, é só uma questão de tempo. Quantos anos vai demorar?

Ah, sim, mais uma coisa. Dinheiro. Os sistemas, quanto custam? Olhei no site da Volvo. Um V40 T2 com 120 cv custa uns R$ 65.000. Ele é meio básico, mas o equipamento que vem com ele é “um pouco” mais de que vem com uma Kombi aí no Brasil.

Vem com:

City Safety
Ar-condicionado (manual)
Bolsas infláveis para todos os lugares
ABS e ESP
E muitas outras coisinhas na lista que são coisas básicas para um carro desenvolvido agora e não há 50 anos.

Com mais uns R$ 3.500  tem também:
Ar-condicionado automático
Rodas de alumínio
Controle de velocidade de cruzeiro
E mais algumas coisas.

Por mais uns R$ 5.500:
Faróis xenon ativos e “day time running lights” (faróis de uso diurno) em LED
Som bom com a tela de 5 polegadas
Sensor de chuva
E bem mais decorações

E com mais uns R$ 6.000:
Rodas de 17 polegadas
Bancos em couro com regulagem elétrica
Sistema com chave no bolso (keyless entry and go)

Com mais uns R$ 2.000 temos:
O instrumento principal TFT
E decorações no estilo “R”

O sistema BLIS custa uns R$ 2.000, e o sistema que ajuda com as faixas, olha nas placas e controla os faróis alto/baixo, custa mais uns R$ 2.000 e pouco. Para ter o sistema com radar para frente para o controlador de cruzeiro e  detectar pedestres se precisa pagar mais R$ 3.500.

 O T5 com 250 cv custa uns R$ 105.000  na Suécia. Um T5 básico tem muitas coisas mais de que um T2. Para ter tudo como  o carro que eu dirigi, o preço fica em R$ 114.000. No Brasil bem mais caro com todos os impostos.

No final deste post estou pensando, qual vai ser o preço de um carro que seja “automóvel” mesmo, um carro que dirige sem você no volante ?

Porta-malas menor que o do V50, antecessor deste carro

Final de inverno, neve derretendo, mas ainda dá para esquiar

HJ



37 comentários :

  1. Aléssio Marinho09/05/13 12:15

    Nesse Volvo só faltou o adesivo da Gulf...rsrsrs

    Hans, que máquina!
    Voltou por cima, heim? Parabens!

    Gostei da ideia de iluminar apenas a velocidade que o velocímetro está indicando.

    ResponderExcluir
  2. Cara, pode parecer saudosismo, e talvez até seja realmente. Mas eu não tenho nenhum interesse em possuir um carro com tamanha tecnologia monitorando tudo o que faço ao volante, ou pior, interferindo nas decisões.

    Não vai demorar sistemas embarcados de automóveis serão vítimas de vírus informáticos. Hehehe, já imaginaram?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ter um carro com tantos duendes monitorando e zelando por sua integridade realmente o isola um bocado do asfalto e das reações do carro, te dá um pouco menos de autonomia e prazer, mas te coloca em uma posição mais confortável diante de algumas situações que possam aparecer ao longo dos tanto milhares de quilômetros que percorremos todos os anos.
      Nos carros eu dispenso os freios ABS se, logo de início, eu não me entender com o carinha que cumpre a função de modular a ação das pinças. De cima de uma moto a coisa é outra.

      Smartphones sofrem com vírus e cada vez mais estão conectados com os carros. É provável que já haja sistemas de proteção em alguns automóveis.

      Excluir
  3. Beleza de carro e de avaliação !

    Será que aqui vai concorrer a contento com A3, Série 1 e Classe A ?
    Espero que sim !

    ResponderExcluir
  4. Um dia (não vou ver, ainda bem), o sujeito vai entrar no carro, dormir, e acordar horas depois, no destino. O autoentusiasta que quiser saber como isso é suuuuuuuuuuuuuuuper legal, não precisa esperar por esse dia: basta pegar um ônibus hoje mesmo. Dizem que a diferença entre o remédio e o veneno, está na dose. Pois é: automação demais vai acabar matando o prazer de dirigir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mr. Car,

      Essa do ônibus só funciona se você for sentado, de preferência do lado da janela... rsrs

      PS: Faço isso quase todo dia...

      Excluir
    2. Hans,

      Gostei do carro. Mas, eu ainda sou capaz de fazer, manualmente, praticamente tudo o que ele faz com os seus "milhares" de sensores e controles. Dá para desligar tudo isso e dirigir a "moda antiga"?

      Um abraço!

      Excluir
    3. Caro Mr. Car: eu também gosto muito de dirigir, mas acho que esse prazer poderá ser conseguido de outras formas além da necessidade diária de transporte pessoal. Digo isso porque (Deus queira) um dia vou estar velho demais para dirigir e espero não estar limitado aos favores de terceiros ou depender de ônibus, táxi, metrô, etc. Um carro que ande sozinho traria conforto e independência à milhões de idosos, doentes, acidentados e à minha filha deficiente visual! Espero poder ver essa tecnologia ainda em vida. Já falamos tanto dos eco-chatos... não nos tornemos um entusiasta-chato (não me leve a mal, ok? É apenas uma reflexão)

      Excluir
    4. O importante, no dia que acontecer o que o Mr. Car disse, é podermos ter opção de usar isso ou não. Assim como hoje escolhemos se pegamos um ônibus ou vamos de carro. Se for assim, perfeito!

      Excluir
    5. Félix, é como disse o Celsão: se puder ser feita a escolha de usar ou não, ainda passa. Mas se por alguma razão for obrigatório (tipo uma hipotética lei baseada em que carros que se dirigem são mais seguros que carros que são dirigidos, e por isso, "em prol da coletividade", torne-se obrigatório que apenas se dirijam), que esse dia nunca chegue. E (Deus queira) não pretendo ficar velho demais para dirigir um carro.

      Excluir
    6. Sim Mr.Car
      Mas se voce pegar um onibus aqui no RJ voce pode acordar cumprimentando Sao Pedro !
      A coisa aqui ta feia! É assalto , estupro , capotamento, motorista lutando com passageiro e onibus caindo de viaduto , atopelamento de pedestre , atropelamento de bicicleta , carros amassados , curvas e freadas dignas de F1 , etc....
      Por isso digo: se quer ir de onibus que nao seja aqui no RJ
      A coisa tá Russa!

      Excluir
  5. Essa estória de carro autônomo me faz lembrar do garotinho mexicano que ganhou uma bicicleta.
    Depois de algumas voltas no quarteirão, o Miguelito passa em frente de casa e grita para a mãe, toda orgulhosa da habilidade do guri: "Mira, mama, sin las manos!" Na volta seguinte: "Mira, mama, sin los pies!" Mais uma volta: "Mira, mama, sin las manos y sin los pies!" Passados alguns minutos, ele volta para casa a pé, carregando os destroços retorcidos da bicicleta: "Fira, fafa, fin lof dientef..."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A diferença é que se a bicicleta tivesse o tanto de controle que esse carro tem, ela ia se estabilizar, frear e manter o Miguelito em cima dela.

      Excluir
    2. Los enanos se emborrachan tequila y el Coronel García, en el coche moderno, llega en el infierno.

      Excluir
  6. "O sistema de direção é bom também. Mas às vezes acontecem coisas esquisitas. Nas autoestradas, ultrapassando alguém e voltando para a faixa da direita, o volante faz uns movimentos como que não querendo ir para lá, e tenho que brigar um pouco, sem muita força. É uma coisa leve mas dá para sentir."

    Motim! Querem destronar o capitão do Timão....

    MFF

    ResponderExcluir
  7. Bela avaliação, Hans.

    Esta é a primeira ver que leio um "testemunho" de alguém que andou num carro tão automatizado. É assustador o modo como a tecnologia se disponibiliza rápido. Há 2 anos vimos tudo isso na forma de protótipos. Agora já está na rua.

    ResponderExcluir
  8. Gostei da cor e do quadro de instrumentos.
    Mas com todos esses "auxílios", sinto muito, eu me sentiria tachado de barbeiro, distraído, incompetente e por aí vai. Só falta chamar o motorista de burro mesmo. De repente, se os suecos gostam de beber uns tragos a mais para espantar o frio, pode ajudar...
    Pelo menos dá pra desligar tudo isso? Se não der, a Volvo pisou na bola.
    Dispenso.

    ResponderExcluir
  9. Senhores! Independente do que pensam a respeito do que eu penso, isto seria um blog sobre CARROS, logo, qualquer coisa que me tirasse o prazer de dirigir ( autoentusiasta! ) ou conduzir ( o motorista mediano! ) Me leva fatalmente a um excelente ônibus, trem ou mesmo avião, onde ser "levado" a qualquer lugar seria bem mais confortável, simples e menos oneroso. O post foi excelente, qualquer um que adore um lap top com pneus vai achar o máximo mas, no meu caso, deu sono!

    ResponderExcluir
  10. Eu já vi tanta gente transformando seus carros em supositórios por confiar demais no ABS, imaginem se o sujeito resolve delegar ao carro quase todo o ato de dirigir, como frear, acelerar, manter-se numa velocidade compatível, manter-se na sua faixa, tomar conta das luzes, etc??? Como o próprio Hans vivenciou, isso não funciona toda hora. Muletas não substituem pernas.

    Fora o medo de ser renegado a passageiro por toda a eternidade e talvez um pouquinho de misoneísmo (sim eu admito), belo carro e belo post!!!

    ResponderExcluir
  11. Alexandre Zamariolli, quando li o título, também pensei nessa piada! hehe

    Mais um excelente artigo do Hans. O V40 parece ótimo carro para dirigir. Mas concordo com os comentários sobre o efeito dessa assistência eletrônica. Daqui a pouco, basta sentar, cochilar e chegar no destino. Nem motorista vai precisar...

    A Audi já tem um sistema de controle de cruzeiro orientado por GPS. Ele antecipa subidas, descidas e curvas na estrada, visando manter a velocidade e a troca de marchas com segurança e regularidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Rolls-Royce fez algo parecido com o novo Wraith: o GPS "conversa" com a transmissão, antecipando a escolha da marcha adequada para o relevo da estrada à frente.

      Excluir
  12. Gostei da cor desse Volvo.
    To fora de toda essa automacao!
    Jorjao

    ResponderExcluir
  13. Hans,
    Incrível poder assistir isso funcionando... mas..... Tem um botão p/ se desligar tudo isso, e ficar só com a injeção eletrônica pilotando o 5 cilíndros turbo de 250 cv ??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um botão para desligar tudo, ou comendar o carro diretamente para uma outra ”manera ou set up” que você quer, como o botão ”M” num BMW, isso não tem no Volvo. Mas a sistema para não mudar a faixa é facil desligar com um botão (veija imagen 15). O “DSTC” dynamic stability and traction control, isso dar para desactivar no display no console.

      As sistemas para não bater em alguem outro. . . não lembro se dar para desactivar. Mas por o caso que alguem quer bater mesmo, coloque um adhesivo preto na frente das cameras e uma folha de aluminio na frente da radar, acho que vai dar certo bater em algo sim.

      Mas falando serio, sim, com a ajudanca de faixas desligado e o controle de velocidade tambem, o carro foi gostoso dirigir :-)

      HJ

      Excluir
  14. Hans Jartoft, excelente texto! Para um suéco você escreve muito bem português, de dar inveja a muitos brasileiros!!!

    Devido a textos como esse que é obrigatória a visita diária a esse blog extraordinário!

    Essas tecnologias são sempre bem vindas, desde que se possa desligar a maioria delas, claro. Eu adoraria ter esse carro! Se vir ao Brasil custando menos de 200 mil reais o completo com todos os opcionais, eu compro!

    E para os que falam mal de tecnologias assim: nem todo mundo sabe pilotar um carro. A mairoria só sabe colocar o carro em movimento. Por isso, é muito bom que essas tecnologias de segurança ativa estejam disponíveis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se não aceitassémos a tecnologia, estariamos andando a calalo até hoje!

      WL

      Excluir
  15. Comprar um carrochato desses que até "briga" com o motorista que teimar mudar de pista...se torna um pesadelo diário pra quem aprecia dirigir...da Suécia, só as louras mesmo.

    ResponderExcluir
  16. Como autoentusiasta não dá para não gostar de um carro desse, entendam:

    - Adoro um carro cru, para se divertir, pisar fundo e ficar com um sorriso na cara.
    - Mas também quero conforto, qualidade de construção e acabamento, para poder passear/viajar tranquilo com a família...

    Eu sei, é 8/80, mas é isso, eu teria carros nos dois perfis acima, sem problema algum.

    Abraços

    ResponderExcluir
  17. Se eu já acho dispensável um carro que troque as marchas por mim... impublicável o que eu achei desse Volvo. A "teimosia" do carro em mudar de faixa foi, para mim, o máximo. Me choca as pessoas admitirem esse tipo de coisa. Acho que a Volco devia parar de fabricar veículos e se especializar em aplicativos e gadgets, desses bem bobos mesmo, que você usa um dia e nunca mais. Acho que dispenso quase tudo que tem nesse Volvo.

    Lucas CRF

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucas CRF, ainda bem que as pessoas pensam e agem de diferentes maneiras, ao contrário, não teríamos carros, nem mesmo a carroça! Como já disse um amigo aqui, estaríamos andando a cavalo e dos pangarés ainda!

      Excluir
    2. Não acho que eu seja tão retrógrado assim, basta ver a muitos comentários criticam o excesso de assistência desse Volvo. Aliás, um dos sinais que esse carro não agradou é baixíssima quantidade de comentários, um pouco mais de 30 em mais de um dia.

      Lucas CRF

      Excluir
    3. Lucas, essa postagem teve até agora poucos comentários porque a Volvo não é uma marca popular aqui no Brasil e esse carro está muito distante da realidade brasileira.

      A maioria dos comentários tem a basicamente a mesma opinião expressa por você devido ao público desse blog. Mesmo assim, houve várias pessoas que apoiam essas tecnologias, como bem disse o Anônimo 10/05/13 00:03.

      Achei esse carro fantástico, adoraria tê-lo, mesmo sabendo dirigir muito bem. E acredito que para muitas pessoas, carros com todas essas tecnologias só ajudariam a diminuir o número de acidentes por falta de atenção que vemos acontecer diariamente.

      Excluir
    4. Amigo, só te digo uma coisa, prefiro estar com minha família dentro de um "gadget" seguro do que em um desprovido desses recursos.

      A vida da minha família, dos meus entes queridos com certeza teria mais chances em caso de acidente diante do dito "gadget".

      Pra mim, quem não gosta de câmbio automático é quem nunca usou, hoje os adaptativos fazem praticamente a mesma coisa que fazemos no manual, com a mesma velocidade ou até mais rápido.

      Não critique, pois seu idealismo ainda pode trazer algum mal a você ou a quem você ama, repense isto, não acredito que seja tão ignorante a falar uma coisa dessas.

      Digo mais, essas tecnologias só não são melhores porque não estão ao alcance de todos, estão ainda elitizadas, caso contrário poderiam acabar com a carnificina do trânsito no Brasil.

      Para os ditos pilotos, quem mais mata é quem se acha piloto e arrisca a vida dos outros nas ruas sem prudência alguma, um ser desses nem um VOLVO super-seguro salva, quem diga quem está em volta, bom senso e respeito a vida é o que salva tudo a todos.

      Corro em track day, tenho um carro manual e preparado para tal, com tudo que manda para se ter boa performance em pista e estou aqui defendendo que, tecnologia é benéfica quando nós não criamos barreiras desnecessárias a ela, temos que nos adaptar, são novos tempos e não é só a fabricante sueca que está seguindo tal rumo.

      Ignorância e paradigmas idiotas demonstram a falta do entendimento que o ser humano pode ter das coisas à sua volta, valores e afins, e não resolvem nada.

      Nos EUA, Japão, Inglaterra, França, Alemanha mais de 60% dos carros é automático ou automatizado.

      Na Fórmula 1 e em outras inúmeras categorias desportivas se usam câmbios automatizados, ai pergunto, por que não?

      Acorda povo!

      Excluir
  18. Ter opções... sem discução!!! Muito bom o relato e muito bem vindo os avanços da tecnologia com a criatividade do homem, esse mesmo que criou aquele carro convencional(0 primeiro) mas, que, na época era uma modernidade! Modernidade essa que com certeza teve resistência por aqueles que não abriam mãos de cavalgar em seus cavalos. Cavalgar era mais emocionante.
    Gostei. Se esse carro chegar ao Brasil com um preço ao meu alcanse, eu compro um. vou compra-lo e colocar ao lado do meu convencional e do meu cavalo

    ResponderExcluir
  19. Ter opções... sem discussão!!! Muito bom o relato e muito bem vindo os avanços da tecnologia com a criatividade do homem, esse mesmo que criou aquele carro convencional (o primeiro) mas, que, na época era uma modernidade! Modernidade essa que com certeza teve resistência por aqueles que não abriam mãos de cavalgar em seus cavalos. Cavalgar era mais emocionante.
    Gostei. Se esse carro chegar ao Brasil com um preço ao meu alcance, eu compro um. vou compra-lo e colocar ao lado do meu convencional e do meu cavalo

    ResponderExcluir
  20. BAITA CARRO, SEM DÚVIDA ! E TEXTO MUITO BEM ESCRITO !
    O QUE ME PREOCUPA É A MANUTANÇÃO. SEI QUE MANTER UM CARRO DE LUXO NÃO É BARATO, MAS DIZEM SER ABUSIVO O VALOR COBRADO PELA VOLVO NAS REVIÕES.
    ALGUÉM TEM ALGUMA INFORMAÇÃO ESPECÍFICA SOBRE O TEMA.
    OBRIGADO E UM ABRAÇO A TODOS.
    LEANDRO BAENA, SÃO PAULO, SP

    ResponderExcluir
  21. Tenho um Volvo, trago tudo dos EUA e Europa através dos sites www.ipdusa.com , www.volvopartswebstore.com , www.fcpeuro.com dentre outros. A manutenção fica mais como a de um médio aqui e as vezes mais barata.

    Abraço.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.