A MALDITA NEBLINA

Foto: phmailynews.net
 


O título deste post não é meu, mas de uma matéria que li numa revista Quattroruote décadas atrás, chamada apropriadamente "La maledetta nebbia", da qual não esqueço. Dirigir na neblina é talvez a condição mais crítica que existe ao volante de um carro, por isso mesmo extremamente perigosa – até para motoristas experientes, o que dirá quem está dando os primeiros passos ao volante. Maldita no sentido estrito.

A neblina é um fenômeno meteorológico entre tantos e se caracteriza pela condensação da umidade do ar junto ao solo. Ocorre quando o ar está frio, sendo por isso uma ocorrência típica do inverno, embora possa ocorrer fora dele. Estamos no outono do hemisfério sul e no mês que vem será inverno. E virá a neblina, especialmente nas regiões sudeste e sul.

Com a neblina – ou nevoeiro, mesmo efeito mas de origem diferente – a visibilidade fica seriamente comprometida. Além de não se enxergar a via à frente senão por alguns metros nos casos mais extremos, à noite se junta o efeito da luz dos faróis do nosso carro refletir nas gotículas d'água que constituem a neblina, piorando a situação.

Pode-se dirigir na pior neblina com  razoável segurança tomando-se certos cuidados:

- Ligue o farol baixo mesmo de dia, para o seu carro ser visto.
- Não vá mais rápido do que sua vista alcança. Esqueça a pressa nessa condição de tempo.
- Se o carro tiver, ligue a luz traseira de neblina.
- Só ligue pisca-alerta se o carro estiver parado no acostamento.
- À noite, se o carro tiver, ligue os faróis de neblina. Se achar que fica melhor, desligue o farol baixo.
- Mantenha o limpador de pára-brisa ligado em intermitente,  pois as gotículas molham o vidro.
- Nos Fiat Uno e Palio (pode haver em outros modelos, verifique o manual), coloque os faróis na posição carro carregado (é preciso abrir o capô para acesso à pequena alavanca no farol existente para esse fim), abaixando o foco e melhorando a visibilidade na neblina. Analogamente, nos carros que têm ajuste de altura do facho a bordo, coloque-o na posição mais baixa possível.
- Nas estradas de mão dupla, abstenha-se de querer ultrapassar enquanto houver neblina.

Mas aconselho a não pegar a estrada se você tiver informação de que ela está com neblina. Procure se informar, hoje a comunicação com órgãos rodoviários e concessionárias de rodovias é mais fácil do que há dez anos.

Ser visto é muito importante, especialmente com neblina diurna (the injurylawyers.co.uk)

Neblina na cidade

É mais difícil mas pode acontecer. Nunca vou esquecer quando ao sair da casa de um amigo, no bairro Alto de Pinheiros, em São Paulo, às 2 da manhã, havia neblina densa. Nunca pensei que a dificuldade para dirigir na cidade sob neblina, uma experiência nova para mim, fosse tão grande. Mal se vê os cruzamentos, semáforos, placas de sinalização, fica-se totalmente sem as referências conhecidas. Deve-se prestar máxima atenção nos cruzamentos.

Ônibus e caminhões

Um grande problema quando há neblina são os ônibus e caminhões. Não que não enxerguem bem nessa condição, pelo contrário, enxergam bem demais. Isso se deve ao grande ângulo entre a linha de visão e o facho dos faróis (embora em muitos ônibus modernos o motorista se sente mais baixo). Tanto que na matéria da revista italiana citada havia um desenho mostrando esse ângulo dizendo Ai camionisti fa meno paura (dá menos medo aos motoristas de caminhão). De fato, esse ângulo maior favorece a visibilidade na neblina e isso os leva a inconscientemente trafegar mais rápido que os automóveis, residindo aí o perigo de uma colisão traseira.

Como esses veículos pesados raramente usam a faixa mais à esquerda numa autoestrada multifaixa, permaneça nesta faixa enquanto houver neblina, contrariando a regra de ser essa faixa exclusivamente para ultrapassagem. Fique sempre atento ao retrovisor interno (nessa hora a película escurecedora no vidro traseiro prejudica muito a imagem refletida no espelho).

As concessionárias de rodovias bem poderiam sinalizar melhor os trechos com ocorrência de neblina, como nesta autoestrada na Itália, mostrado nessa foto enviada pelo leitor André Roberto Andrews.

Boa sinalização de nevoeiro na Itália, a ser imitada aqui (foto Google)
Vou mais longe: assim como os aeroportos têm luzes estroboscópicas de aproximação para o caso de visibilidade baixa, poderia haver este tipo de luz nas margens das rodovias quando houvesse neblina. Ajudaria muito.

O que não cabe é a concessionária da Rodovia dos Imigrantes, a Ecovias, com  a cooperação da Polícia Militar Rodoviária de São Paulo, realizar a "Operação Comboio" quando há neblina no trecho de planalto dessa rodovia.

O ridículo comboio na Rodovia dos Imigrantes quando há neblina (foto estadao.com.br)

Por que digo que não cabe? Porque esses comboios são a maior fábrica de motoristas idiotas de todas, que quando enfrentarem nevoeiro em outra estrada sem o "comboio" ficarão completamente perdidos, sem saber como agir.

Será que as viaturas têm algum radar de visão noturna ou seus policiais são motoristas superdotados, que enxergam na neblina melhor que os motoristas normais? Nem em sonho.

BS

75 comentários :

  1. Uns 20 anos atrás, quando voltava do Espírito Santo para BH, tive que praticamente parar o carro por causa da neblina. Estava num trecho que serra entre Santa Bárbara e Caeté, já próximo a BH.

    Como o acostamento é perigosíssimo na BR-381/262, o jeito foi seguir lentamente pela direita durante uns dois quilômetros, com luzes de neblina acesas e, imaginem, com a cabeça para fora do vidro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conterrâneo... O lixo da BR 381 na neblina é complicado. O citado trecho, de Caeté até Nova Era é constantemente coberto por neblinas, principalmente em madrugadas frias. Vai uma outra dica para quem passar nesse trecho:

      Começou a pingar água no asfalto, PARE imediatamente em local seguro (Posto, lanchonetes e etc.) e espere a chuva lavar o asfalto. Andar nesse trecho com início de chuva é pedir para ser atingido por outro veículo.

      Excluir
    2. Claudio Fischgold18/05/13 14:46

      Anonimo,

      não é só na BR-381. Em qualquer rodovia, quando começa a chover, o óleo pingado da vazamentos começa a ser lavado, daí o risco de se perder a aderencia.

      Claudio Fischgold

      Excluir
  2. Sério que tão fazendo comboio pra andar numa pista boa e perfeita dessas? Puts!

    ResponderExcluir
  3. A luz traseira de neblina ajuda muito na visibilidade, acho que deveria ser item de segurança, ou seja, equipar todos os carros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Outro item de segurança deveria ser o martelo! Para quebrar a luz dos idiotas que adam 100% do tempo com elas ligadas!

      Excluir
    2. Aqui no Brasil deveria ser proibido, tamanha a irresponsabilidade.

      Excluir
    3. Não diga isso Perneta, vamos diminuir ou acabar com essa cultura do "justo pagar pelo pecador", é inegável que a luz de neblina é um item importantíssimo de segurança e por mais que alguns acéfalos a usem de forma errada, ainda sim são a minoria, o que não justifica logicamente, mas dizer que deveria ser proibido não é a solução.

      O Observador

      Excluir
    4. Maior irresponsabilidade é falar algo generalizando tudo. Pior comentário do Perneta que já ví.
      ------------------------------
      Deveria ter ensinamento adequado para o uso da lanterna de neblina, muitos não o fazem da maneira correta por ignorância.

      P500<<

      Excluir
    5. O problema é a falta de fiscalização ou a total incompetência (não no sentido de capacidade pessoal, mas de poder autuar, no caso da PM) os carros com xenon azul nos faróis de neblina ligados apontando nos olhos de outros motoristas. Eu acho que deveria ser cabível de multa quem for flagrado com o farol de neblina ligado sem neblina e o dobro da muta se for xenon de 6000k para cima.
      Essas regras deveriam ser muito mais rígidas do que é atualmente, estou farto de não poder ter um farol mais eficaz por conta de acéfalos que usam os faróis como elemento estético e não funcional.

      Excluir
  4. Ótima postagem Bob!

    Temos de fazer de tudo para acabar com essa mania de usar pisca alerta com o carro andando.

    Aqui na Região de Nova Friburgo-RJ enfrentamos neblina em boa parte do ano e volta e meia me deparo com um carro andando com o pisca ligado.

    Penso que numa via com as faixas apagadas (comuns aqui no RJ) a situação pode até levar um motorista a invadir a pista contrária ap julgar que um carro com o alerta ligado está parado no acostamento.

    Uma pena as luzes de neblina traseiras não serem obrigatórias!

    ResponderExcluir
  5. Marco R. A.13/05/13 12:32

    Será que a operação comboio é uma fábrica de motoristas idiotas ou existe a operação comboio porque há muitos motoristas idiotas?

    O fato é que há muita gente conseguindo a CNH sem merecer ou de formas pouco ortodoxas.

    ResponderExcluir
  6. Ótima matéria, como sempre. Eu lamento o fato de muitos motoristas usarem os faróis de neblina como expressão de estilo ou status e ao mesmo tempo não saberem como se comportar diante dessa situação adversa.

    ResponderExcluir
  7. Eu evito ao máximo viajar nessas condições, mas como nem sempre é possível, é bom estar preparado.

    Certa vez, pego de surpresa, preferi parar em um hotel e seguir viagem apenas no dia seguinte.

    Não sabia dessa dica da autoestrada multifaixa.



    ResponderExcluir
  8. Sinalização que poderia ser adotada por aqui. Podiam colocar duas velocidades em função da quantidade de marcas visíveis no chão.

    http://www.espormadrid.es/2011/07/tramos-de-mayor-riesgo-de-colision-por.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até tem as marcações, mas nenhuma explicação sobre a funcionalidade delas.

      Não sabia que eram para ser usadas assim, obrigado, Perneta !

      Excluir
  9. A situação de maior tensão que já passei em estradas foi por conta da neblina, no interior de São Paulo.

    ResponderExcluir
  10. Bob, adoro o seu modo de escrever. Uns dias atrás estava lendo a avaliação de um veículo no site Best Car e pensei - Este texto é do Bob - quando fui conferir, e eu estava certo!
    Quanto a minha opnião em relação ao assunto da postagem, acho que dirigir na neblina pode ser mais seguro do que pensamos, é só respeitar os limites. Infelizmente nem todo mundo sabe o que LIMITE significa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O pior são aqueles q pensam que os carros mantém os mesmos limites sob qualquer condição, seja com pneus ruins, suspensão acabada, chuva, estrada ruim, neblina.....
      Do mesmo jeito que o maluco anda com tempo seco, carro zero, visibilidade perfeita quer andar com carro ruim, na chuva ou neblina, de noite e achando que é a mesma coisa....
      Depois ainda se impressionam que morra tanta gente no nosso trânsito.

      Excluir
  11. Bob,

    Meu pai sempre me aconselha a evitar a estrada sob neblina. É quase como voar com mau tempo sem instrumentos. Um "voo" cego, literalmente, quando ela é muito densa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luíz
      É mesmo um vôo cego, mas pode-se ir bem devagar com toda segurança, afinal, carro não estola....Mas seu pai está certo, podendo evitar, melhor.

      Excluir
  12. Aqui em SC a neblina é uma constante em várias regiões em todas as épocas do ano, portanto não consigo entender o comportamento de alguns motoristas que deveriam por experiência saber dirigir com segurança nestas condições, já passei alguns sustos com motoristas que insistem em ultrapassar em pista simples e em condições precárias de visibilidade, ou certa vez que dei de cara com um trator mais carroção (sem iluminação nenhuma) atravessando a pista na BR282

    ResponderExcluir
  13. Opa eu sempre ando nas rodovias com farois baixos ligados o tempo todo, quando neblina desligo ele e ligo os de neblina juntamente com a lanterna de neblina, apesar do F.baixo ter ajuste elétrico os F. Neblina ajudam bem mais no poder de penetração da nuvem, aprendi com meu Pai e um grande amigo policial quando mais jovem.

    E quanto ao comboio, puxa vida isso e de matar, acho que o pego umas 5x por mês, pois trabalho na Bx Santista, a Rod. Anchieta hoje na atual situação virou uma rodovia exclusiva de caminhões, é impossível fazer uma viagem nela sem ter que parar por pelo menos 30 min. devido a acidentes com os Caminhões.

    Hoje só uso a imigrantes e mesmo assim e bater uma nuvem mais pesada no "pico" da serra que já fecham o pedágio. Triste isso!

    Como sempre mais um ótimo artigo. Valeu AE.
    Abs

    ResponderExcluir
  14. Aqui em Petrópolis - RJ também é muito comum neblina, durante o ano todo. E fico pasmo com a quantidade de carros que vejo transitando com os faróis apagados (inclusive a noite!) nessas condições de visibilidade praticamente nula.

    ResponderExcluir
  15. A pior estrada que é muito sujeita a neblina é a rodovia Índio Tibiriçá,que fica na região da represa Billings,já passei por neblinas terríveis por lá,além de ser rodovia de pista simples e de tráfego intenso,principalmente de caminhões,e devido ao turismo de fim de semana,e abarrotada de motoristas inexperientes,não é a toa o grande número de acidentes nesta estrada.....

    ResponderExcluir
  16. Corsário Viajante13/05/13 13:51

    Essa da Imigrantes é ridícula, mas em parte é culpa da opinião pública, esta sim muito idiota e adoradora dos confortáveis sensos-comuns. Após aquele grande engavetamento, houve um brado inflamado exigindo que a EcoVias e a PR fizesse algo, e ao invés de implantar sistema de iluminação ou sinalização foram pela via fácil: tratar as pessoas como gado.
    De resto, louvável repetir ao infinito: "Só ligue pisca-alerta se o carro estiver parado no acostamento". Infelizmente a maioria (olha aí o gado novamente) acha que pisca-alerta é "luz do café-com-leite", ou seja, liga quando está perdido, quando está dando ré, quando vai fazer uma idiotice, quando vai andar muito rápido ou muito devagar, enfim... Só não usa na hora certa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só que o último grande engavetamento na Imigrantes foi na pista de subida, direção Santos/São paulo, e os comboios são feitos exclusivamente na pista contrária. Portanto, mesmo que se admita que são uma solução, na verdade resolveram pela metade, mais ou menos como se só fossem aceitáveis acidentes no sentido Capital...
      No mais, os comboios já são prática muito antiga na Anchieta/Imigrantes. Até onde a minha memória alcança, existem há pelo menos 18 anos! E o pior é que muitas vezes a visibilidade nem mesmo está comprometida, mas lá está ele, atormentando a vida de quem precisa viajar...
      Fábio.

      Excluir
  17. Comboio da imigrantes chega a ser patético,acredito que seja mais para um controle do que para ajuda,será que o farol alto atrapalha nessa situação .

    ResponderExcluir
  18. Bob

    Concordo com relação ao "comboio", aliás, vou mais longe.
    Nessas ocasiões, eu prefiro estar o mais isolado possível, justamente o contrário do que ocorre aí, o que dispensa maiores explicações.

    ResponderExcluir
  19. Eu peguei, no Uruguai, "neblina" causada por cinza vulcânica.

    Indo de Punta del Este para Colonia del Sacramento, de repente a visibilidade foi piorando e eu achando muito estranho aquilo, porque tava quente e não é normal neblina no meio do dia, em plena primavera. A visibilidade variava de 500m a 2 km.

    Não era uma situação crítica, mas fiz isso que o Bob recomendou: farol baixo ligado, redução de velocidade a um limite razoável, atenção redobrada.

    Só fui descobrir que era cinza vulcânica quando cheguei ao hotel, conversando com a recepcionista.

    ResponderExcluir
  20. É menos comum, realmente, neblina dentro da cidade, mas não raro; em Interlagos, a proximidade da represa somada a vegetação da região, existe neblina, até com certa freqüência, nos meses de junho e julho.

    ResponderExcluir
  21. Aqui em Curitiba é muito comum a neblina na cidade, sabado mesmo teve a ocorrência deste fenomeno, e viajar para SC pela 376 é quase um fato corriqueiro, principalmente no inverno e mesmo no verão com as nuvens estando baixas na Serra do Mar, já me acostumei a viajar nestas condições.
    Meu carro não possui lanternas de neblina, mas peguei aquelas fiaxas refletivas de caminhão e cortei a parte branca e colei no para-choques a parte vermelha, aumenta consideravelmente a visibilidade traseira do carro a noite!

    ResponderExcluir
  22. Aléssio Marinho13/05/13 15:10

    Quando se construíam estradas no Brasil com seriedade, instalavam pequenos postes refletivos à margem da estrada. Funcionavam muito bem.
    Hoje, instalam esses malditos tachões refletivos, a um custo maior e que incomodam numa ultrapassagem ou mudança de faixa. Inclusive em cidade, onde a necessidade é nula.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corsário Viajante15/05/13 20:23

      Em compensação, ironia: não pintam mais as faixas com tinta reflexiva, resultado: ficam invisíveis á noite ou sob chuva.

      Excluir
  23. Bob
    Ao dirigir sob neblina fortissima em um carro que não possui as lanternas de uso apropriado (Fit), quando percebia uma carro vindo atras (pelo farol), escostava o pé no freio minimamente, somente para que as luzes fossem acionadas, e desta forma sinalizase ao outro motorista que eu estava ali... não sei se é correto mas parecia funcionar devida a situação muito ruim de visibilidade.
    ISM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo 13/05/13 15:38
      Realmente isso informa ao motorista que está atrás que você está ali, mas informa também que você freou ou está freando. Deve ser evitado.

      Excluir
    2. Terrível tb é quando o cidadão liga as famosas luzes "paro onde quero, do jeito que eu quero, a hora que bem entendo", típicas dos taxistas do RJ - o famoso 'alerta'.

      Excluir
  24. Filipe_GTS13/05/13 16:59

    Muitos me criticam por dirigir rápido, só que o faço em dias de céu aberto, estradas boas (pedagiadas), carro sempre em perfeit(íssimas)as condições, pneus ótimos, óculos de sol para dias ensolarados (lembrando que não uso películas), farois baixos acesos, rádio (sempre!) desligado, etc.
    Sob neblina e chuva forte ando devagar e não ultrapasso (em pistas simples).
    Aí, o cara que se borra de medo de passar dos 120km/h (ou pensa que isso é coisa de maluco assassino do trânsito) e faz curvas com o pé no freio mantém os seus mesmos 100~110km/h, acedente somente a maldita (só uso isso quando saio do carro e quero que fique visível aos barbeiros) "meia-luz", ultrapassa, e se lasca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ouvir seu rádio, Filipe, que rádio não atrapalha dirigir em nada, a menos que esteja tão alto que impeça o motorista de ouvir uma sirene de bombeiros, polícia, ambulância, ou o apito de um guarda. E claro, quem está ouvindo um som tão alto assim, está prestando muito mais atenção à música (que aliás, na maioria das vezes, nem deveria ser classificada como tal) que às situações de trânsito ao seu redor.

      Excluir
    2. "Aí, o cara que se borra de medo de passar dos 120km/h..."
      Não entendi essa. Acha 120km/h uma velocidade muito baixa pra andar na chuva??

      João Paulo

      Excluir
    3. Ele disse na primeira linha do texto que só corre em dias de céu aberto, brasileiro mediano!

      Excluir
  25. Muito bom Bob, gosto destes teus textos objetivos! Me sinto voltando aos meus 13 anos lendo Oficina Mecânica em preto e branco ainda! rs
    Já peguei muito a Rio-Teresópolis para ver questão de trabalho lá na serra do capim, próximo a MG já. No trecho logo após Guapimirim, é certo haver neblina e a concessionária da estrada sinalizou muitíssimo bem, com olhos de gato e marcadores de distância no asfalto. Cheguei a pegar neblina de não conseguir ver o cavalo de um caminhão cegonha à minha frente nas curvas e te falo que realmente não é nada agradável, acho que causa uma sensação de 'trem fantasma' em que não sabemos o que vem pela frente... a diferença é que temos certeza que sairemos ilesos do trem fantasma né! rs

    Abração

    ResponderExcluir
  26. Neblina sempre me lembra Paranapiacaba, interior de SP, uma cidade linda por sinal. Mal da pra andar a pé por causa da neblina, isso praticamente o ano inteiro.
    Só vou lá de onibus, o acesso com carro é muito ruim.
    Mas recomendo a todos de SP, é um lugar diferente e meio fora da realidade, parece uma cidade cinematográfica.

    ResponderExcluir
  27. Rafael Ribeiro13/05/13 18:56

    Como morador da Petrópolis, dirigir com neblina é coisa corriqueira para mim, principalmente na BR-040. Não é raro enfrentar visibilidade inferior a 10 metros (isso mesmo, 10 metros!), parece que há um véu à sua frente.

    É impressionante como se usa o pisca-alerta indevidamente nessas condições. E muitas vezes o motorista tem luzes de neblina e não as usa. Mas se pensarmos bem, do jeito que andam dirigindo às claras, imaginem às cegas... Não se pode esperar outra coisa.

    ResponderExcluir
  28. Uma das piores situações que enfrentei dirigindo foi sob neblina, voltando de BH, num trecho de serra que peguei em Itaipava e liga a Nova Friburgo, se não me engano. A estrada por si só já é de alta periculosidade (nunca tinha passado por ali, curvas muito fechadas), ainda peguei neblina! Eu acabei "liderando" um comboio de carros, pois estava bem lento, mas no final ocorreu tudo bem, é só ter atenção e ir devagar, não adianta forçar a barra.

    ResponderExcluir
  29. Excelente post, boas dicas de como dirigir com menor risco possível sob neblina. Por incrível que pareça, aqui em Sorocaba-SP (onde moro) é relativamente comum a ocorrência de neblina na cidade, provavelmente devido ao rio passar bem próximo de onde moro (aliás, rios e córregos é o que não falta em meu bairro...). Na semana passada mesmo ocorreu neblina, bastante densa, que somente começou a se dissipar por volta das 8h da manhã. E o que acho mais incrível é muitos andarem às escuras, nem mesmo lanternas acesas. Tem que ser muito tapado para agir assim...

    ResponderExcluir
  30. E a meia luz eim?? O que tem de gente que se acha fazendo grande coisa só com a meia-luz ligada na neblina não está escrito.... Meia-luz na neblina não serve para NADA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faca como eu, faroletada neles!! todo dia!

      Excluir
    2. O pior é que o uso de meia luz (luz de posição) é regulamentado para situações de chuva ou neblina durante o dia. Art. 40 do CTB: O uso de luzes em veículo obedecerá às seguintes determinações: [...] IV - o condutor manterá acesas pelo menos as luzes de posição do veículo quando sob chuva forte, neblina ou cerração; É coisa de gênio mesmo. Aqui em Londrina por vezes tem neblina de cortar com faca e, claro, a maioria só acende a meia luz. E como a maioria dos carros é prata, e andam mais rápido que o devido, imagina o risco...

      Excluir
    3. Regulamentado ou não, permitido pela legislação ou não, o FATO é que não servem para NADA nessas condições.

      Excluir
  31. Beltrano, o mais Fulano dos Sicranos.13/05/13 21:59

    Óculos escuros, Ray-Ban mesmo, ainda que à noite ajuda no contraste e torna o panorama mais definido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Beltrano
      Se você diz que enxerga com os Ray-Ban no escuro, tudo bem. Acho meio difícil.

      Excluir
    2. Depende da cor... âmbar com lentes polarizadas pode ser.

      Excluir
    3. Concordo com o Paulo Roberto, a lente âmbar ajuda bastante em condições de pouca luz, à noite eu nunca testei, mas uso as "night drive", amarelas, distorcem um pouco as luzes azuladas (ficam verdes) mas filtram bastante as luzes fortes, especialmente dos carros com faróis desregulados ou intencionalmente altos.

      Duro é achar estes óculos para comprar.

      Excluir
    4. Evandro

      jfsun.com.br

      Excluir
    5. Beltrano, o mais Fulano dos Sicranos14/05/13 19:26

      Justamente, falhei em não mencionar tratarem-se de lentes polarizadas.

      Excluir
  32. Bob,

    Recentemente eu comprei um par de lâmpadas amarelas para os faróis de neblina e os faróis altos do meu carro. Paguei cerca de US$20 por cada par pelo ebay e chegou em 20 dias! Vou lhe dizer que foi uma ótima compra, ajuda muito quando preciso usar e é bem mais eficiente que as lâmpadas comuns ou super brancas! Reservo o uso de super brancas da Osram para o farol baixo, com tonalidade bem parecida aos xenônios originais de fábrica. Percebi que com essa configuração consigo enxegar bem, com ótimo contraste e diminuo o cansaço visual em situações com uso constante do facho alto. Fico irritado com essa mania de farol de neblina ofuscante com xenônio azul, é a afirmação da acefalia do dono do carro!

    Att

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael
      Interessante, essa combinação. Já usei lâmpadas de farol principal amarelas (alto e baixo), anos atrás, e gostei.

      Excluir
    2. Bob,

      Já cogitei a luz amarela para o facho baixo, mas fico apreensivo com a inteligência dos nossos policiais, nunca se sabe quando poderão tentar me parar pra arrumar encrenca sem motivo! Mas tenho uma dúvida quanto a legalidade de usar essa tonalidade nessa função do farol, pois sei que nos de neblina é permitido! Se puder me ajudar a tirar essa dúvida fico grato!

      Excluir
    3. Essas lâmpadas amarelas não são proibidas?



      Excluir
    4. Rafael
      Verifiquei nesse instante, Resolução Contran n° 383, 2 de junho de 2011: amarelo, só farol de neblina, que pode ser branco tambem. Farol alto, baixo e longo alcance, branco. (Anexo I, item 3.15).

      Excluir
    5. Bob, então isso deveria ser um problema para quem usa lâmpadas azuladas ?

      Excluir
    6. Exandro
      Com toda certeza.

      Excluir
    7. Quer dizer que, proibindo lâmpada amarela nos faróis principais, proibiram uma coisa que seria melhor??

      Excluir
    8. Bob,

      Interessante saber que proibem lâmpadas amarelas e não tiram esses paspalhões com as azuis da rua! Estou me lembrando que quando tive um Sportage de 1ª geração ele tinha faróis de longo alcance com lentes amarelas! Chego a duvidar que os policiais conheçam a informação de proibição, no meu caso vejo que estou irregular, pois coloquei no facho alto. De qualquer forma não vou retirar, pois não costumamos usar essa função quando avistamos policiais ou trafegamos na cidade. Só vejo vantagens e usar essa configuração!
      De qualquer forma obrigado Bob, ainda não vai ser dessa vez que meu carro vai ter faróis de Porsche das 24H de Le Mans!

      Excluir
  33. Moro no PR e enfrento muita rodovia com neblina densa. Tenho de agradecer a Fiat por ter capado as lanternas de neblina do Brabo, economizou 5 reais. Deveria ser item obrigatório pois é um equipamento muito importante quando usado corretamente. Também devemos aplaudir o bando de acéfalos que andam com luz de posição na chuva/neblina/amanhecer/entardecer. Simplesmente ridículo, para não falar os que trocam a luz original de posição por pingos de LED que são praticamente invisíveis e ainda acham que tão "abalando".

    ResponderExcluir
  34. A única lâmpada aftermarket de que eu gostei foi a Osram NightBreaker... mais forte, porém não ofusca ninguém, tom ligeiramente mais branco e ilumina muito mais (calculo uns 30% mais). Serve certinho no local original sem nenhuma adaptação, a potência é a mesma (55/60 W, se não me engano) das lâmpadas comuns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também a aprovo, para mim o ganho dela vale à pena a compra, pois realmente ela é mais eficiente, sem causar prejuízos(inclusive a outros motoristas). Sendo assim, não é como as outras que o pessoal troca puramente por estética, nem causa falsa ilusão. A nightbreaker realmente me fez acreditar um pouco em produtos melhores que o original, sem falso marketing nem moda.

      Excluir
    2. Paulo Roberto e fcm

      E não danificam o farol, tipo por aquecerem mais ou coisa do tipo??? Há quanto tempo usam??

      Excluir
    3. Lucas, elas não fogem muito do padrão com suas especificações. Ou seja, consumo e temperatura nada ou pouco se alteram das standart, mas elas são realmente mais bem feitas e isso reflete(sem envolver o marketing deles nem exagero meu) na visão com elas. Elas são legais de se usar, e consomem os mesmos 55/60W das originais. As de 90/100W sim comprometem faróis e também são proibidas, não pense nelas para uso em rua, vejo como útil para quem faz trilhas.

      Uso há 1 ano e um amigo comprou junto de mim para um carro mais antigo e também notou a melhora. Para os carros antigos ela é melhor ainda, pois realmente apesar da lâmpada ser a mesma, o foco e lente eram muito inferiores, dos 3 carros que tenho com mesmo padrão de lâmpadas, é notável o quanto os faróis evoluiram.

      Essa imagem reflete mais ou menos o quanto notei:
      http://www.osram.com.br/osram_br/_img/e40_NBR_lichtfinger_novo6824370693598547982.gif

      Não é um ganho absurdo, mas não é para ser mesmo, ela segue os mesmos padrões da original, não ofusca a vendo de frente(fiz um teste vendo o carro em sentido contrário), mas já mostrou um ganho sensível e foi bem-vindo, até porque ela é vendida por aqui a um preço justo.

      Excluir
    4. Paulo,

      No meu caso, pelo carro já ter boa lente e repletores eu optei pela Osram Cool Blue Intense, que é branca e não azul! Tem bastante melhora de performance e dá um bom contraste no asfalto à noite. A night breaker eu coloquei no carro da minha irmã, melhorou muito mas os faróis são ruins, diz na embalagem que ela tem ganho de 90% de luz! Qualquer escolha que seja das marcas renomadas será benéfico para a segurança!

      Excluir
  35. Eu já enfrentei várias situações de neblina mas ainda creio em duas piores, pelo menos na minha visão: chuva muito forte, e também sol contra.

    Na neblina no máximo reduzi a velocidade e acho que só uma vez precisei parar em um local, ainda procurei só fazer isso em um local com uma baia de segurança. Com chuva parecido, mas ainda por cima com maior risco de embaçar os vidros(em carros antigos é mais crítico) e por vezes a visibilidade é muito reduzida também.

    Agora o sol é algo que incomoda e com ou sem óculos escuros(e para-sol baixado) a luz ainda é muito forte, e(principalmente com óculos) com algumas sombras, podem esconder pessoas, buracos, ou motos e outros carros. Isso também acho bastante crítico na forma em que vemos, no amanhecer e entardecer. Com este já fui mais surpreendido do que com neblina e chuva, mesmo que estejamos acostumados com as variadas condições.

    ResponderExcluir
  36. Em uma viagem que fiz a Campos do Jordão, lembro que quando estava voltando da viagem, peguei uma neblina fortíssima na descida da serra.Além disso, estava de moto, mas nada que um bom capacete, com a viseira devidamente limpa e cautela não resolva.
    Diego, Indaiatuba,SP

    ResponderExcluir
  37. En Argentina en zonas donde es común la niebla se pintan marcas en V sobre la calzada para conocer los metros de visibilidad, si solo se ven 2 no se debe transitar. Dejo imagen de una ruta de mi zona: https://maps.google.com.ar/?ll=-33.017026,-61.010387&spn=0.001244,0.002642&t=k&z=19

    ResponderExcluir
  38. Claudio Fischgold18/05/13 13:57

    Bob,

    veja o que é a irresponsabilidade dos 20 anos. Naquela época, fazendo faculdade em Petrópolis e morando no Rio, não tinha como não conhecer a serra de cor e salteado, já que fazíamos este percurso no mínimo duas vezes por semana. Assim, andávamos sempre rápido, e por muita sorte nunca tivemos nenhum acidante.

    Ótimo post, principalmente pelo esclarecimento das cores das lâmpadas dos faróis.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.