google.com, pub-3521758178363208, DIRECT, f08c47fec0942fa0 A ESTRADA MAIS BONITA DO MUNDO (MAIS UMA...) - AUTOentusiastas Classic (2008-2014)

A ESTRADA MAIS BONITA DO MUNDO (MAIS UMA...)

Não sei porque precisam tanto desses rótulos, mas...
A estrada que liga Banff a Jasper, na província de Alberta (Canadá) é realmente um show! Tem o pomposo nome de Icefield Parkway www.icefieldsparkway.ca/), acompanha as Montanhas Rochosas na divisa com a Columbia Britânica (British Columbia) e traz cenários de cartão postal o tempo todo. Desde lagos, cachoeiras, rios gelados, até as sempre fantásticas geleiras, tudo sempre próximo à estrada principal. Segue o estilo norte-americano de estradas, ampla e um pouco exagerada nas proporções (nada de faixa simples e curvas apertadas, isto não é Europa!). Inúmeras travessias de animais silvestres são vistas pelo caminho (eles passam por baixo da estrada e existem várias partes com alambrados conduzindo-os para esses túneis).
Tudo pode começar no aeroporto de Calgary, cidade que já sediou uma edição dos Jogos Olímpicos de Inverno. Uma cidade absolutamente plana com as montanhas ao fundo. Escolha seu carro (se conseguir fugir dos enormes SUVs, ótimo) e siga viagem para Banff. Dá pra começar por cima, via Edmonton, mas Calgary é mais próximo da região do Parque Nacional de Banff, onde fica a estrada.
Banff é uma cidadezinha simpática que tem essa foto obrigatória da avenida central com as montanhas ao fundo. Prenúncio do que virá pela frente.

Uma dica meio inocente que vem dos tempos em que eu fazia trilhas a pé com mais frequência: OLHE SEMPRE PARA TRÁS! Nas trilhas, isso serve como referência caso você precise retornar, pois só gravamos o que olhamos e raramente nos preocupamos em parar e virar 180 graus. Isso ajudaria muita gente que se perde na mata em passeios mal programados. Mas neste caso o motivo obviamente é outro. Muitas vezes, após uma curva, um túnel ou um passo de montanha, pode-se perder um visual fantástico que, literalmente, ficou pra trás. Esta estrada, especificamente, deve ser percorrida em ida e volta, então a dica nem é tão importante assim...

A primeira parada obrigatória é em Lake Louise. O visual impressiona. A cor da água e a moldura de montanhas, mais o tradicional hotel às margens devem compor o cartão postal mais batido dessa região. O antigo nome, Emerald Lake, também me parecia bem adequado. Ao fundo há uma geleira (ou glaciar), a Victoria Glacier. Geleiras são formações dinâmicas, elas se movem lentamente, carregam muita história de épocas passadas e ainda servem de dramático alerta para as mudanças no meio ambiente, ao se comparar fotos antigas com o que vemos hoje. O nome da estrada começa a se justificar.

Repare que as fotos, coletadas aleatoriamente, não apresentam sempre montanhas branquinhas ou totalmente cinzentas, pois são de estações diferentes. Se puder, escolha a primavera para uma passeio destes. As montanhas ainda possuem o branco da neve do inverno, mas a temperatura está mais amena e as flores começam a colorir a natureza. Ao menos nesta região, o festival de cores do outono não acontece tão efusivamente como em outras regiões do Canadá (lembre-se da bandeira canadense, com a folha de bordo ou plátano [maple leaf] que muda drasticamente de cor no outono).

Os inúmeros lagos vão se sucedendo. Cabe mencionar alguns, mais marcantes, como o Peyto Lake, com suas águas de cor azul turquesa. Em várias partes da estrada é perceptível algumas clareiras nesse mar de árvores. Na verdade, parece uma passada de lâmina de barbear e o motivo é fácil de se imaginar: avalanches. Em vários lugares a estrada é coberta, parece um túnel, mas nota-se que a estrutura foi feita, não escavada. São proteções feitas para que a avalanche passe pela estrada sem bloqueá-la (e, claro, sem atingir nenhum viajante azarado). O problema afeta regiões onde uma determinada inclinação propicia acúmulo de neve, mas de maneira instável. Basta um incentivo (mudança de temperatura, chuva ou mesmo mais neve para que uma placa se separe e aí, ninguém segura!). Regiões muito inclinadas ou pouco inclinadas são estáveis. Repare na faixa no meio desta foto do Peyto Lake.
Seguindo nossa viagem, o rio Saskatchewan e algumas cachoeiras são as próximas atrações. Esse nome e outros tantos tem origem no povo Inuit, nativos da região (são também conhecidos por esquimós, mas eles preferem o termo acima, menos comum -- chega a ser ofensivo chamá-los de esquimós atualmente, vai entender).

O interessante desses rios, alimentados basicamente de degelo das geleiras e da neve acumulada no inverno é que eles variam absurdamente de volume d'água. Esta foto mostra o rio no inverno. Em estações mais secas, o rio vai ficando mais lento e começa a criar um caminho sinuoso dentro do proprio leito, demarcado por seixos, pedras arredondadas. E fazem a felicidade do pessoal do rafting, pois o rio ganha velocidade e pequenas quedas d'água.

E eis que ela surge, impressionante, ao lado da estrada, a Columbia Icefield Glacier:

Impressiona pelo tamanho, pela beleza, por tudo. Pesquisando um pouco na internet pode-se encontrar fotos de mais de 100 anos, onde se verifica o quanto ela encolheu. Só pra se ter uma idéia, a estrada passa onde já foi parte da geleira. Bom, o mais legal dessa geleira é que existem passeios organizados em um ônibus sui generis. Rodas e pneus enormes, velocidade de deslocamento baixíssima. Usando tecnologia pra aproximar o homem da natureza. Na entrada, todos os ônibus passam por uma pequena lagoa rasa para limpar os enormes pneus. A rota é verificada diariamente porque, como falei antes, a geleira não é estática. Ela se move muito lentamente e há uma mistura de gelo compactado e neve, fora os rios que naturalmente se formam e correm por ela, erodindo e podendo criar fendas (ou cravasses) perigosas. Um passeio imperdível pelo inusitado do visual e do veículo!

Seguindo em frente, em direção a Jasper, a estrada segue "apenas" com o visual incrível, já habitual ao viajante a esta altura. Uma outra parada sugerida é a cachoeira Athabasca Falls. Nada que se compare com nossas exuberantes quedas d'água em volume e até em beleza, mas a curta trilha para se alcançar essa cachoeira passa por um canion apertado e muito bonito. Convite para esticar as pernas e fazer um piquenique antes de alcançar Jasper, final da nossa viagem. Como em vários outros destinos montanhosos, existem alguns teleféricos que permitem travessias incríveis e até assustadoras. Entre montanhas, sobre rios e sempre com um visual estonteante. Programa também convidativo, apesar de assustar muitos brasileiros.

A cidadezinha de Jasper não tem nenhum grande atrativo, mas, como comentei no começo do texto, esta região é um Parque Nacional e existe para preservação da fauna e flora local. Ursos são raros, mas esquilos, pequenos cervos e enormes caribous são comuns. As placas de aviso de animais cruzando a pista não poderiam ser mais adequadas a esse local.

Quando eu falo enormes caribous, não estou exagerando. São animais muito grandes e pesados, com uma galhada ainda maior que, não raro, cruzam a avenida principal da cidade de Jasper como se fossem à padaria... Não é dificil um encontro inesperado e a colisão tem boa chance de ser pior para o carro do que para o animal. Nesta estrada você se sente visitante. Tem mais fauna local do que turista.

Diferentemente de outras viagens, esta é indicada facilmente para a família toda, independente da idade. A estrada não tem curvas fortes que enjoem crianças, o carro americano molengão que você vai alugar vai estar no seu hábitat, os passeios são curtos e fáceis, para turistas preguiçosos (exceto as trilhas para os aventureiros), há vários postos de serviços, de apoio, banheiros e locais para piquenique, sempre no padrão canadense de limpeza e segurança. Se é a estrada mais bonita do mundo ou não, não sei. Continuo procurando...

Boa viagem!
MM

8 comentários :

  1. Curingão mano01/07/2009 20:07

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo Andrade02/07/2009 08:17

    Muito obrigado, Marco!

    Agora que o dolar voltou a cair, retomei meus sonhos de uma viagem como esta, que estavam adiados com essa crise toda.

    Vou apertar mais minhas economias, pois agora a viagem sonhada tem o aval dos autoentusiastas! Era a motivação que me faltava!

    ResponderExcluir
  3. Mano Corintiano02/07/2009 20:53

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. MM
    Tá na minha list a de viagens para serem feitas aqui nas terras geladas! Belo artigo!

    ResponderExcluir
  6. Fantástica a paisagem! Uma estrada verdadeiramente feita para se curtir a viagem.

    ResponderExcluir
  7. Nao esquecam de visitar as cidades de Edmonton (especialmente durante os Klondike Days) e a Calgary durante o Stampede. Cidades bem bonitas!

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente,
Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.