NISSAN? O QUE É ISSO?


Conta a história que num dado momento a Nissan foi em busca de empréstimos no Ocidente para se modernizar e crescer, isso por volta do início dos anos 80. Diante das mesas (provavelmente de mogno) dos grandes banqueiros, quando falavam em Nissan, os circunspectos senhores se entreolhavam e perguntavam, "Que carro é esse que vocês fabricam? Nunca ouvimos falar dele!"

Foi então que os japoneses se tocaram: ninguém conhecia a Nissan, pois o carro que fabricavam se chamava Datsun nos Estados Unidos e mundo afora. Nissan, só no mercado interno.

Não se apertaram: da noite para o dia a marca Datsun não existia mais e nascia a Nissan para os povos do mundo...

Por falar em Datsun, veio um correr aqui na Copa Brasil, em 1970, em Interlados. Era um 240Z como o da foto. Novidade total, coisas do Japão eram praticamente desconhecidas aqui, as motos mal começavam a chegar.

A equipe pareceu a todos muito bem organizada, todos os mecânicos de macacão branco (e limpo), impecáveis. Foi então que veio o grande choque. Quando os carros já estavam alinhados para a largada, um mecânico conferiu o aperto das rodas...com um torquímetro! Ainda me lembro da expressão dos que presenciaram a insólita cena -- e do meu próprio espanto ao ver aquele show de mecânica de precisão.

BS

51 comentários :

  1. existe uma estoria que datsun,na pronuncia em ingles,(derisoon?)soava como filho morto.um desastre em termos comerciais.procede?

    ResponderExcluir
  2. Ary,
    Não conheço, mas vou atrás do assunto.

    ResponderExcluir
  3. outra cena com torquimetro foi na pista da bridgestone em s.p.teste de pneu de caminhão.um mecanico confere as rodas com torquimetro.nao me lembro onde vi

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Eu não conhecia essa história dos mecânicos de macacões brancos apertando as porcas de rodas com torquimetro. Sensacional !!!!

    ResponderExcluir
  6. Eu conheco um pouco de ingles, mas nao vejo nada de filho morto na palavra "Datsun".

    E possivel interpretar "Datsun" como "that sun" (esse sol) ou "that soon?" (tao cedo assim?). Dizem que o nome e derivado dos tres fundadores da empreza, um D, um A e um T, e o "sun" represenatava "son", ou filho dos DAT. Nao sei se isso e verificavel ou nao.

    Eu trabalhava na Nissan-USA quando o nome foi mudado em 81, e tudo foi um grande desafio para nos responsaveis pela mudanca. Em ingles, o sonido do nome "Datsun" e forte e nao especificamente japones. Em contraste, o "Nissan" parece um pouco fraco, e sugere uma derivacao de mama-san e papa-san. Nao necessariamente ideal para o marketing.

    De qualquer forma, acho os carros da Nissan entre os melhores do mundo, e espero o dia em que eles realmente fazem o sucesso que merecem no Brasil. Os atuais sao muito bonitos!

    ResponderExcluir
  7. Junior VAMODOIDO03/07/2009 23:23

    Bob

    Mudando da agua pro vinho, voce ja testou o Tiida? Parece ser um carro muito agradável.

    Abraços

    ResponderExcluir
  8. e eles ganharam a corrida??

    ResponderExcluir
  9. Uma pena saber que estamos em 2009 e mesmo hoje muitos mecânicos não tem uma ferramenta dessas!

    ResponderExcluir
  10. Só imaginei a cena da equipe japonesa, todos de branco em um tempo que graxa e oleo ja faziam parte do uniforme dos ocidentais, e torquimetro? oque é isso? Ainda mais para apertar rodas! Hoje muitos não usam nem para apertar cabeçotes, quanto mais rodas!
    Exelente a história!

    ResponderExcluir
  11. Vamodoido,
    Show de carro. É um dos que eu compraria hoje. Procure dirigir um. É perfeito.

    ResponderExcluir
  12. Bob, essa foi a historia que me contaste uma vez ? E que o torquimetro era de estalo ?

    Abraço !

    ResponderExcluir
  13. 240Z, um sonho de consumo.

    Não sei se alguém aqui já assistiu o desenho Wangan Midnight que conta a história de Akio Asakura que compra um "Féirireidi Zeto" (é assim que eles falam Fairlady Z) e o carro tem o sugestivo apelido de Akuma no Zeto (Z Ddmoníaco).

    Abertura:
    http://www.youtube.com/watch?v=joBN3pNf4aA

    ResponderExcluir
  14. Tinha um especial da NHK que passou há alguns anos na Cultura mostrava a obstinação dos engenheiros e mecânicos da Honda para conseguir reduzir os níveis de emissões e se enquadrarem no padrão exigido pelo senado americano. Enquanto as quatro grandes americanas falavam que as metas eram impossíveis de serem alcançadas, os japoneses foram lá e conseguiram. O modelo? O Honda Civic. E levando em conta também que fazia pouco mais de dez anos que eles se aventuraram a fazer carros e os dois modelos anteriores eram com transmissão por correia dentada, típico de moto. E voltando a Nissan, mostraram também na Cultura o desenvolvimento do câmbio Toroidal, já que o CVT tinha limitações para movimentar carros grandes. Muitas lágrimas, sacrifícios e obstinação em busca de objetivo. Parece roteiro de um capítulo dos Cavaleiros do Zodíaco, mas acredito que é um traço do povo do sol nascente.

    ResponderExcluir
  15. Anônimo,
    Não ganharam; tiveram uma atuação apenas discreta. A Copa Brasil consistiu de quatro provas em dezembro de 1970 (dias 6, 13, 22 e 27) e foi vencida por Emerson Fittipaldi, com Lola T210 2,0, seguido do espanhol Jorge de Bragation, com Porsche 908 3,0 e de outro espanhol, Alex Soler-Roig, Porsche 907 2,0. Havia muita maquinaria boa, como Ferrari 512S 5,0, Lola-Chevrolet T70 5,0, Porsche 910 2,0, Alfa Romeo P33 2,0 e Lotus Mk 47 1,6. O 240Z era uma versão chamada Z423R e seu 6-cilindros 2,0 era anunciado com 230 cv (dados extraídos do livro "Interlagos - 1940 a 1980", de Paulo Scali).

    ResponderExcluir
  16. Leonardo,
    Essa mesmo, e o torquímetro era tipo estalo, mais adequado especialmente quando se trata de rapidez.

    ResponderExcluir
  17. Renan,
    Numa das vezes em que me servi da DPaschoal, pediram-me para responder um questionário de avaliação e no campo "Sugestões" escrevi que deveriam usar as parafusadeiras elétricas ou pneumáticas apenas para retirar os parafusos/porcas de roda e, na montagem, para encostá-los apenas, efetuando o aperto com torquímetro. Seria uma demonstração de técnica perante o cliente (que geralmente fica assistindo o serviço) e ao mesmo tempo garantia de uma roda nunca vir a se soltar, além de facilitar a troca de pneu na rua, sem o conhecido aperto excessivo que muitas vezes exige que se suba na chave de roda. E, mais, o aperto correto e uniforme evita deformações de disco e tambor que levam a trepidação ao frear. Mas a sugestão foi para o "cesto" departamento, ou seja, o lixo.

    ResponderExcluir
  18. Bob,
    sem querer fazer propaganda aqui, mas quando troquei os pneus do meu carro em uma autorizada Michelin aqui em Porto Alegre, o aperto das rodas foi feito com torquímetro,

    quanto a palavra DATSUN, ser interpretada com "Death son" ou "Dead Son" (filho morto) até faz sentido sim, assim como "Dart Vader" o vilão do filme Star Wars, mas que é uma verdadeira bobagem, isso é

    ResponderExcluir
  19. Anderson,
    É por essas e outras que sou fã do Sul. É outro DNA. Diga qual é esse revendedor Michelin para os leitores da região.
    Sobre Datsun, pode ser.

    ResponderExcluir
  20. Bob e os demais,
    o revendedor é a Lyon pneus que fica na avenida ipiranga nº 1600, e antes que pensem que Michelin é caro, por incrivel que pareça, tanto os pneus quanto o serviço saiu mais barato que na Dpaschoal (Goodyear) JK pneus(Bridgestone Firestone) e outras lojas e borracharias onde pesquisei, sem contar a garantia de 5 anos, que tambem foi maior que os concorrentes

    ResponderExcluir
  21. Essa cena de apertar as rodas com torquímetro é típica dos japoneses mesmo. A busca pela perfeição está no "DNA" nipônico.

    ResponderExcluir
  22. Desde 2002, eu só uso pneus Michelin em meus carros, justamente pelo excelente custo-benefício. Na minha humilde opinião, os pneus Michelin são os melhores fabricados no Brasil. A estabilidade em piso molhado impressiona (atualmente, tenho o modelo XT-AS instalado em meu Caravan, não mais fabricados).

    ResponderExcluir
  23. "Death son" (morte filho) nao tem significado em ingles. "Dead son" (filho morto) tem signifcado, mas a pronuncia tem nada que ver com a "Dat" em Datsun.

    O "ea" em "dead" e pronunciado como o "e" em Jose.

    O "a" em Datsun e como o "a" em amor.

    Afinal de tudo, acho que ninguem aqui ve ligacao entre "dead son" e Datsun. Como sugeriu o Bob, a troca do nome resultou de uma manobra politica entre o top management da Nissan em Tokyo (havia mais que o elemento dos bancarios internacionais...), e nao de um defeito especifico no nome Datsun.

    E o Tiida (se-chama Versa aqui)? Espacoso, comfortavel e otimo! Concordo completamente com o Bob: Prove um!

    ResponderExcluir
  24. Caros amigos.

    Sem querer desmerecer os Michelin, na minha opinião, pneu bom é o japonês.

    Uso Toyo há 7 anos, com excelentes resultados e custo-benefício imbatível. Há algum tempo estou usando os Yokohama e também estou gostando um bocado.

    FB

    ResponderExcluir
  25. eu já usei, Goodyear, Pirelli, Fate-o, Firestone, Continental, Remold;
    os Remold não fiquei uma semana com eles, detestei! trepidavam e faziam um ronco que parecia que havia uma carreta andando junto, Goodyear é um dos mais macios junto com os Fate-o e Continental, Pirelli e Firestone eu não gostei, por varios os motivos, os Michelin eu estou gostando, apesar de que, se hoje fosse optar por uma marca em especifico, calçaria os Goodyear

    ResponderExcluir
  26. só para constarem os modelos dos pneus: Goodyear Gps2, Pirelli p6000, Fate-o AR, Firestone Firehawnk, Continental Premium Contact, Pneuback (Remold) e por último agora, Michelin Energy 3

    ResponderExcluir
  27. Marlos Dantas04/07/2009 17:32

    O fato dos japoneses terem demonstrado tamanho preciosismo técnico, apesar de não terem vencido a prova, mostrou (e ensinou) aos presentes que mesmo uma tarefa simples deve ser feita com esmero.

    Bem, já que a discussão chegou aos pneus... Há um mês instalei, num Ka, os Pirelli P6 (185/60 R14). É um bom modelo (eu tenho gostado)? Pensei nos Michelin, mas aqui no RJ o preço deles (não me lembro o modelo, mas acho que não eram “esportivos”) estava muito desfavorável perante o do P6.
    Devido a um “aperto financeiro”, à época, instalei um jogo de Pneuback M-7000 na Elba e, contrariando todas as expectativas (inclusive as minhas), estão mostrando um ótimo trabalho, bem acima da média dos relatos que ouço sobre remolds

    ResponderExcluir
  28. Marlos Dantas04/07/2009 17:42

    Anderson,
    Qual o modelo de Pneuback que você usou? O M-5000 é ruim, aqueles sulcos em formato de “vê” quebram no vértice, além de ter a rolagem bastante ruidosa...
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  29. Marlos,
    fico devendo o modelo, mas lembro que eles éram direcionais, como você mesmo disse com os sulcos formando um "V", o pneu e o desenho éram muito bonitos, mas...
    juro que logo ao sair com o jogo de pneus montados, ao atingir certa velocidade comecei a olhar para os lados e pelos retrovisores, pois pensei: - ué, aonde esta esse caminhão?!
    sem exageros, o barulho de rolamento éra bastante alto, mas acho que vai da sorte mesmo, até porque normalmente a estrutura dos pneus é diferente, eles usam varios pneus de outras marcas, ou seja, os pneus apesar de parecerem diferentes, podem ser cada um de uma marca originalmente diferente, e como nós sabemos, pneus de marcas e modelos diferentes tem caracteristicas e comportamentos diferentes.... e tambem mesmo após levar os pneus para balancear 2 vezes, a trepidação, não só do volante, mas do carro todo, éra bastante perceptivel.

    outra coisa que eu tenho a impressão, é de que, quanto maior for o tamanho dos pneus, mais perceptiveis são as diferenças entre as marcas e modelos, pneus aro 13 por exemplo, parecem todos iguais, com leves e algumas vezes imperceptiveis diferenças, conforme vai aumentado o tamanho do pneu, as diferenças de comportamento ficam bem mais notáveis,

    um abraço!

    ResponderExcluir
  30. Por essas e outras que adotamos Michelin como marca de pneu padrão. Obtenho respeito como consumidor de um produto ,como nenhum no ramo.

    Digo mais, o Punto T-Jet com Michelins no lugar daqueles P6 seria "outro carro"

    Sim, tem bons pneus Japoneses,mas eles não suportam tanta pancada como os Michelins, que na linha de peso-pesados são lendas com as 5 ressolagens que suas carcaças X geralmente proporcionam

    ResponderExcluir
  31. outra coisa que parece bobagem, mas que a Michelin faz e nenhuma outra marca de pneu fez até hoje, foi dar um encarte explicativo e um adesivo para colar no para-brisa igual aos de troca de óleo, aonde fica registrado a data e km do último balanceamento, onde eu posso anotar a calibragem normalmente usada nos pneus dianteiros e traseiros, isso ajuda muito na hora de calibrar os pneus, pois eu não levo o manual do carro no porta-luvas e eu as vezes esquecia qual a calibragem recomendada e que eu gosto de usar

    ResponderExcluir
  32. e como o Alexei disse, isso demonstra um respeito e preocupação com o consumidor, e não uma economia e reduções de custo "porcas" que vemos hoje por todos os lados em várias empresas de diferentes ramos

    ResponderExcluir
  33. Bob, foi nessa Copa Brasil que roubaram o carro de corrida de um piloto Portugues?
    Estava comentando com meu pai e me falou desse ocorrido.

    Ahhh de novo falo do forum Hybrid Z, vale a pena dar uma olhada, as brincadeiras com os Datsun!

    abraço

    ResponderExcluir
  34. Alexei

    7 anos com os Toyo de perfil 50 (205/50) e nunca sofri uma avaria sequer. E teve épocas em que eu andava diariamente em trechos bem vagabundos, como a SP-308 e a Regis.

    Vamos ver se os Yokohamas são tão resistentes quanto.

    FB

    ResponderExcluir
  35. Marlos Dantas05/07/2009 01:01

    O Pirelli P6 é ruim? Paguei R$ 199 em cada pneu (185/60 R14), o preço menor por um pneu de marca que encontrei. E, como comprei o jogo, não foi adicionado o valor da montagem, alinhamento, balanceamento, etc.
    O Michelin da mesma medida mais em conta que encontrei custava quase R$ 300, fora os serviços complementares...

    ResponderExcluir
  36. Marlos Dantas05/07/2009 01:23

    Anderson,

    Então você deve mesmo ter comprado o M5000, aquele com sulcos em "vê". Realmente, um péssimo pneu... E olha que você não rodou tempo suficiente para o vértice do vê se deteriorar; a maioria dos carros que vejo com esse pneu se encontra nessa situação. Talvez o ruído seja causado não pelo material/estrutura do pneu, mas pelo desenho da banda de rodagem.
    http://www.pneuback.com.br/pneus/m5000.htm

    Na Elba eu uso o M7000 (175/65 R14), aquele com banda de rodagem assimétrica. Os pneus não causaram ruído excessivo, aliás, são até mais silenciosos que os Cinturato P4 aro 13 (bem desgastados, porém, não carecas) que vieram no carro. Após uns 15 mil quilômetros de uso, revi o balanceamento – ainda feito no momento da instalação – e estava perfeito. Eles “pegaram” balanceamento normalmente, o único porém foi a utilização de mais contrapesos que num pneus realmente novo, mas nada demais... Eles passaram dos 20 mil quilômetros e, esta semana, revisarei o balanceamento. Os pneus que, a meu ver, seriam meros paliativos até eu poder comprar outros de marca, estão me surpreendendo...
    http://www.pneuback.com.br/pneus/m7000.htm

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  37. Marlos

    O pneu mais ruidoso que eu já usei foi o Michelin Pilot Sport, com aquele perfil em "V". Deixou saudades apesar do barulho.

    FB

    ResponderExcluir
  38. curioso que outro carro que dirigi certa vez e que usava pneus direcionais com desenho da banda de rodagem em V, (Bfgoodrich g-profiler), e tambem percebi que éram um pouco barulhentos, mas não tanto quanto os remold, vai ver os pneus com este desenho são barulhentos assim mesmo...

    Marlos, me parece que os pneuback éram este modelo mesmo mesmo, muito bonitos por sinal

    ResponderExcluir
  39. Anderson

    O Toyo Proxes T1S tinha perfil em V bem radical e era silencioso. Duraram muito pouco, eram feitos com uma borracha mais macia, verdadeiro grude.

    FB

    ResponderExcluir
  40. esse éra o desenho dos pneus bfgoodrich g-profiler que achei barulhentos: http://prostore.net78.net/catalog/images/g-ForceProfiler.jpg

    realmente eu nunca havia ligado o fato de os pneus direcionais com formato em V serem barulhentos, agora faz sentido

    ResponderExcluir
  41. Felipe,

    os próximos pneus que irei experimentar provavelmente serão os Toyo ou Yokohama, até hoje só ouvi elogios, e todos unânimes ao afirmar que os pneus são bem macios, a principal qualidade em um pneus pra mim é o conforto que o mesmo proporciona, mesmo que dure menos, eu acho que compensa, valeu a dica.

    ResponderExcluir
  42. Anderson

    Tente pesquisar os preços diretamente nos distribuidores.

    Eu moro em São Bernardo do Campo e aqui tem um distribuidor Toyo, como sou cliente há quase 10 anos e com 4 carros na garagem, sempre consigo arrancar um desconto.

    Meu pai está morando em Piracicaba há alguns anos e descobriu um distribuidor Yokohama na cidade que tem preços excelentes. O colega Gino Brasil, quando ficou sabendo dos preços, pediu para que meu pai trouxesse um jogo de Yokohamas para ele.

    O preço era mesmo imbatível por um pneu de alta qualidade.

    FB

    ResponderExcluir
  43. Marlos Dantas05/07/2009 15:42

    Bitu, Anderson,

    Vocês já usaram o Pirelli P6? O que acharam?
    Há um mês instalei esses pneus na medida 185/60-14 num Ka e, até agora, estão me parecendo satisfatórios. Eles têm boa aderência, não são barulhentos e permitem certos abusos sem reclamar. É claro, não podem ser comparados com Toyo ou Yokohama... Mas, pelo preço, está bom...

    Abraços.

    ResponderExcluir
  44. É exato : pelo preço, está bom ...-Pirelli P6 aliás um bom pirelli.

    Isso num Gol , mas no Punto T-Jet deviam oferecer pneus UHP como opcionais.

    Realmente o Toyo Proxes 4 não compromete , macio , aderente e só deve um pouco em carcaça, que requer 2 libras extras, e é como vcs disseram : um bom pneu de marca tem que ser buscado direto no distribuidor pois não tem a facilidade de comercialização da linha tradicional do país

    ResponderExcluir
  45. Marlos, já usei o Pirelli dragon 195/60 14 e não gostei. Assim como você, paguei bem menos que os valores cobrados por outras marcas ditas como boas. Os pneus estavam ovalizados e depois de uns bons "chas-de-cadeira" na revenda Pirelli, que faziam de tudo para não trocar os pneus, desisti. Dei bobeira, é verdade, mas estava muito apertado profissionalmente não tinha tempo para cuidar disso. Nunca mais compro Pirelli.
    Na verdade eu já tinha resistencia à essa marca; um antigo santana nosso deformou seus P44 sem nenhum motivo.
    Em resumo: Pirelli nem por um quinto do preço dos concorrentes.

    Abraço


    Lucas

    ResponderExcluir
  46. Marlos Dantas05/07/2009 22:37

    Lucas,
    Não faz muito tempo, um senhor, dono de um Passat GTS Pointer (que eu queria comprar), comentou sobre ter tido problemas com o Dragon. Mas, como ele é aposentado, pôde "tirar férias" na revenda e acabaram trocando por outro modelo (P6000, eu acho).

    Confesso que a escolha pelos P6 foi meramente financeira... Pelo que paguei (R$ 199), mais barato só remold (R$130) ou aquelas marcas de segunda linha (em torno de R$180), como Carrefour (Firestone), City (Pirelli), etc. Mas, como a proposta do Ka Image não é exatamente desempenho e, além disso, eu costumo andar "pisando em ovos", acho que eles devem resistir um pouquinho...

    Pretendo, da próximar vez que trocar os pneus da Elba, instalar, no mínimo, uns Michelin no lugar dos remolds "paliativos".

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  47. Marlos,
    o p6 da Pirelli eu não conheço, mas os p6000 que tive duraram bastante tempo, dos pneus que eu já tive foi um dos que mais durou, éram silenciosos e nunca tive problemas durante toda a vida útil, em contrapartida éram muito ásperos e um pouco desconfortáveis, a impressão é de que a borracha éra muito dura e a aderência deixava um pouco a desejar, se não estivessem bem cheios passavam a impressão do carro estar todo frouxo (experimentei usar 2 libras a menos para deixa-los mais confortaveis, mas ficou pior ainda),
    por aqui os pneus da Pirelli para o aro 15 estão na mesma média de preço das outras marcas, por isso prefiro comprar de outras marcas, mas se estivessem mais baratos eu até pensaria em comprar denovo.

    um abraço

    ResponderExcluir
  48. Marlos Dantas06/07/2009 00:57

    Anderson,

    Até que o P6 não é desconfortável. Tem sulcos largos e a banda de rodagem é bonita e “esportiva” (ou seria “pseudoesportiva”?).
    Uma coisa que tenho observado nos modelos da Pirelli é o fato de ficarem mais "barrigudos" que a maioria os pneus de outras marcas, mesmo quando na calibração indicada. Eu geralmente ponho mais duas libras além do indicado (a Ford indica 30 libras para o Ka com pneus 185/60-14) e eles mantêm o aspecto "barrigudo". Acontecia o mesmo com os Cinturato P4 que a Elba usava, com o P400 do estepe (que está ficando antigo, tenho que trocar) do Ka, os P6000 do Chevette do meu tio e outros Pirelli que venho observado por aí... Apesar de saber que certo flexionamento dos flancos em pneus radiais é normal, tenho certas reservas quanto à “barriguinha” dos Pirelli.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  49. Marlos

    Nunca usei o P6.

    O último Pirelli que usei foi o P6000, não gostei muito. E usei por muitos anos os antigos P600, achava até melhor.

    FB

    ResponderExcluir
  50. Fala Sério07/07/2009 01:17

    Essa estória de pneus... com um teste cego até chinês vira americano, japonês, francês, coreano......

    ResponderExcluir
  51. Fala mais sério ainda07/07/2009 06:18

    se testados por uma mula, em cima de uma carroça... sim, qualquer pneu é pneu

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente,
Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.