20 BEST GM CARS OF ALL TIME: THEY DON'T WRITE SONGS ABOUT VOLVOS



A GM errou muito. Não importa com que lentes coloridas se tente ver a história da companhia, trata-se uma saga de falhas, erros e equívocos de proporções nababescas. Por mais que adore a empresa, por mais que todos estes erros tenham uma explicação lógica, por mais que fatores externos fora do controle do General tenham levado a eles, não há como negar que eles houveram.

Mas o fato é que, ao contrário de sua arqui-rival Toyota, praticamente infalível em sua persona robótica, sem emoção e precisa, quando o velho General erra, ele erra pra valer. Agora, quando ele acerta, faz história.

Por isso acredito que seja tão querido pelos entusiastas. Por isto o fato de que, mesmo hoje, ainda existam mais amantes do automóvel em suas fileiras do que em qualquer outra empresa: o velho General parece humano.

Como uma pessoa, ele comete erros homéricos, mas consegue fazer-nos esquecer logo em seguida com um feito histórico e incrível. Como uma pessoa, o General erra e acerta, faz bem e faz mal. Mas nunca é perfeito. Acho que por gostar tanto de automóveis, os engenheiros da empresa acabem se dando fragorosamente mal quando fazem algo simples e comum, e sejam brilhantes quando tenham a rédea solta. De novo, o oposto exato de seu arqui-rival nipônico.

Não importando o que venha acontecer agora com a companhia, sua história e seus feitos são fabulosos. Criou a maneira moderna de se projetar carros, os estúdios de Design, o ano-modelo. Fazendo o seu caminho, grandes homens: Durant, Chevrolet, Zora, Ed Cole, Yunick, Mclaren, Penske, Donohue, Jim Hall, Maurice Olley, DeLorean, Knudsen pai e filho, Kettering, Sloan, Hannenberger, Lutz, e tantos outros.

E fez carros inesquecíveis. Nunca carros perfeitos, mas lampejos de brilhantismo que jamais serão esquecidos. Talvez por nunca serem perfeitos, por terem como qualquer humano alguma fobia ou tique irritante, é que nos lembremos com tanto carinho deles. Ninguém se importa com um eletrodoméstico; ele está ali para cumprir uma função. Mas todo mundo lembra de amigos que, apesar de não serem perfeitos, nos alegram o coração.

Houveram muitos deles na longa história da companhia. Dezenas, centenas, tantos que simplesmente não consegui escolher apenas 10, e quebrei uma velha regra minha para esta lista. Mesmo dobrando a quantidade usual, tenho certeza que deixei muita coisa de fora de propósito, e com certeza me esqueci de mais alguns.

E que critério usar? Os mais revolucionários, que mudaram o mundo, ou as incríveis irrelevâncias mecânicas que ficaram esquecidas? Os mais velozes ou os mais belos? Os grandes sucessos comerciais ou os carismáticos fracassos?

Sem poder decidir, apenas coloquei os que para mim são os mais importantes. Coisa pessoal mesmo, carros que acionam certas sinapses de meu cérebro como algo especial, incrível, fora do comum e interessante, por motivos que não poderia explicar nem que tentasse.

No ano em que a velha GM foi definitivamente para o buraco, esta é minha homenagem a ela, e meus votos de que a nova viva por mais 100 anos. Ela merece.

1) Cadillac self-starter 1912

Charles Kettering foi um dos maiores cientistas que já se debruçaram sobre um automóvel, e talvez sua maior e mais duradoura criação tenha sido a lançada neste Cadillac: a partida elétrica. Parece ridiculamente simples hoje em dia, mas tornou o automóvel uma coisa muito mais prática da noite para o dia. Entrou, virou a chave, apertou botão (algo que devia ter permanecido no passado, by the way) e sai-se andando. Uma revolução seguida por todos.

2) Cadillac V-16

Na era em que Duesenberg, Packard e Stutz criavam magníficos automóveis de passeio, gigantescos, superconfortáveis e com poderosíssimos oito-em-linha, a Cadillac, para não ficar para trás, dobrou o número de cilindros que a concorrência usava...


O Caddy não era o melhor dos clássicos desta era, mas é a prova de que o General pode ser lembrado na mesma frase que menciona os maiores clássicos já criados. Símbolo de uma época de excessos que acabou com o crash da bolsa de Nova York em 29.

3) Chevrolet 1955


Um salto tecnológico nunca antes visto. Sobre seu motor já falei tanto que é melhor só deixar um link sobre dita falação.

Mas o 55 não foi só o small-block V-8, mesmo tendo a importância vital de ter lançado o melhor motor de todos os tempos. Ele avançou a tecnologia dos carros americanos a um novo patamar de excelência: de repente um carro barato tinha a mesma qualidade de um Cadillac, Lincoln ou Chrysler.
E nos anos seguintes, se tornou um dos mais populares hot-rods da história, a ponto de que hoje, mais de 50 anos depois de seu lançamento (!), exista uma enorme indústria para fabricar toda peça que você necessite para manter o seu.

4) Chevrolet Corvair


Motor traseiro refrigerado a ar de seis cilindros contrapostos, estrutura monobloco (sem chassi separado), suspensão independente nas quatro rodas. A menina dos olhos de Ed Cole, um fantástico carro assassinado por um idiota, quando se tornara ainda melhor em 1965.

A primeira geração teve uma das carrocerias da GM mais copiadas no mundo, e a segunda é simplesmente uma das mais belas já criadas, seja em versão cupê, sedã sem coluna, ou conversível.

O Corvair mostrou ao mundo que se encantava com o VW que a GM podia fazer um VW melhor que a própria VW.

5) Pontiac Tempest 61/62

A GM deste tempo não tinha medo de nada; como se não bastasse o Corvair, a Pontiac, liderada nesse projeto por John Z. De Lorean, lança seu compacto recheado tecnologia, com especificações que até hoje soam bem: estrutura monobloco, suspensão independente nas quatro rodas, tração traseira, motor dianteiro e câmbio traseiro, e perfeita distribuição de massas: 50% do peso em cada eixo.

De Lorean, que tinha um olho clínico para custos, fez para este carro um 4-cilindros em linha que era na realidade a perfeita metade do V-8 389 usado nos Pontiac “grandes”. Como tal, era produzido na mesma linha que o V-8, e era inclinado, como uma bancada do V-8 (o que na realidade, ele era). Grande para um 4-em-linha (3,2 litros), tinha alta potência mas ficou famoso por ser um tanto vibrador.


Melhor era o Tempest com o motor opcional: o magnífico Buick 215 V-8. Lançado ao mesmo tempo no Olds F85 e no Buick special, este V-8 totalmente em alumínio, e extremamente compacto, deslocava 3,5 litros e pesava o mesmo que o 4-cilindros de ferro fundido! Este motor era tão fantástico que, quando a sanha por V-8s cada vez maiores do público americano fez a GM o descontinuar, foi comprado pela Rover inglesa e produzido até este século, em Land Rovers. De TVR a Morgan, de MG a Marcos, todos os míticos carros esporte ingleses usaram o Buick de alumínio.

Imaginem o que era um Tempest com este incrível motor em 1961. Mesmo hoje, seria a especificação básica de um sedã moderníssimo. Mas foi um fracasso comercial, e a segunda geração reverteu ao chassi separado e eixo rígido traseiro, para se tornar grande sucesso, e, de novo pela mão de DeLorean ser equipado com a outra metade daquele V-8 de Catalina, e se tornar outro mito: o GTO.

6) Chevrolet Corvette Stingray 63/67

O Corvette de segunda geração teria motor central-traseiro se a decisão fosse de Zora Arkus-Duntov. Mas Bill Mitchell queria fazer uma carroceria com motor dianteiro, inspirada em tubarões e arraias que ele adorava pescar. O resultado desse famoso conflito entre duas personalidades fortíssimas é um clássico inesquecível: debaixo do belíssimo tubarão de Mitchell, um verdadeiro carro esporte enfim.

E que carroceria! O nipo-americano Larry Shinoda criou a pedido de seu chefe um carro magnífico, inesquecível, suave e mesmo assim malvado como os peixes que lhe inspiraram. Não era sutil; Mitchell nunca poderia ser; mas é uma das mais duradouras e atemporais criações deste sujeito exagerado. E é interessante notar como Mitchell fez uma pequena saudação ao genial Jean Bugatti criando uma espinha dorsal como a do Atlantic, e no processo criando uma divisão na janela traseira que deixou Zora furioso o suficiente para ser a primeira pessoa a discutir aos berros com Mitchell, e ainda por cima dentro de seu próprio estúdio!


Suspensão independente nas 4 rodas, motor V-8 small-block com injeção recuado em posição central-dianteira, e a partir de 1965, freio a disco nas quatro rodas. Também disponível com big-block Mark IV, tinha distintas personalidades conforme se preenchesse o pedido.

O Z06 tinha um small-block injetado de 375 cv, tanque de grande capacidade, suspensão e freios de competição: era um carro de corrida no melhor idioma europeu. Dele derivou o incrível Gran Sport.

Com um 427 tri-power (sete litros e 3 holley duplos) , conversível e com transmissão automática, era um carro de passeio que podia correr em arrancadas no fim de semana, no melhor idioma americano. Dele derivou o todo-poderoso L88, com cabeçote de alumínio e mais de 500 cv.

E de ambas as formas, era simplesmente genial.

7) Buick Riviera 63 - 65

Mitchel queria reviver a defunta marca LaSalle com este maravilhoso cupê de duas portas, que acabou sendo lançado pela marca de Flint.

Mitchell sendo clássico e moderno ao mesmo tempo, e com um magnífico V-8 Buick de sete litros debaixo do capô, é um dos mais desejáveis carros dos anos sessenta. Compenso aqui a injustiça de não tê-lo incluído em minha lista dos melhores carros de sete litros.

8) Oldsmobile Toronado 1966
Outra vez a GM exercitando os músculos de sua poderosa engenharia. Em 1966 muita gente boa ainda achava que dois litros e pouco mais de 100 cv eram o limite absoluto para tração dianteira.


Aí aparece esse leviatã de cupê, absolutamente gigantesco e futurista no desenho, com um transeixo longitudinal e tração dianteira atrás de um singelo V-8 de sete litros. E MEIO!

Outro carro que deixou o mundo embasbacado, e a prova definitiva de que, nos anos 50 e 60, ninguém podia com o General.

9) Chevrolet Opala (1968 – 1991)

OK, não é algo incomum, marcante, tecnologicamente avançado, ou mesmo importante no grande esquema das coisas. Mas como disse, esta é uma lista íntima, pessoal, e o Opala não pode ficar de fora dela. Existe algo dentro deste híbrido brasileiro que juntou o melhor da Opel com motores americanos que deixa todos que se envolveram com ele apaixonados.

É um carro importante apenas para nós, brasileiros, mas é o mais importante GM para nós, motivo mais que suficiente para incluí-lo. Uma máquina que iniciou a empresa no Brasil, e ainda é o que mantém mais apaixonados seguidores. Não existe alguém que cresceu nos anos 70 com eles e não tenha sido pego em seu campo de força.


Como já disse aqui meu amigo PH, velhos opalas são como voltar a casa de nossos pais, um porto seguro e conhecido, algo que sabemos ser seguro, adorável e carinhoso como o colo de nossa mãe, e que nos traz recordações de uma época onde ter aquele delicioso seis-em-linha debaixo do capô era tudo.



10) Holden Monaro GTS 327 e 350 (1968/1971)


Meu amigo AG sempre diz que cada país tem o Opala que merece, e pensando assim os australianos têm mais valor que nós, porque o deles tinha os magníficos small-block Chevys. Chegam a dar água na boca...


Como já disse das conversões do AG, o small-block V-8, além de pesar o mesmo que o seis-em- linha do opala, é bem menos comprido e bem mais baixo, fazendo maravilhas com o equilíbrio e a potência do carro ao mesmo tempo.

11) Chevrolet Chevelle SS454 1970


A era dos muscle cars americanos chegou ao ápice em 1970, e o ápice do Muscle Car da General Motors foi o Chevelle SS 454.

Toda fúria e poder, todo o trovão e o raio, tudo concentrado debaixo do capô de um Chevrolet. O mundo nunca mais veria algo tão lascivo em seu apetite de combustível de alta octanagem, tão tentador em sua irascível marcha-lenta irregular, e tão delicioso em seu cheiro de gasolina e borracha queimada e vinil barato. Após esse grito final, todos nós iríamos viver em um mundo mais seguro e tranquilo, mas infinitamente menos interessante.

12) Vauxhall Chevette HSR
OK, eu também tinha que pôr um Chevette na lista, ou não poderia assiná-la com meu nome. Na verdade, vou trapacear e colocar mais dez Chevettes que poderiam estar na lista fazendo vocês clicarem aqui.

13) Pontiac Fiero GT V-6 1986


Sim, esta lista está ficando meio maluca agora. O primeiro carro da GM com motor central-traseiro, o Fiero nasceu com um 4-cilindros em linha parecido com o do Opala, absurdamente mal-ajambrado para este carro, e foi um tremendo fracasso de público e crítica.

Mas está aqui por vários bons motivos. O primeiro é que ilustra um daquelas grandes bolas-fora da GM, mas mesmo assim é interessantíssimo. Criado para ser o primeiro teste de uma nova e revolucionária maneira de se criar carros que supostamente levaria a GM ao próximo século e mudaria tudo, o Fiero tinha uma estrutura monobloco tradicional, mas em que todos os painéis externos aparentes eram de plástico. Desta forma, seria muito fácil e barato trocar a aparência do carro, tanto em diferentes versões para outras divisões, como para alteração de ano-modelo.

A ideia era muito boa, mas a execução foi péssima, e apenas a van Chevrolet Lumina e suas derivadas levaram-na adiante. Para se ter uma ideia da complicação envolvida neste método, basta saber que várias fixações das peças plásticas eram furadas no metal com a peça plástica no lugar...
Mas a segunda razão é que o último Fiero foi um carro memorável. Adotar o excelente V-6 a 60 graus da Chevrolet, que então deslocava 2,8 litros, transformou o carro: o V-6 era girador, suave, leve e potente, e colocou o desempenho do carrinho em um patamar bem mais alto. Seu estilo foi melhorado, e a suspensão recalibrada para o papel de carro esporte que sempre devia ter sido adotado, desde seu início. Durou apenas um ano, mas é um carro memorável.

14) Buick GNX 1987


Lançado no Buick special nos anos 60 para substituir o caro V-8 de alumínio já mencionado neste post, o V-6 da Buick teve uma história simplesmente incrível.

Vendido para a Kaiser-Jeep de Toledo (que desistira do seu seis-em-linha OHC, transferindo-o para a Argentina), foi depois de um tempo descontinuado em favor dos motores AMC que prenunciavam a fusão entre as duas empresas. Mas quando em 1973 estourou a crise do petróleo e ninguém mais queria as imensas barcas da Buick com seus sedentos e gigantescos V-8, a empresa perguntou à Kaiser-Jeep se poderia recomprá-lo.

O velho ferramental foi recomprado, reformado, e em 1974 as vendas da Buick revitalizavam-se graças ao velho propulsor. Logo em seguida, a divisão teve outra ideia: e se fizéssemos um motor com o desempenho dos V-8, mas a economia do V-6 usando turbocompressor no motor menor?

O motor acabou se tornando um dos principais propulsores da GM americana nos anos 80/90, em suas várias evoluções 3800, série II e série III, mais tarde adotando também sobrealimentação via compressor tipo Roots, de acionamento mecânico. Chegou a ser vendido até no Brasil, equipando o excelente Omega “australiano” até ser substituído pelo moderno 3,6 litros multiválvulas.

Mas o melhor carro com este motor foi sem dúvida o GNX. Com 300 cv de seu V-6 turbinado, e toda a cara de mau que sua roupa negra o imbuía, foi o último dos reais muscle cars americanos.

15) GMC Syclone


Uma completamente doida picape que não deveria levar mais carga que uma perua pequena, mas que tinha tração total permanente e um V-6 turbocomprimido de 280 cv que a fazia acelerar mais que um Ferrari contemporâneo. Inaugurou uma duvidosa moda de "caminhões" velozes, mas para mim ainda é o único deles que realmente vale alguma coisa.


16) Opel Manta 400


Quando era garoto nos anos 80, tudo que queria na vida era um Opel de rali. Sim, eu era perturbado. Mas não há como negar que Manta (ou seu irmão Ascona) como o abaixo tem uma aura de anos 80 cool que quase pode ser palpável.



17) Lotus Omega

Qualquer um dos Omegas poderia entrar na lista, do quatro-cilindros ao 3 litros multiválvulas alemão, passando até pelos nacionais. Um verdadeiro BMW Série 5 para o proletariado, o Omega ainda é uma experiência única ao volante. Pena que os Opel deixaram de ser assim como ele.

Mas escolher qual o mais interessante é fácil. A versão Lotus (parte da GM na época) com dois turbocompressores e 377 cv foi um marco para a época, um dos primeiros super-sedãs.



18) Lotus Elan

Lembrar que a Lotus já foi também parte da GM é essencial, e este foi o único carro desenvolvido e lançado nesta fase da casa de Hethel. E, por coincidência ou não, foi um dos seus maiores fracassos comerciais.

Apesar de ter sido tentativamente iniciado antes da fusão, e inicialmente imaginado com mecânica Toyota, acabou usando propulsor Isuzu pela ligação da empresa japonesa com a GM. Apesar de todas as críticas que teve, principalmente por ter tração dianteira, não há como negar que foi um grande carro. Seu azar foi simplesmente concorrer com uma cópia melhorada e excelente da Elan original, RWD, feita pelos japoneses da Mazda.

Ainda é creditado como o carro de tração dianteira de melhor comportamento dinâmico da história.

19) Saturn Sky Red Line

Bob Lutz criou o Pontiac Solstice e o Saturn Sky para colocar tempero numa GM que se encontrava com moral baixo quando ele chegou. Conseguiu aumentar o moral da tropa, e fazer uma verdadeira revolução com os produtos da empresa, uma época memorável de recuperação e superação, mas que, infelizmente, não foi capaz de impedir a recente falência da empresa.

É emblemático que até o fim do ano a Pontiac morre e a Saturn, vendida, desatrela o seu incerto futuro do da grande companhia. O pequeno carro esporte de quatro cilindros desaparece com elas.

E o que de melhor perderemos é o Sky, bem mais belo que o Solstice em minha opinião, principalmente na versão Red Line, com o magnífico Ecotec de injeção direta e turbocomprimido de 260 cv. May all them rest in peace.

20) Corvette C6


O que mais posso dizer sobre o Corvette atual que já não disse aqui? Leve como um 911, potente como um Ferrari, barato como um Chevrolet, não existe maior prova da capacidade da GM do que este carro. Do “básico” de 436 cv ao devastador ZR1 de 620, passando pela perfeito Z06 de 505, o Corvette é mais que simplesmente potência, é a GM mostrando tudo que sabe e tudo que pode, é um grito de fúria inabalável em meio a um mundo que resolveu abandoná-la.

É o velho General levantando-se e gritando que ainda não está morto. Exatamente como fez Churchill em junho de 1940, no momento mais negro da Segunda Guerra, onde tudo parecia que estava perdido e a vitória alemã iminente:

“We shall not flag nor fail. We shall go on to the end. We shall fight in France and on the seas and oceans; we shall fight with growing confidence and growing strength in the air. We shall defend our island whatever the cost may be; we shall fight on beaches, landing grounds, in fields, in streets and on the hills. We shall never surrender!

And even if, which I do not for the moment believe, this island or a large part of it were subjugated and starving, then our empire beyond the seas, armed and guarded by the British Fleet, will carry on the struggle until in God's good time the New World with all its power and might, sets forth to the liberation and rescue of the Old.”


MAO

27 comentários :

  1. MAO, sua lista está excelente. Não sei se concordo com todos, mas valeu muito pela lembrança de alguns modelos.

    ResponderExcluir
  2. invejo sua capacidade de falar sobre automovel.sempre colocando emoçao naquilo que escreve.falou tudo que eu queria e nao sabia dizer sobre a gm.se nao somos perfeitos porque nossos produtos devem ser.devem ter defeitos,alma...pelo menos mais 100anos para o grande general.nos merecemos.

    ResponderExcluir
  3. Grande lista! Praticamente todos os carros que mais aprecio na GM estão aí incluídos.

    E, com relação ao Opala, que cada país tem o modelo que merece, sem problemas. O AG está corrigindo essa falha da GM e espalhando Opaloitos pelo país!

    ResponderExcluir
  4. MAO,

    Sensacional. Voce explica aqui porque eu amo GM, e no mesmo bote podemos por a Chrysler junto, e porque desprezo completa e absolutamente as marcas japonesas sem exceção. Mas não se preocupe, a GM vao sobreviver a mais essa, e saira, depois de um tempo ainda mais forte e poderosa, e poderemos gritar a plenos pulmões: eat lead you damn japs!

    ResponderExcluir
  5. Faltou o Saturn....

    ResponderExcluir
  6. cadê o Camaro Marco Antonioooooo?!!!!

    ResponderExcluir
  7. Carro tem que proporcionar emoção, desde as linhas nas planilhas dos engenheiros até as linhas de borracha deixadas no chão depois de uma forte acelerada.

    ResponderExcluir
  8. Magistral esse texto!

    Por favor, mantenham o sr. MAO e o Ogro com a medicação suspensa por mais algum tempo. :)

    ResponderExcluir
  9. Parabens por um artigo fenomenal, e por uma lista muito bem escolhida. Como o Paulo Keller, a minha lista talvez seria um pouco diferente, mas concordo que e dificil limitar. Outros candidatos?

    Oldsmobile Curved Dash 04 (pre-GM)
    Cadillac Sixty Special 38
    Cadillac OHV V8 49
    Motorama show carros 53-56
    Chevrolet Corvette 53
    Chevrolet Corvette Fuel Injection 57
    Chevrolet Bel Air 57 (ja incluido entre os 55)
    Cadillac Eldorado Biarritz e Seville 56-60
    Cadillac Eldorado Brougham 57
    Pontiac GTO 64 e 68
    Chevrolet Camaro 67-69 (especialmente o 69)
    Camaro + Firebird 70.5
    Chevrolet Corvette C4 84

    Para revisitar a gloria que era a GM, visite o site http://amcar.fvn.no/broch1.html

    ResponderExcluir
  10. João,

    Eu não gosto de Camaros, velhos ou atuais. Coisa minha, não vamos entrar nesse assunto...

    Cada país tem o Opala que merece!

    Rex,

    Grandes escolhas! É aquela coisa: cada pessoa que fizer uma lista dessas, resultará diferente.

    MAO

    ResponderExcluir
  11. Boa Rex, belo link!!!

    ResponderExcluir
  12. parabéns por essa lista, MAO. mas que eu me lembro de duas músicas sobre Volvos, ah, isso eu lembro... :)

    ResponderExcluir
  13. Eduardo,

    Opa, isso é novidade para mim!

    Conta aí, mas polca não vale, rsrsrsr

    MAO

    ResponderExcluir
  14. Bela lista MAO!

    Pela primeira vez na vida vejo alguém citar um Manta em lista de preferidos. É realmente carismático.

    ResponderExcluir
  15. MAO,

    são duas músicas dos anos 90:

    "Volvo driving soccer mom", do Everclear, sobre uma garota pervertida que de repente se transforma numa mãe de família respeitada e que leva os filhos pra escola numa perua da marca, e "Breakdown", do Suede, que não é bem sobre Volvos mas que no último verso traz a pergunta "does your love will come? will he come in a Volvo?".

    e esse Lotus Omega... lembro até hoje da reportagem traduzida que saiu sobre ele numa "Quatro Rodas" da época. habitou meus sonhos uns vinte anos atrás...

    ResponderExcluir
  16. MAO, perfeita a lista, faltou Camaro, mas o Chevelle esta ali.
    Mas o atual Corvette eh C6.

    ResponderExcluir
  17. Marco Antonio,
    belo texto e bela lista. Claro que a lista é sua. Na minha haveria um Pontiac Le Mans 1966, e o Tempest não apareceria. Paul Frere o classificou como um carro de motor àspero e dirigibilidade desastrosa.
    O Chevelle estaria fora, mas o Camaro SS 1969 dentro. E Opala é memorável: lembro-me do cupê 1973 azul-claro metálico, teto de vinil, de meu pai. Foi algo inimaginável ele me levando passear naquele monstro. Antes dele, só havíamos tido carros pequenos em casa.
    Lembranças para sempre.

    ResponderExcluir
  18. Mister Fórmula Finesse06/07/09 09:34

    Sobre esse post, parafrasendo o que disse Jonh Desmore na biografia contando a sua vida com o Doors : "QUE SHOW , QUE SHOW..."

    ResponderExcluir
  19. Eu também invejo a sua capacidade de falar de carros transmitindo emoção.
    Essa lista é algo preciso. Vendo esse tipo de coisa vem aqueles desejos excêntricos de ter muiiito dinheiro e ter uma super garagem.

    ResponderExcluir
  20. o Juvenal tirou as palavras da minha boca, ou melhor dizendo, do meu teclado!
    eu deixaria o Chevelho fora e o camaro dentro, pelo visto tenho o mesmo gosto para carros que o Juvenal, sou um Ford-fanático e nem preciso dizer que sou louco por Focus, Escort, Mustang, Ka XR, e etc...

    ResponderExcluir
  21. Juvenal, faz uma lista dos top 20 da Ford ai!

    ResponderExcluir
  22. Junior-Big07/07/09 20:51

    MAO, a emoção que temos ao ler o seu texto é inenarrável!
    Que lista, cara! PQP!

    ResponderExcluir
  23. Rodrigo Laranjo08/07/09 17:48

    Me atrevi a fazer uma "versão brasileira" do poster do Corvette...

    http://www.magna4.com.br/images/opalas/theydontwritesongs.jpg

    ResponderExcluir
  24. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  25. Pra que 2 Corvettes? CAMARO é indispensável!! Ao menos o Pontiac Firebird >>> Sacanagem.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.