OS DEZ ERROS MAIS COMUNS AO DIRIGIR

Foto: cheapinsurance.com



Ao longo da vida vai-se aprendendo de tudo e dirigir está logicamente incluído neste rol. O processo de aprendizado ao volante é continuo, só cessa no dia do adeus ao volante. As chamadas "horas de vôo" ajudam mas não é tudo, é necessário disposição para aprender e, principalmente, ter a humildade de assumir os próprios erros.

Errar é humano, diz o velho ditado, que se aplica à perfeição quando se está atrás do volante.. Por isso, enumerei os dez erros mais comuns ao dirigir segundo a minha experiência de 53 anos nesse mister, excluindo dessa contagem os primeiros anos ainda sem carteira de habilitação.

1. Não guardar distância adequada para o carro da frente
Erro básico, fácil de evitar, mas que muitos cometem, resultando desde leves toques no carro da frente a colisões sérias. Para que, pergunto, andar tão perto do carro da frente? Para ganhar alguns metros na vida? Bobagem. Quanto se evita de dissabores deixando bom espaço livre à frente. Muitos já ouviram falar da "Regra dos Dois Segundos", deixar espaço de tempo de 2 segundos independente da velocidade, com isso havendo uma espaçamento natural e auto-ajustável para o carro à nossa frente. É contar mentalmente "mil-e-um, mil-e-dois" após o outro carro passar por uma referência qualquer, como um poste ou um marco quilométrico, e ver quando o seu passa. Com piso molhado é bom deixar 3 segundos de espaço e acima de 120 km/h, 3 segundos no seco e 4, no molhado.

Andando  colado no carro da frente (foto oneshift.com)

2. Não ter controle do que se passa à retaguarda
Não saber o que está acontecendo atrás é um dos grandes erros ao dirigir. É preciso controlar o tráfego à retaguarda, uma atitude de segurança fundamental. Para isso temos hoje, em regra, excelentes espelhos retrovisores e está perto o dia da retrovisão ser obtida por câmeras. A Nissan acabou de apresentar um espelho interno que pode ser tela ou espelho, o motorista escolhe por meio de um interruptor, como nos espelhos dia/noite.

Controlar a retaguarda é fundamental (foto seriouswheels.com)

3. Deixar de se posicionar corretamente antes de dobrar
Simples e intuitivo — e obrigatório —, mas um erro freqüente. Ao dobrar à esquerda ou à direita o carro tem de estar na faixa mais próxima do lado para que se quer virar. Inúmeros acidentes acontecem pela inobservância dessa regra infantilmente simples, em especial envolvendo carros e veículos de duas rodas (bicicletas e motocicletas). Se perdeu o ponto de dobrar, faça o retorno adiante, não tente "dar um jeito de virar assim mesmo".

Manobra errada, deveria estar junto ao meio-fio (foto dreambigliveboldly.com)

4. Impaciência costuma dar problemas
A impaciência é um grande gerador de acidentes. Ela nos leva a desrespeitar regras básicas, como iniciar uma ultrapassagem sem condições adequadas para isso só porque não temos (ou estamos sem) paciência de aguardar o momento certo. Ou ao acessar uma via na frente da coluna de tráfego que vem vindo "na marra" e/ou sem julgar corretamente a velocidade dos outros carros.

Falta de paciência (foto jornal de hoje.com.br)

5. "Comprar" a faixa da esquerda
Esse erro é antigo e bastante comum. A última faixa da esquerda deve ser deixada para ultrapassagens, nunca para ser usada o tempo todo, como se fosse sua "propriedade". Nem que se esteja a 200 km/h. Ultrapassou, volte para faixa adjacente à direita. Agindo dessa forma, primeiro, o seu dirigir será bem mais relaxado, pois não haverá outro carro pedindo passagem toda hora e, segundo, você estará contribuindo para a ordem no trânsito. Fora, claro, teoricamente evitando um multa — teoricamente porque esta infração não é fiscalizada. O motorista deve entender que não é nenhuma desonra deixar a esquerda livre, mas sinal de inteligência.

(foto faixa esquerdalivre.com)

6. Não entender que é parte de um sistema
É simples, mas parece que muitos motoristas não entendem que fazem parte de um sistema de trânsito. Dessa forma vivem prejudicando o sistema e algumas vezes chegam a provocar acidente. Exemplo clássico é "fazer orçamento" numa faixa de trânsito após uma pequena colisão, quando poderia encostar o carro — o outro também — num lugar que não atrapalhasse ou o fizesse menos. Outra situação "fora do sistema" muito comum também é trafegar abaixo da velocidade dos demais carros, mesmo que isso não constitua infração. Caso típico de se topar com um carro a 100 km/h numa via cujo limite é 120 km/h. Há placas nas estradas onde se lê "Veículos lentos à direita", adaptação do que se lé muito nos EUA, "Slower traffic keep right".


O ideal é não prejudicar o fluxo (foto comiteobrasbr116.blogspot.com)

7. Desobedecer ou ignorar a sinalização horizontal
A sinalização horizontal, ou as pinturas no solo, constitui um auxílio inestimável para a organização do trânsito e, claro, para evitar acidentes. Se uma faixa de rolamento ostenta uma seta indicando que nela só se pode dobrar para aquele lado, há uma razão para isso. Se a faixa adjacente à direita não tem indicação específica de sentido ou de só seguir em frente, não se deve (e não se pode, há uma linha branca contínua separando as duas faixas) dobrar à esquerda. Outro caso é a zona com pintura zebrada indicando que ali não se pode trafegar por ser marca de canalização, o que além de perturbar o fluxo se desobedecido, constitui infração gravíssima peso 3, R$ 574,62 e 7 pontos na CNH.


Passar por cima do zebrado, nunca (foto dagmarnews.com.br)

8. Trafegar em velocidade incompatível com a segurança
Nem sempre a velocidade-limite indicada pela sinalização pode ser adotada. O ambiente pode determinar que se rode abaixo desse limite, por exemplo, presença de muitas pessoas na calçada, ruas estreitas com carros estacionados nos dois lados, cruzamentos de pouca visibilidade, enfim, situações em que há probabilidade maior de surgirem imprevistos. Há poucos dias estive em Mogi Guaçu e numa das avenidas principais da cidade o limite é 60 km/h, isso com duas faixas estreitas e muito movimento de pessoas: velocidade totalmente inadequada, deveria ser 50 km/h. Foi essa falta de noção de muitos motoristas (a maioria) quanto a velocidade que gerou a epidemia dos dejetos rodoviários chamados lombadas.

9. Contar com outro motorista
É comum contar com o que o outro motorista vai fazer, mas ele não faz e se entra em dificuldade. Por exemplo, o carro à frente sinaliza que vai dobrar a direita, você conta com o fato que ele vai sair do seu caminho mas por um motivo qualquer, como pedestres atravessando a rua transversal, ele interrompe a manobra. A batida é quase certa (já bati assim, embora de leve). Ou então você vem por uma rua, nota um carro embicado que está saindo da garagem e julga que seu motorista viu-o se aproximando — só que ele não viu ou julgou mal (item nº 4) a sua velocidade. Colisão quase certa.

10. Privar-se da total visibilidade
Deixei como último ponto algo que não é novidade aqui no Ae: privar-se da visibilidade plena ao mandar instalar películas escurecedoras nos vidros — as que chamo pejorativa e intencionalmente de "sacos de lixo" — por motivos que vão de (falsa) sensação de segurança pessoal a deixar o carro "lindão", passando, naturalmente, pelo modismo, o estar in. O sentido, de longe, mais importante de todos ao dirigir é a visão e não se deve, absolutamente, prejudicá-la. Pode-se dirigir sem audição, paladar, olfato e tato, mas nunca sem a visão. Mesmo que o vidro do pára-brisa seja deixado original, ter os "sacos" nos vidros laterais dianteiros é prejudicial, tanto por atrapalhar a consulta aos espelhos externos quanto — poucos se dão conta disso — pela pupila dos olhos não ter adaptação instantânea, essencial para a alternância de olhar para um vidro normal (pára-brisa) e para um vidro escurecido (laterais).

Nada justifica perder visibilidade, como colocar "sacos de lixo" nos vidros" (foto mastersom.net)

Com toda certeza há diversos ouros erros, que o leitor, com sua experiência, poderá comentar, o que certamente será de utilidade para os demais leitores.

BS

192 comentários :

  1. Eduardo Silva12/05/14 12:23

    Não sossegar a bunda em uma faixa só quando o tráfego está lento!

    Incrível a quantidade de costureiros imbecis quando a situação de direção nas rodovias cheias já é suficientemente tensa. Aí o motorista que quer trafegar em relativo sossego tem que se preocupar com o indivíduo precisando entrar, frear, acelerar e sair da sua frente.

    Tá cheio disso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corsário Viajante12/05/14 13:40

      Mas ás vezes isso ocorre pq o tráfego está lento devido ao erro #5 e #6.
      VOu dar um exemplo: inauguraram agora a 5a. faixa na rodovia dos Bandeirantes. O que acontece? Sempre emparelham CINCO carros a 90km/h e ficam segurando todo mundo. É incrível a falta de noção deste povo, tem cinco pistas e tem que andar de ladinho... Aí a galera que quer trafegar na velocidade legal de 120km/h fica trancada mesmo com pista livre. Aí o pessoal vira o bicho, e sai costurando e tirando fina para fugir destes entupidores de vias.
      Aliás, isso prova que muitas vezes o trânsito não ocorre por falta de vias, mas sim pela baixa capacidade dos motoristas de olharem ao redor e entender o trânsito - o tal erro #6.

      Excluir
    2. Veja esse vídeo aqui e esqueça as rizadas irritantes dos adolescentes. Esse é para todos aqueles que sofrem com os donos da faixa da esquerda:

      https://www.youtube.com/watch?v=LZhdvl_P1Zc

      Como é bom ver um infeliz desses levando o que merece !

      Excluir
    3. Uma coisa que acho interessante é a que está neste vídeo: o cara ensina como um único motorista pode quebrar uma onda de congestionamento ao simplesmente abrir mais distância do carro que está adiante, mesmo que outros motoristas entrem na frente ao virem o espaço livre. Eu tenho feito isso nos últimos tempos, em que pese o brasileiro ser um povo de comportamento bem mais aleatório que o americano.

      Excluir
    4. Eduardo Silva12/05/14 16:47

      É justamente este o ponto, os costureiros só pioram as coisas. É como disse o André Dantas no último post sobre inteligência das máquinas, é o yang do indivíduo vs o yin coletivo.

      Castello Branco, qualquer domingo, 20h, Sorocaba - São Paulo. Para cada 20 pessoas que querem chegar em casa, tem um ou mais babacas pressionando os outros, causando freadas bruscas ou até acidentes. Se o motorista estiver atento ao carro da frente, mantendo distância segura e andando o mais rápido possível dentro das possibilidades da via, ele não é um babaca, ele ajuda o tráfego a fluir. E quais são as chances desse cara causar um acidente? São mínimas.

      Não se "costura" nas estradas norte-americanas, é outra consciência. Na verdade - e isso é o mais importante, é outra educação.

      Excluir
    5. Bom, eu não tenho nada contra andarem costurando, desde que o façam sem tirar "fina" dos outros. Apesar que com o tráfego pesado (que se encontra geralmente nas cidades grandes), está mais do que provado que se ganha muito pouco tempo fazendo zigue-zague no trânsito. Inclusive fiz o teste prático desta constatação: outro dia tinha um motorista nervosinho (pra variar um carro de empresa) costurando todo mundo sem se importar com a segurança de ninguém e eu ali andando na minha faixa seguindo o fluxo sempre na faixa da direita. Para a minha surpresa, a umas 8 quadras depois, consegui parar logo atrás do "apressadinho". Ou seja, no máximo ele ganhou algum segundos com muito stress que ele teve e colocando a segurança dos outros em risco.

      Excluir
    6. MUITO BOM este ultimo video do Anônimo12/05/14 15:02. Assunto para um post próprio, qual o papel que UM motorista pode ter para mudar o mundo...

      Excluir
    7. Muito bom, Bob, muito bom. E também tem os "setas pra que" - a maldita mania de muitos em não usar o famoso pisca-pisca para mudar de sentido e, os que não avisam estarem mudando de faixa.

      Excluir
    8. Eduardo Silva
      Isso que você diz é fato.

      Excluir
    9. Haroldo Lamberti
      Essa questão dar seta para mudar de faixa precisa ser melhor analisada. Fundamentalmente, a seta só serve para avisar ao tráfego à retaguarda que você pretende mudar de faixa, assumindo que as colunas estejam trafegando em velocidades Você apenas pretende, pois só poderá efetuar a manobra se houver espaço para isso. Fora isso, imagine duas situações. Uma, você consultou o espelho esquerdo e viu que não há tráfego próximo: usar a seta é totalmente inútil. Você pode perfeitamente efetuar a manobra sem causar problema algum para ninguém. Outra situação, há tráfego próximo do seu carro e você quer mudar de faixa. O fato de mudar de faixa dando seta não o eximirá da responsabilidade de só efetuar a mudança se houver condições para isso. Não adianta a famosa frase "mas eu dei seta..." Portanto, na questão da mudança de faixa (todo o tráfego à mesma velocidade) a seta só serve para uma coisa, pedir ao tráfego atrás que deixe você fazê-la. Qualquer dia desses escrevo um post só sobre a seta olhando esses e outros aspectos, independentemente do que o Código de Trânsito Brasileiro determina.

      Excluir
    10. Maioria dos carros nos EUA possuem cruiser control, pessoal coloca nele e mantém. Acho que isto explica também deles não costurarem.

      Excluir
    11. Haroldo, corrigindo: '...assumindo que as colunas estejam trafegando em velocidades iguais.'

      Excluir
    12. Seta deve ser usada em todas as situações, mesmo se não houver tráfego. Tem que garantir, e se você não vê o veículo no ponto cego e não usa a seta, seguindo o seu raciocínio? Cada uma. Presunçoso o tio.... Vamos criar o CTB, Código de Trânsito do Bob...

      Excluir
    13. Esses policiais do vídeo sim são policiais de verdade,agora aqui nem temos fiscalização, a unica fiscalização que funciona é o da industria da multa.

      Excluir
    14. Sobre a questão da seta, eu concordo em parte com os argumentos do Bob Sharp. Mesmo em locais de pouco tráfego existem os pedestres, que são bem menos visíveis que os veículos (principalmente a noite e em dias de chuva). Pensando nisso, eu sempre sinalizo a minha intenção, até quase que de maneira automática no mesmo instante que penso em fazer uma manobra (claro que olhando primeiro e antes de efetua-la). Uma das poucas vezes que não dei pisca foi uma vez próximo de onde eu moro, que é uma região de pouco transito, onde eu resolvi dobrar uma esquina sem sinalizar. Para a minha surpresa, tive que parar quase encima de um pedestre que tentou atravessar a rua onde eu estava entrando. Levei uma xingada (com razão), já que na cabeça dele eu não sinalizei, e portanto, não tinha intenção de dobrar naquela esquina.

      Excluir
    15. Anônimo 13/05/14 00:43
      Pronto, você acabou de revelar ser mais um brasileiro-seteiro, provavelmente não saber usar espelho e/ou provavelmente ter espelho esquerdo plano no seu carro para ter falado em ponto cego. Ou, pior, usar a famosa frase "mas eu dei seta" depois de fazer alguma caca.

      Excluir
    16. Renato
      Pedestre seteiro!

      Excluir
    17. Não há necessidade de sempre sinalizar com a seta, como disse o Bob, mas diante de tanta negligência que vemos diariamente, usar a seta sempre, mesmo que não haja tráfego, seria um excesso de zelo (talvez movimento automático devido à prática diária) que não chega a atrapalhar. Diferentemente de ficar aguardando o semáforo abrir com a seta ligada no olho de quem está atrás. Esse hábito, além de irritar, anula o efeito da sinalização, visto que passamos a ficar em dúvida se há realmente a intenção de convergir ou se a seta foi simplesmente esquecida ligada.

      Excluir
    18. Eu acho que sinalizar sempre que possível é fundamental. E acaba se tornando necessário para nossa sociedade que não gosta de perder tempo.

      Uma das coisas que incomoda as vezes é o motorista que trafega dentro da rotatória sem sinalizar que irá continuar nela. Não lembro se o CTB exige que se trafegue dentro dela sinalizando ou só quando sair dela.

      KzR

      Excluir
    19. Eu sou seteiro! Dou seta sempre. Não causa mal a ninguém. Mas observo sempre o q o Bob diz sobre a utilidade dela, ou seja, primeiro sinalizo e quando vejo que "fui autorizado" faço a manobra.
      Mas no final das contas quer saber? Acho q essa polêmica toda só desvia o foco do real problema, que é a falta de atenção ao dirigir. O cara não sinaliza quando deve ou sinaliza ("sinaliza", entre aspas, porque o faz ao sabor do movimento do volante....) e não presta atenção ao que está acontecendo ao seu redor, e aí sai fazendo M@$#rda....

      Excluir
    20. O que acontece se você começa a mudar de faixa, estando à 120km/h, e vem um doido trafegando com velocidade superior à 200km/h... duvido que ele tenha percepção visual de águia para perceber você se enfiando à frente dele com velocidade tão diferente...

      Excluir
    21. Motorista seteiro e pedestre seteiro... Discordo veementemente dessas qualificações pejorativas. O pedestre também faz parte do "sistema" e *precisa* saber se o condutor de veículo automotor irá efetuar conversão ou não. Quando estou a pé me comporto como se estivesse no carro. Fico atento ao entorno e ao "tráfego" à minha frente. Não apenas no sentido de agilizar o trajeto, mas também por razões de segurança física e patrimonial. Odeio ter que parar numa esquina e esperar para atravessar, por exemplo. Vou cadenciando as passadas até conseguir sem parar. Isso posto, a "seta" é fundamental.

      Excluir
    22. Anônimo 13/05/14 19:40
      Só mesmo um desmiolado andando a 120 km/h vai para uma faixa onde vem um veículo a 200 km/h, dando ou não seta. A não ser que seja adepto do "mas eu dei seta...".

      Excluir
    23. Eduardo Alvim
      Claro que dar seta ajuda o pedestre a tomar uma decisão, mas se não há nenhum a ponto de atravessar e se não vem carro atrás próximo, não há motivo para dar seta. Só o Código obriga, mas motivo técnico não tem. É evidente que tiveram que criar uma regra genérica, seria complicado demais especificar. A qualificação de seteiro não tem nada de pejorativa, é apenas descritiva de um comportamento ao dirigir. Outro dia um desses deu seta direita 500 metros antes de chegar a uma rampa de saída da marginal do Pinheiros, já estando na primeira faixa à direita. Isso é ser seteiro ou não? O que você disse de quando a pé se comportar como se estivesse no carro me lembrou de uma vez estar caminhando pela calçada e, como estivesse bloqueada por alguma obra, fui obrigado a caminhar na rua junto ao meio fio. Foi quando me vi olhando como se fosse para um espelho esquerdo para ver se vinha carro antes de pôr os pés no asfalto... O que defendo é o uso racional da seta, que significa pensar se é necessária ou não. Desse modo se dirige com mais segurança pelo simples fato de se estar ligado no tráfego.

      Excluir
    24. Apesar de defender o uso da seta, isso que o Bob mencionou (de usar a seta bem antes do necessário), eu acho errado também. Neste caso, você não sabe se a pessoa quer entrar antes ou se simplesmente esqueceu a seta ligada.

      Excluir
    25. Quanta discussão... a dica é usar a seta quando necessário, só isso. Não há que se formar os "a favor da seta" e os "contra a seta". É um equipamento do carro que deve ser bem utilizado assim como todos os outros. Usar demais é ruim, usar de menos também. Aqui estamos discutindo como dirigir bem, apontando os vícios mais comuns do trânsito. Muito simples de entender, não se trata de questão filosófica.

      Excluir
    26. De fato, vejo pouca ente andando proxima do carro da frente... geralmente o que vejo é 5 carros na extensão de uma quadra, onde poderiam haver 20.... adivinha onde estão os outros 15???? ocupando as 3 quadras anteriores, aonde poderia haver mais 60 carros...

      ou seja: deixando espaço de mais do carro da frente (mais de 1 carro de distancia) onde poderiam caber 80 carros, cabem 20....e é ISSO que causa um congestionamento...

      o que eu faço é entrar no meio desse espaço demasiado.. assim, num trageto de 40 min, consigo fazer em 25.... se o transito fosse mais DENSO! ele não seria congestionado.....


      obs: nunca bati o carro fazendo isso, dirijo 1000km por semana e tenho carteira há 3 anos... ou seja... não dirijo pouco...

      isso não causa acidentes... o que causa, é a falta de atenção e o COMODISMO no transito...

      Excluir
    27. O problema não é usar seta demais, como o Bob diz, mas são aqueles que dão seta muito antes da conversão e quando esquecem de desligá-la depois (no caso do automático estiver quebrado). No primeico caso é insegurança. No segundo é total desatenção. A Porcaria fica lá piscando e o sujeito nem aí. Fico P&%$ com isso!

      Excluir
    28. - jopamacedo: concordo plenamente, até falei sobre isto no meu comentário anterior.
      - Paulo roberto: Talvez eu tenha me expressado mal antes, na realidade eu não defendo o uso da seta e sim estar dentro da lei. Algumas são meio falhas, mas garante que você não se incomode com multas e processos. Mas isso é decisão de cada um, assumindo os riscos por suas atitudes.
      - GnW, o que você afirmou depende muito da velocidade média do trânsito. No arranca e para das grandes cidades eu até concordo com você. Entretanto, em vias com uma velocidade acima de 40 km/h eu acho meio imprudente isto. Lembre-se que para a justiça quem bate na traseira está a princípio errado já que não guardou espaço de segurança, tendo que ele provar que o da frente estava errado (o que, diga-se de passagem, é bem difícil conseguir).
      Outra coisa: a sua afirmação de que "dirijo a 3 a nos e nunca aconteu" é muito relativa também. Como no trânsito você interage com vários tipos de motoristas e pedestres, você pode dirigir bem ou mal a vida toda e nada acontecer. Assim como no ultimo dia antes da "aposentadoria" da carteira de motorista vir alguém e levar a sua vida embora em um acidente. Mas é aquela coisa: podendo a máximo que isto ocorra, dirigindo defensivamente, diminui e muito as chances para que isto acontece. Numa dessas, você já teve a vida salva por algum motorista, que deixou de acelerar vendo você se "enfiando" entre os carros, e você nem tenha ficado sabendo.

      Excluir
  2. Aqui em Goiânia tenho impressão que os motoristas fazem barbeiragem sazonais. O item 3 da lista é a barbeiragem da moda, inclusive boa parte da população atua exatamente ao contrário do que é o modo correto. Parece que todo mundo aqui dirige uma "jamanta". Também tem um erro que aqui em Goiânia é cultural já, a falta de utilizar a sinalização. Ninguém utiliza a seta, além de que se o carro queima alguma lanterna traseira, fica pra gente contar com a sorte, pois nem sempre você consegue perceber rapidamente o carro freiando, quando não há lanternas de freio funcionando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também sou de Goiânia e percebo um uso excessivo da buzina, farol alto, carros trafegando só com faróis de neblina ligados (fica lindão), "sacos de lixo", excesso de velocidade e ultrapassar sinal vermelho "aproveitando o amarelo", sendo, em minha opinião, o lugar que que o último mais acontece, em frente na faixa de pedestres em frente ao centro administrativo estadual.

      Michael Schumacher

      Excluir
    2. Bob, isso é dar milho a bode, não vão conseguir entender.

      Quem dá seta pro Gasparzinho é porque não está ligado no que se passa ao redor.

      Excluir
  3. Bob, li o post e gostei da lista mas queria fazer o uso desse espaço agora pra comentar algo que acabei de ver na TV e chegou a doer na alma. No jornal local (MGTV), estão entrevistando um dito "especialista" que disse entre outras insanidades, que andar com a mão no câmbio e pé na embreagem reduz drasticamente a vida útil das peças do carro (lembrei imediatamente do seu post sobre Mitos), mas o pior ainda está por vir. Depois desse maravilhoso exemplo de completa ignorância mecânica, o cidadão ainda disse que andar com o carro na reserva faz mal pra componentes do tanque, que deve se sempre encher o tanque quando ele atingir metade de sua capacidade, e pra encerrar com chave de ouro, disse que lavar o motor não é recomendado (até aí correto), nos "carros eletrônicos". "Em carros com motor convencional, você pode lavar". Meu almoço até perdeu um pouco do sabor depois de ouvir essas. Se mais tarde o vídeo sair no site, eu mando por aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas uma coisa é certa: Nos carros atuais, quem costuma frequentemente andar com o tanque na reserva ou próximo dela, certeza que a bomba de combustível vai durar menos. Isso é comprovado.

      Excluir
    2. Me pareceu dicas bem genericas, porque nos antigos não podem os 2 primeiros, e nos novos realmente não é recomendado o ultimo.
      Quanto andar na reserva, principalmente nos carros a injeção onde a bomba eletrica era fora, era rotineiro queima-la pela falta de combustivel, numa curva, ou balançada, faltava combustivel nela, e ela que já não tinha uma vida ultil grande, acabava por piorar por trabalhar a seco... Nas que ficam imersas, o problema é o mesmo, mas de forma diferente, mesmo que ela seja eficiente para sugar pelo seu pescador, ela ainda assim pode sobreaquecer. O combustivel trabalha como arrefecedor da bomba.
      Quanto a lavar, novamente ele partiu pra uma informação generica, pois há que se lembrar que varios carros tem a ECU dentro do cofre do motor, e principalmente as antigas, não eram muito bem blindadas.
      No carro com "motor convencional" (é um absurdo, mas pra falar pra leigos acho que é melhor dizer assim, motor com gerenciamentos eletronicos, motor convencional, se tiver algo de eletronico o leigo vai saber, ele pelo menos vai ter ouvido algo sobre seu carro ter "algo eletronico", injeção eletronica ou ignição eletronica mapeada) realmente não vai ter perigo nos carburados, já que mesmo se não pegar normalmente so vai ser necessario secar o distribuidor e andar.
      Enfim, pra mim, mesmo alguns itens sendo mitos pra alguns carros, como informação generica vale, e no fundo, são cuidados que não fazem mal a ninguem.

      Excluir
    3. Bom, mas quem fica com a mão no câmbio (se apoiando), pé na embreagem, anda sempre com o carro na reserva (pedindo para que vá sujeira junto com o combustível), e ainda por cima gosta de lavar o motor tinha mais é de ter a carteira cassada... só falta ficar com o som alto tocando sertanejo universitário ou funk, usar o farol de neblina no lugar do farol baixo, deixar uns penduricalhos no retrovisor interno, amarrar fita vermelha na placa traseira, e por aí vamos. É o fim da picada.

      Excluir
    4. O cara não tá errado não, andar na reserve realmente aumenta muito a chance de queimar a bomba de combustível no caso dos carros que a tem dentro do tanque, assim como aumenta a possibilidade de entupimento por sujeira.
      Quanto à lavagem de motor, realmente é bem mais arriscado em carros com eletrônica embarcada.

      Excluir
    5. Anônimo das 13:55, nunca ouvi falar de tal questão. Leia esse post, do próprio Bob: http://www.autoentusiastas.blogspot.com.br/2011/02/tres-mitos.html

      Excluir
    6. Sempre me indaguei o porque da expressão "na reserva" , pois de todos o carros com que trabalhei, jamais encontrei um tanque sobressalente destinado a armazenar combustível como recurso de reserva quando o tanque principal fica exaurido. Mas como o anônimo já mencionou, andar com o nível de combustível muito baixo dentro do tanque, reduz a vida útil da bomba elétrica de combustível, nos veículos que as têm, pois elas precisam de uma pressão mínima de entrada, a qual não é fornecida se a massa ( combustível ) dentro do tanque for mínima. Não sei recomendar qual é este mínimo, pois pode variar de modelo a modelo.

      Excluir
    7. Marcus Lahoz12/05/14 16:04

      Mas andar com a mão no cambio e pé na embreagem (pedal) diminuem mesmo. Veja se você ficar com a mão no cambio o peso sobre a alavanca será maior, assim aquelas buchinhas ( e existem várias, principalmente nos GOLS e motor longitudinal) vão ter um desgaste acentuado. O mesmo acontece com a embreagem, se você dirigir com o pé apoiado no pedal vai aumentar o desgaste do disco. Parado no semáforo ficar com a marcha engatada e pisando no pedal a embreagem vai aumentar o desgaste da bucha do pedal e pode quebrar o pedal (comum nos tempra 16v - tive 2 destes e tive este problema).

      A do tanque é baléla. Mas o que acaba com a bomba mesmo é não trocar o filtro, ela trabalha forçada e queima.

      Excluir
    8. LeandroL64112/05/14 16:17

      A parte da mão no câmbio, o pé na embreagem e o tanque na reserva da pra dar um desconto, afinal ele estava dando informações gerais para motoristas leigos e que dirigem todo tipo de carro, com câmbio manual, AT, embreagem eletrônica, cabo... Ele podia ter dito que não é bom deixar chegar na reserva ao invés de dizer pra completar quando chega a metade, mas ta.
      Agora "carros eletrônicos" me deu uma pontada no rim.

      Excluir
    9. Marcus, temos um Gol 1994 em casa, que meu pai comprou 0km. Ele tem o costume de andar com o pé levemente apoiado na embreagem (hábito que considero terrível, desconfortável) e eu com a mão apoiada no câmbio. Trocamos o primeiro kit de embreagem dele só ano passado, durou cerca de 250 mil km (rodar muito em estrada ajudou a durar mais, com certeza), e os engates do câmbio continuam fáceis e precisos ainda (o trambulador foi trocado em 2007, quando eu ainda não dirigia).

      Anônimo das 14:17, eu dirijo com a mão no câmbio em trânsito lento, deveria ter a minha carteira cassada por acaso? Eu não ando com o tanque na reserva (pra evitar surpresas desagradáveis, nunca se sabe do nosso trânsito) mas existe quem ande, e isso não me parece motivo pra tamanha revolta...

      Excluir
    10. http://globotv.globo.com/rede-globo/mgtv-1a-edicao/t/edicoes/v/vicios-de-direcao-podem-reduzir-a-vida-util-do-carro/3340590/ Pra quem se interessar, aí vai o vídeo.

      Excluir
    11. Davi Reis
      Quanta bobagem num vídeo só, triste. Tudo errado, mitos que se perpetuam. Inclusive o andar com pouco combustível levar a bomba a esquentar.

      Excluir
    12. Meu carro é original e mantenho o motor limpo. Porque cassar a minha CNH? Cesar

      Excluir
    13. Essa placa deveria ser obrigatória para que usa esses equipamentos de som que parecem um trio elétrico.

      Excluir
    14. Não sei aonde arrumaram esse especialista. Quando vi essa entrevista quase tive um ataque cardíaco. Andar com o tanque acima do meio nível só é recomendado para quem anda muito de carro. A gasolina tem uma validade e após esse prazo ela traz mais prejuízo para o motor do que a bomba na reserva, que se tem um copo para ficar imersa, que ainda é completado constantemente pelo próprio retorno da bomba que possui uma pressão acima da necessária. O motor deve sempre ser aquecido quando possível para que o lubrificante se aproxime da fase ideal de viscosidade. Pneu no meio-fio causa deformação da banda de rodagem e aparecimento de bolhas. Que depressão essa entrevista.

      Excluir
    15. O que diminui a vida útil da bomba de combustível é não trocar o filtro. Um filtro sujo diminui a recisrculação de combustível pela bomba, fazendo com que ela trabalhe em temperatura acima do ideal. Não chega a faltar combustível para o motor, mas falta refrigeração para a bomba.

      Excluir
    16. Tive um Corsa 97 desde zero. Com 85 mil quilômetros a bomba pifou. Filtros sempre eram trocados a cada 10 mil quilômetros. Então qual a explicação? Não me venham dizer que essa é a vida útil da peça, por favor. E existem um monte de casos assim. Perguntem a qualquer mecânico que preste.
      E já ia esquecendo: Eu tinha essa mania de andar com tanque onde desse pra andar. Sempre.

      Excluir
    17. Anônimo14/05/14 17:31
      amigao eu ja tive um gol g3 1.0 8v q consumia igual maluco eu nunca entendi a media dele ( uma vez deu pane e com 2 litros consegui andar 10 km minha cidade é pequena), fiquei inumeras vezes sem combustivel e até andava com um galao reserva dentro do estepe.
      na epoca tbm estava estudando e dinheiro pra combustivel era bem contadinho as vezes andar na reserva era a unica opçao, ficou 3 anos comigo nenhum problema com bomba graças aos céus.
      e hj tenho um Megane Sedan 2008 comprado com 30 mil km e só ando na reserva quando vou pegar estrada pois na cidade prox 60km tem posto com Podium (na podium andando com ar ligado entre 70~90ela faz 17km/l) ele esta comigo desde 2010 esta com 120mil km.

      Excluir
  4. Bob,
    Revista Quatro de Rodas - Edição 654 - Março de 2014.
    Auto-serviço Correio Técnico.
    Leitor pergunta se os vidros automotivos já possuem proteção UVA e UVB.
    Resposta: Tanto o para-brisa como os vidros laterais geralmente não recebem tratamento contra os efeitos da radiação ultravioleta dos raios solares. A solução para esse problema é instalar uma película escura de boa qualidade, que possa eliminar até 99,9% desses raios.
    Assim fica difícil, você não acha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tinha visto essa palhaçada também... Ainda tive que ouvir de colegas "entendidos" poucas e boas piadinhas.

      Excluir
    2. Não adianta, só as peliculas que tem esse filtro, realmente os filtram a contento. No site da insul-film tem, e elas custam o dobro do preço.

      Excluir
    3. Existem películas transparentes que protegem desses raios. Logo, dá para fazer isso sem perder visibilidade de dentro para fora.

      Excluir
    4. Matéria duvidosa esta da Quatro Rodas, pois existem películas com filtro UVA e UVB transparentes. Não venha me dizer que quem coloca os sacos de lixo pretos, está apenas preocupado com a filtragem da radiação solar, ao menos, 95% não.

      Excluir
    5. Celtic
      Uma irresponsabilidade da Quatro Rodas, dar essa informação e sugestão.

      Excluir
    6. João Carlos13/05/14 20:49

      Aprenda 4Patas e seus seguidores:

      Os vidros temperados bloqueiam 82% dos raios ultravioleta.

      Os laminados (pára-brisa; ou também os laterais de alguns Fiat) bloqueiam 99,5%.

      *dados da Fiat e Saint-Gobain

      Excluir
  5. Perfeito. Se todos seguissem essas 10 regras, teríamos um transito muito melhor. Compartilhem nas redes sociais.

    ResponderExcluir
  6. Bob,
    Em alguma cidade pequena do estado de Sana Catarina.
    Em frente a casa de um certo cidadão, existe uma marca zebrada idêntica essa que você colocou no artigo.
    Sabe o que acontece?
    O cidadão a utiliza para estacionar seu carro durante o dia.Também pudera, o tamanho dela tem exatamente o tamanho do seu carro e parece então, que ele pensa que essa marca existe para esse fim.
    Aí nota-se o despreparo das pessoas responsáveis pelo trânsito. Eles veem o carro nesse lugar todos os dias e nada fazem.
    Pior mesmo é certo lugar na mesma cidade, onde tinha uma placa de expressamente proibido estacionar.
    Como dificultava a vida de certos clientes de determinado comércio, alguém simplesmente a tirou de lá.
    Fácil, não?


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Celtic
      Nossa polícia e fiscais de trânsito (marronzinhos, em São Paulo) são mal preparados para o trabalho de fiscalizar trânsito, à exceção de alguns poucos.

      Excluir
    2. JhowCarvalho15/05/14 10:07

      Celtic12/05/14 12:45 se não tem placa não tem multa, esse povo é de lascar.

      Excluir
  7. Um outro erro comum e bastante prejudicial, é não observar o espaço da faixa (seja ela pintada ou não) chegando a ocupar duas faixas simultaneamente (andar no meio da rua). Geralmente esse erro vem acompanhado da velocidade incompatível (quase sempre baixa demais). O motorista se torna um obstáculo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo Roberto
      Essas pessoas que ocupam duas faixas deixando a linha divisória de faixas no centro do carro devem achar que estão fazendo o taxiamento de um avião...Como gente burra, é assustador.

      Excluir
    2. Motoristas de autorama...

      Excluir
  8. Bob seu post poderia muito bem ser enviado ao Ministério dos Transportes para servir como propaganda de orientação ao dirigir. Esses dez erros frequentes que você listou é como a maioria dos motoristas conduzem os carros no transito brasileiro.
    Pode adicionar também a não sinalização quando se muda de faixa, andar com o pisca alerta ligado em situações de chuva torrencial ou neblina e também veículos pesados que são conduzidos nas faixas destinadas a veículos leves.
    E permita-me ser chato: sem audição é complicado conduzir um veículo, visto que não ouvir o que se passa no trânsito pode representar um risco a integridade do condutor do veículo e dos demais motoristas no trânsito. Por exemplo, é sempre bom poder antecipar que um veículo com sirene está se aproximando, mesmo não o tendo no campo visual.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fábio Vicente
      Surdo pode dirigir, apenas é exigida uma placa oficial na traseira informando essa deficiência do motorista.

      Excluir
    2. O problema é que pouquíssima gente sabe o que significa essa placa, dado o nível de formação por aqui. Daria no mesmo que nada.

      Excluir
  9. Deixar de se posicionar corretamente antes de dobrar.
    Nada mais difícil que isso.
    Nas pistas de mão dupla, temos por costume rodar no lado direito da mesma para facilitar o fluxo e fazer conforme o item número cinco.
    Mas o que ocorre quando precisamos ir para a faixa da esquerda para convergirmos à esquerda, quase sempre somos impedidos de fazê-lo pelos demais motoristas.
    Considero essa parte a mais complicada da arte de guiar.
    O governo canadense já alertou seus torcedores que vem para a copa, sobre o trânsito brutal do nosso país.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, eu passo por isso muitas vezes na hora de entrar na garagem de casa. É uma rua simples, mão dupla e asfaltada, mas com pouco movimento. Dependendo do sentido que venho, eu tenho que converter a esquerda para poder entrar. Mesmo parando próximo do meio da pista para fazer a conversao a esquerda, sempre tem um idiota que tenta cruzar pela esquerda, sendo que o correto seria ele me ultrapassar pela direita (que é uma das poucas situações previstas no CTB para ultrapassagem pela direita).

      Excluir
  10. Com relação ao insul film o que acho mais prejudicial é não ver o carro a frente devido ao vigia escurecido.

    ResponderExcluir
  11. Ótimo post, Bob. Quanto aos dejetos rodoviários, nem me lembre...meu bairro provavelmente tem a maior quantidade de lombadas por Km do Brasil. Do trajeto da minha casa para o colégio da minha filha, são meros 800m, com SEIS lombadas em um trajeto, e SETE indo em outro. Algumas estão tão próximas que passa-se por uma, dobra-se uma esquina e lá vem a outra (nem dando tempo para evitar a desagradável torção do monobloco). É tão irritante que adoro o bairro, mas só por conta disso já pensei em me mudar. O pior é que se não existissem, realmente o pessoal passaria voando por algumas vias de menor movimento...parafraseando você: motoristas sem noção, dejetos rodoviários no chão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. RPL12/05/14 13:07 Não mude de bairro ,não vale a pena ,essas porcarias chamadas lombadas estão se proliferando cada vez mais pelo país ,aqui onde moro cada dia aparece uma nova ,buraco ninguém conserta ,mas lombada todo dia fazem uma.

      Excluir
    2. RPL
      Que idiotice! E como o aconselhou o Speedster, não mude de bairro. Está assim em todo lugar.

      Excluir
    3. E o pior é ver cada vez mais gente achando que lombada é a salvação, quando na verdade elas AJUDAM a emburrecer cada vez mais as pessoas.

      Excluir
    4. Aqui em Brasília certos moradores se acham no direito de fazer lombadas irregulares em frente a sua casa, sem nenhum critério.. Algumas são despejadas 50 metros umas das outras. Haja paciência!!!

      Excluir
  12. Faço a adição de um hábito extremamente irritante do motorista nacional: furar uma fila de veículos, invariavelmente levando a afunilamentos no trânsito. É uma extrema falta de civilidade, um individualismo absurdamente incompatível com a idéia de que bom funcionamento do trânsito é fruto de uma colaboração entre todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sábado pela manhã vi uma cena que gostei: seguia-se uma carreta puxando uma fila de carros morro acima. Havia um C4 Pallas na minha frente e atrás de mim seguia um Suve da Volvo (não lembro o nome). O Volvo resolveu de ultrapassar alí, onde não havia condições nem permissão para tal, e forçou a entrada entre o C4 e a carreta. Pois quase que o C4 não deixou ele entrar. Ouvi a "buzinação" e as reclamações do C4 mas no fim o Volvo entrou. O que eu gostei foi ver que não sou só eu que não estou mais tolerante a esse tipo de atitude. O Volvo ouviu umas boas e espero que ainda esteja refletindo sobre isso.

      Excluir
    2. Anônimo13/05/14 16:27
      apesar do rapaz do volvo estar errado, nao permitir q ele entre é mais idiotice ainda pois pode ocasionar um acidente por bobeira e birra.
      brigar no transito nunca é boa ideia.

      Excluir
    3. JhowCarvalho

      Sem dúvida. Até porquê vc pode acabar sendo envolvido também. Mas foi bom ver que atitudes como a do motorista desse Volvo, estejam sendo cada vez menos aceitas pelas pessoas. E isso tem que mesmo que ser cada vez menos aceito. Se ninguém reclama acaba ficando aquela ideia de que pode, que ninguém acha isso ruim, errado. Todos temos o direito de ter segurança nas estradas e ninguém é mais ou menos que ninguém nelas. O que esse cara do Volvo fez (e ele está sendo pego pra Cristo, pois isso que ele fez é muitíssimo comum no Brasil) jogou tudo por terra e é uma demonstração plena da soberba e arrogância de muitas pessoas por aí.

      Excluir
  13. Reforçando o item 9, é importante que o motorista sempre acredite que o pior para aquela situação VAI acontecer: cachorro atravessando, bola, pipas, buracos... por isso, deve-se evitar ao máximo estar no ponto cego dos demais motoristas e, mais do que isso, ver (item 10) e ser visto (item 2).

    Em estradas de pista simples, por exemplo, costumo dar um toque de farol para informar ultrapassagens. Muitas vezes, o motorista à frente (caminhões, principalmente) costuma até facilitar a ultrapassagem, que agradeço gentilmente com um toque de buzina.

    Ainda, é importante praticar a "empatia" no trânsito. Imaginar o que se passa com o trânsito e motoristas à frente ajuda a evitar muita "dor de cabeça". Quando me deparo com motoristas imprevisíveis ao me redor, por exemplo, trato de me distanciar. Me incomoda dirigir ao redor de motoristas que, pelo que vejo, não querem ou (ainda) não são capazes de prestar total atenção ao volante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. César
      Atitudes corretas as suas, especialmente a "empatia" no trânsito. Também faço isso.

      Excluir
    2. Claudio Fischgold13/05/14 09:56

      Cesar,

      acho que por causa da idade, hoje em dia respeito muito os outros motoristas, principalmente os profissionais "da pesada", ônibus e caminhões. É só imaginar o que deve ser uma diária de 10, 12 ou mais horas ao volante, em nossos "tapetes aveludados" e com o trânsito que temos.

      Hoje dou preferencia aos profissionais sempre que possível, pois, não só elimina o stress como me sinto muito melhor.

      Só para finalizar, motorista de táxi em geral não é profissional; é amador que buscou outra maneira de ganhar dinheiro.

      Excluir
    3. Concordo com você, principalmente no que diz respeito aos taxistas. Fico impressionado com a maneira como a maioria dirigem, cometendo as maiores barbaridades no trânsito (estão mais para "profissionais da barbeiragem"). Conversando com alguns, também fico admirado como a maioria não conhece direito como manter o próprio instrumento de trabalho.

      Excluir
    4. Eu até compreendo o que possa se passar com motoristas de ônibus e caminhões no que se refira a carga de trabalho deles, mas eu acho que essas pessoas, mais do que outros, precisam saber lidar com isso, até porque, o que tenho eu a ver com os problemas deles. Digo isso porque não é pouco o que eu vejo por aí de caminhoneiro barbeiro mesmo, fazendo cada absurdo nas estradas que não teria espaço suficiente aqui para ser relatado. A pressa dele ou o problema dele não pode ser justificativa para ele me pôr em perigo.

      Excluir
  14. Além dessas dez, outra que eu sempre sigo é ficar sempre atento a paradas de ônibus. Sempre tem um passageiro desavisado que desce do coletivo, atravessa pela frente do mesmo e não olha pra saber se vem carro. Se eu não seguisse essa regra, teria jogado uma garota pra cima dia desses.

    ResponderExcluir
  15. Uma adição ao item 3:
    3.1: ao fazer a curva, não tenha medo do meio fio!
    Já vi fulano de Celta fazendo curva como se estivesse manobrando uma carreta, até entrando na contramão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se for Celta com direção mecânica, não dá muito pra condenar o motorista.

      João Paulo

      Excluir
  16. Corsário Viajante12/05/14 13:35

    11: não usar os faróis corretamente.
    Exemplos disso não faltam: usar "só us milhas" pq fica "sinistrão", andar à noite só com luzes de posição, deixar a lanterna de neblina acesa o tempo todo, etc.
    De rsto, os demais estão ótimos. pAra quem dirigir atento, é até fácil. O problema é a maioria que dirige distraída.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corsário Viajante12/05/14 13:35 "só us milhas"
      Esses incomodam muito ,e o pior que você da uns toques de farol para o sujeito pra ver se ele manca e o cara não desliga assim mesmo .

      Excluir
    2. Esse é um fenômeno que eu vejo demais aqui em Brasília. Principalmente a última parte. Muita gente aqui dirige à noite só com as luzes de posição (farolete?) e o farol de neblina. Acho que é um mal causado acidentalmente por uma coisa boa aqui de Brasília: as vias são geralmente muito bem iluminadas.

      Excluir
    3. Pior que há quem não acende luz nenhuma à noite!
      E a culpa não é só do motorista, parte da culpa também é de alguns carros cuja iluminação do painel acende mesmo durante o dia. Mas será que alguns carros tem faróis tão ruins que iluminam menos que as luzes dos postes e quem dirige não percebe que estão desligados?

      Excluir
    4. Corsário Viajante12/05/14 17:07

      Isso virou um vício, o "pacote vileiro" é andar de noite com os faroletes acesos (de preferência um "pingo de led") e "us milha" que na verdade são "os de neblina" acesos com xenão apontado para cima. E, lógico, a lanterna de neblina furando seus olhos!
      É muito huehuehuebr para mim!

      Excluir
    5. Lembrou bem Corsário, e ainda acrescento um detalhe: andar com os faróis regulados. É duro acreditar que existe gente que não vê que tem algo errado no facho do farol e pior, outros que sabem que o farol está completamente desregulado e simplesmente não fazem nada... Infelizmente sofri um pequeno acidente de trânsito semana passada e o farol direito está completamente desregulado, estou até com vergonha de rodar de noite, mas essas pessoas, nunca se tocam do quanto isso incomoda.

      Excluir
    6. Muito bem lembrado.

      Certa vez eu estava conversando com um colega meu sobre esse reprovável hábito de trafegar, à noite, somente com os faróis de neblina acesos. Então ele me revelou que também tem esse hábito. A justificativa dele: "tenho a impressão que os faróis (baixos) do meu carro (um Celta) incomodam quem vem no sentido contrário. Então ligo somente os faróis de neblina e não tenho problema algum de visibilidade".

      Preferi não argumentar para não gerar uma longa e desagradável discussão...

      Excluir
    7. Corsário Viajante13/05/14 09:50

      Eu fiquei uns dois meses com dois unos alugados, e em ambos os faróis estavam incrivelmente, absurdamente desajustados, a luz ia direto no retrovisor do carro da frente. Aliás isso me parece mal da Fiat, quase todo carro que acho que está com farol alto mas só está desregulado é fiat, principalmente o Uno.

      Excluir
    8. Corsário, também tenho essa mesma impressão dos faróis da Fiat, mas não sei a que isso se deve (acontece mesmo em alguns carros novos, especialmente Grand Siena). Outros que comecei a reparar que costumam incomodar um pouco são os do Logan antigo.

      Excluir
    9. Poucos se apercebem que os faróis se desregulam também com a própria vibração da carroceria. Por isso, além de verificar os fachos (coisa facílima de se fazer, até em casa) é preciso reapertar periodicamente os faróis em seus nichos, além de verificar as buchas das lâmpadas...

      Excluir
    10. Usar só farol de neblina é palhaçada pura... E farolete apenas com a onda de carros com películas é temerário.

      Excluir
    11. Davi Reis e Corsário Viajante,

      Também já fui incomodado por faróis de carros Fiat, cujos fachos iam direto no meu retrovisor, a ponto de eu pensar que o motorista havia ligado a luz alta.

      Com os relatos daqui, faróis desregulados nesses carros parecem uma constante. Tínhamos que documentar isso - através de fotos ou vídeos - e pedir uma explicação à Fiat do porquê dos carros deles serem os que mais causam esse tipo de problema.

      Excluir
    12. Eu tbm já sofri com faróis de Fiat atrás de mim. Na ocasião era um Pálio Weekend e fiquei super irritado com aquilo (sempre fico com luz alta na minha cara). Mas quando consegui que ele me ultrapassasse vi que ele estava com luz baixa. Eu tava doido pra meter luz alta nas costas dele, mas quando vi isso logo me lembrei do que já havia lido aqui, sobre os Fiat terem esse "problema de fábrica", e deixei isso pra lá, segui minha vida.
      Mais adiante, esse mesmo cara, que tinha placas de muito longe, de Pernambuco ou Paraíba andando aqui no Paraná, não conhecia o trecho e foi ultrapassar um caminhão a menos de 500 mts de um posto da PRE, debaixo do nariz da polícia. kkkkkkk Pra que?! Se lascou! Foi parado e deve ter levado multa.

      Excluir
    13. http://bestcars.uol.com.br/bc/participe/opinioes-proprietarios/teste-do-leitor-fiat/fiat-strada/ Olhem esse último relato, da Strada 1.8 de um cidadão chamado Leonado. Destaque pra parte em que o dono diz "Ótimos faróis. Na estrada jogam luz alta em mim pensando que estou com luz alta também.". E ainda tem dono que vê vantagem nisso, afinal, pouco importa incomodar o outro pelo visto não é? Falta senso de coletividade...

      Excluir
  17. Cada vez mais está sendo cansativo psicologicamente dirigir por causa dos gersons ;querem passar pelo acostamento ,não esperam ninguém e vão enfiando o carro no meio do cruzamento,dois segundos que o semáforo fica verde e começa a sinfonia de buzinas entre outras atitudes imbecis e egoístas que cada dia aumenta mais e mais .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falou tudo. A tranqueira do trânsito do dia a dia não me incomoda tanto como as atitudes da maioria dos outros motoristas, que parecem que não tem o menor zelo pelo próprio patrimônio e a própria vida (e a dos outros também). Não entendo tamanha selvageria de alguns no trânsito, já que se consegue chegar antes de qualquer um que utiliza o transporte público (e com mais conforto, mesmo em um carro popular), isso mesmo quando se pega um arranca-e-para no meio do caminho.

      Excluir
  18. O post do Bob está mais útil do que todas campanhas de trânsito juntas do governo nos últimos 12 anos.

    ResponderExcluir
  19. Tem à ver com o item 4 mas é bom frisar: Trafegar pelo acostamento nas estradas. Imperdoável isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corsário Viajante12/05/14 17:08

      Pior, todo dia os caras trafegam pelo MESMO LUGAR, e NUNCA tem uma viatura para multar. Eu passo praticamente todo dia num trecho em que o trânsito fica lento, nem chega a parar, mas mesmo assim os caras cortam pelo acostamento. Todo dia! Lamentável.

      Excluir
    2. Anônimo 12/05/14 14:02
      Tão imperdoável que defendo ser infração hedionda trafegar no acostamento, com a seguinte punição: primeira vez, perda do direito de dirigir por um ano, além de multa para arder. Na reincidência, a qualquer tempo, cassação da carteira de habilitação. Nunca mais dirige.

      Excluir
  20. Que modelo de Honda é esse da primeira foto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. City !

      Excluir
    2. Acredito que seja o Accord.

      Excluir
    3. Accord

      Excluir
    4. Entrei no site da Honda aqui do Brasil e vi fotos dos interiores dos modelos vendidos aqui. Não é nenhum deles.

      Excluir
    5. Accord tão estreito?? Me parece algum modelo menor q o Civic.

      Excluir
    6. Honda Accord Crosstour - um suve do mercado americano. Até o carro parece mais alto que o Accord normal.

      https://allthecars.wordpress.com/2009/10/09/honda-mostra-imagens-do-interior-do-accord-crosstour/

      Excluir
  21. - Evitar andar com os faróis baixos desligados de dia;
    - Não ocupar a faixa de ultrapassagens se não tiver passando ninguém, fique na direita mesmo que sozinho (quem vem na contra mão, se aproveita dessa faixa livre para ultrapassar);
    - Não usar o pisca pisca para fechar os outros motoristas em mudanças de faixa (o que torna a manutenção da distância entre os carros mais difícil);
    - Não costurar nas "freeways", isso só estressa os outros motoristas, tente seguir uma fila, e só mude de faixa se estão empatando muito lá na frente;
    - Não dê farol alto para ultrapassar, ligue antes o pisca da esquerda e aguarde até o motoristas da frente perceber;
    - Em estradas vazias e calmas, ao ultrapassar caminhões de noite, ligue o pisca e baixe para meia luz para não ofuscar o motorista do caminhão pelo espelho;
    - Use mais freio motor e menos freio do pedal;
    - Não ligar pisca alerta no meio das chuvas torrenciais; sinalize e encontre um lugar seguro se não pode enfrentar a tempestade;
    - Não "pegue vácuo" de veículos maiores para ultrapassar, tu não está no encalço de um RedBull, sair de supetão atrás de um caminhão pode surpreender negativamente o motorista da frente e bloqueia em parte a tua visão;
    - Não tenha medo de pular uma marcha (que quinta para terceira), para ultrapassar com segurança, motor foi feito para girar e a manobra tem que ser feita com agilidade;
    - Motociclistas tipo "Valentino Rossi" (alguns donos de motos grandes) são uns malas, não embaçe na frente deles, caia um pouco para a direita - sinalize com pisca ou com a mão - e deixe-os passarem de uma vez, se não o fizer, pode ter certeza que farão diversas barbaridades na tua frente, tentando ultrapassagens perigosas malgrado o poder das motos (isso nubla a mente deles), e isso pode ocasionar um acidente onde tu te meterá no meio.


    E deve ter muito mais ainda...

    MFF

    ResponderExcluir
  22. Andar no acostamento deveria entrar nessa lista... Cansado de ver os "espertões"...

    ResponderExcluir
  23. A nova moda no caso dos faróis são as DRL's (Daytime Running Lights) sendo usadas durante a noite, afinal, o que importa é ficar lindão no carro novo.

    Quase todas as Sportages novas e Evoques circulam a noite apenas com os LEDs das DRLs acesos.

    ResponderExcluir
  24. O péssimo hábito dos motoristas de coletivos em parar atravessado, ocupando 2 faixas enquanto ocorre o embarque/desembarque. Geralmente fazem isso devido a pressa ou impaciência com os outros ônibus já parados.

    ResponderExcluir
  25. Pra quem acha que vai se queimar, ficar com câncer de pele se não usar película escurecedora, fiz um teste: fui a trabalho ao Pará e aluguei um carro sem películas, e passei 3 dias quase inteiros no carro com ar condicionado, vidros fechados. Não usei protetor solar, e não tive qualquer queimadura na pele.
    Digamos que Pará é um lugar de referência em termos de radiação solar.

    ResponderExcluir
  26. Aqui em São José dos Campos tenho notado a volta de um certo hábito: o de dirigir com o bração pra fora. Nada mais mano, nada mais caipira que isso. O mais difícil é aceitar isso numa cidade grande e com o trânsito carregado. Não é à toa que somos mal vistos por outras cidades. Mas é aquela coisa, se algum acidente acontece, vão dizer que é excesso de velocidade. Só isso que dá multa e ibope.

    João Paulo

    ResponderExcluir
  27. Faço uma observação sobre o nº 3. Como foi dito, muitos acidentes com motos e bicicletas acontecem no momento de conversão, mas na quase totalidade deles a culpa é dos condutores desses próprios veículos, que tentam passar a lado do carro na hora da conversão, principalmente à direita. Esse pessoal acha que porque o veículo deles é pequeno e consegue passar em quase qualquer lugar, que eles podem ou devem passar por onde quer que seja.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema é que a maioria dos motociclistas ( principalmente motoboys) acham que sempre tem a preferência de passagem...

      Excluir
  28. Faltou um erro bem contemporâneo: Usar o espertofone dirigindo. O que tem de gente falando, digitando, usando Facebook e etc enquanto dirige não é brincadeira. E dirigem sem atenção, devagar, atrapalhando todo mundo e causando acidentes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E tem muita rádio por aí que estimula isso, pedindo para os "ouvintes" mandarem informações do trânsito. Até o dia em que der m... e uma delas for processada pelo ouvinte acidentado. Se não me engano já houve caso assim na Europa ou EUA.

      Excluir
    2. Realmente. Muita gente fechada atrás de películas escuras digitando bobagens no Facebook... a antítese do autoentusiasmo.

      Excluir
    3. Pior é que não é difícil ver gente fazendo isto (pelo menos aqui em Porto Alegre) na faixa da esquerda. Eu quase sempre adivinho quem está falando no celular, já que geralmente andam devagar (segurando o transito) e comendo faixa.

      Excluir
  29. 12: Sentar-se erradamente ao volante. Muita gente ou dirige deitado(a), ou absolutamente abraçado(a) ao volante. É impressionante a quantidade de cidadãos que coloca o banco todo pra trás, sem necessidade. Não têm sequer a postura adequada para frear, como se dizia antigamente, 'subir no pedal'. Não conseguem nem manobrar corretamente e depois reclamam do carro...

    ResponderExcluir
  30. Texto excelente. Como o Bob falou, não importa o tempo de experiência, sempre temos algo a aprender na arte de dirigir.

    Se me permitem, acrescentaria mais três itens a essa lista:

    11. Posicionar-se incorretamente ao volante. É impressionante a quantidade de motoristas que sentam de forma errada ao volante. Não sei o motivo - se é porque acham "da hora" ou outra coisa - mas muitos dirigem com o banco muito deitado e longe da direção. Somam-se a isso a mão segurando precariamente o volante pelo topo e a famosa "ordenha". Sem exagero, diria que o bom posicionamento do corpo e das mãos já é metade do caminho para dirigir bem.

    12. Não conhecer seu veículo. Acho fundamental entender pelo menos um pouco de mecânica e detalhes técnicos do carro. Saber em quais faixas de rotação o motor entrega mais torque e potência e utilizar o câmbio para aproveitá-las, conhecer o comportamento do carro em curvas abertas/fechadas, de raio constante/variável, saber como as condições do pavimento afetam aderência e por aí vai. Aí também se inclui a boa manutenção do veículo.

    13. Confiar em excesso na "sopa de letrinhas". Muitos acham que o ABS, ESP, TCS, ... são o santo graal da prevenção de acidentes e, por isso, expõem-se a mais riscos. Claro que usados corretamente são de grande valia, mas o motorista continua sendo o principal responsável pela segurança no trânsito.

    ResponderExcluir
  31. Eu adicionaria mais um item a lista :

    Fazer conversões invadindo a pista oposta. Ah, isto me deixa louco, principalmente (mas não somente) com os motociclistas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você diz imitar ônibus e carreta que precisam jogar primeiro para o lado oposto devido ao tamanho do entre-eixos? Se sim, é ridículo mesmo... todo dia encontro alguém fazendo isso e me pergunto o motivo...

      Excluir
    2. Paulo,

      Acho que o Ace quis dizer o outro extremo, que é igualmente nocivo ou até mais - motoristas metidos a piloto que em pleno trânsito urbano, viram esquinas de 90 graus tangenciando a curva como se estivessem num autódromo... alguns quase acertam o meio fio da parte interna da curva, e ao entrar em ruas de mão dupla, por causa dessa manobra entram no lado da contra mão e as vezes quase provocam acidentes. Realmente é uma manobra mais comum entre motociclistas, mas vejo muitos carros fazendo isso também.

      Excluir
    3. Essa é muito ruim mesmo, infelizmente ocorre todos os dias no curto trajeto que percorro para deixar minha filha na escola. Já chegaram a me xingar porque eu estava esperando minha vez para transpor o cruzamento (sinalizado pela placa PARE) e o sujeito queria fazer a curva pegando a tangente, como você diz, e eu estava lá "atrapalhando"... me chamou de "folgado". É muita distorção, não é?

      Excluir
  32. Excelente postagem, como de costume.
    Além do que disse o leitor RPL (furar fila, individualismo) eu acrescentaria o erro de deixar de facilitar a manobra sinalizada de troca de faixa, ou mesmo quando há afunilamento de faixas (por obras, acidente etc.). Isso, aliás, é fruto da falta de educação e desconhecimento que atingem uma parcela expressiva não só dos condutores, como também de pedestres. Basta sair do país para experimentar como dirigir pode ser mais fácil e prazeroso, seja nos vizinhos de Mercosul, seja no primeiro mundo.

    ResponderExcluir
  33. Marcus Lahoz12/05/14 16:04

    o que mais me irrita é o elemento na faixa da esquerda.

    Ótimo post.

    ResponderExcluir
  34. Antonio Pacheco12/05/14 16:34

    Eu acrescentaria um item: Ultrapassar veículo lento sem reduzir uma ou 2 marchas - Já lemos aqui mesmo, mas o que mais existe é "motorista" que tem dó de acelerar o carro, talvez sendo discípulos do programa "autoesporte". Só sei que é muito comum ver carros, seja 1.0 ou 2.0, saindo para ultrapassar e demorando horas na contra-mão, pelo simples fato de não ter o motorista reduzido ou acelerado mais. Dependendo do caso, se começar uma descida, a carreta acaba andando mais e deixando o pacífico motorista na contra-mão. Isso realmente me incomoda.
    O brasileiro é um povo a ser estudado: no geral, não gostam de carros automáticos (esse pensamento aos poucos vai mudando...), mas também não gostam de ficar mudando marchas. Por isso as fábricas fazem carros com câmbio cada vez mais curtos, que geralmente deixam o motor urrando em 5ª marcha, só para o brasileiro passar uma lombada ou virar esquina de 3ª. Com câmbio curto, geralmente andam na última marcha possível para o motor não gritar, deixando sempre o carro em baixa rotação, com pouca força para ultrapassagens. EU, particularmente, procuro ultrapassar o mais rápido possível, em qualquer carro que esteja, para voltar para a pista em segurança.

    ResponderExcluir
  35. Acrescento algumas atitudes que me irritam profundamente, embora nem todas representem riscos:
    - dirigir com a mão para fora da janela (ainda não entendi por quê);
    - dirigir com a luz de neblina traseira ligada;
    - filme dos vidros muito mais escuros do que a legislação permite - à noite o cara simplesmente faz vôo cego!
    - atitudes que obrigam os outros motoristas a evitar acidentes;
    - forçar uma situação - ex., simular que vai entrar na avenida a partir da transversal; o motorista que vinha pela avenida freia, então ele entra mesmo!
    Oswaldo Roschel

    ResponderExcluir
  36. Bob, eu acrescentaria o triplo de distância no primeiro item, principalmente em pista molhada. 1/3 é para o seu carro parar, o restante é para o imbecil que vem colado logo atrás, em regra, dirigindo um veículo popular com freios de carroça e pneus xing-ling comprados no crediário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpe, mas não é só porque o carro é popular que ele é mal cuidado. Eu já vi muita SUV por aí com lanterna queimada, coisa que a princípio é simples de se resolver e diagnosticar. Tem também aqueles que compram um carro mais caro e depois não tem dinheiro para colocar gasolina, quem dirá para a manutenção.
      Além disso, como já foi discutido aqui no blog, um celta da vida dirigido de forma prudente pode ser mais seguro que um Mercedes todo equipado dirigido por um louco.

      Excluir
  37. Não sinalizar. O povo esquece pra que serve a seta. Você tem que ficar preparado para a qualquer momento algum infeliz se enfiar na sua frente sem sinalizar.

    Já uma sinalização que usam muito, indevidamente, é o pisca alerta. Muitos acham que por ligar o pisca, tem autorização para parar em qualquer lugar, até mesmo em locais de parada proibida! Impressionante a quanitdade de motoristas que se acham donos das ruas que simplesmente bloqueiam uma pista inteira para uma pessoa entrar/sair do carro, descargas, etc, independente do fluxo de carros na via.

    ResponderExcluir
  38. Tem mais umas coisinhas para se fazer.
    Exigir que a AMBEV prepare melhor seus motoristas, e também explicar-lhes que seus caminhões enormes não são ideais para fazer entrega nas ruas de muito movimento.
    Ah! E que vaga de farmácia não serve para estacionar caminhão de bebidas.
    Essa empresa fatura milhões na venda de bebidas, o que não é incorreto, mas não dá a mínima para a população.

    ResponderExcluir
  39. Muito bom, Bob! Bem que o governo poderia destinar o dinheiro arrecadado com multas para divulgar esses cuidados através de campanhas educativas constantes.

    ResponderExcluir
  40. Boa noite, Bob.

    Sem bajulação, faço questão de agradecer e elogiar muita sua postagem. Gosto muito.

    Robinson Garcia

    ResponderExcluir
  41. Usar luzes de neblina sem necessidade. Não usar a seta. Tem gente que só usa a luz de freio porque é automática senão nem isso.

    ResponderExcluir
  42. 11) Desrespeitar a regra "se tem pressa, saia mais cedo".

    Quanto ao item #2, estou começando a andar de moto e estou achando muito difícil ver o que se passa atrás através dos espelhos. Dá a impressão que o corpo do piloto esconde todo o campo de visão que deveria existir para trás.

    Diego Mayer: nem todo proprietário de popular compra pneus xing-ling. Acredite, quanto mais caro for o pneu dito "de marca", independente do veículo, maior é a tendência do dono cair na tentação de adquirir um pneu de segunda linha. Pode apostar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você: E só complementando, não é o fato da pessoa ter um carro popular que ela é relaxada. Eu já vi muito carro caro que o dono era um relaxado. Eu já vi, por exemplo, outro dia uma SUV com as luzes traseiras todas queimadas, que é algo fácil e barato de arrumar.

      Excluir
  43. Gabriel F Tomass12/05/14 20:03

    Acho que faltou mencionar um item de extrema importância e que me irrita bastante na estrada: Pessoas com farol alto e/ou farol de milha, a noite, não voltando para a luz baixa quando você o ultrapassa, forçando-nos a ter que colocar o retrovisor interno no modo mais escuro. Sem contar xenon em farol halógeno e/ou farol desregulado e/ou usando apenas luz de posição, em conjunto ou até mesmo sem os faróis de neblina (que, ironicamente, também costumam estar com lâmpadas de xenon jogando o facho pra cima e ofuscando os motoristas).
    Como eu regulo os retrovisores externos conforme o manual de direção da BMW que diz para você abri-los além da linha lateral do carro para diminuir os pontos cegos, fico bastante dependente do retrovisor interno e dificulta bastante ver a aproximação de veículos no modo mais escuro.

    ResponderExcluir
  44. Meu único vicio ( que minha mulher vive chamando minha atenção) e gostar de buzinar quando estou dentro de um túnel ...
    Acho um barato escutar o eco da buzinada ou ver a sintonia e coleguismo dos outros motoristas que também começam a buzinar...
    Mão faço tanto na cidade mas sim em túneis nas estradas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aff !!!

      Excluir
    2. Também adoro fazer isso, ou então abro a janela e dou um longo grito, ponho tudo pra fora, o eco do grito é mais legal ainda. Tento fazer isso quando estou sozinho apenas, principalmente depois que um dia provavelmente alguém me viu fazendo isso e avisou a polícia, sendo que fui parado uns 5 minutos mais p/ frente de um tunel na Ayrton Senna por um policial perguntando o porquê da gritaria (perturbação da ordem, como ele disse). Foi embaraçoso, mas milagrosamente, não fui multado. Enfim, tirando este episódio, vi que não sou tão louco quanto achava, até que enfim achei alguém com gosto parecido!!!

      Excluir
    3. Farofeiro detected.

      Excluir
    4. Anônimo 12/04/14 20:12
      Que feio. Tipo da alegria de pobre. E infração de trânsito.

      Excluir
    5. Gopal
      Alegria de pobre II...

      Excluir
    6. Tem outras maneiras de catarse menos ridículas...

      Excluir
    7. Anônimo12/05/14 20:12 Ja vi algo no rodoanel ,balanço a cabeça e fecho o vidro,parece que estamos no zoológico .

      Excluir
    8. A que ponto chegamos........................
      Isso é típico de gente que não consegue se destacar em nada e precisa desse tipo de artificio para aparecer. Tipo manolo com "sonzera" que fica fazendo trilho no bobodromo da cidade. Gente com nada na cabeça.

      Excluir
    9. O que o autor tem contra os pobres? Por que uma atitude ridícula tem que ser considerada uma "alegria" de pobre? Típico do discurso elitista do autor que sempre se vê neste blog. Deve ser contra às faixas exclusivas de ônibus (deve dizer que os minutos ganhos por quem usa o transporte público são "alegria de pobre", o bolsa família (esmola, alegria de pobre) e a tentativa de distribuição de renda que vem sendo feita neste país. Gente egoísta que só olha para o seu próprio umbigo. Por causa de gente egoísta como você, além de tudo preconceituosa, que os pobres deste país sempre ficaram excluídos, se contentando com as suas misérias e as "alegrias de pobre"....

      Excluir
    10. Anônimo 14/05/14 11:44
      Nada contra os pobres, nada de elitista, você disse uma enorme besteira. Alegria de pobre é uma expressão antiga, se você não a conhece é porque lhe falta cultura. E, por favor, não volte a comentar, não quero gente como você por aqui.

      Excluir
    11. Anônimo 14/05/14 11:44
      E como vc explica os ex-pobres desse país que hoje são ricos?? Os que se deram bem na vida? Tipo aqueles que foram engraxates, jornaleiros, domesticas e hj são engenheiros, juízes, médicos e tantos outros bem sucedidos?? A "maravilha" do PT?? Milagre?? Não meu caro. Eles simplesmente se deram conta que a chance deles estava nas mãos deles, e de ninguém mais, sacudiram a poeira e foram a luta. Bem diferente desses teus pobres aí que, segundo vc mesmo, "sempre ficaram excluídos, se contentando com as suas misérias".

      Excluir
    12. Bob
      E você ainda perde tempo com esses insetos?
      Passa a lima neles e já era.

      Excluir
  45. Focando no tema das peliculas nos vídros, eu uso, nos quatro vidros laterais, todos no mínimo de visibilidade permitida por lei, e afirmo: atrapalha, de noite, somente na hora de estacionar/manobrar, coisa irrisória.

    A película escurecedora também contribui para a segurança dos indíviduos dentro do carro. Os ladrões pensam duas vezes antes de tentar mexer com algo que ele não pode checar, isso é comprovado. É só ver que a maioria esmagadora dos relatos de assalto ocorreram com carros cujos vidros permitiam uma exacerbada visualização do interior, ou que andavam com os vidros abaixados. Eu também admito que qualquer película no pára-brisa é arriscado. Diferentemente da película nos vidros laterais, a qual expliquei anteriormente, que atrapalha apenas nas manobras, o escurecimento do vidro dianteiro atrapalha consideravelmente em qualquer situação. Também sou contra o grande escurecimento de qualquer vidro. O máximo permitido por lei é o suficiente.

    Só para finalizar, eu, pelo menos, referente ao quesito "proteção da radiação solar" das películas, utilizo mais para evitar o calor. O principal tipo de radiação que passa a sensação de calor é o infravermelho, e esse não é barrável a não ser pelo escurecimento dos vidros. Se você está conseguindo enxergar a luz solar, você está recebendo o calor do sol. Para comprovar isso é simples: por que na sombra é mais fresco que num lugar exposto à luz solar, independentemente de ter alguma barreira transparente tratada para barrar os tipos de radiação ultra-violeta?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então se te assaltarem o cara pode ficar com a arma na mão que ninguém vai ver, nem a polícia né, pode passar em frente a uma blitz rendido que o bandido vai rir... sou a favor de como é em outros países, nos vidros laterais traseiros pode saco de lixo se quiser, no parabrisa e laterais dianteiros nada, ou no máximo 5%.
      Mauro

      Excluir
    2. Anônimo 12/05/14 20:24
      Se o seu carro tem vidros esverdeados de fábrica já está no mínimo de visibilidade exigido. Portanto, seu carro está irregular. Contra esse fato não há argumento. E se atrapalha à noite na hora de estacionar, atrapalha em toda a operação do veículo. Não tente tapar o sol com a película...

      Excluir
    3. "Os ladrões pensam duas vezes antes de tentar mexer com algo que ele não pode checar, isso é comprovado"

      Comprovado, por quem? Lembro do caso do menino arrastado no Rio e na mesma semana do cara que era refém dentro do próprio carro e foi baleado. Nos dois casos, carros insufilmados.

      Alessandro

      Excluir
    4. Cliquei errado e perdi todo o meu texto de resposta, vou ser mais breve:


      Anônimo 13/05/14 02:20

      Essa lógica é furada. É a mesma coisa que proibir anestésicos em procedimentos cirúrgicos por conta do risco que oferecem (praticamente negligível).


      Bob Sharp 13/05/14 09:02

      Meu carro não possui vidros verdes. E no caso de atrapalhar à noite, reitero: a película retira nossa capacidade de enxergar detalhes sutis, como a distância correta do carro junto ao meio fio. Deixar de enxergar cinco centímetros junto às rodas, no máximo ocasionará um esbarrão em outro carro ou uma ralada nelas mesmas. Nada que comprometa a segurança de ninguém.


      Anônimo 13/05/14 11:35

      Comprovado pelos próprios usuários de película. Ninguém compra algo de mil ou dois mil reais ( pra mais ) sem ter ciência se é realmente útil em algo. No caso do menino arrastado no Rio: marginais, que duvido que hesitem em tirar a vida de alguém, fugindo à toda da cena do crime. Só parariam se a mãe do que estava dirigindo estivesse perto e pedisse ajuda a ele, e mesmo assim eu ainda tenho dúvidas. No caso dos reféns: diversos marginais, juntos com um refém, aglomerados em um espaço muito pequeno, e atirando contra a polícia; tragédia anunciada, novamente, independente das películas.

      Excluir
    5. Anônimo 13/05/14 13:55
      Você fez o melhor comentário-piada do ano: saco de lixo atrapalha a 0,5 km/h mas não atrapalha em velocidades mais altas ou bem mais altas. Parabéns.

      Excluir
    6. Bob, conforme eu já disse, a película complica minha percepção de detalhes que fazem a diferença apenas em manobras. Creio não ser recomendado dirigir a cinco centímetros dos carros ao lado, não? Eu pelo menos não dirjo.

      Excluir
    7. Essa realmente foi uma pérola: "só" atrapalha manobrando kkkkk

      Acho que era para não existir mais assaltos e sequetros a motoristas no Brasil, pois carros sem película nas ruas só vejo o meu, os carros de imprensa (exceto alguns) e os do Bob kkkkk

      Excluir
    8. André 13/05/14 18:11

      Novamente, a película só me atrapalha ao manobrar. Cai entre nós, se a pessoa não sente segurança ou não se julga apta a conduzir o veículo com as películas escurecedoras, que não dirija com elas. Eu não sinto diferença nenhuma nas situações normais de trânsito à noite.

      Vocês deveriam se ater à combater as películas com grande escurecimento, e não as dentro do limite da lei.

      Excluir
    9. "Cai entre nós"?? O que caiu entre vocês?? Não seria "CÁ entre nós"??? kkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    10. Não tem o que discutir. Ou está em conformidade com a resolução do Contran ou não está. Desculpe, mas se a legislação não for suficiente para "convencer" o infrator, é caso de ignorância científica — aliás, outra praga a ser combatida.

      Excluir
    11. Na minha opinião, a película aumenta muito a segurança, isso é fato; princípio do panóptico. Eu não uso película no meu carro pois faço um trajeto considerado seguro, sem passar por áreas de risco, mas, caso fosse diferente, seria obrigado a colocar um "saco de lixo" no vidro. Andar com "aquário" em certas regiões da cidade é pedir para ser assaltado. Não é a toa que as viaturas da PMSC, depois da onda de atentados do PGC, andam lacradas na G5.

      Excluir
    12. Gostei do raciocínio: atrapalha pra estacionar em baixa velocidade, mas não em alta velocidade!!!!
      Troquei meu carro no início do ano e não coloquei película: prefiro assim. O ganho na condução é muito melhor que eventuais benefícios da película.

      RicardoBF

      Excluir
  46. O erro #3 é uma infração de gravidade média prevista no CTB: "Deixar de deslocar o veículo para mais à esquerda ou direita quando manobra". Vejo muito isso acontecer em Curitiba, motoristas que se posicionam do lado externo à faixa mais à direita ou mais à esquerda para fazer a conversão "junto" com quem se posicionou corretamente. Acham normal e quem está certo que se vire pra evitar ser abalroado pelo espertinho.

    ResponderExcluir
  47. No caso do filme nos vidros, estimo que seja um mercado entre 200 e 250 milhões de reais por ano. Essa prática é tolerada - senão incentivada - pela rede concessionária das fábricas, que vendem o serviço no ato da negociação do próprio veículo ou o oferecem como uma "vantagem". Ou seja, em última análise as próprias fábricas toleram uma prática irregular e não contribuem para a reeducação do condutor sobre essa verdadeira praga. Outro dia vi numa concessionária VW um Golf com o parabrisa "filmado". Perguntei ao vendedor da loja por que fizeram aquilo e ele respondeu que foi uma exigência do cliente, que teria assinado um termo de responsabilidade... mas fizeram e, obviamente, faturaram com isso.

    ResponderExcluir
  48. Dos lugares em que passei,o Brasil é onde tem mais motoristas ruins e mal educados,um amigo me dizia que todo brasileiro quer ser o "Senna",e em todo lugar é permitido película nos vidros laterais traseiros e traseiro,de qualquer %,nos outros vidros é multa e apreensão do automóvel.

    ResponderExcluir
  49. Lucas dos Santos13/05/14 00:54

    Bob,

    Tem um erro, não citado no texto e (até o momento) nem nos comentários, que é tão comum que já se tornou banal no trânsito brasileiro e todos já aprenderam a conviver com ele: não dar preferência ao pedestre!

    O Código de Trânsito Brasileiro é claro ao dizer que o pedestre tem toda a preferência quando pretende atravessar a via sobre a faixa de segurança. Este vídeo, de autoria de Cecílio Lima, ilustra muito bem isso: https://www.youtube.com/watch?v=Qzxt-bZQtmI . Mas não é o que ocorre na prática.

    Aqui na minha cidade, os motoristas ignoram totalmente as faixas de pedestres e os pedestres, por sua vez, já se acostumaram com a inversão do que prega o CTB e são eles é que dão preferência aos veículos.

    O pior de tudo é que, ao invés de educar os motoristas, as autoridades de algumas cidades acabam só piorando a situação. Tem lugares em que lançaram uma campanha pedindo que o pedestre faça determinado gesto antes de atravessar sobre a faixa. Não concordo, pois isso deseduca o motorista. É necessário entender que, sobre a faixa de pedestres e na ausência de semáforo, o motorista precisa dar a preferência ao pedestre SEMPRE e não somente quando ele fizer o tal gesto! Não tem essa do pedestre ter de PEDIR a preferência, que sempre foi dele. Cabe ao motorista respeitar sempre.

    Já em outras cidades, estão construído as famigeradas "travessias elevadas", que nada mais são do que lombadas conjugadas com uma faixa de pedestre. Mais uma vez, estão desducando o motorista, que se habitua a dar a preferência somente em faixas "elevadas". Se a faixa for "em nível", dane-se o pedestre, ele que espere!

    É claro que tem também os pedestres "canalhas", que se comportam da pior forma possível no trânsito. Mas este não é o foco deste comentário no presente momento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucas,

      Muito bem lembrado a falta de respeito aos pedestres!

      Aqui na minha cidade os pedestres tem o costume de dar preferência a carros entrando ou saindo de garagens. Acho o fim da picada. Vemos até vigias de entrada de garagens ordenando que pedestres parem para os carros entrarem ou saírem. E todos obedecem sem reclamar, as vezes mais de meia duzia de ovelhas abrindo alas para o bonitão ou bonitona passar. Eu, quando vejo que o motorista tem uma boa visibilidade, não paro e não dou preferência ao veiculo. Não gosto de me repetir, mas é mesmo o fim da picada.

      Excluir
    2. Lucas e Adriano
      Perfeito, pedestre tem preferência sempre. Como tenho dito, quando é cachorro, o motorista freia, quando é ser humano, buzina (às vezes nem isso) e acelera. Isso é falta de educação berço, nada mais. E a coisa complica ainda mais com a Grande Mania Nacional do Saco de Lixo, o pedestre não consegue mais ver sinalização do motorista esperto no seu esconderijo móvel..

      Excluir
    3. Lucas dos Santos13/05/14 20:39

      Adriano,

      Quer ver só até aonde vai essa inversão? Dá uma olhada nesta rua aqui da minha cidade: http://goo.gl/maps/EwTmE

      Ela - e as duas outras ruas paralelas - cruzam um calçadão. A sinalização está lá, as faixas estão lá. Até aí, OK.

      O CTB diz que, onde houver faixa sem semáforo, o pedestre tem preferência. Isto é, quem pretende seguir essa regra, deve, ao chegar no local sinalizado com faixa de pedestre, observar se há alguém prestes a fazer a travessia. Em caso positivo, o motorista deve parar totalmente o veículo, esperar o(s) pedestre(s) passar(em) e só prosseguir quando não houver mais ninguém nas adjacências da faixa.

      Acontece que é simplesmente IMPOSSÍVEL de seguir essa regra ali. Imagina se o motorista tenta passar por ali por volta do meio-dia, por exemplo, quando aquele calçadão está "fervendo" de gente. Se ele parar ali para dar a preferência, ficará lá por pelo menos uns 15 minutos, enquanto se forma uma fila enorme atrás dele.

      Qual a solução para isso: instalar um semáforo ali para controlar o tráfego, como em Curitiba (http://goo.gl/maps/xtZHi), de modo que cada um - motorista e pedestre - tenha a sua vez. Mas aposto que se eu sugerir isso para alguma "autoridade" daqui, vão dizer que sou louco, que não tem necessidade e que está funcionando muito bem assim - o calçadão existe desde 1994. Afinal, ali todos os pedestres se vêem obrigados a dar preferência para os veículos e só atravessam se nenhum carro estiver passando por ali!

      Quando às saídas de garagem, concordo plenamente contigo. Eu faço valer a minha preferência quando estou a pé, mas sempre é possível. Às vezes o motorista sai da garagem olhando somente para o tráfego e nem percebe que há um pedestre por perto. Nessa situação eu me obrigo a dar a preferência a ele sob risco de ser atropelado.

      Excluir
    4. Lucas dos Santos13/05/14 20:43

      Bob,

      Isso é uma coisa que me irrita bastante.

      Sempre quando vou atravessar na frente de um veículo (na faixa de pedestres, obviamente), eu só o faço após de certificar que o seu respectivo motorista está me vendo.

      No entanto, quando o carro está equipado com "saco de lixo" no para-brisa, fica impossível ver para onde o motorista está olhando e a travessia torna-se arriscada.

      Excluir
    5. Xará dos Santos:

      Veja como está em Cascavel/PR. http://goo.gl/maps/meFxM
      Funciona muito bem. E já está assim há uns bons anos.

      Excluir
    6. Lucas dos Santos14/05/14 22:04

      Perfeito, xará. Isso é a coisa mais óbvia a se fazer em um local com trânsito intenso de pedestres. Pena que as "autoridades" daqui não se dão conta disso.

      Excluir
  50. Não se comentou por aqui o fato de se abrir os retrovisores esq e dir para eliminar o ponto cégo. Eu uso tanto no carro como na moto e ha mais de 35 anos só com luz baixa de dia por causa dos motoqueiros que usam a contra mão diariamente e não usaM O TRÁFEGO NORMAL.

    ResponderExcluir
  51. Madi Carla
    Espelhos: não se deve abri-los além do ponto em que se veja uma "lasca" da lateral da carroceria, ou se perde a referência do tráfego em relação ao próprio carro. Com ambos os espelhos convexos não existe ponto cego, por isso há anos os utilizo, inclusive dando um jeito de trocar o espelho esquerdo plano por convexo quando era o caso (hoje todos os carros feitos aqui saem com convexo nos dois lados, felizmente). Farol baixo de dia: realmente contribui para a segurança, mas incomoda o tráfego contrário. O ideal a luz de uso diurno, seja o farol baixo de menos intensidade ou, hodiernamente, os colares ou fileiras de LEDs, ainda mais eficientes para essa finalidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faróis desregulados: que diferença que dá um farol bem de um mal regulado. Pode ser pouca coisa, mas um mínimo desregulado já atrapalha um monte.

      Excluir
  52. Por causa do #4 acabei me metendo numa situação #6. Explico: em uma via local fui tentar ultrapassar um carro de som muito lento a frente. Só que na faixa contrária venha fluxo. Tentei voltar ao "meu" lugar para não prejudicar os demais. Como era numa ladeira, não segurei bem o carro e dei uma leve encostada no carro da frente. O motorista imediatamente parou, desceu do carro e foi olhar. Quando olhou para mim, disse imediatamente para ele sair do caminho e encostar mais a frente. Os demais não devem ser prejudicados por falhas/deslizes de terceiros. No fim, não paguei coisa alguma.

    KzR

    ResponderExcluir
  53. Bom, eu sei que o foco dos comentários é o trânsito das grandes cidades... e tudo isso que foi dito é fato que já pude constatar.. Já dirigi pelos mais diferentes estados do Brasil e percebi uma significativa diferença no comportamento do motoristas, de região para região. Por incrível que pareça, foi em São Paulo, que encontrei os motoristas mais bem educados, Já na Bahia, Rio de Janeiro, Distrito Federal é extremo oposto. Pelo que pude observar também, é possível classificar os motoristas brasileiros em três grupos: Os urbanóides, os ruralistas e os estradeiros. Os urbanóides (chamados de "cururus" pelos caminhoneiros) só dirigem no trânsito tumultuado e engarrafado. Não são acostumados com estradas e são os que mais fazem besteiras nas rodovias, como ultrapassagens proibidas. velocidades incompatíveis (ou alta demais ou baixas demais), conversões proíbidas.. São completamente desprovidos da noção do perigo (afinal, não existe prova prática de direção em rodovias para tirar se tirar habilitação, um verdadeiro absurdo). É muito comum receberem multas, como lembrança da viagem de férias. Os ruralistas quase todos sem habilitação, (ou comprada, pois muitos nem sequer sabem ler) tem a proteção de não sei quem, mas são de sorte "lascada" pois nunca são abordados em uma blitz. Quando entram em rodovia, em veículos em péssimo estado, não prestam atenção no tráfego e acredita que um caminhão a 100 Km/h é capaz de frear em 10m para não passar por cima dele. Não se preocupa em colocar uma velocidade compatível com o tráfego, andam no máximo a 60 Km/h como se estivessem no caminho da roça, Não se importam com as filas que se formam atrás, obrigando todos a andarem no seu ritmo moroso ("tá cum pressa proque "cumpadi?, nois vai chegar lá do mesjeitm"). Ao saírem da rodovia para entrar na estada da fazenda, nada de afastar para o acostamento, param literalmente no meio da pista para fazer a conversão. São campeões nos itens 3 e 5 (dizem que o chapéu abafa o célebro)! Os estradeiros, aqui se encontram o profissionais do volante: caminhoneiros, motoristas do ônibus e quem trabalha viajando de carro, como eu. Nós estradeiros, por ficar mais tempo no volante, e por ter grande experiência, deveríamos dar o bom exemplo. Deveríamos, só que não! O que já vi de companheiro fazendo merda! É quebrada de asa, é ultrapassagem forçada, obrigando quem vem no sentido contrário a se jogar no acostamento; é fechada, especialmente em terceira faixa, quando um bruto vai passar outro, e ignora, se já está sendo ultrapassado por um ou vários automóveis (eles estão vendo, mas nem se preocupam... O tamanho intimida). Já testemunhei um cegonheiro (com a carreta vazia) fazendo questão de atropelar os cones e esculhambar a pintura das faixas da rodovia, que tinha acabado de ser feita, na pura maldade! Sei que a jornada é difícil, a saudade aperta, mas não vamos justificar atos marginais, dolosos, com poesia sertaneja. Inclusive tem muitos grupos de estradeiros, que se auto-proclamam "Mafia", e são mafiosos mesmo, verdadeiras gangues! Eu ando a maior parte do tempo nas estradas, Já vi de tudo: acidentes fatais, famílias dizimadas, imprudências absurdas, atropelamentos, pessoas queimadas vivas; A falta de educação e está por todo lado, e a imprudência no trânsito é só o reflexo da nossa péssima formação cultural.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uau! Que relato! Onde assino??

      Excluir
    2. Jesus Nascimento
      Bela resenha do nosso sistema de tráfego, parabéns.

      Excluir
    3. Nossa, essa é digna de publicação como artigo. Parabéns!

      Excluir
  54. Uma simples maior intensificação do ítem 6 já ajudaria muita coisa a melhorar, porque a partir dele vc aborda praticamente todos os outros. Vc faz parte de um sistema, tem o mesmo direito de usar aquela via que as outras pessoas e não tem o direito de prejudicar o livre ir-e-vir dos demais, bem como também de não ter o seu ir-e-vir prejudicado/molestado/dificultado/interrompido

    ResponderExcluir
  55. Boa matéria Bob,

    Um erro comum que os motoristas ribeirão-pretanos cometem é se enfiar na "vaga" que o ônibus "deixa" ao fazer uma curva. Ao contrário dos carros, os ônibus tem entre-eixos longo e eles precisam fazer a curva o mais distante possível da guia, senão a roda traseira sobe na calçada.
    Mas muitos motoristas e motociclistas se enfiam ali, mesmo com a seta do coletivo acionada, e depois acabam espremidos entre o coletivo e a guia e não entendem o porquê.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.