Indústria: BOSCH REGISTRA CRESCIMENTO

 Fotos: Divulgação
Sede da Robert Bosch, em Campinas (SP)


A Bosch registrou crescimento na América Latina acima do esperado. Mesmo com o avanço moderado da economia na região, o total das vendas líquidas, incluindo exportações e vendas das empresas coligadas, cresceu 8%, registrando um faturamento líquido de R$ 5,1 bilhões em 2013. Todas as divisões de negócios contribuíram para esse desempenho positivo. 

A empresa ressalta que devido a mudanças legais que regulam a consolidação de resultados, no caso da cifra acima a Bosch não inclui em sua contabilidade os seus 50% em joint ventures. Trata-se, principalmente, da Bosch Siemens Hausgeräte GmbH e da ZF Lenksysteme, cujas vendas consolidadas correspondem a cerca de € 7 bilhões. Devido a essas mudanças, os números de vendas em 2013 são parcialmente comparáveis com os de 2012.

As operações do grupo no Brasil foram responsáveis por 86% daquele resultado de vendas, atingindo R$ 4,4 bilhões, sendo 22% gerados pelas exportações. Os mercados da América Latina, Estados Unidos e Europa continuaram a ser os principais destinos dos produtos e serviços da Bosch na região.

“A América Latina é uma região estratégica para a Bosch, com excelente potencial de desenvolvimento no longo prazo. Nos últimos 10 anos nossas vendas na região mais que dobraram e a expectativa é de contínuo crescimento em 2014. Apesar disso, é importante enfatizar que a indústria brasileira ainda enfrenta o desafio da competitividade devido à baixa produtividade, elevado custo da mão de obra, infraestrutura logística nsuficiente e pesada carga tributária”, avalia Besaliel Botelho (foto), presidente da Robert Bosch América Latina.




Uma importante alavanca de crescimento da empresa na região é a estratégia de oferecer tecnologias e soluções de várias divisões de negócios da Bosch para projetos nos setores de mineração, edifícios comerciais e para as indústrias de petróleo e gás. Neste contexto, a empresa atualmente conta com cerca de 190 importantes projetos na região e a expectativa é alcançar 250 ainda em 2014.

Para esses projetos, a Bosch fornece soluções em sistemas de acionamento e controle, componentes, ferramentas elétricas, controle de acesso e sistemas de vigilância, sistemas de incêndio e evacuação por voz, sistemas de aquecimento solar, entre outros.

O Grupo Bosch está presente na América Latina desde o início do século 20. Este ano, celebra 60 anos de Brasil e de Venezuela, e 90 anos na Argentina. Em 2013, a empresa marcou 100 anos de atuação no Chile. A Bosch tem ainda unidades próprias na Colômbia, Panamá (centro de competência para a América Central e Caribe) e Peru, além de contar com representações comerciais em outros países da América Latina como Bolívia e Costa Rica.

A importância do mercado latino-americano se reflete nos investimentos do Grupo Bosch na região. “Nossos clientes estão ampliando a localização de suas operações aqui, não apenas por conta do Inovar-Auto, mas também devido ao potencial de crescimento do mercado brasileiro”, destaca Botelho.

As demandas por eficiência energética exigidas pelo novo regime automotivo nacional são excelentes oportunidades de negócios para a Bosch. A empresa conta com uma série de tecnologias e soluções que oferecem mais segurança, menos consumo de combustível e emissão de CO2 como o Flex Start (sistema de partida a frio para carros flex quando há somente álcool no tanque e sob temperatura inferior a 18 ºC), a injeção direta para motores flex, o desliga-liga motor, o alternador de alta eficiência e os sistemas de arrefecimento.

Nos últimos 10 anos, o Grupo Bosch investiu cerca de R$ 2 bilhões em suas operações na América Latina. Em 2014, a empresa planeja investir cerca de 108 milhões de reais na região, com foco na instalação de novas linhas de produção visando à expansão da capacidade produtiva, que também inclui a nacionalização de alguns produtos. De acordo com Botelho, esses investimentos irão permitir intensificar a estratégia da empresa "local para local" não só na produção e compras de insumos, mas também na engenharia, para atendimento aos seus clientes locais.

Um exemplo de tal investimento é a instalação da linha de produção da sonda lambda (sensor de oxigênio) na fábrica de Campinas. “Com a produção local desse componente, estamos antecipando as soluções de eficiência energética atuais e também futuras, assim como estamos prontos para ajudar os nossos clientes a atingirem suas metas de nacionalização por conta do Inovar-Auto”, conclui o executivo.

Outros exemplos de investimentos no setor automobilístico são a nova plataforma de motores de partida, também na unidade de Campinas, que dará apoio ao início da produção local do sistema desliga-liga, e o novo laboratório de dinamômetro de motor, na fábrica de Curitiba, que auxiliará os clientes a atenderem os atuais limites de emissões Euro 5 e a futura legislação Euro 6.

Os segmentos de Bens de Consumo, de Energia e Tecnologia Predial e de Tecnologia Industrial também serão fortalecidos. O foco continuará a ser o desenvolvimento de produtos, tecnologias e serviços que visam mais eficiência energética, conforto e segurança. Um exemplo no segmento de Bens de Consumo é a expansão da produção local de alguns modelos de ferramentas elétricas, seguindo a estratégia "local para local” da Bosch. Ao mesmo tempo, no segmento de Energia e Tecnologia Predial a empresa está reforçando sua rede de serviços de termotecnologia para atender as demandas do mercado para vendas mais abrangentes e suporte de pós-vendas.

O Grupo Bosch investiu mundialmente € 4,5 bilhões em pesquisa e desenvolvimento e requereu cerca de 5 mil patentes em 2013. Na região, a empresa manterá o nível de investimento em P&D em torno de 3,5% de seu faturamento no Brasil.

A Bosch emprega cerca de 450 pesquisadores em seus centros de competência em Campinas e Curitiba. É por meio dessa política de investimentos que a empresa pode constantemente apoiar seus clientes no desenvolvendo de novas soluções que geram valor, ao mesmo tempo em que reforça sua estratégia “local para local”

O Grupo Bosch emprega cerca de 9.500 funcionários na América Latina, sendo 8.900 no Brasil. A ampla presença global, o foco na diversificação e a força inovadora são os pilares que atraem novos talentos.

Desde 1960, a Escola Técnica de Engenharia da Bosch qualificou cerca de 1.400 profissionais. Ao longo dos últimos 10 anos, cerca de 90% dos aprendizes foram contratados após o término do programa, enquanto a média do mercado é de 50%. O sucesso deste programa é comprovado pelo excelente desempenho de seus estudantes em competições de qualificação profissional tanto em nível nacional quanto internacional, tais como os Jogos Olímpicos do Conhecimento promovido pelo Senai  e o World Skills, uma competição que reúne os melhores profissionais do mundo.

No Brasil, a cada ano as empresas do grupo aplicam juntas cerca de R$ 16 milhões em ações de responsabilidade ambiental nas fábricas, como o gerenciamento de resíduos, proteção da água e do solo e purificação do ar. Além disso, o Instituto Robert Bosch, braço social do Grupo Bosch no país, investe anualmente cerca de R$ 4 milhões em projetos sociais, culturais e educacionais como, por exemplo, o programa Peça por Peça, cujo foco é a educação complementar para crianças e adolescentes e a profissionalização de jovens.

No ano fiscal de 2013, as vendas do Grupo Bosch mundial cresceram 3,1% (6,3% após ajuste cambial) atingindo € 46,1 bilhões. Desse total, € 1,7 bilhão coube à América Latina. 

A Bosch estima que suas vendas globais crescerão entre 3% e 5% em 2014. Produtos e serviços habilitados e baseados na internet serão um dos pontos focais dos negócios da empresa no futuro. Com seu know-how em hardware e amplo conhecimento tecnológico, a empresa, que é fornecedora de tecnologia e serviços, está bem preparada para se mover nesta direção. “As tradicionais fortalezas da Bosch, como a nossa força inovadora, o alto padrão de qualidade, a presença internacional e a força integradora da nossa cultura corporativa, também são fatores valiosos no mundo conectado," ressaltou Volkmar Denner, presidente mundial do Grupo Bosch na coletiva de imprensa anual na Alemanha.

Além disso, a Bosch é líder mundial na área de sensores micromecânica, uma tecnologia-chave quando se trata de internet. Estes sensores permitem uma nova forma de assistência técnica no dia a dia, na condução automatizada, por exemplo, ou na casa inteligente. O objetivo estratégico da Bosch é criar soluções de conectividade para a mobilidade, manufatura, sistemas de energia e edifícios. (Bosch)

2 comentários :

  1. E vou dizer mais! Mais.23/05/14 16:27

    Parabéns para eles!

    E muito Sucesso.

    Mas que a qualidade caiu, caiu. Foi o tempo em que peças da Bosch eram garantia de qualidade.

    E vou dizer mais!
    Mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, não têm o mesmo padrão de excelência faz tempo. Temos em casa ferramentas elétricas Bosch com mais de 20 anos, em pleno funcionamento, mas as novas aquisições de produtos Bosch, não passaram dos 3 anos. Hoje está tudo mais ou menos parecido, nivelado sempre por baixo. Padrãozinho chinês, de quem já foi alemão.

      Excluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.