História: HÁ 76 ANOS, O LANÇAMENTO DA PEDRA FUNDAMENTAL DA FÁBRICA DO CARRO DO POVO

Foto: www.thesamba.com



Neste dia, há 76 anos, era lançada a pedra fundamental da fábrica do carro do povo alemão. A versão final para produção do carro foi apresentada à multidão presente à pomposa cerimônia na vila de Fallersleben — ainda não era Wolfsburg — exatamente nas versões que seriam comercializadas após a Segunda Guerra Mundial, o sedã, o conversível e o sedã com teto solar de lona.

O carro ainda não tinha nome — 'Volkswagen' era apenas uma expressão, 'carro do povo' — e foi nesse evento que o chefe da nação anunciou-o, para surpresa total de Ferdinand Porsche e seu filho Ferry: KdF-Wagen. KdF era as iniciais de Kraft Durch Freude, Força pela Alegria, um dos programas do governo nacional-socialista que promovia o bem-estar da população por meio do lazer. A KdF era parte da Frente Alemã do Trabalho, chefiada pelo Dr. Robert Ley, organização essa que custeou, com a contribuição dos trabalhadores, o desenvolvimento dos protótipos, bem como a construção da portentosa fábrica, na época a maior da Europa.

Porsche e Ferry se indagaram como poderia um carro chamado KdF-Wagen ser vendido na Alemanha e no mundo...

Foram dois oficiais das forças inglesas de ocupação estacionadas em Wolfsburg (assim rebatizada pelas forças americanas de passagem pela região) que acabaram dando nome ao carro-marca como conhecemos hoje. Os dois ingleses, entusiastas de automóveis, eram o Coronel Charles Radclyffe e o Major Ivan Hirst. Não fosse o trabalho deles de retomar a produção do 'carro do povo' talvez o Grupo Volkswagen não existisse hoje, uma vez que a idéia dos Aliados era desmantelar a fábrica, símbolo maior que era da Alemanha nacional-socialista.

Maquete da fábrica feita em 1930 (foto www.1966beetle.com)


Ae

28 comentários :

  1. O primeiro grande carro foi o Ford T.
    Anos depois surgiu o deslumbrante Fusca.
    Quando virá o terceiro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dizem que por volta de 1959, e que seu nome será simplesmente Mini...

      Excluir
    2. No Brasil seu sucessor se chama Uno.

      Excluir
  2. A usina termelétrica da fabrica é até hoje um dos símbolos, da capacidade produtiva da industria automotiva alemã.

    ResponderExcluir
  3. Marcos Alvarenga
    Ninguém entende como a termelétrica não foi bombardeada. Ela funcionou a guerra inteira e fornecia energia para a fábrica e para a cidade à volta dela. Foi um dos fatores que possibilitou o retorno à produção pelos ingleses.

    ResponderExcluir
  4. Dizem que a GM não via futuro ao avaliar o carro, apesar do preço de espólio de guerra. Desistiu da compra e achou o Volkswagen "inviável comercialmente".

    ResponderExcluir
  5. Lorenzo Frigerio27/05/14 00:26

    A fábrica foi oferecida a Henry Ford, que disse: "não vale um níquel". O resto é história. Mas eu exciso a fase dos carros refrigerados a ar da história da empresa. VW, para mim, só com o EA-827.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já acho o contrário. Considero um EA-827 um Auto Union e os adoráveis DKW. O motor a ar foi revolucionário para sua época.

      Excluir
    2. Lorenzo Frigerio27/05/14 00:26 Me empolgo com os motores 827 e com os motores a ar,meus olhos brilham quando vejo um Brasilia inteiro passando,mas perfeição mesmo é o cambio mq 200 .

      Excluir
    3. Lorenzo Frigerio27/05/14 15:17

      Speedster, quando você considera que o Passat 1977 tinha um câmbio tão perfeito quanto o MQ200 (só que de 4 marchas), constata como aquele carro era sensacional para a época.

      Excluir
  6. Tata Nano?


    Thallys Augusto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já pensei no Tata Nano como a "Terceira Grande Obra Prima dos Automóveis", mas parece que o povo ainda não está preparado para aceitá-lo.
      Você imaginou Tata Nano pick-up, van, jipinho ou que quisermos fazer dele?
      Já cheguei a imaginar cidades cheias dele em diversas configurações.

      Excluir
    2. A voz do povo é a voz de Deus!
      Se o carro é um mico de vendas, pode ter certeza que não é memorável.
      Ford T e VW Beetle venderam até cansar. São a prática, não a teoria.
      Seja no produto ou no processo (no caso do T).

      Nano não é nada e nunca será. Como quase tudo que é feito nesse país de costumes medievais e desrespeito total à mulher. Estupro só preocupa se sair na mídia intenacional. Fala sério!

      Excluir
  7. Força pela Alegria, um sindicatão aos moldes do governo brasileiro atual.
    A diferença é que aqui a alegria é só financiamento, novelas e futebol. A alegria de verdade são nossos impostos na mão de incompetentes.
    Muita coisa parecida.......

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpe, você pode entender de automóveis, mas acho que precisa estudar um pouco mais história antes de fazer comparações com o nazismo, por pior que seja o seu diagnóstico sobre a conjuntura brasileira. Ou combine as duas coisas e leia "Battle for the beetle", do Karl Ludvigsen.

      Excluir
    2. A KdF não era um sindicato, mas uma organização como o SESI ou o SESC no Brasil, que promovia esportes, lazer e cultura para os trabalhadores alemães. Coube à DAF (Deutsche Arbeitsfront), à qual a KdF estava subordinada, substituir os sindicatos que havia na Alemanha pré-nazista.

      Excluir
  8. Um carro que se fabricasse até hoje teria público cativo. É uma peça de boa engenharia e de história também.

    ResponderExcluir
  9. "Chefe da nação" foi ótimo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luís Santos
      Melhor que Führer...

      Excluir
    2. Sei lá, parece um eufemismo. Acho que Führer Adolf Hitler ficaria mais claro e ainda remeteria os incautos ao fato histórico de que a Volkswagem foi fundada pelo chefe do nazismo.

      Excluir
    3. Anônimo 27/05/14 21:46
      Para início de conversa, sou totalmente contra a palavra nazismo. Em tudo que escrevo sobre a Alemanha do período 1933–1945 refiro-me ao nacional-socialismo, uma vez que nazismo é mera invencionice, contração desnecessária e tosca de Nationalsozialistiche. Que se usasse nacional-socialismo, o correto. Adolf Hitler foi fundador e chefe do Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães (Nationalsozialistiche Deutsch Arbeiter Partei). Um dos seus ideais sempre foi dar ao trabalhador alemão a possibilidade de ter o próprio automóvel e ter chegado ao "carro do povo" merece todos os aplausos de quem é e que não é autoentusiasta. Portanto, não há nada de "incautos" nessa história – e nem imoral nela, uma vez que os plenos poderes para governar a Alemanha não foi resultado de golpe de estado, mas decisão do Congresso alemão. A questão do Volkswagen é totalmente cristalina e isenta de política, ou os americanos, que lutaram contra os alemães na guerra, não teriam começado a comprar Volkswagen em 1949, apenas quatro anos depois de terminado o conflito. Desse modo, considero perfeitamente adequado o termo usado no post, chefe da nação. De eufemismo não tem nada.

      Excluir
    4. Falou bonito Bob! Os estudiosos de rede Globo são dose. Não sabem dizer o nome de um personagem da segunda guerra, mas enchem a boca para proferir asneiras. Dizer que o nacional socialismo só fez barbaridades é uma sandice sem tamanho. No campo econômico eles reergueram a Alemanha, endividada pelos encargos da primeira guerra. Em outras palavras, em menos de 6 anos transformaram a falida Alemanha no país mais poderoso da Europa, rasgando o mapa com estradas de ótima qualidade. Diferentemente do PT, que concedeu crédito a rodo para as massas e manteve a mesma malha viária, transformando a mobilidade do Brasil em um caos.

      Excluir
  10. Carro forte de mecânica simples porem,cara para fabricar segundo especialistas da área.

    ResponderExcluir
  11. Sinceramente? Foi o simbolo maior da nossa falta de acesso a melhores tecnologias, e a falta de educação dos nossos mecânicos, uma vez que o fusca não acomoda bem os seus passageiros, é barulhento, lento enfim... Claro que teve a sua epoca, porem engolirmos ele em 1996 foi uma absurdo!


    Thallys Augusto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. para 99% das ruas e estradas brasileiras o fusca é o carro certo ainda hoje.

      já imaginou todo munda andando só de fusca? e nas viagens então? que beleza! garanto que muito pouca gente iria morrer.

      Excluir
  12. Thallys Augusto, o meu 96 discorda de você!
    Se tivesse em produção ainda, comprava sem pensar!

    ResponderExcluir
  13. Caro beto, o fusca foi sim um grande carro NA SUA ÉPOCA e nada mais, qual a logica de comprarmos um carro em 1996 em que ja eram oferecidos carros sabidamente superiores?

    Ao meu ver foi uma política torta, esse "renascimento" da era itamar

    Se ele queria um carro mais barato era só dar subsidios para carros que ja estavam em produção e daraiam um resultado melhor em mobilidade para as massas, vide o Fiat Uno que pelo menos acomoda 4 passageiros melhor que um fusca e ainda leva as suas bagagens, Consumindo menos, poluindo menos e atravancando menos o nosso transito.

    Sim, eu tenho um Omega 1996 apesar de saber que ele já foi superado em muitas coisas por todos esses anos de desenvolvimento eu até compraria outro, porém só por paixão e pra massagear meu ego. Racionalidade passa longe!

    Thallys Augusto




    ResponderExcluir
  14. João Carlos28/05/14 16:49

    Pena não termos aquela atualização do Fusca que tiveram os mexicanos. Só de abandonar o semi-eixo oscilante, seria bom, seria atual até hoje (exceto pela turma dos ncapeiros...).

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.