CHEVROLET CRUZE, NO USO




Demorou tanto para pegarmos um Cruze sedã LTZ automático que o carro já está até sendo atualizado lá fora. Mas antes tarde do que nunca. Se bem que tivemos um relato muito bacana do MAO sobre o Cruze Sport6 com caixa manual.

Eu cresci andando em Opalas, Chevettes e Monzas, até meu pai virar a casaca para VW, com Voyages, Santanas e Gols. Mas a VW do Brasil nunca teve um Omega, ou um Vectra GSi 16V, ou um Tigra ou até um Diplomata 6-cilindros. E muito menos Corvettes e Camaros! Quando meu pai comprou o primeiro Chevette Hatch, praticamente passei a noite no porta-malas com o banco traseiro rebatido.

Com 11 anos meu pai me colocou no volante de um Chevette 1980! O Monza foi o carro mais vendido por três anos da década de 1980 — 84, 85 e 86. O Vectra honrava o slogan "Andando na Frente" que a GM anunciava na transmissão das corridas de Fórmula 1. Corsa GSi, Blazer Executive, Bonanza, S10 V-6 cabine dupla e a lista vai indo. Então eu posso dizer que a GM foi, sim, a responsável pelo meu autoentusiasmo.

Propaganda no Estado de S. Paulo do dia 26 de novembro de 1998. Bons tempos!


Até o dia em que a GM inventou de fazer o Celta para se defender da onda de novos entrantes no final dos anos 1990, diga-se franceses e japoneses! Independente das qualidades do Celta ou da estratégia adotada (não quero entrar nessa discussão agora) acho que ali aconteceu algo importante e uma mudança de rumo dramática. E aos poucos o poderoso Andando na frente e a amistosa gravatinha azul foram se tornando o sem-graça Conte comigo e a gravatinha dourada. E lá fora não foi muito diferente!

A GM mirou nos suves que enchiam seus bolsos de dinheiro e a japonesada foi comendo pelas beiradas nos carros de família. E o pior é que os japoneses são bem fraquinhos no quesito emoção. E aqui no Brasil o segmento de sedãs médios/grandes se esvaiu das mãos de quem sempre fez os melhores carros.

Até que chegou a crise americana e a GM teve que se reorganizar abandonando muito peso morto e se tornando mais ágil. Nessa mexida ficou com a Daewoo! A Daewoo só tinha carro estranho, sendo o Espero o mais interessante. Mas há algo no jeito oriental de fazer carros que contribui para uma produção enxuta e de melhor qualidade. Veja os Hyundais e Kias! E essa nova safra de GMs (Onix, Cobalt, Spin, Sonic) com origem na Daewoo, hoje já absorvida pela GM, trouxe uma nova dinâmica para a GM. O Cruze também vem daí em trabalho conjunto com a Opel! Não sei a origem do nome, mas não deixa de ser uma referência a cruzada da GM pelos tempos difíceis no final da década passada. E nesse sentido o Cruze foi um excelente resultado. E o mais recente slogan da GM também reflete isso, Find new roads, encontre  novos caminhos, com se fosse uma auto-referência. Eu continuo torcendo muito e apoiando. Os novos Corvette e Camaro, novos Cadillacs e o Volt são bons exemplos. Mas a competição mundial está cada vez mais acirrada e esse caminho ainda tem que ser desbravado e reconquistado.

Cruze, uma excelente evolução 

Antes de falar mais sobre o Cruze já vou direto ao ponto. Já aluguei alguns Cavalier e Cobalt nos Estados Unidos, antecessores do Cruze. Ambos muito ruins em quase tudo, menos no preço do aluguel. Nesse sentido o Cruze representa um salto enorme e trouxe a GM para o páreo de novo no seu principal mercado. Por aqui o Cruze também é muitíssimo melhor que o "Vectra" que substituiu.  Mas será que é melhor que o último Vectra verdadeiro? No final dos anos 1990 o Vectra chegou a vender ao redor de 70.000 unidades! Somando Cruze sedan e o Sport6 foram quase 50.000 no ano passado. E o Vectra era o carro a ser batido. Mas hoje o cenário é outro. Existem o Corolla e o Civic, que se apropriaram do segmento e vai ser dificílimo alguém conseguir tirar esses dois da liderança. O mercado está dividido em Corolla/Civic com volumes entre 55.000 e 60.000 cada, o Cruze sedã na casa dos 26.000 e os outros, todos com menos de 15.000 unidades por ano. 

Eu peguei o Cruze com boas expectativas. Confesso que a ode do MAO ao Cruze Sport6 tinha me escapado. Mas agora, antes de escrever sobre o sedã é claro que fui ver se as opiniões batiam. E não é que bateu quase tudo o que é comum nos dois carros?

Interior caprichado

A primeira impressão, a mais marcante que tive, é que o carro está num patamar muito bom de interior, que transmite modernidade e qualidade através de materiais, cores e design muito atraentes. Painel legível com uma bela iluminação azul com ponteiros vermelhos e tela multimídia na mesma altura e profundidade dos instrumentos principais, o que facilita muito a visualização. O sistema MyLink é bem completo com tela LCD de 7 polegadas tátil, CD player (que está ficando cada vez mais dispensável), USB, entrada auxiliar, viva-voz através do sistema Bluetooth, seis alto-falantes premium sound, visualizador de fotos, navegador e GPS integrados, câmera de ré integrada e reconhecimento de voz para navegação, telefone, áudio e configurações do veículo. Depois que se pega o jeito (o sistema de cada fabricante sistema é diferente e requer alguma adaptação) é muito fácíl de usar. Com o iPod ligado via Bluetooth aparece até a capa do álbum que está tocando.

Na ergonomia há um pequeno ponto de melhoria. Depois de um tempo que eu ajustava a temperatura do ar-condicionado eu começava a sentir frio. A temperatura baixava sozinha! Na verdade o meu joelho direito esbarrava com freqüência no botão da temperatura mudando meu ajuste. O espaço interno é bom, mas não chega a ser um salão. Os 2.685 mm de entreeixos proporcionam uma boa acomodação dentro do nosso padrão de medição Bob-atrás-do-Bob. 

No padrão Bob-atrás-do-Bob sobra espaço

Os bancos, de couro, são bons. O MAO reclamou e achou duro. Eu peso mais que o MAO e achei normal. Assim como ele eu também prefiro bancos de tecido. Mas o mercado diz que em sedãs topo de linha tem que ser couro. Aliás, esse segmento segue padrões rígidos de equipamentos ditado por um rígido padrão de consumidores. E apesar da propaganda de lançamento do Cruze tentar quebrar isso, ela ficou meio non sense uma vez que o Cruze não foge desses padrões. 




Apesar de bem completo, com sistema de travas e partida com chave de presença, o próprio MyLink, ESP e controle de tração, belas rodas R17 eu senti falta de faróis de xenônio e de borboletas e modo sport no câmbio. O design é bacana. Eu prefiro mais o hatch por ser esportivo e pela traseira bem resolvida. Mas o sedã agrada.

Saindo com o carro logo notei um som diferente, mais alto que nos carros do segmento. O ruído de aspiração é mais encorpado e divertido. O Ecotec 1,8 não é tão lisinho, mas não fosse o Bob comentar eu teria deixado passar. Eu confesso que esperava algo bem mais comportado em termos de desempenho, pois esse LTZ pesa 1.427 kg e são apenas 140 cv a 6.300 rpm quando com gasolina (144 cv com álcool). Esse motor tem cabeçote de alumínio, bloco de ferro fundido, duplo comando com variador de fase na admissão e coletor de admissão variável. Só faltou mesmo o bloco de alumínio. A caixa automática de seis marchas é suave, com um escalonamento muito bom e confortável.  Houve uma época em que Toyota e Honda insistiam nos 1,8 enquanto a GM mantinha um 2-litros! Mas na verdade, esse 1.8 dá conta do recado para os pacatos executivos e pais de família. Resumindo, eu realmente me surpreendi positivamente.

Uma caixa muito boa, mas poderia ter um modo sport e borboletas

Também gostei bastante da suspensão. Mesmo com as rodas de 17 polegadas e sendo mais durinha, não perdeu nada em conforto. Direção ok, sem nenhuma observação. Não a achei leve demais como o JJ.  Mas devido a um pequeno acidente com um pneu que não consegui consertar apropriadamente (estava com o carro na Páscoa e estava tudo fechado) não explorei os dotes dinâmicos como de costume, mas senti muita segurança e confiança. Certeza de que com o hatch manual do MAO eu me divertiria muito também.

Como esse teste foi curto e muito inconstante não foi possível fazer uma boa medição de consumo. No manual o MAO fez uma excelente média. No automático deve cair um pouco. Mas veja na ficha técnica os consumos (só de gasolina) pelo padrão nos EUA, se bem que aqui deve piorar um pouco em razão da nossa gasolina com 25% de álcool

Numa quarta-feira véspera do feriado, às 17h00, já meio atrasado para uma reunião, peguei um buraco (daqueles que eu adoro!) e rasguei o pneu na lateral. Pneu fura quase nunca, mas quando fura é um saco. Encostei o carro e mãos à obra. Surpresa! Estepe temporário! Na hora eu já pintei a cena de eu perdendo a viagem no feriado pois o pneu danificado claramente não poderia ser consertado e com esse estepe T115/60R16 (contra os grandões 225/50 R17) não seria possível avaliar nada. Como as rodas estão ficando cada vez maiores, está muito difícil acomodar o estepe na mesma medida no poço do porta-malas.

Como alguém pode achar normal rodar com essa rodinha?

Cheguei a pensar que preferiria o kit de reparo com minicompressor do que ter essa lingüicinha. Mas no caso específico desse rasgo acho que não vedaria. O bom mesmo é que não houvesse buracos como o que eu peguei! Quinta deixei o carro parado e na Sexta-Feira Santa procurei um borracheiro pela internet. Encontrei um site superbacana que até achei ser algo parecido com um DPaschoal e que com certeza solucionariam o problema. Atravessei a cidade e cheguei lá, num borracheiro bem normalzinho e pequeno. O dono, o próprio borracheiro, é bom de marketing. Ele não queria fazer o conserto, pois o rasgo era na lateral. Insisti e pedi para ele tentar. Meteu 3 manchões apenas lixando a superfície interna e aplicando aquela cola especial. Mandei esse pneu para trás, rodei um pouco, e esperei até o dia seguinte. Não baixou nada e pude continuar com ele até a segunda-feira. Não estou dizendo para todo mundo sair fazendo esse tipo de reparo, não é seguro.

Lembrei do recente post do Bob sobre o estepe temporário é só pessoas sem noção é que podem achar normal rodar com esse pneuzinho por aí. Com ele na dianteira dei umas forçadinhas para sentir a reações do carro. Apesar da grande diferença de medidas o comportamento foi bom, inclusive em frenagens mais fortes, mas não de pânico. O ABS ajuda muito na modulação do freio.

LTZ? Há uma lenda que diz ser referência ao Bob Lutz

O preço modelo testado é de R$ 87.140. Um Corolla Altis sai por R$ 5.500 a mais e tem fila de espera. O Cruze é um bom carro. O Bob fez um pequeno passeio comigo e também gostou muito. Considerando a tradição da GM e a ampla rede de concessionários, acho que o Cruze é uma boa opção. Mas o que eu queria ver mesmo é a GM fazendo um carro que batesse os japas! Pena que isso não seja uma mera questão de fazer um produto excelente. Os japas tem uma aura diferente, que um dia já foi da GM.

Abraço, PK

Câmera de ré, mas a posição dos modelos está invertida...

Foi bom receber um Chevrolet em casa depois de tanto tempo...

...que até resolvi dar um banho nele relembrando o tempo em que fazia isso no Monza do meu pai







FICHA TÉCNICA CHEVROLET CRUZE LTZ
MOTOR
Tipo
Ignição por centelha, 4 tempos, flex
Instalação
Dianteiro, transversal
Material do bloco/cabeçote
ferro fundido/alumínio
N° de cilindros/configuração/n° de mancais
4 / em linha / 5
Diâmetro x curso
80,5 x 88,2 mm
Cilindrada
1.796 cm³
Aspiração
Atmosférica
Taxa de compressão
10,5:1
Potência máxima
144 cv a 6.300 rpm (A)
140 cv a 6.300 rpm (G)
Torque máximo
18,9 m·kgf a 3.800 rpm (A)
17,9 m·kgf a 3.300 rpm (G)
N° de válvulas por cilindro
4
N° de comando de válvulas /localização
2 / cabeçote (com variador de fase na admissão), correia dentada
Formação de mistura
Injeção eletrônica no duto
ALIMENTAÇÃO
Combustível
Gasolina E20/25, 95 octanas RON e/ou álcool
TRANSMISSÃO
Rodas motrizes
Dianteiras
Câmbio
Automático epicíclico
N° de marchas
6 à frente e uma à ré
Relações das marchas
1ª  4,449:1; 2ª  2,908:1; 3ª 1,893:1; 4ª 1,446:1; 5ª 1,000:1; 6ª 0,742:1; ré 2,871:1
Relação de diferencial
3,720:1
FREIOS
De serviço
Hidráulico, duplo circuito em diagonal, servoassistido, ABS com EBD e BAS
Dianteiro
A disco ventilado Ø 300 mm
Traseiro
A disco Ø 292 mm
SUSPENSÃO
Dianteira
Independente, McPherson, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira
Eixo de torção, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
DIREÇÃO
Tipo
Pinhão e cremalheira, assistência elétrica
Voltas entre batentes
2,8
Diâmetro mínimo de curva
10,65 m
RODAS E PNEUS
Rodas
Alumínio 7J x 17
Pneus
225/50 R17 94V
Estepe
Temporário T115/70R16 92M
PESOS
Em ordem de marcha
1.427 kg
Carga máxima
465 kg
CARROCERIA
Tipo
Monobloco em aço,  sedã, 4 portas e  5 lugares
DIMENSÕES EXTERNAS
Comprimento
4.600 mm
Largura sem espelhos
1.790 mm
Altura
1.475 mm
Distância entre eixos
2.685 mm
Bitola dianteira/traseira
1.544/1.558 mm
AERODINÂMICA
Coeficiente de arrasto (Cx)
0,298
CAPACIDADES
Porta-malas
450 litros
Tanque de combustível
60,3 litros
DESEMPENHO
Velocidade máxima
204 km/h
Aceleração 0-100 km/h
11,3 s
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL*
Cidade (dado EPA/EUA)
11,1 km/l
Estrada (dado EPA/EUA)
16,2 km/l
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 5ª/6ª
32,3/43,5 km/h
Rotação do motor a 120 km/h em 6ª
2.750 rpm
Rotação do motor à vel. máxima (5ª)
6.300 rpm
*GM do Brasil não aderiu ao Programa de Etiquetagem

EQUIPAMENTOS CHEVROLET CRUZE LTZ
APARÊNCIA
Aplique cromado para o painel de instrumentos
Aplique decorativo no painel central em filme com padrão geométrico "Optic Check" na cor prata e pintura de alto brilho ("High gloss") na cor preto "Jade Black"
Apliques cromados para saídas de ar laterais, controles do rádio e ar condicionado no painel central e manopla de câmbio
Apliques decorativos no painel e painéis de porta em couro sintético
Capas dos espelhos retrovisores externos na cor do veículo
Grade do radiador com detalhes cromados e logomarca Chevrolet
Maçanetas externas com acabamento cromado e sensor de aproximação em todas as portas
Maçanetas externas na cor do veículo
Maçanetas internas cromadas
Para-choque dianteiro e traseiro na cor do veículo
Tampa do porta-malas com detalhe cromado
Volante de direção com acabamento na cor prata "Polar"
CONFORTO & CONVENIÊNCIA
Porta-óculos
Acelerador eletrônico "Drive-by-Wire"
Acionamento do motor através de interruptor Start/Stop no painel, sem necessidade de utilização da chave
Ar-condicionado com controle eletrônico de temperatura e sistema automático de recirculação e qualidade do ar (AQS - "Air Quality System")
Chave tipo canivete com controle de alarme anti-furto e abertura das portas e porta-malas (inclusive sobressalente)
Coluna de direção regulável em altura e profundidade
Computador de bordo com mostrador no Painel de Instrumentos com funções: Consumo médio, Autonomia, Velocidade média e odômetro parcial
Console central com descansa-braço, porta-objetos, 2 porta-copos e 2 tomadas de força (12V)
Controlador de velocidade de cruzeiro (Cruise Control) com controles no volante de direção
Câmera de marcha a ré integrada à tela da central multimídia
Descansa-braço traseiro com 2 porta-copos
Desembaçador elétrico do vidro traseiro
Destravameto do porta-malas por controle remoto na chave e/ou interruptor no painel central
Direção elétrica progressiva
Espelho retrovisor interno eletrocrômico
Espelhos retrovisores externos elétricos e rebatimento elétrico
Estepe de emergência de medida 115/70 R16"
Levantador elétrico dos vidros em todas as portas e sistema tipo "um toque" para descida e subida para motorista e passageiro e apenas descida para as portas traseiras 
Limpador e lavador elétrico do pára-brisa, com temporizador programável
Luz interna com temporizador e luzes de leitura integradas
Painel de instrumentos com velocímetro, tacômetro (conta-giros), indicador de nível de combustível e temperatura do líquido de arrefecimento do motor e luzes de advertência
Porta-luvas com travamento através da chave do veículo e iluminação
Porta-mapas nas laterais das portas dianteiras e traseiras, ao lado do painel central do lado do passageiro e nos encontros dos bancos dianteiros
Sensor de chuva do parabrisa com ajuste de intensidade indicado por luz no painel de intrumentos
Sensor de estacionamento traseiro com sistema de aviso sonoro e funcionamento programável através da central multimídia
Sistema eletrônico de abertura das portas e alarme anti-furto através de sensor de aproximação na chave ("Passive Entry") - Para travamento das portas basta pressionar o sensor da maçaneta e para destravá-las é necessário o acionamento mecânico da mesma
Sombreiras integradas ao teto com movimento lateral e espelhos com cobertura em ambos os lados com iluminação
Tapetes auxiliares
Transmissão automática de seis velocidades com opção de troca manual de marchas - "Active Select" com controle na alavanca de câmbio
Travas elétricas nas quatro portas com acionamento no painel central ou através da chave canivete
Ventilador / desembaçador com ar quente integrado ao controle do ar condicionado
Volante de direção com comandos para acessar as funções do sistema de som, controlador de velocicade cruzeiro e viva-voz através de bluetooth (atendimento/finalização de chamadas e reconhecimento de voz)
Volante de direção com acabamento em couro
Manopla de câmbio com revestimento em couro
ACABAMENTO INTERNO
Acabamento interno em couro/couro sintético na cor Cinza "Medium Titanium"
BANCOS
Banco traseiro rebatível 60/40
Bancos com revestimento em couro/couro sintético na cor Cinza "Medium Titanium"
Bancos dianteiros individuais
Bancos do motorista e passageiro dianteiro com regulagem manual de altura e distância (4 posições), encosto com regulagem manual e apoios de cabeça com regulagem manual de altura e distância
ENTRETENIMENTO
Sistema multimídia MYLINK com tela LCD de 7 polegadas sensível ao toque com: Sistema de som AM/FM stéreo, CD player, MP3, USB, entrada auxiliar, viva voz através do sistema Bluetooth, função audio streaming, 6 alto-falantes premium sound, visualizador de fotos, navegador e GPS integrados, câmera de ré integrada e reconhecimento de voz para navegação, telefone, áudio e configurações do veículo
Conectividade com dispositivos Apple (i-pod, i-phone, i-pad etc) através da central multimídia

160 comentários :

  1. Chevrolet?? E cedido pela GMB?? Ao Ae?? Caramba, que bom!
    Mas vamos a leitura do texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que o Bob venceu essa guerra de braço
      Gosto dos carros da GM e será muito bom ler sobre eles por aqui

      Excluir
    2. Acho q a GM devia ter mais medo do que os comentaristas dizem sobre ela do que dos textos sinceros do AE. hehehe

      Excluir
    3. Que tem "borga" tem medo
      Eles devem estar com o "borga" nas mãos !
      He he he

      Excluir
    4. Desculpa perguntar, mas não entendi o porquê do alarde. A GMB tem alguma coisa contra o Ae?

      Excluir
    5. xineis
      Tinha, não contra o Ae, mas contra mim. Mas está superado.

      Excluir
    6. Bom saber Bob. Essa é uma história que eu gostaria de saber, mas não acho que seja necessário.

      Espero que passem a disponibilizar toda a linha deles pois há carros interessantes, como mostra o texto acima.

      Excluir
    7. Adoro a GM...Os impalas ( sim, aqueles mais feiosos que deixaram de ser fabricados e estão agora com visual coreano), os Holden ( sim, nossos Omegas, só que com apenas 6 cilindros aqui) os Holden deles ( claro, com 8 cilindros e nome Chevrolet SS), e mais alguns. Não me agradam nenhum dos modelos feitos aqui, principalmente estes derivados da Daewoo. Andei no Cruze, dirigi, mas....Não deu mesmo. Fraquinho, espaço que "pega" na frente, somente pessoas pequenas atrás...Se este é o top deles, danou...Tomara que venda muito, junto com os demais e ajudem a levantar a GM. Eles sabem fazer carros legais e baratos( ao menos lá!). Quem sabe assim não chegam alguns aqui de vez em quando.....

      Excluir
  2. Gostei do texto, acho que foi bem fiel ao carro mesmo. Acho que o Cruze é um dos representantes atuais da Chevrolet que remetem à era de ouro da mesma, de Corsa, Astra, Vectra, Zafira, Meriva, Omega e muitos outros. É um carro que basta entrar pra se sentir a qualidade. Não vejo praticamente nada a reclamar nele, mas parece que alguns donos o consideram muito beberrão, mas aí já fica fora de minha alçada dizer. Sobre a Chevrolet em si, é bom ver que começa a ceder carro de teste pro AE, só falta voltar a ceder pro Best Cars agora; era um contra senso essa picuinha tola que eles mesmos criaram. Infelizmente o rumo que a marca andou tomando nos últimos tempos não me agrada muito, com essa linha de estilo algo controverso e de motores já algo ultrapassados (sem falar na falta de interesse em participar do programa de etiquetagem e a já mencionada picuinha com empréstimo de carros). Aguardo ansiosamente pelo dia que veremos uma linha GM no Brasil que não mais deixe saudades daquela dos anos 80/90 e início dos 2000.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hum ....
      Acho que vai demorar bastante .....

      Excluir
    2. O BCWS não receberá pois ele critíca sem dó, já os outros só mostram o lado bom.

      Excluir
    3. Antonio
      Você está totalmente enganado. Ninguém que escreve sobre carros só mostra o lado bom.

      Excluir
    4. Anônimo das 13:30, pelo visto vai mesmo... Mas a esperança é a última que morre. Volkswagen e Ford já andam fazendo o dever direitinho nesse assunto, agora só falta a GM e a Fiat darem uma renovada mais substanciosa na linha. Deixando o estilo de lado, essa plataforma GM é nova e competente, acho que só falta um bom motor novo ali pra deixar o carro acertadinho. Não custa nada sonhar com um Onix Ecotec 1.6 16V, com as devidas atualizações no motor (que não seriam muitas), hehe. Mas o que mais me incomoda mesmo é a atitude da marca em relação ao mercado e imprensa, com preços que se aumentam sucessivamente, linhas novas mais caras e com menos itens (como o Onix 2015) e esse comportamento de "segredo de Estado" em relação aos carros (nada de teste de consumo, ceder carro apenas para alguns e parece ainda que falta certo interesse em participar dos testes de colisão). Parece que eles estão indo na contra mão do mercado.

      Excluir
    5. Falaram do BCWS... Acho que eles não estão com essa bola toda. Tem muita coisa boa ali mas também tem coisa que não dá pra engolir. Eles se destacam bastante porque a imprensa especializada daqui é bem fraquinha.

      Excluir
  3. PK,
    belo post !
    pena a GM disponibilizar carros sem cor para avaliação. Preto ??!!!
    Sobre essa frase , "Aliás, esse segmento segue padrões rígidos de equipamentos ditado por um rígido padrão de consumidores." meu entendimento é que há uma enorme Maria-vai-com-as-outras no mercado de automóveis. Lamentável ser assim, mas compreensível, já que a maioria não sabe como escolher um carro para seu uso.
    O esforço ao volante é baixíssimo no Cruze, desagradável a meu ver. Mas deve ser porque passei bastante tempo utilizando o carro com o melhor sistema de direção do mundo normal, o Ford Focus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Juvenal
      Puxa, eu jurava que voce ia dizer que o melhor sistema de direção no mundo normal era o do Golf??
      Há há ha

      Excluir
    2. Tenho um Focus mk1,5

      Adoro o carro. Mas a caixa de direção é uma droga. Já apresentou folga uma vez. Mandei reparar. Apresentou novamente. Justamente o melhor do veículo tem um problema crônico.

      Marco

      Excluir
    3. Anônimo 09/05/14 12:00
      Talvez seria o caso de trocá-la por uma nova. Pode ser só com a tua.

      Excluir
    4. Vcs precisam dirigir um accord....4 cilindros mesmo, uns 15 anos mais velho que os carros que vcs citaram e custando hoje uns 15 mil reais aqui ....

      Excluir
  4. Eu prefiro mais o hatch por ser esportivo e pela traseira bem resolvida. Mas o sedã agrada.

    pra tu ver como opinião é algo pessoal, prefiro o sedã, que acho mais resolvido que o hatch

    ResponderExcluir
  5. Chevrolet, no Autoentusiastas. Não acredito !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até Chevrolet veio, e o Punto 1.6 16v não... ahahahah

      Excluir
  6. Putz, vejo um futuro próximo onde as montadoras colocaram em suas propagandas: Aprovado pelo padrão Bob-atrás-do-Bob com louvor!

    Mas pessoalmente gosto muito do cruze, ele vai na contra mão dos sentimentos que tenho nutrido pelos demais lançamentos da marca(tirar a zafira para colocar o Spin é dose... e sou mil vezes mais um astra sedan que o cobalt), bem que eles podiam trazer o spark para cá, já que hoje em dia o conceito de carro compacto esta sendo mais bem aceito(e na época do twingo foi tripudiado)

    E estou bem curioso para saber mais sobre o FLOCO de ferro fundido, parece interessante(hehehehe).

    Parabéns pelo texto, espero ansiosamente o novo site.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei Luke não fique bravo, mas não fale montadora ,eu falava também até ser esclarecido e chamar corretamente de fabricante ,mas veja que até no anuncio do Omega a GM fala montadora rsrsss....

      Excluir
    2. Luke Lisboa,
      Essa passou mesmo, já corrigi, obrigado.

      Excluir
  7. Ernesto Jr.08/05/14 12:59

    Olhe se for pra pegar um Civic ou um Cruze pegaria o Civic , meu pai teve os dois . Agora estou satisfeito com o meu Onix 1.4 LT !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro dertrr

      Você não perguntou pra mim, mas eu tive os dois. Um Civic LXS 2007, MT e agora um Cruze LS AT completaço 2012, até teto-solar ele tem. Moro em Lima - Peru e o meu é Made in Korea, idêntico ao brasileiro porém.

      Ambos são muito bons e tenho certeza que em um ou outro o dono estará feliz. Difícil comprar um deles e se arrepender.

      Mas... eu também fico com o Civic. Mesmo comparando carros de 5 anos de diferença, o Civic era mais leve e mais moderno - motor de alumínio e suspensão multilink. Isso traduzia numa tocada mais agradável e esportiva.

      Nem de longe o Cruze me dá tristeza, mas com certeza o Civic me dava mais satisfação ao volante. Em termos práticos o Honda tinha a mesma potência e 200 kg a menos que o GM. Isso faz muita diferença, na condução do carro.

      Na dúvida entre um e outro creio que um bom TestDrive resolve a questão, pois ambos tem atributos suficientes para satisfazer o dono.

      Há época do lançamento, em 2006/07, o New Civic causou furor com seu desenho arrebatador, no entanto eu acho o Cruze mais bonito (até mesmo que o atual Civic), mas isso é muito pessoal.

      No conjunto da obra, fico com o Honda. Me deu mais prazer ao volante e era um carro mais empolgante.

      Faço parte do Clube do Cruze e espero que não leiam este comentário... Vou acabar sendo defenestrado de lá por isso. (risos).

      Forte Abraço

      Excluir
    2. não sei porque falam tanta besteira, cada pessoa que tem dinheiro compra o que gosta,eu tive cívic,corolla, golf. monza opala,vectra e todos foram muito bons. Agora comprei um cruze llz 2014 e estou muito satisfeito ja andei 7800km o carro é realmente ótimo não é beberrão como falam. andando de 90 a 100kh fiz 15.4kl com gas.Aditivada.

      Excluir
  8. Acho as rodas da versão LT infinitamente mais bonitas que à do modelo em questão.

    Belo "No Uso", PK.
    E, como sempre, BELÍSSIMAS fotos.

    Boni.

    ResponderExcluir
  9. PK,

    Concordo plenamente com seus primeiros parágrafos. A Chevrolet sempre foi referência. Pena que o nível baixou, em função de dificuldades financeiras e de adequação à concorrência.

    Confesso que nunca tive um Chevrolet: quando eu queria, não tinha grana; quando tinha grana, não tinha carro que me interessasse... rsrs

    Sedã não faz o meu gênero, mas uns anos atrás fiquei seriamente tentado a comprar um Malibu. Enquanto eu estudava melhor essa ideia, saiu a notícia de que fora lançado um novo Malibu nos EUA e que ele não seria importado. Aí, desisti.

    ResponderExcluir
  10. Esse do estepe temporário é estranho. O do meu carro é ainda mais. No Fluence o estepe tem a mesma largura (205) mas é de 15 polegadas e de aço enquanto a roda normal é de 16 de liga. O carro nem reto anda. é muito, mas muito irritante. Já que a largura é a mesma, então que use uma roda de aço de mesmo diâmetro! Quando eu tirei a cobertura do fosso no porta-malas e vi o adesivo, aquilo estragou meu final de semana!

    Sobre o Cruze, a reclamação que eu ouço é que ele bebe desesperadamente. Coisa de menos de 7 com gasolina na cidade, em versão automática.

    Lucas Franco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu carro tá fazendo 6 agora e eu estou rindo atoa!

      Excluir
    2. Bebe muito mesmo
      O carro e muito pesado, qse 1500kg
      A motorização antiquada da época do Monza ...
      Por isso a GM nao quer entrar no sistema de " Selo de Consumo" ao qual a maioria das outras fabricas se submeteram

      Excluir
    3. Esse motor é mais moderno que o do Monza, e que foi melhorado até morrer no ultimo "Vectra" mas que ainda vive na forma de um 2.4l na S10. Eu fico pensando. Se a GM tivesse aperfeiçoado o c20sel o Familia II com cabeçote de 16v hoje acho que ele chegaria fácil fácil nos 180cv e com bastante torque em baixa e ninguém ia reclamar de que o motor é velho.

      Excluir
    4. Esse motor do Cruze está mais para Família 1 do que Família 2. Só comparar as medidas de diâmetro e curso. Como colocado no texto, é um motor não muito liso.

      Excluir
    5. o ecotec é familia 1, bloco do corsa

      Excluir
    6. Acho meio pesado falar que o Cruze faz 6 ou 7 km/l na cidade, isso aí é média de Omega/Opala com o motor 6 em linha.
      Mas a GMB não vai querer colocar o FII no Cruze pois vai exigir um grande custo de desenvolvimento e homologação sendo que o FI 1.8 "Stroker" já dá conta do recado.
      Mas se surgir um 2.0 16v aspirado atualizado e com câmbio manual, aí eu passo para frente o meu "Vectra".

      Excluir
    7. Marcelo, não é exagero do pessoal não, colegas meus têm o carro e citam consumos nessa faixa também.

      Excluir
    8. Minha esposa possui um LT/AT. Consome de 5 a 6 km/l de álcool e 8km/l de gasolina no trânsito pesado de São Paulo. Na estrada, medimos 13,2km/l de gasolina em uma viagem de Floripa a São Paulo, andando a 110km/h.

      Excluir
    9. Acho saudável comparar médias de consumo levando em conta a potência do carro, não somente a capacidade ou projeto do motor. Uma média de 7 km/l talvez não seja tão ruim para um carro aspirado flex, 140cv, de quase 1500 kg, cheio de opcionais pendurados no motor e ainda automático. Um Omega pesava bem próximo desse carro...

      De qualquer maneira e na minha opinião, um carro com variador de fase, injeção moderna, coletor variável e tudo mais poderia pelo menos fazer uma média melhor

      Talvez o que quebre as pernas é o fator flex + alcoolina BR

      Excluir
  11. É legal mas eu preferia ver por aqui o Insíginia, ou seguindo a linha de preços e porte o Astra alemão já que a base parece ser a mesma.

    ResponderExcluir
  12. Ótimo carro!
    Se me permitem, minha opinião do Cruze: http://carrosdoportuga.com/node/32

    ResponderExcluir
  13. No preço da versão ltz faria um esforço e iria de jetta highline

    Porem na versão lt eu considero a melhor opçao do segmento

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Jetta TSI é muito melhor em motor e câmbio se comparado com o Cruze.
      Mas o público é diferenciado, a maioria quer um veículo com manutenção barata e com o melhor valor de revenda.
      Um carro com motor turbo para revender é chato e se perde um bom valor se comparado com o carro vendido 0km (Ponto negativo do TSI).
      Por outro lado, muitos mecânicos não gostam de motores 16v com correia dentada pelo fato de ser difícil de acertar o ponto (Ponto negativo do Cruze).

      Por essas e por outras, os japoneses dominaram o mercado.

      Excluir
    2. Se eu não estou enganado, o Cruze não utiliza correia e sim corrente e sinceramente, mecânico que não gosta de trocar correia de carro com duplo comando é "lambão", hoje com a popularidade de motores multi-válvulas e com diversas ferramentas disponíveis é obrigação do mecânico realizar a troca e acertar o ponto.

      Excluir
  14. PK,

    Padrão "Bob-atrás-do-Bob" foi ótimo! (kkk) Mas, quanto ele tem de altura??

    Gostei da avaliação, e assim como o Angelo Jr, eu também prefiro o sedã.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcelo R.
      Meço 1,80 m.

      Excluir
    2. Então temos praticamente a mesma altura. Eu meço 1,82 m.

      Obrigado pela resposta, Bob!

      Excluir
  15. Meu pai trocou um Vectra dos últimos num Cruze LT manual. Já de cara se nota a qualidade do interior. A rodagem é bem mais suave.
    O controle de estabilidade é muito bom. Carro agarra em curvas na estrada. Carro economico, faz 8km/l na cidade sem precisar usar a sexta marcha.
    Os problemas que achei são o desempenho em retomadas, o motor demora pra acordar e a ergonomia do motorista. O joelho pega no botão do ar e o painel tem uma pontinha do lado da porta que pega na canela quando você entra com pressa no carro. Já bati feio ali heheh.
    Mas no geral é um ótimo carro. 100x melhor que o último "vectra". As rodas do LT são lindas.

    ResponderExcluir
  16. Acho um cruze um carro bacana, mas eu acho que se a GM tivesse trazido ele com a "casca" do novo Opel Astra Sedan ia ficar muuuuito mais belo... E creio que não somente pelo design, mas pela nostalgia que iria trazer em muitos amantes da antiga GMB, a GMB de volta com os Opels por aqui, ia incomodar bastante a principal dupla nipônica... E para a próxima geração é bom a GM fazer uma boa dieta nele... muito pesado... apesar do bom desempenho o consumo, pelo menos nos EUA, perde para os nipônicos, principalmente na cidade... mesmo com o 1.4 turbo...

    ResponderExcluir
  17. Prefiro não emitir opinião sobre o carro, porque infelizmente não sou a pessoa mais adequada para falar da Chevrolet. Como você bem escreveu, a minha referência era a Chevrolet dos anos 90 (em relação aos anos 80 me perdoem, mas por motivos pessoais eu sou mais a Volkswagen). Não consigo gostar de um único modelo da linha atual desse fabricante - e olha que dirigi um Onix 1.0 há pouco tempo e sinceramente achei muito bom o carro.
    Quer um produto capaz de bater os japoneses no quesito emoção? É só oferecer o Opel Astra pelo mesmo valor do Cruze.

    ResponderExcluir
  18. Eu acho o cruze um excelente carro...isolamento acustico, conforto, status e design....mas de acordo com seu peso um pouco acima da média...acho que ele merecia um motor turbo mais torcudo pra compensar as gordurinhas a mais... atualmente o cruze perde feio em desempenho no 0 a 100 pra grande maioria dos carros populares 1.6...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Certamente Gol, HB20 etc andam muito mais que o Cruzie
      Porém o GM e muito mais confortável e espaçoso, além de oferecer requinte e mais status que os pequenos hatchs
      Se voce quer um sedan veloz e econômico fique com a dupla nipônica Corolla e Civic

      Excluir
    2. Giovanne Fortuna
      O programa do carro popular acabou no final de 1997. Não existe mais tal classificação de automóvel.

      Excluir
    3. Giovane Fortuna08/05/14 13:32 Me explique, o que é "status" ?

      Excluir
    4. Meu caríssimo, um carro é muito mais que um 0 a 100 km/h. Poder até podem fazer em menos tempo mas não seguram a onda por muito tempo à frente.

      Excluir
    5. Status significa status .... tolinho !

      Excluir
    6. Falar de status em função de automóvel no Brasil é altamente subjetivo, não soa bem, sequer entusiasta.

      Excluir
  19. Toda vez que eu leio algo sobre o Golf 1.4 turbo penso que a Chevrolet perdeu o bonde com o Cruze ao lançar só o 1.8 aspirado. E dizem que foi justamente em uma clínica que eliminaram o 1.4 turbo, possivelmente pela mesma turma dos "padrões rígidos de equipamentos ditado por um rígido padrão de consumidores". Isso sem contar que na Austrália e China vendem com motor 1.6 turbo de 180cv, e também teto solar no sedã. Aliás, o Vectra original tinha teto solar, o Astra tinha no sedã e hatch, depois o Vectra "Astra" tinha só no sedã, e o Cruze só no hatch. Vai entender...

    Cristiano

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa da clinica eu não sabia... mas faço uma ideia do porque.
      O público da Chevrolet é mais conservador, e os conservadores que compram os carros top de linha ainda estão na época do "there's not replacement from displacement". E a Chevrolet ficou refém dessa cultura, absurda na minha opinião.

      Excluir
    2. Esse ditado e do Lorenzo Frigerio que parece ser bem conservador mesmo

      Excluir
    3. O 2.0 8v era fácil de reparar e até hoje tem peças baratas e boas no mercado.
      Muitos nem queriam o 1.8 16v e forçar o 1.4 turbo acabaria com o mesmo fim do Linea Tjet.

      Excluir
  20. Sobre a cachaça que ele bebe é verdade... tenho um hatch automático e faz 7 a 8 na cidade com muito sacrifício...as vezes até assusta. Fora isso é um carro muito seguro, firme e estável. Bom "fazedor" de curvas, apesar de achar o volante muito leve mesmo com a assistência elétrica que endurece muito pouco conforme a velocidade aumenta. E ainda acho melhor do que o Astra 2.0 que já tive tempos atrás.

    ResponderExcluir
  21. Estou feliz pro ver o AE rodando novamente com um GM ,e com um Cruze ainda ,tudo certo, abraço.

    ResponderExcluir
  22. PK,

    Quanto ao local onde colocar o "pior" pneu, depois de ouvir vários argumentos, acabei decidindo pela opção de usá-lo na dianteira, onde poderia ser controlado mais facilmente caso estourasse ou esvaziasse repentinamente, ao contrário da traseira, que quando "perdida", muitas vezes é impossível ser "encontrada" de novo. Qual é sua opinião?

    Sherman Vito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sherman, esse assunto é muito controverso e polêmico. Eu pessoalmente prefiro ou pneus melhores sempre na frente. Quando se perde a frente não há o que fazer. Perdendo a traseira há sempre o contra esterçone os freios. Abraço.

      Excluir
  23. Eu queria ver Opels novamente por aqui.......... =/

    ResponderExcluir
  24. Bela avaliação PK!

    Só que o Cruze - apesar de bem equipado - está muito caro, quase 88 mil reais (com frete aqui no Sul) é para desanimar o vivente. Não é, proporcionalmente, um Vectra Elite do seu tempo....é um Vectra B, mas sem a diferenciação de motor que emprestava uma aura mais especial aos modelos CD.

    Na época do Vectra B, lançado seis meses depois da Europa, o carro era caro mas diferenciado, uma tremenda evolução em relação a tudo que existia....bem como colocou na sua introdução, a GMB era outra coisa. Mas veio celta, Agile, Nova Montana, Spin....dureza para o consumidor que um dia saia do seu carro atualizado europeu (Vectra), e partia para o sítio na sua picape americana, potente e vocal (Silverado seis cilindros mwm sprint);

    Outros tempos, o Cruze é bacana, mas não faz nada melhor que seus pares japoneses hoje em dia...nem em preço!

    Eu gostaria de voltar a GM, dos tempos de pai e tios que enchiam o pátio de casa com opalas e caravans...eu olhei os esboços iniciais/projeções da Spin com olhos quase gulosos (preciso de um carro familiar), mas quando ela saiu, percebi que seria mais uma década perdida.

    MFF

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ótimas lembranças, meu caro. Feliz quem viveu essa época. A solução é conservar um clássico na garagem, só para os passeios de domingo (bem cedo). Cent'anni!

      Nícolas

      Excluir
    2. Cruze LTZ, Civic EXR e Corolla Altis estão fora da casinha. Se você pegar o Cruze LT aí sim ele faz melhor em preço em relação ao andar de baixo dos japas (LXR e XEi).

      Excluir
  25. O estepe do meu carro é uma roda com as mesmas medidas,mas nestes quatorze anos que dirijo ainda não troquei pneu na rua ,já sobre buracos ,tenho hábito de desvia-los, não sei se isso é bom ou ruim ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem sempre furamos os pneus em buracos, lembre-se que existem outros perigos como objetos pontiagudos que podem furar os pneus ou uma raspada em algo com ponta.
      Daí a necessidade do step.

      Excluir
  26. Comigo foi o contrario, o que despertou a paixão por carros foi a VW.
    Sua precisão, confiabilidade (que ultimamente tá em falta nela) e sobriedade, cresci no meio de VW, e eram para mim referencia.
    Porem quem realmente trouxe paixão de verdade, vendo que o alemão era muito tecnico, e frio, e sua precisão chateava depois de um tempo foi a fiat (Mesma coisa, não os carros atuais).
    VW tá realmente para um cachorro confiavel, ele é obediente, se comporta bem e faz o que você manda. Mas isso não traz paixão alguma. paixão é surpresa, é envolvimento, é saber os defeitos e não estar nem ai pra eles, porque no fundo são na verdade "charme";
    (Ex: Pra alguns o painel do uno antigo com as ilhas é um defeito, pra alguns é puro charme, pra alguns o ronco metalico dele é um defeito, pra outros é puro charme... é a ousadia de fazer algo diferente, que se não desperta amor, pelo menos desperta odio, coisa que os fabricantes não tem mais coragem de fazer e quando fazem é essas versões aventureiras cheia de plastico)
    A Mecanica infelizmente leva o mesmo conceito, e se ela não for compreendida (com paixão pelo seu mecanico) você tem grande chances de ter um fiat que viva na oficina.

    E a GM?
    A GM fez o contrario comigo, seus carros de design por fora até muito bons para a epoca tinham um interior que não me agradava, eram sempre escuros e estranhos, quase goticos. Sua mecanica, pra mim, não inspirava confiança, já que sempre tinha uma "coisinha" pra fazer... Ou alguma coisa que nunca se resolvia, andava assim mesmo... bom, sei lá, vai ver esse era o charme dos GMs até 90 e eu que não os compreendo. Mas o que realmente me fez odia-la foi os carros moles, que me dava nauseas durante as viagens.

    Sei que hoje tudo isso é diferente, estou falando dos carros até o final dos anos 90. Depois disso já virou a palhaçada pasteurizada, mista, globalizada e o cartel de corte de custos (a meta hoje é a porcaria da "excelencia", no passado uma montadora queria ser melhor que a outra a todo custo).

    Acabou a paixão pelo menos até o segmento acima de premium e com muita procura (nas marcas que ainda se importam com isso e não em encher de airbags e 'multimidias'), hoje paixão e prazer ao dirigir tem preço, e muito mais altos do que desse cruze.

    ResponderExcluir
  27. Bom, os cruzes que conheci acabaram com os pneus e discos de freio aos 20 mil km. Mancos e gastões, com suspensão dianteira batendo. Sem falar no famoso barulho nos discos de freio. O que os proprietários fizeram? Trocaram por japoneses. Eu dirigi por alguns km e gostei bastante, mas dirigir um pouco e possuir um são coisas bem diferentes. Abraço. MRM.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O louco, 20 mil km com esse estrago todo?
      Meu Vectra é automático e está com 20mil km, pneus e pastilhas originais e com muita coisa para se desgastar.

      Excluir
  28. Usei por 2 meses um Cruze LTZ 1.4 turbo nos EUA. Era maravilhoso. Torque alto em praticamente toda faixa de giro. Trocas suaves. Completo de tudo: teto solar elétrico, ajustes elétricos do banco do motorista, aquecimento do banco (lá era importante pois era frio). Usei pouco antes do lançamento da versão brasileira. Fiquei um pouco decepcionado ao saber que não teríamos o motor 1.4 turbo, mas mesmo assim estava empolgado. Quando vi o preço desisti.

    É um ótimo carro que seria melhor se tivéssemos a opção de um motos mais moderno com alguns detalhes a mais de conforto.

    O problema de posicionamento do controle do ar condicionado foi uma realidade comigo também. Acertei o jolho lá algumas vezes.

    ResponderExcluir
  29. Realmente, bons tempos da gravatinha azul.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucas dos Santos08/05/14 20:44

      Por falar nisso, ontem eu vi algo no mínimo interessante aqui na minha cidade.

      O dono de um Monza resolveu "modernizar" o carro, deixa-lo mais "atual". Sabe o que ele fez? Pintou a gravatinha, originalmente azul, de dourado! Pronto, isso "trouxe" o carro para a década atual, hahaha!

      (Detalhe: a gravatinha foi pintada "mal e porcamente", pois havia tinta dourada até para fora dos contornos da marca!)

      Excluir
  30. Enquanto isso no falecido Omega 2008/09 e 2011... estepe full size no porta malas....
    E triste ter o Cruze como top de linha da GMB, mas pelo jeito os tempos mudaram e nao foi para melhor...

    ResponderExcluir
  31. Olha, tive um GTX. Foi um carro bom, mas ofereceu menos do que eu esperava. Meu pai tem um Cruze LTZ. O Cruze é uma clara evolução em muitos sentidos, mas ainda acho que o acabamento do Vectra com a textura soft touch, o seu design em geral, além de alguns detalhezinhos (como a abertura e sustentação do capô) eram mais esmerados. O Cruze é um bom carro, mas na mesma linha dos demais orientais, o que foge ao verdadeiro DNA alemão da OPEL que a GMB teve nos anos 70/80/90.

    ResponderExcluir
  32. Ao contrário do Focus, eu prefiro o Cruze na versão sedã. A curvatura da porta traseira, conjugados com a escotilha dela e mais o aplique de plástico após a porta me lembram o desenho do saudoso Omega (neste pedaço do carro), isso que me agrada mais.

    O padrão bob-atrás-do-bob, foi ótimo! Vamos mandar fazer uns manequins do Bob e enviar para as fábricas, para melhorar a ergonomia dos carros!

    Quanto ao reparo do pneu, esse concerto se chama vulcanização à frio. Entre a lixada e o manchão o borracheiro passa uma cola líquida. Dizem que se o rasgo lateral for de até determinado limite, os materiais do concerto mantém o mesmo padrão de resistência do pneu. Espero que sim.

    ResponderExcluir
  33. Acho o Cruze um bom caro.
    Mas para a GM voltar aos moldes do seculo passado ela deveria ter um hatch e sedan médio global com a qualidade e beleza da atual geração do Opel Astra. Sem dúvida essa geração atual do Astra, principalmente a OPC, é um dos hatchs mais belos existente.

    ResponderExcluir
  34. Ótimo Post.

    Ver a linha 80/90 da GM, com Opala Diplomata, Monza Classic, Vectra e Omega CD, e não menos importantes Corsa, Astra, S10 e Blazer me faz lamentar a derrapada do fim dos anos 2000 com a defasagem de lançamentos perante os concorrentes.

    Espero que o find new roads mostre o caminho certo para a GMB!

    ResponderExcluir
  35. João Carlos08/05/14 15:27

    Eu sugeriria avaliar o Sonic hatch.

    ResponderExcluir
  36. Marcus Lahóz08/05/14 15:42

    Olha depois da Ipanema não tive mais carros da GM. Conheço 3 pessoas próximas que tem Cruze (um tinha, foi roubado); e eles comentam que é um bom carro, muito seguro e estava; mas beberrão e lento.

    Acho que a GM anda pisando demais na bola, não tenho um carro deles que eu gosto, quando gosto eles tiram de linha (como a Captiva).

    Não tenho a menor vontade de ter um GM.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A captiva é um péssimo carro, bebe um absurdo e dá defeito demais. A rede autorizada não sabe mexer no carro e tenta empurrar serviços extras. Sem contar que as peças são caríssimas. Com 60.000 rodados, o carro não desenvolvia e a luz da injeção ficava acesa. Na concessionária fui informado que precisava trocar o filtro de combustível. Mas a chevrolet não trazia o filtro...apenas a bomba de combustível completa, que custava 3000 reais. Questionei tal absurdo, e acabaram fazendo um armengo com filtro do celta. Após isso, o consumo piorou e o carro perdeu muito desempenho. Me livrei do trambolho assim que pude, e hoje estou mais do que satisfeito com um civic lxr. Chevrolet nunca mais...

      Excluir
    2. Captiva é um projeto Saturn, o Vue. A Saturn fechou. As pessoas precisam se informar antes de comprar um carro.

      Excluir
  37. Propaganda de 98: " General Motors, a MONTADORA dos melhores carros do Brasil".
    As proprias empresas se chamam de montadora, aqui fica essa boiolagem de só poder chamar de fábrica. tsc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo 08/05/14 15:53
      Boiolagem e 'burrice extrema é chamar fábrica de automóveis de montadora. Você algum dia leu 'garantia de montadora' em algum lugar? Nunca, não é mesmo? É só 'garantia de fábrica. Pelo menos aqui no Ae as pessoas ficam bem informadas a esse respeito. E lembre-se que nas fábricas de automóveis e nas agências de publicidade tem gente burra também.

      Excluir
    2. Mais uma pérola do Dpto. de Marketing...........

      Excluir
  38. Cristiano Reis08/05/14 16:31

    Mudou alguém na administração da GM para disponibilizarem o carro?

    ResponderExcluir
  39. Acho que a GM foi suprema e absoluta no contexto dos anos dourados do pós-guerra e em um segundo momento através de sua subsidiária Opel, essa sim a GM que conhecemos aqui no Brasil. Os brasileiros apreciam mais o jeito europeu de fazer carros.

    Pergunta: Esse carro foi cedido pela GM? A reestruturação começou a fazer efeito no departamento de marketing?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Bob Sharp e muito forte e nao se verga por nada
      Acho que ele conseguiu quebrar as barreiras dos cabeças duras da GMB
      Que bom !

      Excluir
    2. Não sei se a GM mudou a política. Simplesmente pedimos o carro e a GM emprestou. Abraço

      Excluir
    3. O Bob e una espécie de midas e tem muito respeito das pessoas no meio automobilístico
      Isso abre inúmeras portas...
      Que bom que a GM mudou sua política em relação ao AE

      Excluir
  40. Esse painelzinho central do C.B de relógio dos anos 80 não combina com o carro.. deveria ser Dot Matrix.. até o golzinho tem um computador de bordo melhor... engraçado é que o painel central do CB do americano é dot matrix... engraçado.. falam que o carro é global... de resto um bom carro...

    ResponderExcluir
  41. Cruze nasceu pra ser hatch... depois que ele foi lançado, ao menos pra mim, ofuscou brutalmente o sedan.
    Aquele vermelho do MAO, então, sonho de uma noite de verão... a cor certa no carro certo.

    ResponderExcluir
  42. A leveza do volante em baixíssima velocidade, somado à sua perfeita regressão no aumento de velocidade, é um dos pontos altos desse carro e de quase todos os outros com mesmo sistema.

    O único carro que não cativou, ao menos dos que conheço, foram os Fits, pelo peso acima do normal em manobras, mas de regressão perfeita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que a regressão da direção seja dada muito mais pelo braço a terra e pelo cáster do que pela assistência da direção. É uma bombinha "competindo" contra a massa suspensa

      Excluir
    2. Pedro de Albuquerque08/05/14 20:53

      Sim correto, vc está falando do retorno do volante.

      Eu me referia à regressão da assistência pela velocidade, que muitos chamam de forma errada de direção progressiva.

      Excluir
  43. Satisfeito por ver a GM cedendo carro para o AE, parabéns àfabricante e à equipe do AE. Torço para a GM também voltar a fazê-lo para o Best Cars!

    ResponderExcluir
  44. PK, quando se fala sobre um carro bom ou ruim sua referencia é a de um consumidor comum ou de um AE? Achei bom de dirigir e bastante confortavel. O painel azul de noite cansa. Tem que colocar a luminosidade bem fraca.
    Eu andei pouco nesse carro, mas gostei muito. Me lembra um pouco o Focus Sedan 2. Tipo o "encorpamento" carroceria e pneus. Sei la. Mas uma evoluçao deste com a gravata, claro. Outra, por que a referencia é sempre a dupla niponica, Corolla e Civic em qualquer comparativo de sedans? Tirando as vendas qual o outro argumento desses carros? O Focus por exemplo não tem entrado nos comparativos desse segmento. Vejo tambem em revistas. Ou é outro segmento?

    ResponderExcluir
  45. Belo artigo e ÓTIMAS fotos P.K, e realmente a ideia do padrão Bob-atrás-do-Bob de medição de espaço é muito bom :D Sugiro aos editores patentearem ela e levarem a ISO, ANSI, IEEE e INMETRO.
    Sobre o Cruze posso expressas minha curta experiencia de dirigi-lo durante um test drive em seu lançamento, uma concessionaria do ABC fez um evento onde a ideia era andar de Camaro, mas na verdade você ia de carona nele, então escolhi andar pilotando o Cruze.
    Apesar a insistência do vendedor de 'enfiar o pé', preferi andar calmamente com o carro, que é o meu modo natural de dirigir, e por aqueles poucos km´s, notei um veiculo que passava uma qualidade de construção muito boa, acabamento esmerado e um desempenho tranquilo, gostei do visual e qualidade de imagem da multimídia disponível no LTZ na época. Porém ao andar calmamente, senti o cambio um pouco indeciso sobre quais marchas manter, fazendo algumas trocas estranhas. O espaço interno achei para o meu porte magrelo, de 60 kg com 1,75 de altura, apertado, talvez devido a escolha da GM em fazer um estilo 'cockpit' com o carro abraçando o motorista, talvez por isso tantos casos de joelhos no controle de temperatura.
    Sobre a GM como empresa, é difícil falar, cresci desejando Tigra, Vectra GSI, Vectra CD, Omega CD e o Corsa GSI, o Calibra era um sonho, e me lembro da decepção ao entrar no ultimo Vectra e notar que o acabamento da chave de seta não era colado a coluna de direção, nem ao menos encaixado, ou notar um 'divisor' de carpete duro dentro do porta mapa das portas, este também solto e com acabamento estranho. Simplesmente não era condizente com o nome Vectra.
    Legal ver a GM reconsiderar sua politica de fornecimento de carros para site/blogs, deve ser difícil, mas um fabricante deve estar pronto para lidar com a resposta do público sobre um produto seu, e nos 'tempos modernos' a GM ignorar as mídias digitas e sociais era o famoso 'tiro no pé'.

    ResponderExcluir
  46. Um belo carro,só não concordo em falar que os japoneses são bem fraquinhos em emoção,a não ser os modelos que são fabricados ou importados para o Brasil,que aqui ou não tem ou vendem muito pouco,o Japão deve ter a maior quantidade de modelos entusiastas do planeta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é verdade, até as duas marcas tidas como as mais chatas do planeta (Toyota e Nissan) fabricam esportivos entusiastas (o Toyota GT86 e o sublime Nissan GT-R). São os irmãos divertidos dos sisudos e formais Corolla e Sentra.

      Excluir
  47. PK,

    Pena que vendi o meu sem você andar... O cambio manual é show, o banco perfeito.

    Mas legal que você gostou mesmo assim. Eu sinceramente não gostei do cambio auto desse carro.

    Abraço!
    MAO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MAO, olhando sob a perspectiva do padrão de consumidor desse segmento eu achei OK. Sob o ponto de vista entusiasta a sua opção é bem mais divertida. Pena mesmo que não andei no seu! Abração!

      Excluir
  48. Acho um absurdo um carro deste preço vir equipado com um estepe ridículo como este. Tenho certeza que qualquer comprador deste veiculo e outros que trazem este " estepinho ", não se importariam em pagar R$ 1.000,00 a mais para ter um estepe decente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma tendência. Rodas e pneus muito grandes e pesados. Cada vez mais vai ser assim. E 1.000 a mais no preço, do jeito que todo mundo só reclama dos preços, acho que faz diferença sim. Abraço, PK

      Excluir
  49. Alguém sabe informar o comprimento da biela do motor desse carro??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo 08/05/14 21:18
      Não, infelizmente.

      Excluir
    2. Pode escrever que é a mesma dos outros família I. Relação r/l de 0,339.

      Excluir
    3. Então a coxinização fez milagres alí, né?

      Excluir
  50. A GM hoje, antes de Find New Roads, está mais para searching.

    ResponderExcluir
  51. "Com 11 anos meu pai me colocou no volante de um Chevette 1980!"

    Se foi no ano passado você tem 12 anos e o carro tá velho!

    Se foi em 1980, você tá velho e o carro zerado!

    Paradox

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E se isso foi em 1990??

      Excluir
    2. Anônimo 08/05/14 21:50

      Simples! Foi há 24 anos atrás e carro já tinha 10 anos.

      Paulo Keller

      Tempo bom! Mas o carro já tinha um ano.

      Paradox

      Excluir
    3. Tá baum de matemática eim Paradox!

      Excluir
  52. Esse Cruze é maravilhoso. Gosto também do modelo hatch. Só não tem preço...Sempre tive queda pela gravata dourada, muito antes da 'opelização' e da atual 'daywoozação'. O problema hoje são as motorizações antigas, mas a GM continua aborrecendo a dupla Fiat-VW. Esperemos o suce$$or do Celtinha. Em questão de preço, a Renault ainda continua ligeiramente à frente das '4 grandes e da Hyundai.

    ResponderExcluir
  53. Depois que a coisa aperta, ficam todos bonzinhos esses fabricantes...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa Antônio !!
      Falou pouco, mas disse tudo!

      Excluir
  54. Bons tempos do Vectra B, a GMB dormiu no ponto e seus carros viraram sucatas ao longo dos anos 2000. Faturaram durante mais de uma década vendendo tranqueira e faturando, agora amargam o mais do que justo "prejuízo".
    O pessoal pode resmungar o quanto quiser do Civic e Corolla, mas se teve dois carros que desde os anos 2000 sempre tiveram os motores mais modernos (excluam-se importados) sempre foram eles. E lógico isso implicou em carros caros, porém fizeram e mantiveram a boa fama até hoje e usufruem de boa imagem, nada mais justo.
    Quem sabe se a GM tivesse caprichado lá no início dos anos 2000 e feito motores modernos potentes e econômicos a situação hoje não seria diferente?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Guilherme, realmente a GM dormiu no ponto mesmo. Perder a fama de ter os carros mais bacanas e atuais não foi um bom negócio, Corolla e Civic vendem bem mais pela confiabilidade e coidado com o consumidor do que pelo produto em si. Além disso tem foco nesse segmento, onde o cliente gosta muito de ser bem tratado. Também pagam muito bem nos usados da marca. E nas últimas gerações estão melhorando e tornando seus produtos mais próximos do que o consumidor brasileiro desse segmento quer. Com isso tem clientes fieis. Abraço, PK

      Excluir
  55. João Carlos09/05/14 00:02

    Com esses pneus de perfil baixo, uso 3 psi a mais pra me livrar de perder pneus.

    Curiosamente (ou porque o brasileiro é sensível demais a isso), justamente aqui onde mais pressão seria bem vinda, a GM retirou do manual a opção de calibragem ECO. No argentino tem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João Carlos, mais pressão influencia no conforto, se bem 3 psi não é tão relevante. Na Argentina tem bem menos buracos que aqui!!! Abraço, PK.

      Excluir
  56. Era mesmo de se estranhar a insistência da GM em não fornecer carros para a mídia não impressa. Nessa época, qualquer um que não queira se mostrar acaba com fama de que tem algo a esconder!
    O Cruze atual, embora não ocupe exatamente o mesmo espaço (não é líder de vendas e também não revoluciona em nenhum conceito), lembra muito o que a GM fazia com o Monza. A lamentar que ele esteja no topo da linha atual, pois pelo menos eu sinto falta de um ótimo tração traseira com o qual sonhar quando estiver indo à concessionária fazer alguma coisa no carro "próximo da realidade" que me fosse permitido financiar. E a pena é que a empresa deixou a peteca cair e ninguém segurou: Um carro melhor que um Corolla tem que ser importado, se a fábrica trouxer (e só VW e Ford fazem isso!).
    Por outro lado, é interessante notar, que embora tenha os rodões exagerados, os faróis que lembram uma fratura exposta surgindo pelo rasgo da lataria, e todos os pesares, é o carro mais bonito que a Chevrolet produz atualmente.
    Falando em beleza, há alguma chance de avaliação da Spin, que é tão carente nesse quesito que dá vontade de fazer uma vaquinha para ela ganhar uma plástica em um estúdio italiano? Tenho uma certa curiosidade do por que ela é vendida num preço tão abaixo do igualmente feio Dobló, se ambos parecem ser igualmente úteis. Ou o caso Cruze foi único e solitário?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bons pontos! Spin, mesmo com essa forma estranha, vende muito bem! Um tração traseira... acho impossível. Quem sabe um camaro usado em alguns anos.

      Seu pai te sacaneou com esse nome! Uma pena, pois as ideias são boas e esse nome acaba com sua credibilidade.

      Abraço, PK

      Excluir
  57. João Carlos09/05/14 02:21

    Andando forte, esses câmbios mantem a marcha ao retirar o pé do acelerador. Até freio motor faz sozinho se a inclinação for forte e vc estiver um pouco mais rápido (não confundir freio motor para evitar aquecimento, com "poupar" freio, esta, uma bobagem dado o custo de uma pastilha ser menor que um tanque). Esses modo manual ou S é só pra quem tem pouco convívio com caixa automática moderna, desnecessário

    ResponderExcluir
  58. Caro PK,
    Como voce bem disse a GM perdeu a aura. Sou - ou era - consumidor GM desde 1987 (Monza, Kadet, Astra e ainda tenho um Vectra GLS 99 com 40.000 km). Hoje acho que perdeu a graça (aura). Caro e menos interessante que os japas. Se fosse comprar um sedã, provavelmente seria o Civic LXR 2.0. Muito mais carro que o Cruze. Abraços.

    Renato Ver.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me desculpe mas vou discordar em parte. Civic só é mais carro - um ótimo carro por sinal - por causa do motor 2.0, mais solícito que o 1.8 do Cruze, ajudado pelo menor peso do japa. Nos equipamentos leva uma coça de criar bicho. Os japas são muito canguinhas na hora de oferecer conteúdo em seus carros. E cobram caro.

      Excluir
  59. Acho o CruZie um simples coadjuvante no segmentos que atua
    Hatch só confirma a incrível superioridade técnica, eficiência e modernidade de Golf e Focus
    Sedan só confirma a incrível superioridade técnica, eficiência e modernidade de Corolla e Cívic
    Da uma pena danada de ver que a GM nao e nem sombra da grande empresa que foi no passado!
    Meu Deus....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, tem algumas marcas que aceitam já em seus planos estratégicos fazer carros para serem coadjuvantes do mercado e a Chevrolet é uma delas. Já Ford, Fiat, Renault, Peugeot e Citroen são outras iguais.

      Excluir
  60. O acelerador eletrônico faz milagres em carros mais pesados. Engana muito bem as sensações do motorista e faz parecer que o carro é ágil do que realmente é. Se o acelerador fosse convencional por cabo o motorista teria que pisar muito mais no pedal do acelerador para sentir alguma reação do veículo.

    Acho que esse fenômeno acaba alterando a percepção até de quem avalia carros como o Paulo, o Bob e tantos outros. Não que isso seja ruim, apenas faço essa constatação, pois vejo muitas vezes alguém dizendo que o motor é elástico ou que o carro parece ágil.

    ResponderExcluir
  61. Nesse segmento acho difícil dizer que A é melhor que B. Todos os concorrentes são equivalentes e preferir um em detrimento de outro fica por conta de detalhes e do gosto do freguês.
    Quando comparado com o último Vectra , o Cruze é um passo adiante, melhor, mas não tanto como alguns apontaram. A forração interna, por exemplo, com tecido, minha preferência, deixa a desejar.
    AAM

    ResponderExcluir
  62. Primeiramente, que bom que a GM começou a ter humildade e aceitar testes honestos com seus carros. É a prova de que o "find new roads" pode ser levado em consideração. Além do Cruze, considero a dupla Onix/Prisma bem interessante, especialmente o sedan 1.4, que atenderia muito bem as minhas necessidades, e só não comprei ano passado, por uma questão de preço. Também, não tenho esse negócio de apegar a determinada marca. Se há consumidores fieis a GM, VW, Honda e Toyota (especialmente essas marcas), que pagam algo a mais, só para manter tal fidelidade, isso passa longe de mim. Em relações de consumo, sou bem promiscuo kkkk. Realmente a Chevrolet do início da década de 90 era a melhor das 4 grandes, mas isso só ocorreu devido a pressão dos importados, anos luz, à frente dos nacionais que se fabricavam até 1990. Também teve o efeito Mille que fez a GM reagir com o Corsa. Falando em Corsa, me lembro que motor 1.6 16v usado GSI era rotulado de Ecotec. mas acho que não alguma relação com o motor usado no Sonic e do qual deriva o do Cruze... era apenas um F1 com cabeçote de duplo comando. Não considero o Celta um divisor de águas na linha GM. A maior aberração sobre rodas que eles ainda fabricam se chama Agile. Antes pegassem o excelente Corsa B, e dessem uma repaginada... teríamos um carro muito melhor. E o pior que o monstro deu crias, mesmo que seja outra plataforma (Cobalt, Montana, Spin). A família Sonic também é bem esquisita. A Chevrolet, se quiser outros consumidores, que não seja seu público fiel, deve abdicar de vez, desse padrão visual "frente de caminhão". Por falar em beleza, sei que esse conceito é relativo e subjetivo, mas acho que esse é o principal problema dos atuais GMs.. O Cruze e a citada dupla Onix/Prisma, tem uma harmonia melhor, mas mesmo assim... O Cruze Sedan é o mais acertado, o mais bonito de todos, mas longe despertar paixão... O Sport6 parece não combinar frente com traseira, além da péssima aerodinâmica (Cx 0,35 x Area frontal bem grande), deixando-o com séria desvantagem em relação ao belo Focus Hatch e ao excelente o 308 1.6 (ambos com cx em torno 0.28), Acredito que Ford e Peugeot, apesar da menor potência, são capazes de acompanhar o GM na rodovia, e consumindo menos combustível, por brigarem menos com o ar. Onix/Prima, é bonito olhado de frente e de lado, mas experimente, seguir um, mirando a traseira. A visão é terrível: Lata demais, vidro de menos, lanternas minúsculas. O Onix também precisava ter um Cx melhor pois assim como o Sport6... 0,35 é muito. (o 0,32 do Prisma é aceitável)... culpar as formas da carroceria, não cola, é só lembrar do Astra Hatch, que tinha o mesmo formato básico e o excelente Cx de 0,30! Bom é isso. Vi a foto da nova geração do Cruze. tenho certeza que o público fiel da marca, não vai gostar... tá mais japonês e menos americano... Mas eu já gostei. Quem sabe, volto a ter um GM.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O 1.6 16V do Corsa GSi (C16XE) e o Ecotec 1.6 16V do Sonic apenas se diferenciam nos periféricos, além deste último contar com coletor variável e variação de fase na admissão. O mesmo vale para o Ecotec 1.8 do Cruze em relação ao 1.8 16V que equipou a Meriva CD ano 2003 e o Fiat Stilo 16V.

      Excluir
    2. Ou seja, era muito melhor ter mantido o FII

      Excluir
    3. Fico aqui pensando. O Família II só não deve ter equipado o Cruze por questão de marquetagem mesmo. No atual estagio em que ele se encontrava a única coisa que ele devia era um cabeçote de alumínio, nem precisava ser 16v apesar de todos os concorrentes serem. A imprensa de um modo geral metia o pau nele e ao meu ver sem razão. A questão do consumo se é que ficaria alto no Cruze ou as emissões acho que a GM conseguiria resolver.

      Excluir
    4. Anônimo 1... como dizia o Chapolim colorado, suspeitava desde o princípio. Ocorre que nunca esmiucei um Cruze ou um Sonic... e li em algum Site "especializado", que o motor do Ecotec possui o bloco em alumínio, com comandos acionados com corrente. Pensei que fosse outro motor. Então é um F1 melhorado! Não sabia! Sei que o tal sigma da Ford, deriva daquele motor 1.4 16v do Fiesta/Corrier 96/99... Se não me engano foi o primeiro carro nacional equipado com o motor de bloco em alumínio... (e na época surgiu até a polêmica que tal motor não permitia retífica).... Anônimo 3... Como assim, F2 não tem cabeçote de alumínio? Não está confundindo com o motor do Chevette? talvez que você queira dizer bloco de alumínio. Bom aproveitando o ensejo, e talvez o tópico não seja mais oportuno, mas já que estamos falando de motores, alguém pode me confirmar se o E-torq 1.6 da Fiat, e o Prince 1.6 THP BMW/PSA, é basicamente o mesmo bloco... Sei que diâmetro e curso são mesmo... o cabeçote de comando único acionado por corrente. tem muitas coincidências (lembramos que a Fiat comprou a fábrica da Tritec, que produzia o motor 1.6 do Mini, basicamente o Prince...se mudaram, penso que foram apenas os periféricos)

      Excluir
    5. O GM Família 2 sempre teve cabeçote de alumínio.

      Excluir
    6. Um erro associar motores pelas dimensões da câmara de combustão, piora se envolver somente materiais construtivos. Uma vez atingido tamanho ótimo para diam. x curso e espaçamento de cilindros, os motores seguiram evoluindo em várias outras frentes e semelhança dimensional pode esconder tais mudanças, em as pessoas acharem tratar-se de mesma coisa. Não é.

      MAS

      Excluir
    7. MAS
      Na vida nada se cria, tudo se transforma. Um é a evolução do outro, não dá para dissociar um motor do outro. Aliás, você mesmo corrobora o que eu penso em seu cometário.

      Excluir
    8. Sim, Marco Aurélio, concordo... tem vários motores com diâmetro e curso idênticos que são completamente diferentes... O EA 888 usado no Jetta TSI, tem o mesmo diâmetro x curso do AP 2.0... Não podem ser considerados o mesmo motor. Mas a minha dúvida em relação a dupla Prince THP - E-Torq.. é por que ambos tem a mesma origem... O motor fabricado pela Tritec que equipou o Mini inglês... Penso que o Bloco 1.6 é o mesmo. E acredito que o cabeçote seja muito semelhante... apenas o comando com variação que o Prince tem, e o E-Torq não.. inclusive, apesar de ser um cabeçote com 4 válvulas por cilindro, ambos tem comando único movido por corrente (arranjo muito parecido com os motores Honda) - Jesus do Nascimento

      Excluir
    9. Putz! Pensava que no FII o cabeçote erra de ferro. Então teoricamente não falta nada para ser um motor moderno. Era só tacar mais 8v nele. Foi pegação no pé da imprensa mesmo.

      Excluir
    10. Anônimo: Astra GSI 2.0 16v, Vectras: O saudoso GSI de 1a geração, 2.0 16v e 2.2 16v 2a geração . E psedo-Vectra de 2006 a 2010 na versão 2.4 16v Flexpower... São motores FII com cabeçote de alumínio e 16v... Sim, já existiu esse motor, que agora sei, que não é o mesmo Ecotec, que é um bloco F1... Eu jamais imaginava que Sonic e Cruze usava o bloco FI, muito criticado na medida 1.8, devido ao alto consumo e a péssima relação r/l. Jesus do Nacimento

      Excluir
  63. será que a GM vai deixar a spin menos feia? ou vão ter coragem de deixar igual e lançar aquele monstro off-road? outro dia, vi um etios cross amarelo, até que não assustou muito...

    ResponderExcluir
  64. A GM merece com louvor o prêmio Ssangyong de design!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo
      Inteligência e sarcasmo acima de qualquer expectativa
      O melhor comentário de todos
      Parabéns
      Ha ha ha !

      Excluir
    2. Anônimo 09/05/14 10:28

      Filho,

      A força com você estar!

      Yoda

      Excluir
  65. Atualmente dá para dizer que o Cruze é o único automóvel que possui algum DNA da GMB pré-Celta

    ResponderExcluir
  66. Não dirigi o Civic e nem o Corolla, mas na frota da empresa temos um Cruze manual e um Fluence Automático. O Cruze é mais esportivo e o Fluence é mais confortável.
    Eu particularmente compraria um Cruze pois gosto de carro esportivo, mas o cartão de presença do Fluence é muito legal. Agora se fosse um Fluence GT manual quem sabe não mudaria de opinião.
    Paulo ou o Bob, já dirigiram o Fluence GT? Se sim, como é o comportamento deste carro... quem sabe eu compro um usudo... (sempre quis ter um sedã turbo igual o saudoso Tempra Turbo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aí vai a avaliação do Bob do GT!

      http://autoentusiastas.blogspot.com.br/2014/01/renault-fluence-gt-no-uso-dose-certa.html

      Excluir
  67. Sou proprietário de um Cruze LT 2013 aut., e posso dizer que estou satisfeito. Não empolgado, satisfeito. Até porque o meu tem um ronco acima do normal, e nas 4 visitas a concessionária não conseguiram resolver, e na devolução do veiculo querem me convencer que é normal. Isso vai tirando nossa paciência e minando a satisfação.
    Um carro que me empolgou, não pelo pacote de itens de conveniência mas pela "tocada" foi o injustiçado Linea. Hoje eu trocaria sem pensar meu Cruze por um Linea Absolut Dualogic, apesar da enxurrada de criticas dos amigo e colegas de trabalho. Tive 1 carro Dualogic (Fiat 500 Cult) e fiquei 1 semana com um Linea Essence 2012 Dualogic (não o Plus), e me adaptei facilmente ao uso deste cambio. Se ainda estiver com meu Cruze na revisão dos 20.000Km espero resolver o problema do ronco...senão troco pelo Linea!
    Abs, e parabéns pelo excelente trabalho!
    Taki

    ResponderExcluir
  68. Achei q era só eu q tinha desencantado com a GM com o inicio da "era" Celta, sempre fui fã da marca, minha "tara" era o Opala 6c, tive 3 por sinal, o ultimo GM q tentei comprar foi o Astra, era o seu ultimo ano e sabia que aquele ali seria o último representante da "era de ouro", mas o péssimo atendimento e pior ainda a avaliação do meu usado, me fez partir para outra marca (Fiat). Dai depois a GM para mim morreu, o Agile foi o pá de cal e me rendi aos japoneses, hoje tenho um Civic e ao conhecer a história do carro/marca é dificil não se apaixonar e amar a marca, hj dificilmente sairei dos japoneses. Quanto ao Cruze, eu acho q talvez seja uma volta da verdadeira GM, mas acho q foi tarde demais e ja perdeu terreno demais para os orientais, não se recupera mais isso sem ter valores agressivos e um re-treinamento de sua rede, q como a maioria das marcas "nacionais" é um caos. Sim, orientais não foge muito, mas passa muito mais confiança.

    ResponderExcluir
  69. Janduir Medeiros de Morais12/05/14 21:33

    Esse fds fui em Itu buscar um Monza SLE 1989 que pertencia ao meu sogro (ele faleceu tem 2 meses - e deixou 8 carros na mecanica - dos quais ficamos com o Monza e um Kadett GL 94). Mandei o mecanico que trabalhava com meu sogro dar aquela revisada basica (correias-oleo-etc). Quando botei o bichão na Castelo, percebi o quanto o mesmo é agradável de dirigir. Sei lá, é diferente, tenho um Astra Elite AT e se fosse para escolher uma viagem longa, não pensaria 2 vezes e escolheria o Monza. Chegamos tranquilo e consegui a média de 10,5km/l etanol (ele é 1.8). Aqui em SP iríamos vender por um valor melhor, pois ele está bem cuidado, tem manual, etc, mas até já estou pensando em deixá-lo como carro reserva... Bons tempos da Chevrolet...

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.