Segurança: FORD CRIA ROUPA QUE SIMULA DIFICULDADE DE DIRIGIR SOB EFEITO DO ÁLCOOL



A Ford criou um traje experimental de simulação dos perigos de dirigir sob os efeitos do álcool. A empresa desenvolveu na Alemanha uma “Roupa de Motorista Embriagado”, que simula as dificuldades de visão, coordenação e equilíbrio experimentadas por quem abusa do consumo de bebidas alcoólicas e assume o volante de um carro.

O traje, elaborado em parceria com uma empresa especializada, é composto de óculos com visão de “túnel”, tampões de orelha, pesos no pulso e no tornozelo e ataduras nos cotovelos, pescoço e joelhos. Ele torna mesmo tarefas simples — como andar em linha reta — muito mais difíceis e demonstra como uma atividade muito mais complexa, como dirigir, é afetada pelo álcool, como ilustra este vídeo, infelizmente falado e legendado em inglês, mas de fácil compreensão:




De acordo com a Comissão Européia, o álcool é um dos principais fatores que contribuem para os acidentes de trânsito envolvendo principalmente motoristas jovens. O levantamento também indica que 25% de todos os estabelecimentos comerciais nas estradas da Europa estão relacionados ao álcool.

“A Roupa de Motorista Embriagado é uma solução inteligente para que as pessoas possam experimentar, com sobriedade e em segurança, como suas habilidades são significativamente afetadas pelo álcool”, diz Barb Samardzich, chefe de operações da Ford Europa. “Ela mostra às pessoas como atividades simples se tornam muito mais difíceis e ensina os perigos de beber e dirigir. Uma lição importante especialmente para os jovens, hoje as grandes vítimas dessa situação.”

Redução da mobilidade

A Ford desenvolveu essa técnica de simulação com contribuição dos cientistas do Instituto Meyer-Hentschel da Alemanha, empresa especializada na pesquisa dos efeitos da redução da mobilidade. A Ford já produziu também uma “Roupa da Terceira Idade” e uma “Roupa de Grávida” para entender melhor as necessidades dos motoristas idosos e gestantes.

“As pessoas que testam a Roupa de Motorista Embriagado pela primeira vez logo descobrem a dificuldade de realizar tarefas do dia a dia — como pegar um copo ou digitar um número no telefone”, diz Gundolf Meyer-Hentschel, presidente e fundador da empresa. “Ela é um instrumento poderoso para reforçar a mensagem do que pode acontecer quando se dirige sob os efeitos do excesso de álcool.” (1)

Jovens x Álcool

Uma pesquisa realizada pela Ford mostrou que mais da metade dos motoristas jovens na Europa afirmam já ter dirigido após consumir álcool, ou viram amigos dirigir dessa forma. A pesquisa com 5.000 motoristas de 18 a 24 anos de idade também revelou que 32% já aceitaram carona de um motorista que estava sob o efeito do álcool e 66% não sabem o limite legal de ingestão de álcool para dirigir no seu país.(2)

Detalhes da roupa

A Ford encomendou a pesquisa para entender melhor os hábitos e atitudes dos motoristas jovens em relação a beber e dirigir. O estudo com motoristas da França, Alemanha, Itália, Espanha e Reino Unido apontou que os homens jovens na Espanha (74%) eram os mais propensos a dirigir depois de beber, ou ver amigos beber e dirigir, à frente dos homens jovens da Alemanha (65%) e França (64%). No geral, 26% dos que admitiram ter dirigido embriagados acreditam que poderiam dirigir com segurança.

“Beber e dirigir é uma combinação potencialmente letal e os resultados dessa pesquisa destacam a importância de reforçar essa mensagem, principalmente para os motoristas jovens”, diz Barb Samardzich.

Nota 1 Aqui vê-se o efeito nefasto da nossa "Lei Seca", a lei 11.705/08, lei boçal, a afronta ao cidadão, pois está bem claro, excesso de álcool, ou seja, alguma alcoolemia, dentro de limites é perfeitamente normal, aceitável e, sobretudo, seguro. Ou a Ford não seria inconseqüente de dar essa notícia.
Nota 2 Outra evidência da boçalidade do autor da lei, dos congressistas que a aprovaram e de quem a sancionou: limite para ingestão de álcool. Já tínhamos um limite, aceitável, menor que a alcoolemia do Reino Unido e dos Estados Unidos, e apenas marginalmente maior — 0,6 g/litro em vez de 0,5 g/litro — que Alemanha, França, Itália, Alemanha e a maioria dos países.

Divulgação, fotos, desenho e vídeo:  Ford Motor Company Brasil


Ae

28 comentários :

  1. Aos que criticam a Lei Seca: nenhum bêbado jamais admite estar embriagado, ele diz ter apenas tomado uma cervejinha. O objetivo da Lei Seca foi tirar os que tomam uma cervejinha do volante, sob pena de multa altíssima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aos que defendem a lei seca. Tomar uma cervejinha não significa não ter condições de dirigir. A lei deve tirar aqueles que não tem condições de dirigir, como é em qualquer lugar civilizado do mundo.

      Excluir
    2. Anônimo 19/03/14 08:30
      É exatamente pelo que você disse que esta lei é boçal. Até determinada alcoolemia ninguém está bêbado, incapacitado de dirigir.

      Excluir
    3. Dão muita ênfase no álcool e pouco na educação do motorista. Dirigir com sono ou sob calor extremo (sem ar-condicionado no carro), diminui a capacidade do motorista também, mas nada se fala sobre isso. Se estar sóbrio significa não cometer acidentes ou dirigir de forma irresponsável, então, senhores, uma boa parte dos motoristas está embriagada logo pela manhã.
      É preciso analisar a forma como o motorista guia o carro, sob efeito do álcool ou não. Falar ao celular durante a condução já se tornou comum. Inúmeras vezes presenciei motoristas andando a 40 km/h na faixa da esquerda, falando ao celular. Vamos então falar da falta do pisca, do motorista que cola na traseira, do desconhecimento da existência das placas de PARE, etc. Vamos falar da educação dos pedestres que atravessam a rua sem olhar, falando ao celular, etc.

      Excluir
    4. A 19/03/14 08:30
      Se for flagrado bêbado, admitindo ou não está bêbado. O objetivo da lei seca for tirar bêbados do volante, mas não precisava dela, já havia regulamentação mais que suficiente a esse respeito, apenas ninguém por pura negligência fiscalizava. Por isso é que digo que é uma lei boçal.

      Excluir
    5. Só se fala em fazer leis, novas leis, leis, leis e leis. Mas que tal aplicarmos as leis existentes??? Penso que não nos faltam leis (sobram), o que falta é elas serem aplicadas.

      Excluir
  2. A roupa é feia mas a mulher é um avião!

    ResponderExcluir
  3. Rafael Ribeiro19/03/14 09:43

    E a partir da modificação dessa lei, abusiva ao meu ver, um bom motorista que tomou um copo de cerveja passou a ser mais perigoso do que um político que mata milhares ao desviar recursos da saúde...

    ResponderExcluir
  4. Bebida é aquilo que se bebido em excesso (embriagues) te deixa de olhos vermelhos, lento, pesado, com sono, bobo e falando o que não deveria e fazendo o que não deveria. Por isso eu sou abstêmio.
    Sou a favor de leis coibindo o excesso ao dirigir, com punições exemplares e sem "jeitinho". A vida é mais importante que os caprichos individuais. Minha opinião.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Xracer
      Então isso quer dizer que você também é contra essa lei boçal, parabéns.

      Excluir
  5. Confesso que eu era um dos que defendiam a lei seca, até ler o AUTOentusiastas e parar para pensar um pouco.

    Eu que dificilmente ingiro bebida alcoólica vejo essa lei como desnecessária, pois como já foi falado, os limites já existiam, só não existia a fiscalização. Volte para o limite antigo de 0.6g/l e implemente o mesmo rigor de fiscalização de quando recém implementaram a lei seca e os benefícios na prática seriam os mesmos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Renato Mendes Afonso
      Isso aí, só que poucos entendem essa questão tão simples.

      Excluir
    2. E percebam como a fiscalização já diminuiu e bagunça já voltou a ser como antes.

      Excluir
    3. A. 19/03/14 13:54
      O mais triste de tudo é a maioria, imprensa inclusive, achar que as fiscalização intensa foi devido à lei seca, quando a lei em si não tem nada a ver com fiscalização, são assuntos completamente diferentes.

      Excluir
  6. É igual a pelicula (sacos de lixo) nos vidros.
    Existe ampla regulamentação mas o que eu mais vejo é carro com vidros totalmente enegrecidos. Em noites de chuva, em rodovias, esses carros sao facilmente identificáveis, pois estão trafegando a metade da velocidade da via, na faixa da esquerda, com farol alto e limpador ligado ao máximo, obviamente sem enxergar um palmo a frente. Ontem vi o absurdo dos absurdos, uma van escolar (Fiat Ducato) com o parabrisa totalmente opaco, nao dava nem para ver se tinha alguem dentro - eu imagino que sim, pois a van estava em movimento. Um dia vai rolar um grave acidente com alguma celebridade (ou político) e aí vao se proibir totalmente, como já foi. Custa nada fiscalizar a lei atual...

    ResponderExcluir
  7. Incrível como ninguém fala que até determinado nível de alcool, os testes realizados em várias pessoas demonstraram que várias delas tiveram uma MELHORIA real da capacidade de dirigir. Sim, isto mesmo: MELHORARAM, seja lá por que motivo for. Uma lei boçal, num país boçal, fechado, tacanho, que jamais será nação enquanto o povo não se levantar!

    ResponderExcluir
  8. marcus lahoz19/03/14 14:47

    esta lei seca é um absurdo; completamente fora da realidade.

    ResponderExcluir
  9. Por isso que eu digo que o brasileiro típico é como gado: se tu não cercar por todos os lados ou amarrar uma corda no pescoço, fica descontrolado. É um bixo que tem ser levado na rédea curta.

    ResponderExcluir
  10. Sou um grande fã do blog, mas chamar a lei seca de boçal é algo que eu nunca esperaria que alguém (sóbrio, rs) fizesse.

    Leis não existem apenas para tratar do que já aconteceu. São, principalmente, para orientar o cidadão sobre o que ele ainda vai fazer.

    Com o rigor da lei seca, o Estado não quer apenas enquadrar aquele pai de família que tomou um chope no fim de semana, ficou conversando na mesa mais uma hora e depois pegou o carro, sendo parado por uma blitz. Deseja-se na verdade, estabelecer legalmente a orientação de que bebida alcóolica e direção juntos não são aceitáveis para a segurança do cidadão. Eu vejo como coisas diferentes a normatização e a execução.

    Óbvio que recaímos na discussão: mas em que grau? E aí que eu acho que é o grande acerto da lei: falar pro cidadão "sim" ou "não" é mais forte, mais coercitivo, do que falar "um pouco mais, um pouco menos..." Todos sabemos que essa questão de embriaguez passa por outras, como tempo, peso corporal (estas implícitas no teste do bafômetro) e mesmo costume de beber, experiência e habilidade ao volante, estas muito subjetivas. A lei vai ser feita pela cara do sujeito, então? Escolheu-se, corretamente, uma fronteira mais segura, talvez às vezes errando por mais, mas não errando por menos, em nome de todas as potenciais vítimas inocentes.

    Concordo que a fiscalização mais rigorosa nada tem a ver com o conteúdo da lei, e que se deve sempre que possível observar o cidadão para ver se ele obedece de fato à diretriz. Mas a diretriz é, sim, importante por si só.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Discordo. Essa lei veio para fazer um alvoroço ao mesmo tempo em que penaliza os bons cidadãos pelo erro do mau. Basta ver que quando não há fiscalização a farra corre solta.

      Excluir
    2. ... falar pro cidadão "sim" ou "não" é mais forte, mais coercitivo, do que falar "um pouco mais, um pouco menos..."

      Nessa parte você está correto, mas isso acontece devido o fato de boa parte dos condutores serem pobres de cultura, e aliado a isso, como de praxe, parece não ter sido feito nenhum esforço para que a população aprenda de fato seus devidos limites.

      Dai as propagandas extremistas "se beber não dirija" da vida, onde demonizam o álcool porém sem evidencias claras de que álcool é perigoso independente da dose.

      Educar os condutores (e por tabela a população) salientando seus limites e conseqüências caso ultrapasse-os é custoso (seja em capacitação profissional ou outros recur$$os), e por isso que é mais fácil extremar e punir severamente caso fora da lei (independente da quantidade de álcool no sangue).

      No meu ponto de vista, é a capacidade humana sendo subestimada e algo sem evidências de sua veracidade é empurrado a nós quase como um dogma de fé.

      Excluir
    3. A. 19/03/14 16:34
      Boçal foi o melhor termo que encontrei para classificar esses idiotas incompetentes e essa lei. Esse texto da Ford veio a calhar para reforçar o venho dizendo desde 19 de junho de 2008, lei burra e injusta. Entendi seu ponto de vista, é mais fácil dar um basta em vez de (voltar a) estabelecer os limites de alcoolemia para dirigir. Dá menos trabalho... O cidadão? Ora, o cidadão que se dane! E assim vai o Brasil descendo a ladeira.

      Excluir
  11. A lei seca é boçal mesmo, por isso que eu bebo 3 cervejas de 600 ml e tenho condições de dirigir (1,84m, 105kg), ando no fluxo sem costurar, redobro a atenção nos retrovisores e sigo tranquilo, faço isso graças ao WAZE que diz onde as blitz estão (desculpem pela propaganda), e chego em casa na boa.

    Lcs Stna

    ResponderExcluir
  12. Só esquecem que a lei deve ser feita para nivelar por baixo, ou seja, tem gente que toma um cálice de vinho e fica tonto. Acho correta. Aos que falam que há coisas piores, vamos tratar de lutar para que elas mudem também. Um erro não justifica outro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A. 19/03/14 18:20
      Errado. A lei deve ser feita para o bem-estar de todos e como estava no Código de Trânsito original atendia perfeitamente esse objetivo, tirar das ruas os bêbados ao volante. Só que os boçais nunca efetuaram a devida fiscalização.

      Excluir
  13. Olha mais um exemplo do que eu digo que precisa acabar nesse país: Carro do ministro da Saúde fica estacionado em vaga de deficiente na Câmara http://oglobo.globo.com/pais/carro-do-ministro-da-saude-fica-estacionado-em-vaga-de-deficiente-na-camara-11926109
    Poxa, um carro oficial, de uma das mais altas autoridades do país, isso não pode ser aceitável. Tudo bem que foi o motorista que fez o erro (e a matéria diz que ele já foi advertido), mas isso tinha que ser uma coisa tão óbvia, tão natural, que a pessoa tinha que passar uma semana inteira sem conseguir dormir direito só pelo remorso de ter feito isso. Da mesma forma como jogar lixo no chão, urinar na rua, quebrar uma placa de trânsito, pichar um muro, maltratar um animal e tantas outras coisas.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.