Aniversário: PARABÉNS, TRICAMPEÃO!

Foto: globoesporte.globo.com


Hoje Ayrton Senna completaria 54 anos. Além de tudo o que se conhece da sua carreira na F-1, tragicamente interrompida em 1° de maio de 1994 no GP de San Marino, esse é um dos gestos mais marcantes de Senna, exibir a bandeira brasileira após uma vitória.

Esse gesto começou quando ele venceu o GP dos Estados Unidos em Long Beach, 1986. Nesse vídeo ele conta como foi:




Sem querer, Senna, com esse gesto tão aparentemente simples e inocente, teria um efeito sobre os brasileiros que ele nunca poderia imaginar. No sábado, o Brasil fora eliminado da Copa do Mundo de Futebol, no México, nas quartas de final, pela França. Os brasileiros estavam arrasados. Mas aquela volta que Senna deu empunhando a bandeira literalmente mitigou o amargo sabor de derrota e da exclusão da Copa. Curou a ressaca.

Desde então, a cada vitória, a cena se repetiria.

Parabéns e muito obrigado, Ayrton Senna!

Ae

22 comentários :

  1. Ele foi um grande piloto, só fico chateado com aquelas viúvas azedas (que se chamam de fãs) que ele nos deixou para a gente ter que aguentar.

    ResponderExcluir
  2. Desde que o Senna faleceu, perdi o meu entusiasmo pela Fórmula 1! Assisto uma corrida ou outra... atualmente, prefiro a Stock Car... Aqueles pegas memoráveis com o Prost, e mesmo as fechadas propositais, que decidiram campeonato! (hoje, impossível).. Eu era garoto, não me lembro bem... não sei se foi no GP do Japão de 1989, que Prost foi campeão, tirando propositadamente Senna da corrida, e dois anos depois Senna dava o troco. Vou recordar no Youtube. O negócio era tenso! Sei que Piquet e Senna também não se entendiam! Mas era muito legal! Na década de 90 até hoje, o negócio ficou sem sal... E sempre uma equipe passeando, e há cada vez mais regras para carros e pilotos, que literalmente, "cortam o barato"!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem sal pra ser gentil, né? Porque o que pudemos ver de lá pra cá foi o interesse financeiro do Sr. Bernie Ecclestone (se fosse adjetivar esta criatura ficaria teclando a tarde toda) sobrepujando tudo que se refere a esporte na F1, tornando-a chata, previsível e, pior, uma categoria onde tudo é negociável, trazendo como consequência marasmo, tendo havido pouquíssima corridas interessantes desde então. Assisto de teimoso, como um vício (daninho), já deveria tê-lo largado mas ainda não consegui...

      Excluir
  3. Marcelo Schwan21/03/14 10:11

    Duas corridas memoráveis do tricampeão:

    1) Jacarepaguá, 1988, ano de estréia na Mclaren. Motor apaga e Senna larga dos boxes, pra desespero da galera que estava no autódromo, eu inclusive. Estava na arquibancada C, lá no alto, fruto de ter chegado à porta do autódromo no dia anterior, às 23:00.

    Impressionante é o mínimo que se pode dizer da corrida de Senna até a bandeira preta. A recuperação foi fenomenal. 2, 3 ultrapassagens por volta em locais onde normalmente não se ultrapassaria. Realmente fantástico.

    Quando estava em segundo, dava pra ver que a cada volta a diferença pro Prost diminuía pelos pontos de entrada e saída do retão de cada um deles.

    Veio a bandeira preta. Acredito que metade dos torcedores nas arquibancadas levantaram-se e foram embora. Eu não, fiquei até o fim.

    2) Esta dispensa maiores comentários: GP da Europa, 1993, Donnington Park, Mclaren com o Ford Cosworth que não dava nem pro cheiro, mas, pra mim, a melhor de todas as corridas do Senna e também uma das melhores da carreira do Rubinho, que com aquele Peugeot fraquinho estava em segundo, seguindo os passos do Senna, quando o câmbio quebrou.

    RIP

    ResponderExcluir
  4. Peixes, como eu. Grande piloto. Grande campeão.
    Saudades...
    :-..(

    ResponderExcluir
  5. Parabéns ao nosso eterno campeão! Espero que postem um bom material no dia 1º de maio. Lá se vão 20 anos.

    ResponderExcluir
  6. Um homem com fibra de herói. Um brasileiro de verdade. Parabéns Senna.

    ResponderExcluir
  7. Lorenzo Frigerio21/03/14 12:40

    Outro dia passei pela boca do túnel que leva seu nome, na av. 23 de Maio, embaixo da estátua que o retrata comemorando uma vitória, empunhando a bandeira do Brasil. Não havia bandeira nenhuma, roubada para ser derretida. Esse é o nosso Brasil, sem memória e sem história, onde a única lei é a do Gérson.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho essa estátua muito tosca, mas vá lá... arte é arte.
      Um amigo mandou fotos de uma estátua de Fangio ao lado de sua Mercedes numa praça em Buenos Aires. Essa sim, ao meu ver, uma bela homenagem. Segue foto: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=220714078052499&set=a.190435341080373.6906.171257269664847&type=3&theater

      Excluir
    2. Que bela foto, que bela estátua! Onde fica essa praça? Terei de dar um pulinho em BA. Excelente cidade, em minha opinião.

      ass: KzR

      Excluir
  8. Pelo que já vi de notícias a respeito da morte dele, caso ele vencesse o GP de San Marino de 1994, a bandeira que ele ia estender era a da Áustria, em homenagem a Roland Ratzenberger, que havia morrido no dia anterior. E, pelo que vi, havia alguém na Williams que fornecia as bandeiras para o Senna, que as levava dentro do carro após a FIA (sempre a FIA) proibir que um piloto pegasse uma bandeira e a levasse.

    ResponderExcluir
  9. O "menino" fazia a gente sentir orgulho de ser Brasileiro !
    Jorjão

    ResponderExcluir
  10. Senna tinha a F1 como vida, não como ganha-pão, ou uma forma de atingir enriquecimento e fama como tantos outros que vimos passando por lá, por vezes sua precisão na condução poderia até ser classificada como "cirúrgica". Mais lamentável que seu falecimento é constatar o iminente falecimento de sua história e sua importância para o povo brasileiro (povo mesmo, não é exagero, conheço muita gente que nunca se importou com corrida de carros e mesmo assim acordava até de madrugada pra vê-lo na sua McLaren "Marlboro"), basta conversar com alguém um pouco mais novo, digamos, nascidos na década de 90 pra constatar inclusive a incompreensão deles a respeito do que ele (e claro, injusto não mencionar o Piquet) representaram para os brasileiros na época. Parabéns Campeão!

    ResponderExcluir
  11. Eu era garoto e fiquei muito triste com aquela eliminação na Copa... Hoje não ficaria mais.

    ResponderExcluir
  12. Acho curioso ele o Piquet terem sido amigos.

    ResponderExcluir
  13. Valeu, Ayrton!!! E não concordo de jeito nenhum com quem diga que ele está sendo esquecido. Essa é uma análise bastante superficial.

    ResponderExcluir
  14. Lembro até hoje que quando ele nos deixou o país quase parou no dia seguinte. Eu estudava e a escola chegou a parar as aulas por cerca de 1 hora para fazer uma homenagem. No domingo ninguém conseguia acreditar no que aconteceu, mas mesmo antes do anúncio acho que todo mundo já sabia. Era incrível como existia uma espécie de inconsciente coletivo em relação a ele, na hora do acidente lembro que ficou um silêncio mortal nas ruas. Ainda era apenas um acidente, mas parece que todo mundo sabia (e, realmente, dias depois se veio a saber que ele tinha partido ali mesmo, apenas o coração ainda funcionava)

    Entre o horário do acidente até uns 2 dias depois ficou tudo diferente. Foi apesar de qualquer polêmica (inclusive que ele mesmo acabou se colocando nessa situação, por um medo exagerado do Schumacher em 94) uma pessoa extremamente especial. Dizem que os ingleses, japoneses e italianos também sentiram algo similar aquele dia. Os italianos, que nunca viram ele correr pela Ferrari e o tinham como concorrente, até hoje se lembram dele. Falar na Itália que você é brasileiro é uns 50% de chance de falarem do Senna em algum momento da conversa

    Só acho que ele merecia um filme melhor que o feito recentemente. Além de ter demorado muito para ser produzido (incrivelmente ninguém no Brasil levou essa idéia para frente, precisou vir um indiano) o que foi feito achei bem incompleto. Focou muito na vida pessoal, com poucos comentários sobre a pilotagem e muito reuso de material antigo sem entrevistas que seriam importantes (como falar com chefes de equipes, pilotos da mesma época etc)

    Fora do Brasil também ouveram documentários explicando os problemas da Williams naquela temporada e naquele dia, mas nada veio para cá. É estranho mesmo isso

    ResponderExcluir
  15. Nesse dia eu estava dormindo... quando acordei liguei a TV (tava passando "Barrados no Baile"), veio o comercial e entra o Léo Batista com a frase que lembro até hoje: "Os médicos decretaram a morte cerebral de Ayrton Senna."
    Dali em diante o Brasil caiu num estado catártico que durou até o enterro.

    Interessante como tudo mundo, mesmo os mais esquecidos, se lembram de onde estavam e o que estavam fazendo nesse dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ""Os médicos decretaram a morte cerebral de Ayrton Senna."
      Dali em diante o Brasil caiu num estado catártico que durou até o enterro."

      Esse estado catártico dura até hoje, e provavelmente vai durar para sempre. Esperar por um novo Senna é como esperar por um novo Mozart. Mas estamos esperando, pois somos brasileiros e não desistimos nunca.

      Excluir
  16. Bob, acredito que em 1986 o GP dos Estados Unidos foi disputado em Detroit, não? Parece que naquela época o local era o HQ da Ford, onde hoje funciona o "Rennaissance Center" da GM. É isso mesmo? Acho que Long Beach foi até 1982.

    ResponderExcluir
  17. Senna ensina a nobre arte do punta tacco:
    http://www.youtube.com/watch?v=BxH6PCG_U1Y

    Interessante também a corrida em Mônaco, onde ele chegou em segundo lugar com uma Toleman (uma Force India da vida) em 1984.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.