google.com, pub-3521758178363208, DIRECT, f08c47fec0942fa0 O (PEN)ÚLTIMO LEÃO VENCEDOR - AUTOentusiastas Classic (2008-2014)

O (PEN)ÚLTIMO LEÃO VENCEDOR


Como este ano a Peugeot venceu a 24 Horas de Le Mans, merece ser lembrado o último Pug a vencer a corrida.

O 905 1B foi o carro que completou a árdua tarefa em 1993 e, diga-se de passagem, em grande estilo. Tudo começou em 1988, com a apresentação do projeto 905, chefiado por ninguém menos que o baixinho Jean Todt. Em 1990, a divisão de competição da Peugeot, chamada Peugeot Talbot Sport, apresentou o carro que disputaria o Campeonato Mundial de Esporte Protótipos.


O chassi do carro foi projetado pela empresa francesa Dassault Aviation, a mesma que fabricou o Dassault Rafale e os caças Mirage. O motor do 905 não era derivado de tecnologias dos caças a jato, mas sim do V-10 que a Peugeot desenvolvera para a Fórmula 1, no então regulamento dos motores 3,5-litros aspirados.


O carro não começou bem, entrando no meio da temporada de 1990 com a primeira geração do modelo, correndo poucas corridas e sem bons resultados. Não era culpa de pilotos ruins, pois os dois escolhidos eram Keke Rosberg e Jean-Pierre Jabouille, grandes nomes da F-1. Nesta época, vale lembrar, as velocidades máximas em Le Mans eram superiores a 400 km/h no final da reta de Mulsanne (dos carros mais rápidos, como o Sauber-Mercedes e os Jaguar, mas o outros ficavam logo atrás com "modestos" 390 km/h), que ainda não possuía as duas chicanes, e desta forma, carros com aerodinâmica inferior sofriam grande desvantagem.


Em 1991, a primeira temporada completa que o carro faria, a situação melhorou um pouco, pois conseguiram uma vitória na corrida do Japão, mas ainda não era o suficiente. A evolução do 905 foi apresentada no meio da temporada, com o 905 1B, totalmente reformulado na aerodinâmica e com motor mais potente. Não há números oficiais, mas falam em respeitáveis 680 cv, lembrando que o motor era aspirado. Ao fim do ano, a Peugeot conquistou o vice-campeonato, perdendo para a Jaguar.

Em 1992, o 1B venceu mais corridas, incluindo Le Mans com os pilotos Mark Blundell, Yannick Dalmas e Derek Warwick, e o Campeonato de Construtores, na frente da principal rival Toyota.


Em 1993, a grande consagração veio em Le Mans com o 1-2-3 da equipe Peugeot. Com diversas mudanças de regulamento, equipes oficiais de fábrica deixando de competir, a Peugeot parou o desenvolvimento do 905 Evolution 2 e também abandonou a categoria, para se dedicar à Fórmula 1.


6 comentários :

  1. Milton,
    Esse sim,tem cara de carro de corrida, não o 908 HDi...

    ResponderExcluir
  2. Milton, um desses 905 estava no leilão do museu Peugeot, além de alguns F1, por exemplo Jordan Peugeot, eles fizeram uma limpa do que tinham em dobro. O Bob tem razão, esse tem mais cara de carro de corrida. Abraço
    Marco

    ResponderExcluir
  3. Paulo Keller20/06/2009 21:49

    Faço coro com o Bob e o Marco; ess 905 é mais bonito.

    Belo post MB!

    PK

    ResponderExcluir
  4. De um modo geral, os carros de corrida antigos são mais bonitos que os atuais. Será somente uma questão de busca pela aerodinâmica perfeita?

    ResponderExcluir
  5. Road Runner e demais amigos, concordo plenamente que os carros de décadas passadas são mais bonitos nas suas linhas. Pessoalmente gosto muito dos carros dos anos 80 e começo dos 90, na época do Grupo C com quase todos os carros fechados.

    A busca pela melhor aerodinâmica é uma evolução constante. As proporções do 905 para o 908 não mudam muito, mas as linhas e principalmente o fluxo interno de ar (por dentro da carenagem), evoluiu muito com o uso de túnel de vento e simulações computacionais. O carro mais avançado nesse ponto é o Audi R15, mas ainda não chegou na melhor forma otimizada.

    Ainda há o que se desenvolver nisso, mesmo que seja nos detalhes. Mas, hoje em dia, os detalhes é que fazem a diferença entre vencer ou perder.

    abs

    ResponderExcluir
  6. O problema do túnel de vento é que não tem vento lateral, não tem curva, como é o ataque ao ar quando o carro está fazendo uma curva a X km/h, e recebe um vento de cauda, ou simplesmente o fato de virar o pneu. Não sei até que ponto existe carro perfeito aerodinâmicamente.

    Não conhecia este 905, mas, o desenho dos mk I me lembra muito a grade e os faróis do 405 da época, bem como o 306 e o 106. O que eu acho é que a peugeot sempre teve muita coerência com o desenho. Gosto muito de peugeots, mas, das famílias mais antigas. Das novas, o 206 antigo e o 307. Mas sou doido no 205. Um dia tenho um para acomapanhar o meu 405 Mi16 95.
    Abs, Cristiano.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente,
Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.