google.com, pub-3521758178363208, DIRECT, f08c47fec0942fa0 DIMINUIU A OFERTA MAS NÃO ACABOU - AUTOentusiastas Classic (2008-2014)

DIMINUIU A OFERTA MAS NÃO ACABOU

Conforme eu havia prometido ontem, hoje fui a alguns postos verificar a questão da gasolina premium, se acabou ou não.
A Petrobrás e a Esso não comercializam mais a gasolina premium, mas Shell e Ipiranga, sim. A rede Texaco está desaparecendo, pois o Grupo Ultra/Ipiranga comprou recentemente a tradicional distribuidora da estrela, cujos postos estão mudando de bandeira.
Na Shell o nome da premium mudou de Fórmula Shell para V-Power Racing. Para fins comparativos, custa R$ 2,70 o litro, ante R$ 2,60 da V-Power normal. A comum, sempre no mesmo posto pesquisado, sai por R$ 2,40/L.
Nos postos Ipiranga as gasolinas têm o nome de Original. A premium se chama Original Premium e custa, no estabelecimento pesquisado, R$ 3,00/L. Há a Original Aditivada por R$ 2,35 e a Original simplesmente, que é a comum, R$ 2,25.
Só para informação, num posto Petrobrás na mesma região, a Podium estava a R$ 3,00, a Supra (aditivada), a R$ 2,60 e a comum, a R$ 2,40. E num posto Esso nas proximidades dos demais, comum a R$ 2,30 e aditivada, a R$ 2,35.
Note o leitor que todos esses preços estão expressos em reais e centavos. Fiz isso para facilitar a leitura em razão de tantos números. Na realidade, os preços dos combustíveis exibem até os milésimos de real e nesse caso todos têm 1 milésimo a menos, conforme se vê nas tabelas dos postos.
Não encontrei posto da Rede Ale, mas no site da distribuidora (http://www.ale.com.br/) constam as gasolinas Ale, Aleplus e Alepremium. A Aleplus é a aditivada.
A lamentar nisso tudo o desleixo da Ipiranga em não dar informação relevante como a das gasolina disponíveis no seu site. Acho que a doença a que chamo de holeritite ("Olha o meu aí no fim do mês, o resto não interessa.") chegou a essa grande empresa.
As nossas gasolinas
Para eliminar qualquer dúvida do leitor, no Brasil a octanagem oficial é expressa pelo Índice Antidetonante (IAD), tal como o Anti-Knock Index (AKI) dos Estados Unidos, de mesmo significado em inglês.
O IAD e (o AKI) se vale da média aritmética dos métodos MON e RON de estabelecer o número de octanas da gasolina, Motor Octane Number e Research Octane Number, respectivamente. Já Europa, resto da América do Sul e outras regiões do mundo adotam o número de octanas RON. Esse é que adoto, visto que a maior parte dos carros que rodam aqui são originários ou vêm da Europa. Quem for à Argentina verá octangem RON nas bombas, não o nosso IAD.
Em números nacionais, a gasolina comum/aditivada tem 87 IAD, a premium, 93, e a Podium, 95. Em RON, 95, 98 e 102, respectivamente.
Pode-se dizer que 90% dos carros do mundo usam gasolina de 95 octanas RON, que na Europa se chama Super. Só os supercarros requerem gasolina 98-RON. A de 102 octanas, só no Brasil.
Na Europa existe ainda a gasolina normal, de 91 octanas RON, que não temos aqui.
O "truque"
No Brasil, por força de lei federal, toda gasolina deve conter 25% de etanol anidro. O etanol tem elevada octanagem (aparente, pois não o etanol não contém a iso-octana, derivado do petróleo que eleva a octanagem) de 130 octanas RON. Por isso, misturado à gasolina, eleva a octanagem desta.
Assim, a gasolina comum de 91 octanas passa a 95; a Super de 95 passa a 98 octanas; e a Super Plus, de 98, vira Podium de 102 octanas RON.
Conforme pode ser visto no fac-símile da notícia sobre a gasolina premium no post de ontem, a gasolina premium surgiu em 1997. O que aconteceu foi que a Petrobrás tentou lançar a aqui a gasolina Super europeia, de 95 octanas e sem mistura com etanol. O objetivo era oferecer a gasolina certa para os carros importados que aqui chegavam aos borbotões. Era ser desembarcado do navio e abastecer, sem necessidade de recalibração. Mas o governo não deixou (por que? Alguém tem um palpite?) e como já havia a capacidade de refino aqui mesmo, o etanol adicionado "fez" a gasolina passar de comum para premium (98 octanas).
A Podium? Elementar: é a Super Plus europeia com etanol, indo de 98 para 102 octanas.
O que usar
Os carros com motor de injeção eletrônica digital são bem tolerantes com relação a octanagem devido ao evoluído sistema de controle de detonação. Na Europa podem funcionar com a 91, 95 e 98 octanas e isso vem claramente explicado nos manuais. Inclusive, é informado a qual gasolina o desempenho e o consumo informados se referem. Vai além, informando ao proprietário que com octanagem inferior o desempenho piora e o consumo aumenta, caso inverso ao de reabastecer com gasolina de octanagem acima.
No Brasil, todos os carros são fabricados e calibrados para funcionarem com gasolina comum/aditivada, mas poderão reagir favoravelmente com gasolina de maior octanagem. É o caso de experimentar, ver o que acontece, já que não existe risco algum na "experiência". Pode ser, inclusive, que o maior custo da premium ou da Podium compense em termos de reais gastos para percorrer determinda distância. Ou, pelo menos, proporcione maior prazer ao dirigir tendo um motor mais "esperto".
O caso do Golf GTI e do Honda Civic Si
O Golf GTI era anunciado com potência de 193 cv, mas desde que abastecido com gasolina premium. Com comum, o motor 1,8-litro turbo ficava nos 185 cv. Já o Civic Si vem com potência de 192 cv, mas um engenheiro da Honda me disse no dia do lançamento que usando gasolina premium há um ganho de 4 cv.
Portanto, o entusiasta-leitor já arranjou com que brincar...
BS
(Atualizado às 23h58)
Nota: O leitor Mark Matos escreveu esclarecendo que a gasolina premium da Esso existe e se chama Maxxi Gold, que ele comercializa normalmente em seus postos. A informação que passei neste post deveu-se tanto à inexistência de menção no site da distribuidora, quanto à consulta pessoal a postos da bandeira na Zona Sul da São Paulo. Fica, assim, atualizada a infomação dada. (23/06/09).

49 comentários :

  1. Bob,
    transferindo a minha pergunta e este post mais atualizado;
    existe algum beneficio em desempenho ou descarbonização do motor, ao fazer uso da gasolina podium em um motor de taxa 9,5:1 ?
    ou com essa taxa o efeito é absolutamente inócuo?

    eu tambem li no manual do meu ford ka 1.6 rocam a gasolina, que ele é, ou melhor, foi projetado para o combustivel (Gasolina regular sem chumbo + 22% de álcool etílico)

    esses 3% a mais de alcool na gasolina não prejudica o rendimento? não sei se o motor rocam 1.6 a gasolina fabricado no ano de 2001 ja possui sensor antidetonação, eu acho que não...

    ResponderExcluir
  2. outra curiosidade que eu observei foi que a Ford reduziu a GAP das velas de ignição de 1,3mm para 1,0mm...
    esse nosso governo tambem não ajuda né?

    ResponderExcluir
  3. Paulo Keller20/06/2009 21:48

    Bob,

    Que post! Já falamos tanto sobre isso mas nunca tinha visto um resumão tão legal.

    Valeu!

    ResponderExcluir
  4. Bob,

    ainda vão ser disponibilizados os produtos vendidos pela texaco? óleo e aditivo de arrefecimento por exemplo?
    a Ford só usa óleo e aditivo fabricados pela Chevron, sera que vão ter que usar outra marca? óleo da Ipiranga é um dos piores que existem... uma pena acabarem com a Texaco no Brasil, sempre gostei muito da marca, a Texaco inclusive é a única bandeira que vende todas as gasolinas aditivadas, sendo uma aditivada e a outra super aditivada

    ResponderExcluir
  5. Muito esclarecedor o post. Essa brincadeira das octanagens já está na lista...

    No manual do Ford Ka 1-litro flexível é dito que o motor reconhece gasolina de alta octanagem. Com taxa de compressão de 12,3:1, deve ficar bem esperto com a Podium da Petrobrás. Vou testar esta semana, já que no manual é aconselhado abastecer com gasolina "pura" a cada 5000 km, mesmo que o motor use sempre etanol (a marca de 5000 km atingi este final de semana, portanto há diversão à vista...)

    ResponderExcluir
  6. Bob

    Compre um litro de combustível e peça o tal milésimo de real de troco, para ver a cara do gerente do posto.

    É o fim do mundo mesmo esse pessoal dos postos...

    FB

    ResponderExcluir
  7. Aqui eles falam sobre a Racing...

    www.shell.com.br/vpower

    http://www.shell.com/home/content/br-pt/shell_for_motorists/fuels/vpower/shell_vpower_faq_03171705.html#6

    No Mille Flex, com gasolina comum o motor fica bem mais silencioso. Com gasolina Premium ele volta a ficar barulhento. Me disseram que se deve ao ponto de ignição, que fica bem mais adiantado quando o combustível "aguenta"...

    ResponderExcluir
  8. Guto,
    Acredito que a premium possa trazer algum benefício. A Podium, não. Mas como eu disse, pode-se experimentar. Acho que o Rocam desse ano já tem sensor de detonação. Não, o motor não se descabonizará em função do tipo de gasolina utilizada.
    Todas as fábricas utilizam o que chamam de gasolina C padrão, a que contém 22% de etanol anidro. Isso porque durante um bom tempo era essa a especificão da ANP, 22% +/- 2%. Depois é que vieram os 25% por força de lei (pressão da indústria do etanol), que, aliás, estabelece máximo de 25%, mínimo de 20%. Já que os carros têm obrigatoriamente de funcionar bem dentro dessa faixa, a indústria decidiu continuar com o padrão de 22%.
    A redução da folga entre os eletrodos das velas possivelmente deoorreu de necessidade técnica ou então econômica,já que com folga menor a corrente de alta tensão pode ser mais baixa.

    ResponderExcluir
  9. Paulo,
    Essas questões no Brasil são mesmo muito nebulosas. Para você ter uma ideia, certo gerente de powertrain de uma fábrica achava que Podium e premium eram a mesma coisa.
    Em outro caso, esse bem mais antigo, o diretor de engenharia de outra fábrica soube de um colega jornalista que a gasolina havia passado a conter mais álcool, e consequentemente subido a octanagem, num jantar. Ele então disse que em razão disso iria aumentar a taxa de compressão dos motores. E depois de um certo tempo aumentou mesmo.
    Espero que este post sej realmente útil para muitos.

    ResponderExcluir
  10. Guto,
    Não sei informar agora essas questões Texaco-Ipiranga, mas um grande amigo tem posto em Ourinhos e passou de Texaco a Ipiranga. Vou saber desses detalhes com ele e depois conto. Também acho uma lástima o desaparecimento da bandeira Texaco no Brasil.

    ResponderExcluir
  11. Road Runner,
    Surpreendente, essa informação no manual sobre gasolina de maior octanagem. Mas é totalmente sem sentido a recomendação de abastecer com gasolina nesse intervalo de quilometragem. Boa diversão pela frente. Depois conte-nos a respeito, por favor.

    ResponderExcluir
  12. Bob,
    Fantástico, útil e necessário post.
    Obrigado

    ResponderExcluir
  13. Caio,
    Esse url não está levando à página que fala de V-Power Racing. Pode checar, por favor?
    A aspereza observada no motor do Mille só pode ser imperfeição do mapa de avanço. E ela prova que o combustível "aguenta" pra valer...

    ResponderExcluir
  14. El Chueco
    Que bom que tenha apreciado.

    ResponderExcluir
  15. Bob,

    tem tambem esse link da sala de imprenssa Shell que fala da V-power Racing

    http://www.saladeimprensashell.com.br/shell/show.aspx?id_materia=4154

    ResponderExcluir
  16. Bob,

    grato pela a sua aula e atenção,

    um abraço!

    ResponderExcluir
  17. Bitu,
    Sabe que nos EUA é igual? Acho que é coisa de dono de posto mesmo...

    ResponderExcluir
  18. Bob, no FAQ ele cita a V-Power Racing como a gasolina premium deles. Dê um search na pagina... Mas não é uma pagina especial para isso não.

    Quanto ao roCam, parece que todos os Flex tem knock sensor. Assim como os Fiats, VW, GM...

    A questão do barulho é avanço mesmo. O Fire de 11:1 de taxa anda muito avançado no alcool...


    Bob, diga aí quem são os engenheiros dessas pérolas....

    ResponderExcluir
  19. Guto,
    Achei a página. Esse url é do canal de imprensa. Na página de gasolinas a informação aparece, mas está escondida quase no fim apenas e não vi. Já atualizei o texto. Obrigado.

    ResponderExcluir
  20. aprendi com um quimico alemão que se vc pegar a gasolina comun e botar benzina e álcool 96° vc tem um rendimento bem melhor no veiculo , eu ja fiz na época que eu tinha o clio e deu uma diferença legal no motor , só que é recomendado a fazer apenas em cada 5 abastecidas , a formula é ;

    30 lt de gasolina comun
    0,500 ml de benzina
    0,500 ml de álcool 96° comercial

    como eu tenho uma distribuidora de quimica , ficou facil fazer o teste ... só ñ fiz ainda no classe a porque ñ deu tempo mesmo , mas logo logo vou fazer para ver o que vai dar hehe

    abraços

    ResponderExcluir
  21. Jonas Torres21/06/2009 01:33

    No meu 206 1,6 flex a única vantagem de se usar gasolina é o motor ficar (bem) menos áspero. Inclusive fiquei de boa aberta com uma publicação que testou apenas um motor, de um único modelo de carro, é já chamou de mito essa diferença que alguns relatam entre álcool e gasolina.


    Agora essa da Ford de indicar o cidadão a intercalar gasolina é o fim do mundo. E o pior, o leigo ainda vai acabar piorando a coisa, pois vai usar a comum para sujar os "bicos"; o seu blow-by vai sujar o óleo mais que no álcool; e ainda vai passar num posto picareta e pagar gasolina por "gasolina alcoolizada" com batismo que dá no máximo 50% de gasolina.

    A Toyota indica a mesma coisa...

    ResponderExcluir
  22. Jonas, já vi dizerem que essa diferença é mito. Mas não é, dependendo do carro a diferença é grande e perfeitamente notável. Inclusive, uma época eu e meu pai brincávamos de abastecer o carro, sem contar ao outro. Dái quando o outro pegava o carro, advinhava se tinha posto alcool ou gasolina. Nunca nenhum dos dois errou. Me parece que nem todos os carros tem essa diferença, em especial, fica claro quando o carro tem taxa de compressão baixa, os quais costumam andar com o ponto mais avançado para compressar a baixa compressão.


    Sobre a Ford: Nota-se que as vezes as engenharias adotam as mesmas soluções faladas (e reprimidas) dos mecânicos de esquina. O fato é que a gasolina tem um poder de detergência maior do que o alcool, mas acho questionável a necessidade de interalar o uso, pelo simples fato de conhecer pessoas que rodaram 60.000km com um Fiesta sem ver uma única gota de gasolina e tudo está perfeito.

    ResponderExcluir
  23. Ótimo texto,Bob

    Sobre as gasolinas,minha escolha a tempos já se solidificou : meio Tubo de Octane Boster da STP por tanqueada da comum.

    Na minha cidade ocorre curioso fato,temos a pódium mas nenhuma premium.

    Mas já experimentei , em viagem longa, a Shell V-power e notei um excelente funcionamento do automóvel. Abasteci num posto da Lagoa Rodrigo de Freitas, pista rumo norte,sentido Túnel Rebouças.Tem anos isso e nunca me esqueci da diferença no funcionamento do motor.

    ResponderExcluir
  24. segundo a Shell, a v-power não tem maior octanagem, mas diminui o atrito entre as peças moveis, o que faz com que aumente o desempenho e economize combustivel, e o benefico é para qualquer tipo de motor tanto os com alta quanto baixa taxa de compressão

    ResponderExcluir
  25. se eu achar essa v-power racing, vou abastecer para ver o resultado, ja abasteci com a podium e não notei diferença alguma

    ResponderExcluir
  26. Aqui na região Centro-Oeste os postos da Ipiranga estão passando pra bandeira da Petrobrás e os da Texaco continuam.

    Aqui em Goiânia só se acha a Gasolina Podium da Petrobrás, nunca tivemos a Premium. Nos postos da Texaco tem a comum, aditivada e SuperAditivada (Tehcron).

    No meu Corsa Classic 2007 sinto a diferença logo após abastecer com alcool, o motor fica bem mais áspero do que ao usar Gasolina, parece que força mais o motor.

    ResponderExcluir
  27. para vocês verem o que é o monopólio no Brasil, a Petrobras comprou a ipiranga, e a "ipiranga" esta comprando a Texaco...

    só espero que a Shell resista, pois posto Esso eu já não vejo mais, faz bastante tempo

    ResponderExcluir
  28. Bob,

    Mais uma dúvida, uma gasolina premium dura mais que a comum? O Boris Feldmann (Vrumm/SBT) disse que a comum dura de três a quatro meses e que a premium dura até um ano. É porque meu carro só vai rodar em fins-de-semana e em alguma eventualidade e gasolina parada no tanque envelhece.

    ResponderExcluir
  29. o dificil é achar essa gasolina premium

    ResponderExcluir
  30. Caio,
    Não seria ético dizer quem são os engenheiros. Espero que compreenda.

    ResponderExcluir
  31. Fabinho,
    Acredito que fosse aplicável em tempos de gasolina de baixa octanagem. Talvez a melhora sentida no seu Clio pudesse ser a mesmo se você usasse a Premium ou a Podim. Mas não custa experimentar "química" mais uma vez.

    ResponderExcluir
  32. 1k2,
    A que dura um ano sem envelhecer é a Podium, não a premium. Esta e as outras começam o processo de envelhecimento após três meses.

    ResponderExcluir
  33. todos,

    acabei de ligar para o 0800 da Shell e fui informado de que a gasolina V-Power Racing esta sendo comercializada apenas em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais,

    iso explica porque eu não achei tal gasolina por aqui

    ResponderExcluir
  34. Caro Bob,

    confirmando a teoria dos "3 nadas", acabei encontrando você neste blog que não conhecia.
    Parabéns por continuar derramando seu conhecimento a tantos.

    Grande abraço.
    Evandro Araujo Menezes

    ResponderExcluir
  35. Alexei,
    A V-Power tem mesmo alguma coisa que reduz o atrito. Também já notei isso.

    ResponderExcluir
  36. Caro Evandro,
    Que prazer tê-lo como leitor de novo! Um abraço.

    ResponderExcluir
  37. Aziz e Road Runner,
    O pessoal de carro antigo está aderindo cada vez mais à avgas. Não só pela questão do envelhecimento retardado, mas também, e principalmente, por não conter etanol. Esse motores foram calibrados para gasolina sem etanol algum.

    ResponderExcluir
  38. Só para adiantar minhas "brincadeiras" com gasolina e álcool, acabei der abastecer o Ka com gasolina V-power e, de cara, deu para notar um funcionamento incrivelmente mais "liso" e silencioso do motor, provavelmente devido ao ponto de ignição menos adiantado se comparado ao álcool puro. Não deu para notar diferença alguma em termos de desempenho.

    Me surpreendeu a velocidade com que o sistema de injeção reconheceu a gasolina no tanque. Somente 100 m de uso (cerca de 20 segundos de funcionamento do motor) e a ventoinha do radiador ligou e ficou ligada por bastante tempo, cerca do dobro do tempo esperado se estivesse com álcool puro, devido à menor temperatura de funcionamento do motor com gasolina (o Ford Ka flexível usa uma válvula termoelétrica no lugar da termostática tradicional, para controlar melhor a temperatura do motor conforme o "coquetel" no tanque).

    Quando tiver o relatório completo da diversão, envio ao AUTOentusiastas (a próxima da lista é a Podium).

    Abraços!

    ResponderExcluir
  39. Bob,

    A avgas tem o famigerado chumbo tetraetila na composição?

    Carro antigo com avgas fica "o bicho", dá para usar a taxa de compressão de motor a álcool sem risco de detonação. O ruim é que, nesse caso, é preciso acertar a carburação e ponto de ignição para usar SÓ avgas...

    Abraço!

    ResponderExcluir
  40. Chuck Norris22/06/2009 21:15

    o Uno flex quando abastecido com alcool fica com o funcionamento do motor "áspero" parece uma britadeira velha, para mim que estou acostumado com motor funcionando "redondo" carro flex não me agrada nem um pouco, me desculpem os adeptos ao flexfuel

    ResponderExcluir
  41. Padre Quevedo22/06/2009 21:19

    alcool ou gasolina no mesmo motor?

    ISSO NON ECXISTE! É CHARLATANISMO!

    ResponderExcluir
  42. Road Runner,
    Legal que a "diversão" já tenha começado. Você não quis dizer que o ventilador ficou ligado metade do tempo por agora ter gasolina no tanque?
    A avgas 100/130 é de 100 RON e tem chumbo, portanto não pode ser usada em carro com catalisador. A taxa não pode ir muito além de 12:1. Mas que fica bom, fica.

    ResponderExcluir
  43. Chuck,
    O engraçado que os motores a etanol da década 80 já tinha taxa alta, como 12:1 nos VW e Ford, não existia controle de detonação e os motores eram bem suaves. O que me dá impressão é que hoje estão deixando o avanço de ignição no limite, para baixar o consumo, resultando nessa aspereza que você e muitos sentem quando o flex está com etanol. Acho que há lugar para uma versão atual "inflex", a etanol somente, mas com motor muito mais eficiente que um de flex queimando etanol.

    ResponderExcluir
  44. Realmente, o Fire Flex 66cv já tem o cabeçote barulhento. Junte à isso a aspereza com o alcool e tá feito um carro azedo para esticar as marchas. Mas eu prefiro no Alcool, o carro fica bem mais esperto. Em dias quentes, com gasolina, as reduções devem ser constantes pois o carro amarra mesmo com alta carga no pedal (atrasando ponto para não grilar). É perceptível. Afunde o pé em terceira, o carro se afoga, ganha giro vagarosamente e derrepende deslancha.
    Já passou da hora de se decidirem quanto ao combustível. Esses motores meio termo são um retrocesso frente à tanta tecnologia.


    Bob, no Mille a ventoinha é acionada mais frequentemente com gasolina...

    ResponderExcluir
  45. Caio e Road Runner,
    Está certo! Mais tempo ligada a ventoinha, mas frio o líquido, em razão de motor funcionar mais frio quando com gasolina.

    ResponderExcluir
  46. minha viatura não é flex, somente à gasolina e já percebi o que o Caio Ferrari relatou sobre o funcionamento em dias quentes. o motor amarra mesmo, sobretudo se afundar o acelerador em baixa rotação. nos instantes iniciais da "pisada" é possível ouvir um "estralinho" e na sequencia vem aquela amarrada desagradavel, que vai sumindo conforme o giro vai subindo...

    ResponderExcluir
  47. uma duvida, se misturar digamos que meio tanque de podium com meio tanque de gasolina aditivada comum, não teremos o equivalente a gasolina premium? uma octanagem intermediaria...

    ResponderExcluir
  48. Guto,
    Não se pode garantir que uma determinada mistura produza o efeito imaginado, mas pode ser que fique no meio, aproximadamente, com a octanagem muito próxima da da premium. Novamente, experimentar não traz nenhum prejuízo.

    ResponderExcluir
  49. Guto,
    Confirmado: os produtos Texaco, como o óleo Energy, deixaram de existir com a mudança para Ipiranga.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente,
Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.