FORD MUSTANG BOSS 302 EM SUA TERRA NATAL



O Arnaldo Keller nos mostrou pouco mais de um ano atrás uma volta rápida com um Mustang Boss em São Paulo e agora tive a chance de experimentar esse ótimo Ford em sua terra de origem.
 
Havíamos publicado há alguns dias texto sobre o Challenger do meu amigo Fábio e ficou mais uma vez muito claro, pelos comentários dos leitores, que carros de verdade têm muitos adeptos no AUTOentusiastas. Pena que a maioria dos compradores de carros não seja assim, preferindo enfeites móveis a carros que sejam bons de dirigir e de olhar.


Para completar o pacote do que pude experimentar nas minhas férias, embarquei num pony car novo, moderno, da única marca que nunca os deixou de produzir, em que pese a escorregada da época da primeira crise do petróleo, quando foi infantilizado justamente por uma casa de estilo da melhor categoria, a italiana Ghia, algo inexplicável a meu ver. Basta ver a foto abaixo para entender o que a Ford fez com o Mustang de 1974 a 1978. Pelas golas da camisa do rapaz e da blusa da moça na foto dá para notar que essa não foi uma fase muito feliz do desenho de moda também, não apenas de carros.
Em 1978, nada emocionante (themustangsource.com)

Depois de alguns anos, porém, consertaram o erro e voltaram a pleno vapor, notadamente a partir de 1995, com um bom produto dominador das vendas da categoria que, junto a outros fatores, culminaria com a  interrupção da produção do Camaro em 2002, e sem ser ameaçado por Challenger e Barracuda, que não eram fabricados desde 1974.
  
Voltando ao objetivo desse texto, meu amigo Fábio conseguiu se fazer usuário de um Mustang que seria inicialmente GT, mas ao recalcular valores de leasing, descobriu que o que tinha disponível lhe permitia optar pela versão Boss 302. Antes de mais nada, bom lembrar que esse modelo foi considerado o melhor Mustang de todos os tempos.

O nome Boss (chefe) é uma reutilização do termo já usado em 1969 e 1970. Conta a história que o carro foi feito por determinação expressa de Semon Emil Knudsen, apelidado de “Bunkie”, que foi presidente da Ford por curto período, cerca de um ano, vindo da General Motors.

Pelo que se relata, não era uma pessoa fácil, muitas vezes sendo duro ao extremo, um chefe no sentido de "mandão" mesmo. Knudsen sempre priorizou programas que gerassem carros com tendência esportiva e participações em corridas, e batia de frente com o comitê diretivo e com o próprio Henry Ford II, outro notório teimoso.

O irônico é que, tendo sido o articulador de um Mustang maior e mais pesado, pelo que foi duramente criticado, ordenou a versão Boss com motor 429, com o qual o campeonato da categoria Trans-Am de 1970 foi vencido, após sua demissão ocorrida em setembro de 1969. A idéia do chefe se provava correta, depois de sua saída.

Sempre é difícil falar de desenho ou estilo de carros, pois preferências são sempre pessoais e destoam muito entre uma e outra pessoa. Acho que o Mustang tem a mais bela dianteira dos pony cars do mercado, gosto muito da forma geral, mas não aprecio a janela lateral traseira, muito “solta” da superfície e longe demais do vidro da porta, bem como o balanço traseiro, muito comprido a meu ver. Nada com que eu não conviveria, claro, são apenas detalhes. O balanço longo, afinal, colabora para uma maior capacidade de porta-malas, algo fundamental e que aprecio muito. Sempre há o lado positivo dos problemas.





No interior, quase nada de enfeites inúteis ou devaneios de arquitetos domésticos, daqueles que criam coisas boas apenas de se olhar, mas de praticidade nula. Domina a funcionalidade de engenheiros, com poucas concessões de estilo moderno, como os acabamentos brilhantes ou o revestimento dianteiro do painel, muito bonito e parecendo de metal verdadeiro com acabamento virolado. Nâo é, claro, já que as normas de impacto não permitiriam. É tudo plástico mesmo, mas de  boa qualidade. Para quem gosta, há o sistema de multimídia e entretenimento desenvolvido com a Microsoft, o SYNC.  Dizem ser muito bom, mas sinceramente,  não perdi meu tempo mexendo nele, já que não faz parte da essência de um automóvel, principalmente desse rosnante V-8.
Os bancos são bonitos e ótimos em conforto, posicionamento dos ocupantes e retenção do corpo para curvas. A visibilidade é muito boa, nesse ponto nota 10 em relação ao seu maior concorrente, o Camaro, que é um pouco cavernoso com seus vidros pequenos.


O booster (cadeirinha) para crianças não vem com o carro





Como a sorte anda junto com a oportunidade, principalmente para quem tem amigos que inclusive nos hospedam em sua casa, depois do Challenger experimentado foi a vez de passar ao pony car moderno, um verdadeiro salto no tempo.

Tudo que nos mantém alertas no Challenger, como os freios e os balanços da carroceria, naturais para carros criados há meio século, são exatamente o oposto nesse Mustang. A dinâmica do chassis é muito melhor, notável para um carro de 1.648 kg em ordem de marcha, coincidentemente pesos muito semelhantes, já que o Challenger apresenta 1.610 kg nas mesmas condições. Em suma, carros antigos e atuais são incomparáveis na facilidade e tranqüilidade de uso.
O  Boss é violento e civilizado ao mesmo tempo. Tem um motor e um câmbio que tive vontade de trazer na mala, tão bem que funcionam. Nada de engasgos ou buracos de entrega de potência. É algo viciante acelerar a fundo progressivamente no acesso às estradas, ou ao entrar em uma rua vazia. Aquela colada de corpo no banco e o som do motor subindo de giro sem parar é de querer repetir infinitamente.  Aliás, o 5-litros  sobe de rotação como se fosse um motor menor, não como um motor grande com bastante massa de peças móveis, principalmente os pistões forjados e as bielas de maior resistência.  Grande parte disso vem do tremendo trabalho de admissão de ar e sua mistura com gasolina feito pela divisão Ford Racing.
O cabeçote é derivado do GT normal, mas com duas horas e meia a mais de trabalho de usinagem para refino dimensional e acomodação das válvulas, que são maiores, com suas molas mais fortes, o comando de válvulas, apoiado em mancais com especificações de corrida, as levanta mais. O coletor de admissão é totalmente novo, permitindo maior fluxo.  Um radiador de óleo melhora a constância da temperatura do lubrificante. Tudo para permitir maior vazão e melhor qualidade de combustão, além de movimentos mais livres, com conseqüente potência de 32 cv a mais que o Mustang GT.  Resultado: um belo V-8 americano  que gira rápido a até 7500 rpm e produz 90 cv por litro. Simplesmente ótimo.
Os números mágicos são os 450 cv a 7.400 rpm e 52 m·kgf de torque a 4.500 rpm. Consome frugais 6,3 km/l na cidade e 11 km/l na estrada, padrões de medição americanos. Há carros nacionais com quatro cilindros a menos que gastam mais que isso.





Para auxiliar a refrigeração, saídas de ar funcionais no capô, algo que todo carro deveria ter, independente de potência ou preço. Não que precisasse ser algo chamativo como no Boss, mas mesmo pequenas aberturas nos pára-lamas já ajudariam muito a não exagerar nas temperaturas dentro do cofre, e aliviar o aquecimento da cabine.
Detalhe das grelhas de saída de ar do cofre do motor
Para casos de uso em temperaturas muito altas, e também em pistas, nos já famosos track days, ou para quem comprou o carro para participar de campeonatos, as duas tampas circulares na grade podem ser removidas facilmente. Assim como se um carro for preparado para corridas noturnas e de longa duração, dois faróis de longo alcance podem ser montados ali, sem prejudicar a aerodinâmica. 

Um defletor (spoiler)  na borda inferior do pára-choque auxilia na captação de ar para a grade do radiador de água e de óleo, e dá uma aparência de carro muito bravo. Em ruas com valetas, não iria durar muito no lugar.


Defletores dianteiros nessa e nas três fotos a seguir




Nem mesmo o pedal de embreagem, que seria normalmente pesado em um carro com motor grande, incomoda.  Força bem moderada para acioná-lo, qualquer moça consegue, e veja que sou bem chato nesse ponto, mesmo não sendo uma moça. O câmbio é um  seis-marchas magnífico, de engates leves, movimentos curtos  e justos, e o carro mesmo não sendo novo, não apresenta nenhum sinal de desgaste nesse sistema. Não há marchas com relações erradas, o carro está sempre rodando em rotação correta, mesmo que se queira andar tranqüilo. O pomo da alavanca é a melhor forma para a mão humana manusear: uma esfera.
 

O escapamento é interessante. São quatro tubos, dois saindo na traseira e dois nas laterais. Há uma placa para fechar essas saídas laterais, de forma a atender a legislação federal de ruídos, mas que podem ser removidas facilmente pelo dono para aproveitar o som próximo da janela. Tudo dentro da lei. No carro do Fábio as saídas laterais já vieram funcionando, tendo sido removidas as tampas já no concessionário, antes da entrega, tudo dentro da lei.


Por baixo, as quatro saídas visíveis (mustangsdaily.com)
Freios Brembo, perfeitos, discos de 355 mm de diâmetro na frente, com ABS de série, lógico, controle de tração e de estabilidade, algo que ajuda bem na chuva os menos acostumados com muita potência, ou os mais distraídos, ou os com pés pesados ou pouco educados, que aceleram mais que o necessário.  Freio bom é aquele que você não precisa pensar no que ele vai aprontar se precisar dele de verdade, e em algumas freadas mais fortes provocadas o Boss diminui de velocidade muito bem comportadamente.  Claro que os pneus ajudam  muito aqui. Quando o carro foi lançado, jornalistas andaram na pista de Laguna Seca, na Califórnia. Ninguém reclamou nem notou qualquer sinal de fading nesse conjunto.

Segundo a Ford, durante o desenvolvimento os carros foram usados nessa pista por dois dias inteiros em ritmo rápido, e não seria uma apresentação a jornalistas que iria trazer problemas. A Brembo é um fornecedor de primeira categoria, sem dúvida.



Os amortecedores dianteiros e traseiros são ajustáveis, dando mais ou menos carga, em busca de comportamentos melhores tanto em ruas quanto en estradas. Mesmo em posição de conforto, a primeira das cinco possíveis, o rodar ainda é um pouco duro, mas nada que incomode de verdade em bom piso. Usa-se uma chave de fenda para esse ajuste. A barra estabilizadora traseira é mais atuante, com maior diâmetro. As molas são mais duras (a constante K) em relação ao GT de base, buchas são mais firmes para melhor sensação de movimentos justos, sem movimentos parasitas, e as rodas são de 9x19 na frente e 9,5x19, atrás, com pneus Pirelli PZero 255/40ZR19 e 285/35 ZR19, respectivamente.

O resultado é um equilíbrio bem grande entre estabilidade e potência. Ambas conversam bastante e falam a mesma língua o tempo todo. Dá para abusar do acelerador sem sentir que se vai entrar numa fria em seguida. Sinceramente, não consegui notar nem um pouco das saídas de traseira, que segundo os testes de revistas, ocorrem em limites muito altos. Minha experiência não chegou a tanto, ficando apenas na certeza que é possível andar mais rápido que todo mundo na estrada sem se meter em problemas de controle do carro. Como a Car and Driver escreveu, “a aderência do Boss quase sempre excede a coragem do motorista”.

O carro é muito bem colado ao solo, e só mesmo um piso ruim deve ser possível  fazê-lo perder a compostura. Não acontecem movimentos desagradáveis andando normalmente, nem mesmo abusando um pouco. O Fábio já andou um ano com o carro, cerca de 10.000 milhas, nas mais variadas condições. Contou-me que às vezes algumas curvas saem meio “quadradas”, mas eu desconfio que isso ocorra em velocidades que ele preferiu não dizer pois sua esposa estava perto, ou que não deu tempo de olhar o velocímetro. Eu acelerei bem, e não vi nada de mal. Só para constar, a aceleração lateral máxima obtida é de 1,02 G, mostrando que até mesmo um carro com eixo rígido na traseira pode funcionar bem, desde que se dê verba aos engenheiros.

Diferencial aletado para dissipar calor; barra de grande diâmetro


Pelo que lemos na imprensa internacional, problemas desse tipo ocorrem com o Shelby GT500, que foi de 557 cv em 2012 para 671 cv em 2013. Também por isso o Boss 302 é considerado o mais equilibrado e homogêneo Mustang jamais feito.

É um pacote coeso, sem falhas de sensibilidade em comandos de chassis, notadamente direção, um sistema que a Ford aprendeu a desenvolver tão bem que qualquer outra marca de carros normais não consegue nem chegar perto. Precisa ser alguma marca de carros que custe bem mais caro –  sangue azul mesmo –  para ser tão bom quanto, e mesmo que a maioria das pessoas prefira direções mais leves, lembremos que isso está errado, já que a maioria não é entusiasta. Quando lhe disserem “ Olha que maravilha de direção leve!” deixe claro que você privilegia o prazer de conduzir um carro sentindo como ele se comporta. Faça uma cara de asco e diga um palavrão bem dito.

Um sistema de direção precisa passar informação de onde estão as rodas, não pular na mão em irregularidades pequenas do asfalto, não ser lenta nem rápida demais, não ser ridiculamente leve como na maioria dos carros, em que qualquer mínima coceira no cotovelo significa uma balançada, e nem mudar de peso em curvas de forma artificial ou exagerada. Em suma, e de forma subjetiva, já que não é algo fácil de se avaliar, precisa conectar carro ao motorista e ambos ao piso.
Nesse quesito, os Ford são superiores à média da indústria, até os de tração dianteira, claramente mais complicados nesse sentido. Trabalho que nasceu na Inglaterra e foi aplicado a todas as engenharias da empresa.
No Mustang, simplesmente perfeita, mesmo tendo assistência elétrica, um sistema que era horrível quando surgiu há alguns anos, mas que evoluiu. Há três regulagens de esforço possíveis, normal, esportiva ou confortável.  Melhor não mexer nisso e deixar na normal, que já funciona muito bem.
Alguns números de avaliações de revistas como Road & Track e Car and Driver são bem interessantes. As 60 milhas por hora (96,5 km/h) chegam em 4,3 segundos, 0,3 s mais rápido que o Mustang GT e Camaro SS. Outras publicações e revistas virtuais conseguiram números tão baixos como 4 segundos cravados, normal em variações de produção, local do teste, tipo de piso, motorista, cronômetro etc.

Numa medição tipicamente americana, carro vindo bem lento e enfiando o pé no fundo, medido de 5 a 60 mph, o tempo é o mesmo do  GT500 ano 2012 que tinha 101 cv a mais (o 2013 passou a 671 cv, lembre-se), e apenas um décimo de segundo mais lento que um BMW M3. Na medição do quarto de milha, 402,25 metros, são 12,3 segundos, que significam 0,9 s mais rápido que o  GT, e apenas uma milha por hora atrás do potente M3. Mas note que isso tudo que o Boss consegue é com câmbio manual, onde se gasta tempo nas trocas. Não é um robô alemão fazendo tudo por você mais rápido que o pensamento. Mérito, então, do tradicional Mustang aqui, sem desmerecer o mítico BMW, lógico, que foi usado como benchmarking (referência) no desenvolvimento do Boss.

Mas, detalhe para alguns, um M3 custa mais de US$ 60.000 e o Boss, quase US$ 20 mil a menos. Claro que são carros diferentes, escolas diferentes. Para mim, fechou. Com 20 mil cédulas da grana boa se faz muita coisa legal na terra do Tio Sam.

Depois do Fábio já estar com o carro em casa, chegou via correio um pacote da Ford, com uma carta agradecendo pela escolha do carro, mostrando a data em que ele foi fabricado e seu número seqüencial, assinada pelo presidente executivo da Ford e da Ford Racing, um chaveiro com o número do motor, um convite para um treinamento em pista, um DVD e um livro da editora Motorbooks com a história do Mustang Boss. Totalmente “bacana demais de bom”.

É mesmo um carro muito exclusivo, e uma peça de coleção já hoje. São apenas 4.016 unidades do modelo 2012 e 4.273 do 2013, incluindo a versão Laguna Seca, mais radical ainda, com alterações de suspensão e aerodinâmica, além do mais incrível de tudo: uma segunda chave de ignição com um transponder que aciona um programa secundário da calibração da ECM do motor, para ser usado em pista ou se o motorista quiser o carro ainda mais nervoso. Foram cerca de 750 unidades desse em cada ano. Um clássico.

Claro que há rumores que para 2014 o carro poderá continuar a ser produzido, dados os resultados positivos diante de imprensa e mercado.

Na noite anterior a deixar a casa dos meus amigos, tive vontade de sair sorrateiramente e me mandar com o Boss, deixando o Tahoe alugado para o Fábio e família. Seria ótimo para carregar as crianças, e a esposa dele havia gostado bastante do Chevrolezão. Preço por preço, estaria empatado, sem prejuízo para eles.

Pena que não caberiam as minhas malas, e a responsabilidade adulta falou mais alto. Coloquei a cabeça no travesseiro e lembrei, com um sorriso, do rosnado sinistro do Ford que dormia bem embaixo de meu quarto.


JJ


57 comentários :

  1. Belíssimo carro, sonho de consumo de qualquer mortal. Parabens AK pelo seu bom gosto e competencia automobilística.

    CLICK NO LINK abaixo e faça sua inscrição para quem sabe um dia você possa comprar um FORD MUSTANG:
    http://www.startmyripple.com/blitzlink/fb5d39c3c8a0758814e879578b01f737

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bob Keller10/08/13 13:58

      O anônimo avoado, é o Juvenal Jorge, seu tonto!

      Excluir
    2. Desculpa aí Juvenal Jorge, houve um errinho da pessoa, mas a competência é a mesma.

      Excluir
    3. Anônimo,
      sem problema, obrigado.

      Excluir
    4. Juvenal, o trabalho extra de 2,5 horas nesse motor vem por maquina ou por processo manual?

      Excluir
  2. Eu sou suspeito pra falar, o Mustang é meu carro favorito desde quando eu me entendo por gente. Se fosse pra escolher um carro pro resto da vida, seria um bom Fastback 69, carro que eu acho simplesmente espetacular! Sobre a atual geração, por tudo que já li (infelizmente não tive o prazer de pilotar um), o considero um carro fantástico, não conseguiria em mente acrescentar nada a ele que pudesse melhorá-lo. Dizem que talvez a próxima geração irá aposentar o eixo rígido na traseira e terá um 4 cilindros Ecoboost na versão de entrada, no lugar da V6. Eu acho isso uma HERESIA INSANA! De todas as matérias que eu li, nenhuma colocou uma vírgula sequer no comportamento da suspensão traseira, é bem como você disse JJ, dê dinheiro para os engenheiros que eles farão um belo trabalho com o eixo rígido. Já essa história do 4 cilindros, por mais que as legislações atuais forcem cada vez mais que os motores consumam menos e emitam menos carbono, um Mustang que não tenha um bom motor em V, para mim, não é um Mustang. Tomara que esse futuro não chegue para o Mustang e que ele continue sendo esse carro sem frescuras e apaixonante que ele é!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Enricof18,
      quatro cilindros nos pony-cars é mais ou menos certo, pelo que se lê por aí. Inclusive no Camaro.

      Excluir
    2. JJ, com certeza será o futuro dos pony-cars. Se não já nessa década, na próxima. Mas pra mim é triste ver carro desses com um motor que não seja um V6 ou V8.

      Excluir
  3. Direção CBN, comunica bem kkkk

    ResponderExcluir
  4. Não tem jeito, Juvenal: por mais superlativo que seja um Mustang de hoje, nenhum me é tão desejável quanto um conversível 1964, he, he! Não tem nenhum amigo com um, para fazer uma matéria?
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mr. Car,
      não sou tão bem relacionado entre os antigos, mas ficaremos de olho.

      Excluir
  5. Rafael Ribeiro10/08/13 14:18

    JJ,

    Nunca tinha reparado no balanço traseiro exagerado do Mustang, agora eu olho para a lateral do carro e só vejo isso... Mas nada que diminua nem um pouco minha admiração por esse carro.

    Quanto ao comentário sobre o pomo da alavanca, sempre me pergunto por que diabos fazem pomos em formatos horríveis! O pior que já experimentei recentemente foi o da Fiat Strada 2012. O melhor do Honda Fit de minha mulher,uma "bolinha de golf", perfeita.

    Por último, com um amigo desses, eu viajaria todo ano para os EUA, nem que tivesse que usar a mesma cueca o ano inteiro para economizar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael Ribeiro,
      eu gostaria de poder viajar ao exterior todo ano, várias vezes por ano, inclusive. Torça por mim que eu estou torcendo por você !
      Abraço.

      Excluir
  6. O melhor carro esporte americano e um dos melhores do mundo na minha opinião.
    Essa altura do carro nas fotos esta na regulagem mais baixa?
    A direção dos Ford são realmente muito bem acertadas assim como a suspensão. Mas em solo brasileiro pesa contra a durabilidade do conjunto. A firmeza da suspensão e ajuste da direção vivem sacrificando os extensores da barra estabilizadora do meu Focus; principalmente em curvas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A direção dos Ford realmente são muito boas. Desde os Del Rey e primeiros Fiesta sinto isso. Meu Focus atual é irrepreensível nesse quesito, mas apresenta barulho ao fazer curvas em piso irregular. Pode ser mesmo os extensores, as populares "bieletas".

      A concessionária disse que não tinha problema de segurança e queria que eu deixasse lá para eles avaliarem melhor. Como eles não conseguiram nem arriscar um palpite, qualquer dia passo num especialista em suspensão e resolvo. Já soube de casos que eles trocaram até a caixa de direção e o barulho continuou...

      Excluir
    2. Sempre elas Mineirim! nas curvas fica mais audivel e da pra sentir no volante as bieletas batendo. Ja vem do Escort zetec essa pane.

      Excluir
    3. Mineirim,
      nosso amigo MAO teve um problema com caixa de direção ruidosa em seu Focus 2009, novinho. Foi trocada em garantia na época.

      Excluir
    4. Thiago,
      a altura não pode ser alterada, apenas a carga dos amortecedores. O carro é baixo assim mesmo.

      Excluir
  7. MARAVILHOSO para se ler após o almoço de sábado.


    Algumas considerações.

    Três ótimos posts em uma mesma semana, não que os outros, inclusive sobre chineses sejam ruins, longe disso, mas nessa semana tivemos tivemos Megane (sem acento) RS e dois posts "americanos" de tirar o fôlego, e veja que sou um apaixonado pela "escola germânica" (M, Schnitzer, AMG, Oettinger, ABT, Brabus, Alpina, G-Power, OPC).


    Obrigado por dividir conosco a parte automobilística de sua viagem à "américa".


    O que mas gostei nesses posts foi a menção ao PEDAL DE EMBREAGEM e à alavanca de câmbio em H, algo, embora nunca tenha ido in the coutry the Uncle Sam, acredito que não seja muito comum por aquelas bandas.

    Sobre a parte em que menciona que o seu amigo Fábio recebeu livro, DVD, livro assinado por executivo da "montadora", chaveiro com o número do motor e a "certidão de nascimento" do brinquedo achei DEMAAAAAAIS e vi o quanto o consumidor é tratado de forma diferente aqui (o que foi muito bem retratado em um post de sua autoria sobre as locadoras aqui e em países civilizados) a respeito no país que é citado na música do Jorge Benjor, contestada pelo Bob.

    Um último ponto, a cor dos carros mostrados nos três posts dessa semana aqui no AE ~são todas cores MICADAS na visão daqueles que usam carros apenas como um objeto que os leva do ponto "A" ao ponto "B", mas que enchem os nosso olhos.

    O AE está ótimo, antigos, modernos, carros do dia a dia, causos do Bob e do AK, Automobilismo, história das marcas e modelos, segurança no trânsito e relatos de viagens.

    Espero ainda por um relato, dos editores ou de colegas leitores/comentaristas a sobre uma experiência vivida em Nürburgring, de preferência com umas fotos da Sabine Schmitz, pois spu um Zé gasolina.

    Michael Schumacher

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Michael Schumacher,
      o propósito do AE é mesmo a variedade.
      Nada adianta sonhar alto se não nos sintonizarmos com a realidade, não é mesmo ?

      Excluir
  8. O design dos anos 70, tanto para os carros, quanto para a moda, e também para outros objetos, apesar de realmente não ter sido dos mais felizes, primou pela diversidade. Após uma década de 1960 cheia de inconformismos - foi a década das revoluções, dos golpes de estado, dos ativismos sociais - veio uma década de 70 que buscava a liberdade de estilos, a diversidade de crenças. Foi a época das subculturas: a época dos punks, dos hippies, dos glitters. Note que o Mustang da foto, de meados ou fins da década de 70, mistura um pouco de tudo: teto de vinil com rodas raiadas, frisos cromados com banda branca, pintura "agressiva" preta mesclada com a calma pintura bege. Era o auge da exclusividade.
    No campo da moda, tudo era permitido: quanto menos tradicional, melhor. Era uma busca explícita pela consolidação das desigualdades. Eram os primórdios do "eu", pelo individualismo que impera até hoje.

    ResponderExcluir
  9. Ak seus textos me deixa arrepiado! Obrigado por compartilhar com nós suas experiências.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Speed boy,
      o texto desse post é do JJ. O do AK é o que está linkado, com o filme.

      Excluir
  10. JJ, foi seguindo as dicas do blog que aluguei um Mustang conversível nos EUA, 3,7 l V6 mesmo, que muito me agradou. Porém uma mensagem sob o capô me chamou a atenção: "not for sale in states with California emissions stardards". Tirei até foto, que posso enviar.
    Fiquei curioso. Sabe o que se sucede com a confusa legislação americana?

    P.S.: apesar do meu comentário em seu último post, confesso que não tiro da cabeça a ideia de fazer como seu amigo Fabio: rumar pra lá e conseguir comprar bons carros a preços decentes, dentre outros motivos. Qual foi a estratégia dele?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gustavo,
      meu amigo está nos EUA a trabalho, tendo sido transferido. Coisas boas de se trabalhar para multinacionais.

      Excluir
  11. Depois das belas experiências com a Tahoe, o asfalto estadunidiense e o Challenger 1970, não tinha como ficar melhor. O JJ se superou. O relato do BOSS foi tão inspirador quanto o do Dodge.
    Concordo que o Mustang é o pony (muscle) car mais agressivo da atualidade, só perdendo em praticidade para o Challenger atual. Mas o Boss é a cereja do bolo dos Mustangs. Não é tão bruto quanto o Shelby, mas tem uma refinamento dinâmico que encosta na de uma bimmer M3, que é um padrão para mim.

    Excelente matéria, mais uma vez parabéns JJ. Obrigado por apresentar o Mustang Boss nos mínimos detalhes. Se um Mustang normal já dá água na boca, imagina esse. Se pudesse ter somente UM muscle car, escolheria o Boss. V8 de 450cv e um câmbio manual de pomo bola de bilhar estão mais que perfeitos! Branca inveja dos sortudos donos dessas máquinas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KzR,
      grato pelas palavras de elogio, e você entendeu perfeitamente o Boss. Muitas melhorias em relação ao GT, sem a estupidez dos Shelby. Um conjunto balanceado, mostrando que na prática, o meio termo é sempre a melhor opção.

      Excluir
  12. Lorenzo Frigerio10/08/13 18:38

    O grande mérito da Ford em relação aos outros fabricantes americanos foi não ter medo de fazer motores V8 com comando no cabeçote em toda linha. Só lamento mesmo que a Ford nunca deixa de ser a Ford... esse negócio de eixo traseiro rígido já era coisa de museu mo século passado. É só o que falta enterrar para libertar de vez esse Mustang... imaginem só um belo sistema traseiro como o do Camaro. M3 que se cuide.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. acho que no mustang essa mecanica chegou num ajuste fino. Conjunto robusto. Pra acelerar em qualquer asfalto. Especialmente os de autodromo bem abrasivos.

      Excluir
    2. Lorenzo,
      não se sente estar em um carro com eixo traseiro rígido, pode ter certeza.

      Excluir
    3. Lorenzo,

      Mustang sem eixo rígido, não é Mustang! Você pode buscar informação em qualquer revista especializada que já tenha testado essa atual geração do Mustang e não encontrará nenhum comentário negativo sobre existência do eixo traseiro rígido. Aliás, todos se surpreendem com o refinamento do funcionamento desse eixo no Mustang. É CLARO que uma suspensão independente na traseira seria melhor. Mas a questão não é essa. Ver a Ford ano após ano melhorando ainda mais o funcionamento do eixo rígido no Mustang é lindo, de encher os olhos!

      Excluir
  13. ola JJ mais um post premiado pra fechar a semana,esses carros do seu amigo Fabio são demais e acabei vendo no best cars outros carros dele como corsa e porsche ! Cara esse carros são um tapa na cara dos tupiniquins aqui não ha sequer um esportivo de verdade como os americanos,fico imaginando um carro desses com a gasolina 100% que você mencionou no ultimo post,e mais uma vez repito esse seu amigo Fabio e um afortunado por poder levar a vida que leva e ter os carros que tem aposto que cada leitor do blog fique imaginando como deve ser bom um lugar onde se anda de v8,gasolina pura,boas estradas etc. Parabéns pela matéria sensacional ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fabiano Araújo,
      obrigado pelo elogio.

      Excluir
  14. O Mustang tem admiradores não só nos EUA, como em todo o mundo. Mesmo lá na "América", em que o carro foi produzido e logo existe aos montes, existe um verdadeiro culto ao carro. O modelo de 1ª geração (1964-1967 antes da mudança) é o carro mais restaurado da terra do Tio Sam, tanto que uma empresa de lá comprou o projeto e produz carrocerias com toda a originalidade para o proprietário "montar" o seu Mustang modelo 64, com uma carroceria novinha com manufatura e aço atual (http://www.dynacornclassicbodies.com/ford_models2.html). Dos Pony atuais, é na minha opinião o mais belo e mais forte. Uma pena a Ford brasileira não importar oficialmente o brinquedo, que com certeza iria perfumar as nossas ruas com cheio de gasolina e pneus queimados e nos brindar com sua bela aparência. Para mim, existe um divisor de águas entre "Ford" e "Ford Brasil". Seus produtos eram sem graça e ultrapassados por aqui durante muito tempo (principalmente nos anos 80 e 90), e a fizeram amargar a lanterna de vendas do "big four" nacional por anos. Hoje, lendo sobre Ford's americanos e europeus, vejo o quanto a marca do oval azul é competente com seus produtos, e inclusive, seu porrifólio atual enche meus olhos com o New Fiesta, Focus e Fusion. Quem sabe agora, meu próximo carro não pode ser um Ford? Parabéns pelo blog, e parabéns pela viagem e pelo texto JJ. Tahoe, Challenger 70 e Mustang Boss, experiências únicas em uma só viajem!!

    Daniel Libardi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel VanKindeser,
      grato pelo elogio, e eu também não entendo a falta de importação oficial do Mustang aqui no Brasil.
      É impressionante mesmo.

      Excluir
    2. Corsário Viajante12/08/13 12:59

      Reza a lenda que a Mustang ia credenciar a ForesTrade de SP para ser importadora oficial e vender o Mustang como marca própria, com lojas independentes. Pleo jeito a idéia morreu no papel e nunca mais soube de nada.

      Excluir
    3. A Bolívia recebe a importação oficial do Mustang e aqui nada. O mercado brasileiro é muito maior que o boliviano e eles receberem o Mustang e a gente não, é algo que alguém poderia passar o dia todo tentando me explicar e eu não conseguiria entender.

      O mesmo serve para a F150, não só a Raptor, mas toda a família. Seria sucesso com certeza!

      Excluir
    4. Deixe assim, que a ford não traga o mustang pro Brasil, senão vai virar carro de pagodeiro e cantor sertanejo, igual o camaro. Mustangs continuaram como sempre exclusivos.
      Abs

      Excluir
  15. Simplesmente virei fã desse Boss 302 desde o primeiro dia que o vi. Um carro esporte honestíssimo, a um custo bem acessível (nos EUA, claro...), capaz de andar forte quando necessário ou te levar ao trabalho numa boa, como se fosse um mundano carro comum. E a Dona Ford brasileira dormindo a sono solto, nem pensa em trazer o Mustang oficialmente para o Brasil...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Road Runner,
      quem sabe alguém na Ford Brasil leia esse post e que ele sirva de inspiração.
      Estou torcendo com força !

      Excluir
    2. JJ, tem um boato que a Ford poderia trazer tanto o Mustang quanto o Focus RS para o Brasil em 2015.

      Excluir
  16. Incrível "JeyJey", incrível!

    Prestando atenção na exigência relativa ao lubrificante para o motor - aviso na tampa para abastecimento do mesmo - deve ser o melhor óleo disponível para automóvel de passeio na Ford/Motorcraft - passeio!? É UM BOSS! Acho que em exigência de multiviscosidade, existem poucos melhores do que este, talvez o 0-50W estando no topo da lista - parece ser específico para competição.

    Fiquei tão AUTOentusiasmado que resolvi brincar um pouco no website de personalização da Ford, já que eu não tenho como acelerar um - ou sequer ter a lembrança de tê-lo feito (#mimimi).

    Não mudei o capô, já que este é o padrão do modelo Shelby GT 500, e deve ter um estudo para que o fluxo de ar seja otimizado tendo o extrator de ar naquele local, e não como no local do modelo BOSS 302. Coloquei também algumas entradas/saídas de ar "falsas" no acabamento, mas que são somente coladas, então podem sem retiradas posteriormente sem dano (para quem tiver a sorte de poder comprar!) - vai talvez amenizar a estranheza das laterais e janelas posteriores.

    Talvez esteja um pouco "poluído" o visual. Tentei fazer o máximo de pontos no personalizador - não foi nada aleatório, tentei caprichar.

    Segue o link para a galeria com imagens do bólido:
    Mustang Shelby GT 500 (All Factory/Concept Accessories - 1,045Pts)
    http://imgur.com/a/6qk70#0

    E para quem desejar um algo mais sobre o Mustang Shelby GT 500):

    Comparison:Comparison: 2012 Chevrolet Camaro ZL1 vs. 2013 Ford Shelby GT500

    http://www.motortrend.com/roadtests/coupes/1206_2012_chevrolet_camaro_zl1_vs_2013_shelby_gt500/viewall.html

    Ford Shelby GT500 vs Chevrolet Camaro ZL1! - MotorTrend Head 2 Head Episode
    http://www.youtube.com/watch?v=FF-db7bX9LI

    2013 Ford Shelby GT500 Chases 200 MPH! - MotorTrend Ignition Episode 18
    http://www.youtube.com/watch?v=NRuE38Bl5Mo

    Obrigado Juvenal.

    Abraços à todos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara: gosto é gosto mas as rodas vermelhas que vc colocou na sua personalização ficaram um escândalo, hein? Vc chamaria mais atenção que um trio elétrico a todo volume aí na paulista!!!!

      Excluir


  17. Juvenal Jorge,

    Ontem quando entrei no blog e vi esse belo carro, rapidamente eu olhei as fotos e exclamei um palavrão, algo que não tenho o hábito de fazer, mas que não pude me conter.

    Também senti algo ruim dentro de mim, talvez inveja, não sei ao certo, de quem tem uma maravilha dessas.

    Deixei para ler hoje depois do almoço e o fiz demoradamente, desfrutando ao máximo, linha após linha.

    Já tive a oportunidade de ver e ouvir um Mustang V8 na estrada. Não era um Boss, mas mesmo assim foi muito emocionante. Mesmo depois de um ano desse encontro, ainda lembro perfeitamente o seu ronco gostoso e inconfundível.

    Infelizmente não é um carro para qualquer mortal e acredito que nunca terei o prazer de possuir um, mas a partir de hoje, ele é o meu eleito.

    Quem sabe um dia...





    ResponderExcluir
  18. Lorenzo Frigerio11/08/13 21:14

    Se tem uma coisa que a Ford sabe fazer, é RONCO de motor V8. Qualquer motor "flathead", inclusive o Aquilon, já dá show!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lorenzo,
      a Ford sabe fazer carros magníficos, não apenas motores e escapamentos. O desse post é um deles, sem contar aquele que venceu LeMans 4 vezes em seguida.

      Excluir
  19. JJ, se não for muito abuso, gostaria que você esclarecesse a minha ignorância:
    - manter um carro desses nos EUA custa caro, em termos de impostos?
    - o americano paga estacionamento em shoppings?
    - as vagas de estacionamento são proporcionais ao tamanho dos carros?
    - a malha viária nas cidades é adequada, pelo menos nos lugares normais (Manhattan a parte)?

    ResponderExcluir
  20. Anônimo,
    nada de abuso. Bom para eu pesquisar mais.

    O Boss, com valor zero km de US$ 43.000, paga esse ano US$ 702,60 de imposto anual. Menos de 2%.
    Esse imposto também varia por estado, como aqui no Brasil.
    Estacionamento em Shoppings só em cidades com muitos carros e muita gente. Mas em áreas onde há muitos turistas, nunca vi. Há estacionamentos públicos em centros de cidade, edifícios garagem, que podem ou não serem pagos, dependendo do dia e horário. En Savannah, na Georgia, parei na hora do almoço, andei pelo centro histórico e voltei para pegar o carro depois de umas 3 horas. Dia de semana. Valor pago: dois dólares.
    Vagas são via de regra enormes, para carros grandes. Mas já via algumas mais apertadas um pouco, mas nada parecido com o absurdo brasileiro
    Malha viária é ótima, muito dificil encontrar algum lugar abandonado, mal cuidado ou feito ás pressas.

    Em resumo, tudo é mais fácil por lá.

    Se interessar, procure pelo Google os sites dos DMV (Department of Motor Vehicles) de cada estado para ver algumas regras, valores de taxas, etc. Na California, por exemplo, renovar a licença anual é grátis pelo site.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ótima matéria Juvenal, como sempre! E os USA é isto mesmo que vc falou. Os caras fazem um shopping e colocam 1 zilhão de vagas grátis. E se ficar apertado, fazem outro "shop" 10 km a frente e colocam mais um zilhão e pronto que ninguém lá está ligando a mínima para gasolina ou distância. Carro pequeno lá é V6 e quatro cilindros é minoria. País rico, civilizado, ótima malha, asfalto liso, sem radar na rua, pode-se tudo! Não fossem os compromissos ( sempre eles!!!) já teria me mudado para lá, comprado uma casa de 400 m2 com o preço de um apto de 100 m2 aqui no Rio, "cidade maravilhosa" e colocaria uns 10 carros na garagem pelo preço de uns dois dos cinco que tenho aqui!

      Excluir
  21. Velho rabujento12/08/13 20:06

    Andei muito perto de comprar essa fera! Só três míseros numeros me impediram de ir correndo buscar o meu; uma hora dessas dá certo, chuto o pau da barraca, a barraca, o cachorro e as canelas de quem estiver perto, monto num cavalo desses e vou voar pelas estradas, dormir nos puteiros, ser alegre, louco e moleque e pode ser que assim ainda tenha tempo de salvar minha alma, presa nessa vidinha insossa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem diversão mais barata, meu caro!

      Excluir
    2. Velho rabugento,
      estou rolando de rir aqui com sua poesia !

      Excluir
    3. O rabo balança o cachorro18/08/13 09:39

      Boa rabugento!! Tamos mesmo precisando fazer isto! E danem-se as chatas das nossas mulheres que elas jamais deixam de ir a salão e nunca param de reclamar da gente!

      Excluir
  22. Belíssimo post. É de deixar qualquer entusiasta com água na boca.

    Curiosidade: É bem estranho a Ford, que vem adotando óleos viscosos com água (esses 5w20 presente em praticamente todos os modelos, inclusive o Mustang 5.0 convencional) usar 5w50 no Boss.

    Ou seja, carro pensando para andar de pé embaixo MESMO.

    ResponderExcluir
  23. Gostei muito de ler o seu post, a descrição que você fez do carro é perfeita! Mas, se você me permitir, vou acrescentar alguma informações. O comprador recebe pelo correio um kit chamado BOSS OWNER'S KIT onde está o chaveiro, o DVD, o livro, alguns posters e o convite para o BTA (Boss Track Attack) que é um treinamento realizado no Miller Motorsports Park em Salt Lake City - Utah. Existe um acessório que se compra depois de retirar o carro da concessionária chamado TRACKEY, é um software que se instala no carro (de série no Laguna Seca) que altera mais de 200 parâmetros eletrônicos do motor. O carro literalmente vira outro!!! Se o seu amigo não tem esse acessório instalado fale para ele comprar, tem o sugestivo preço de US$302,00.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,
      boa informações, obrigado. Já informei o Fábio do TRACKEY.

      Excluir
    2. Mais alguns detalhes para quem estiver curioso sobre o assunto:

      BOSS 302 TracKey

      http://fordracingparts.com/trackey/

      -

      FORD TracKey NOW AVAILABLE FOR BOSS 302 AND LAGUNA SECA OWNERS

      Ford announces at SEMA the highly-anticipated TracKey goes on sale Nov. 1, 2011.

      TracKey, available for 2012 - 2013 Mustang Boss 302 and Laguna Seca owners through Ford and Lincoln dealers, adds powertrain control software to the car for track use, providing full race calibration and launch control in addition to the stock calibration, without compromising factory warranty.

      TracKey aftermarket calibration is 50-state emissions legal.
      The industry-first TracKey software is installed after the vehicle is purchased; accessed by a specially programmed vehicle key, new code coexists with stock Boss software, allowing drivers to choose between street or track use simply by selecting a key.

      No permanent modifications are made when TracKey is used, allowing owners to return to the stock setting by starting the car with a regular key.


      -

      Alguns vídeos além dos oferecidos no website da Ford Racing:

      2013 Mustang BOSS 302 TracKey Lopey Idle (By Larry Williams on YouTube)

      Boss 302 Trackey Launch Control (By Larry Williams on YouTube)

      Excluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.