MODA ESTRANHA

Foto: Eurico Neves Júnior


O leitor Eurico Neves Júnior nos escreveu outro dia dizendo que vem notando um estranho fenômeno comportamental: pessoas andando na rua em vez de usarem a calçada, como na foto tirada por ele, ao dirigir, para ilustrar o que disse. Pior, quase sempre de costas para o tráfego. Esquisito mesmo.

Não se trata de grandes aglomerações tipo dia de jogo ou de show, em que há grande afluxo de pessoas a estádios ou locais desse eventos. Não, é em situações de absoluta normalidade, como na foto acima.

Na maioria das vezes as calçadas são largas e em bom estado, livres e desimpedidas de vendedores ambulantes (um abuso que considero inadmissível, fazer as pessoas irem para a rua enquanto armam seus "pontos de venda").

Depois que ele falou comecei a prestar atençào e tenho visto um pouco disso também. Por que será? O pior, contou o leitor, é que quando ele dá a buzinada breve para só para alertar, na maioria de vezes ouve palavrões ou vê gestos obscenos. Ou seja, o ato de caminhar na rua é consciente, não uma distração.

Ele já passou por alguns sustos, conta. Há de tudo andando no leito carroçável, crianças, idosos, mães com filhos pequenos. Ele mora no bairro do Ipiranga e trabalha na Vila Carioca, em São Paulo, e até em ruas de maior movimento, como a Silva Bueno, isso vem ocorrendo. O pior é que não andam junto à guia da calçada, mas bem afastados, praticamente na faixa de rolamento.

É mesmo intrigante que isso esteja acontecendo e nos põe a pensar, será isso indício de quê? Revolta social? Uma forma de anarquismo? Raiva do automóvel ou de quem tem automóvel?

A maioria de nós foi ensinada, desde crianças, a usar a calçada, a não ir para a rua. Inclusive, temos extremo cuidado ao pôr o pé na rua, mas parece que essa instrução básica é do passado, pelo que o leitor relata.

Não faltava mesmo mais nada nesse nosso trânsito complicado das capitais e das cidades grandes brasileiras.

BS

65 comentários :

  1. Creio que seja o risco de assalto.

    ResponderExcluir
  2. Realmente é intrigante.

    Na rua em que minha avó mora, em Jacarepaguá, as pessoas ficam revoltadas quando passa um carro e a criançada tem que interromper o futebol.. Incrível!

    ResponderExcluir
  3. estamos nos transformando numa grande calcuta.pena que sem a filosofia deles...

    ResponderExcluir
  4. Isso aki em Gyn é tão normal...

    Pode apostar q são pessoas nascidas no interior.

    ResponderExcluir
  5. Na verdade se parar para pensar, muitas vezes a calçada se encontra em uma situação deplorável cheia de buracos, e não raramente mesmo quando estão em bom estado estão cheia irregularidades como rampas de garagem, pequenos "degraus" as calçadas não são "lisas" comos as ruas. Não que isso justifique andar na rua, mas enche o saco do pedestre as vezes. Mas como eu disse não justifica, fora o fato de ser irresponsável e perigoso andar no meio da rua.

    ResponderExcluir
  6. Explicação com base na "fun theory" :
    Pessoas gostam de fazer com prazer e com grande interesse e produtividade aquilo que lhes é divertido. E quando algo é divertido, há um empenho maior de cada um.

    Pois bem, calçadas atualmente, diferentemente de alguns decênios, apresentam desnivelamentos : rampas para automóveis, cadeirantes, desníveis variados como raiz de árvore por sob a calçada, desníveis por mudança de pavimento diferenciado, etc.

    O ser humano é cômodo por natureza (fun theory). Como a calçada costuma não apresentar linearidade, e a rua sim, andam na rua.

    Pelo menos, vejo como parte da explicação.

    ResponderExcluir
  7. Gabriel
    Realmente, existem muitas calçadas em estado deplorável. Aqui na minha cidade há muitos locais que nem calçada possuem, daí espera-se bom senso do motorista de dirigir devagar, desviar ou mesmo esperar o pedestre passar.
    Nícolas
    Percebo um clima de animosidade em relação a atrapalhar o futebol das crianças, principalmente nos bairros "barra pesada". Por sinal é comum também os manos "medirem força" com os motoristas andando em grupo, lado a lado, quase fechando as ruas. Os idiotas não percebem que se vem um motorista distraído ou um motorista revoltado, cansado de manos e de bandidos, passa por cima e eles irão pra vala mais cedo, por besteira.

    ResponderExcluir
  8. Podem me chamar do que quiserem, mas o trânsito brasileiro virou uma luta de classes.
    ____

    Em Blumenau-SC, onde moro, as pessoas andam no meio da "estrada" (que é como chamam a rua) porque não tem calçada mesmo.

    ResponderExcluir
  9. jackie chan05/06/11 10:24

    Como disseram, as calçadas são geralmente muito mais íngremes que as faixas de rolamento. E ainda tem o risco de pisar em cocô de cachorro, ou de bater a cabeça em suportes de lixo mal colocados. E tem gente que acha que calçada é jardim, plantando faixas de grama, piorando o tráfego de pessoas. É uma série de pequenos fatores aparentemente insignificantes que somados, colocam as pessoas nessa espiral de anarquia e deseducação. Mas sempre é mais fácil generalizar e culpar alguém e boa (o governo, as pessoas que vêm do interior, grupos da sociedade, etc.), do que cada qual fazer a sua parte (manter sua calçada limpa e desobstruída, não permitir que seu animal de estimação fique espalhando sujeira, cobrar dos vereadores por melhorias, etc.), e segue a espiral..

    ResponderExcluir
  10. Leo Curitiba05/06/11 10:25

    Os ultimos três comentarios foram os que melhor justificaram este habito. Abraços

    ResponderExcluir
  11. Vocês já tentaram andar numa calçada hoje em dia? È uma gincana, buracos, depressões, batentes, carros estacionados etc. Toda hora você tem que desviar e ir para a rua, é um tal de ir para a rua e voltar para a calçada que a pessoa termina andando logo na rua.

    ResponderExcluir
  12. Já havia reparado nisso. E mais: Reparei que na Zona Leste de São Paulo todo mundo anda na rua. Como sou proveniente da Zona Sul e morei uma época na Zona Leste, reparei isso porque era o único Traseunte a andar pela calçada.
    Não sei porque isso e espero que alguém aqui saiba explicar o porquê.

    ResponderExcluir
  13. Caros, tenham certeza de uma coisa: se as calçadas estivessem bloqueadas ou em mau estado, nem escreveria ao Bob. Entenderia perfeitamente por que as pessoas andam pela via.

    No que presencio diariamente, é exatamente o contrário: são calçadas largas, planas e conservadas, como mostra a foto. Isso eu não consigo entender.

    ResponderExcluir
  14. moda do interior, lá em atibaia nós costumamos chamar isso de "pedestres pombas"!

    ResponderExcluir
  15. Em tempo: minha esposa também presencia esse fato diariamente pelas ruas do Itaim Bibi, outro bairro que dispõe de boas calçadas.

    ResponderExcluir
  16. O fato que eu havia relatado dos "manos" é atemporal, eles foram os precursores dessa moda.
    Eu havia dito sobre as condições das calçadas, mas concordo com o Bob e com o Eurico, na maioria das vezes as calçadas estão em ótimas condições e as pessoas vão quase pelo meio da rua. Inexplicável!

    ResponderExcluir
  17. Vai bem o Brasil..Já não bastam as motor malucas ,os motoristas desvairados ,os onibus e caminhões em situação deploravel,agora temos que desviar de pedestres que não andam nas calçadas...

    ResponderExcluir
  18. Há pelo menos dois fatores relevantes para esse comportamento das pessoas. Sim refiro-me a pessoas e não a pedestres pois ninguém é pedestre ou é motorista e sim está pedestre ou está motorista.
    O primeiro é o péssimo estado das calçadas, por sinal, responsabilidade dos proprietários dos imóveis. Ainda ontem, em uma avenida arterial de São Paulo, tive que andar sobre a pista pois a calçada do posto era uma lama só e não havia nenhuma barreira de proteção para mim. Culpa do dono do posto, da empreiteira que realizava a obra no posto e da autoridade municipal de trânsito que não intercedeu.
    O segundo fator é a questão da falsa sensação de segurança contra assaltos que as pessoas sentem ao escolherem fugir das sombras das calçadas.
    Há, também o fator EDUCAÇÃO, onde nossa população continua extremamente carente.

    ResponderExcluir
  19. Acho que esse seja um dos maiores causadores de atropelamentos.

    Aqui na minha cidade (interior de SP), são abertas ou asfaltadas grandes ruas e avenidas (com verbas vindas de todas as esferas estatais) sem calçada(!!?). Depois que o povão acostuma a andar na rua, o que naturalmente aumenta o risco de atropelamento, aí os cabeças-de-bagre aparecem com lombadas, calçadas improvisadas com poste no meio do caminho, etc.

    Curioso é que nesses casos não se fala em multa e nenhum desses promotores desocupados que adoram embargar obra aparece para exigir nada.

    ResponderExcluir
  20. Eu acho ridículo quando vejo alguém caminhando no meio da rua.
    Mas, infelizmente, a rua onde moro, força as pessoas a fazer isso.
    Isso mesmo, força, pois ela tem pouco menos de um km de comprimento aproximadamente, e ainda por cima, há uma curva de uns 130º no meio dela, e é bem nesse trecho que as calçadas estão em pior estado.
    Se você chegar por qualquer uma das duas pontas da rua, você pode andar tranquilamente pela calçada, pois são amplas e bem conservadas pelos moradores. Mas se você chegar ao maldito trecho da curva, leva um susto.

    Primeiro, pois no lado interno da curva havia um terreno baldio, onde vários assaltantes se escondiam pacientemente no início da noite a espera das suas vítimas. E agora nesse terreno, há uma construção, com pedreiros absolutamente imbecis, pois o todo o entulho retirado dali, como árvores e pedras, eles largam todo esse tipo de lixo, ou de restos de material de construção na calçada, o que impede os pedestres de passarem por ali. Ou então passar por ali e ver eles provocando os adolescentes, ou então cantando funk para as garotas (novinha tu me seduz...).

    Ja a calçada externa a curva é muito íngreme, de comprimento ela deve ter aproximadamente 1m, e não há espaço para passar por ali. E ainda por cima é uma casa onde há cachorros. Não são agressivos, mas há pessoas que tem medo deles e por isso andam na rua.

    Mas o pior não é isso, o pior é que ja ouvi uma instrução vinda de uma vizinha, de nesse trecho, prestem atenção, "ANDAR BEM NO MEIO DA RUA", pois ai o carro vai te ver sempre e os cachorros não tem pegam (embora haja um portão separando os cachorros e os pedestres).

    Bom, o que eu faço: Ando sempre pelo lado externo o mais próximo da calçada o possível, para que os carros possam me ver e eu não atrapalhe a circulação deles, e volto para a calçada no trecho onde há condições de andar. O bom é que os motoristas que moram na rua conhecem as condições dela e são mais compreensivos. Pelo menos nem tudo está perdido ainda.

    ResponderExcluir
  21. Johnconnor (old rocker)05/06/11 12:14

    Aqui aonde moro isso de andar no meio da rua é bastante comum no horário de saida das escolas e facul´s,coisa de jovem.Agora quem mais eu vejo andando no meio da rua são mães ou casais jovens com carrinho de bebê.E esses sim posso dizer com certeza que fazem isso por causa das calçadas pois embora a maioria das calçadas sejam boas elas não têm continuidade.Na frente de uma casa são de um jeito,na frente de outra são de outro,tem as rampas de garagem que as vezes ficam em desnivel e pra finalizar os caras que deixam restos de material de construção na calçada ou plantas sem podar que atrapalham muito esse tipo de transito.Coisa de quinto mundo mesmo...

    ResponderExcluir
  22. Conclusão: a vida das pessoas não vale nada, segundo elas mesmas.

    ResponderExcluir
  23. "Na maioria das vezes as calçadas são largas e em bom estado, livres e desimpedidas de vendedores ambulantes".

    Aonde?

    Vá para as periferias ou bairros industriais, ou mesmo bairros com fortes aclives e tente andar na calçada? Visite São Bernardo do Campo ou Diadema por exemplo. Traga sua avó e faça um teste com ela... esqueça.

    Saia das cidades litorâneas ou do planalto, ou mesmo do quadrilátero do luxo em SP e veja uma outra realidade. Quem generaliza esse caso não anda a pé faz tempo...

    Trânsito para o pedestre está muito mais caótico do que para motoristas.

    - Osmar Fipi

    ResponderExcluir
  24. Alguém aqui já andou em na "maioria das calçadas" - que são ruins - em dia de chuva? E já notaram as mentes brilhantes que colocam pisos de cerâmica lisos na calçada pra ficar mais "bunita"?

    Então...

    ResponderExcluir
  25. Todos
    Concordo plenamente, é grande o número de calçadas irregulares, seja mau estado de conservação, seja de projeto, com inclinação lateral acima do limite ou, como disse o anônimo aí em cima, aplicação de cerâmica. Cabe apenas ressalver que o leitor Eurico nota o problema mesmo com calçadas boas e em bom estado.

    ResponderExcluir
  26. Creio que seja influência da cultura nordestina. Noto isto em Taboão da Serra, que tem mais de 70% da população oriunda do nordeste.

    ResponderExcluir
  27. Exatamente, Bob. Trabalho num bairro industrial onde 90% das calçadas são largas, planas e estão em bom estado. Há muita calçada precária em SP, mas esse definitivamente não é o caso na Vila Carioca.

    ResponderExcluir
  28. Em tempo: basta ampliar a foto e analisá-la por uns segundos, para entender a questão. Simples assim.

    ResponderExcluir
  29. Bob, as causas desse problema são as mais variadas e ocorrem individualmente ou associadas.
    Posso citar algumas:
    -calçadas fora de padrão;
    -desconhecimento dos deveres ao contrário dos direitos sempre muito divulgados;
    -luta de classes no trânsito incutida por esquerdóides, pois quem tem carro é culpado por ter um padrão de vida melhor e assim o outro se vinga dessa forma;
    -vilanização do automóvel que explica a hostilidade de certos pedestres apesar de estarem errados, é o pedestre indo à luta por seu espaço;
    -a lei não servir para todos, o motorista é sempre o algoz e o pedestre, a vítima.

    ResponderExcluir
  30. Calçadas esburacadas, desniveladas, escorregadias e cheias de sujeira de cachorro estimulam a andar pela rua.

    No meu bairro, os donos porcos levam seus cachorros para passear, fazem sujeira na calçada. Aí, quando está escuro, o coitado do cidadão vai andar pela calçada, é quase certo que irá pisar na m..!

    Marco

    ResponderExcluir
  31. Olha, se tal pedestre for mal intencionado, andando de propósito para atrapalhar, pode me chamar de qualquer coisa e me desculpem, mas eu não desvio!

    ResponderExcluir
  32. Aqui no interior sempre a rua = calçada e os carros que parem, especialmente em bairros fora do centro, no centro da cidade o pessoal se arrisca menos.

    []s

    ResponderExcluir
  33. Questão de educação.

    As pessoas estão cada vez mais egoístas e isso é um dos sintomas, que se transforma numa "corrente do mal" e que deixa nosso trânsito ainda pior.

    ResponderExcluir
  34. Bera Silva05/06/11 14:48

    Desculpem desviar do assunto, mas após essa campanha de atravessar na faixa feita na cidade de S. Paulo, e seguida pela cidade de Santos (onde moro), por duas vezes ví pessoas atravessando na faixa com o semáforo verde aos carros. Pessoas atravessaram a rua na faixa com o semáforo aberto ao veículos, porém de maneira tranqüila, diria até desdenhosa.
    Alguém já verificou isso em outros locais?

    ResponderExcluir
  35. Aqui no meu bairro, é normal andarmos nas ruas, já que são pouco movimentadas.
    Mas o que faz os pedestres andarem nas ruas, são os obstáculos encontrados nas calçadas.

    Nossas calçadas não tem um padrão. Uma tem graminha, outra tem pequenas valetas, você fica preocupado em não tomar um tombo.

    Se fossem padronizadas por lei, sendo todas de concreto liso e sem enfeites e obstáculos ao pedestre, seria muito mais seguro andar nas calçadas.

    ResponderExcluir
  36. Não sou nordestino, não sou mal educado, nem tenho raiva dos carros ou de seus donos.... Ando na rua sim, porém, para fugir de pedintes, de assaltos, de esbarrões e de gente que, a exemplo do que acontece com os carros, andam na calçada como se estivessem passeando num bosque... desatentos, à toa... Assim como acontece com os carros, há quem anda e pára em no mieo da calçada, há quem sai de um prédio/comércio ou casa e não olha quem já está na calçada, há quem faz da calçada a extensão da própria casa (tem gente que dorme na transversal!!!), há quem usa a calçada para vender seus cacarecos quase sempre fruto do descaminho, enfim.... faz tempo que a calçada é uma terra de ninguém, onde não existe nem padrão (como alguns citaram), nem educação. Portanto, evidentemente que, com as devidas cautelas, às vezes me arrisco margear as calçadas. Abraços.

    ResponderExcluir
  37. A situação das calçadas ajuda mas não é determinante para este tipo de comportamento. Na grande maioria é gente que não tem carro, mal educada e que não está nem aí para o risco que está correndo. Depois o cara atropela uma anta destas e ainda vai se incomodar um monte.

    ResponderExcluir
  38. Aqui no DF também é comum ver gente andando na rua, com calçada livre ou não (muitas ruas como as do meu bairro sequer as possui).

    Onde morava antes sempre tinha uns espíritos de porco que paravam os carros em cima da calçada, ao lado de uma poça d'água gigantesca. Cansei de falar com patrulhas nas redondezas para tomar uma providência e nunca sequer visitaram o local. A solução era dar um chute bem dado na porta dos imbecis.

    ResponderExcluir
  39. Ridículo supor que as pessoas tenham raiva do automóvel. É o automóvel que tem raiva delas. Simplesmente nao há espaço e segurança nas calcadas, as pessoas se arriscam dividindo espaço com os veículos. Quanta bobagem supor que este comportamento se deve ao fato de serem imigrantes, interioranos. Sera possível que 99% dos palpiteiros nao enxergam a crueldade que é ser pedestre hoje em dia? O automóvel nao deveria ser o centro do mundo.
    Roberto Tagliente

    ResponderExcluir
  40. Não sei como é na cidade dos que falam que as calçadas estão sempre obstruídas, mas não vejo isto na minha cidade.

    Carro na calçada merece um risco de ponta a ponta.

    ResponderExcluir
  41. Acho que as prefeituras deveriam padronizar as calçadas, apesar de algumas pessoas já terem o hábito de andar na rua.
    Aqui perto de casa tem um cidadão que faz da calçada a casa dele: planta arbustos e árvores grandes (como uma mangueira e um coqueiro), deposita carros sucateados e madeiras, estaciona um caminhão Mercedes 608, constrói canteiros com gramíneas e mantém a maior parte da calçada sem a devida pavimentação, formando muita lama após as chuvas. Nesse trecho os pedestres são obrigados a andar pela rua e, pior, nas mediações de onde fica o caminhão, o trânsito das pessoas tem que se dar quase no meio da faixa de rolamento, devido à largura do veículo parado com duas rodas sobre a calçada. Já foram feitas reclamações com a prefeitura e nenhuma providência foi tomada...
    Não faz muito tempo, era transmitido um comercial televisivo de uma operadora de telefonia onde os carros andavam sobre as calçadas e as pessoas caminhavam na pista. Acho que não estamos distantes de ver isso acontecer...

    ResponderExcluir
  42. Acho que é uma conjunção de fatores, dentre eles cães mal presos dentro dos portões das casas, calçadas em péssimo estado de conservação ou muito estreitas, e até mesmo a "folga" natural de uma parcela coniderável da população...

    ResponderExcluir
  43. É tão obvio:
    Calçadas estreitas, casas com cachorros violentos, buracos na caçadas e grandes desníveis...
    O pior é que o mal estado de conservação das calçadas coloca em um risco inevitável seres mais sensíveis. Já pensaram como uma mãe transitará com um bebê em um carrinho em uma calçada nesse estado?

    ResponderExcluir
  44. Daí esta mãe vai para a via com o carrinho...sofre um acidente...e o motorista malvado é o culpado. Querem justificar um erro com argumentos fracos.

    ResponderExcluir
  45. Os cachorros violentos estão presos. Caminho por calçadas há 36 anos e nunca tive problema algum com cachorro preso.

    ResponderExcluir
  46. Amigos,

    Isso aí é algo que não consegue entrar na minha cabeça. Por pior que seja uma calçada ela é mais segura que andar na rua. Quando a calçada é boa e as pessoas andam na rua é por pura burrice mesmo.

    Sempre que possível faço questão de dar um corretivo nesses pedestres, pelo próprio bem deles. Uma redução de marcha, o urro crescente do V6 e uma leve apontada em direção ao pedestre, com distância totalmente segura, faz com que 100% pulem de volta para a calçada e voltem a andar como pessoas civilizadas.

    ResponderExcluir
  47. Comentei sobre esse costume com minha esposa dias atrás. O número de pessoas andando na rua aumentou tanto aqui em Recife que começou a me atrapalhar no trânsito. Pelo jeito não é só por aqui. Deve ser um fenômeno psíquico coletivo.

    ResponderExcluir
  48. Este "fenômeno" não é novo ... em Santo André, principalmente nos bairros, a população anda pela rua, ao invés da calçada ... eu até brinco com meus filhos e minha esposa, que o dia que eu for Governador do Estado, eu elimino as calçadas, já que não são usadas mesmo ... o mesmo fenômeno ocorre com as passarelas das estradas ... quando não tem, a população reclama .. e quando tem, a população não usa, preferindo arriscar a vida atravessando a estrada em nível ...

    Geraldo

    ResponderExcluir
  49. O outro lá joga o carro em cima dos pedestres pra dar um "corretivo", lógico, com todos os movimentos friamente calculados...

    Cada uma. Comportamento de animal...

    ResponderExcluir
  50. Na lista de uma hipotética (e jocosa) coisas que os "pobres fazem"; andar na rua é um dos itens principais.

    Uma brincadeira é claro (ouvi em uma FM); mas gerou um pequeno debate na redação do programa, pois segundo alguns, onde o pobre caminha mais pontualmente, não existem calçadas adequadas e ele migra esse tipo de comportamento para qualquer via urbana.

    Certo ou não, é um vício terrível!

    Mister Fórmula Finesse

    ResponderExcluir
  51. neste assunto só me lembro de um comentário de um colega meu da Faculdade, quando voltávamos da aula, de que outro lugar onde ele tinha visto o povo andar na rua era na África, onde ele morou ( o pai dele era Geólogo ) durante vários anos.

    Ou seja, tirando o óbvio, dos obstáculos nas calçadas é uma questão clara de educação e consciência dos deveres do cidadão.

    Nem preciso comentar o que acho de pessoas que cospem e escarram no chão...

    Xracer (Palmas-TO)

    ResponderExcluir
  52. No Brasil, o leito carroçavel é de responsabilidade do poder público, ao passo que a pavimentação das calçadas fica por conta de cada proprietário de lote adjunto, exceto nas praças e outros equipamentos públicos.

    Ocorre que cada uma faz a calçada do jeito que quer, ou sem jeito, ou sem pavimentação mesmo. Não existe um padrão e se ele existe, não é fiscalizado.

    Mesmo em bairros considerados nobres, é difícil caminhar por calçadas pois muitas vezes elas são "apropriadas" pelas casas. Certos paisagistas sãoperitos em fazer parecer que uma calçada faz parte do jardim de uma mansão, por exemplo.

    Vide também aqueles muros altos com aquelas "coroas de Cristo" plantadas na base, que avançam sobre o passeio.

    Então, mesmo em bairros de gente rica, você avista senhores fazendo caminhadas quase no meio da rua.

    Penso que as pessoas que estão caminhando no meio da rua estão, inconscientemente, tentando retomar um espaço que antes era dos pedestres. Temos que reconhecer que os carros são grandes ladrões de áreas públicas nas cidades.

    ResponderExcluir
  53. Já lhes ocorreram que as ruas e as cidades deveriam ser feitas para pessoas, não necessariamente para automóveis?

    ResponderExcluir
  54. joão,

    Automóveis não andam (ainda) sozinhos... as ruas são feitas para as pessoas sim, as pessoas dentro dos veículos,automóveis e demais...

    Ou você acha justo uma pessoa sozinha atrapalhar o trânsito de dezenas ou centenas de outras, quando se posiciona na rua atrapalhando os outros passarem ?

    ResponderExcluir
  55. "Ruas e cidades feitas para pessoas...."

    Ruas: automóveis
    Calçadas, faixas de segurança, passarelas: pedestres

    ResponderExcluir
  56. Caros anônimos,

    Não poderia discordar mais. Adoro automóveis e adoro dirigir, mas chega a ser estúpido imaginar que os automóveis devem ter preferência numa via apenas por que são automóveis - maiores e mais poderosos que um simples pedestre.

    Pode ser incrível, mas o automóvel não é um escudo que protege seu condutor das mais simples regras sociais, como parar em uma faixa ou de simplesmente ter paciência e educação.

    Este sentimento de revolta ao ver alguém supostamente atrapalhando seu direito de ir e vir (quando ela, ironicamente, está exercendo seu direito de ir e vir) é o mesmo egoísmo que faz público e governos idiotamente darem preferência ao transporte individual ao coletivo por estas bandas - que no fim das contas torna o ato de dirigir um tedioso anda e pára acompanhado do pensamento "se AS OUTRAS pessoas tivessem pego um ônibus eu não estaria parado aqui".

    Como sabiamente o JT escreveu acima. "Penso que as pessoas que estão caminhando no meio da rua estão, inconscientemente, tentando retomar um espaço que antes era dos pedestres. Temos que reconhecer que os carros são grandes ladrões de áreas públicas nas cidades."

    ResponderExcluir
  57. Eurico Jr.06/06/11 11:07

    João, me desculpe, mas é uma tremenda IMBECILIDADE arriscar-se pelo meio da rua, quando há calçada boa à disposição.

    Esse é o cerne da questão, caso não tenha percebido.

    E aguentando isso todo santo dia, não há "paciência e educação" que resistam.

    ResponderExcluir
  58. Aliás, BS

    Bob, admiro seu trabalho e sua história, mas sua postura neste texto chega a ser paradoxal.

    Muitas vezes você é defensor de educação e hábitos "europeus" em nossas ruas, mas se esquece que muitas vezes os habitantes do velho continente - dependo do país e cidade, claro - não se furtam de andar no meio da rua e de protestar da maneira mais enfática possível quando são alertados por um motorista.

    A educação no trânsito não pode ser unilateral. Um automóvel não pode ter a preferência em uma vida apenas porque é um automóvel, repito.

    E acho que todos poderiam dar uma lida neste texto aqui: http://leonardo-schenkel.blogspot.com/2010/07/suecia-e-o-transito.html

    ResponderExcluir
  59. Eurico Jr.

    Por favor, leia o que eu escrevi antes de responder.

    Grato,

    ResponderExcluir
  60. Eurico Jr.06/06/11 11:30

    Prezado João,

    Entendi perfeitamente o seu ponto-de-vista, você é quem não entendeu o escopo deste tópico.

    Ninguém aqui está sugerindo que os motoristas devam passar por cima de quem anda pelo meio da rua.

    O que propõe a entender aqui é por que se anda pela rua, havendo calçada em bom estado.

    Algo infinitamente mais simples e prosaico que as teorias que você desfila.

    Aliás, do alto de sua sapiência, explique-nos o motivo.

    ResponderExcluir
  61. Eurico,

    Concordo que talvez eu tenha perdido o foco em relação ao centro da questão, como você bem apontou.

    Sabe-se lá como, as condições de nossas calçadas conseguem ser piores que as de nossas ruas, tão criticadas aqui.

    A tradição de usarmos pedras portuguesas para o calçamento pode ser ter um belo efeito estético na orla de algumas praias, mas pedem habilidade do pedreiro responsável por sua construção e manutenção constante, o que na prática não existe.

    Já a manta asfáltica é relativamente plana e relativamente confortável para ser usada - por carros e pessoas.

    ResponderExcluir
  62. Volto a dizer: aqui na minha cidade se percebe alguns caminhando pela rua e lá estão as calçadas: sem obstáculos, com bom pavimento, de largura aceitável...e aí? Qual o motivo? Falta de noção mesmo.

    ResponderExcluir
  63. Bob, é um mundo sem limites! Tudo e todos afirmam a todo momento que não existe mais limite para nada. Nem para a vida. Transplantes e células troncos, seguros e air bags, indenizações e o sistema judicial, tudo afirma para o cidadão "não se limite!". O mercado fala "tire o melhor de si! GOZE JÁ! E você quer que 25cm de altura segure quem?

    ResponderExcluir
  64. Imprudência e conduta insegura devem ser sempre combatidos, mas ações de engenharia também são essenciais para a segurança. Moro em Curitiba e aqui a condição das vias públicas em geral e das calçadas em particular é calamitosa).
    Não há padronização de calçadas, tampouco fiscalização eficaz pela prefeitura, que deveria ser rigorosa com os proprietários de imóveis que não cumprem a sua responsabilidade de cuidar das calçadas. É muito comum ver pessoas andando pelas ruas (esburacadas, pavimentadas com uma "farofa" chamada "antipó") ou literalmente fazendo "trekking" por morros, obstáculos e buracos onde deveria haver calçadas padronizadas. Muitas calçadas são feitas com paralelepípedos ou mosaico português, que, embora facilitem a permeabilidade da água ao solo, oferecem risco de queda aos pedestes.
    Esta é a Curitiba real que não aparece nos cartões postais.
    Veja mais em www.minhacalcada.com.br .

    ResponderExcluir
  65. Como disse o MFF, caminhar na rua tendo a calçada à disposição é coisa de pobre sem educação.
    Ou seja, 90% da população do Brasil.

    McQueen

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.