IMPORTADOS EXCLUSIVOS OU EXCLUDENTES?


Normalmente o leitor busca uma mídia para obter informações e normalmente o jornalista se vira para fornecê-las ao leitor.

Bom, isso é o normal.

Mas acontece que o assunto em questão não se encaixa no que considero sensatez; tento achar uma explicação que me ilumine e não consigo. Então, humildemente, só me resta aproveitar o privilégio do espaço e passar a perguntar ao leitor.

Afinal, está evidente que o AE é lido por gente que manja de carro e tem a cachola no lugar. Tenho aprendido muito com o leitor. Sempre tem um especialista nisso ou naquilo. Ótimo!

Vai aí a pergunta:

Por que raios os fabricantes importam só modelos com uma só especificação? Além do mais, sempre é a especificação mais cara. Por exemplo: a GMB resolveu que só importaria o Camaro V-8 com câmbio automático.

Já guiei esse carro para o AE. Ele passou a ser um dos meus dream-cars, desde que nesse devaneio ele tenha câmbio manual. Não sonho com ele se ele tiver câmbio automático. Vou fazer o quê?

E ele também é fabricado, como você leitor sabe, com um belo de um motor V-6 de mais de 300 cv, e também pode ter câmbio manual para V-6 e V-8 e assim e assado, ao gosto do freguês. Em suma, ele é fabricado de tudo quanto é jeito para atender tudo quanto é gosto do americano.

Uma das coisas que odeio e não me acostumo é com aquele lance de chegar numa lanchonete que diz que comida é food e ter que pedir um miserável de um sanduíche – que nunca vem igual ao da foto – pelo número.

— Não, meu senhor, o número 17 não pode vir sem quétchupi.
— Moça, mas odeio quétchupi. Não dá pra fazer esse desmilinguido do 17 aí sem a porcaria do quétchupi?
— Sinto muito, meu senhor – responde a adolescente espinhenta – mas o 17 não dá. Isso atrapalharia a linha de produção. Tem um moleque lá que amassa o sanduba com o tênis e ele diz que com quétchupi rende mais pra amassar. Decida-se ou dê seu lugar na fila.

Como diria o Capitão Haddock, o amigo do TinTin, num acesso de fúria: "Raios! Raios! e mais raios!".

Uma pessoa da GMB me disse que fizeram lá um estudo e chegaram à conclusão de que seria essa a especificação que venderia mais, o V-8 automático.

Ah, é, é? Mas não pra mim.

Pra mim, não, e creio que para a maioria dos autoentusiastas também não.

Por que então não importar também o com câmbio manual? E por que não o com o excelente motor V-6? Qual o problema?

— Pony-car, bicho! Sabe o que é isso? Vrruumm, vruumm! sguínch! fumaceira, mete segunda, sguínnch de novo, pau de farol a farol. Cadê o espírito da coisa?

Aí está a pergunta que vai ao leitor: qual o problema? Muda alguma coisa na assistência técnica trazer os outros também?

Agora parece que logo chega o modelo Kia Cerato cupê. É o que agora dizem. Um tempo atrás a Kia dizia que não o traria, mas agora diz que vai trazer. Alguém já viu esse cupezinho? Pois é. Ele é lindinho, como se pode ver na foto. O sedã já é bem bonito, mas o cupê é de babar. Linhas simples e fluidas, jovens.


Por que não o trouxeram até agora? Lá fora o fabricam com dois tipos de motor, o 1,6-litro e o 2-litros. O 1,6 tem a mesma mecânica do "nosso" sedã, então, por que ainda não o trouxeram? Muda alguma coisa na assistência técnica etc? Muda?

Uma pesquisa até pode indicar qual o modelo que provavelmente venderá mais, mas será que ela indica que o outro não deve ser importado? E se vender um pouco menos, o que é que tem? Isso não quer dizer que ele não deve ser importado também. O sujeito pode até comprar o sedã porque precisa das quatro portas e tal, mas na certa muitos irão admirar os cupês nas ruas e isso é a melhor propaganda para uma marca.

Já somos o 4° ou 5° mercado mundial de autos e ainda somos tratados como se fôssemos uma republiqueta de bananas a ser explorada da maneira mais rapaz possível.

Outro exemplo é o JAC J3.

Guiei-o num breve test-drive de concessionária. A princípio, gostei. Não falarei mais a respeito porque ainda preciso obter mais impressões.

Mas por que só o importam com todos aqueles montes de opcionais? Sensor de ré num hatch compacto? ABS num hatch compacto que era pra ser um carro barato? EBD?

E a propaganda diz: "Só trinta e sete mil e tantos reais por um carro completíssimo! É a sua chance! Corra!"

E vou lá sair correndo? E eu lá quero um hatch compacto com motor 1,35-litro que seja "completíssimo"?

Quero um hatch compacto pelado e só com ar-condicionado, please, o número 17 sem quétchupi. "Completíssimo" é coisa pra carro de categoria superior. Pra completíssimo vou a um restaurante e não a uma lanchonete.

Vai outra pergunta ao leitor:

Porque não trazem um que seja um pouco descompletado e consequentemente mais barato? Afinal, 38 mangos é grana; afinal, não querem vender bastante, tomar o mercado das estabelecidas?

Outro dia perguntei a um funcionário da Hyundai por que não traziam o Genesis Cupê. Esse é um belo carro e tem tão bom desempenho que andou perturbando os pony-cars nos EUA, andou sendo objeto de comparação. Afinal, tem um V-6 de mais de 300 cv, cupê, tração traseira... Dizem que é muito gostoso de guiar.


A resposta do sujeito - que me olhou meio espantado, como se eu tivesse lhe perguntado um absurdo - foi que estimaram que não venderia um volume que compensasse tanto quanto a jipaiada compensa.

Ora bolas!

Quanta empáfia há nesses pesquisadores. Quanta empáfia, quanta sabedoria barata; que pobreza de espírito fazer exclusivamente o que dá dinheiro imediato, que falta de perspectiva, que falta de visão, que miopia.

Tem fabricante aí que há décadas colhia bons frutos no Brasil, que já fabricou aqui anos atrás carros de altíssimo nível, e que por recentemente mudar sua boa política, passou a desprezar a consideração que antes nos devotava. Hoje está comendo o pão que aquele moleque lá do quétchupi amassou.

Tudo pode mudar, assim espero.

AK

96 comentários :

  1. Gosto é gosto né??? Eu só compraria um camaro se fosse V8 auto... mesmo sendo entusiasta, mas infelizmente me falta o fator decisivo, o famoso "money".

    ResponderExcluir
  2. AK, só discordo de um ponto: o problema do JAC J3 não é ser completo, o problema dele é o preço. Quanto custa este carro, ou um similar, na argentina? Nos EUA?
    Na Alemanha?
    O problema é o sobrelucro que as montadoras tem no Brasil, pois a choradeira eterna de que a culpa é dos tributos é balela. Os tributos oneram sim, mas nada, repito, nada justifica o valor dos carros no Brasil, a não ser a falta de concorrência que gera o lucro absurdo das empresas.
    E o mais engraçado é que as comparações que sempre vejo dos valores dos carros são assim: preço Brasil é x, preço nos EUA é y. Se tirarmos os tributos do Brasil o valor fica x-z...engraçado que nunca tiram os tributos dos carros lá de fora (que, absurdo, também existem) na hora de comparar.
    E mesmo quando fazem isto, a diferença ainda é grande.
    Aqui no Brasil ninguém está satisfeito com margem de 15%, tem que ser de 100%, 200%.
    Bem, só pra constar, detesto os tributos, detesto o IR, o IPVA, o ICMS e todos os outros, mas honestidade na discussão, o que quase nunca vejo, seria interessante.
    Abs
    Ronaldo

    ResponderExcluir
  3. AK, realmente muito lúcida essa sua análise. Na verdade, o Brasil ainda não é encarado com respeito pelas fabricantes. Essa é a verdade.
    Aproveitam nosso mercado consumidor para despejar carros de tecnologia convencional, projetos antigos.

    São vários fatores que refletem essa postura exploratória das grandes fabricantes. O exemplo mais claro é a defasagem de gerações de alguns modelos aqui
    fabricados.

    Poxa, porque o Bravo só chegou agora? E o Golf? Toda linha Chevrolet!!

    Política nefasta!

    E o caso da Argentina? Porque alguns lançamentos não chegam aqui, como o Renault Latitude?

    ResponderExcluir
  4. Resta-nos aguardar 2014...

    ResponderExcluir
  5. Estamos vivendo na sociedade do pacote e das siglas.

    Pacote de viagem CVC.

    Pacote completo de opcionais JAC.

    Apartamento (empacotamento) MRV.

    PF empacotado: marmita.

    Até o comentarista do AE assina com um sigla.

    Abraço tamanho padrão,
    JT

    ResponderExcluir
  6. Arnaldo
    Quanto ao Camaro, reproduzo o que escrevi no Jalopnik:
    "[...]Para ser sincero, não acredito em milagres e acho que a importação do Camaro tem mais a ver com branding que com uma mudança na política da marca. Em português claro, uma estratégia para deixar os clientes sonhadores deslumbrados e distraí-los da mediocridade do restante da linha nacional.[...]

    Sobre o Kia Koup, há ainda a opção do motor 2.4 de 173 cv. Um belo brinquedo.

    ResponderExcluir
  7. Acho que no caso J3 ele só vem assim pra ficar mais barato, já que tem um só linha de produção.

    Nos outros modelos importados deve ser pura falta de vontade mesmo.

    "Para que importar um modelo diferente para vender pouco, se os que a gente trás já vendem bem. Não queremos ter mais trabalho para ganhar pouco, nos acostumamos a ganhar muito."

    ResponderExcluir
  8. Ronaldo,

    sem defender os fabricantes, mas temos que considerar que a conta de luz da fábrica aqui é muito mais cara do que lá, a de telefone também, os juros de empréstimos são mais altos, o frete das peças que vem dos fornecedores, e por aí vai.

    Arnaldo,

    discordo na questão dos equipamentos de série. É evidente que um ar-condicionado não custa ao fabricante nem metade dos 4 mil cobrados em um Uno. Idem bolsas infláveis, GPS. Parece churrascaria rodízio com preço atraente na porta e garrafinha de refrigerante a 6 reais lá dentro. Sabendo que os preços não baixam mesmo, ainda mais em um mercado aquecido, já me contentaria se o Uno 1.4 (seguindo seu exemplo), pelos mesmos 37 mil tivesse rodas de liga, duplo air bag, freios abs, gps integrado ao painel, isofix, som mp3.

    No caso do Camaro, concordo contigo, mas a verdade é que o cara que gasta 100k em um carro não compra Camaro V6, compra Santa fé, CR-V, Captiva.

    ResponderExcluir
  9. Ah, sobre o nr. 17 da lanchonete, também já aprendi que pedir ele sem o quétchupi é igual pedir Uno com e-torq. Cabe, pode até ser que façam, mais vai dar um trabalho...

    Melhor ir no trêiler da esquina e pedir um com o motor certo, opcionais a gosto. Eles fazem na hora.

    ResponderExcluir
  10. Sinto alegria em ler opiniões que expressam exatamente o que eu penso. Belo post, compartilho a revolta também. Sabe porque não tem Camaro V6? Pq sairia por um preço mais próximo do Omega ou da Captiva top de linha, daí ninguém compraria estes que "vendem mais" (apesar de eu duvidar que o excelente Omega esteja vendendo mais que o Camaro)...

    Os carros "bons" continuam caros e só em versões estúpidas com câmbio automático, para não abrirem os olhos do consumidor pra ver o quanto pagamos pelos carros "pé de boi".

    Um Camaro V6 manual venderia horrores. Essa mulecada abastada que compra SUVs de 120.000 tá quase lá. Um Camaro é muito melhor!

    ResponderExcluir
  11. Minha opinião: As montadoras querem os "Gersons". "Gersons" querem câmbio automático, pois detestam embreagem (é chata). Nos, entusiastas, que sabemos o que há embaixo do capô, somos minoria. "A minoria que se dane, vamos focar na maioria, nos que querem carros cheios badulakas, com sensores pra tudo que é lado" pensam as fábricas. "Gerson" compra carro por quantidade de aço! Por isso paga 100.000 num SUV e jamais num hatch importado alemão. A teoria dos jogos prevê um final funebre para entusiastas, onde a maioria "Gerson" dominará o planeta com carros prata e motores multi-combustíveis com seus câmbios com borboletas e 20 decibéis de ruido, num mundo sem qualquer emoção. Sinto muito pelo pessimismo, mas já desisti de sonhar toda noite com meu Gol GTi. Ass.: Mayone

    ResponderExcluir
  12. Ronaldo,

    Tudo bem, mas concordo com o Alexandre Cruvinel, que acaba de comentar seu comentário.
    Os impostos aqui sçao de assustar qualquer gringo. Veja aqui nesta tabela, é de virar o estômago. http://www.quantocustaobrasil.com.br/site/downloads/impostos_quantocustaobrasil.pdf
    Produzir aqui é mais difícil que atravessar canil carregado de linguiças. O governo morde de tudo quanto é lado. Dá uma olhafda na tabela, dá, mas veja sentado.

    ResponderExcluir
  13. Arnaldo,
    concordo totalmente.
    Meus pensamentos:
    1 - McDonalds não, Burger King às vezes, lá eles tiram a porcaria do ketchup. De comida rápida e razoável, bom mesmo é Wendy's, que não tem aqui no Brasil.
    2 - fábricas trabalham como pessoas, seguindo a lei do mínimo esforço, ou da máxima preguiça: vem o modelo mais caro, para dar mais lucro, e um só, para não encarecer estoques de peças de reposição, certificações de vários modelos parecidos, e mais detalhes que pouco entendemos. Simples.
    3 - Carro pequeno completíssimo é preguiça somada às aparências: carro grande dá trabalho, então, me enche de molho no pequeno. Fica falso.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  14. Mayone,

    Não é bem assim, eu acho. O Brasil não é o mundo. Em termos mundiais nunca fabricaram tantos modelos ao nosso gosto e nunca venderam tantos desse nosso tipo. Analise mais friamente.
    Nóis verga mas não quebra. "O esportivo será o último automóvel a ser fabricado", segundo Dr. Ferdinand Porsche. Também acho.

    ResponderExcluir
  15. Vou responder baseado no que vejo dentro da minha casa.
    O pessoal é ACOMODADO e não reclama da falta de opções, do abuso das lojas, "ah mas isso nunca vai mudar, não adianta esquentar a cabeça".
    Pra piorar, esse é o comportamento dos meus pais.
    A GM só faz isso porque pouco, assim como você, questionam essa política.
    Resta a cada um de nós fazer nossa parte e encher o saco.

    ResponderExcluir
  16. Arnaldo, agradeço as palavras motivadoras!!! Volto a sonhar com um Gol GTi? Será que as montadoras caminharão para o ponto onde se chegue a conclusão que sim, esportivos no Brasil são imprescindíveis para a imagem de uma marca e para atender aqueles que são os clientes mais fiéis e zelosos? - Mayone

    ResponderExcluir
  17. O mais impressionante é que, antes da GMB fazer a "bondade" de importar o Camaro, era possível adquiri-lo via importador independente por um valor bem mais em conta e, quem sabe, com opções de câmbio manual, de outros motores etc. Claro que os concessionários vão rebater: "mas nesse não te dou garantia".

    Brasil - o país dos cartéis.

    ResponderExcluir
  18. Uno com E-Torq? Não! Uno com T-Jet. Havia um no Salão deste ano, conversível. Se alguém duvidava que era possível, a Fiat já respondeu. A versão 2 portas já está aí, é só enfiar o 1.4 turbinado no cofre. Esse seria meu nr. 17!

    ResponderExcluir
  19. Prezado Arnaldo; Alexandre "AC";

    Concordo com o Arnaldo! É um absurdo o que os fabricantes fazem. Antigamente, com muito menos recursos era mais facil comprar um carro "colorido" (fora o padrão prata/preto), com pacotes de opcionais a gosto, fora do esquema padrão, enfim, era tudo muito mais simples do que é hoje. A VW oferecia até transmissões diferentes (4 marchas ou 3+E) no Passat e Voyage!

    Hoje os fabricanttes colocam complexos sistemas ERP de informatica no gerenciamento das empresas, modernos sistemas informatizados e o que temos: A informatica e os sistemas de computador provocando o completo engessamento da linha de produção.

    Então é melhor deixar de pagar os milhões aos fabricantes de sistemas ERP e as consultorias que implantam os referidos sistemas e voltar ao que era 30 anos atrás. Pelo menos na formação do preco do automovel, a manutenção de programas ERP não entrarão no custo indireto do automovel...

    Devia existir a opção de comprar um carro "pelado" com motorzão....Ou um carro completo com motor 1.0...Problema de quem comprar....

    Enfim, vamos ficar engessados....Brasileiro tem mesmo que se ferrar com o preço do Alcool, da Alcolina de não poder usufruir do carro a diesel, de poder escolher qualquer carro desde que seja preto ou prata...

    ResponderExcluir
  20. Anônimo das 10:48
    Para fazer um Uno T-Jet falta só o turbo. O motor já está lá.

    ResponderExcluir
  21. Arnaldo,
    Muito anos atrás, nos Estados Unidos, num restaurante de baixo preço tipo bandejão em que se paga o prato antes, em vez do acompanhamento salada de batata pedi menos desta e um pouco da batata frita. "Can't do it", disse, rispidamente. Era uma ou outra. Como tem gente ruim - e burra - nesse mundo, não?

    ResponderExcluir
  22. Arnaldo,
    uma boa parte da explicação disso tudo, na minha humilde opinião, reside no fato de a enorme maioria dos compradores de carros importados caros (a exemplo do Camaro) estar afim apenas do status de rodar com um "carrão" desses. Não estão interessados em aspectos tecnicos e não têm idéia do prazer que uma caixa manual proporcionaria na condução. Enfim, a crua verdade é que no Brasil pouquíssimos gostam de guiar ou de carros. Gostam sim de se exibir apenas. Compartilho com vcs que acabei de trocar meu sedan prata com cambio automático por um autentico hot hatch com cambio manual...e fui crucificado por muitos amigos/colegas de trabalho. Ninguém se conforma como eu não comprei um jipinho...hahaha. Somos poucos, mas somos bons! E compraremos o ultimo esportivo, sim senhor.
    Felipe Reis - felipfab@uol.com.br

    ResponderExcluir
  23. Em relação ao camaro, também causa estranheza o fato de a GM importar somente algumas cores (preto, prata, branco, vermelho e amarelo), sendo que nos EUA há outras opções, algumas muito bonitas (laranja metálico "orange inferno" e cinza), além de azul, verde. Esses dias li que vão importar o laranja. Mas não entendo por que não importam as outras também. O mesmo se diga da opção de teto solar.

    ResponderExcluir
  24. AK,
    Com certeza ha mercado para os cupes no Brasil.. Cerato Kup "merchandise" na novela das 9hs como o carro do gala Lazaro Ramos . Porem ainda nao vi nenhum nas ruas ou nas revendas Kia. Do Genisis ha tempos ouco falar que viria com um V6 300 cv por R$100K(otimo custoXbeneficio, para quem pode.)
    Quanto a perguntas em revendas (de qualquer marca) desisti : vendedores mal informados e treinados (qdo nao mal educados); qdo eles tem qualq informacao sonegam ou nos enganam com o afinalidade de desovar o estoque atual (o mais depressa possivel)
    Enfim uma frase do seu post infelizmente resume tudo :
    "Já somos o 4° ou 5° mercado mundial de autos e ainda somos tratados como se fôssemos uma republiqueta de bananas a ser explorada da maneira mais rapaz possível".
    Boa sorte povo do Brasil!

    ResponderExcluir
  25. AK
    Sei lá, sabe... mas alguns colegas aí em cima já deram boas respostas, em especial a que diz respeito ao Camaro servir apenas para ostentação, não ao entusiasmo, por isso o câmbio automático. Daí, minha resposta vai em uma só palavra, até agora não empregada: VAGABUNDAGEM.
    FVG

    ResponderExcluir
  26. Johnconnor(old rocker)06/04/11 11:58

    Acho que tudo isso se resume pura e simplesmente em falta de respeito ao consumidor.Que importa se ao trazer várias opções de aútomóveis o preço vai subir muito por causa dos impostos ou maior estoque de peças, mais treinamento para assistencia técnica etc se o cara estiver disposto a pagar?Afinal carros como o Camaro em questão não são pra qualquer um e não representam grande volume de vendas mesmo.Só são importatos para melhorar o status da marca, então qual o problema se trazendo mais opções ele vai ficar mais caro se seus exclusivos compradores estiverem dispostos a pagar??Será que o cara que está com os bolsos bufando de grana não tem o direito de escolher se quer motor v8 ou v6,bancos em couro ou tecido(se o sugeito for Veganista),se quer o carro branco,preto,prata ou verde limão,com ou sem controle de tração e etc.Afinal o cara está pagando e muito caro.Aho que o minimo de consideração que as montadoras deveriam ter por esses abonados clientes seria oferecer o carro ao gosto do fregues e não do próprio gosto.

    ResponderExcluir
  27. Deusdocéu, essa discussão nunca vai terminar assim!!

    O Joel Gayeski resumiu bem o que acontece do lado do cliente. As pessoas reclamam pela falta de opções, reclamam da política abusiva dos fabricantes e revendedores de veículos. reclamam de tudo. Esbravejamos, esperneamos, Chingamos da boca pra fora.... MAS NÃO REIVINDICAMOS NADA DAQUILO QUE REALMENTE QUEREMOS!!! NÃO COBRAMOS ATITUDE DE QUEM QUEREMOS QUE FAÇA A COISA ACONTECER!!!

    Esperamos que alguém com uma bola de cristal descubra o que realmente queremos e continuaremos a esperar sentados, dizendo que "isto nunca irá mudar"...

    Aqueles que viveram antes da ditadura sabem de quando se ia pra rua para protestar contra políticas abusivas... até que nos silenciaram com as torturas do AI-5 e agora recentemente com a lavagem cerebral da maldita televisão.

    Se realmente queremos mais opções de escolha, devemos deixar claro para quem vende, para que este possa correr atrás e nos satisfazer em nossos desejos. Caso contrário perderá seu cliente.

    Agora, temos que ver também o outro lado.

    Uma empresa que quer vender seu produto, tem que conduzir uma pesquisa para ver se seu produto terá aceitação. Para isto, a pesquisa deverá ser conduzida da forma mais lisa e verdadeira possível. Eu acredito que no Brasil ninguém leva pesquisa de opinião muito a sério.

    O resultado? Uma Chevrolet da vida vem e bota um Camaro à vender, com uma única opção, pois não sabe da aceitação do carro por parte do público. Se o público não compra é porque não gostou. Se compra, é porque gostou e ponto. Se o cliente aceitar, é claro que cogitará a idéia de dispor de mais modelos no mercado.

    Agora as concessionárias tem que passar para frente o que o cliente quer. A gerência responsável pela importação deve saber o que o cliente espera para que faça seu movimento....

    Estou portanto vendo que o cliente não manifesta seu desejo ou necessidade e, o fabricante está fazendo um voo "às cegas" tentando adivinhar o que o cliente quer.

    Desculpem meu longo desabafo.

    ResponderExcluir
  28. Bom texto e concordo sobre a situacao da importacao de somente veiculos "top" e muito menos a justificativa da GM... Pois brasileiro nao gosta de cambio automatico... q pesquisa eles fizeram para chegar a essa conclusao? em miame? rs

    Sobre o JAC: Acho certeira a decisao da Empresa: Primeiro vendem o "TOP" com tudo o q tem direito, e apos mostrar o seu produto mais completo, comeca a vende-lo mais "pelado" e mais barato ainda...

    Vende-lo "completo" por um "bom preco", chama a atencao para o modelo, lembra os Fiat Tipo? Se o modelo "completo" tem esse preco, imagina o mais "pelado".....

    ResponderExcluir
  29. Johnconnor06/04/11 12:40

    MFThomas,
    Sinto discordar em parte mas acho que o consumidor brasileiro não é visto pelas matrizes das montadoras do mesmo modo como é visto um consumidor americano,mexicano,indiano ou europeu.Acho que por mais dinheiro que tenhamos e mesmo sendo o quarto mercado consumidor ainda somos vistos como clientes pouco exigentes por isso não abrem seu leque de opções.Afinal o Honda civic que aqui é vendido em 2 ou 3 opções nos E.U.A. e no México deve ter umas 15.O astra que é vendido na Argentina tem opção de motor v6 e por aqui a maioria nem acredita que isso exista.Ou então façam como a Ferrari,uma Ferrari é igual em qualquer parte do mundo se o sujeito quer quer,se não quer tem quem quer.Pelo menos eles são democráticos.Agora em um ponto concordo com vc em genero,numero e grau.A coisa só é assim porque nós somos um povo que não luta por seus direitos.Somos muito acomodados,nos satisfazemos com o que tem.Aí fica dificil mesmo.

    ResponderExcluir
  30. Na minha opinião os 3 casos são explicados pela lei do combo, como falaram aí em cima.

    É mto mais barato trazer 1 produto só! Se pudessem, os administradores da GM iriam vender somente o Camaro V8 automático na cor prata!

    Agora o JAC e os importados se aproveitam de uma característica do mercado de carros nacionais. Os opcionais são mto caros!! Se vc trazer a versão mais completa é possível vender facilmente a um preço menor que os concorrentes.

    Agora na versão mais barata a diferença iria diminuir. Diante disso o comprador optaria por um produto nacional, com manutenção mais barata.

    Sem falar dos importados pelados que chegaram na década de 1990 que micaram totalmente. Depois disso os importados sempre vêm nas versões mais completas.

    Mas é uma pena o mercado estar perdendo a diversidade! Outro dia conheci uma garota que estava com o carro do pai dela e era um Galant Liftback dos anos 90. Na hora eu soltei um UAL! Achei muito inesperado ver aquele modelo!

    ResponderExcluir
  31. A grande desilusão da minha vida aconteceu quando eu percebi que as fábricas criam e vendem carros para quem não gosta de carros. As fabricantes não exploram ninguém. Não são elas que embutem altissimos impostos eou impões o preto e o prata como opção ao branco. Elas são culpadas de terem lucros enormes. Mas é só.
    Brasileiro já odiou carro de 4 portas e câmbio automático. Agora abomina os manuais com 2 portas. Quando adolescente, eu ouvia muita gente dizer que carro prata era lindo, que carro branco não sujava e que carro preto dava uma cara de luxo. E essas cores eram muito fáceis de vender na hora de passar o carro pra frente. Brasileiro pensa assim. Mente tacanha, pequena.
    Recentemente um amigo meu estava se queixando da Fiat. Ele estava furioso porque "eles vão mudar o Palio". Isso ia desvalorizar o seu Palio de 4 anos de idade e ele iria ficar com um carro velho.
    Brasileiro é assim mesmo. Não aceita novidades, não aceita pensar fora da caixa, só vai onde a multidão vai e não gosta de carro. E as fábricas vendem carros para essa gente.

    ResponderExcluir
  32. Truco o Astra V6 do Johnconnor. Astra tem na Argentina com motor 2.4 16v, o mesmo que era usado no Vectra aqui, mas v6 nem na Europa!

    ResponderExcluir
  33. por isso eu sou a favor do "faça você mesmo"

    ResponderExcluir
  34. Por falar no Kia Koup, viram só que agora com o álcool quase a preço de uísque 12 anos, a Kia porá um motor 1.0 flex (duas aberrações brasileiras de uma vez) no Picanto. Logo nem em importados poderemos encontrar motores mais econômicos só a gasolina.

    ResponderExcluir
  35. Camaro é, para a GMB carro de imagem. Não é nem para vender muito.

    Em relação ao JAC, garanto que ABS, Airbag, sensor de estacionamento, etc custam para o fabricante, juntos, uns US$ 500,00 lá na China. é melhor vender com estes equipamentos, com o apelo de ser completo.

    ResponderExcluir
  36. Ainda tem outra.

    Para uma montadora, manter uma linha de montagem para um veículo com muitos opcionais encarece o processo de produção, pois obriga a montadora a produzir componentes a mais e diferentes.

    Comparando dois carros: um que vem de série com Air Bag e ABS e outro idêntico onde os mesmos itens de segurança são opcionais, vemos que para a empresa é mais barato produzir um carro que tenha estes dois itens de série.

    Vamos colocar valores fitícios:
    Carro A, sem ABS/Air Bag: R$30.000,00
    Carro B, com ABS/Air Bag de série: R$33.000,00
    Carro A, com ABS/Air Bag Opcional:
    R$35.000,00

    Fora os custos com treinamento de pessoal de fabricação e manutenção para cada configuração de um determinado veículo da linha.

    Por isso acredito que para uma montadora fabricar diversos modelos/versões de um veículo, é uma decisão arriscada, pois envolve uma gama de custos muito mais complexa que apenas produzir um modelo/versão. Por outro lado, uma fabricante que não diversifica, deixa de explorar o mercado, podendo sucumbir por não alimentar a sede do mercado por novidades e diversidade.

    Para encontrar o ponto de equilíbrio, nada melhor que uma pesquisa bem conduzida, adaptada para cada realidade desse Brasilzão, sabendo que os consumidores do nordeste são diferentes dos consumidores do sul e do sudeste por sua vez... os consumidores da capital tem perfil diferente dos consumidores do interior. E por ai vai!

    ResponderExcluir
  37. Camaro é carro de imagem? Já vi uns quantos por ai...

    E o tal do Polo Blue Motion? Alguém já viu um?

    ResponderExcluir
  38. Caio Cavalcante06/04/11 14:23

    Arnaldo,
    Uma coisa que não engulo de jeito nenhum: carros de uns 1300~1500 kg com motores rendendo uns 135~160 cv virem com controle de tração e estabilidade de série! Ora, um cara que faz uso dessas muletas nessa categoria não deveria ter conseguido a habilitação. E lá vamos nós pagar pelo molho que não gostamos...

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  39. Em duas etapas:

    1- A culpa é nossa! -tempos-antigos- (comportamento de manada). Anos atrás(sim sou velho...) podia-se comprar um Opala (com 2, 4 portas ou Caravan) básico com 6cilindros, com ou sem ar condicionado, versão diplomata em 4 cilindros ou mistura dos dois. Até Opala 1984 COM 3 MARCHAS e alavanca na coluna tive um. Aí, na hora de vender era um suplício, historinhas de vendedores de que assim ou assada não valia nada, não tinha mercado... acabamos pasteurizados.

    2- A culpa é nossa ! -Tempos modernos- Em 2002 fui comprar o primeiro carro para minha esposa (nunca mais compro um zero), em busca de um singelo corsinha 1.nada, me aparece anúncio de Ka XR (canhãooo) 1.6 ZERO km encalhado na concessionária com fabricação 2001 (havia 3) isto em julho de 2002. Saí de lá com um SEM AR CONDICIONADO nem vidros elétricos. A opção perfeita para mim (e o melhor que já vi em desempenho). Pela falta dos tais ele(s) estavam lá, encalhados há 18 meses.

    P.S.: Os outros dois? Venderam seis meses mais à frente , depois de enfiar um "refricentro" (cariocas entenderão) nas baratas. Triste isto.


    Hoje eu compraria (se $ tivesse)um Koup básico ou um Clio (se ainda 1.6) mais básico ainda, ao invés disto ando num Focus Ghia com muito mais coisa do que eu desejaria (tal qual celulares infernais que só uso para ligar para 2 pessoas e ver as horas).

    ResponderExcluir
  40. Não tem muito mistério não...

    Primeiro logística(um mostro quase iqual ao marketing).

    Trazer mais modelos(ou especificações) implica em maior número de peças e treinamento(o povo é burro, vai ter que treinar o cara pra mexer no motor 1.6 e no 2.0 no caso do Koup por ex).

    Outra no caso do Camaro(mas ai não entra o AT, isso eu não sei MESMO pq só tem AT...). Status

    Nego só compra esses carros por status, ele não quer andar num carro que pod ser o V6. Nem quem vai comprar um com esse tipo de cabeça vai, vai preferir colocar mais uma grana(ainda mais com crédito FÁCIL demais) e levar o V8.

    Na cabeça do brasileiro médio, mais é mais, SEMPRE(o que tmb explica o JAC3 e outros casos, como os pacotes de opcionais).

    Ai realmente fica complicado... No Brasil vc paga pra ter menos, e paga pra escolher menos...

    ResponderExcluir
  41. Olha pelo que sei as pesquisas são focadas no publico alvo do produto, claro que a grande massa hoje prefere a "aparencia eo status" que o veiculo proporciona, dai alguem lá na fabrica diz "se os macacos querem status vamos trazer o modelo 8 cilindros que da pinta de rico pro cara e nos enrriquece mais, ao inves do 6 que vai parecer um camaro de pobre e tem margem de lucro menor", pois no Brasil salvo entusiastas que como nós gostamos de carros pela sua essencia a grande massa compra carro por status (pra mostrar pro vizinho que ele pode ter um modelo x ou y completo)e não por gostar realmente de carros.

    ResponderExcluir
  42. Johnconnor(old rocker)06/04/11 14:40

    Anônimo das 13:33
    Foi mal mesmo,confundi,distorci e embaralhei totalmente as bolas.Realmente o astra argentino é o 2.4 16v.Grato pela correção.

    ResponderExcluir
  43. Essa falta de visão é generalizada aqui no Brasil.

    Não se pensa a longo prazo e se ignora solenemente a importância de desenvolver um bom planejamento estratégico. Tudo e todos acabam cedendo às bobagens concluídas pelos departamentos e agências de marketing.

    O Brasil sofre com essa falta de visão e planejamento e a tendência é piorar porque o nível de formação em geral está cada vez pior.

    Este país não tem saída. O buraco é bem mais embaixo.

    ResponderExcluir
  44. Com um produto como o Camaro a GM só precisava despertar a vontade de todos, consumidores comuns e entusiastas a pretigiar a marca.

    Mas assim, para nós entusiatas, ela só reforça a imagem de empresa que não liga para o consumdor que ela já tem.

    ResponderExcluir
  45. Brasil e suas peculiaridades. Agora, quanto ao Camaro: é um muscle car, não? ponny car foi um termo batizado por um jornalista. Pro fabricante, o Camaro é um muscle car. Pra mim também.

    ResponderExcluir
  46. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  47. É realmente triste carro esportivo com câmbio automático apenas, isso tbm não entra na minha cabeça.

    ResponderExcluir
  48. Em sua terra natal o Camaro é um esportivo acima dos "de linha" normais (Civic Si, Golf GTI) e bem abaixo dos GT's, como Porsche, Ferrari ou GT-R. Aqui ele entra praticamente no mercado dos GT, por um preço bem melhor. O comprador acha isso. Pra GM ele é carro de nicho e vitrine tecnológica, logo, sem chance de mandar um V6 manual.
    O Genesis, aqui, é mais complicado pois ele custa o preço de um Camaro lá em cima. Você daria 200 pratas num Hyundai ao invés de um Camaro? A Hyundai poderia vendê-lo por uns 120 mil que seria sucesso. Mas será que a água que faz dos empresários nacionais os que lucram mais no mundo não seria bebida pelos executivos da Hyundai?
    O Cerato Koup deve vir custando uns 100 mil, preço de Civic Si. Não sei se eu deixaria de comprar o Si.
    Os nossos fabricantes sempre encheram a boca pra falar que as novas gerações de Golf, Astra, Focus, Vectra, etc, não venderiam bem aqui por conta da tecnologia embarcada, que encareceria o produto... Esqueceram de dizer isso pra Honda, Toyota, Hyundai, Citroen...
    O lance é que se não ganharem algo em torno de 50% de lucro em cada carro vendido aqui, não vale a pena, é mais fácil culpar o baixo poder aquisitivo do pobrezinho do brasileiro e a imensa quantidade de impostos que o governo cobra.

    ResponderExcluir
  49. Concordo com o AK.
    Se tivesse o bom V6 manual eu tomava o carro.
    O v8 alem de ser beberrão é muito carro.
    O V6 manual deveria vir na faixa de r$ 120,000 o que abriria um leque bem maior de consumidores, especialmente os mais jovens, ja que temos carencia de carros esportivos

    ResponderExcluir
  50. Daniel Shimomoto de Araujo,

    Por acaso você perdeu seu trabalho porque não se adaptou à nova realidade da empresa totalmente integrada? O ERP possibilita rastrear gorduras, trabalhar redução de despesas entre uma infinidade de funções. O SAP é a Ferrari (la macchina) dos ERPs, não é culpa do sistema se você só sabe dirigir seu "Fucão".

    Sou consultor SAP, minha vida profissional está ótima, muito obrigado! Sinto muito se um jovem com menos experiência está recebendo um salário igual ou maior que o seu! A lei da oferta e da procura também vale para o mercado de trabalho, meu caro!

    Desculpe AK, estava louco para comentar seu excelente post, mas ler um exemplo de mediocridade, como o comentário do "nosso amigo aqui", tirou-me o tesão!

    Sds

    ResponderExcluir
  51. Como vc é bobinho AK...rss.

    Imagine a cena kerido..

    O cidadão compra um Camaro e vai ao Country Clube mostra-lo aos "amigos". Eis q um deles solta a seguinte pérola:

    Uai, mas nem tem câmbio automático?

    E logo a fofoca corre nas rodas grã-finas:

    Vc viu fulano? Tá falindo, nem teve $$ p/ comprar um Camaro automático..

    É assim q funciona por aki meu amigo. Ou vc nunca viu neguinho q mora em kitinete sem banheiro, lá na Vila Papel e tem um i30 zerinho na garagem?

    Relembrando a célebre frase final do filme O Advogado do Diabo:

    Vanity, my favorite sin!

    ResponderExcluir
  52. Como diria o grande filósofo: Vamos por partes:

    GM - Precisamos de um carro de "imagem", dizer ao mercado que temos capacidade de fazer coisa melhor que o monzatech. Por ora a gente não tá conseguindo, mas qdo inaugurarmos a fábrica de motores de SC, talvez saia um ecotec.
    Tem que vender pouco, então a gente cobra caro pq senão zé das couves compra um pra usar na fazenda.

    Idio...(ops consumidor) - Puxa, vou comprar um camaro! É um chevrolet V8, deve andar pra burro, mas será que tem peça na oficina lábios de suino?
    Poxa, só vem com cambio automático? Meu celta era manual, mas agora que fiquei rico (sim, o salário mínimo agora é de US$ 300,00) preciso aprender a usar essa traquitonga.

    Marketing da GM - "Com o camarotech vamos aumentar o fluxo de pessoas nas concessionárias, com gente curiosa pra dar uma volta no v8, e assim a gente vende mais celta 2011 e meio"
    aplausos na apresentação.
    nisso o marketeiro pensa "e seguro meu emprego mais um pouco"

    ResponderExcluir
  53. Quando abriram as importações nos anos 90, falava-se tanto das importadoras independentes. E agora?

    Elas seriam uma resposta a nossos anseios não atendidos pelas montadoras.

    ResponderExcluir
  54. Não está satisfeito com a oferta de Camaro apenas com cambio automatico, por 177 mil voce leva um manual pra casa

    http://www.classicimport.com.br/index.php?gm-camaro-2ss-2011

    Gustavo

    ResponderExcluir
  55. Além de tudo que já foi dito, tem o fator pós-venda, ou seja, pelas e manutenção.
    Se trouxessem o Camaro Manual E automático, teriam que ter estoques de peça de AMBOS os câmbios, além de treinar funcionários para trabalhar com AMBOS modelos. No caso do seis cilindros e oito, também.
    Como disse, não é o único motivo, mas é mais um deles.
    Se temos mercado que justifique mais opções, na minha opinião temos, mas ainda não aprendemos a exigir mais.

    ResponderExcluir
  56. Sabe por que a GM não traz Camaro Manual? Porque ia vender uma meia dúzia a cada centena de V8 automático.
    Quem está disposto a comprar um carro de R$180 mil, não vai comprar carro manual.

    Vejam o exemplo da Porsche. De cada 10 carros vendidos apenas 1 é 911. Os outros nove se dividem entre Cayenne e Panamera. Se ela fosse depender dos "autoentusiastas" já teria fechado as portas.

    Todo mundo sonha com um carrão 2 portas de 300cv, tração traseira, cambio manual pra poder brincar... umas duas vezes por mês..... mas quando a realidade bate à porta escolhemos algo mais sensato e prático para nossa vida.

    ResponderExcluir
  57. Arruda, se não existisse o 911 os outros não seriam cobiçados.

    ResponderExcluir
  58. Soares
    O problema é que somos uma republiqueta das bananas.

    ResponderExcluir
  59. Exatamente isso Felipe,
    É o que falei, todo mundo sonha com o 911, mas na hora de abrir a carteira escolhe algo mais prático.

    Como é que o sujeito vai levar a esposa, crianças e todas as tralhas pra casa de praia?

    ResponderExcluir
  60. Arruda,

    Diga por você, eu não compraria um Camaro automático, se assim pudesse, outra que este carro não seria pro dia-a-dia.

    AK,

    Acho esse Koup muito caro pelo que entrega, não vejo razão em trazer o 1.6 e a escolha de trazer o 2.0 foi provavelmente em razão dos impostos.
    Camaro automático, realmente só pra jogador de futebol... Puro marketing essa lambança.
    E o J3 com EBD é piada... hahaha...

    Copio o Nicolas, parece que só trocarei o carro em 2014... Deixa a poeria assentar.

    Abs

    ResponderExcluir
  61. Arnaldo, a cena envolvendo o sanduíche nº 17 foi hilária.

    De momento, me vêm à mente três fatores que causam a uniformização excessiva da oferta de carros no Brasil (mas certamente existem outros):

    1. Quem elabora as clínicas e quem define a estratégia de mercado é cobrado por resultados (ainda que num horizonte de meses ou anos). Assim, é de se supor que esses indivíduos sejam avessos ao risco, levando as fábricas a seguir pelo caminho mais óbvio;

    2. Dentro da Gersonlândia, é natural que as preferências dos consumidores sejam constantemente moldadas pelos argumentos usados pelos vendedores para depreciar o carro usado na troca pelo novo;

    3. Pegando emprestado o termo usado pelo Bob Sharp, por aqui nós aceitamos bovinamente tudo o que nos é imposto.

    ResponderExcluir
  62. Agora vem a melhor parte (quem quiser checar pode conferir no episódio 7 da sexta temporada do Top Gear, ou no Youtube (www.youtube.com/watch?v=BQJKQjXpGQA): Lá em 2005, o total de combinações à disposição do comprador de um reles Ford Transit no Reino Unido, entre opções de comprimento, acabamento, cores, motores, portas, carrocerias etc., era de nada menos que 13 MILHÕES de possibilidades!

    ResponderExcluir
  63. Italo Meireles06/04/11 23:05

    Alguém consegue me explicar por que o Nissan Silvia nunca sequer foi vendido aqui?

    ResponderExcluir
  64. Arnaldo,

    Excelente!!! Acho que serei abduzido! Sinto que estou cada vez mais alienígena. Não entendo a lógica dos depilados engravatados de camisa acinturada e suas análises estrábicas de "marketoing". Ainda bem que aqui no AE consigo resgatar um pouco da minha esperança de encontrar vida inteligente na Terra. Abraço a você e a todos!

    ResponderExcluir
  65. Antonio Filho-

    É isso ai e digo mais AK !!!

    Apesar do descaso absurdo das montadoras e importadoras de carros no nosso país, sei que esta começando a muita gente saber que "elas" estão ganhando muito alem do que deveriam. Isso esta virando uma bola de neve pro lado "delas" e sabemos que "elas" já estão muito preocupadas, apesar dos recordes seguidos de vendas que aparentemente sugere o inverso, mas o brasileiro esta cada vez mais bem informado, melhor estruído e cada vez maior em poder aquisitivo, e consequentemente a escolha e preferencia mudará drasticamente, e "quem" não adequar os preços dos carros ao mercado e a realidade brasileira, estará em seríssimos riscos, exatamente por que somos a maior para algumas ou umas das grandes parcelas de consumo de carros no mundo para a maioria.

    E isso não vai demorar nada para acontecer, pois é o que todos nós queremos. Chega de super lucros e produtos péssimos ! Queremos a melhor qualidade possível e ótimos preços, condizente e consequentemente com o 1° mundo.

    Eita, o que vai ter de fabrica no buraco ou saindo do Brasil se continuar assim...

    ResponderExcluir
  66. Sim, camaro é carro de imagem. Para tentar mudar essa imagem da GM de "mudernidade" com os Astras rodando por aí.

    E quem compra Camaro não é auto-entusista, é pq tem dinheiro sobrando e viu ele no Transformers.

    É caro importar Camaro, até para a GM. Se vendesse muito Camaro aqui, tava bom, mas vende pouco. Então vai esse aí mesmo. Qual é o motor mesmo??!

    O JAC J3 é completo pq isso mesmo, pq esse o marketing dele. Ser completo por baixo preço. (e baixa qualidade)

    Sim, carro brasileiro sem imposto é mais caro do que carro americano com imposto. E isso não é de hoje. Pagamos muito imposto e temos nenhum retorno. Não é de hoje tb.

    Só lembrando que, apesar de marketing político dos ultimos anos, na prática, o Brasil ainda está longe de ser centro do mundo, o país do desenvolvimento e do dinheiro que anda propagandeando por aí... não sei quem acreditou.

    Mas a cerveja é barata...

    ResponderExcluir
  67. Anônimo 07/04/11 04:58
    Se carro brasileiro sem imposto é mais caro que carro americano com imposto, isso é indicativo de margem de lucro abusiva, não?!

    Concordo que pagamos MUITO imposto e não temos quase NADA de retorno (tributação nórdica com serviços africanos), mas isto não justifica os preços cobrados por muitos produtos ou serviços.

    ResponderExcluir
  68. Antônio,
    É o milagre da inclusão digital... hahaha... Mas falando sério, o nível de instrução no Brasil ainda é um dos piores indicadores que temos, veja nosso IDH, educação é nosso maior problema. Mas é verdade que a quantidade de blogs e revistas eletrônicas relacionadas ao tema "Carro" é muito grande e nós acompanhamos o AE, referência em qualidade... hehehe
    Abs

    ResponderExcluir
  69. A culpa é das marcas japonesas, que inventaram essa bobagem de pacotes fechados para ganhar mais (não para cobrar menos, pois isso elas não "aprenderam" a fazer).

    Civic Si? Só tem sem teto. Quer Corolla manual? Só 1.8. Fit que anda? Só a preço de carro médio de luxo. E assim por diante.

    Enquanto isso, nos anos 80 você podia ter um XR3 fechado com teto solar ou conversível, um Gol GTS ou um GTi, e um Monza com interior bege, azul, vinho, cinza, e não só na mesmice do preto.

    Por acaso alguma dessas marcas fechou as portas?

    ResponderExcluir
  70. Mas até que o Fit de entrada não é tão ruim de desempenho assim... Sei lá... Tenho olhado com outros olhos pros fabricantes que investem no pós-venda. Mas comprar carro por enquanto... nananaaaa!!!

    ResponderExcluir
  71. Foram muitos os comentários e foram muitas as respostas.
    Aprendi muito e, mais importante, Vi que pelo menos não sou maluco sozinho.
    Mas não se preocupem não, pensando que os legítimos autoentusiastas estão fadados ao limbo. Esses alguns tontos que hoje dirigem alguns setores da área, não têm gasolina no sangue, como temos, não têm cultura automobilística, como temos, e cedo ou tarde irão buscar ganhar a vida com outra coisa, tipo vender laquê de cabelo, enquanto que nós aqui continuaremos a manter a chama do automóvel puro acesa.
    Eles são o corpo e nós o espírito.

    ResponderExcluir
  72. Prezado fabio;

    Olha, para um consultor de SAP/R3 você deveria ler melhor.

    Nunca perdi emprego para SAP R/3 porque trabalhei na agropecuária e hoje estou começando em projetos imobiliários, a despeito de ser formado e pós graduado.

    Nunca me dirigi a você com a palvras agressivas, nem reclamo do quanto ganho pois ganho infinitamente menos que você, mas dou graças a Deus da vida e da familia que tenho (essa sim a minha VERDADEIRA riqueza! E seguramente muito maior que a sua!).

    Do fundo do meu coração, fico muito feliz por você ser consultor da SAP e espero que se aposente nesta empresa. E que não aconteça contigo o que ocorreu com amigos meus de faculdade (conhece a FGV/SP?) que simplesmente perderam o emprego nos Donwsizes da crise americana de 2008 e simplesmente entraram em depressão profunda pois além do bom salário e de economias guardadas, a unica coisa que existia na vida deles era a EMPRESA como uma religião, um norte para a vida deles, uma verdadeira entidade que nunca erra e que os tornaram tão obtusos e mediocres que a hora que o sistema não mais precisou deles, eles simplesmente perderam o norte de suas respectivas vidas pois, familia, amigos, entretenimento...isso é so um mero detalhe. A vida do organismo EMPRESA é mais importante. O fanatismo, tudo é mais interessante. Inclusive agredir uma pessoa que OUSA questionar o DOGMA EMPRESARIAL de ERP, (assim como foi a Reengenharia, varios Gurus...etc. Outrora dogmas, hoje conceitos obsoletos.

    E por falar em Ferrari...Tenho um Fusca sim com muito orgulho! Presente do meu avô e se encontra totalmente original.

    ResponderExcluir
  73. Daniel Shimomoto de Araujo,

    Eu li muito bem o que o senhor escreveu, algo que estou cansado de ouvir no ambiente corporativo de pessoas que não conseguem enxergar nada além do que acontece no departamento onde trabalha.
    Atualmente, multinacionais simplesmente entrariam em colapso sem um sistema integrado, aliás até poderiam funcionar, porém custando infinitamente mais e com um tempo de reação em relação ao mercado, que sem dúvida acabariam em bancarrota.
    Não levarei para o lado pessoal, mas não pude me calar quando li algo desmerecendo "a Ferramenta". Saiba que o sistema não engessa, quem engessa é o usuário quando não está capacitado apropriadamente, o sistema é fundamental para a escala de produção atual em praticamente todas as multinacionais.
    Não vem ao caso, mas para seu conhecimento, o SAP era R3, as versões atuais receberam uma nova nomenclatura SAP ERP Central Component (SAP ECC).
    Meu comentário anterior foi sobre "vida profissional", não vendi minha família para trabalhar com SAP e por favor não se preocupe com esta questão, tive exemplo na família de uma pessoa que viveu para trabalhar e quando se aposentou sua vida acabou, no caso o meu pai, não há a menor chance disto se repetir comigo.
    Quanto ao Fusca, foi só uma analogia, minha intenção não foi desmerecer um carro que todos nós adoramos.
    "E só pra não esquecê"... Muito me admira uma pessoa pós-graduada na Fundação Getúlio Vargas ter uma opinião dessa.
    Sds

    ResponderExcluir
  74. Fabio;

    O topico é sobre Auto-Entusiastas mas vale alguns comentário:

    Anos atrás (não sei como está hoje pois parei de acompanhar), Microsiga ganhou muitos clientes MEDIOS nacionais e internacionais exatamente pelo fato de ser mais flexivel e mais barato que o SAP...Isso escutei da boca de um consultor de uma multinacional especialista em ERP...

    A minha critica (e relendo o que escrevi lá atrás) é que os sistemas (a "ferramenta" como você diz) parece que mais atrapalhou e engessou a industria automobilistica do que facilitou. Que a customização, outrora era mais simples do que hoje. Não tenho duvida que a informatica e os sistemas de informação são partes indissoluveis hoje de qualquer empresa, mas que o sistema parece que engessou, parece.

    E p´co desculpas a você e aos demais entusisastas.pois o conceito que eu escrevi, agora relendo, transpareceu que eu sou um anarquista, antitecnologico e antiERP. Não é isso. Sou anti engessamento que vemos na industria automobilistica e nas empresas em geral, engessamento esse (e você sabe disso) atribuido ao sistema (se o sistema deixar...já escutei isso, especialmente em bancos embora estes nao usem SAP...).

    Sds Fuscófilas!

    ResponderExcluir
  75. Arnaldo Keller07/04/11 15:37

    Daniel e Fabio,

    Não interessa para o blog haver discussões que envolvam ofensas pessoais. No final, quem sai prejudicado é o blog.
    E, no final, parabéns, pois acabaram se entendendo como gente grande que são.
    O que o Fusca uniu, o homem não há de separar

    ResponderExcluir
  76. Daniel e AK;

    Na década de 80, quando nosso mercado patinava em torno de 800 mil a 1 milhão de unidades/ano, a variedade de itens de personalização era muito maior.
    Podia-se escolher entre a cor do inteiror, o tecido dos bancos, pintura saia-e-blusa, motor, caixa de marcha, até o modelo do toca-fitas, fora os opcionais mais caros, como o raro ar condicionado.
    Lembro que na linha fiat, se o carro fosse movido a gasolina, a grade dianteira vinha num tom de bege, e no alcool, preta.
    Hoje, num mercado com quase 3 milhoes/ano, e com imensa capacidade de programação de produção que um ERP disponibiliza não se pode ir além da escolha de um ar condicionado num carro popular, ou algum badulaque vendido na concessionária.
    Simplesmente se convencionou em vender o basícão ou o completão. Tudo ou nada.
    Alguma coisa está errada. Com o pobre coitado do consumidor ou com a organizada indústria. Gostaria de ser respeitado pela indústria com a mesma variedade que se oferece ao consumidor europeu, americano ou até mesmo argentino, com vários tipos de motor, transmissão e acabamento. Tudo de acordo com o meu espírito e bolso.

    ResponderExcluir
  77. Daniel,

    Este "engessamento" é atribuído ao sistema, porque há casos em que a customização é necessária, conforme você já disse. Quanto mais automatizado é um sistema, mais parâmetros e desenvolvimentos, no caso do sistema standard não atender, serão necessários.
    Até hoje não me deparei com um processo que não possa ser desenvolvido em linguagem ABAP e acredito que este não exista.
    A SAP, mais as consultorias parceiras, atendem o mundo, inclusive os bancos, se não podemos optar por três ou quatro tons de tecido para o interior do carro que queremos comprar, isto é somente questão de custo, estamos cansados de comentar que a indústria automobilística brasileira cada vez abusa mais, colocando o que quer "guéla abaixo" do consumidor.

    AK,
    Desculpe-me se desvirtuamos o post, mas nada de ofensas, estamos defendendo cada um o seu ponto de vista.

    Abs

    ResponderExcluir
  78. Visionário07/04/11 17:13

    Eu falei e repito, esses adolescentes tardios (na faixa dos 31 anos) tem uma arrogância inata, se acham os donos do mundo e senhores da razão...

    Só a vida os fará aprender, e da pior forma!

    ResponderExcluir
  79. Anônimo 207/04/11 17:19

    Realmente, antes tínhamos muito mais opções de customização, mas em contrapartida tínhamos bem menos modelos de carros também.

    Claro que o ideal seria ter as duas coisas, ainda mais considerando que o volume de vendas atualmente é bem maior.

    Na minha opinião, a culpa de tamanha falta de opções não é desses sistemas, mas sim da ganância das montadoras, que diminuem as opções para terem maior economia de escala.

    ResponderExcluir
  80. Pode crer Visionário

    "E você ainda pensa que é um doutor, padre ou policial que está contribuindo com a sua parte para o nosso belo quadro social"

    ResponderExcluir
  81. Anônimo 07/04/11 05:55

    Não só é margem de lucro. Existem muitos impostos indiretos que não podem ser tirados do preço do carro, pq a variação é muito grande. São impostos em cascata, que são cobrados das montadores, dos fornecedores, dos fornecedores dos fornecedores e etc. O melhor exemplo é que vc paga 102 reais em imposto para cada 100 reais que vc paga a um funcionário seu. Isso não tem como calcular. Só dá para calcular imposto direito, tipo IPI e ICMS, que tb são altos.

    Tem tb o "Custo Brasil", aqui é mais caro tudo. Energia muito é caro, custo de transporte é caro (portos, rodovias e etc), custo de burocracia é caro, falta de mão de obra qualificada e etc. Só depois de tudo isso vem o lucro das montadores. Que tb é alto. É uma conta bem mais complexa que isso.

    ResponderExcluir
  82. Anônimo 07/04/11 05:55

    Não só é margem de lucro. Existem muitos impostos indiretos que não podem ser tirados do preço do carro, pq a variação é muito grande. São impostos em cascata, que são cobrados das montadores, dos fornecedores, dos fornecedores dos fornecedores e etc. O melhor exemplo é que vc paga 102 reais em imposto para cada 100 reais que vc paga a um funcionário seu. Isso não tem como calcular. Só dá para calcular imposto direito, tipo IPI e ICMS, que tb são altos.

    Tem tb o "Custo Brasil", aqui é mais caro tudo. Energia muito é caro, custo de transporte é caro (portos, rodovias e etc), custo de burocracia é caro, falta de mão de obra qualificada e etc. Só depois de tudo isso vem o lucro das montadores. Que tb é alto. É uma conta bem mais complexa que isso.

    ResponderExcluir
  83. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  84. Botar a culpa em "custo brasil" é muito fácil, e cômodo, e é o que a GMB quer que vocês engulam.

    ..ou vocês acham que na Europa a peãozada ganhando em Euros, é mais barata que no Brasil, ou que lá se paga menos imposto? Ué... então porque mesmo assim, carro lá é mais barato? ;)

    Afinal, é o "custo brasil" que faz com que continuemos a vender Corsa '94 com ano-modelo 2011 (Agile) ou Astra '98 com ano-modelo 2011 (Vectra)? Pelo menos o Uno de '89 manteve-se até a última geração sem orgulhoso de sua idade - e com preço condizente a ela.

    A grande realidade é que AS FÁBRICAS E MONTADORAS BRASILEIRAS SÃO AS MAIS LUCRATIVAS DO MUNDO porque temos um mercado que aceita produto RUIM, e CARO!

    Não é à toa que temos um dos mercados mais atrativos do mundo, com talvez a maior variedade de marcas em um só país - já pararam pra pensar que nos EUA só se vende carro nacional ou japonês, e que na Europa quase não há coreanos?

    Enquanto o brasileiro continuar comendo m... pra arrotar caviar, seremos reféns de carros de 10mil dólares (Corsa 'Classic' Sedã, Jac J3, Renault Logan, VW Fox...) sendo vendidos a R$ 40mil.

    A minha parte eu já faço, educando parentes, amigos e familiares a não cairem na pegadinha do facelift, e exigirem qualidade condizente com o preço.

    []'s!

    ResponderExcluir
  85. Eu também pergunto:

    Porque aqui os fabricantes também não oferecem opcionais realmente opcionais??? Somente pacotes ou packs???
    Quero um carro só com ar condicionado e mais nada. Cadê??? Tem sempre que estar acompanhado de DH e VE!!!
    E cambio automático???? Somente na versão mais top que a top!!!!
    1.0 automático nem pensar!!!! Inocentemente questiono e os europeus da mesma marca com o mesmo deslocamente volumétrico e cambio CVT??? Resposta: O Sr. deve estar brincando ou está louco...

    ResponderExcluir
  86. "E quem compra Camaro não é auto-entusista, é pq tem dinheiro sobrando e viu ele no Transformers."
    Este anônimo condensou numa frase tudo que penso deste camaro de cara caída.
    E o TallWang falou uma coisa que é verdade, esta coisa de vender item agregado é especialmente forte na VW, obrigando a comprar X para botar Y... Não é venda casada, portanto proibida?

    ResponderExcluir
  87. Bom, quem quiser acreditar em ilusões, que acredite.

    Mas o melhor mesmo é arranjar um inimigo e botar toda a culpa nele.

    ResponderExcluir
  88. Se esse pessoal da Hyundai visse como o Genesis cupê vende na Argentina , trariam ele .

    ResponderExcluir
  89. eu ainda me pergunto pq chevy e ford ñ vendem s10 e ranger a gasolina 4x4. tá tudo lá inclusive o mercado consumidor.

    ResponderExcluir
  90. O AK se revolta com o não oferecimento do Camaro V8 manual. Muito justo e bem vindo este post!

    Porém, me revolta muito mais não termos o Omega V8! Temos que engolir o Omega V6 automático (ok, é um excelente carro), mas se de onde ele vem existe o V6 manual e o V8 (tanto manual como automático), porque diabos temos que engolir somente o V6 automático???

    Porra! É de f**er mesmo.

    ResponderExcluir
  91. Quem não acredita no custo Brasil e em sua burocracia, que tente abrir uma empresa no Brasil. Vai mudar de ideia rapidinho.

    ResponderExcluir
  92. Alexandre Freitas12/04/11 21:16

    Arnaldo,
    Meus cumprimentos ao comentário das 12:44, e também ao ditado do usando o fusca. Sábias palavras!

    ResponderExcluir
  93. Se o V8 vender bem o V6 vem para o Brasil. E como esta vendendo acho que é so uma questão de tempo. O V8 veio primeiro pra impressionar e levantar a imagem da chevrolet. O V6 qd chegar vai vender muito se td der certo eu serei um.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.