UM ANO E TANTO PARA O "MUSEU ITINERANTE" PORSCHE

Museu Porsche em Zuffenhausen, bairro de Stuttgart


Neste ano o Museu Porsche (foto) colocará mais uma vez em exposição itinerante, nos mais prestigiosos eventos de carros clássicos por todo o mundo, carros de corrida da bem-sucedida história da marca. Destaques da agenda do Museu Itinerante incluirão a Mille Miglia e o Goodwood Festival of Speed. As datas dos principais eventos para os embaixadores da marca de 2014 são conhecidas a seguir.

O Museu Porsche, nos dias 15 a 18 de maio, dará uma largada impressionante na lendária Mille Miglia. Um 550 Spyder, dois 356 Cupês e um 356 Speedster estarão disputando a famosa e longa prova de estrada. Os pilotos destes veículos únicos serão o Dr. Wolfgang Porsche, presidente do Conselho de Supervisão da Dr. Ing. h.c. F. Porsche AG, e a lenda do automobilismo mundial, Jacky Ickx. A Mille Miglia ainda é um grande desafio tanto para os pilotos quanto para os veículos, uma vez que a nova distância de 1.750 km será percorrida em apenas quatro dias e passará por quatro zonas climáticas diferentes.




Cena e cenário típicos da Mille Miglia Histórica

Os clássicos carros de corrida do Museu Porsche participarão do tradicional evento “Paul Pietsch Klassik” nos dias 6 e 7 de julho. Walter Röhrl, bicampeão mundial de rali, e Hans-Joachim Stuck, vencedor de Le Mans e do Campeonato Alemão de Turismo (DTM), pilotarão um 911 Carrera 2.7 RS e um 911 Speedster, respectivamente, em um percurso de 450 quilômetros no sudoeste da Alemanha.

O Goodwood Festival of Speed é inconcebível sem um Porsche. Um evento anual que vem sendo realizado desde 1993 na propriedade do Lorde March em West Sussex, este ano será realizado de 26 a 29 de junho. O Festival of Speed é o maior evento deste tipo de todo o mundo. A platéia verá diversos carros clássicos e famosos da Porsche. O enfoque deste ano é dado ao tema “Turbo” e, portanto, os carros que poderão ser vistos incluem um Porsche 959 Grupo B, um 964 Turbo, um 993 Turbo e um Porsche 935, também chamado de “Baby” devido ao seu pequeno motor de 1,4 litro. Os visitantes também verão dois carros Porsche 917 especiais: o Porsche 917 K (Kurtzheck, cauda curta), que traz à tona lembranças da primeira vitória na classificação geral da Porsche em Le Mans, em 1970, e o Porsche 917/30, desenvolvido para a série CanAm.

Coincidindo com o retorno da Porsche a Le Mans com o Porsche 919 Hybrid, vários outros veículos famosos da Porsche serão exibidos na clássica corrida de Le Mans entre os dias 4 e 6 de julho. O Museu Porsche enviará quatro carros à França neste verão: um 911 Carrera RSR Targa Florio, o Porsche 935/77 Grupo 5, um 911 Turbo Cabriolet e um 911 Turbo 3,0.

Entre os dias 10 e 12 de julho, o Museu Porsche mostrará diversas lendas históricas no “Ennstal Classic”, em que a Porsche será o principal tema deste ano. Com um trecho inicial de serra, passeios pelas Montanhas Tauern e um grande-prêmio disputado na cidade, o evento de três dias oferecerá um festival de automobilismo a pilotos e espectadores. Além da participação de 356 carros Porsche, sendo que um deles será dirigido pelo Dr. Wolfgang Porsche, um 911 2,2 Targa também estará na disputa. Os visitantes terão a oportunidade de admirar a habilidade de ex-pilotos de corrida como, por exemplo, Walter Röhrl em um 718 WRS, Jacky Ickx no lendário 550 A Spyder e o atual piloto de equipe da Porsche, Marc Lieb, em um GT1 1998 quando participarem do “Chopard Grand Prix von Gröbming”.

Walter Röhrl

O Museu Porsche também estará levando seus carros clássicos ao evento “6th Schloss Bensberg Classic”, a ser realizado nas cercanias de Grandhotel Schloss Bensberg (onde o Ae já esteve), próximo a Colônia, entre os dias 18 e 20 de julho, e entre os dias 14 e 17 de agosto o Museu estará presente no famoso “Concurso de Elegância de Pebble Beach”, na Califórnia. Depois disso, o Museu Porsche participará do “Sachsen Classic” na Saxônia, entre os dias 21 e 24 de agosto. Veículos como um 356 Speedster, um 911 Targa e um 911 Turbo cobrirão, neste rali para carros clássicos, uma distância de 610 km entre Zwickau a Chemnitz por toda a região de Vogtland.

A Porsche está utilizando uma abordagem muito especial no seu conceito de Museu Itinerante. Praticamente todos os carros do Museu podem ser usados nas estradas e, assim, cumprem o objetivo original para o qual eles foram construídos: o de serem dirigidos. Além disso, os especialistas da oficina do Museu Porsche garantem que, tanto antes quanto durante toda apresentação itinerante, os embaixadores móveis da história da Porsche estarão bem preparados e em ótima condição técnica para todos os eventos.

É por isso que, diferentemente de qualquer outro museu de automóveis, o Museu Porsche se destaca por sua variedade e vigor. Uma vez que as mostras estão continuamente sendo reorganizadas, ele oferece um cenário em constante mudança em Zuffenhausen, em vez da tradicional e estática mostra. Acesse a página na internet www.porsche.com/museum para saber mais do museu e obter outras  informações.

BS

17 comentários :

  1. Em terras tupiniquins, museu "itinerante" é quando, por exemplo, o (des)governo desaloja o museu do Nasser, e ele tem que se virar para ir para outro lugar. Alguém do alto-(des)comando, lá em Brasília, ao ler meu comentário, dirá: "mas p*rra, que sujeito reclamão e ingrato! Trouxemos a Copa para esse infeliz e ele fica aí, se lamentando por um museu, ao invés de se preparar para a grande festa!".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que esse sujeito infeliz também me considere como mais um reclamão aí, assim como vc.

      Excluir
    2. Reclamao nada..,
      Muito bem colocado seu comentário Mr. Car!
      Agora o desgoverno com certeza nao pensou em trazer a Cpoa ao Brazil para agradar o povo
      Pensou mesmo em enxer os bolsos com roubalheira da brava!

      Excluir
  2. A proposito de Museu Porsche, sabiam que tem um brasileiro que corre nos historicos com Porsche ?
    Morando na Alemanha, jà enviei varias fotos e detalhes mas nao obtive alguma informaçao do Brasil, mesmo porque, me consta ter sido o mesmo, piloto dos anos 60/70. Neste fim de semana teremos, além da Mille Miglia, corrida em Ockenheim onde estarao os Porsche's do museu o de coleçoes privadas.
    Se puderem me enviar ulteriores informaçoes do time brasileiro seria grato.
    José Armando Junqueira

    ResponderExcluir
  3. Que bela iniciativa.
    Ao contrário de outras fabricantes de supercarros, a Porsche faz questão de aproximar-se de todos aqueles que gostam de automóveis com essa ação, não somente os potenciais compradores. Isso contribui para aumentar o carisma da marca, e também tornar acessível um pedaço da história do automóvel.

    ResponderExcluir
  4. Daniel San24/04/14 14:24

    Bob,já se falou muito sobre o 550 Spyder,de que era um carro excepcional,porém perigoso,e que o pai de James Dean,teria lhe alertado de que o filho "estava dirigindo uma bomba". Apesar do desempenho espetacular,até pelo reduzido peso,a potência do 550 não era lá muita coisa. O que teria tornado esse carro a verdadeira lenda que se tornou,a ponto de desbancar Ferraris,Jaguares e o que mais encontrasse pela frente?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel San
      Era um carro eficiente, pouca área frontal, leve, excelente tração, equilibrado pelo motor central-traseiro e de boa relação peso-potência — e cavalos alemães... Lembro-me de ler nas revistas vários resultados Ferrari-Ferrari-Porsche. É um dos meus sonhos dirigir um do Museu Porsche.

      Excluir
  5. pretty nice blog, following :)

    ResponderExcluir
  6. Bela iniciativa da Porsche, uma iniciativa que ultrapassa o marketing e atinge o autoentusiasmo! Carros são feitos para usar, para dirigir, ainda mais carros tão especiais como esses! Parabéns ao pessoal de Stuttgart!

    ResponderExcluir
  7. Aquele 991 Turbo azul, o que é aquilo? Não trocaria ele por qualquer Ferrari, Lamborghini ou McLaren. Ou mesmo Porsche.

    ResponderExcluir
  8. Enquanto isso no Brasil a Audi esconde seu parentesco com os DKW 3 cilindros, com medo de desagradar seus clientes.

    E dizem que somos apaixonados por carro... Só se esquecem de dizer que só se tiver Insulfim, ser preto ou prata e flex.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcos Alvarenga
      Não é bem assim. O fato é que a Audi, formada como Audi-NSU AG em 1965 (mais tarde Audi AG) simultaneamente com o fim da Auto Union GmbH (comprada da Daimler-Benz pela Volkswagen AG), não tem nada a ver com o DKW e seus motores de três cilindros. Lembre-se, Audi, DKW, Horch e Wanderer eram fabricantes independentes que se fundiram como Auto Union AG em 1932 e se tornaram divisões, analogamente à General Motors Corporation e suas diversas divisões, como Chevrolet, Buick, Oldsmobile, Pontiac, Cadillac, GMC e outras. O fato de o emblema do DKW conter os quatro anéis entrelaçados (o logotipo da Auto Union AG que a Audi AG "herdou") não implica parentesco de Audi com DKW. Muitos fazem essa associação equivocada.

      Excluir
    2. Entendo a história, Bob. Não digo que mecanicamente são descendentes diretos, mas esse capítulo da história foi primordial para o não desaparecimento da Auto Union após a segunda guerra mundial, inclusive passando pelas mãos da Daimler até ser adquirida pela Volkswagen. Não há porque esconder essa história de sobrevivência em tempos difíceis.

      A Audi original, dos anos 20 não sobreviveu como conceito de produto depois da retomada da produção. Apenas o nome (e curiosamente, Horch e Audi foram fundadas pelo senhor Horch, e Audi é apenas a tradução de seu sobrenome para o latim).

      Abraço,

      Excluir
    3. Caro Bob,
      Excelente a explicação acima. Para quem curte a história dos carros, este é mesmo um ótimo resumo disso tudo.
      Valeu!

      Leo-RJ.

      Excluir
    4. Marcos Alvarenga
      Não é que a Audi não tenha sobrevivido, aconteceu que a direção da nova Auto Union decidiu recomeçar pelo modelo mais barato dos quatro da Auto Union original, justamente o DKW. Só que a empresa autônoma só existiu de 1949 a 1958, pois certamente teriam lançado a marca Audi. Sobre August Horch, ele fundou, com sócios, a Horch, mas alguns anos depois os sócios, numa manobra, o tiraram da sociedade. Como decidiu fundar outra fábrica, não pôde usar seu próprio nome, daí o que você acertadamente disse sobre a tradução de 'Horch' para o latim.

      Excluir
    5. João Carlos25/04/14 03:37

      É que tem um cara de um blog que também é colecionar de carros, que toda vez toca no assunto, de que os dirigentes da Audi procuram negar suas origens com a DKW. De certo ele chegou com seu Belcar todo cheio de prosa em algum evento da Audi, achando que ia abafar, e saiu meio tristonho kkkk

      Moral da história: conta-se a história errada, fica bravo com a Audi sem motivo, e ainda faz uma legião de seguidores "haters"...

      Excluir
  9. A história contada pelos próprios está aqui. Pouco divulgada, é verdade, mas bem conhecida dos entusiastas da marca.

    http://cargarage.com.br/cultura-gratis-quatro-aneis-a-historia-da-audi/

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.