Notícia: NISSAN INAUGURA SUA FÁBRICA NO BRASIL




A Nissan inaugurou esta esta semana seu Complexo Industrial no Brasil, em Resende, estado do Rio de Janeiro; no Vale do Paraíba, após apenas dois anos desde o início das obras, e resultado de um investimento de R$ 2,6 bilhões de reais. O complexo destina-se a executar o ciclo completo de produção, com estamparia, armação, pintura, injeção de plásticos, montagem e inspeção. No complexo fica também a fábrica de motores e, à volta, fabricantes de autopeças. A capacidade de produção inicial é de 200.000 veículos por ano em três turnos, com igual número de motores.

Inicialmente será produzido o hatchback March 1,6-l, que será denominado New March — nada foi falado ainda de suas novas características —, e o sedã Versa, este mais para o fim do ano e que continuará a vir do México, da fábrica Nissan em Aguascalientes, juntamente com o March 1,0 de motor Renault brasileiro. Não foi revelado quando os motores 1,0 Renault "viajarão" de São José dos Pinhais, PR, para Resende, para se iniciar a produção do March brasileiro de 1 litro, mas não deverá demorar.

Momentos antes de começar a cerimônia


O presidente da aliança Renault-Nissan, Carlos Ghosn, que é brasileiro, disse no evento que a Nissan objetiva passar dos atuais 2% de participação no mercado brasileiro para 5% até 2016 — tarefa árdua, seus pares japoneses Toyota e Honda detêm 5,1% e 4,1%, respectivamente (março). Por isso a nova fábrica não poderá ficar restrita ao New March e (New?)Versa, terá de produzir mais modelos em Resende, que poderá ser o monovolume Note e até mesmo o Sentra.


Carlos Ghosn em seu discurso exibido também em telões

A fábrica já emprega 1.500 pessoas e em pouco tempo chegará a 2.000. A participação feminina é de 15%, porcentual bem acima da média da indústria, diz a Nissan.

A picape Frontier e os monovolumes Livina e Grand Livina continuam sendo produzidos no Complexo Ayrton Senna, da Renault, em São José dos Pinhais, e a Nissan informou que não haverá mudanças nesse sentido.

Ae

10 comentários :

  1. Espero que a Nissan também invista nas vendas e pós-vendas. Um atendimento impecável ao consumidor é o óbvio ululante que parece que não se quer ou não se consegue trabalhar. Compra-se um carro que sempre é caro (independente de qualquer comparação ou justificativa é caro) e se fica na mão. Apesar de achar fora de noção os preços da Toyota para seus veículos, é fácil entender o motivo por venderem tanto quanto puderem fabricar... não é o produto em si, mas o pacote que vem junto: venda, revisões, pós-vendas, valorização do usado na hora da troca... Hoje já não possuem mais clientes, mas verdadeiros fãs. Não tenho nenhuma experiência com a Nissan, mas com a Renault não foi das melhores, eles têm de melhorar muito para realmente cativar o cliente.
    Em particular não acho que o simples fato de fabricarem no Brasil ser suficiente como argumento de compra. O pacote todo tem de ser adequado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Outra coisa que ajudaria a Nissan a alcançar o market share desejado seria melhorar a estética de seus carros. Melhor um visual sem graça que um polêmico e desproporcional. O face-lift do Versa deixou-o ainda pior, enquanto o novo Sentra ficou bem melhor, na minha opinião.

      Excluir
  2. A Nissan precisa mudar seu esquema de manutenção programada. Atualmente é feita com intervalos de 6 meses ou 10.000 km, eu por exemplo não rodo essa quilometragem nesse intervalo de tempo, então fica totalmente desregulada a manutenção. Por exemplo, o carro tem um ano e 10.000 km, a revisão é pra ser feita quando o carro tem 20.000km, sendo assim forçado a trocar peças desnecessárias.
    A da Honda é muito melhor pois os intervalos são 1 ano ou 10.000 km.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As revisões na NIssan já são de 1 ano ou 10 mil Km a quase um ano.

      Excluir
  3. Parabéns à Nissan por investir no Brasil, gerando empregos e tendo um compromisso de fabricar aqui esses e espero outros automóveis ! Como disse o anônimo acima, que eles aprendam com a Honda e Toyota e saibam cativar seus clientes mostrando respeito e profissionalismo, acima da sede de lucros desmesurada que arruínam qualquer tentativa de ganhar seguidores e não meros compradores.

    ResponderExcluir
  4. Se não melhorar o pós-venda digno de chinesa que tem vai continuar patinando. Tenho dois exemplos dentro da família (prima e tio) que compraram veículos Nissan (Tiida hatch e Sentra, respectivamente) e ambos são categóricos quando dizem "Nissan nunca mais". Eu mesmo, envenenado por eles, jamais compraria um hoje em dia. Nesse quesito Toyota e Honda são impecáveis e fica realmente difícil alguém que teve um carro dessas duas marcas gostar do pós-venda das outras.

    ResponderExcluir
  5. A partir de 11/2012 a Nissan alterou o esquema para também 1 ano ou 10.000 km.

    ResponderExcluir
  6. Pra mim nissan nunca mais. Em menos de um ano rodei 36mkm numa frontier que visitou a ccs pelo menos 15x para resolver problemas de fabricação: acabamentos internos, alinhamento de pecas, problemas de suspensão e o crônico defeito de sensores de turbina.

    Fusca95.

    ResponderExcluir
  7. Espero que os burros que falam "montadora" agora tenham aprendido o que é uma fábrica.

    McQueen

    ResponderExcluir
  8. Será que posso ter esperanças de carros menos caros ou vai se juntar ao cartel dos preços abusivos mais altos do mundo.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.