MUSTANG 50! PARABÉNS DOS AUTOENTUSIASTAS

 


Agora, em abril, o Mustang está completando 50 anos! Não são tantos modelos que tem essa longevidade. E ainda mais com uma história tão rica e interessante. Pensei fazer um longo post sobre essa história (que o RN já contou aqui recentemente) mas achei que seria mais bacana relembrarmos juntos dos posts que já foram feitos e que não deixam de contar essa história só que por uma perspectiva mais pessoal.

Abaixo estão os posts, com os links nos títulos, e um pequeno extrato do texto para aguçar o interesse. Espero que se divirtam (e se emocionem) com essa homenagem do AUTOentusiastas ao Mustang!

Ah! Se pedirem muito, acho que o MAO ou o JJ podem fazer mais um post da série os "10 Mais" com os Mustangs mais bacanas.


Cinqüenta anos de Mustangs, do entreeixos a 2015 (RN)

O Mustang é um sucesso a completar meio século. Nele, nove milhões de unidades vendidas, seis séries com vendas em sobe e desce; engorda e emagrece; cresce e diminui; motor V-8 fraco; médio; forte; seis; quatro com aspiração atmosférica e turbo, mudanças justificadas pelos estudiosos de mercado nas indústrias. Um pessoal suspeito de possuir esfumaçada bola de cristal onde crêem ver as futuras vontades dos compradores — às vezes, enxergam demais e borram a filosofia, alteram o conceito, e estragam um bom produto...


O cinquentão em sua melhor forma!?


A geração do Mustang em vigor, com uma plataforma conhecida por Fox lançada em 1978, dividida com outros carros do grupo do oval azul, como Mercury Zephyr, teria que receber alterações para deixar o Mustang mais esportivo. A solução foi entregar o projeto do novo Mustang de alto desempenho para a recém-criada SVO (Special Vehicle Operations), ou Operações de Veículos Especiais, divisão responsável pelos carros mais potentes e de competição da marca. Esta divisão foi idealizada pelo próprio Henry Ford II, que via a necessidade de trazer de volta os clientes mais entusiastas.

É um Mustang?!

Mustang GT V-8: California Dream (PK)

Pelo mesmo preço, além do Mustang GT 5,0-litros com 418 cv também estavam disponíveis o Camaro SS 6,2-litros com 432 cv e o Challenger R/T 5,7-litros com 380 cv. E agora? Que dúvida gostosa de ter! Nunca dirigi um Challenger, e apenas dei uma pequena volta num Camaro V-8 que o primo Arnaldo testou. Mas já aluguei Mustang e Camaro, ambos V-6. De cara pensei no Challenger por ser uma total novidade para mim e bom para um post. Mas os amantes MOPAR que me perdoem (eu também sou um amante MOPAR) pois acho as proporções da carroceria do Challenger estranhas. Olho para ele e apesar de achá-lo muito bacana no geral, tem algo estranho com a relação entre comprimento, largura e altura. Simplesmente acho o Mustang e o Camaro muito mais legais.

Mustang GT V-8 five-oh em 2001 deposi das últimas atualizações desse modelo

Mustang Boss 302, fiel às raízes (AK)

É uma de minhas manias, sei, mas tem manias piores por aí... Então, a primeira coisa que vou olhar num carro bacana ao entrar em uma loja é se ele tem a boa alavanca de câmbio no console. Se não tem, os pelos eriçados dos meus braços logo se acalmam e voltam a deitar de encontro à pele. Porém – como é o caso deste lindo Mustang 302 Boss laranja ofuscante –, se ele tem a tal da alavanca, logo minha imaginação começa a funcionar e já me vejo guiando o bicho, escutando seu ronco, mudando marchas e caprichando nas cambiadas, tanto marcha acima como marcha abaixo, e tentando me entrosar com o bicho. Esse faniquito só passa se guiar o carro.

O AK comandou o Chefe

Já tive um Mustang (PK)

Na realidade eu reservei um Pontiac G6. Um dia antes de vir pra cá disse para um amigo que alugaria um Mustang em São Francisco só pra dar uma de Frank Bullitt. Mas na hora falei só de sacanagem, pois achei que não o faria. No aeroporto de Guarulhos, na ida, comprei a Car and Driver americana e vi a propaganda de um Saleen. Mostrei a pra minha filha e esposa e disse que é desse tipo de carro que gosto. Já em san Diego, quando cheguei à Avis para retirar o meu carro dei de cara com vários Mustangs no pátio. Perguntei no balcão se havia algum disponível e a atendente disse que sim; por 300 dólares a mais. Então eu disse "OK, I'm getting the red one". Quase 20 dias por 700 dólares no total. Achei que valeria a pena.

Mustang V-6 ano modelo 2009 comemorando 45 anos


Entrar com dois representantes icônicos da indústria automobilística americana num ícone de sua cultura como a Rota 66 é um momento solene, diria que é uma ocasião quase que sagrada. Carros feitos para a estrada, que foi feita pra carros, mas em uma época em que os espaços eram abundantes, o tráfego era muito mais calmo e a vigilância eletrônica dos motoristas não existia nem nos sonhos das autoridades. Este trecho da Rota 66, inóspito, passando pelo meio do deserto, ainda guarda um pouco deste tempo. Com a inauguração da Interstate 40 na década de 1960, nos trechos que sobraram da Rota 66 parece que o tempo parou naquela época.

Dois rivais e de certa forma amigos

Eu gostaria de ter uma conclusão definitiva sobre minha escolha entre esses dois carros. Gostei do refino do Camaro, mas o Mustang tem uma "pegada" diferente, mais direta. O visual do Camaro é moderno e avançado, o do Mustang remete mais ao passado e se acomoda melhor aos padrões mais básicos de beleza. Os dois são ícones e despertam nossa paixão e entusiasmo. Portanto eu simplesmente não consigo escolher um dos dois. Isso me fez lembrar de um livro que li recentemente, "Zen e a Arte da Manutenção de Motocicletas - Uma Investigação Sobre os Valores", Robert M. Pirsig (Editora WMF Martins Fontes).


Um V-6 conversível em 2010

Ford Mustang Boss 302 na sua terra natal (JJ)

O Boss é violento e civilizado ao mesmo tempo. Tem um motor e um câmbio que tive vontade de trazer na mala, tão bem que funcionam. Nada de engasgos ou buracos de entrega de potência. É algo viciante acelerar a fundo progressivamente no acesso às estradas, ou ao entrar em uma rua vazia. Aquela colada de corpo no banco e o som do motor subindo de giro sem parar é de querer repetir infinitamente. Aliás, o 5-litros sobe de rotação como se fosse um motor menor, não como um motor grande com bastante massa de peças móveis, principalmente os pistões forjados e as bielas de maior resistência. Grande parte disso vem do tremendo trabalho de admissão de ar e sua mistura com gasolina feito pela divisão Ford Racing. 


Boss 302, um carro realmente especial

Mustang e o Pico do Jaraguá (MB)

Não importa se o carro é um Porsche, Ferrari, Alfa, Puma, Fusca ou Mustang. Não importa que o carro seja impecável ou precisando de reforma, o que importa é a vontade de ir até lá, subir a montanha e voltar feliz para casa. Só isso. Não precisa ser o mais rápido, nem o mais bonito. O Mustang não é preparado, o motor é original e ainda anda com o carburador bi-jet, e a transmissão é automática de três marchas, pontos não muito favoráveis para participar de uma subida de montanha. Este ano não foi tão bem assim no resultado final, mas quem se importa?

Um hardtop "no estado" que subiu a montanha

Com um Mustang Mach 1 1971, motor de 429 polegadas cúbicas (7,03 litros), Carey obteve o tempo de 9,84 segundos, a uma velocidade de 223,7 km/h. Para constar, o carro tem massa de 1.699 kg, o que contribui sensivelmente para a capacidade de tração, como podemos entender melhor nesse post sobre o Nissan GT-R.

Mach 1 "original"

Minha coleção de Mustangs

Bem, toda essa enrolação só para contar que na realidade eu tenho uma pequena coleção de Mustangs e achei que chegou a hora de revelar esse meu segredo ao mundo! Passei o Carnaval isolado em um sítio no interior de São Paulo de onde já tirei fotos de tudo que é jeito. Então decidi levar minha coleção para lá e fazer algumas fotos para o AUTOentusiastas.




Como dizem, "recordar é viver".

E Feliz Páscoa para todos!

Abraço, PK

Meu favorito!

32 comentários :

  1. Mustang: nenhum, absolutamente nenhum, por mais cavalaria que tenha, me fascina mais e teria mais vontade de ter (teria, pois salvo o milagre de ganhar uma bolada em alguma loteria da vida, nunca vou ter mesmo) que o primeiro, o 64/65, de preferência conversível e azul com interior monocromático idem. A beleza dele (por dentro e por fora) é absoluta! Como puderam fazer algo tão elegante, tão sóbrio, tão refinado, tão "limpo", e ao mesmo tempo tão marcante, sem excessos? Nada nele é over, nada sobra, nada agride o bom gosto. É perfeito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mr. Car
      Queria te desejar uma feliz Páscoa!
      Muita paz, saúde e harmonia para voce e todos os seus

      Excluir
  2. Mr. Car
    Concordo plenamente. Esse primeiro era incrivelmente puro. Por falar em Mustang, ele é o melhor exemplo de que essa conversa de plataforma pelos "plataformeiros de plantão" é totalmente sem nexo: nasceu de um simplório Ford Falcon...Hoje certamente torceriam o nariz devido à "plataforma velha"!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também não sou um "plataformeiro", Bob. Analiso um carro pelo conjunto, e um bom (ou mesmo muito bom) conjunto não precisa ter necessariamente a última palavra em termos de plataforma. Se se montasse hoje um carro totalmente novo sobre a plataforma de um Chevrolet Omega de primeira geração, por exemplo, e o entregassem nas mãos de plataformeiros fanáticos para que fosse testado (e sem mencionar a plataforma antiga), será que achariam o suposto carro ruim? Duvido muito. Capaz que achassem o carro maravilhoso, e ficassem com a cara no chão ao serem informados da velha plataforma. Gostaria de ver uma cena dessas, he, he!

      Excluir
    2. É questão das plataformas é igual com os filósofos de pneus. Se fosse feito um teste cego, urubu iria ser chamado de papagaio e vice versa

      Excluir
    3. Eu dou risada quando o assunto "plataforma" vem a tona... concordo que é sempre bom ter a disposição uma plataforma nova, recém-projetada, mas se a antiga ainda está dentro dos padrões e atende bem as expectativas, qual o problema?
      E o exemplo do Mr. Car foi perfeito.

      Hoje em dia estamos a mercê de três tipos:
      - plataformeiros;
      - Latin NCAPzeiros;
      - Motoreiros.

      E o mais interessante: as convicções desses três tipos mudam de acordo com o carro comentado... o carro tal tirou 4 estrelas no NCAP, nossa, é o melhor do mercado... o Etios tira as mesmas 4 estrelas e é execrado.
      Mas peraí, o certo não é comprar um carro que te ofereça segurança numa batida?
      Não entendo mais nada...

      Excluir
    4. Na época a plataforma do Falcon não era velha, então não faz sentido esse raciocínio.
      Além disso, exatamente por utilizar a plataforma do Falcon, o primeiro Mustang nunca foi nenhum expoente de comportamento exemplar ou fabuloso. Somente após seu sucesso a Ford investiu mais nesse aspecto do carro, que nasceu para ser apenas um Falcon com carinha bonita e baratinho, mas se transformou num fenômeno.

      Excluir
    5. Também acho essa coisa de plataforma a maior bobagem. Deveriam utilizar a do Ford T, não sei pra que desperdiçaram tanto tempo nesses últimos 100 anos com essa besteria de plataforma moderna.Era só fazer um bom acerto na plataforma do T e voilá, carro moderno instantâneo!

      Excluir
    6. Leonardo,

      Em concordo que tem gente sim exagera nas coisas, mas nunca vi ninguém execrar o Etios por causa do NCAP, ao contrário, todos que vejo reclamarem do carro reclama do desenho e do painel, mas elogiam o desempenho nos testes de colisão. O desempenho do Etios e do UP nas vendas mostram que a segurança não é ainda, do ponto de vista de vendas, fator determinante para o brasileiro.

      Excluir
    7. Não entendi o comentário do editor. O Mustang foi lançado com uma plataforma moderna para a época, já que o Falcon era em modelo ainda novo no mercado americano. Ainda era comum nos EUA carros com concepção de chassi e carroceria separados, o Galaxie 66 que tivemos aqui por exemplo aina era, enquanto que os Falcon/Mustang já utilizavam monobloco.
      Agora, se fosse lançado hoje exatamente igual era em 1964 o Mustang original seria uma porcaria de carro. Ninguém em sã consciência pode achar que um carro de 50 anos atrás, com freios e suspensões precários, câmbio de 3 marchas e por aí vai não seria nada diferente do que totalmente defasado.
      Estou tentando até agora entender o sentido da crítica.

      Excluir
    8. Mr. Car, eu também analiso um carro pelo conjunto. Então quando analiso o Agile em comparação ao Onix, os dois da mesma empresa, da mesma categoria, com o mesmo motor 1.4 e pelo mesmo preço e vejo que o Onix é muito superior ao Agile, eu concluo que um plataforma moderna faz sim muita diferença.
      Pode-se chegar à mesma conclusão comparando um Gol G4 a um G5, ou um Golf IV com um Golf VII, por exemplo.

      Excluir
  3. Parabéns pela matéria Paulo,

    FELIZ PÁSCOA!!!

    Para todos AE e leitores...

    Marco Antonio

    ResponderExcluir
  4. Sera que o seu Mustang tinha um escape desportivo da marca BORLA dos EUA? agradecia comentarios sobre se alguem conhece a marca de escapes desportivos mais premiada nos EUA, e que tem uma gama completa para os Muscle Cars Americanos especialmente Mustang e Camaros.
    Roberto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lorenzo Frigerio18/04/14 19:11

      Escapes de aço inox T-304... obviamente caros. No Brasil, com frete e imposto cobrado sobre a mercadoria mais o frete, impraticável.
      Os escapes mais conhecidos nos EUA são os Flowmaster. Não são de inox, mas de materiais premium, e têm o famoso "Flowmaster sound", devido à construção só com defletores, sem material absorvente. Dispenso. Meus V8 têm escapes do Giba e do Tico Escapamentos, com abafadores diretos, e mini-abafadores no fim, com "X" ou "H"... não têm restrição e são bem silenciosos, e o ronco também é legal.
      Escapamentos são uma coisa "de consumo", que nem o óleo do motor; minha opinião é que aço inox T-304 é "overkill" em carros de rua.
      Lembrando que os escapamentos que as FÁBRICAS instalam nos carros são VASTAMENTE superiores aos que você coloca na casa de escapamentos, que os chamam de "inox", mas é um inox mais low-grade.

      Excluir
    2. Lorenzo, agradeco a tua resposta muito professional, mas gostaria de comentar:
      Em relacao a aco inoxidavel ser um Overkill para caros de rua, certamente com razao se nao temos um problema de corosao dado por exemplo por razoes de neve, gelo etc. Mas a gama da BORLA e mais vocacionada para condutores que querem obter mais do seu carro, em potencia, estilo, qualidade (garantia de 1,000.000 de milhas), e som, sim o som da BORLA e unico (existem 3 niveis de som), e outro parametro importante reduzir o consume de gasoline. e e este o nosso Mercado como o Mustang, Camaro, Challenger etc. (http://www.borla.com/products/camaro_ss_catback_exhaust_atak_part__140356.html) (http://www.borla.com/products/mustang_gt_mustang_cobra_catback_exhaust_part__14445.html) (http://www.borla.com/products/challenger_rt_catback_exhaust_atak_part__140384.html)
      sinceramente que sugiro estudar um pouco as diferencas que existem entre os varios fabricantes.
      Roberto

      Excluir
    3. Lorenzo Frigerio19/04/14 16:12

      Só clarificando um trecho ambíguo do meu comentário: as casas de escapamentos chamam os escapamentos originais, instalados pelas fábricas, de "inox". Os escapamentos vendidos por essas casas são apenas galvanizados.

      Excluir
  5. o Mustang é, dos carros americanos em produção hoje, o único que habita meus sonhos. merece os parabéns pela data.

    para fechar o post, sugiro o vídeo (e a música): https://www.youtube.com/watch?v=xCqwp0ME9yA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nao posso de concordar e sugerir este video.....

      https://www.youtube.com/watch?v=ayemxBdI0bc

      Excluir
  6. Off topic
    Hoje tive o prazer de dar umas "esticadas" no modo "sport" em BMW 535 GT, carro muito bom conforme já relatado um post, salvo engano do AK aqui no AE, mais um "detalhe" me chamou a atenção, INTERIOR CLARINHO, diferente dos carros que a grande maioria (me incluo) tem condições de ter ou manter.

    Ao Bob. CARRO DE ENTUSIASTA, e sem "sacos de lixo" nos vidros.
    Ver o conta giros às 7 mil rotações por minuto foi o nirvana automobilístico.

    Passado esse sonho, voltei para a realidade do meu VW Gol Power.

    Michael Schumacher

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tenho quase certeza de que nós, que só fazemos essas coisas muito raramente, damos mais valor ou temos mais prazer na experiência do que quem tem e pode repetí-la sempre que quiser.

      ______
      42

      Excluir
  7. Para você também, anônimo 18/04/14 13:58 hs: feliz Páscoa! Bem como para todos os outros anônimos e também para os identificados, he, he!

    ResponderExcluir
  8. Lorenzo Frigerio18/04/14 19:23

    Quando dizem alguns que preferem o Mustang original, é porque ele é o conceito original, de um esportivo bonito, com bom desempenho e baixo custo. Ao longo dos anos, ele foi se embonecando e em algumas gerações a Ford errou feio a mão. O produto atual é evolucionário, no-nonsense, mas não tem nada de especial em matéria de estilo; o Camaro, idem. Como dodgeiro velho, prefiro o Challenger... a reformulação para 2015 ficou boa. Foram feitas modificações na carroceria, que finalmente permitiram a instalação da transmissão ZF de 8 marchas, a qual dá ao modelo V6 desempenho de V8 da geração anterior (com câmbio Mercedes de 5 marchas). A combinação já existia no Charger, que não tinha as restrições ao novo câmbio. Mais detalhes do Challenger 2015 na Allpar:
    http://www.allpar.com/cars/dodge/challenger/2015.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas o problema do Challanger e o excesso de peso
      Uma verdadeira bigorna!
      Assim Camaro e Mustang dão um pau danado nele!
      Há há há !

      Excluir
    2. Não posso deixar de concordar (eu ADORO os Mustangs, especialmente o Chelby....) mas mesmo assim sugeria este vídeo:
      https://www.youtube.com/watch?v=3M6939BhQNk

      Excluir
  9. Taí o carro que nunca perdeu as suas linhas e nunca precisou ser re-estilizado de maneira "retrô" . Esta última versão está deslumbrante, o design Fordista jamais decepciona.

    ResponderExcluir
  10. Não é a toa que fez 50 anos, muito bem vividos por sinal. Nasceu clássico e procurou se adaptar ao estilo de cada década posterior, apresentando formas cada vez mais diferentes e por fim buscando retornar as origens sem perder a modernidade. Será o eixo rígido mais longevo da história?

    PS: PK, tenho uma coleção de Mustangs da HW tão bonita quanto a sua. Entretanto, você é um fã tarado pelo Boss 69! Você tem cinco deles! Os que mais gosto da sua coleção é o Coupé 65 (vermelho 11), os Shelby GT-500 (azul listras brancas) e o Mach 1 (verde)

    ResponderExcluir
  11. Ótimo acervo sobre o Stang. Vale o dia inteiro de saborosa leitura!

    ResponderExcluir
  12. Os meus modelos preferidos são os fastback/hardtop 67 e os 1990 hatchback
    http://www.mustangdreams.com/67mint.jpg
    http://worldcarslist.com/images/ford/ford-mustang-hardtop/ford-mustang-hardtop-06.jpg
    http://2.bp.blogspot.com/_G3DjZetEqK8/SXDnH4F8axI/AAAAAAAADIo/fPqQQeO6K9I/s1600/1987-1988-1989-1990-1991-1992-1993-ford-mustang-4.jpg
    http://1.bp.blogspot.com/_G3DjZetEqK8/SXDvTpl471I/AAAAAAAADJo/FUuM1-aJ3ZI/s1600/1987-1988-1989-1990-1991-1992-1993-ford-mustang-11.jpg

    Uma Feliz Páscoa à todos!!!

    ResponderExcluir
  13. Difícil dizer qual Mustang eu teria na garagem mas certamente eu sei qual eu NÃO teria: qualquer modelo de segunda ou terceira geração... me impressiona que o carro tenha sobrevivido quase incólume a esse período.
    Mesmo tendo em mente o cenário da época eu não os considero Mustangs.

    ResponderExcluir
  14. Este aniversário apenas vem a confirmar o que pronunciou o AG há alguns anos com o texto "O ogro e as velhinhas de 100 anos".

    ResponderExcluir
  15. PK,
    bela iniciativa fazer esse compêndio, ficou ótimo !

    ResponderExcluir
  16. e o que acham deste novo sistema da Borla????
    http://www.youtube.com/watch?v=82L2F7aE2j0

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.