fora-de-tópico: SERÁ MESMO?



Uma chaleira com apito a vapor. Indica que a água está fervendo. Minha mulher comprou-a para mim há cerca de um ano e meio. Por quê? E por que para mim? Simples: habitualmente faço café, bebida que adoro — e filtrado, nada de expresso (quando viajo ao exterior, a primeira coisa que faço ao chegar em casa é fazer o nosso café, do Brasil).

Como sou eu a fazer o café mais do que ninguém, normalmente coloco a água para ferver e volto para o computador. Dou um tempo e faço o café — água fervendo na térmica primeiro (aprendi isso com o copeiro que nos servia na Embraer), depois voltar a aquecer mais a água (ela sempre perde calor na garrafa térmica) antes de finalmente colocá-la sobre o pó no filtro dentro do funil.

Dou um tempo, não: é freqüente eu, absorvido no trabalho, esquecer da água e a leiteira secar, vindo o cheiro de plástico queimando, o da alça...
Foi para resolver esse "problema" que minha mulher comprou a chaleira, a da foto, com apito. Maravilha, ao computador, na sala, eu escutava o apito tocado pelo vapor.

Mas um dia, desastre: não sei como, esbarrei na chaleira, vazia, ela estava sobre uma pequena bancada num armário da cozinha e, chão. E foi-se o apito, quebrou de não ter conserto. Claro, foi de chatear bastante. Ficamos usando a chaleira sem o apito e o velho problema de esquecer dela com fogo ligado voltou firme.

Na semana retrasada, uma idéia. Vi a marca dela no fundo, tome de Google e logo achei o fabricante. No 'Fale Conosco' contei o ocorrido e perguntei se poderiam me mandar um apito, eu mesmo o trocaria. Ele é  montado na extremidade da alça por um pino cilíndrico, que serve de eixo para levantar/baixar o apito no bico de saída (é preciso levantá-lo para verter a água).

No dia seguinte, resposta, não tinham mais o apito. Fiquei decepcionado. Insisti, era impossível não ter em algum lugar da fábrica um apito (quem já foi da indústria sabe que peça pequena tem aos montes). Responderam que acharam e mandaram uma foto. Não era o apito como o da minha chaleira. Outro e-mail, até que dois dias depois veio a resposta, acharam o apito e pediram meu endereço para mandá-lo. Agradeci e lhes disse que me informassem o valor, inclusive da postagem, e uma conta bancária para eu fazer o depósito.

Hoje (3 de abril) à tarde chegou um Sedex com o apito.  Montei-o imediatamente e pus água para ferver, queria ouvir a doce música de novo. E ele soou, claro.

Funcionando de novo!


A fabricante da chaleira é a Etilux Indústria e Comércio Ltda, de Guarulhos, SP (http://www.etilux.com.br/) e a marca da chaleira é Hércules modelo CH25.

Agora, pergunto: será esse post realmente fora-de-tópico? Não estará aí uma lição para os fabricantes de automóveis? Para consertar a chaleira de um cliente a empresa se empenhou em atendê-lo, alguém que sequer conhecia. A funcionária do Atendimento a Clientes se chama Bárbara Luizi Pencz Ferraz.

Qual marca de panela e chaleira compraremos daqui para frente? Fácil, essa, não?

Portanto, esse post não é fora do tópico automóvel, muito menos autoentusiasta.

E estou esperando que me mandem a conta, que pagarei com o maior prazer!

BS


93 comentários :

  1. Isso se a chaleira for nacional, ou se o fabricante manter estoque. Se for chinesa e daquelas que saem de linha 2 meses depois, iria ficar a ver navios. Infelizmente é essa a tendência

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A mesma Etilux comercializa produtos importados da China, sob a marca Western, uma das primeiras a explorar esse filão no país.

      Excluir
    2. Ah... a Western. Apesar da qualidade de seus produtos não ser top de linha, eles são bem baratos e eu adoro coisa barata. De vez em quando passo lá na seção de ferramentas do supermercado rsrsrs.

      Excluir
  2. A arrogância dos diretores de grandes corporações não permitiria isto. até hoje não conheci nenhum que realmente estivesse ligado a satisfação do cliente, sempre estavam pensando na satisfação do seu bolso
    Esta empresa tem identificação com sua própria marca, parabéns pra eles

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menos, menos. Existem grandes corporações exemplares em atendimento, vamos parar com esse papinho tão na moda de falar que nem bicho grilo. Tenta comprar algum produto de informática ou eletrônica "fabricado" por pequenas empresas aqui no Brasil por exemplo para ver que esse papinho é para servir os interesses dos novos amigos do rei. Uns 80% dessas sequer atendem o telefone do SAC e são empresinhas que se beneficiaram da grande abertura do governo para as importações chinesas, elas simplesmente colocam um adesivo da marca e um outro mais mentiroso ainda dizendo que é feito no Brasil

      Excluir
  3. E eu aqui com uma cafeteira Philco parada desde dezembro na autorizada porque A fabrica não manda peças. Umas 5 ligações no fale conosco da empresa e depois de uns 10 minutos com uma ligação pedindo pra eu não desligar, outra ligação ala que os atendestes estão ocupados e no momento não é possível atender. Um email há duas semanas, com uma resposta pedindo mais informações há 10 dias, prontamente respondida, e desde então silencio da parte deles.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tentou o reclameaqui?

      Excluir
    2. Philco no Brasil é o perfeito exemplo de marca que acabou, mas continuam usando o nome bom que tinha. Parece que nem os donos são mais o mesmo

      Não conheço um único produto dessa empresa dos últimos 5 anos que não tenha reclamações escorrendo pelo ladrão e a assistência dizem ser quase inexistente mesmo. O certo seria a fiscalização fechar a empresa

      Excluir
    3. Tive este mesmo problema com um produto da marca Mondial. Desta marca nao compro mais nada!

      Excluir
  4. Bob, o de Petrópolis03/04/14 22:53

    Bob, aconteceu algo parecido comigo. Comprei um jogo de cordas para minha guitarra, marca NIG. Pois bem, não gostei do timbre das cordas e escrevi para a fábrica. Em cerca de dois dias, recebi uma ligação, com dicas de como extrair melhor o som do instrumento e - surpresa - uma semana depois, uma carta escrita à mão pedindo desculpas pelo incovinente e um novo jogo de cordas e palhetas. Fantástico! Não é necessário dizer que virei cliente habitual. Parabéns NIG!

    ResponderExcluir
  5. Marcos Alvarenga
    É incrível como há gente responsável e gente irresponsável, não? Conserto de uma cafeteira!

    ResponderExcluir
  6. As vezes tenho a impressão que o cuidado com o cliente é inversamente proporcional ao tamanho da empresa: já comprei várias coisas em grandes sites (Americanas, Ponto Frio, etc) e não só são lentos para entregarem quanto para resolver qualquer problema é uma verdadeira chateação. Em compensação no Mercado Livre - onde muitos vendedores são pequenas empresas- e que conheço várias pessoas que têm receio, a entrega geralmente é rápida e a única vez que tive um problema o vendedor resolveu rapidamente devolvendo o dinheiro. Das grandes, a única empresa que posso dizer que tem um excelente pós-venda chama-se Apple: tive problema com o botão do meu iPhone, levei na autorizada, o atendente abriu o celular na minha frente olhou uns 5 min, não disse nada, fechou e falou para voltar na semana que vêm para pegar dar um novo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Mercado Livre é como a internet, tem de tudo lá. Conheço pessoalmente gente que usava o site para dar golpes e era gente de boas condições e com estudo. Em compensação alguns pequenos vendedores são excelentes mesmo. Apesar que hoje esses pequenos vendedores também costumam possuir sites próprios e não são tão pequenos assim

      Quanto às grandes empresas, discordo totalmente. A Americanas já comprei dezenas de vezes por ela e tanto entrega como devolução sempre foram muito boas, com uma ou outra excessão que no fim foi muito bem resolvida. No entanto, com empresas grandes costuma pesar muito a chamada marca. A reputação e a proposta são tudo para essas empresas hoje, já que muitas vezes existem milhares de concorrentes com produtos similares e de preços para agradar todos os tipos de exigência e bolso

      Por isso que é difícil de admitir, mas às vezes tal marca que cobra mais caro "sem motivo" tem lá suas razões para isso. A Apple é um exemplo. Embora os iPhone costumam dar bastante problema, nunca vi ninguém ficar mais de uma semana sem o aparelho e costumam dar um novo em muitas ocasiões, evitando a famosa chateação do cliente ter que ficar mandando repetidas vezes para a assistência

      Eu nunca compraria um Apple porque o produto em si não me agrada e nunca me agradou, mas tem suas qualidades e tem suas justificativas pelo preço. Em compensação existem grandes empresas que cobram caro e ainda assim atendem mal no pós venda. E outras que cobram barato e dizem ser "boa de assistência" mas o produto é ruim e na hora da verdade o atendimento também é bem ruinzinho

      Excluir
    2. "As vezes tenho a impressão que o cuidado com o cliente é inversamente proporcional ao tamanho da empresa".

      Impressão?!?

      Eu tenho é certeza absoluta disso!

      Excluir
    3. Concordo contigo, o ML é uma excelente plataforma de negócios, graças ao sistema de pontuações e eleição dos melhores vendedores. Uso e aprovo!

      Penso que no ML ocorre a personalização do vendedor, mesmo em um ambiente virtual. Já nessas grandes empresas, ocorre o inverso: o funcionário do call center ou SAC não se considera o responsável. Ele atende o cliente, "o chato", de forma bem displicente.

      Excluir
    4. Não concordo. Já aconteceu de tudo comigo. Coleciono relógios. TODOS, sem exceção, que comprei, vieram com algum tipo de problema. JAMAIS fui atendido em uma reclamação. por fim, paguei e não entregaram. Desisti e não compro mais. Alguns produtos, entretanto, são menos complexos e vale arriscar. Mas saibam quantos lerem que se o cara te entregar um tijolo no lugar de uma jóia, vai ficar por isto mesmo. E se não entregar nada, fica por isto mesmo também.

      Excluir
  7. Me lembrei de um cabo de chaleira tramontina que comprei um tempo atrás.

    ResponderExcluir
  8. Ufa! Finalmente chegaram as peças que preciso aqui na oficina; uma bomba d'água de uma Tiguan, que vazou com 35.000Km, e custou a bagatela de R$1350,00 e demorou 15 dias para chegar, e a barra de direção de um Symbol, que não foi cara, mas como estava em BO na fábrica, levou 90 dias para chegar.

    ResponderExcluir
  9. Aléssio Marinho03/04/14 23:22

    Esta semana o notebook do meu cunhado começou a desligar sozinho. Logo descobri o problema: o cooler parou de funcionar. Entramos em contato com o fabricante que indicou a assistência técnica local para fornecer a peça.
    Simplesmente não havia mais o bendito cooler em estoque, nem na "fábrica", pois ele é fabricado em Taiwan (antigamente se chamava Formosa) sob encomenda.
    O jeito foi ir num "desmanche" de notebooks e depois de garimpar uma peça parecida, retirei apenas a ventoinha e coloquei no antigo.
    Como vou trocar o meu notebook em breve, desde já desconsidero tal marca na minha pesquisa.

    Ah, Bob, temos uma chaleira dessas em casa, mas eu não uso pois não tomo café...srsrsrs

    ResponderExcluir
  10. Em tempos de obsolescência programada, em que tudo é feito para ser jogado fora praticamente inteiro para forçar a compra de um novo, uma história dessas é de reavivar as esperanças.

    ResponderExcluir
  11. Esse Bob é uma sumidade mesmo... até a falar sobre chaleira o texto se torna arte, cativante!
    PSantos

    ResponderExcluir
  12. Aqui em casa era sempre o leite que fervia e derramava da leiteira...um inferno pra limpar. Minha esposa dizia que era tradição da família dela, pois todas as irmãs sempre esqueciam o leite no fogo, hehehe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ArkAngel
      Nao se usa mais ferver leite antes de tomar...
      Que coisa mais antiga.. a nao ser que voce compre leite in natura .
      Os pasteurizados/ longa vida so aqueço no microondas!

      Excluir
    2. Hehehehe, verdade, certos costumes são difíceis de acabar...na verdade eu não sou muito chegado em leite, mas sim, minha esposa. Mas isso foi anos atrás, hoje em dia uso sim o microondas!

      Excluir
    3. Você não sabe como é na casa dele, ué, hehehe. Na casa dos meus pais a gente fervia também porque meu avô levava um galão de 5 litros de leite pra gente toda semana. E já derramou inúmeras vezes no fogão.

      Excluir
    4. Põe uma bola de gude (se achar) dentro da panela junto com o leite. Ferve e não vira...

      Excluir
  13. Nem sempre a culpa é do fabricante, as vezes é da "linha de frente". Faz uns 2 anos, eu acho, que precisei trocar a bomba d'agua do meu bom e velho Mazda, ao chegar na loja [Padre Cícero] e pedir a peça para o vendedor, eis que sou surpreendido com um "nós não vendemos peças para carros velhos aqui"... Eu fiquei mais ou menos 1 minuto ali parado ainda estarrecido com a resposta. "Beleza", chamo o gerente e digo "por favor, esclareça ao seu funcionário que ele está uma loja de peças de veículos, que ele tem obrigação de pelo menos olhar no estoque antes de virar para o cliente e dizer "não temos peças para carro velho", até onde eu me lembro, entrei em uma auto-peças, não numa perfumaria". Prontamente ele pediu desculpas e foi buscar a tal bomba e me deu um desconto de 10% pelo "mal entendido"...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hoje acabou aquele mecânico de balcão. Aquele que você perguntava de uma peça, ele abria o catálogo garimpavaa ppeça para você ou indicava quem tinha. Funcionários desmotivados, ganhando mal e ainda por cima semi analfabetos. Quem paga com banana contrata macaco. Dias desses estava procurando um parafuso de regularem de ar para minha moto (Aprilia Pégaso) e descobri que o carburador dela (mikuni BS 33) é o mesmo usando por várias motos da Suzuki e Yamaha. Ao achar o produto no mercado livre o vendedor não sabia se servia na minha moto. Falta de informação e preguiça de procurar.

      Excluir
    2. Esse não era vendedor, era um fdp, isso sim... merecia bilhete azul na hora.

      Fábio Carvalho

      Excluir
    3. Ele deve ter entendido "Monza"

      Excluir
    4. Luiz AG. Você tem toda razão sobre os vendedores de peças. Certo dia liguei em um concessionário Fiat para comprar parafusos de biela. Falei com o vendedor e percebi que não tinha muito conhecimento. Depois de longos minutos ele falou que tinha em estoque. Pedi o código da peça, acertei o valor e falei em minha esposa iria passar pegar.
      Uma hora depois minha esposa me liga, meio preocupada. “ Esse parafuso que ele me deu não parece com parafusos de biela!!!!”. Pensei, ela esta acostumada a ver os parafusos de biela da ARP, empresa americana que fabrica parafusos especiais. Então falei que eram um pouco diferente, e era para comprar. Escutei depois de alguns segundo um tipo de “hhuuuuuuuu, tudo bem vou levar”.
      Quando ela chegou fui logo ver os parafusos. Para minha total surpresa o vendedor vendeu 8 parafusos soberbos de 3 mm!!!!!!!; Isso mesmo, parafuso soberbo. Fiquei louco com aquilo e tive que ligar descascando o “ser animal do vendedor” Me cobrou por parafusos de biela, me entregou parafusos soberbos e tive que voltar e devolver, pegar meu dinheiro de volta, pois não tinham o correto em estoque.

      Abraços

      Real Power

      Excluir
    5. Real Power, sempre que preciso de peças FIAT entro no site do Reparador Fiat (www.reparadorfiat.com.br) e encontro a peça e código que preciso. Ainda assim, às vezes o vendedor insiste em dizer que aquele código não existe e tenho de "ensiná-lo" a encontrar a peça.

      Abs
      Marco Aurelio

      Excluir
  14. Lembrei do caso da GM e do sorvete, que, lenda ou não, é bem interessante. As vezes até os defeitos mais estranhos podem trazer alguns segredos muito úteis.

    Sobre o café, não sou adepto do pó no coador, prefiro colocar na água quente e ferver junto, igual leite. E o açúcar passa longe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse caso do sorvete já foi desmentido como lenda virtual no E-Farsas e no Quatrocantos.com mas o que fica é o exemplo: por mais esdrúxula que seja a reclamação a primeira vista ela tem que ser ouvida e, na medida do possível, resolvida.

      Excluir
  15. Parabéns à empresa pela atitude. Mas aqui em casa, meu saudoso pai tinha comprado uma chaleira da Tramontina, cujo apito é metade aço inox - como a chaleira - e a outra metade é um plástico bem denso. Já caiu diversas vezes no chão, e boa. Inclusive era meu pai o maior admirador e preparador oficial de café da casa, e também largava a chaleira no fogo enquanto ficava no escritório. Saudades...

    Agora, quanto ai café, dizem que é bom tirar a água do fogo antes de levantar fervura, pois altera o sabor, vai saber. E um expresso, bem tirado, também é muito bom.

    Voltando ao assunto, é duro ficar desamparado por uma empresa, e não ter pra quem reclamar. Pior ainda quando é um banco!

    ResponderExcluir
  16. Ao me casar comprei meus móveis de quarto numa loja do Casa & Móvel center shop da Teodoro Sampaio... Cerca de 3 anos depois apareceram umas "bolhinhas" na cabeceira da cama. Liguei na loja e disse que gostaria de consertar e pagaria para tal.... Dias depois alguem veio, retirou a peça, deixou uma temporária no lugar, 1 semana depois trouxeram a peça perfeitamente recuperada, montaram-na e ainda instalaram um espelho no lado interno de uma das portas do guarda-roupas. (!) como cortresia (!!!). Custo zero e os móveis continuam em perfeito estado de conservação depois de mais de 18 anos.... Ainda hj fico admirado... O nome da Loja???? Módulo.... eu recomendo...

    ResponderExcluir
  17. Minha mãe não tem chaleira com apito por isso ela coloca umas moedas no fundo. Quando a água ferve as moedas começam a tilintar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Genial! Sua mãe tem criatividade!

      Roberto Neves

      Excluir
    2. solucao inteligente e curiosa.. nunca tinha ouvido falar.

      Excluir
    3. Perneta
      Bela idéia da sua mãe!

      Excluir
    4. e ao tomar o café pode ficar rica !!! kkkk

      Excluir
    5. É o som do dinheiro toda manhã!
      Risos.

      Excluir
  18. E quando o problema é o valor das peças de manutenção? Não basta ter, eles precisam ser "compráveis". Pois é, algumas não parecem ser, tal qual o dono de um automóvel exclusivo, que coloca seu preço de venda "lá no alto", com o propósito de - realmente - não vender, ou se vender, "mudar de vida".

    Denúncia. Diferença de preços na mesma peça.
    http://www.youtube.com/watch?v=uvu8oSGTSqc
    E não é só neste fabricante apontado no vídeo não...

    Mais uma, mas desta vez no tema "preços inimagináveis":
    http://quatrorodas.abril.com.br/blogs/longaduracao/2014/02/25/no-meio-do-caminho-tinha-uma-pedra/
    Leiam a reportagem e vejam os valores de orçamento para um farol. Dica, o preço de compra do automóvel foi de R$ 109.900 (versão Urban - 6 meses antes deste episódio com o farol).

    E nem vamos falar nos valores cobrados pelas revisões e serviços, pois nem mesmo com os valores sugeridos pelo fabricante (criados para tentar aproximar o consumidor) a coisa costuma andar bem, sem serviços extras desnecessários ou valores além da média do mercado para o tipo de serviço - típico de um alinhamento e balanceamento variar de R$80 para R$280 em automóveis com sistemas de suspensão semelhantes, ou quando uma revisão de veículo (a segunda e programada para 16.000km) custa todo o valor do pacote de revisões de toda uma "meia vida" de outros.

    Basta "parecer" ter um pouco mais de dinheiro para meteram a mão no bolso.

    ResponderExcluir
  19. Bob, não deixe a água ferver! Tbem prefiro um bom café filtrado.

    ResponderExcluir
  20. São detalhes simples como esse que fazem toda a diferença! A um custo mínimo para o fabricante, o impacto positivo na imagem da empresa foi enorme, além de deixar o cliente plenamente satisfeito. Eu sempre me pergunto até que ponto um bom atendimento e suporte ao cliente não valem muito mais a pena do que simplesmente ignorar o cliente...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Road, acredito que o que impera é a desorganização, a burocracia e pessoas arrogantes com visão de curto prazo. O pós-venda de qualquer produto, muitas vezes, é péssimo. Falta de treinamento, peças, informação, preços abusivos, etc.

      Muitos consumidores não têm discernimento e não valorizam a marca pelo atendimento, mas sim pelo nome. Muitos consumidores teriam jogado fora a chaleira e comprado outra, até da mesma marca porque "é o que tem". Acaba que ficamos nisso, não temos a opção, temos que comprar o que dá para substituir e os fabricantes continuam ganhando.

      Marcas grandes ganham no volume, para elas um cliente insatisfeito é um percentual muito pequeno. Como a concorrência também é limitada, o fabricante de grande marca sabe que tu precisará voltar cedo ou tarde para eles.

      No contexto dos carros, eu não entendo o porquê uma montadora opta (porque é uma opção) deixar suas concessionárias praticarem preços abusivos e atendimento desqualificado e incompetente. Por isso acho que só pode ser arrogância ou desorganização.

      Hoje eu opto, quase que em todos os casos, pelo produto com melhor pós-venda, seja o que for. Até prefiro adquirir um produto mais básico, ou "inferior" se eu sei que o pós é melhor que de outro. Mas o jeitinho aquele... do Brasil... está em tudo, inclusive na relação empresa-cliente.

      Excluir
  21. Ainda que seja fora de tópico, não vejo problema algum de se postar assuntos que os editores julguem ser de interesse. Quem não quiser, basta não ler.

    ______
    42

    ResponderExcluir
  22. Em tempos de obsolescência programada, em que tudo é feito para não durar e te forçar a jogar algo por vezes quase novo fora para comprar outro, uma noticia dessas é de reavivar as esperanças.

    ResponderExcluir
  23. Retirado de:

    http://www.ciaorganica.com.br/br/paixao_e_tradicao/preparo_coador.html

    É possível preparar café em coador de papel ou de pano. Em qualquer um dos casos, utilize cafés com moagem média ou fina. Normalmente, a medida correta deve ser experimentada até encontrar aquela que melhor atenda ao seu paladar.
    Indicamos, porém, uma medida padrão: de 70 a 100 gramas de pó para 1 litro de bebida (4 a 5 colheres / sopa cheias).

    Modo de preparo

    O filtro de papel deve ter o mesmo tamanho e forma do porta-filtro.
    Coloque o pó no filtro, espalhando-o uniformemente. Não compacte, nem aperte a camada de café. Não é preciso mexer o pó durante a preparação.
    Se desejar um café bem quente, escalde o recipiente, bule ou garrafa térmica, antes de colocar o café.
    Observe a temperatura da água, que não deve ferver, sendo retirada do fogo antes da ebulição.
    Despeje a água sobre o pó, umedecendo-o por inteiro. Em seguida, despeje a água lentamente (em fio) bem no centro do filtro e sem misturar com a colher.
    Quanto mais lentamente despejar a água, mais escuro será o café.
    Descarte o filtro com o pó de café já usado.

    O mesmo preparo vale para o coador de pano, com alguns cuidados extras:

    O coador novo deve ser fervido com pó de café.
    Lave-o somente com água, nunca com sabão ou alvejante.
    Antes de usá-lo, verifique se não há odores estranhos e, nesse caso, escalde-o.

    ResponderExcluir
  24. Tive um problema com o Nootebook da marca Evolute (pequena fábrica nacional)... com um mês de uso apagou a tela, entrei em contato com a Assistência Técnica do Fabricante. Enviei sem custo para eles, e uma semana depois, o Note já estava na mão..Quase dois anos, e nada problema..., pelo contrário, ótimo computador...O pequeno contratempo, não foi empecilho para valorizar a marca... Problemas acontecem, compraria outro Evolute tranquilamente...

    ResponderExcluir
  25. Não sei o que mais o copeiro da Embraer te disse, mas NUNCA deixe a água a ser passada no café ferver.

    Ferver a água, por pouco que seja, a desoxigena. E é o oxigêncio (assim como para a gasolina) o elemento necessário para quebrar as moléculas gustativas e aromáticas do café.

    Café bom deve ser passado com água a 70ºC.

    E com o pó mantido em local frio e seco. Nada melhor que a geladeira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sei, sei... então devo comprar um termômetro para esquentar água.
      :-b

      Excluir
    2. https://www.youtube.com/watch?v=dyj8QiZGUMc numa cena do ótimo seriado breaking bad aparece o personagem Gale medindo a temperatura da água pra fazer o café, foi um pouco antes dele morrer. hehehe
      Acho que eu já vi esses termômetros digitais a laser pra vender aqui no Brasil.

      Excluir
  26. e a Philips que comprou a inesquecível Walita e simplesmente está acabando com essa marca, nem site mais a coitada tem (tentem acessar o site da walita...).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caramba, a Philips comprou a Walita há 44 anos...

      Excluir
    2. E a parte de eletrônicos da Philips foi vendida em 2013, mas com algum rolo.

      Excluir
  27. Bravo! Excelente tópico! Nos idos dos anos 1980, comprei uma mochila da então desconhecida Trilhas & Rumos, cujo fundo furou na primeira vez que a usei. Indignado, escrevi uma carta (ainda não havia e-mails) para a empresa e recebi resposta pedindo desculpas, explicando que o problema era de todo um lote de material de qualidade inferior. Levei a mochila até eles e 15 depois a recebi de volta, inteiramente reformada e reforçada. Tenho essa mochila até hoje e já comprei algumas outras, de modelos diferentes. A empresa vai muito bem, obrigado, e disputa mercado com marcas de renome mundial.

    Roberto Neves

    ResponderExcluir
  28. Com todo o respeito que tenho a toda marca de automóveis independente da origem, não compro mais Peugeot devido à assistência técnica. Paguei mais caro pelo que o carro oferece, mas com a Honda eu tenho assistência barata, rápida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcus Lahoz04/04/14 11:01

      pelo indice cesvi, a honda é bem mais cara que a peugeot/citroen.

      Excluir
    2. Esse índice nao é o de reparo de acidentes? Nesse caso o custo em geral é da seguradora (ou do culpado), não do proprietário. Ademais, pelo que me lembro o Cesvi testa modelos de veículos, não marcas.

      Excluir
  29. Interessante notar que o apito de uma chaleira velha parou de funcionar por mau uso do consumidor e mesmo assim a empresa deu um jeito. Fica a lição para empresas que dizem ter "três anos de garantia" mas não fazem nada pelo cliente.

    ResponderExcluir
  30. Quem tem carro um pouquinho (não é muito, só um pouquinho, uns 5 anos já da problema aqui no BR) mais velho já sente dificuldade em encontrar peças, não só tinha que ter lei para regulamentar isso, mas como ainda adicionar a lei o seguinte "caso o fabricante, não queira mais se dipor a fornecer peça a seus respectivos carros, os respectivos moldes, arquivos de projeto, bem como todas informações que viabilizem sua fabricação por terceiros fica a livre disposição (opensource) para fabricantes de autopeças que queram dar continuidade da reposição no aftermarket."
    O ideal era que o fabricante mantivesse, é um respeito pelo consumidor, e pela sua propria historia (antigomobilismo) assim como a BMW montou com orgulho algum anos atras uma BMW 72 inteirinha com peças de reposição, mostrando um respeito muito grande pelo cliente.

    Eu tenho dois antigos, e eu sempre digo pras pessoas que falam "comparado a um novo, a manutenção é baratinha, né??" Baratinha??? Vai achar dois retrovisores originais da metagal pra ver o baratinho... E o parachoque original, que gostaria de trocar e não tem em lugar nenhum? O "paralelo" até que o material é bom, mas o acabamento... é de doer.
    Enfim, é baratinho só pra quem não se preocupa em manter o minimo de qualidade e confiabilidade com seu antigo, do contrario por ano vai mais de 3 mil só em "pecinhas". Fora mão de obra, q ultimamente só temos os mecanicos escaneadores.
    Ninguem quer por a mão na graxa... São mecanicos pausterizados, assim como esses novos carros. Não sentem mais prazer e o entusiasmo, viraram robozinhos que só fazem a mesma tarefam qualquer coisa que dê muito trabalho "é buxa" - não quer nem pegar porque diz que esta ocupado, e nem quando o cliente esta colocando rios de dinheiro pra ver aquele antiguinho brilhando pelas ruas de novo ele se dispõe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcus Lahoz04/04/14 11:00

      Olha só como você tem razão. Tenho xsara picasso 2005 (menos de 10 anos, nem tão velho assim e ainda se fabrica o 0km), mas fui numa mecânica aqui em Colombo - PR (região metropolitana de Curitiba) e o cidadão me falou: este carro seu, nem óleo eu troco; carro assim é complicado e não me interessa.

      Realmente eu tinha ido lá apenas para trocar o óleo e dar uma revisada (havia comprado a menos de 7 dias). Esta oficina eu nunca mais levei nenhum carro (tenho 2 da empresa e 2 da minha casa), mas encontrei bons prestadores de serviço.

      E o mecânico que não se dispôs a executar a manutenção no meu carro, hoje fechou a oficina.

      Excluir
  31. Legal sua iniciativa de consertar a chaleira ,a maioria das pessoas jogariam ela fora ,melhor ainda a atitude da empresa.Pra mim reparar de forma bem feita seja qualquer coisa é uma arte.

    ResponderExcluir
  32. Bom post, Bob.
    Você lembra meu pai. Fã compulsivo de café e cigarros, ele colocava (no pretérito, pois ambas as substâncias viciantes foram vetadas pelo médico após alguns problemas de saúde) água para ferver e, absorto com o computador, simplesmente esquecia do mundo que está ao seu redor. Quando ele trabalhava (hoje é aposentado), tinha um fogão no escritório para ferver a água para o café e chegou a deixar a chaleira sobre o fogo aceso de um dia para o outro. A pobre chaleira ficou roxa.
    Vou comprar uma com apito para ele, é uma boa sugestão.

    Quanto ao assunto do post, é lamentável que as montadoras não forneçam peças "miúdas" mesmo para veículos consideravelmente novos. É uma dificuldade incrível encontrar grampos plásticos, pequenos tampões de acabamento, etiquetas, pequenas borrachas. Quando o assunto é um modelo importado, nem se fala.
    Creio que o atendimento nesse sentido por parte de indústrias de pequeno porte seja sempre mais eficaz. Existe um fabricante nacional de materiais para desenho técnico manual (pranchetas, esquadros, gabaritos...), à beira da extinção, pois o computador há muito tomou conta do mercado desse tipo de trabalho, mas nos tempos em que era estudante, utilizava muito a prancheta. Esse fabricante certa feita se dispôs a me enviar, gratuitamente, um kit de reposição de todas as miudezas plásticas, o que foi feito com presteza.

    Não sabia que v. tinha trabalhado na EMBRAER. Qualquer dia gostaria de ler um post sobre alguma história acontecida por lá.

    ResponderExcluir
  33. Nem sempre grandes multinacionais têm mau atendimento. Tive uma boa experiência com a IBM Brasil. Tínhamos em casa um computador desktop original da IBM, comprado em meados do ano 2000. Após uns 4 anos de uso, o computador passou a se desligar e reiniciar sozinho. Pesquisando na internet, achei em fóruns internacionais casos idênticos, que seriam causados por capacitores estufados na placa-mãe. Abri o computador e lá estavam, diversos capacitores estufados, alguns até vazando. O problema é que não achei nenhuma página brasileira mencionando o ocorrido, apenas fóruns de outros paises, que diziam que havia uma espécie de recall desta placa-mãe. Fiquei desconfiado se no Brasil a fábrica aceitaria trocá-la. Liguei para o atendimento ao cliente, relatei o ocorrido. O atendente não entendeu muito bem a história de capacitores estourando, mas enviei os links internacionais inclusive com boletim da IBM sobre o caso. Ele então me indicou uma assistência técnica, deixei lá o computador e alguns dias depois tinha uma placa nova, funcionando perfeitamente, sem que me cobrassem um real. Resultado? Em 2009 ou 2010 troquei o computador por um novo desktop IBM, adquirido online no site deles, porém "refurbished" ou renovado, já que haviam vendido a divisão de desktops para a Lenovo. Novamente fiquei desconfiado com relação à entrega e à qualidade do computador, afinal era usado. Dois dias após o pagamento recebi uma caixa impecavelmente fechada, o aparelho e seus periféricos em perfeito estado, sem um mínimo risco ou sinal de uso. O computador está até hoje em funcionamento perfeito.

    ResponderExcluir
  34. Paulo Vanderlei lisboa04/04/14 10:55

    Infelizmente, o pós-vendas de automóveis, ou de outros produtos, é de arrepiar no Brasil. No caso de automóveis, as Concessionárias se preocupam mto com a venda de carros mas mto pouco com os ganhos no pós-vendas. Se as marcas populares não têm um excelente pós-vendas, nem mesmo as ditas premium têm esta tal excelência. Este é um filão - o dos pós-vendas - a ser descoberto por aqui. Um cliente satisfeito no pós-vendas (que digam as japonesas Toyota e Honda q se preocupam mais com isso) é um gerador de indicações e de novas compras (fidelidade). Curiosamente, li recentemente uma pesquisa onde clientes no geral da Toyota e Honda são mais satisfeitos no pós-vendas que os da Audi e BMW. Entre as premium, a Mercedes ainda é a melhor do trio premium germânico. Paulo Vanderlei Lisboa.

    ResponderExcluir
  35. Marcus Lahoz04/04/14 10:56

    Aqui na empresa (tenho uma pequena fábrica de elevadores) temos equipamentos com mais de 10 anos no mercado. Até hoje nenhum destes ficou sem peça, senão temos ela em estoque, mando fazer.

    Produto funcionando é cliente satisfeito. Além do mais o cidadão comprou um equipamento e até quando for possível ele tem que funcionar. É o mínimo que a indústria tem que fazer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcus
      Parabéns pela noção de responsabilidade.

      Excluir
  36. Fora de tópico? Não mesmo!
    Caro Bob, você falou de algo muito relevante, o pós-venda, que ultimamente deixa muito a desejar em todas as áreas.
    E agora que essa conta nunca chegará, Bob.
    Aposto que este seu post já pagou e deixou troco para eles, até eu fiquei com vontade de comprar uma chaleira, já fui lá dar uma olhada!

    ResponderExcluir
  37. Um exemplo de excelente atendimento que tive foi com a Chilli Beans em que deu problema na haste de um óculos que tinha ganhado a +- dois anos, sendo que a garantia se não me engano são seis meses, más o fato é que a garantia tinha acabado a mais de 1 ano. Entrei em contato explicando o ocorrido, em que a haste do óculos se partiu sem motivo algum, mandei fotos ao SAC e eles me deram um vale para trocar por outro óculos da marca pois não tinham mais a peça de substituição em estoque visto que o modelo não era mais fabricado.
    Um amigo teve problema com um okley que descascou a lente e a troca da mesma fica em 200 reais pois a garantia acabou.
    Quando precisar comprar outro óculos voltarei na Chilli Beans certamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Chilli Beans vendeu um óculos sem estojo, teve que ser adquirido "à parte". Olha que coincidência, existia um na loja. Achei um desaforo, não desfiz a compra porque o óculos era um presente. Não entro nunca mais em uma... daí o problema que tive foi com a loja, não com o fabricante.

      Excluir
  38. Certa vez, o botão dos faróis do meu Chevette pifou. Quando fui comprar outro na concessionária, percebi que o Departamento de Depenação da GM havia suprimido a pequena lâmpada que iluminava os ícones do painel quando as lanternas ou os faróis eram acesos - os próprios ícones, antes translúcidos, passaram a ser impressos em branco.
    Acabei comprando a chave de luzes do Monza (com a lâmpada), cujo miolo era idêntico, e substituindo a "cabeça" do botão pela do Chevette.
    Aí, a gente se lembra do lema do Oldtimer-Center da Mercedes-Benz, capaz de providenciar qualquer peça para qualquer carro produzido pela marca: "A melhor publicidade que podemos fazer é manter nossos carros rodando."

    ResponderExcluir
  39. Meu carro é Dodge, feito no Mexico. Na minha cidade ele é atendido por uma Revenda Mercedes. A gaiola de fixação do extintor de incêndio (adaptação para a legislação brasileira) começou a fazer barulho. Solicitei o reparo. Não apenas fixaram melhor a peça no assoalho como colaram pedacinhos de feltro nos locais onde o metal fazia barulho, capricharam até na estética. Nada cobraram. Dispensável dizer que fizeram um cliente satisfeito que indicará a marca e a concessionária sempre que puder, como agora.

    ResponderExcluir
  40. Bob, por uma incrível coincidência nós temos aqui em casa uma chaleira dessas... e com o mesmo problema gerado nas mesmas circunstâncias.
    Sempre me perguntei o que haveria naquela ponta quebrada da chaleira que uso pra ferver a água do chá ou das toalhas quentes pra fazer a barba... agora eu sei. Vou entrar em contato e pedir um apito desses.

    Interessante como ela é ergonômica e fácil de manusear, apesar do tamanho sugerir o contrário.

    ResponderExcluir
  41. Essa me foi narrada por um professor, em um curso de vendas: um cliente, comprador da marca "X" de um biscoito salgado, abriu um pacote dele, e ainda que dentro da validade e sem que houvesse danos à embalagem que pudessem ocasionar deterioração do produto, estavam totalmente diferentes do habitual, parecendo velhos e rançosos. Contactou o S.A.C do fabricante, disse ser consumidor há anos, que isso nunca tinha acontecido, etc...Pediram desculpas, anotaram seu endereço e ficaram de lhe enviar um em substituição. Dias depois recebeu não um, mas uma pequena caixa com alguns pacotes do produto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mr. Car
      E o que dizer de eu ter feito a Pepsico voltar a produzir a batata frita Lay's no Brasil? Voltou e, como antes, é a primeira a acabar nas gôndolas dos supermercados. Como vende! E os caras tinham abandonado esse mercado.

      Excluir
    2. O que dizer, Bob? Reclame, leve o caso ao conhecimento do S.A.C dos fabricantes ou prestadores de serviços. Pode ser que dê certo e nos surpreendamos, embora a maioria dos resultados de reclamações nos levem a crer que não adianta nada, he, he!
      Abraço.

      Excluir
    3. Aqui no Ecuador tem dessas Lay's, a tradicional e inclusive numa versão "Artesana - orgullosamente ecuatoriana"! São uma delícia!

      Eu já fui de Malboros e cafés. Larguei o primeiro gosto, mas me mantive no segundo, no qual faço todos os dias pra mim, bem cedo! Pena que minha esposa passou a sentir dores no estômago, mas como não ocorreu o mesmo comigo, faço egoistamente só pra mim! É ferver a água, limpar com água o cone, limpar a garrafa com água de torneira, passando o dedo na tampa e no bico da garrafa, por a água fervendo pra escaldar a garrafa lentamente pra não quebrar o vidro, por o filtro de papel (muito difícil de encontrar por aqui, porém comprei 200 unidades de uma vez!), 3 colheres de "Café de Loja" - marca de um café andino feito na província de Loja aqui neste país, despeja a água fervendo (sim, fervendo... aqui a 2.500m de altitude a água é "fria"!!!) e ficar saboreando uns 5 minutos uma xícara de chá. Sinto saudades da companhia do Malboro Light, mas só o café já dá o êxtase de saborear-lo sozinho... Não há nada melhor! Aí sim, posso lanchar o restante.

      Infelizmente aqui no meu trabalho só tem café instantâneo, e que por coincidência, feito em Araras-SP aí no Brasil! Mas não gosto, tomo só pra manter o gostinho. Mas o "colado" como dizem aqui é diário!

      Abraços!

      Robson Lott

      Excluir
    4. O que dizer? Obrigado, obrigado e obrigado. hehehehe
      Abraços
      Zito

      Excluir
  42. Sr. Sharp.
    Já experimentou uma cafeteira elétrica automática? Os resultados, para mim, são totalmente satisfatórios, seja filtrado(por gravidade ou sob pressão) ou expresso.
    Há algumas que funcionam com espiriteira a álcool e filtram sob pressão mas dependem de supervisão. Também alcançam bons resultados.
    Todas tem a vantagem de não ferver a água o que prejudica o sabor.
    AAM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AAM
      Já tive, duas. Mas gosto de fazer desse jeito. Nunca coloco água fervendo sobre o pó, sei desse detalhe, mas obrigado assim mesmo por dar a dica.

      Excluir
    2. João Carlos04/04/14 19:03

      Eu tenho um modelo de cafeteira das mais simples da Arno, e é a única que fica como café feito "à mão", combinada com seu filtro dedicado. Tanto que ela estragou e comprei outra igual.

      http://www.zonasulatende.com.br/ImgProdutos/430_430/46425.jpg

      http://cdn.mundodastribos.com/wp-admin/uploads/2011/05/Perfectta.jpg

      Excluir
  43. Também tenho o costume de fazer café coado todas as manhãs, fervendo água em chaleira. Um dia, minha mulher me deu de presente uma chaleira elétrica. Certa manhã, distraído, coloquei a chaleira, que é de plástico, no fogão, direto na chama!! Quase coloquei fogo na cozinha!! O que são os costumes...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A. 4/04/14 15:27
      Caramba! "Piloto automático" na cozinha não dá mesmo certo...

      Excluir
  44. E eu que comprei um celular Galaxy S3, que não é barato, e com um ano de uso, já fora da garantia, recebo um aviso da Samsung para atualizar o software, após a atualização, que foi disponibilizada pela Samsung, o celular deixou de funcionar, pesquisem sobre a “morte súbita” S3 no google, e agora eu que arque com o custo para consertar, em alguns casos só trocando a placa, entre R$ 600 e R$ 700 reais. Mais isso é só no Brasil pois nos outros países a Samsung conserta o aparelho, estando na garantia ou não.
    Eu tenho três celulares e quatro televisores Samsung, sera que eu compro mais algo desta marca?
    CerberosPH

    ResponderExcluir
  45. Olha só: http://ford.etilux.com.br/ :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa linha é fantástica. Achei numa loja dessas que vende de tudo, o jogo de ferramentas de precisão: http://ford.etilux.com.br/catalogo/categorias/0249/produtos/FD266

      A qualidade é incrível, pensei na época até em informar ao Bob, mas ele deve conhecer.

      Excluir
  46. Às vezes empresas grandes também nos dão atenção. Quando meu filho tinha meses de idade, nossa cachorrinha teimava em entrar no carrinho de bebê quando ele não estava lá. Tínhamos que deixar o carrinho fora do alcance dela.

    Um dia, exausta, minha esposa esqueceu o carrinho na sala. A cachorrinha não só dormiu lá dentro como comeu a trava do cinto de segurança. Meu filho já estava "durinho", se levantava, virava, não dava para deixá-lo sem cinto no carrinho.

    O carrinho era um modelo da Burigotto, todo de alumínio, um dos mais caros da linha. Me surpreendi ao ver que a Burigotto tinha somente uma assistência técnica em todo o DF, mas pelo menos tinha. Levei o carrinho até lá e que surpresa desagradável! A loja era entulhada, bagunçada, horrível. Já pensei "o carrinho aqui não fica, mas posso comprar a peça e eu mesmo trocá-la". O atendente sequer sabia que carrinho era o que eu tinha em mãos. Anotou o pedido da peça em um caderninho (sem muita certeza do código da peça...), a lápis, e pediu ridículos 30 dias de prazo; alegou que tinham que fechar lotes de peças para fazerem pedidos à fábrica. Adiantava brigar? Então, pus-me a esperar. Dali já fui em um supermercado e comprei um carrinho dos mais baratos (mas de valor longe de desprezível), tipo guarda-chuva, pra quebrar o galho.

    Passam-se os 30 dias. Vou à loja buscar as peças. Que peças, otário? Sequer acharam o pedido! Pedido anotado em um caderninho! Descarreguei a raiva sobre a incompetência da assistência técnica. Mas, aparentemente, não se importaram e fizeram pouco caso.

    Enviei um e-mail à Peg-Pérego, empresa dona da Burigotto. Anexei provas de todos os produtos que tínhamos da marca: o referido carrinho, cadeira de refeição, andador, banheira com trocador, bebê conforto. Caramba, eu gostava da marca. Argumentei como uma marca de produtos tão bons e de tamanha representatividade no Brasil tinha uma única assistência técnica, que me atendeu tão mal, para todo o DF. E, claro, relatei o caso em detalhes.

    Fui surpreendido em poucos dias com um e-mail de resposta. Pediram meu endereço e enviaram-me um jogo completo de cintos de segurança para o carrinho. Carrinho ainda íntegro após alguns anos, que hoje serve a outro bebê.

    Se a referida assistência técnica(?) ainda representa a Burigotto no DF ou mesmo se melhorou seu atendimento, não sei. Mas a marca manteve a boa imagem que tinha comigo.

    ResponderExcluir
  47. Precisei ( e ainda preciso ) de um jogo de bielas novo do FIAT Uno Turbo. Tentei nas autopeças, nada. Tentei na concessionária mas próxima, nada. Tentei na rede nacional de concessionárias, nada. E finalmente tentei direto com Betim, nada... Fico triste, um Uno Turbo a menos pelas ruas, vai para a sucata este em específico, uma pena.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é isso que eles querem !! te vender um palio zero !!!!

      Excluir
  48. Lembrando que tem opção de comprar chaleira/jarra elétrica: http://goo.gl/REKdbl

    ResponderExcluir
  49. o mesmo raciocínio vale para os carros importados independentemente, ou seja, não por intermédio dos representantes oficiais.. quem tem carros assim, trazidos para fugir da enorme margem de lucro dos representantes locais (não culpem os impostos, que são iguais em ambos os casos), é visto pelo fabricante como um pirata, um inimigo ou coisa do gênero.. a garantia, na minha opinião, deve ser dada pelo fabricante e não vinculada ao pais aonde o produto foi adiquirido (não me venham com a balela da falta de "tropicalização").. se você compra um Ipad nos USA e ele quebra aqui, a garantia deveria ser dada pelo autorizado daqui... mas a mentalidade é de sempre roubar o cliente, seja cobrando mais pelo produto tropical, seja não atendendo o consumidor que o trouxe de fora.. outro detalhe: minha esposa tem uma VW tiguan, e só no Brasil a primeira revisão é com 6 meses, o que acaba amarrando todas as seguintes, que ocorrem antes dos 20M kms para a maioria que roda menos que isso na coasião da segunda, ou seja, com 2 anos... nosso país tem que melhorar muito para ficar ruim...

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.