CONVERSA DE PISTA

        Calor e tensão em Sepang 










Hamilton fez barba-cabelo e bigode na Malásia (Foto Mercedes Bens Media)


Hamilton domina GP da Malásia, Massa revive trauma e novatos voltam a pontuar. Combustível pode ser uma das causas dos problemas na Red Bull e Lotus


Disputa entre Massa e Bottas pode criar cisão na Williams (foto Williams Media)

O inglês Lewis Hamilton não demonstrou maiores dificuldades para dominar o Grande Prêmio da Malásia — segunda etapa do Campeonato Mundial de F-1 de 2014 —, disputado domingo no circuito de Sepang. Conquistou a pole position sob chuva, liderou praticamente de ponta a ponta e fez a melhor volta da prova, o conhecido barba-cabelo-e-bigode. Em um box não muito distante do ocupado pela equipe Mercedes — que conseguiu sua primeira dobradinha desde o GP da Itália de 1955, com Juan Manuel Fangio e Piero Taruffi —, teve gente que colocou as barbas de molho após Felipe Massa não respeitar “sugestões” da equipe para facilitar a vida de Valtteri Bottas. 

Hamilton, Lowe, Wolf e Rosberg: dobradinha Mercedes após quase 60 anos (foto Mercedes-Benz Media)

Atrás dos pilotos da Williams, que terminaram em sétimo e oitavo lugares, fecharam a zona de pontuação os estreantes Kevin Magnussen e Daniil Kvyat. Nico Rosberg, que chegou em segundo, segue liderando o campeonato, que prossegue domingo com a disputa do GP do Bahrein agora com um Sebastian Vettel revigorado após o pódio de Sepang, onde foi terceiro.

Vettel liderou Ricciardo e voltou a andar entre os primeiros (foto Red Bull/GEPA)

Bottas chuta, Massa defende, equipe empata

O primeiro impacto sugeriu o pior: a atitude do engenheiro Rod Nelson ao “sugerir” que Felipe Massa devesse facilitar a vida de Valtteri Bottas e permitir que fosse ultrapassado pelo finlandês fez muita gente lembrar dias tristes junto à famiglia de Maranello. A resposta do brasileiro, porém, mostrou que os tempos de Ferrari parecem ter ficado para trás.

Massa recusou-se a aceitar ordens da equipe (foto Williams Media Centre)

Das 56 voltas da corrida em Sepang, Massa foi mais rápido que seu companheiro de equipe em 19 delas e recuperou cerca de 52 segundos na diferença que cada um gastou nas três paradas de box. Este cálculo foi feito somando-se a diferença de tempos de ambos entre a volta anterior à entrada nos boxes e a primeira volta lançada após a troca de pneus. Na linha de chegada a diferença entre ambos foi 0,461 segundo… Em resumo, Massa fez o necessário para se manter à frente do companheiro de equipe e principal rival.  

Massa, mas rápido que Bottas em 19 das 56 voltas do GP (foto Williams Media Centre)

A diferença de resultado entre ambos pode ser atribuída à maior experiência de Massa em relação a Bottas. Tecnicamente é possível concluir que o carro do finlandês era mais rápido de reta, mas perdia velocidade no segundo trecho da pista, que demanda um carro mais equilibrado. Esta situação pode indicar um acerto focado em menor pressão aerodinâmica para compensar a perda de potência decorrente da tocada de recuperação que Valtteri impôs no GP da Austrália. Nas retas a diferença para Felipe era em torno de 5 km/h. No segundo setor a situação se invertia para 2,7 km/h a favor do brasileiro. 

Em outras palavras: Massa agiu como um piloto que entra para correr e vencer, atitude igualmente adotada por Bottas, e desta vez levou a melhor. Sinal que as horas de vôo que exibe em seu currículo ainda são suficientes para se impor frente ao companheiro de equipe que faz sua segunda temporada.

 
Ferrari dividida

Alonso e Räikkönen: prejudicados pelo motor pesado (foto Ferrari Media)

Um toque com Kevin Magnussen logo na primeira volta não ajudou Kimi Räikkönen a se recuperar da atuação apagada no GP da Austrália. Fora dos pontos, o que é raro em sua carreira recente, o finlandês não consegue tirar dos carros de Maranello o mesmo rendimento de Fernando Alonso que, igualmente, também não repete as atuações que o fazem ser apontado por muitos como o melhor piloto da F-1 atual. O problema da Ferrari, concentrado no peso do motor, parece grave e grande o suficiente para a equipe perder espaço para a Red Bull e McLaren.


Novatos se destacam

Daniil Kvyat: o mais jovem piloto da F-1 pontuou novamente (foto Red Bull/GEPA)

Tal qual ocorreu no GP da Austrália, os novatos Kevin Magnussen e Daniil Kvyat novamente marcaram pontos e mostraram rendimento surpreendente para a idade e experiência de ambos. Desta vez Magnussen foi mais lento que o companheiro Button, mas Kvyat marcou pontos enquanto Jean-Eric Vergne não terminou.


Renault: gasolina e eletrônica pode explicar problemas

A coincidência de problemas nos carros da Lotus e da Red Bull levantaram a suspeita que a causa disto pode ser a formulação da gasolina fabricada pela Total e usada pelas duas equipes. Outra possibilidade seria a interferência provocada pelo software usado pela Renault nos sistemas eletrônicos da unidade de potência. Segundo Helmut Marko, “o motor francês tem 60 cv a menos que o Mercedes-Benz. Nossa decisão é trabalhar a aerodinâmica para anular esse prejuízo enquanto o fornecedor não resolve o problema.”


Desmaio faz soar alerta

O assunto foi abafado a ponto de, por enquanto, não se saber o nome do piloto que teria desmaiado durante um evento promocional às vésperas do GP da Malásia. O tema, porém, colocou em xeque a exigência de algumas equipes de seus pilotos perderem peso e, desta forma, eliminar o prejuízo causado por carros que estão pesando bem acima do mínimo. Os pilotos de maior estatura e pesados, como Jenson Button, Nico Hulkenberg e Adrian Sutil seriam os nomes que se encaixam nesta situação e dos três o último foi o único que não concluiu a prova. A sugestão de que teria sido ele quem desmaiou na ação promocional, porém, é meramente especulativa.


Adrian Sutil: 1,83 m, 75 kg, um dos pilotos mais pesados da F-1 (foro Sauber Motorsport AG)


O resultado do GP da Malásia você encontra aqui e a situação do campeonato pode ser vista nesta página. O Campeonato Mundial de F-1 prossegue neste final de semana com a disputa da terceira etapa, o GP do Bahrein. Na próxima semana as equipes de F-1 realizam dois dias de treinos livres nessa pista, sendo que Caterham, Mercedes e Williams cumprirão agenda de avaliação e desenvolvimento de pneus. A Sauber já anunciou que Giedo van der Garte e Sergey Sirotkin terão um dia de atividades cada um, provavelmente o primeiro pilotando na terça e o russo na quarta.


GP da Austrália: Red Bull pode desistir de apelar

As recentes declarações de Sebastien Vettel contra o som dos atuais motores da F-1 poderão servir como moeda de troca na apelação da equipe Red Bull contra a desclassificação de Daniel Ricciardo, que terminou em segundo lugar em Melbourne. As declarações de Vettel não foram bem recebidas pela FIA e comenta-se que um acordo poderia ser conseguido entre a equipe e a entidade na base do você-não-apela-do-resultado-e-eu-não-processo-seu-piloto.


Primeiro de abril

Massa anuncia que sai da Williams, Ross Brawn assina com a Sauber e outras de gosto duvidoso envolvendo Michael Schumacher foram as “notícias” que saíram nas páginas de F-1 na madrugada de 1º de abril de 2014. Já tivemos ocasiões mais criativas e engraçadas para essa data...

WG


A coluna "Conversa de pista" é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.

10 comentários :

  1. Qualquer piadinha de 1º de abril envolvendo o nome Michael Schumacher, pra mim soa de mau gosto. Coitado. Tomara que ele fique bem.

    ResponderExcluir
  2. marcus lahoz01/04/14 11:09

    Wagner

    Não consegui assistir a corrida toda, chata demais; parece que voltamos a era Schumacher, ninguém passa ninguém e fica aquela coisa chata e sem graça. A meu ver este o resultado desta coisa ridícula do consumo de combustível; chegaram até a mostra o nível de consumo dos carros (parece quando estou na estrada e calculo a minha autonomia para a chegada, assim dosando o pé no acelerador). Estou muito decepcionado com a f1, espero que melhore.

    Agora acho que o Massa fez certo, quer passar? então tenha braço e coragem; fora isso fique ai atrás e não incomode.

    Esta do motor pesado da Ferrari eu não sabia, mas hoje eu acredito que os Italianos são a terceira potência (Mercedes e Red bull a frente - nesta ordem). Tanto Mclaren quanto Willians precisam se mexer e com velocidade.

    ResponderExcluir
  3. Wagner, este GP eu não acompanhei... preferi deixar de lado já prevendo uma eventual supremacia da Mercedes. E no caso da RBR, a aerodinâmica não será suficiente para reduzir a desvantagem para a Mercedes - a exceção dos circuitos de baixa velocidade.
    Em relação ao jogo de equipe, algo precisa ser feito pela FIA. Como disse o Marcus Lahoz no comentário acima, se quiser ultrapassar que tenha estofo pra isso. Não é justo uma equipe interferir no andamento da prova "visando o campeonato" como eles alegam. Seria a mesma coisa se na seleção brasileira de futebol, o Hulk estivesse em condições de marcar um gol e o Felipão gritar do banco de reservas para ele passar a bola para o Neymar, mesmo se ele estiver em posição pior do que o companheiro para marcar um gol.
    Se é necessário efetuar um jogo de equipe em prol do campeonato, os pilotos devem ter este feeling e não os chefes de equipe.

    ResponderExcluir
  4. Piada com Schumacher no hospital é simplesmente falta de respeito com um semelhante. Ignorância e pobreza de espírito totais.

    ResponderExcluir
  5. "Bottas is faster than you. Can you confirm you understand that message?"

    "Sorry, i don't speak english..."

    ResponderExcluir
  6. Se o Massa não facilitou a vida do Bottas, também não complicou. Ou seja, se o carro do Bottas estava tão mais rápido assim, por que raios não passou então? E depois da corrida o Bottas dá entrevista dizendo que a equipe tinha que se reunir para conversar? Ora, bolinhas, menos choro e mais talento na hora de conduzir a barata...

    Sobre piadinhas de 1º de abril envolvendo o Schumacher, o cara tem que ser muito chucro para achar graça com coisas desse tipo.

    ResponderExcluir
  7. Wagner,
    Mas o que dizer sobre a ordem que o Botas recebeu da equipe no começo da corrida para não atacar o Massa?
    Acho que ambos os Pilotos foram prejudicados.

    ResponderExcluir
  8. Sinceramente, dá pra tirar alguma coisa boa de F1 2014 em termos esportivos? Eu não consigo. Só tem coisa ruim. Tudo piorou demais. Triste. A F1 ladeira abaixo. Decadência total.

    Por favor. Não digam que os carros são mais econômicos. Carro econômico tem que ser os que usamos pra trabalhar, não os que usamos para nos divertir.

    ResponderExcluir
  9. A F1 está "um saco": carros feios, barulho esquisito, ordens de equipe... Não há porque perder tempo vendo isto!!! E depois não entendem como a audiência das provas vem caindo.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.