UM LUGAR ÚNICO, UM PARCEIRO ESPECIAL, UM CARRO EXCELENTE E UMA VIAGEM INESQUECÍVEL



Demorei! Sabe por quê? Foi muita coisa ao mesmo tempo. Achei que seria fácil, mas a verdade é que ser multitarefa exige mais do meu processador 4.3 (sou de 1970). Dirigir, definir rotas, fotografar, avaliar o carro, postar no Instagram, observar, aprender, curtir a paisagem, conversar, pensar no post, desfrutar a companhia e mais tudo aquilo que vem junto e ainda organizar isso de uma forma inteligível. Mas como um amigo sempre me diz, é começando que a gente acaba. 

O objetivo principal dessa viagem era ter uma grande satisfação, uma busca por prazer sob diversas formas.

prazer

pra.zer

sm (lat placere1 Alegria, contentamento, júbilo. 2 Deleite, gosto, satisfação, sensação agradável. 3 Boa vontade; agrado. 4 Distração, divertimento. Filos Emoção agradável que resulta da atividade satisfeita.


Então começo já dizendo que prazeres novos ou mais complexos não vêm assim tão fácil. Têm que ser conquistados, têm que ser alcançados. E, incrivelmente, o ser humano adora se auto-sabotar e dificultar as aventuras em busca do prazer. Eu mesmo arrumei uma forte dor de garganta na noite anterior. E durante a viagem, antes de chegar até o destino, aquela voz interior que anda sempre com a gente insinuou várias vezes que eu desistisse. Tive que vencer dor, cansaço, preguiça, acomodação e incertezas de um momento pessoal um pouco adverso. E é essa insistência que nos faz sair da zona de conforto.

Para quem ainda não sabe sobre o que estou falando, esse post trata-se da continuação do post "Um lugar, um parceiro, um carro e uma viagem" onde o lugar é a Serra do Rio do Rastro, o parceiro é o meu pai, o carro é um Nissan Altima e a viagem é o prazer que veio de tudo isso.

E nesse post vou ter que estender o entusiasmo por automóveis para o entusiasmo pela vida e isso pode levar para um caminho um pouco fora do tema. Já aviso pois alguns podem não se interessar. E também não há um plano específico para o trânsito entre lugar, pessoa e objeto. Vai ser do jeito que sair. Muita coisa aqui já foi explicada no post anterior, mas como nem todos podem ter lido, então vale a pena repetir.

O ponto de partida foi a cidade do litoral de São Paulo, Guarujá, onde mora meu pai. Mas sair de São Paulo é praticamente a mesma coisa. E o destino foi a Serra do Rio do Rastro em Santa Catarina. Originalmente programamos três noites para um bate-e-volta sem ser muito cansativo e com tempo para curtir tudo. 

Na Rodovia dos Imigrantes a caminho do Guarujá

Meu pai não tem o mesmo ímpeto que eu tenho de desbravar o mundo. Falamos muito disso na viagem. Ele é muito inquieto, daqueles que fica balançando a perna o tempo todo. Mas gosta muito do que já é conhecido, ainda mais se for bom, como é o caso da Praia do Pernambuco, onde mora. "Sua" bela praia já lhe basta e não há muita necessidade de se aventurar por aí. Concordo que a praia dele é linda, uma das mais bonitas. Mas isso não me contenta. Por esse jeitão dele, o convite não foi aceito de primeira. Vai ver que a voz interior dele disse 'fique!'. Mas o bom é que ele topou. E eu tinha uma grande expectativa sobre tê-lo ao meu lado. Uma expectativa muito complexa que não sei descrever muito bem. Afinal, desde 1994, quando me formei e passei a cuidar da minha vida com mais propriedade e deixei de ser o filho para ir me tornando um homem, e também pai, nesse meio-tempo, a distância só foi aumentando. E como cresci, mudei, me moldei, algo me intrigava sobre essa relação que mais se baseia em sentimentos do que palavras. Mas o que mais importava era mesmo matar uma grande saudade.

Saímos no dia 26 de novembro cedinho, depois de um bom café da manhã preparado pelo pai e pela mãe, com um grande carinho; uma delícia. O destino nesse primeiro dia foi Camboriú, já no Estado de Santa Catarina a uns 650 km de distância e com o destino já incluído no sistema de navegação. Também desconectei meu iPod e pluguei um pen drive que meu pai ganhou de um amigo com músicas especialmente selecionadas para ele, com Frank Sinatra, Nat King Cole, Beatles, MPB e mais um monte de outras coisas. Trilha muito boa, me fez recordar a infância. O Altima tem um sistema de som de primeira. É Bose, o que dispensa muita explicação. E o que ajuda muito a aproveitarmos a qualidade do som é o perfeito isolamento da cabine e da suspensão. Só senti falta de mais entradas USB pois precisava carregar meus aparelhos, o Galaxy S4 e Galaxy Zoom e a única porta USB estava sendo usada com o pen drive. Logo veio a dica dos leitores por comentários no Facebook sobre a tomada 12 v porém eu não tinha um adaptador.

Porta-copos? Acho que preciso mais de energia elétrica do que de água...

A central multimídia é uma das mais fáceis de se usar. Todos os comandos são super-intuitivos e com muitos botões para navegar pelas funções. Achei tudo extremamente fácil de usar. Gostei também de um botão específico para escurecer tudo durante a noite. Agora estou com um Golf GTI e ainda não encontrei essa função. Parabéns para a Nissan. Mas já tendo usado muito o iDrive dos BMW, acho que toda a indústria deveria partir para sistemas parecidos, com um comando fixo no console central onde podemos encontrar mesmo sem ter que olhar para ele. O principal problema de menus na tela por toque é que com o carro em movimento a ponta do dedo oscila e fica difícil acertar as teclas e freqüentemente aciona-se comandos indesejáveis. Todo o interior do Altima é bem-feito e transmite qualidade.

Segui o primeiro trecho bem na maciota e explicando os principais atributos do carro para o meu pai, principalmente sobre a caixa CVT, uma novidade para ele. Se você é daqueles que odeiam caixas CVT, pode começar a mudar de idéia. A caixa do Altima é excelente, uma das melhores que já usei.  Aquele famoso efeito "banda elástica" está quase imperceptível e o que chama a atenção é a pronta e instantânea resposta com muita suavidade. Ligada ao também suave e esperto motor quatro-cilindros de 2,5 litros por um conversor de torque, forma um conjunto muitíssimo bem acertado.

Primeira "tancada" antes de partir do Guarujá para Camboriú.

Andando muito na boa, no primeiro trecho de uns 200 km fiz a boa média de quase 13 km/l. Depois de uns 100 km acabei desligando os monitoramentos de ponto cego e mudança de faixa. Como eu mudo muito de faixa e fico muito atento à minha volta (o JJ adora enfatizar a direção defensiva) acabei cansando dos avisos constantes. No entanto, achei o sistema muito útil para quando estiver cansado e sem muita vontade de dirigir. Tem gente que não gosta nada de dirigir ou não sabe mesmo, fica eternamente na mesma faixa e nunca monitora os espelhos. Claro que não é o meu caso e nem o do meu pai. Mas a tecnologia é bacana e funciona muito bem. Esse monitoramento é feito pela câmera traseira. Em certo ponto da viagem, após muitas estradas de terra a câmera ficou obstruída pela poeira e fui imediatamente avisado por uma mensagem no mostrador central do painel. Foi só remover a poeira e tudo bem.

Na primeira parada meu pai assumiu o comando e eu logo percebi de onde vem os meus hábitos ao volante e por que minha esposa sempre reclama da minha direção! Não é uma questão de abuso, mas de não se conformar com a inabilidade dos outros. Para os mais calmos e com menos noção de direção e tráfego parece algo arriscado. Mas não é. Quem dirige bem sabe que dirigir não é apenas cuidar do acelerador, freios e câmbio. Tem que olhar tudo à volta. Eu acho incrível como nosso cérebro é capaz de monitorar tudo e sentir o que acontece ao redor, saber o que o cara de frente pode aprontar e se precaver, e tudo sem que seja um ato pensado. Mas isso exige atenção à frente, coisa de até olhar nos olhos do motorista a frente pelo retrovisor do carro dele, sentir o "tipo" que está ali. Também estar sempre atento ao retrovisor e saber da intenção do carro que está vindo, olhando também nos olhos do motorista de trás através do espelho. Saber dos carros que ultrapassou. E antecipar tudo que acontece na estrada bem mais à frente. Coisas como imaginar que ao dar farol para um carro mais lento sair da faixa da esquerda pode ser perigoso se houver outro carro ultrapassando pela direita. Nada disso se ensina nas auto-escolas. E a massa não sabe e nem quer saber nada disso. Então acabamos nivelando tudo por baixo. Felizmente depois de entrar nos "enta" estou cada vez ficando mais zen e menos irritado.

Imagine ficar atrás de um ser desses, sem a menor visibilidade para trás e todo filmado!

Voltando ao Altima, o primeiro comentário do meu pai foi sobre a firmeza da direção. A calibração da assistência eletroidráulica variável é perfeita. Mas acho que essa sensação não vem só da direção. O Bob enfatizou a rigidez do monobloco que de fato é notável, assim como a calibração da suspensão que usa amortecedores ZF Sachs, que de acordo com a Nissan são usados em carros de marcas premium. Juntos com a direção precisa eles formam um conjunto extremamente prazeroso e que transmite uma sensação de segurança acima da média. Imagine um carro todo justinho, como um relógio suíço.

Zeca, o paizão, assume o volante. Primeiro comentário:"a direção é firme". Realmente o Altima impressiona pela
precisão e solidez, um carro muito estável e bom de chão, sem deixar de ser muito confortável

Até Curitiba a estrada é a famosa BR-116. Para minha surpresa ela já não mais merece sua fama de perigosa,  pois melhorou muito. Está muito bem sinalizada e com asfalto excelente. O único problema ainda é a cara de pau dos caminhoneiros que insistem eu usar a três faixas nos trechos de serra. Fico imaginando como seriam nossas estradas se houvesse mais ferrovias. Passando Curitiba seguimos pela BR-376 que é até melhor que a BR-116.

Caminhões tomando conta!

Para quem sai da região Sudeste, se não quiser entrar em Curitiba, que apesar de ser muito agradável, por ser grande toma muito tempo, a sugestão é dar uma paradinha em Joinville para o almoço.  Lá meu pai quis reviver um momento do passado em que, quando na ativa, em uma viagem a trabalho almoçou um marreco delicioso. Eu não ligo muito para as refeições, mas ele faz questão de comer bem. Então procuramos o 'melhor marreco de Joinville' no 3G do telefone e achamos o restaurante Hubener. E para minha surpresa ele estava listado nos restaurantes incluídos no navegador do Altima, assim como muitos outros.

Interessante como os mapas já estão funcionando muito bem no Brasil. Chegamos lá e o restaurante estava fechado para reforma. Mas meu pai não desistiu e foi perguntando até acharmos outro restaurante menos tradicional (nem marquei o nome). E descobri que marreco é um prato popular e saboroso na região. Valeu.

Depois do marreco uma parada para abastecer

Nesse primeiro trecho fizemos a média de 11,4 km/l. Acho que nos empolgamos demais com o pedal direito, que trabalhou intensamente, e também com os trechos de serra. Ou seja, trocamos economia por prazer! Mesmo assim, 11,4 km/l não é ruim e com um tanque cheio (68 litros) nossa autonomia, mesmo mantendo o prazer, era de quase 800 km. Uma delícia! Aí eu acho que motor flex é totalmente dispensável. Mas não dá para convencer a massa que acha que se o motor não for flex vai ser ruim para revender ou que prefere gastar menos em cada parada no posto, mesmo que pare mais vezes para abastecer. Mais uma vez a falta de consistência do governo nos faz de idiotas.

Poderíamos esticar um pouco mais e alcançar a belíssima Florianópolis, Mas por indicação de um amigo e para equilibrar também as distâncias escolhi parar em Balneário Camboriú para passarmos a noite. O que me atraiu também foi o litoral recortado com várias praias. Chegando tivemos uma surpresa com o crescimento da cidade. A quantidade de prédios altos realmente impressiona. A população local é de pouco mais de 100.000 pessoas, porém os prédios construídos podem acomodar mais de 1.000.000 de pessoas. Imagino como deve ser a cidade durante a alta temporada.

A bela Camboriú com seu altos prédios

Aqui vale lembrar que muitos leitores da região acompanharam a viagem pelo Facebook e Instagram e fui recebendo recomendações. Uma das recomendações foi para almoçar no Restaurante Farol, na Av. Atlântica, mas como resolvemos parar em Joinville acabamos não o experimentando. Nas minhas consultas ao Google Maps eu notei um teleférico na ponta da praia e fim da Av. Atlântica e meu pai topou subir no morro! O Parque Unipraias fica no topo dele com uma boa variedade de atrações como o próprio teleférico, trenó, arvorismo e tirolesa, É um ótima diversão para a família. Achei bem caro, mas havia bastante gente se divertindo lá em cima. Fiquei positivamente impressionado com o nível de investimento para fazer o parque, pouco comum em um país que não estimula o turismo como deveria.

Subida para o Parque Unipraias

Escolhi um hotel fora do centro, pois prefiro lugares mais calmos. Através de uma combinação do Booking.com com Google Maps encontrei uma pousada na Praia do Estaleiro, a Pousada Ponta do Lobo, com uma boa relação custo-benefício. E a localização, quase na praia, é ótima. Em novembro e durante a semana a praia e a pousada estavam desertos, do jeito que eu gosto. Meu pai não quis caminhar na praia e segundo ele a praia "dele" é mais bonita. Não entro nesse tipo de discussão. Eu achei a praia lindíssima e passei duas horas de silêncio e contemplação proporcionando muito prazer para a minha alma.

Praia do Estaleiro, próximo a Camboriú em Santa Catarina

À noite tivemos que descobrir onde jantar e fomos parar na próxima praia no sentido sul, a Praia do Estaleirinho, onde fica o Restaurante Estaleirinho. A comida é boa, mas não tem nada de especial. A julgar pelo tamanho do restaurante e a localização de frente pra praia, já na areia, deve ser um dos points da temporada. Na volta, sem nenhuma alma viva nas ruas, o silêncio do Altima nos chamou a atenção. Não se escuta um ruído de motor, suspensão ou rodagem. Resultado do projeto com foco na rigidez do monobloco e isolamento acústico, como apontado pela própria Nissan.

Depois de acabar com os pernilongos, dormimos bem. No dia seguinte tomamos um bom café da manhã na pousada e saímos na direção de Florianópolis pela litorânea BR-101. Essa é a pior parte da viagem, A estrada não é ruim, mas passa por muitos perímetros urbanos bem movimentados, com entra-e-sai de carros e caminhões e muita gente que não sabe dirigir em estrada. Tem que ter atenção redobrada. E também nas mudanças de limite de velocidade. Dificílimo não tomar multas. O sistema de navegação do Altima me surpreendeu de novo, pois mostra os limites de velocidade com uma boa precisão. Em apenas poucos trechos ele errou. Mas aí a culpa não é dele, pois a facilidade com que se mexe nos limites em nossas estradas e vias é irritante.

Indicação do limite de velocidade na tela do navegador, muito útil

Seguindo também uma ótima dica de outro leitor, o Leandro Spollon (desta vez eu lembro quem foi, pois trocamos e-mails), na véspera o início da viagem adicionei ao roteiro uma passagem pela Serra do Corvo Branco. A Serra Catarinense está mais ao sul do Estado e segue praticamente na direção longitudinal (norte-sul). Então a Serra do Corvo Branco e a Serra do Rio do Rastro são pontos de travessia leste-oeste ou vice-versa. Olhando o mapa eu decidi dar a volta por trás da serra para chegar à Serra do Corvo Branco por Urubici descendo até Grão Pará e depois seguir para Lauro Muller, no pé da Serra do Rio do Rastro. As estradas dessa região são excelentes em termos de piso e sinalização. A limpeza e organização do Estado também. Uma delícia para explorar um pouco mais o Altima.

Início da Serra Catarinense

Um leitor que também nos acompanhou nas mídias sociais chegou a comentar que o Altima bem que poderia ter o motor 3,5 V-6 de 270 cv. Isso seria ótimo e acredito que um Altima V-6 deva ser ainda melhor. Mas o fato é que o 2,5 quatro-em-linha de 182 cv é excelente e dá conta do recado. Quando solicitado ao máximo, fim de curso do acelerador, acionando o kickdown, a CVT joga sua rotação lá nas 6.000 rpm e o deixa trabalhar sempre proporcionando a melhor relação de marchas sem que a rotação caia, pois não há trocas de marchas e sim o ajuste contínuo para a relação mais eficiente.

O vídeo abaixo ilustra bem como a CVT trabalha sem quedas de rotação. Atente apenas que ele demonstra uma situação de aceleração progressiva e não a situação que descrevo acima.

A Nissan mostra a diferença da CVT para a automática convencional de uma maneira divertida mas bem fácil de entender.

Na condição, de pé embaixo ou kickdown, o motor 'berra', como diz o meu pai.  Berra mas tem resposta. E vejam que interessante! Justamente esse berro foi uma das coisas que meu pai mais gostou. Ele fez uma analogia inesperada descrevendo o som, ou o conjunto do som mais a aceleração, com o de um Ferrari. E de fato, apesar do som do não ser tão atraente quando se acelera forte, o carro responde bem e a sensação é de prazer. Claro que um V-6 proporcionaria um som melhor e mais pressão no encosto do banco, mas talvez seu preço não fosse tão convidativo (comparativamente ao que se tem no mercado) quanto o quatro-em-linha.

Caminho mais longo para cruzar a Serra Catarinense em dois pontos

Enfim chegamos em Urubici, uma cidade bem pequena e pacata, por volta de 1 da tarde e a fome bateu. Lá vai meu pai procurar um restaurante enquanto eu pensava que o tempo estava ótimo para umas fotos ainda nesse dia lá na Serra do Rio do Rastro. Nessa semana o tempo estava bem estranho. Todas as manhãs foram de tempo fechado com o sol abrindo mais à tarde. E se demorássemos muito as fotos na Serra do Rio do Rastro ficariam para o próximo dia, provavelmente encoberto. Mas resolvi seguir o curso das coisas sem estresse e deixar a coisa rolar. Afinal, eu não me sentia bem no comando do meu pai, que ainda é um touro e pode me dar um couro em quase qualquer coisa. No mais eu também queria estar muito com ele, então aquela vozinha falou: "Relaxa aí e não enche o saco!". Dessa vez eu obedeci...

Parada em Urubici com o carrão de doutor bem na porta

Almoçamos uma comidinha bem sem-graça e ao sairmos perguntei sobre a Serra do Corvo Branco. A senhora do caixa me respondeu que era logo ali mas que não daria para descer pois com as chuvas e a reforma da estrada de terra não era possível passar. Fomos lá assim mesmo para ao menos observar a vista, a uns 30 km de Urubici, dos quais uns 10 são de terra. No caminho um primo do Altima nos passou, um Nissan Xterra, e comecei a achar que não estávamos com um carro apropriado.

Antes de chegar a Serra do Corvo Branco passamos por muitas paisagens bonitas e um X Terra nos ultrapassou 

Ao chegarmos lá havia um caminhão carregado de toras de madeira subindo a serra. Será que veio lá de baixo? A entrada da serra e bem bonita e diferente, com um rasgo na montanha bem profundo e pouco usual. O corvo branco na verdade é um urubu-rei que era desconhecido por quem batizou a serra. A parte mais íngreme com as curvas mais fechadas é asfaltada, mas logo que a descida fica mais leve o piso volta a ser de terra e assim vai por mais uns 30 km até a pequena cidade de Grão Pará. Toda a região produz madeira e essa serra evita uma volta que pela minha estimativa deve ser de mais de 100 km para cruzar as montanhas de um lado para o outro. A vista maravilhosa e as formações rochosas valem a esticada no passeio. Meu pai não deu muito o braço a torcer, mas sei que ele gostou.

Entrada da Serra do Corvo Branco, que na verdade é um urubu-rei

O lugar é diferente, eu quis sair do carro e curtir um pouco e me sentir pequeno

Mais um tempo parado no topo e sobe um Fiat 500 com duas moças. Claro que as paramos e perguntamos como estava lá embaixo. "Tranqüilo, dá para descer e subir sem problemas!", mas mesmo assim meu pai ainda achou que não deveríamos ir. Eu sugeri que fôssemos devagar até onde possível. Chegamos lá embaixo sem nenhum problema e com tudo seco, sem lama alguma. Em dias chuvosos a subida pode ser um pouco difícil, mas é só tomar cuidado.

Já lá embaixo me dei conta que gostaria de ter ficado mais por lá., mas ao mesmo tempo também queria chegar logo ao destino final

Até Grão Pará são mais 30 km de terra e com a estrada sendo reformada. Mas o passeio é muito bonito. O Altima não teve nenhuma dificuldade e quase não raspou em nada; surpreendente.

Não precisamos do primo Xterra e o caminho até Grão Pará é bem bonito

De Grão Pará até Lauro Muller, no pé da Serra do Rio do Rastro, são mais 50 km numa estrada muito boa e bem sinuosa. Ali já estávamos muito amigos do Altima e andamos muito na boa. Falamos muito sobre como a região é bonita e bem-cuidada. Eu que estive recentemente na Alemanha achei que essa região é muito parecida e fiquei imaginando umas férias mais longas com toda a família passando por Santa Catarina e descendo mais até à Serra Gaúcha. Um dia ainda vou fazer isso.

Em Lauro Muller, mais uma parada para abastecimento. Dessa vez a média caiu para 9,5 km/l. Nada como serras para aumentar o prazer e diminuir a economia! Ou para diminuir a economia do prazer. Como eu queria chegar logo à próxima serra, para falar a verdade nem prestei muita atenção na cidade. O hotel que escolhi foi o Rio do Rastro Eco Resort que é bem no topo da serra, que na verdade é um grande platô. É um pouco mais caro mas está numa localização privilegiada e tem uma infraestrutura muito boa. Nenhuma mulher vai reclamar de ficar nesse hotel!

Algum dia alguém olhou essa encosta e decidiu que por ali seria possível fazer um caminho

Lauro Muller fica praticamente no pé da serra, a poucos quilômetros. Chegando por esse lado (a direita ou leste no mapa) chega-se a serra subindo. Algumas fontes dizem que a serra tem 8 quilômetros mas o fato é que é difícil determinar exatamente onde ela começa. Também contam-se mais de 250 curvas. A rota foi definida pelos tropeiros e com exceção da Serra do Corvo Branco, outros pontos de cruzamento do Estado estão a pelo menos 200 km de distância. Daí se vê a necessidade dessa estrada.

Dá para imaginar muitos pecados nessa serpente!

Começamos a subida e logo encontramos veículos mais lentos, pois o tráfego ali é bem constante. Não chega a ter trânsito, mas tem carros e caminhões o tempo todo. Dependendo da boa-vontade dos mais lentos, há pontos de ultrapassagem. E mais próximo do topo há muitos locais onde é possível parar e descer do carro. Claro que se for um dia chuvoso ou o piso estiver escorregadio não é bom ficar dando sopa para o azar. Mas em quase todos os pontos pode-se ver quem está subindo ou descendo e ficar em locais fora de perigo. O Altima subiu com desenvoltura e classe, sem abusos. Mas atração dianteira... Na minha imaginação eu estaria subindo de 911 pendulando a traseira em cada curva, como os caras das revistas inglesas fazem nos passos ou passagens pela Europa. O que seria de nós sem a nossa imaginação? Sem ela eu até posso dizer que essa serra não tem graça. Mas já estava tendo muitos prazeres e então me aquietei.

Nesse dia fizemos a subida por volta de 17h00. Foi mais um reconhecimento. Paramos no mirante que fica no alto da serra a 1.421 metros de altitude e que tem um amplo estacionamento. Lá encontramos de cara os quatis esfomeados que habitam a região.  Eu estava louco para aproveitar a luz do fim de tarde e descer e subir a serra mais algumas vezes. Mas o meu companheiro estava com mais vontade de ir para o hotel e descansar um pouco.

No mirante e também mais abaixo vivem muitos quatis esfomeados que apesar de selvagens são até dóceis
A vista do mirante é linda e mostra a grandiosidade da serra

Ok! Fomos para o hotel que está exatamente em frente ao mirante bastando apenas cruzar a pista.  Nos acomodamos e eu logo quis sair para umas fotos com a Nikon. No meio do post eu decidi usar apenas as fotos feitas com o Galaxy Zoom e editadas e postadas pelo Instagram e no Facebook (através do próprio Instagram). Fiz essa opção pela praticidade e porque queria testar o novo aparelho. Algumas outras poucas fotos também foram feitas da mesma forma com o Galaxy S4. Depois falo dos aparelhos e as fotos da Nikon, no fim do post.

Olhando a serra dá impressão dela ser muito perigosa (não é) e quando eu falei para o meu pai que iria descer de novo ele me disse que ficaria muito preocupado se eu fosse sem ele. Então eu prometi, e cumpri a promessa, que iria com ele no dia seguinte, já praticamente sabendo que o tempo estaria encoberto. Mas como eu também sou pai, sei que a preocupação do meu era legítima e então respeitei. Então explorei o terreno do hotel e arredores. Não há muita coisa mas tentei ir até um parque eólico nas proximidades. Não era possível entrar, mas os caminhos em estrada de terra eram bonitos, embora de piso muito ruim. Em algum momento até imaginei estar abusando do Altima, mas ele não reclamou.

A propriedade do hotel é enorme e os chalés bem confortáveis

Aproveitei também para contemplar o design do Altima. Eu acho o seu perfil bem esportivo e dinâmico com uma boa carronalidade (quem não sabe o que é veja aqui). Talvez até mais interessante que o aclamado Fusion. Gosto dos pára-lamas dianteiros salientes e da coluna C. Na traseira o escapamento duplo o deixa mais atraente e também melhora a esportividade. O único ponto que não me satisfaz é a dianteira. A grade é muito grande e simples demais, além do que Versa e Sentra também têm o mesmo jeitão. Bom para esses dois, mas ruim para o Altima. Mas mesmo assim o conjunto é bem acertado e de acordo com o padrão mais conservador das empresas japonesas. E agora pensando, um prova de que eu gostei do design é que eu não cansei de olhá-lo sempre que possível. 

O design do Altima é atraente, no entanto a frente poderia ter uma grade mais ousada e menos parecida com a do Sentra e do Versa
A vista de 3/4 de traseira é bonita e ressalta a linha de cintura saliente e musculosa; o escapamento duplo para mim é fundamental num carro desse porte

Já anoitecendo, voltei para o hotel para jantarmos. E ali não havia outra opção a não ser o próprio hotel, que tem um restaurante muito legal e uma boa variedade de pratos. Para não errar e seguindo a recomendação da garçonete, pedimos um truta. O problema é que levou 1h45 para ficar pronta. Pelo menos passei mais tempo com meu pai. Expliquei e mostrei o Facebook e Instagram, li os comentários dos leitores, busquei o manual do carro para saber mais sobre ele e assim o tempo foi passando. Jantamos bem e o convidei para a foto noturna. Há pouco tempo a serra passou a ser iluminada durante a noite e uma das fotos que planejei era essa. Mas fui frustrado ao ver que a iluminação estava toda apagada. Não se via nada. Então o jeito foi ir dormir cedo.

No dia seguinte levantamos sem pressa, tomamos café e eu comecei a preparar a GoPro para filmar a descida. Foi aí que descobri as pilhas vazadas. E o pior, a camarazinha estava inutilizada. Uma pena.

Deck do restaurante do hotel, a GoPro mortinha e o Altima na serra

Como eu imaginara, o tempo estava totalmente encoberto. Não se via muita coisa. Conhecendo bem o acompanhante eu sabia que ele queria descer a serra direto e ir para Curitiba, nosso próximo destino. Mas depois de eu lembrá-lo que não fiz as fotos no dia anterior a pedido dele, ele acabou se acalmando e me ajudou muito nas paradas no meio da serra. Como eu disse mais acima, há muitos lugares para se parar, observar a vista e fotografar. Um pouco mais difícil é fazer fotos em movimento. Meu pai me ajudou muito, foi fantástico e fez exatamente tudo que eu pedi. Tá certo que não abusei muito. Em uma de minhas saídas do carro pedi para ele descer bastante e se posicionar numa curva muito mais abaixo. Ele parou o carro e eu gritava lá de cima para descer mais. Mas a chave de presença estava no meu bolso. Apesar do empenho dele eu é que não estava tão tranqüilo, não consegui me concentrar e não gostei muito do resultado. Meu imaginário havia pintado outras fotos. Idealizei o Altima em uma das curvas e com a vista da serra toda ao fundo. Sem chances com o tempo encoberto. Mas sei que fiz o possível considerando as condições. Agora eu precisava de uma fotos da Nikon, pois quase não fiz nenhuma com a Galaxy Zoom.





Idealmente, eu gostaria de ter passado pelo menos mais um dia nesse lugar para poder entendê-lo melhor. Ficou uma sensação de ter faltado alguma coisa. Que seja. Ao menos é um bom pretexto para voltar lá. E de lá resolvemos fazer o caminho mais comprido e por estradas secundárias evitando um bom trecho da BR-101, que não gostamos. Passamos por Lauro Muller onde eu peguei o volante a umas 10 da manhã e seguimos pela SC-108 passando por Orleans, Braço do Norte, Santa Rosa de Lima, Anitápolis, Rancho Queimado e finalmente chegamos em Palhoça, onde encontramos a BR-101.

Essa perna foi muitíssimo bacana. Imagine serrinhas com uma estrada perfeita e quase sem movimento. Aí, com a missão já cumprida, eu pude me divertir mais com o Altima. A já falada rigidez, o ótimo ajuste de suspensão e os aparatos eletrônicos só aumentam nossa confiança. E inevitavelmente nos deparamos com alguma curva um pouco mais fechada do que o esperado e acabamos tendo aquele calafrio (entre outras coisas) com a possibilidade de algo sair errado, tipo a frente desgarrar. Aí eu pude experimentar o Active Understeer Control (AUC), ou controle ativo de subesterço que atua nos freios dianteiros para tentar corrigir a trajetória de acordo com a posição do volante evitando que o carro saia de frente. É o que a Nissan chama de torque vectoring, a aplicação do freio da roda interna à curva empurrar o carro para dentro dela, como nos tratores de esteira e nos tanques. Meu pai não gostou muito, mas depois que o susto passa é gostoso.


Evitamos a BR-101 e viajamos pela deliciosa SC-108

Depois de muito quilômetros só curtindo o passeio, em determinado momento imaginei como descrever a sensação tão boa transmitida pelo Altima. Logo lembrei do dia em que voei de planador e disse isso ao meu pai. O carro parecia realmente estar planando e eu também disse que gostaria de fechar os olhos e me imaginar voando para saber se isso seria crível. Então olhei para o lado e vejo meu pai de olhos fechados... 

Depois desse momento resolvi acordar de novo motivado por mais uma serrinha legal e tocar o Altima como ele merecia. Aquela ajeitada do corpo no banco, CVT no modo Sport e mais pressão no pedal direito. Aumentei bastante o som do jeito que eu gosto (meu pai gosta de ouvir o som baixo, na verdade no volume normal) e fui passando as músicas pelo comando no volante até achar uma mais empolgante. Encontrei uma fantástica e muito apropriada ao momento, A Taste of Honey (Um sabor de mel, em tradução livre) de Herb Alpert. Aí eu pude ser eu mesmo, meio que fazendo uma travessura. E mais ou menos com a aprovação do pai. Para mim foi o melhor momento da viagem!

Mas não durou muito, pois logo chegamos a Santa Rosa de Lima e tive que diminuir. Aqui vale uma dica para que estiver pensando em fazer esse caminho. O trecho entre Santa Rosa de Lima e Anitápolis, de 25 km, é todinho de terra e a estrada não é tão boa assim. Mas voltar dali por outro caminho é uma baita mão-de-obra. 

Vinte e cinco quilômetros de estrada de terra de Santa Rosa de Lima até Anitápolis; na região há muitas casas cor de rosa.
Região madeireira e de pequenos agricultores

Com essa mudança de planos e a demora na Serra do Rio do Rastro o navegador apontava que chegaríamos em Curitiba por volta das 17h00. O plano original era chegar às 2 da tarde para visitar o Museu do Automóvel. Ainda antes de Curitiba coloquei no navegador o endereço do meu pai no Guarujá e a hora estimada de chegada seria depois da meia noite. Olhei pra ele e já entendi que seria ótimo tocar direto pra casa. Afinal, não teríamos razão para passar em Curitiba pois o museu fecha às 17h00. Ligamos no hotel pedindo para cancelar a reserva. Mas apesar deles concordarem em fazer o cancelamento sem custo, foi necessário ligar também no Booking.com para informá-los que o hotel concordara. Deu certo e economizamos uma diária.

Chegamos no Guarujá pouco antes da meia noite. Nesse dia eu dirigi mais de 10 horas praticamente sem interrupções. Achei que chegaria em casa quebrado. Curiosamente, o Altima tem bancos com tecnologia da Nasa que acomodam melhor o corpo. Acho que isso ajudou muito chegar inteiro ao destino. Claro que todo o prazer desfrutado ao longo dos três dias de viagem também renovou o estado de espírito.

Pensando um pouco mais sobre o Altima, a única coisa que eu gostaria que ele tivesse a mais é algum meio de reduzir marchas, preferencialmente no volante. Apesar de ter os modos Sport e D/S (que simula sete marchas e mantém a velocidade em descidas) não há como fazer reduções que em certas situações são desejáveis. Mas mesmo assim eu adorei o Altima. Gostaria muito de tê-lo comparado com o Fusion, pois não imagino como este possa superar o Nissan. Para quem gosta ou precisa de um carro grande, aprecia de coisas muito bem-feitas mas não precisa de ostentação, recomendo muito o Altima.

No dia seguinte acordei, curti mais um pouco meus pais, peguei a estrada para São Paulo. Depois todo esse tempo grudado ao meu pai, quando entrei na estrada, liguei meu iPod com as minhas músicas e não o vi do meu lado, o vazio foi enorme. Queria ele ali, com as músicas dele e trocando sentimentos comigo. Uma série de emoções se misturaram e não sabia se era felicidade ou tristeza. Mas como não consigo definir muito bem isso, o que importa é que o meu pai continua sendo aquele pai que brincava com o Paulinho, que era durão na palavra mas mole de coração, que sempre fez de tudo para me ver feliz. E que me guia e sempre guiará, estando perto ou longe. Ele não mudou, mas eu cresci e encontrei meu caminho. Isso é duro, mas inevitável. Ainda bem que ele topou viajar comigo.

Para o meu pai!

Mais abaixo há outras fotos da viagem.

Abraço

PK


Agora um assunto um pouco fora do tema central.

Outro objetivo dessa viagem foi testar os aparelhos da Samsung, o Galaxy S4 e o Galaxy S4 Zoom. O S4 é o concorrente direto do iPhone 5. O principal diferencial é a tela grande e HD de 5 polegadas onde digitar e editar fotos em diversos aplicativos é muito fácil e conveniente. A qualidade das fotos feitas com a câmera de 13 megapixels é excelente e o sistema Android permite a comunicação e compartilhamento de fotos com todos os aplicativos de maneira fácil e direta. Quem é fã da Apple normalmente nem quer saber do S4. Não sabem o que estão perdendo. Isso sem contar a diferença gritante de preços. Já o Galaxy S4 Zoom é um pouco menor, com tela de 4,27 polegadas (o iPhone tem 4 polegadas) mas tem uma câmera de 16 megapixels com zoom ótico de 10 vezes (a do iPhone tem 8 megapixels). A qualidade das fotos é melhor que a do S4. A vantagem do Zoom é que ele também é um excelente smartphone. A pega e a utilização do zoom é que não são muito boas, mas é mais uma questão de se acostumar. A bateria dura bastante.

Se você ainda não tem um smartphone legal e também gosta de tirar fotos eu recomendo o Zoom. Se já tiver uma câmera bacana, vá de S4.

Galaxy S4 e Galaxy S4 Zoom, ambos também recomendáveis

Para facilitar a minha vida e o compartilhamento imediato das fotos via Instagram (e através do próprio Instagram para o Facebook) eu usei o Instagram em todas as fotos. Adoro os filtros e o aspecto meio envelhecido das fotos. No entanto, a qualidade das fotos depois de ter filtros aplicados fica muito degradada. Por isso não use as fotos desse post para julgar a qualidade.

As próximas fotos não foram feitas com nenhum dos dois aparelhos e sim com minha Nikon D300S.


Fotos adicionais

Serra do Corvo Branco

















Serra do Rio do Rastro























69 comentários :

  1. Uma viajem sensacional PK! Ainda farei uma desse tipo, um grande sonho.
    Paulo, você poderia matar uma curiosidade? Qual lente foi usada pra tirar as fotos mais longes?
    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucas, desculpe a demora. Eu uso 95% do tempo uma Nikon 18-200 mm. Uma lente ben normal mas muitíssimo versátil, além de caber no bolso ($$). Abraço.

      Excluir
  2. Bacana demais, hein, PK! Na próxima vez que for ao Sul, com certeza incluirei esse roteiro.

    Abraço!

    Lucas CRF

    ResponderExcluir
  3. Fui para a serra no inverno do 2010, não deu para aproveitar muito a paisagem pq chovia muito, mas consegui ver algumas cachoeiras congeladas. Pretendo ir de novo, mas no verão. E aqui em Camboriú a cidade vira um caus na temporada, o grande problema desse ano é a falta d'água.
    Acompanhei esse viagem pelo Instagram e agora com o post, eu percebo que devo valorizar mais as coisas do meu estado, principalmente o lugar onde moro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cassiano, eu acho que é natural não valorizarmos muito o que temos (de graça). Não que isso seja bom, mas acontece com quase todo mundo. Mas com o tempo aprendi a observar melhor as coisas boas e belas que estão por perto. Muito disso veio da fatografia.
      Essa viagem no Inverno deve ter bem diferente e bacana também! Abraço

      Excluir
  4. Parabéns Paulo bela viagem. Quando começou a falar do seu pai no final da viagem me deu um nó na garganta. Você conseguiu transcrever exatamente o que a gente sente com relação aos vínculos de relacionamento.

    Já fiz essa viagem mas de moto. Para quem se interessar e não conhece tenho um chip que gravei quando estava descendo a serra do Rio do rastro:

    https://vimeo.com/73665280

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luiz,
      Também senti esse nó ao escrever!
      O vídeo ficou demais!!! vou postar no face! Abraço e obrigado.

      Excluir
  5. Parabéns pela iniciativa, pelo convite ao paizão, pelo post e pelas belíssimas fotos (como sempre), Paulo! Grande abraço do FS.

    ResponderExcluir
  6. Rafael Ribeiro01/01/14 15:04

    Lindo Post PK, em todos os sentidos!

    Guardadas as devidas proporções, as duas serras me lembraram a que liga Itaipava - Teresópolis, no estado do RJ, também sinuosa e margeada por hortênsias ao longo da maior parte do trajeto entre a primavera e o verão. Já teve oportunidade de passar por ela? Por residir em Petrópolis e por motivos profissionais, passo por ela várias vezes ao longo do ano e nunca me canso de contemplá-la. Aliás, nesta estrada eu fiz meu primeiro passeio (de moto) com minha esposa, há 25 anos atrás, e deu no que deu...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael Ribeiro
      Essa serra foi o palco do meu aprendizado de dirigir rápido no final dos anos 1950, quando eu passava as férias de verão em Teresópolis e vivia nessa serra com o VW 1200 da família o dia inteiro. Que traçado fantástico naquele pavimento de concreto! Aprendi muito lá! Dá saudade!

      Excluir
    2. Bob,

      Moro em Teresópolis e esta serra também foi um dos lugares que fizeram parte do meu aprendizado de dirigir rápido. Aliás, continua fazendo, de vez em quando estou por lá.

      A serra não está em sua melhor forma e o tráfego de caminhões irresponsáveis em alguns horários torna tudo muito mais perigoso, infelizmente.

      Excluir
    3. Rafael Ribeiro, pode ser que qualquer hora eu vá a té essa serra. Valeu pela dica! Abraço.

      Excluir
  7. Sensacional texto, nos deixou dentro da viagem, e com vontade de pegar o carro para conhecer o lugar. Abs!

    ResponderExcluir
  8. João Carlos01/01/14 15:17

    Gostei do parágrafo 11 e 12. Considerando a época do ano, dói ler e ouvir que "os acidentes foram causados pela imprudência", sendo que o português claro seria: causados por não saber dirigir. Claro que isso fere o ego do brasileiro "apaixonado por carros".

    Infelizmente o conceito da massa sobre saber guiar é mover pedais e virar volante e dar seta automaticamente. Andam completamente largados e sem noção alguma do que há e o que vem ao redor. Certamente é por isso que películas negras não incomodam essa gente. A falta de noção ao redor mostra-se evidente na quantidade de seteiros; dar seta pra fantasma mostra total falta de noção do que ocorre a sua volta. Geralmente é a mesma turma que acha risco de vida guiar carro sem ABS e controle de estabilidade; sendo que esquecem do risco maior: não saber guiar, é duro, mas é isso mesmo.

    Realmente estamos num caminho quase sem volta. Desculpem pelo off-topic.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jõao Carlos, não foi off-topic. Obrigado pelo complemento. Abraço

      Excluir
  9. Fiquei com uma curiosidade ainda: qual seu Instagram? Se possível, também gostaria de saber os demais contatos em redes sociais pra seguir todo o pessoal do AUTOentusiastas.
    Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernando, veja os links:

      http://instagram.com/autoentusiastas
      https://twitter.com/AUTOentusiastas
      https://www.facebook.com/BlogAUTOentusiastas

      Abraço.

      Excluir
  10. Viagem muito interessante, principalmente a serra do rio rastro.
    Parabéns!

    Corrigenda: Meu pai não quis caminhar na praia e segundo "ela" a praia "dele" é mais bonita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucas Garcia,

      Obrigado pela correção. Já acertada no texto.

      Abraço

      Excluir
  11. Nossa, eu jurava que o Altima era azul [já estava até me perguntado de onde veio esse azul escuro belíssimo] até olha as ultimas fotos e ver que o carro na verdade é preto... Só eu tive essa confusão?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Azul bonito era do Sentra dos primeiros anos da geração passada.

      Excluir
    2. Lindo mesmo, Nicolas. Gosto demais dos raros I30 azuis da antiga geração. Se for a CW então...

      Abraço

      Lucas CRF

      Excluir
    3. Paulo, alguns filtros do Instagram deixam o carro um pouco azulado mesmo!
      Valeu!

      Excluir
  12. Ótimo texto e ótima viagem! Não foi nada cansativo passar 1 hora lendo e apreciando.
    E feliz ano novo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal que gostou Guilherme! Feliz Ano Novo pra você e sua família!

      Excluir
  13. Parabéns pela matéria. Não tenho um Altima, mas vou fazer esta viagem em outubro, pois adoro dirigir em serra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um carro como o Altima ajuda, mas não é condição para se fazer a viagem. Aproveite e mande fotos de lá!

      Excluir
  14. Começamos bem o ano de 2014, com esse belo post. Parabéns, PK!

    ResponderExcluir
  15. Paulo Keller,.
    O câmbio do Altima é mesmo um CVT de correia? Achava que era torroidal.
    Então esses câmbios evoluíram muito, a ponto de já equipar um carro relativamente pesado (por volta de 1450 kg) com motor 2.5 litros de 180 CV.
    Belo post. As fotos então são um convite quase irrecusável de uma visita ao local.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Romulo
      Sim, este CVT é do tipo duas polias com correia. São poucos os toroidais, como no Infiniti topo de linha de tração traseira.

      Excluir
    2. Romulo, o Bob já respondeu! Abraço.

      Excluir
    3. Obrigado Bob e pelas respostas,
      Acho a ideia do câmbio CVT genial. Mas, precisou de muita evolução para ter seu potencial explorado e se tornar uma oferta realmente atraente. Agora parece ter atingido um nível bastante competitivo.
      Foi um dos destaques do Altima que mais despertou minha vontade de conhecer o carro, depois que li os posts.de AE,(incluindo o do Sentra).
      O único carro equipado com CVT que dirigi foi o Honda Fit, dez anos atrás. No tempo, apesar de ter me agradado no geral, deixou a impressão de que o gerenciamento poderia atender melhor algumas situações específicas. Terminei comprando um Civic de câmbio manual, pois queria um caro maior que o Fit, mas o câmbio CVT me cativou.
      Agora então, com a evolução acumulada de dez anos e num carro de uma faixa superior...




      Excluir
    4. Romulo, esqueça a caixa do Fit!. Meu sogro tem um 2008 e eu acho muito estranho também. Realmente o CVT da Nissan evoluiu muito. Abraço.

      Excluir
  16. Thiago A.B.01/01/14 17:31

    Paulo,

    Brilhante e emocionante relato desta viagem que vai ficar para sempre registrada na memória sentimental de pai e filho. Além das artísticas fotos!! Começamos 2014 com todo o gás aqui no AE!!Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thiago, valeu pelo comentário. Abração!

      Excluir
  17. Paulo, vc é um privilegiado! Tenha certeza disto. Viajar na companhia do seu pai, a bordo de uma nave e numa estrada linda, é o sonho que muitos gostariam de realizar. Quando vejo relatos assim, da uma pontinha de esperança que este mundo um dia ficará melhor.

    Abraços,

    Igor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Igor, obrigado pelo comentário! Com certeza o mundo ficará melhor... Abraço

      Excluir
  18. Essa viagem é bacana, PK! Quando subi essa serra pela primeira vez, o fiz com um Opala 6 cilindros. Pode rir, mas pode ter certeza que, considerando a total falta de freios ABS, de controle de tração (traseira) e de qualquer controle de estabilidade, a minha viagem foi muito mais divertida do que a sua!
    Mas o que eu queria dizer mesmo, é que a visita a esse parque Unipraias realmente custa cara, mas para mim valeu cada centavo investido. Existem coisas caras que valem o preço, e esse lugar é uma delas. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CSS, um Opalão se bem usado é uma usina de prazer!!!!
      Realmente o Unipraias é legal. Não conheço nada parecido por aqui.
      Abraço.

      Excluir
  19. Ótima história! Curiosidade: seu pai aparece nas fotos de havaianas o tempo todo. Dirigiu descalço? Hehe, do jeito que tem que ser!

    ResponderExcluir
  20. Me emocionei com seu relato da viagem. Bom que você conseguiu viver esses momentos com seu pai. E parabéns pela descrição do comportamento e das sensações do carro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A viagem foi de fato emocionante! Abaço

      Excluir
  21. Paulo, que bom que você gostou daqui de SC. Como você bem notou, o trecho da BR-101 que abriga Palhoça e Biguaçu é realmente horrível devido aos outros motoristas, tanto que no recente ranking das piores rodovias, esse foi um dos trechos mais perigosos, seguramente no top 10. E o marreco é realmente típico em Joinville, a "alemãozada" gosta bastante, e é bem comum onde eles se estabeleceram.

    Espero que venhas mais vezes aqui. Um abraço e feliz ano novo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Angelo, pretendo voltar com a família.
      A BR 101 inclusive já foi tema de post do AE. Veja só!
      Abraço

      Excluir
  22. Obrigado por nos levar juntos nessa bela viagem Paulo; fotos e textos irretocáveis...um grande post em todos os sentidos.

    MFF

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MFF! Obrigado pela mensagem amigo!

      Excluir
  23. Caramba, que post! Completo, do carro aos sentimentos envolvidos em toda a viagem! De quebra, tornou-se um bom guia para quem pretende fazer viagem para o mesmo lugar. Mas acredito que a passagem pelas Serras do Rio do Rastro e do Corvo Branco ficam mais legais a bordo de um carro com câmbio manual ou, no mínimo, manual robotizado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. RR,

      Com certeza ficam. Mas a viagem teria que ser diferente e conseguir um jeito de minimizar muito os riscos de uma desgarrada. Ou ser o Rhys Milles ou Ken Block!!!!!!

      Abraço

      Excluir
  24. Sensacional PK! Também fiquei com o tal nó na garganta que o Luiz AG comentou...

    Eu demorei pra fazer essa trip, tenho falado da Serra do Rio do Rastro para família há um tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fabio, o nó foi bem forte mesmo.
      É claro que fazer essa viagem com a família é fantástico. Mas eu estava decidido a ir mesmo sozinho a esperar uma condição perfeita. Aproveite a primeira brecha e vença as vozes contrarias!

      Abraço.

      Excluir
  25. Viagem linda! Acompanhei o antigo post e no momento da viagem pelo Instagram. A questão do nó na garganta foi muito sentida por mim nos último parágrafos, pelo simples fato de eu ter feito uma viagem muito parecida com meu velho. A diferença é que eu estava de mudança de Belo Horizonte para o Ecuador a bordo de um carro 17 anos mais velho. Mas os momentos nos 8 dias de viagem com o velho são inesquecíveis. Não pelas flatulências compartilhadas, mas pelo re-conhecimento da relação pai-filho que se Deus quiser quero atualiza-la por muitas vezes.

    Um abraço!

    Robson

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Robson, essa sensação boa foi o melhor de tudo. Uma injeção de vida!
      Abração!

      Excluir
  26. Esse trecho percorrido da serra catarinense é delicioso de pilotar. Belíssima viagem e depoimento, o carro só confirma o que imaginava, parece muito "parrudo" e confiável.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Wagner, Santa Catarina "é o cara"! E o carro, um dos mais sólidos de já testei! Abraço.

      Excluir
  27. Graças aos sacos de lixo é cada vez mais difícil olhar nos olhos dos outros motoristas. Tem vezes que olhando para o carro de trás eu tenho quase certeza que ele anda sozinho, tudo preto no vidro da frente, nem as mãos no volante ou o volante consigo ver e olhando pela lateral também, absurdo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O cara que coloca filme no pára-brisa deveria ter a carta apreendida imediatamente. Isso se ele tiver carta. E sabe o que é pior? Que tem muita gente que é bacana, mas coloca por pura ignorância! Dia desses dei uma bela chamada num jovem gente fina que colocou no carro dele. Ele ficou me olhando sem nem entender o motivo da chamada.

      Excluir
  28. PK, lindo artigo! Mas me tira uma dúvida sobre o carro: Ele tem como travar, eletricamente através dos comandos na porta do motoristas, as portas traseiras contra abertura acidental feita por crianças? O irmão mais novo dele, Sentra, não tem e agora estou na dúvida sobre o Altima.

    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uellington, não percebi esse detalhe. Mas assim que tiver um chance eu verifico. Abraço

      Excluir
  29. Nossa !!! Viajei junto, novamente. Até o gosto musical fechou. Uma pena que meu Pai não pode me acompanhar quando lá estive. Vc é um privililegiado. Abraços.
    Marcos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcos, legal que gostou! Abraço.

      Excluir
  30. Olá PK, como vai?

    Estive em viagem de férias e fiquei uns dias desconectado do mundo virtual, só pude ler seu post hoje.
    Que bom que gostou da viagem e que conseguiu chegar até a Serra do Corvo Branco, fico feliz que a dica tenha sido útil!
    Emocionante o relato do tempo em contato com seu pai, e achei as fotos muito legais.
    Legal a avaliação do Altima também, não é o meu perfil de carro (e se fosse não faria diferença já que não cabe no meu bolso, rsrs...), mas bom saber que há bons sedans grandes disponíveis em nosso mercado.

    Forte abraço!

    Leandro Gallo Spolon

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Leandro! Suas dicas foram muito boas!
      Abraço PK

      Excluir
  31. Adorei o seu post. Não sou fã de carros, apenas usuária, mas amei as fotos, a forma de você escrever, claro, limpo e com muito sentimento. Abraços.

    ResponderExcluir
  32. porque saídas duplas são essenciais para você em carros deste porte?

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.