EDUCACIONAL: IMPREVISTOS ESTÃO À SOLTA

O leitor do AE Lorenzo Frigerio, que já consideramos um amigo, fez a gentileza de mandar um comentário com link para o vídeo abaixo, exibido no YouTube pelo governo da Nova Zelândia (notem os volantes na direita). Embora o Lorenzo dissesse ser off-topic, pois foi no post do Milton Belli sobre o Bricklin SV-1, não o considerei como tal.

O tema é um alerta para a velocidade incompatível com a situação no evento de um imprevisto qualquer acontecer, como o motorista do suve acessar a estrada no entroncamento achando que "dava tempo", sem avaliar corretamente a velocidade da perua que se aproximava do ponto.

A idéia de parar o tempo — mas não que o acidente fosse evitado —, reputo-a magistral, pois dá total fidelidade à situação, os motoristas se explicando, um achou que dava para entrar, outro admitiu que vinha muito rápido (e pede desculpas pelo acidente que vai acontecer, para desespero do pai do menino no banco traseiro do suve). Notem também que o motorista do suve obedeceu à placa "Stop", parando na linha de retenção, mas errou no julgamento.

A perua nem vinha tão rápido, não estava nem a 110 km/h, mas para aquela situação era muito. É por isso que nos trevos rodoviários deve-se reduzir bem a velocidade (as placas de limite o determinam), pois quem vai cruzar geralmente não sabe avaliar velocidade do tráfego na transversal; o mesmo para os pedestres.

É exatamente o mesmo motivo de os aviões dentro de uma Área Terminal (TMA) terem limite de velocidade, 250 nós, ou 450 km/h,  para todos, o Controle de Tráfego Aéreo principalmente, saberem que todo mundo está no máximo a essa velocidade. Mesmo motivo também para a velocidade da frente de box ser limitada, pois há carros entrando e carros saindo.

Por último, e sei que tem gente que não vai gostar e vai me criticar, mas esse tipo específico de avaliação de velocidade por quem vai acessar uma via ou rodovia fica totalmente prejudicado se o carro tiver sacos de lixo nos vidros laterais dianteiros, mesmo que não tenha no pára-brisa.

Os códigos de trânsito daqui e do resto do mundo estão certos, os vidros de condução não podem ser escurecidos além de determinado ponto.

Observem que a campanha do governo neozelandês não é tipo "devagar", "não corra", "velocidade mata" e outras baboseiras que os boçais adoram dizer, mas "Viagens mais seguras" (Safer Journeys), como pode ser visto no canto inferior direito do vídeo. 

BS



35 comentários :

  1. O mais genial nesse filme é não culpar a velocidade simplesmente. Pelo contrário, o motorista da suve assumiu seu erro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está errado. A propaganda culpa justamente a velocidade. No próprio link do Youtube, há um outro link indicando para o site de trânsito neozelandês, que explicita claramente a aversão à "speeding", que nada mais é o excesso de velocidade.

      Excluir
    2. Ele está certo. O filme não fala em excesso de velocidade, mas para diminuir por causa dos erros dos outros.

      Excluir
    3. Infelizmente quem está ocupando a via tem sempre razão ou a menor culpa, independente da velocidade, mas é mais que óbvio que a alta velocidade para a proximidade do cruzamento leve a quem está para cruzar a erro. Até mesmo o carro que vier à noite, só com luzes de posição, e vc se atrapalhar e vier a colidir ao cruzar, vc é o culpado. Esses exemplos, claro que só ocorrem no Brasil, aqui a culpa está invertida, lá fora se vc estiver acima da velocidade, ou apagado, tudo que daí decorre é culpa sua.

      Aqui tudo sai fora da regra: do mesmo modo que não existe regra de preferência de quem vir da direita, mas sim daquele que vem da via sem valeta! E isso vai para na justiça... e vc perde. Eu assisti uma audiência onde um motociclista que vinha pelo corredor, em cima da faixa - numa via de pista simples mão dupla - foi lançado para a via perpendicular pelo motorista que ali iria entrar e não o notou,e foi condenado a indenizar.

      Excluir
    4. A tônica é: os outros cometem erros.

      Excluir
    5. Os dois estão errados. A pena, na minha opinião, é que, aqui no Brasil, só se tem falado do "excesso de velocidade" do cara que vem pela via que, como o Bob lembrou, nem é tão alta assim. Penso que o cara que entrou na via é tão ou mais errado que o outro. Pra mim essa campanha genial foi jogada pelo ralo aqui no Brasil por causa dessa má interpretação das pessoas.

      Excluir
    6. Anônimo 12/01/14 12:10
      Sua conclusão é perfeita. Parabéns.

      Excluir
    7. Acredito que a conclusão correta seja, independente de quem é a culpa com uma dose extra de cautela, podemos evitar algo catastrófico.

      Campanha excelente heim! Forte, como tem que ser!

      Excluir
  2. Corsário Viajante11/01/14 20:59

    Outra coisa legal é que os dois caras são apresentados como pessoas normais, e não de forma estereotipada, do tipo "o louco que corre" ou "o imprudente que bebeu" ,etc.
    No Brasil é raro ver propagandas honestas deste gênero, costuma-se criar uma lógica de "vilão e vítima", tendo que ter um culpado, quanto mais estereotipado melhor, é a velha mania de querer empurrar a culpa para o próximo ao invés de refletir sobre SUA atitude.
    Um detalhe irônico é que o cara que corre tem um sedã, e o distraído tem um "SUV". Acho engraçado pois vejo muita gente que migra pros SUVs e acaba dirigindo com mais descaso por se sentir protegida, do tipo "numa colisão não sou eu que vou me dar mal". Então a meu ver isso também talvez não seja completamente por acaso.

    ResponderExcluir
  3. A Nova Zelândia é talvez hoje o melhor país do mundo para se ter um carro. País parcamente povoado, com algumas rodovias boas (embora a maioria seja muito estreita), pouca legislação, pode-se importar carro de onde quiser e da maneira que quiser, desde que tenha o volante na direita (até porque uma conversão de lado do volante pode deixar o carro com folgas perigosas na direção). O contraponto é que não há indústria automotiva por lá.

    Quanto a propaganda, interessante notar a frase no final: "Outras pessoas cometem erros. Vá mais devagar". Ou seja, a culpa não é do rapidinho e nem da velocidade, é do sujeito que entrou na frente. Porém, se o sujeito estivesse mais devagar, talvez conseguisse ter freado e evitado a tragédia.

    ResponderExcluir
  4. Por mais que a pessoa dirija bem, IMPREVISTOS ESTÃO A SOLTA POR TODO LUGAR.

    ENTÃO NADA MELHOR QUE PREFERIR MODELOS SEGUROS QUE PASSARAM EM EXAUSTIVOS TESTE DE COLISÃO.

    Mesmo que você nunca provoque um acidente, você não esta imune a maus motoristas existentes nesse Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João Carlos11/01/14 22:00

      Apartir de determinada velocidade - a dos testes são bem baixas - tanto faz estar num Chery como num Volvo, você irá morrer ou se ferir gravemente do mesmo modo. Melhor aperfeiçoar-se a cada dia na arte-técnica de guiar - o que não custa nada e é até um prazer pra quem de fato gosta de carros - do que se apoiar em itens de segurança. Carro 5 estrelas não lhe torna imortal ou imune a ficar numa cadeira de rodas. Não deixe para o carro e a sorte lhe salvar do acidente, acidentes não acontecem por acaso. Dê uma lida de aqui: http://autoentusiastas.blogspot.com.br/2013/08/as-falsas-sensacoes-de-risco-e.html

      Excluir
    2. E melhor ainda do que "PREFERIR MODELOS SEGUROS QUE PASSARAM EM EXAUSTIVOS TESTE DE COLISÃO" é dirigir com prudência e segurança, no intuito máximo de evitar causar ou envolver-se me acidentes, até porque nem mesmo os mais seguros carros do mundo são indestrutíveis.

      Excluir
    3. Com a permissão do Bob, quero postar um link da noticia de uma colisão, que aconteceu há menos de 10 km de onde digito, e comentar sobre a responsabilidade ao volante. http://aquiagora.net/noticias/ver/39896/Grave_acidente_envolve_carreta_e_tres_carros_em_Dois_Irmaos._Uma_pessoa_morreu
      São 69 imagens onde se pode compreender certinho as circunstâncias do acidente. Envolveram-se uma carreta, dois carros ditos seguros (Hilux e 307) e o "inseguro" Gol G4. Amanhã todos os veículos de comunicação daqui da região vão estar papagaiando por aí da estrada, que ela é "um perigo", "assassina", que precisa ser duplicada e blá blá blá. Realmente ela é bastante movimentada, e duplicá-la não seria nada mal, mas nesse trecho entre as citadas cidades, há muitas retas para ultrapassagem, bem sinalizada, o asfalto no geral é bom, com alguns pontos problemáticos. O grande problema mesmo é o movimento e os motoristas que por alí trafegam. Pelas imagens é possível ver se isso é lugar pra se inventar de ultrapassar!? O infeliz da Hilux matou uma mulher, possivelmente a mãe de uma criança pequena. Cinco minutos a mais que ele aguardasse atrás da carreta ele teria pelo menos 3 ótimos locais para ultrapassá-la. Mas não. Tem que ser alí, onde adequadamente é proibido. Por isso que sempre martelo nessa questão: de que adiantam carros seguros se as pessoas seguirem fazendo como o infeliz motorista dessa Hilux. Maldito! Espero que a consciência lhe pese.

      Excluir
    4. Anônimo 13:52,

      É impressionante a forma pela qual o paranaense joga contra seu próprio estado. É por isso que a malha rodoviária paranaense é péssima, com os pedágios mais caros do mundo para se andar em carreiros que mal comportam um caminhão de cada lado.

      As estradas paranaenses são quase todas muito perigosas. No norte do estado são um pouco melhores, mas na região de Cascavel elas são terríveis.

      Excluir
    5. Anônimo 12/01/14 22:59
      Como assim "joga contra seu próprio estado"??
      Não sei qual a sua referência em termos de qualidade de malha rodoviária, mas penso que por aqui não está pior do que em outros lugares. Alias, recentemente fui ao RS e lá pelo noroeste se comenta que as boas estradas de lá são as federais, enquanto que por aqui no PR (oeste e sudoeste) as federais são as piores. Não que as estaduais sejam elogiáveis mas, do que não está pedagiado, as piores estradas nossas são as federais, vide essa BR-163 do trecho entre Cascavel/PR a São Miguel do Oeste/SC.
      No mais, em SC, alí pelo meio oeste, regiao de Chapecó e tals, tá tudo no mesmo nível ou pior. MS tbm. Melhor não está.

      Excluir
  5. Certo, mas quem garante que se sairá incólume ou pouco machucado de uma colisão que dificilmente será igual em tipo e intensidade de um teste enecapeiro?

    ResponderExcluir
  6. Renato Texeira11/01/14 21:55

    Bem lembrado o caso das películas nos vidros. Muitas vezes elas também atrapalham os motoristas dos outros carros, já que muitas vezes não se tem ideia se o outro motorista viu você (principalmente nas cidades, onde o transito é mais lento). Na minha opinião, película escura não protege nada (já que são frágeis, além de atrapalhar bastante a visão a noite). As únicas películas que protegem mesmo são as de segurança (que são transparentes).

    ResponderExcluir
  7. Tem um outro no mesmo sentido, também de mão inglesa. O cara para olha uma vez para cada sentido e avança, a moto vem e ocorre o acidente. Eu lembro que eu li numa coluna sua sobre os perigos de cruzar qualquer via, e você dizia justamente sobre as três olhadas. Se eu achar o video ou a coluna, retomo aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui: http://www.youtube.com/watch?v=RzUlRrpza04

      Coluna: 11º, parágrafo; http://bestcars.uol.com.br/colunas/bob-103.htm. Até que não estou ruim de memória!

      Excluir
    2. As olhadas nunca são demais. Já passei um susto em uma via de pista simples, mão dupla. Faixa seccionada, espaço suficiente para a ultrapassagem, tudo certo. Reduzi marcha, coloquei de lado e acelerei, ao que me deparo com um carro que vinha saindo de uma estrada vicinal (à minha esquerda) e olhou apenas para o sentido de onde vem os carros (olhou apenas para a própria esquerda). Tive que tomar a difícil decisão (em fração de segundo) entre frear e voltar para atrás do caminhão que estava ultrapassando ou finalizar a ultrapassagem. Optei por frear, por pouco não aconteceu um grave acidente pela simples falta de cuidado da pessoa que estava adentrando a rodovia em olhar para os dois lados, mesmo que esteja entrando no mesmo sentido da via.

      A frase nunca fica antiga: "Dirija por você e pelos outros". Já evitei muitos acidentes desta forma.

      Excluir
    3. Anônimo 11/1/14 22:54
      Põe memória boa nisso! Perfeito!

      Excluir
    4. Junior
      Você tomou a decisão certa, abortou a ultrapassagem, parabéns.

      Excluir
  8. Rodovias simples que tenham junções, independentemente do lado da junção, possuem faixa contínua em algumas centenas de metros antes e após a junção, que proíbe a ultrapassagem. Se essa não tinha, é uma grave falha do órgão rodoviário responsável pela rodovia.

    ResponderExcluir
  9. Esse video foi feito pela agência de transportes da Nova Zelândia e apenas mais um dos muitos que já foram produzidos por eles. Foram feitos com o intuito de alertar os motoristas do perigo de situações do cotidiano que já estão acostumados e não veem mais perigo. Aliás, são reproduções de acidentes que já acontecerem.

    ResponderExcluir
  10. Gabriel F Tomass12/01/14 00:13

    De que adianta tentar passar mensagens de "ande numa velocidade compatível com as condições", quando o povo (aqui no Brasiil) não tem sequer o mínimo de noção para saber que quem está na rotatória tem a preferência!?
    Sim, hoje mesmo vi a cena bizarra, de um veículo circulando na rotatória, parando para dar a vez a outro CARRO que esperava a sua vez para entrar nela. E o carro que vinha atrás, após ver a cena, acessou a rotatória e FEZ A MESMA PARVOÍCE! E pra piorar, não é a primeira vez que vejo isso.
    Dito isso, eu acho que esse vídeo é muito sensacionalista e foca sim na velocidade como sendo a vilã da situação. Eu acho que é apenas mais uma campanha que visa manipular o povo para tentar implantar limites de velocidade mais baixos e fiscalização mais rígida.
    O comercial não diz nada útil, como: "Acenda os faróis baixos, isso facilitará aos outros a sua visualização e tornará mais fácil a tarefa de estimar a sua distância e velocidade." ou, "Olhe de novo! Olhar apenas uma vez não é suficiente para estimar a distância e velocidade de outros veículos". Apenas manda ir mais devagar. Mais devagar quanto? 80? 60? 50? 30? Trafegar apenas no embalo da marcha lenta?
    Pra realmente conscientizar qualquer motorista sobre os perigos do trânsito, não tem nada melhor que algumas horas de vídeos "on-board" russos e chineses. Sem apelo emocional. Apenas as cagadas do cotidiano.

    ResponderExcluir
  11. Os norte americanos também tem um monte de vídeos, tem um em particular que enfatiza a concentração, a gentileza, o espaço de segurança e outras coisas que não vejo mais atualmente:
    [url]http://www.youtube.com/watch?v=X6Erp_kUjKA[/url]

    Coisas básicas que o Detran nem mais comenta e são estão preocupados com a lei seca e pardais...

    O último vídeo que ví sobre educação no trânsito no DF foi este vídeo do Rotary Club de Brasília 21 de Abril:
    http://www.youtube.com/watch?v=LCEAhY-mOYo

    ResponderExcluir
  12. Perfeito o vídeo.Aqui as multas que deveriam educar tornan-se fonte de renda para o estado e prefeitura. isso sem falar na falta de capacidade educacional das auto escolas e por aí vai.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com voce em parte. A meu ver, o problema nao sao as multas, e sim a falta de inteligencia das pessoas que recebem elas. Por exemplo, em um video de um outro blog, onde o autor mostra diversos flagras por falar ao celular, um dos motoristas tinha tantas multas que poderia ter comprado uma central multimidia para falar ao celular sem precisar segurar com a mao ou fazendo de forma mais agil.

      Excluir
  13. Enquanto a arrecadação com as multas for utilizada para qualquer coisa, menos com educação e melhorias no trânsito, nunca vai mudar, o interessante para o poder público é a manutenção da ignorância, já que gera cada vez mais multas e portanto mais dinheiro para caixa de campanhas e bolsos públicos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O principal da manutenção da ignorância é a manutenção dos votos!

      Excluir
  14. Aqui do BR acontece o seguinte: um vem pela via a, digamos, 100 km/h. Outro está parado no trevo aguardando o primeiro passar, pois ele já viu o primeiro. O primeiro vê o segundo e reduz pra 80 ou 70 km/h. No que o vivente parado percebe que o primeiro reduziu um pouquinho, ele se atraca cortar a frente do outro, pq "agora dá, ele segurou pra mim". Nem sempre isso acaba bem.......

    ResponderExcluir
  15. A culpa foi do apressado esquizoide da SUV. A mensagem que o video passa é que se o motorista do outro carro estivesse mais devagar ,talvez não teria colidido ,ou teria um impacto menor no outro carro.Engraçado que eles terem escolhido uma SUV como carro do motorista apressado é o que normalmente vejo no transito ,a maioria desses caras ,não todos ,jogando o carro pra cima da gente com pressa.

    ResponderExcluir
  16. Em outra ocasião já disse isso aqui, e com esse assunto de volta repito: por mais que se faça tudo corretamente, você sofre a ação dos outros, e portanto não há nem como dizer que nunca se envolveu em um acidente, se isso não impede de alguém ter a real "culpa" e o envolver na situação.

    Além de tudo dito, e do vídeo mostrar até que um lugar bem amplo e pouco movimentado, é um exemplo simples. Na prática e dia-a-dia, há vários outros obstáculos(principalmente na cidade, quantos postes, árvores e lixeiras não impedem a visão total?) além do óbvio que é o tráfego, que não é simples. Enquanto você está parando ou saindo da faixa de pedestres, ciclistas e pedestres vindo de ambos lados, inclusive alguns fora da faixa... sem falar no garoto de skate, o outro de patinete, cada um à sua velocidade, e você devendo calcular tudo isso junto: os carros são o de menos, há muitos fatores além deles que contribuem para você dar atenção, e justo essa falta pode te levar a uma desatenção justo com o óbvio, que são os outros carros. Pelo menos na minha visão, o que mais acontece com o trânsito nas cidades é isso, a locomoção hoje é complexa, ainda mais com a pressão da insegurança e o stress.

    ResponderExcluir
  17. Fugindo um pouco do assunto, mas como vi que têm vários entusiastas do Focus nesse fórum quero esclarecer uma dúvida do meu Focus GLX 2005.
    Quando eu tranco as portas por dentro pela porta do motorista ou quando ele atinge 7 km/h que ele tranca as portas automaticamente depois se o passageiro da frente tentar abrir a porta ele não conseguirá, apenas se o motorista destrancar as portas, mas os passageiros de trás conseguem isso, e eu queria justamente ao contrario, ou então que todas as portas só conseguissem ser abertas depois de o motorista destravar.
    Sei que tem como trancar as portas traseiras com a chave por dentro da fechadura das portas traseiras, mas isso faz com que as portas só abram por fora, mas eu queria que funcionasse como a porta do passageiro dianteiro.
    Me enrolei um pouco mas espero que entendam. É possível fazer isso que eu falei?

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.