O CARRO DO PAPA FRANCISCO

Fotos: autor


Quando o Papa Francisco esteve no Brasil em julho para a Jornada Mundial da Juventude 2013 e o vi sendo levado para toda parte num Fiat Idea, ocorreu-me que fazia tempo que não andava em um. Tratei de arranjar um na Fiat, mas não havia na frota, no momento, a versão que o Sumo Pontífice escolheu, justamente o que eu queria dirigir, o Attractive 1,4, o de entrada da linha. Por ser mais alto que um sedã, ficou mais fácil para o Papa entrar e sair do veículo.

Quem me contou que foi escolha pessoal do Papa — o carro mais simples possível — foi a assessoria de imprensa da Fiat, o que aumentou ainda mais minha admiração por ele.

Sem esconderijo, para o povo vê-lo (www.jb.com.br)
E tem mais: fez questão de que o carro não tivesse nenhum equipamento de proteção pessoal. E todo mundo pôde vê-lo dentro do Idea, os vidros não tinham "sacos de lixo". Não souberam me dizer, mas sou capaz de apostar que Sua Santidade não os aceitaria. Ele provou não ter medo de povo, não precisa se esconder como grande parte dos brasileiros e seus esconderijos móveis. Por isso foi possível que o povo postado ao longo das ruas e avenidas por onde passou pudesse cumprimentá-lo.



Como mostra a foto de abertura, acabei andando com o Adventure, que tem motor 1,8-l, de preço-base R$ 52.970. O "do Papa" custa R$ 43.770 e o intermediário Essence, 1,6-l, R$ 45.870. O Idea tinha todos os opcionais menos cor metálica e câmbio Dualogic Plus, como não tinha também, obviamente, volante com borboletas. O acréscimo de preço é de R$ 7.689, totalizando R$ 60.659. Tinha o bloqueio de diferencial Locker, opcional que custa R$ 1.609.

O Idea foi lançado em 2005 e o Idea Adventure, no ano seguinte. Andei em ambos na ocasião, sendo que o Idea "puro" existia em versão 1.4-l (ELX) e 1,8 (HLX), este o único motor do Adventure. O 1,8 ainda era o GM Família I de 1.796 cm³ (80,5 x 88,2 mm), 114 cv a 5.500 rpm e 18,5 m·kgf a 2.800 rpm com álcool.

Em julho de 2010 o Idea passou por reestilização como modelo 2011, as principais mudanças estéticas tendo sido o desenho frontal que passou a ter a "cara Fiat" que conhecemos hoje, bem com nos grupos óticos traseiros, que passaram a verticais e bem longos, com a primazia na produção nacional do uso de LEDs. Não menos importante foi o fim da era do motor GM e o início da então FPT e seus motores E.torQ tanto 1,6-litro (fazia anos que a Fiat não oferecia essa cilindrada) quanto 1,8-litro, na verdade 1,75-litro porquanto sua cilindrada é 1.747 cm³. A versão ELX deu lugar à Attractive, a HLX, passou a Essence 1,6-l, a Adventure manteve a cilindrada básica, e havia uma versão nova, a Sporting, também 1,75-l.

Grandes grupos óticos na vertical, mais visíveis na foto menor acima desta

Em fevereiro de 2011 a Fiat alterou todo o esquema de produção de motores, voltando a fabricação de motores ciclo Otto para a Fiat Automóveis (como era antes de 2005) e a de motores Diesel continuando FPT, mas sob o guarda-chuva da divisão Fiat Industrial, que engloba FPT Powertrain Technologies (motores Diesel), Iveco (caminhões) e CNH (Case-New Holland, máquinas agrícolas). Mesmo tendo voltado a ser Fiat, os motores continuam a se chamar E.torQ.

O E.torQ ex-FPT, agora Fiat, 1,75-litro de 132 cv e parte internas com mesmo acabamento da pintura externa

E o Idea Adventure atual, que tal? Um monovolume franco, bom de andar, afinal são132/130 cv a 5.250 rpm e 18,9/18,4 m·kgf a 4.500 rpm para 1.325 kg, 10 kg/cv, 180/178 km/h e 10,8/11,6 s de 0 a 100 km/h (números relativos a álcool vêm antes). Com 185 mm de vão livre do solo não existe lombada nem valeta para ele, o rodar nada tem de "aventureiro", concilia bem conforto e estabilidade. Isso eu já havia notado no primeiro Adventure, inclusive achei-o melhor de curva que o "civil". Aliás, foi o primeiro trabalho do engenheiro italiano Claudio Demaria no Brasil, "fare il assetto" (acertar o chassi) do Adventuire. Com o entreeixos de 2.551 mm faz um "U" usando 10,5 metros, portanto bom na cidade.

Interior agradável e bons bancos

Os pneus Bridgestone Dueler A/T são de perfil alto para os padrões de hoje (205/70R15H), evitando qualquer preocupação com buracos. Melhor, são mesmo bons de asfalto seco. O porta-malas acomoda 380 litros e chega a 1.500 litros com bancos rebatidos e carga até o teto).

Bom porta-malas, sistema de afastamento do estepe é fácil de usar

Bom espaço "atrás de mim"
A v/1000 é 32,7 km/h, o que significa 120 km/h a quase 3.700 rpm, mais o que o desejável, seria melhor algo entre 3.400 e 3.500 rpm. Mas é cálculo para 5ª plena, a 180 km/h está a 5.500 rpm, 250 rpm acima da rotação de pico de potência. Para melhorar, só um 4+E ou um 6-marchas, mas dada a natureza do Idea Adventure, seria melhor a segunda hipótese.

Consumir pouco combustível não é o forte do Idea Adventure. Pelo Conpet/Inmetro, 5,9/6,7 km/l cidade/estrada com álcool e 8,8/9,9 km/l, idem, com gasolina. Mas com álcool o computador de bordo chegou a indicar 6,6/7,7 km/l cidade/estrada. De qualquer maneira é um consumo elevado, tanto que recebeu nota D (amarela) na etiqueta cuja escala é de A a E.

Como já disse em outras oportunidades, assim que retirei carro no escritório regional da Fiat veio-me a impressão de volante alto demais, mesmo todo baixado, mas que depois de alguns quilômetros dissipa e se tem posição de dirigir perfeita. A assistência hidráulica da direção é bem calibrada para condução lenta e rápida. O carro é bem dotado de itens de conforto e comodidade, como pode ser visto na lista de equipamentos no final. O que falta é luz traseira de neblina, já que há farol para essa finalidade além dos de longo alcance. Já o punta-tacco, nem seria preciso falar dele: é de carro italiano, perfeito.

E o estepe pendurado fora? Particularmente não me agrada, mas é um símbolo de espírito aventureiro que muitos apreciam e respeito. E tem boa segurança contra furto.

Somando tudo, acho que o Papa Francisco escolheu mesmo bem.



BS



FICHA TÉCNICA FIAT IDEA ADVENTURE 2014


MOTOR
Tipo
4-cilindros em linha, transversal, flex
Construção
Comando no cabeçote, corrente, 4 válvulas por cilindro, atuação indireta por alavanca
Material do bloco / cabeçote
Ferro fundido / alumínio
Cilindrada (cm³)
1.747
Diâmetro x curso (mm)
80,5 X 85,8
Taxa de compressão
11,2:1
Potência (cv) / rpm
130 (G), 132 (A) / 5.250
Torque (m·kgf) / rpm
18,4 (G), 18,9 (A) / 4.500
Formação de mistura
Injeção Marelli seqüencial no duto; acelerador elétrico com gerenciamento eletrônico
TRANSMISSÃO
Tipo
Transeixo manual  de 5 marchas à frente e uma à ré, tração dianteira
Relações das marchas (:1)
1ª 3,909; 2ª 2,238; 3ª 1,520; 4ª 1,156; 5ª 0,919; ré 3,909
Relação do diferencial (:1)
3,867
Embreagem
Monodisco a seco, acionamento hidráulico
SUSPENSÃO
Dianteira
Independente, McPherson, braço triangular, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora
Traseira
Eixo de torção, mola helicoidal e amortecedor pressurizado
DIREÇÃO
Tipo
Pinhão e cremalheira indexada à rotação
Diâmetro mínimo de curva (m)
10,5
FREIOS
Dianteiros
A disco ventilado de 284 mm Ø
Traseiros
A tambor de 228 mm Ø
Atuação
Duplo-circuito em diagonal, ABS com EBD
RODAS E PNEUS
Rodas
Alumínio, 6Jx15
Pneus
205/70R15H
CARROCERIA
Tipo
Monobloco em aço, monovolume, 4 portas, 5 lugares
DIMENSÕES (mm)
Comprimento
4.207
Largura
1.752
Altura
1.814
Distância entrei eixos
2.511
Bitola dianteira/traseira
1.469 / 1.451
CAPACIDADES (L)
Porta-malas
380
Tanque de combustível
48
PESOS (kg)
Em ordem de marcha
1.325
Carga útil
400
DESEMPENHO
Aceleração 0-100 km/h (s)
11,6 (G), 10,8 (A)
Velocidade máxima (km/h)
179 (G), 180 (A)
CONSUMO DE COMBUSTÍVEL (km/l), Inmetro/Conpet
Cidade
8,8 (G), 5,9 (A)
Estrada
9,9 (G)  6,7 (A)
CÁLCULOS DE CÂMBIO
v/1000 em 5ª (km/h)
32,7
Rotação do motor a 120 km/h (rpm)
3.700
Rotação do motor à vel.máx., 5ª (rpm)
5.500





EQUIPAMENTOS FIAT IDEA ADVENTURE 2014

Acionamento elétrico dos vidros dianteiros antiesmagamento e um-toque
Ajusta da altura de ancoragem dos cintos dianteiros
Ajuste de altura do volante
Ajuste elétrico dos retrovisores externos
Alças de segurança traseiras
Alertas de velocidade e manutenção programada
Apóia-braço central no banco do motorista (incompatível com bolsa inflável lateral)
Apoios de cabeça (3) rebaixados e com regulagem de altura
Ar-condicionado
Banco traseiro bipartido
Bancos dianteiros com ajusta milimétrico do encosto
Barras no teto
Bolsa porta-revistas nos encostos dos bancos dianteiros
Bolsas infláveis frontais
Bússola e clinômetros longitudinal e transversal
Chave-canivete com telecomando para abertura e fechamento de portas e vidros
Cintos traseiros laterais de 3 pontos e central subabdominal
Cinzeiro móvel tipo copo
Comando elétrico de abertura do porta-malas e destravamento do estepe
Comando interno da portinhola do tanque de combustível
Computador de bordo (distância, consumos médio e instantâneo, autonomia, velocidade média e tempo percurso
Computador de bordo B (como acima menos autonomia e consumo instantâneo)
Console central com porta-objetos e porta-copos
Console no teto com 4 porta-objetos e espelho suplementar
Conta-giros
Defletor na tampa traseira em cor cinza Pure Minimal
Desembaçador do vidro traseiro temporizado
Espelho no pára-sol do motorista e passageiro
Faróis biparábola com moldura cinza grafite e canhões cromados
Faróis de longo alcance
Faróis de neblina
Fiat Code 2ª geração
Hodômetros totalizador e parcial digitais
Iluminação do porta-malas
Lanternas traseiras a LEDs e moldura cinza grafite
Limpador do pára-brisa e vidro traseiro com intermitência
Limpador traseiro com acionamento automático ao engatar ré
Luz de acompanhamento ao deixar veículo
Luz de leitura dianteira e traseira com reostato
Luz indicador de portas entreabertas
MyCarFiat (personalização de várias funções do carro)
Pára-brisa com faixa degradê
Porta-luvas inferior com iluminação
Porta-objetos nas portas dianteiras e traseiras
Porta-objetos no assoalho do porta-malas
Predisposição para alarme
Proteções laterais nas portas e pára-lamas
Quadro de instrumentos com mostrador digital de cristal líquido (relógio, calendário e termômetro do ar externo)
Rádio/toca-CD MP3/WMA integrado ao painel com RDS
Regulagem de altura do banco do motorista
Repetidoras dos indicadores de direção nos espelhos externos
Sistema de gerenciamento elétrico e eletrônico Venice Plus
Suspensão elevada
Terceira luz de freio
Tomada 12 V
Travamento central e  automático das portas a 20 km/h
Verificação de luzes e portas
Vidros esverdeados Plus
Volante revestido de couro com comandos de rádio




90 comentários :

  1. "Já o punta-tacco, nem seria preciso falar dele: é de carro italiano, perfeito." Assino muito embaixo, os carros italianos tem um punta-tacco perfeito mesmo, meu carro é um Fiat e eu acho excelente nessa parte... Já vi gente comentando em alguns blogs automotivos que o pedal do acelerador vem torto de fábrica, vê se pode isso? Meu próximo carro esta entre Punto e Idea ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caso a Fiat resolva mesmo dar ouvido aos chatos que reclamam de pedal torto sem saber que é propositadamente desse jeito, ainda assim dá para fazer pedaleiras que permitam perfeito punta-tacco com pedais que estejam em posição reta.

      Excluir
  2. É, Bob, nada mais educativo do que essa demonstração de simplicidade e desapego da parte de uma pessoa tão importante.Nada de papamóvel, aquela esquisitice, uma desengonçada vitrine ambulante.

    Imagino que a paranóia das autoridades, e depois dos cidadãos ditos comuns, com a proteção, veio num crescendo depois do assassinato de JKF a bordo de um conversível, há 50 anos.

    Hoje, tudo é "insufilmado", e todos somos filmados o tempo todo, quando nada disso garante coisa alguma. Com ou sem câmeras, continuam roubando caixas eletrônicos, e o Insufilm, como você argumentou tão claramente várias vezes, prejudica a segurança, ao invés de aumentá-la.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem que mão era nenhuma Mercedes, mas se era pra ser simples pra valer tinha que ter andando de Celta. Idea não é popular. Pessoal exagera nas idéias.

      João Paulo

      Excluir
    2. Já que um Papa já sofreu atentado em carro aberto, não acho que seja paranoia a segurança. Pode-se até discutir a sensatez da atitude do atual papa ao fazer o que fez. Deu sorte de nada ter acontecido.

      Excluir
  3. Prezado Bob,

    não sou fã de películas nos vidros ou saco de lixo como você chama, mas já experimentou fazer um percurso de uma hora diária para ir pro serviço e mais uma hora para voltar com sol batendo na orelha , em um carro sem películas ? Não tem vidro verde que consiga filtrar e o ar condicionado fica com a eficiência reduzida. Meu carro tem películas e não tiro por nada !!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você andou em Teresina, 40 °C à sombra com sol a pino? Eu já. Com ar-condicionado ligado e num carro com vidros esverdeados. Problema nenhum para mim e para o sistema de ar-condicionado, que esfriava totalmente o interior. Os vidros esverdeados de fábrica eliminam mais de 90% dos raios UV. Pela sua teoria, antes de inventarem essas películas as pessoas torravam, certo? Pois não torravam. Espero que quando começar a fiscalização (está demorando!) esse péssimo hábito seja erradicado do país.

      Excluir
    2. Bob,

      respeito sua opinião , não dirijo em Teresina mas aqui em Brasilia com este horário de verão vou e volto pro trabalho com o sol na orelha por uma hora em cada período, posso lhe garantir que sem película fico com um lado do rosto mais bronzeado que o outro, mas pelo visto você gosta de andar com a orelha quente, ou então não passa grande tempo nesta situação.

      Excluir
    3. Uma vantagem ou desvantagem do filme escurecedor é a impessoalidade... quando comprei meu atual carro ele veio com filme, o qual tratei de tirar, mas cheguei a andar talvez um mês com película bem escura. Os famigerados vendedores de balas da Av. Tiradentes não penduravam o saquinho no meu retrovisor, talvez pela certeza de que eu não abriria o vidro ou teria qualquer contato com eles. Não sei se isso valeria para uma tentativa de assalto, mas o efeito descrito realmente acorre.

      Excluir
    4. Com 71 anos garanto-lhe que já passei por todas as situações de sol ao dirigir. "Sacos de lixo" são sobretudo símbolo de status, "sou importante", do mesmo modo que "comprar" a faixa da esquerda..

      Excluir
    5. Bob,

      como disse antes respeito sua opinião, cada um tem a sua própria, mas não vejo como a película pode ser vista como símbolo de status, " sou importante " como você disse. Não tenho 71 anos mas já estou com 50 e não " compro " a faixa da esquerda e com 32 anos de habilitação nunca tive nenhum acidente de automóvel, com ou sem película.
      Veja que tem " películas " e "saco de lixo " ( como você diz ), eu uso aquela que foi aprovada no teste de transparência que fiz no Detran -DF no momento de emplacar meu veiculo , e posso lhe afirmar que não tenho nenhum problema com visibilidade a noite. Mas tudo bem, você não gosta e eu respeito sua opinião, apenas acho que está sendo muito radical.

      OBS: Não tenho loja de películas e não sou vendedor deste produto.

      Excluir
    6. Pra você pode não fazer diferença o uso Bob, mas para outros não. Como ninguém é melhor que ninguém, ou está "mais certo" que o outro, é legal respeitar a opinião dos outros de que o uso do Isufim traz sim conforto, ao invés de ter uma visão preconceituosa com o o "sou importante" ou "comprar a faixa da esquerda"

      Excluir
    7. Não tem nada de preconceito, mas conceito mesmo: é uma imbecilidade inominável perder visibilidade, o sentido mais importante ao dirigir. Essa opinião "dos outros" não tem mesmo o meu respeito. Fora que é ilegal.

      Excluir
    8. O Detran de Brasília errou flagrantemente ao aprovar o seu "saco de lixo claro", uma vez que os vidros dianteiros já estão no limite mínimo de transparência. Mas, fazer o quê, são coisas da "ilha da tantasia", ou não conhecem a lei ou não souberam usar o equipamento. Espero que você não tenha nenhum acidente mesmo dirigindo às cegas.

      Excluir
    9. Só não sei o que tem a ver o uso de película escurecedora com o ato de "comprar" a faixa da esquerda.
      Já vi muitos imbecís fazerem isso sem ter película escurecedora nos seus carros.

      Excluir
    10. Maurílio
      Nada a ver um com o outro, apenas são dois exemplos de símbolo de status, complementado pelo terceiro, usar farol de neblina sem haver neblina ("meu carro tem!")

      Excluir
    11. Bob, você é um sujeito bastante respeitado por seu conhecimento técnico e arte de escrever. Podemos até discutir a eficácia das películas, ok. Porém afirmar o afirmar que o Detran errou??!!
      Os vidros dianteiros não estão no limite mínimo de transparência. Existe uma tolerância de fabricação e uma significativa margem de "erro" (proposital) na transparência indicada no vidro (tal qual o "erro" dos velocímetros). Ou você acredita mesmo que aquele vidro transparente tem "apenas" 70% de transmitância luminosa? Claro que não. É muito mais. E para checar isso existem equipamentos, que suponho precisos e aferidos, como os usados pelo Detran-DF (digo com a experiência de quem já acompanhou um reprovamento de películas pelo detran). Certamente a precisão desses equipamento é maior que seu achismo.
      Ao fazer menção à "ilha da fantasia", seu preconceito vai ainda mais longe. Se estivesse falando da política, até aceitaria (safados que os estados elegeram e mandaram pra cá). Mas não se trata disso. Faltou com respeito ao Detran e à população de Brasília.
      Com o respeito de seu leitor.

      Excluir
    12. Caro Anônimo (gostaria de chamá-lo pelo seu nome)
      Se a película do seu carro fosse do tipo bem claro, a de 5% (teórico apenas, pois começam de 20%), a transparência vidro + película seria de 61,9%, portanto abaixo do mínimo legal. Com a de 20% que suponho que seu carro tenha a transparência é 41,6%, portanto a sua visibilidade está seriamente comprometida. / Não há nenhum motivo para a transparência indicada nos vidros por grandes indústrias como a Saint-Gobin Sekurit ser falsa; velocímetros nada têm a ver com vidros. / A precisão de um equipamento de medição está na razão direta da capacidade de seu operador e sua aferição / O Detran, por um funcionário, errou flagrantemente ao aprovar a transparência de vidro + película do seu carro. / Desrespeito à população de Brasília, discordo. A alusão a acidente geográfico não é a políticos safados, mas a decisões ao longo desses 53 anos típicas de quem está numa ilha, isolado do país, um fato mais que notório.
      Sds

      Excluir
    13. Fico contente em discutir com base em opiniões bem embasadas. Sei que as possui, como demonstrou agora. Engana-se apenas quando fala do "meu" carro. Assim como você, não uso películas nos vidros dianteiros.
      Certamente vidros nada tem a ver com velocímetros. Foi apenas uma alusão, uma ilustração. Mantenho-a.
      Visibilidade seriamente comprometida por causa de uma película de 20%? Prejudicada poderia até ser.
      Quanto ao nome, se fosse uma conversa particular, sem problemas (já trocamos emails, admiro seu trabalho). Por se uma discussão pública, prefiro evitar os "haters" da internet.

      Excluir
    14. Ore, você não disse no comentário de 21/11, 12:52, que seu carro tinha películas e que não as tirava por nada? Todo o diálogo que se desenrolou foi em função de sua afirmação, que me levou a subentender tinha pelo menos nos vidros dianteiros. Se não tem películas no pára-brisa e nos vidros laterais dianteiros, está certo, sua visibilidade de motorista está assegurada. Nos vidros para trás da coluna central podem ser colocada película desde que a transparência do vidro mais película seja de 28% como mínimo, conforme resolução Contran a respeito. Ou seja, película de até 33% (1,7 ÷ 1,28 = 1,328). Mas o que se vê é película de 50% atrás, resultando em 1,7 ÷ 1,5 = 1,133 ou 13,3%, o mesmo que autêntico saco de lixo.

      Excluir
    15. Foi outro anônimo. Eu escrevi apenas os comentários do dia 23/11 as 21:20 e 22:46.

      Excluir
  4. ...os vidros não tinham "sacos de lixo".
    Boa expressão.
    Detesto os tão comuns carros "filmados" que, quando estão na sua frente, impedem que enxerguemos através de seus vidros o que está acontecendo lá na frente.
    Ficamos limitados às reações do ilustre motorista escondido, e mesmo mantendo distância, esperar que ele não faça besteiras e ficar de olho em suas suas luzes de freio...

    Considero um dos princípios da direção segura acompanhar o trânsito mais a frente, tendo tempo para reagir com segurança a qualquer eventualidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claudio Fischgold21/11/13 22:00

      Concordo plenamente com a dificuldade que temos hoje por não podermos enxergar pelo vidro traseiro do carro à frente, por causa do Insulfilm. Quanto ao uso deste produto, tenho minhas convicções em sentido oposto. Sempre morei no Rio e sempre dirigi bastante. As duas únicas vezes que fui assaltado, foram antes do advento do Insulfilm, nos dois casos parado em sinal, em uma época em que ar condicionado era raridade, ou nem existia. Nestes últimos dez anos, tenho usado o filme, e não tive mais nenhuma tentativa de assalto. Será coincidência ?

      Excluir
    2. Claudio,
      Tanta coincidência quanto a do cientista, cuja nacionalidade não vem ao caso, que afirmou que a aranha escuta pelas patas, pois a cortá-las o aracnídeo não atendia mais aos seus chamados...

      Excluir
    3. O argumento de "não poder enxergar por dentro do carro da frente" não é válido. Furgões, caminhões baú, pick-ups e vários outros tipos de veículos também não permitem esta visibilidade. Não há nenhum sentido em se desejar que o condutor da frente permita que se enxergue o que ocorre além deste. O condutor que vai atrás deve manter a distância regulamentar e velocidade compatível para evitar colisão e acidentes. Querer mais do que isso é presunção pura.

      Excluir
    4. José Robson
      Totalmente errado. A terceira luz de freio foi criada exatamente para se poder ver carros à frente do nosso freando. É detestável ter à frente um veículo que não permita ver através só porque o dono resolveu se esconder e/ou bancar o importante lançando mão do saco de lixo nos vidros.

      Excluir
  5. Belo carrinho para se ter, mas estou falando da versão normal, independente de qualquer detalhe. Versões aventureiras simplesmente não me agradam, então por que não escolher a versão normal. Não entendo a necessidade de se comprar Crossfox, quando se tem Fox e Spacefox, mesmo coisa digo para os da linha Fiat e para todos esses aventureirizados. Mas o fato é que o Bob, geralmente crítico e afiado (Sharp), foi bem tolerante ao dizer: ..."E o estepe pendurado fora? Particularmente não me agrada, mas é um símbolo de espírito aventureiro que muitos apreciam e respeito. E tem boa segurança contra furto."!... Para mim, há mais carros com espírito aventureiro com o estepe no fosso do porta-malas do que com o estepe pendurado na carroeceria por algum suporte. Mas aí já é se prender muito às palavras.

    Renan Veronezzi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Renan
      Acho que fui claro ao dizer que estepe pendurado não me agrada, ou não? E o que mais sinaliza "aventura" do que um veículo com o estepe externo à veículo militar? Esse estilo foi bem explorado no primeiro Land Rover, de 1948 e até no Gurgel Xavante.

      Excluir
  6. Um dia ví num centro automotivo trocarem os amortecedores de um Idea, tiveram que desmontar quase tudo na frente inclusive os limpadores. O meu carro fez o mesmo serviço, entrou depois e saiu antes. Um serviço que era para ser simples virou uma grande complicação.
    CL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CL,

      Realmente as mini vans requererem algumas horas de serviço a mais para manutenções como troca de amortecedores, embreagens, etc... As oficinas já sabem disso e sempre cobram um pouco a mais, mas nada proibitivo.

      Excluir
    2. Poderiam ao menos criar uma forma de as torres dos amortecedores ficarem mais acessíveis nas plataformas sobre as quais essas minivans são montadas. Seria algo que inclusive beneficiaria também os carros de passeio normais feitos sobre essas bases. Não acho que seja tão difícil assim projetar torres que permitam troca de amortecedor tão simples quanto a de um veículo normal.

      Excluir
    3. Monovolumes tem disso. Já viu onde fica o reservatório de água dela? Em um nicho "escondido" perto do para-brisa. Você tira a tampa de proteção e lá está a tampa do reservatório. Bom que não precisa abrir o capo.

      Excluir
    4. Depois que troquei as molas e amortecedores do meu Idea aquela grelha do para brisa nunca mais foi a mesma, sem contar que os para fusos dos amortecedores estavam muito enferrujados o que dificultou a desmontagem.

      Excluir
  7. Oliveirajc21/11/13 13:43

    -Conforme mostrei em outro post, fiquei surpreso em ver que carros alugados tem vidros pretos nos vidros de condução. Não sei onde isso vai parar, mistura de gente que acha que é bonito com status, alguns por segurança e outros que acham que vão se passar por policiais (as polícias orientam os seus membros a "filmarem" seus carros particulares até o pára-brisa, por "segurança").

    -Bem poderia ter o Essence com 1,8.

    -Quem reclama que esse carro é ruim de curva, ruim é quem guia!

    ResponderExcluir
  8. Como tem fanático para tudo, na ocasião, pensei com meus botões: seria capaz que alguns católicos mais fervorosos comprassem um Idea só por ser "o carro do Papa"? Isso agregaria valor ao produto, he, he? Quanto ao carro em si, gosto mesmo é da versão intermediária (Essence), elegante, sem os exageros estéticos da Adventure. Teria um, apesar de ter bronca desse negócio de estepe pendurado. Por causa dele, muitas vezes, o carro deixa de caber em uma vaga, e além disso, é preciso tomar um cuidado danado para não danificar o carro de trás, ao estacionar, já que ao contrário de muitos, sempre me preocupo com o carro dos outros, tomando cuidado ao abrir as portas do meu, por exemplo, para não fazer mossas no carro do lado. Mais uma coisa, Bob: os brasileiros comuns que se escondem em seus esconderijos móveis, o fazem por medo da violência generalizada que grassa neste país onde bandido é cheio de "direitos" e a escória que os defende acha que devem ser tratados com o carinho e delicadeza com que se tratam bebezinhos em uma creche. Os brasileiros que precisam se esconder do povo em geral, são da classe política, temendo hostilidades em represália às infindáveis afrontas que fazem aos cidadãos.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Gosto também do painel deste carro ,agradável e de fácil leitura como normalmente são os painéis dos carros da Fiat.

    ResponderExcluir
  10. Diga-se o que quiser mas as exigências do Papa jamais deveriam ter sido aceitas. Faltou peito tanto do cerimonial quando dos responsáveis pela segurança, deram um mole desgraçado ao fazê-lo circular da maneira que circulou.
    Hoje a gente elogia e admira o Papa por isso mas se tivesse acontecido alguma coisa nos moldes de Mehmet Ali Agca eu queria ver a porca torcendo o rabo... iam nos excomungar (no pun intented) até a enésima geração..

    Bob, apenas uma correção se faz necessária: onde se lê "Grades grupos óticos", o certo seria "Grandes."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leonardo,

      Da entrevista do papa:

      http://g1.globo.com/platb/blog-do-camarotti/2013/07/29/leia-a-entrevista-exclusiva-do-papa-francisco/ copio o trecho:

      - Muito simbólico, achei muito importante também. Santo Padre, quando o senhor chegou ao Rio de Janeiro houve falhas na segurança. O seu carro foi levado ali para o meio da multidão. O Papa Francisco ficou com medo? Qual foi o seu sentimento naquele momento?

      PAPA FRANCISCO: Eu não sinto medo. Sou inconsciente, não sinto medo. Sei que ninguém morre de véspera. Quando for minha vez, o que Deus permitir, assim será. Mas, antes de viajar, fui ver o papamóvel que seria trazido para cá. Era cercado de vidros. Se você vai estar com alguém a quem ama, amigos, e quer se comunicar, você não vai fazer essa visita dentro de uma caixa de vidro? Não. Eu não poderia vir ver este povo que tem um coração tão grande, por trás por uma caixa de vidro. E nesse automóvel, quando ando pela rua, baixo o vidro. Para poder estender a mão, cumprimentar as pessoas. // Quer dizer, ou tudo ou nada. Ou a gente faz a viagem como deve ser feita, com comunicação humana, ou não se faz. Comunicação pela metade não faz bem. Eu agradeço - e nesse ponto tenho que ser muito claro – agradeço à segurança do Vaticano, pela forma como preparou esta visita. O cuidado que sempre tem. E agradeço à segurança do Brasil. Agradeço muito. Porque aqui também estão tendo todo o cuidado comigo, ao evitar que haja algo desagradável. Pode acontecer, pode acontecer de alguém me dar soco… Pode acontecer. // As duas seguranças trabalharam muito bem. Mas as duas sabem que sou um indisciplinado, nesse aspecto. Mas não por agir como um menino levado, não. E sim porque vim visitar gente, e quero tratá-las como gente. Tocando-as.

      Excluir
    2. Leonardo
      Às vezes é preciso assumir certos riscos, acho que o Papa agiu certo. De qualquer maneira, a Inteligência do Vaticano deve tê-los avaliado e concluído que não haveria possibilidade de atentado no Brasil. / Correção da legenda feita, obrigado.

      Excluir
    3. "Eu não poderia vir ver este povo que tem um coração tão grande, por trás por uma caixa de vidro."

      Problema é que no meio desse povo de coração tão grande de repente pode ter alguém de coração bem pequeno... e armado... enfim, agora já foi e que bom que não houve nada de errado.

      Excluir
  11. Bob, seria bom acrescentar que a Fiat resolveu seguir o caminho do papa Francisco e tirou o teto solar Skydome da lista de opcionais da Idea (incluindo a Adventure). É algo meio estranho, uma vez que a marca tem faturado horrores ao disponibilizar tetos solares maneiros em sua linha (incluindo aí os mais básicos Palio do modelo novo e Grand Siena).

    ResponderExcluir
  12. Nada contra a escolha pessoal do Papa, que diga-se de passagem, é uma personalidade que respeito muito, apesar de não ser católico. Entretanto é uma pessoa que trabalha muito e que precisa carregar consigo um grande senso de responsabilidade.
    Mas o que eu queria dizer, Bob, é que, puxa vida, o Papa estragou os anseios de qualquer autoentusiasta! Aquele Papamóvel branco com aquela “vitrine” na carroceria, seja de que modelo for, e se não me engano atualmente é construído sobre um Mercedes Classe G, é algo sui generis! E a oportunidade de ver um daqueles ao vivo poderia ser única na vida de um autoentusiasta, talvez mais rara do que avistar um Lamborghini, quase uma miragem. É, na minha humilde opinião, um veículo tão emblemático quanto o são o Rolls-Royce presidencial ou o De Lorean do filme.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CSS
      Parece que o Papa Francisco é mesmo contrário a ostentação. Eu particularmente apreciei muito vê-lo num carro de série, independente de marca.

      Excluir
    2. Em setembro ele ganhou um Renault 4 1984 de um padre italiano... pegou as chaves e saiu dirigindo.
      Disse que dirigia um modelo igual quando vivia na Argentina.

      Excluir
    3. Acho feio pra burro aquela geringonça!

      João Paulo

      Excluir
    4. Poxa meu xará não fala isso não... acho o Renault 4 um icone de sua geração! aquela alavanca de cambio no painel rsrsrs Além do mais levou muitas familias a baixo custo pela Europa e argentina. Se pudesse teria um conservadinho só trocando pelo motor CHT, que por sinal é da mesma família do motor do Renaulzinho. Abraços

      João Paulo-RJ

      Excluir
  13. Normal um consumo desse num carro "moderno"??
    Pelo que estou vendo quanto mais o tempo passa mais os carros consomem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leming
      De uma maneira geral, a nova metodologia de medir consumo Inmetro/Conpet tem produzido estes resultados mais realistas. Lembre-se que o Idea Adventure é algo pesado e sua aerodinâmica é desfavorável para consumo e desempenho.

      Excluir
    2. Claro que agora, com uma padronização, fica mais fácil comparar Laranjas com Laranjas e Bananas com Bananas. Mas que realmente a impressão de que os carros mais novos bebem mais, é total verdade. Não entendo como conseguia fazer 15km/L no meu velho Corsa Sedan 98 com mais de 100K km, motor 1.6 16v com a patroa ao lado + bagagem, enquanto um Palio NOVO, coincidentemente no mesmo trecho, com a mesma forma de dirigir e outros parâmetros, fazia a mesma coisa de consumo (!!!). Me esqueci da diferença: enquanto eu tinha muito mais segurança em ultrapassagens e o conforto do Ar Condicionado, no Palio era uma suadeira danada! Nem comentou outras comparações entre ambos carros...

      Excluir
    3. Completando o que o Bob disse, a metodologia do Inmetro é propositadamente pessimista, o que significa que muitos motoristas irão conseguir médias melhores que as divulgadas caso dirijam com algum cuidado com economia (como, por exemplo, tirar o pé do acelerador em uma descida, manter o carro engrenado e deixar a gravidade fazer o serviço de ganhar velocidade).

      Excluir
    4. Anônimo 21/11/13 16:42,

      Certamente o teu carro não é um Palio 1,6 16V.

      Excluir
    5. Um lindo carro com lâmpadas traseiras horríveis e plástico mais horríveis ainda.

      Ah! E sem falar do consumo elevado que todos reclamam.

      Excluir
    6. Certamente o Palio era com um motor Fire 1.0 8v. O objetivo do comentário foi exatamente expor as "incoerências" com o passar do tempo e com o avanço da tecnologia, que mostra resultados em testes que fiz com os mesmos parâmetros, ou seja, mesmos 474km na mesma rodovia, eu como motorista, preferencialmente nos mesmos horários e mesmo fluxo de veículos ao redor. É isso que eu não entendo, já que tantos outros carros, antigos mesmo, conseguem médias iguais, senão melhores que carros atuais no mesmo percurso, mesmo condutor......

      PS: E cooomo andava bem aquele Corsinha, viu...

      Excluir
  14. Já dirigi um Idea similar ao usado pelo Papa, mas não é um carro que eu compraria, apesar de suas qualidades. Pura questão de preferência estética.
    Da linha Adventure, sou mais a versão estendida do Palio. Embora não seja um exemplo de beleza, para mim é um carro quase completo: bom de asfalto, bom de terra, bom de bagagem, bom de levar a turma e bom de serviço. E aquela bússola no painel não é só enfeite: hoje mesmo avaliei um lote para realizar um projeto e anotei o norte através do carro.
    Sobre o Papa Francisco, mesmo não sendo católico, tenho grande respeito por ele - o que certamente me coloca entre aqueles "reacionários conservadores", que não vibram quando um falso herói levanta o punho esquerdo para ingressar numa cadeia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aquilo foi patético. Um marginal indo para a prisão, e um bando de outros do lado de fora, lhe hipotecando solidariedade. Agora o PT quer processar o Joaquim Barbosa. É mais ou menos como se o PCC resolvesse processar um juiz que tivesse mandado um de seus honrados membros para a cadeia. Piada!!!

      Excluir
    2. Inclusive o ladrão de nove dedos lhes prestou homenagem, dizendo: "estamos juntos" - é demais.......como diria José Simão, piada pronta....

      Excluir
    3. É piada sim.... de mau gosto.... só pode ser....

      Excluir
    4. Essa dos caras indo para a cadeia, se achando heróis, foi de lascar... E, depois, um ex-presidente dando apoio então, surreal! Como disseram os anônimos aí em cima, piada (de mau gosto) pronta.

      Excluir
  15. Bob,

    Do texto "Por ser mais alto que um sedã, ficou mais fácil para o Papa entrar e sair do veículo." - este é o motivo que o meu pai gosta tanto da Meriva que dirige, não tanto pelos seu atributos ao volante e sim pela facilidade para entrar e sair do carro!
    O mercado de mini vans está carecendo de novidades. A Spin cresceu demais, deixou de ser mini van e apresenta design de gosto duvidoso, a Livina (em dois tamanhos e única com câmbio automático opcional) e a Idea já estão datadas no mercado...
    O futuro parece será mesmo dos mini SUVS mas ao meu ver estes não são práticos para entrar (até mais difíceis) e o espaço interno é sempre comprometido.
    Quanto a linha Adventure da Fiat até entendo os adereços plásticos e estepe, o difícil de aceitar é esse rack de teto que não tem função. Ao menos eu nunca vi acessórios que permitiriam utilizá-lo como um rack de teto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acrescente a essa lista a C3 Picasso (cuja versão aventureira é Aircross e veio antes). O problema dessa minivan é não ser tão genial quanto a Xsara Picasso (que é surpreendentemente boa de curva). Na versão Picasso, tem um tamanho bem adequado de 4,04 m, mas quando é a Aircross há o desnecessário acréscimo de 20 cm gerado por um estepe pendurado. Além disso, não aplicaram a boa solução da C3 Picasso francesa e sua alavanca de câmbio elevada, o que significa que mandaram a ergonomia passear.
      Um modelo que gostaria de ver fabricado aqui no Brasil é o Freed, da Honda, mas esse é praticamente só vendido no mercado doméstico japonês. E isso porque é modelo bem prático e que pode em uma de suas versões até mesmo levar oito pessoas (não saberei se todas adultas). E isso porque sua base é basicamente a do Fit com mais entre-eixos.

      Excluir
    2. Bem lembrado, havia esquecido da C3 Picasso, o único que ainda não experimentei.

      Excluir
    3. Há um conjunto de barras transversais para o bagageiro da Idea Adventure, vendido na rede Fiat sob o código 51793901, bem como um porta-bicicleta sob o número 50900821.

      Excluir
  16. Bob,

    Você saberia dizer se a Fiat (e outros fabricantes) continua oferecendo os vidros traseiros escurecidos como opcionais (como os Saint-Gobain Venus 35/55)?

    Considero essa solução muito boa; além de preservar as indispensáveis visibilidades frontal e lateral do motorista, ajuda a reduzir a incidência do sol nos passageiros do banco de trás. E até dão um efeito visual interessante ao veículo, sem comprometer a segurança. Isso, claro, se o proprietário não instalar os "sacos de lixo".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Fiat parou de oferecer esses vidros há dois anos. Veja como são as coisas: você acha interessante o visual com vidros escurecidos só atrás, enquanto outros abominam, dizem parecer carro funerário.
      .

      Excluir
  17. "Quem me contou que foi escolha pessoal do Papa — o carro mais simples possível — foi a assessoria de imprensa da Fiat, o que aumentou ainda mais minha admiração por ele."

    Mais simples possível acho que seria um Mille ou Palio básico, mas ok, entendi que ele quis um carro mais alto pra facilitar a locomoção. Eu também achei louvável a idéia dele de circular em um carrinho simples... mas sem dúvida alguma, um bocado arriscada, como disse o Leonardo Brito aí acima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também acho que um Mille Fire 4 Portas teria sido o carro ideal, sem contar que é bem espaçoso atrás e tem ótima visibilidade...

      Excluir
    2. Um Idea passa uma imagem mais atual. Acho que o Papa ou seu cerimonial escolheram bem.

      Excluir
  18. Se pudesse e tivesse resistência física, o Papa Francisco teria caminhado ao invés de desfilar pela cidade confinado dentro de carros. Eu também gostei muito de sua atitude e acho que demais lideranças, tais como padres, pastores, presidentes, políticos, deveriam tentar adotar um comportamento mais despojado.

    É muito bom ter carros de luxo, mas acho que é possível levar uma vida segura e confortável de um modo discreto. Ostentar é coisa de novo-rico, pessoa de origem humilde que enriquece rapidamente e gosta de ostentar sua nova condição social de maneira vulgar segundo os padrões da elite.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com a primeira parte do texto eu concordei. Autoridades, políticos, gente do governo em geral, esses deveriam mesmo andar da forma mais despojada possível, porque quem sempre paga a conta deles somos nós.

      Com a segunda parte não, isso parece papo de esquerdista... "elite"... fala sério... quem enriquece de forma honesta, mesmo que rapidamente, tem o direito de desfrutar do que conquistou. Tem todo o direito de comprar sim um carrão de luxo e sair por aí "ostentando".

      Excluir
    2. "quem enriquece de forma honesta, mesmo que rapidamente, tem o direito de desfrutar do que conquistou. Tem todo o direito de comprar sim um carrão de luxo e sair por aí "ostentando".

      Assino embaixo.

      Excluir
    3. Ué, mas o cara não falou que essas pessoas não tinham direito de fazer isso. É claro que tem, o dinheiro é delas. Ele apenas observou que são esses "novos ricos" que adoram ostentar, o que é verdade. Geralmente que já veio de uma família de mais posses, ao contrário, não gosta muito de ostentar, mas nem por causa disso deixa de ter uma vida luxuosa e de aproveitar o seu dinheiro.

      Excluir
    4. Disse sim... deu uma enfeitada no pavão mas disse.

      Segundo ele, o pobre que enriquece, gosta de "ostentar" sua nova condição social de forma vulgar, imitando os padrões da "elite" (ou seja, a "elite" também é vulgar, mesmo quem não é "novo-rico")

      Agora falar sobre quem é pobre e vulgar nada, né? Negócio é só demonizar os ricos.

      Ah e ainda disse que seria possível levar uma vida segura e confortável sem nada disso, sem essa "ostentação vulgar" dos ricos. Ou seja, toda essa riqueza é desnecessária e pode e deve ser cortada, possivelmente em "nome do social", pra "melhorar a cidade", "melhorar a mobilidade urbana", "melhorar a saúde", "salvar o planeta do aquecimento global" etc....

      Daí um cara andava de Palio velho por aí e tava tudo bem pra esse pessoal. Um dia ele resolveu abrir uma empresa, trabalhou honestamente, ficou muito rico, comprou um Porsche e virou o "rico vulgar que gosta de ostentar". Ou seja, ele não tem o direito de desfrutar do que conquistou porque isso tudo é supérfluo e dá pra viver uma vida segura e confortável de modo discreto... lol...

      Excluir
    5. MarcosS, exatamente isso. "Em nome do social", da febre do momento "mobilidade urbana", e outras baboseiras do tipo, amén! Amén? Como se mobilidade urbana fosse somente demonizar os ricos, os carros, as sacolinhas, colocar a bicleta como solução, etc, etc... Em muitos casos, isso é papo de invejoso. Acho que se deve fomentar a infraestrutura para o transporte público de modo que seja mais atrativo e mais econômino e isso levará muita gente a optar pela condução. E quem quiser ir de carro, que vai de carro, afinal, nem sempre dá p/ ir de transporte público (por exemplo, carregando malas, transportes, etc...). Não é necessário prejudicar os motoristas, diminuir a velocidade do carro, criar dificuldade, transformar a vida de quem prefere andar de carro num inferno. E uma pergunta pra responder sem a máscara do politicamente correto, vamos ser realistas: quem tem condições de ter um Porsche, principalmente quem trabalhou longas horas pra tê-lo vai querer andar de "busão" ou metrô lotado em nome da mobilidade, do meio ambiente e seja lá qual "seita" destas malucas? A pessoa não merece se dar um presente? Enquanto isso, verdadeiramente, se esquece os problemas - ao invés de demonizar as sacolinhas, vamos criar soluções que façam as pessoas reciclarem o lixo, vamos produzir tecnologias que permitam fazer mais, com menos, sem abrir mão do conforto e evitando o desperdício. O resto é resto....

      Excluir
    6. Anônimo 22/11/13 20:19:

      Cara, você disse tudo, concordo plenamente.

      Excluir
    7. É possível ser discreto e natural sem abrir mão de objetos de luxo, mas é necessário adquirir ou herdar uma boa formação. O Papa Francisco, mesmo cercado de mordomias, vem tentando fugir da ostentação, praticando a simplicidade com muita naturalidade. Ele opta por ostentar inteligência, conhecimento e espiritualidade, atributos raros e verdadeiramente valiosos. Quem não possui esses atributos, costuma compensar sua deficiência ostentando bens materiais.

      Excluir
    8. Sei... a inteligência, conhecimento e espiritualidade dos iluminados, os que viram a verdade, donos das virtudes, que desprezam essas coisas materiais e mundanas, próprias de gente egoísta, ignorante, sem alma, sem coração...

      Tô sabendo... esse papo é veeelho e bem conhecido já...

      Excluir
    9. Bota velho nisto véi! Esses caras não precisam exibir-se colecionando traquitanas. Para eles, basta um singelo Fiat Idea.

      Excluir
    10. O papo é velho mas tem gente que nunca aprende... véi... lol...

      Excluir
    11. Aliás cara, já tô começando a achar o "singelo Fiat Idea" muita ostentação vulgar também... tanta inteligência, espiritualidade e conhecimento dispensam essas "traquitanas" burguesas.

      Aliás, tanta gente passando fome por aí e você ostentando usando internet, esse luxo criado pela elite burguesa egoísta e vulgar...

      Certo tá o presidente da Venezuela, que já aboliu até mesmo o papel higiênico, esse símbolo do capitalismo. O proletário de espírito elevado não precisa se exibir usando esse objeto de luxo, afinal vida segura, confortável e discreta é isso aí... kkkkk....

      Excluir
    12. Essa ideia de elite é coisa dessa esquerda poder, que demoniza aquele que trabalhou e hoje pode desfrutar de susa conquista. Assim como demoniza aquele que estudou, valorizando aquele foge dos bancos escolares. O hard é que o brasileiro com a mentalidade de cachorro vira lata, ridiculariza grandes mentes como Monteiro Lobato, Cel. Marcos Pontes, Machado de Assis e tantos outros, pra idolatrar o R9, o Neymar, os BBBs e o nosso apedeuta-mor o maldito NOVE DEDOS

      Excluir
  19. A Idea está em final de vida. Vem aí o Quinhentão, ou o Fiat 500 alongado, como van. Mas tem qualidades. Essa Adventure é puro marketing. Gastona e caríssima. Boa é a intermediária Essence.

    ResponderExcluir
  20. Com essa taxa de compressão (11,2:1) é melhor mesmo usar gasolina, sem medo de errar.

    Tive uma Uno 94 verde 1.5 álcool que fazia 11km/l na estrada. Que carro bacana! FIASA...

    ResponderExcluir
  21. Não gosto muito da Idea, não pelo carro em si, mas, pra não sair da própria Fiat, prefiro a Palio Weekend.
    Da versão Adventure menos ainda, não engulo o estepe na traseira. Além de na minha opinião ser horroroso, não é pratico para abrir a porta traseira e ainda corre maior risco de danificar tanto o próprio carro quanto outros em colisão. Vantagem dele? Não vejo nenhuma.

    ResponderExcluir
  22. 60 mil num carro 1.75 adventure automatizado... Preço idem para o concorrente direto VW SpaceCross. Mas com 65 mil vc sai da Ford com um Ecosport SE powershift com motor 2.0 16v e câmbio AT de dupla embreagem e 6 marchas.
    Roberto Mazza

    ResponderExcluir
  23. Roberto
    Eu não conheço ninguém que tenha sido obrigado a comprar um carro sob a mira de um revólver, você conhece? Você pode ter a sua preferência por determinada marca/tipo de carro, mas ela não é necessariamente a de todo mundo. Automóvel não é como caminhão, de compra unicamente objetiva, calculada, mas também emocional. E só lembrando que o câmbio Ford-Getrag Powershift é tão "automático" quanto o Dualogic Plus, isto é, um manual robotizado de duas embreagens que inclui operação automática tanto quanto o do sistema Magneti Marelli..

    ResponderExcluir
  24. Mestre Bob, já ouviu falar que o Banco do Vaticano é um grande acionista do grupo Fiat? Se é verdade ou não..., o fato é que vários "Papa móveis" ostentavam o emblema Fiat; muitos carros oficiais no Vaticano são da marca, o João Paulo II desfilava de Alfa 164, esse Franciscano de agora não estaria fazendo merchandising?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeitamente possível! Se não pelo lado de acionista do grupo Fiat, pelo país onde se situa o Vaticano.

      Excluir
    2. A julgar que o Bento XVI ( alemão) teve um Golf rsrsrs. Daí que seja, poderia ser um Spacefox, uma C3 . Isso é um mero detalhe. Também achei bobeira dizer que por ele ser simples deveria vir de Celta ou mille. Caramba o Papa é meio grandinho, né. Ou vai dizer que todo mundo aqui adora andar socado num mille? A opção pelo Idea deve ter sido pelo fato da altura e da ampla area envidraçada. Alguém já andou de taxi londrino pra ver como é pratico rsrsrsr

      Excluir
  25. PAPA agora foi visto de ford Focus.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.