DE CARRO POR AÍ




End. eletrônico: edita@rnasser.com.br           Fax: 55.61.3225.5511                Coluna 3613  5.setembro.2013

O Golf, de volta, em sétima geração.
Finalmente, após marchas e recuos, a administração local da Volkswagen conseguiu vender à matriz a imagem, os números, e as perspectivas da filial. Elevou-a a linha direta de contato e, melhor: parametrizar o Brasil com a VW no mundo. Na prática fazer aqui produtos idênticos aos que a marca produz, acabando com as particularidades dos produtos nacionais, melhor carimbo  do isolamento da operação sul-americana, facilitando negócios, exportações, trocas, sinergias. As famílias Gol e Fox existem apenas no Brasil, tipo excentricidade tropical.
O Golf VII substituirá a geração 4 e meia – outra peculiaridade nacional. Está sendo importado e, a partir de dezembro, produzido em São José dos Pinhais, beiradas de Curitiba. Interessantemente o gestor desta fábrica é Thomas Schmall, atual presidente, autor da promoção institucional do Brasil no organograma da VW AG.
Tudo, nada
Formular o Golf pode parecer fácil, pois o automóvel lidera vendas mundiais em seu segmento. Mas por isto é difícil. Daí o desafio é mudar tudo, mostrar evolução, conter o ímpeto de fazer revolução, manter o carro inequívoco. Olhou, pode ser novo, mas será um Golf. Curiosamente foi um jovem designer, Philip Röwers, o autor da proposta vencedora, aprovada em última instância por Giorgetto Giugiaro, criador do Golf I, e hoje associado e diretor da VW.
Plataforma nova, ajustável para permitir veículos da família VW do segmento, tem 11 cm a mais na distância entre eixos, pesa 26 kg menos por emprego de  aços mais leves aplicados em locais sem tração. É mais baixo, mais largo, aerodinâmico, com Cx de 0,318.
A síntese do produto é ter a cara e as sensações imensuráveis porém perceptíveis de resistência, segurança, solidez que é o DNA da marca. Entretanto, porta os ganhos tecnológicos com elevada incorporação de eletrônica para garantir comportamento de segurança.
Terá três versões de decoração e dois motores de última geração: 1,4 e 2,0, ambos com quatro cilindros em bloco de alumínio, 16 válvulas, injeção direta na cabeça do pistão, turboalimentador e intensa eletrônica. Potências de 140 e 220 cv. No primeiro, opção de câmbio manual de seis marchas e câmbio DSG, robotizado, sete marchas, duas embreagens e uso como automática. No 2,0 apenas DSG de seis marchas. A versão GTI deverá aparecer inicialmente como topo de uso desta configuração. A mágica do downsizing, o uso de motores menores e mais leves, chegou à combinação mecânico-eletrônica oferecendo capacidade de conseguir diferentes potencias com um só motor. Antes, para fazer um Golf performático era necessário trocar o motor, tomar um V-6 de automóvel maior, aplicá-lo sob o capô. Hoje basta mudar uns parafusos, porcas e um chip no motor padrão, e o rato ruge.
Novidades
Novo modelo tem peso específico. Mas ter automóvel sintonizado com o mercado externo – lançamento no domingo -, com motorização que limpa o cenário, mostra o caminho para os novos motores, em plataforma multiuso e de vida longa – permitirá, por exemplo, fazer na mesma fábrica carros para a Audi, tanto A3 quanto A4, é muito mais importante: amplia o horizonte para a Volkswagen no Brasil.
Preços ao lançamento local, ainda em setembro, e apostas entre R$ 65 mil para 1,4 câmbio  manual a próximos R$ 90 mil para o 2,0. Palpites.

Golf VII. Mais tudo – leve, rápido, confortável, forte. Melhor é ser feito aqui, sem defasagem

----------------------------------------------------------------------------------
E a Kia, pode ter fábrica no Brasil ?
A decisão, pelo Supremo Tribunal Federal, que a Kia não é sucessora nas operações da Asia Motors, abre novo cenário para a empresa. Como história, a Asia fez uma costura de mal-feitos, somou incentivos, lançou duas pedras fundamentais de fábrica, não cumpriu o compromissado, e sumiu – um dos sócios ainda mora no Brasil, outro estava preso na Coréia -, deixando dívidas, em especial com o governo federal, que bobeou na fiscalização.
Na Coréia natal, Asia e Kia iam mal e o governo mandou a Hyundai, um chaebol, conglomerado, assumir as empresas. Aparentemente caracterizada uma sucessão de obrigações, Tribunal internacional entendeu a inexistência de vínculo sucessório, conceito também adotado em decisão do Superior Tribunal de Justiça, o STJ. Agora o Supremo deu a palavra final e encerrou a querela.
Abre caminho para várias opções à coreana Kia Motor Corporation: operar em conjunto com a controladora Hyundai; fazer acordo ou joint venture com o representante brasileiro, o grupo Gandini; ou permitir a este iniciativa solitária, fazendo uma Kia do B, como é a CAOA Montadora autorizada pela Hyundai para montar produto específico em poucas operações. Gandini tem parque industrial imobilizado em Salto, SP, e não se interessou pelo regime de incentivos que permitiu ampliação da fábrica da Mitsubishi em Catalão, GO, da Ford na Bahia, e instalação da CAOA em Anápolis, GO. Agora, sem riscos de arcar com indenizações, a matriz pode se resolver por operação industrial no país, mercado chave para qualquer fabricante de automóveis.
Tudo pode acontecer – inclusive nada ...
-----------------------------------------------------------------------------------------------
Roda-a-Roda
Parafuso – A contínua regulamentação anti-emissões na Europa faz a primeira mudança – a preferência pelos motores Diesel. Continente líder nesta opção, chegou ao pico do equilíbrio com a gasolina, e mostra queda constante de 1% a.a. Está em 44% diesel.
Meu bolso – Os novos Diesel são agradáveis e econômicos, mas as restrições legais, como o próximo uso de filtro para injeção do combustível, aumentam custos dos veículos, reduzem vendas. Nos EUA não decolam.

Peugeot 308 R

-------------------------------------------------------------------------------------------------
Olho no olho – Objetivo da Peugeot com o novo 308, é colar no VW Golf, líder da categoria. A VW lançou a geração VII e a Peugeot o novo 308. A VW gestou versão R, motor com 296 cv, e a francesa respondeu com versão em direcionamento e designação idêntica.
R – Ousada pintura em duas cores – uma à frente, outra posterior – e a mesma fórmula: 4 cilindros, 16V, turbo. Apertou uns parafusos e o 1,6 THP, fórmula aviada com a BMW e hoje panacéia peugeotiana, fará 280 cv. Mira no Golf e Focus ST.
Mais - No embalo, mesma motorização e identificação, mostrará, também no Salão de Frankfurt, o cupê RCZ. O R é de fácil fazer aqui, mesmo sendo nosso 308 diferente da novidade francesa.
Mercado – Mudança de perfil do consumidor dos EUA, optando por veículos menores e mais econômicos, instou a Ford lá fazer o novo Fusion. Entre México e a nova fábrica terá capacidade de fazer 1M /ano.
Nada muda – Ao Brasil continuará vindo do México, sem impostos de importação. Nova formulação e grade à Aston Martin, revitalizaram-no.
Nissan – Iniciando formar leque de produtos, a Nissan importa o Altima, sedã aqui considerado grande. Concorrente do Ford Fusion, tem motor 2,5, 182 cv, câmbio CVT em oito posições. Branco, preto e prata. Versão única a R$ 99.800. Novidade, assentos dianteiros com gravidade zero, tecnologia das cápsulas espaciais para reduzir o cansaço dos ocupantes. Nos revendedores.
Presença – A Nissan quer fazer número e presença. O Altima vem dos EUA, paga imposto de importação, e tem preço concorrente ao Fusion, isento por mexicano. A Nissan tem prejuízo? Ou a Ford muito lucro?
Dólar – 15% em queda do real?, ascensão do dólar?, midi-desvalorização?, reclassificou o mercado para carros importados. Neste ano vendas de importados, por fabricantes e importadoras sem operação industrial no país encolheram 35%, exibindo o futuro mais para cinza que azul.
Oportunidade – Renault pretendia vender 10 mil unidades/ano, importando Megane Coupé R.S. e o pequeno utilitário esportivo Captur para aliviar a crítica operação européia. Chegou a mostrá-los à imprensa.
Pé no freio – Entretanto Olivier Murguet, chefe da operação brasileira, declarou, a iniciativa, pela valorização do dólar, transformou projeto de lucro em risco. O aumento garfou o lucro. A operação é prevista, porém suspensa.
Limpeza – Chery não conseguiu zerar o estoque das 1.000 unidades restantes do QQ e, para acabar com os últimos 600 vende-os a R$ 19.990. Informa, será o segundo produto de sua fábrica em Jacareí, SP. Tomara seja modelo novo. Este, descontinuado, é cópia malfeita de coreano Daewoo.
Exemplo – Como diria um bêbado honoris causa, nunca na história deste país houve um carro tão desacertado entre suspensões e direção. Supera, em escala descendente, até o Gurgel BR-800.
Parâmetro - O Governo Federal, por Ministério da Justiça, Denatran, ou área da saúde, deveria vê-lo como símbolo da necessidade de criar órgão para avaliar nacionais ou importados antes da venda no mercado interno, riscos, acidentes, danos, perdas.
Aprimoramento – Peugeot 408 melhorou o motor 2,0 de aspiração natural e aplicou-lhe caixa automática de seis marchas. Torque se elevou a 22 m·kgf com álcool. Combinação dá agilidade e permite economia de 5%.
De novo - GM apresentou o utilitário TrailBlazer e picape S10. Atualizou a motorização Diesel. Espécie de começar de novo. O utilitário não decola em vendas, a fabricante reconheceu ter pesado a mão no preço, reduziu-o, sem resultados. O motor mais forte 20 cv e adereços internos dão a cara de começar de novo. 
Tecnologia – Universidade Federal de Minas Gerais e Fiat conveniaram cooperar em modelo computacional para o primeiro motor a álcool do mundo. Específico, diferente dos primeiros e dos atuais, projetados para gasolina e adaptados ao álcool.
Negócio – Fórmula deve reduzir tensões entre academia e vida real. Há uns 40 anos o CTA, Centro Técnico da Aeronáutica, iniciou tal pesquisa, fez protótipos, mas o governo por insondáveis razões, e o desinteresse da indústria automobilística inviabilizaram o projeto.
Prazo – Chama-se Simulação computacional tridimensional do motor conceito a etanol, envolvendo caracterização do escoamento de ar, spray e da combustão. Processo longo, 10 anos para chegar ao mercado. A Fiat fará lucros com produção e vendas, e UFMG receberá royalties sobre produção.
Elétricos – Renault iniciou vender carros elétricos para a CPFL, estatal paulista de energia. Avaliar na prática e fomentar o uso de seu combustível, cedendo veículos para frotas.
Surpresa – Hyundai projetou sua fábrica em Piracicaba, SP, e descobriu-se com subcapacidade. Iniciou o terceiro turno, das 0h59 às 6h05, criando 700 empregos e saturando sua capacidade de produzir 150 mil unidades/ano.
Nuvem – Nova ferramenta, o Here Connected Driving, da Nokia, auxiliará fabricantes de veículos a conectar carro e motorista à computação em nuvem, mapas, personalização para cada fabricante, enlaça celulares e coisas práticas como encontrar vagas para estacionamento.
Aniversário – Alfistas festejarão os 40 anos de lançamento do Alfa Romeo 2300 em ampla viagem com os exclusivos e provectos automóveis. Projetam passar por Xerém, onde eram feitos na FNM, depois na Fiat, em Betim, onde se encerrou a produção. Irão até Brasília. Em 2014. Tens? A fim? Dê sugestões e se incorpore em AlfaRomeoBR@yahoogrupos.com.br
Livro – Paulo Peralta, jornalista, contador de histórias sobre automóveis, novo livro: Glamour e tragédia na origem de Interlagos. Relata a motivação emocional e política induzindo a construção do autódromo paulistano.
Mais - Esclarece o acidente entre a atrevida francesa Hellé-Nice – de quem se originou o uso do nome no Brasil –, e o diplomata/piloto Manuel de Teffé. Belo esclarecimento. Li, gostei. Quer ?expressaoearte@terra.com.br
Gente  Sérgio Ferreira, 44, carreira na Fiat, diretor geral da Chrysler, mudança. OOOO Novo VP de Marketing e Vendas da Nissan. OOOO Perspectivas de maior futuro por operação industrial da marca. OOOO João Veloso, jornalista, ex-relações com a imprensa da Fiat e Chrysler, mesa grande na Nissan. OOOO Diretor de Comunicações. Razões idênticas. Era “um dos”, agora será “o”. OOOO. Ordem do presidente mundial para a Nissan crescer 100% no Brasil em 5 anos, era p’ra valer. OOOO Jörg Hofmann, alemão, 46, administrador e mestre, cereja. OOOO Presidente executivo da Audi no Brasil, desafio em carreira de sucesso na marca, trampolim em caso de êxito. OOOO A Audi voltará a vender números de cinco dígitos com o montar A3 ou A4 no Brasil. OOOO Leandro Radomile, brasileiro, ascensão. OOOO Era diretor geral e comercial no último ano, será de Operações, vital para a expansão pretendida. OOOO Ola –parece saudação mas é nome sueco - Källenius, 44, crescimento: novo VP de Vendas e Marketing e membro do board da Mercedes-Benz. OOOO Sucede Joachim Schmdit, aposentado ao atingir 65 anos, autor do plano de crescimento da marca até 2020, no desafio imposto pelo Conselho a Dieter Zetsche – recuperar a liderança de automóveis Premium. OOOO Do ramo: ex-diretor da fábrica Mercedes nos EUA; da área de preparação de motores na Inglaterra; da McLaren, presidiu e expandiu a Mercedes AMG. OOOO Controlará marca na América do Sul. OOOO

RN

A coluna "De carro por aí" é de total responsabilidade do seu autor e não reflete necessariamente a opinião do AUTOentusiastas.



16 comentários :

  1. 1- Bêbado honoris causa" foi sensacional, he, he, he, he, he!

    2- Alfa-Romeo 2300: não tenho, mas já tive, modelo 1977. De vez em quando me pego sonhando com um Ti-4 1986, a evolução da espécie. Para mim, um dos três melhores carros já feitos em solo tupiniquim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também gosto muito do Alfa Romeo 2300 nacional. Muitos consideram o carro uma bigorna, feio, quadradão, indigno da grife italiana, mas gosto muito do modelo. Lembro-me da primeira vez que vi um Ti-4 com o capô aberto, ainda criança. Na hora me saltaram aos olhos os dois carburadores horizontais duplos, perfazendo um corpo para cada cilindro. Nunca tive um, pois quando pensei em comprar meu primeiro carro (em 1996), a manutenção dos 2300 já não era das mais fáceis, sendo um risco para uso diário que eu não queria correr naquela época.

      Excluir
    2. Pois o meu comprei em 1992, já com dezesseis anos de uso, e seis após pararem de ser produzidos. Manutenção? Só a trivial, básica mesmo. Nunca deu problema. Para não dizer que não fiz nada, tive que trocar o burrinho da embreagem hidráulica uma vez. Só isso, em cinco anos que fiquei com ele, fazendo inclusive longas viagens. Um carrão, que por já naquela época ser raro de se ver, ainda mais estando muito bem conservado e original, chamava a atenção por onde passava. Deixou saudades e boas lembranças.

      Excluir
    3. Mr.Car
      Belissima Alfa voce teve , nao ?
      Eu tenho uma 2300 79 . Acho um carro fantastico em desenho , conforto e principalmente em desempenho. Duplo comando , freio a disco nas 4 rodas e cambio de 5 marchas quando a maioria dos carros nacionais ainda utilizava 3 marchas!
      O carro e uma delicia em estrada. Quando falo que ja jantei diversos Dodges o pessoal nao acredita e fica bravo comigo. Sei que os V8 (somente em linha reta) andam mais... Mas geralmente os donos de Dodge sao meio preguicosos e ate puxar aquela alavanca na coluna de direcao para reduzir de 3# para 2# eu ja estou longe ... bem longe.
      Meu objetivo hoje e uma 164 com cambio mecanico. Os precos sao convidativos , mas e dificil se achar um carro bom ...
      Quando tiver com uma dessas ai sim o tempo vai fechar para a turma dos V8 nacionais (Dodge/Maverick e Galaxie).
      Parabens pelo carro que voce teve e sucesso na busca por uma 1986.

      Excluir
    4. Lorenzo Frigerio06/09/13 20:13

      É bom deixar claro que a Alfa 164 "que anda" é a 24V. Não é necessária uma preparação pesada para fazer um Dodge/Maverick acompanhar um carro desses - na reta, bem entendido. Preparar uma suspensão e equipar um carro antigo desses com um câmbio adequado (por exemplo, os câmbios manuais Tremec de 5 marchas fornecidos em kit pela Keisler) é o tipo da coisa que ninguém faz, devido ao custo em geral mais alto que a preparação do motor - no final, se você quer acelerar, sai mais barato comprar uma Alfa dessas em bom estado. Você pode até comprar um Audi A4 V6 desses mais antigos, com 30V e Tiptronic, e fazer um biturbo com pressão moderada, e estará gastando menos que para "fazer" um V8.

      Excluir
  2. Alguém pode me explicar como são feitos e como funcionam os assentos com gravidade zero?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, em termos de bancos eu tinha ficando impressionado com a Nissan já no modesto Tiida. Depois soube que eram os mesmos bancos do Murano, segundo o release. Esses do Altima certamente tem explicação em release no site da marca.

      Hoje trouxe um doente no meu New Fit - com banco mais duro que de carro alemão - quando ele saiu do carona e pegou a cadeira de rodas ele até suspirou de alívio kkkkk. Pior que a dúvida da compra na época era entre os dois carros :-(

      Excluir
  3. Finalmente a VW do Brasil resolveu se mexer e apresentar motores mais modernos. Começou pelo 1-litro e três cilindros e, agora, novos 1,4 e 2,0-litros 16 válvulas. Tudo bem que os motores atuais, embora defasados, são bons, mas já havia passado do tempo de apresentar novos motores multiválvulas para linhas acessíveis aos meros mortais.

    Surpresa negativa foi ler que o Chery QQ é ruim de suspensão e direção. Nunca gostei do carro, parece mais um brinquedo e, agora então, passo longe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Road Runner
      De uma lida nas recentes revistas especializadas que sairam nesse mes. Elas ja testaram o Golf 7!
      A VW realmente elevou a barra nesse segmento. O motorzinho de 1.4 140cv esta levando o Golf a 215km/h e 0-100 em apenas 8,5 seg.
      O GTI de 2.0 e um foguete com 0-100 em 6,0 seg e 250 de max. Vai andar junto com Subaru WRX e Eancer Evo. Precos estimados em 75K e 95 (GTI) o que parece ser bem razoavel. Porem acredito que havera agio , como ocorre com o Fusca.
      Nao vai haver a minima chance para os concorrentes nesse segmento.
      Golf um VW com qualidade de Mercedez Bens!

      Excluir
    2. O Cherry QQ mais parece um peixinho de aquario que um carro!

      Excluir
  4. O povinho pilantra esse da Hyunday/Kia/Asia ! Cada dia que passa sinto mais repulsa por essas marcas sem vergonha em todos os sentidos. Engana, mente aos quilos, some várias vezes...Caoa, Cao, Caô.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exemplo similar é a Plymouth. Vendeu vários Dodge 1800 nos anos 70 e depois sumiu do país. Aos anos 90 retornou, vendeu suas Dakota, e depois? Sumiu novamente.
      Tenho um amigo que tem um Dakota, está restaurando. Trouxe dos EUA aproximadamente 7.000,00 USD em peças, e na remontagem da picape, pimba! Muitas das peças não serviam, pois (salvo engano) a plataforma dos modelos norte-americano e sul-americano são diferentes.
      Marcos

      Excluir
    2. Pior de tudo é que muita gente tem esses carros coreanos/chineses atuais ainda em linha e não tem peças de reposição, e quando tem, segura a paulada pois o preço das peças é de deixar BMW e Mercedes de queixo caído.

      Aqui no Brasil não tem marca nenhuma santa, mas a pior e mais sem vergonha de todos disparado é desse grupo.

      Excluir
  5. "Universidade Federal de Minas Gerais e Fiat conveniaram cooperar em modelo computacional para o primeiro motor a álcool do mundo. Específico, diferente dos primeiros e dos atuais, projetados para gasolina e adaptados ao álcool."

    Uai, e os motores pioneiros na época do Proálcool?

    Ou esses se encaixam no caso de "projetados para gasolina e adaptados ao álcool"? Fico me perguntando quais seriam as soluções pra mitigar a diferença energética entre a gasolina e o álcool, e o maior consumo com este combustível por causa disso...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já passou da hora. Meu Honda City 1,5 AT faz 4,5 km/l em São Paulo capital com ar ligado. E com gasolina não faz nem 7. Ninguém merece, o mundo todo procurando menor consumo e nós jogando combustível fora.

      Excluir
  6. O perigo da producao local do golf vII, eh nacionalizar demais e acabar se tornando tambem outra peculiaridade nacional.

    ResponderExcluir

Pedimos desculpas mas os comentários deste site estão desativados.
Por favor consulte www.autoentusiastas.com.br ou clique na aba contato da barra superior deste site.
Atenciosamente, Autoentusiastas.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.